Jump to content
Forum Cinema em Cena

Querô


-felipe-
 Share

Recommended Posts

quero-poster01.jpg

 

 

 

Querô, de Carlos Cortez (Brasil, 2006)

 

 

 

Antes que os créditos iniciais de Querô apareçam, há uma espécie de prólogo que retoma o momento do nascimento deste menino protagonista, uma lembrança vinda dele mesmo, que nos conduz com a voz off até o ambiente prostibular onde sua mãe vivia e trabalhava. Nessas poucas cenas, de caracterização bastante excessiva, Carlos Cortez já estabelece aquela que será a relação primordial entre seu filme e aquele de quem pega o nome emprestado para o título. Entre os palavrões gritados pela cafetina e o parto recém-acontecido, Cortez busca o rosto de Maria Luísa Mendonça, mãe de Querô, e não há nesse movimento qualquer sanha sensacionalista. Já expulsa desse lugar, ela aparecerá na rua chorando a dúvida entre seguir com a maternidade ou interrompê-la, entregando o filho para adoção, e ali estaremos novamente muito perto dos olhos da atriz. Decidida, abandona o menino na porta do prostíbulo e sai pela rua, para mais adiante se matar ao beber querosene (e assim marcar involuntariamente seu filho com o apelido tornado identidade). Agora estamos, como pelo resto do filme, diante apenas deste menino, e um último plano fechado, no rosto do bebê jogado na calçada, confirma esta relação pretendida. Querô não tem medo dos closes, e se já nesse prólogo se dispõe ao contato tão próximo com seu protagonista, é porque sente que dali, e só dali, será possível percebê-lo com a integridade que merece.

 

 

 

Há nessa proximidade, sobretudo, uma vontade de realidade, expandida aqui para além da simples inserção de uma câmera num ambiente de instabilidade, uma câmera que se disponha a captar beleza e sujeira sem distinções, essa espécie de fórmula de assimilação da verdade da qual o registro documental estaria naturalmente investido. Querô quer também a proximidade psicológica, e aqui chega longe demais, transforma integridade em totalidade, e se nutre das imagens mentais de seu protagonista, atormentado não só com o passado de filho de uma prostituta suicida, mas com todas as provações a que é submetido no trajeto que o filme captura: o trabalho informal e os pequenos furtos na região portuária de Santos, a prisão e a fuga da Febem, a perseguição constante dos agentes subalternos do poder e, sobretudo, o estupro violentíssimo que Querô sofre na prisão, revivido a golpes de flashback. As lembranças vêm em forma de clipe alucinatório, com planos curtos desses momentos da vida do menino, todos com a imagem alterada (como se, na consciência, as cores do mundo fossem invertidas), agrupadas por muito barulho e efeitos de montagem. Entre a realidade do corpo e a realidade do espírito, somos repentinamente instalados num espaço que repele nossa presença, e aquilo que era o desejo de estar perto se torna uma invasão, a necessidade forçada de se estar dentro.

 

 

 

Mais que um problema, essa volúpia sobre o espaço íntimo do protagonista cria uma confusão. Porque a resposta a essa atitude está no próprio corpo de Querô, e à cada investida no realismo psicológico, Carlos Cortez opõe um momento onde o que se realiza é a ficção pura, em sua concepção mais clássica. Sobre o personagem que criou no romance homônimo de 1976, Plínio Marcos dizia que nem Deus olhava por ele, e a adaptação para o cinema, como já se anunciava desde aqueles closes iniciais, quer cumprir exatamente este papel ignorado até aqui. A força de Querô, no entanto, aparece sempre que essa obrigação divina é substituída por outra, igualmente transcendental, porém mais próxima do chão, onde o que existe é a simples encenação, não como a submissão do protagonista à esquemas ficcionais determinados, mas sim como um regime de colaboração entre um e outro.

 

 

 

É esta dimensão de urdidura dramática que retira o protagonista da condição de retratado e o coloca no centro de uma mise-en-scène ativamente construída, onde toda plataforma realista é contaminada por um apelo irresistível de fabricação. Há sim um olhar revelador, mas ele só se efetiva na investigação da própria cena, no modo como cada situação pode se desdobrar em imagem, naquilo que, ao contrário do que se podia imaginar do primeiro longa de ficção de um diretor escolado no documentário, diz respeito à uma decupagem extremamente precisa da ação. Encantado com essa sua descoberta da invenção, Cortez vai respondendo à disponibilidade de Querô em se deixar filmar com a encenação de momentos de puro cinema. É assim que vemos o menino, numa seqüência de poucos planos, se apaixonar por uma jovem cantora gospel num culto de igreja evangélica, tudo de modo tão carinhosamente colocado já desde a primeira imagem, que antes de qualquer inevitabilidade ou necessidade de recompensa à um personagem sofrido, o que aparece é a própria oportunidade de colocar Querô num lugar em que nunca esteve, diante da possibilidade de materializar toda carga emotiva de que sempre apareceu envolvido, e que sempre era frustrada, num momento onde ela se realize sem qualquer impedimento. De volta ao close, mas sem outra atribuição que não a da confirmação de um sentimento, vemos as mãos de Querô e de sua amada, juntas e entrelaçadas durante uma oração. A divindade, no fundo apenas o poder de atuação sobre o destino de alguém, sai do registro dos grandes temas responsáveis (dar visibilidade a uma faixa da população marginalizada, denunciar a ruína do sistema correcional juvenil) e vem ao nível da disposição de um diretor em garantir a um personagem tão espontâneo a chance de se mostrar maior do que os limites que sua condição social e histórica sempre lhe impuseram.

 

 

 

É assim, portanto, que se pode rimar o mesmo apagar assustador de luzes na cadeia, na primeira vez como anúncio direto da proximidade de um trauma, na segunda já sob o silencia tácito e terrível de um momento que, para Querô e para o espectador, já fornece por si só a sensação de um flashback. Do mesmo modo, teremos dois planos curtos e decisivos para a construção desse protagonista, num momento a faca incógnita que é jogada a seus pés, como se iniciar uma rebelião estivesse naturalmente a cargo dessa potência sensível absolutamente explosiva, e na seqüência, a mão ensangüentada deixando uma marca na parede, síntese de um trajeto colocado em crise. Truques narrativos, como a disposição de faroeste que Querô e o policial assumem no duelo final, tão definidores dessa confusão positiva entre real e fictício.

 

 

 

E não há espaço melhor para essa dualidade que Maxwell Nascimento, o jovem ator escolhido para encarnar Querô, no que talvez seja a interpretação masculina mais marcante do cinema brasileiro desde o Satã de Lázaro Ramos. Capaz de equilibrar o ódio e a raiva (que seu personagem declara como os únicos sentimentos que o movem) com a doçura de quem descobre, até um tanto constrangido, que também o amor lhe diz respeito, Nascimento acaba amortecendo os descaminhos de Querô. Talvez por ele, por esta versão que criou de um personagem tão estabelecido (pelo próprio romance de Plínio Marcos, e pela rebarba dele em Pixote, livro e filme), aquilo que parecia uma mistura de focos acaba se concentrando num só, e no último trecho, nada menos que arrebatador, estamos lidando com a intervenção direta sobre qualquer senso de realidade. Mais uma vez um filme brasileiro termina com o sorriso de pura dúvida de seu protagonista, mas se em O Céu de Suely aquela manifestação era pura vontade de futuro, em Querô, destino já devidamente traçado, o sorriso é quase o acúmulo de todas as expressões agrupadas no rosto do protagonista ao longo do filme inteiro, como se a alguém que se entregasse tão instintivamente à aventura de descobrir-se pleno só restasse este desfecho, narrativas da insistência no amor.

 

 

 

Rodrigo de Oliveira

 

 

 

quero.jpg

 

 

 

 

 

Vi hoje e me surpreendi positivamente com o filme, que não vem tendo tanta divulgação quanto merecia, mas de cara já considero um dos melhores do ano. Pra quem tiver a oportunidade é um filme que merece ser conferido.

Link to comment
Share on other sites

A produtora e um dos atores deram uma palestra sobre o filme lá na faculdade. Passaram o documentário 'Eu fiz Querô'' date=' que mostra a rotina de aprendizado dos jovens não-atores do filme. Ouvi falar que o documentário é melhor que o filme.. Mas, enfim.. Estou curioso para assistir.[/quote']

 

Tem um texto interessante sobre esse documentário aqui. Se é melhor do que o filme aí já não sei pq não vi, mas pelo que dizem parece ser bem interessante. É possível assisti-lo no site oficial do filme, mas como tenho conexão discada tô torcendo pra que venha como extra no dvd.

 

O diretor e o protagonista estiveram aqui na minha cidade tbm (Juiz de Fora - MG) divulgando o filme, mas nem tinha ficado sabendo. 12.gif

Link to comment
Share on other sites

Algumas fotos:

 

 

 

quero01t.jpgquero02t.jpgquero03t.jpgquero04t.jpgquero08t.jpg

 

 

 

 

 

- Ganhou 4 troféus Candangos no Festival de Brasília, nas categorias de Melhor Ator (Maxwell Nascimento), Melhor Roteiro, Melhor Som e Melhor Direção de Arte.

 

- Ganhou 3 prêmios no Cine Ceará, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator (Maxwell Nascimento) e Melhor Edição.

 

- Ganhou 6 prêmios no Festival de Cuiabá, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (Maxwell Nascimento), Melhor Roteiro, Melhor Produção e Melhor Direção de Arte.

 

 

 

(Adoro Cinema)-felipe-2007-10-04 22:31:00

Link to comment
Share on other sites

Diretor fala sobre Querô

 

 

 

img_news_12092007querodentro.jpg

 

Carlos Cortez

 

 

 

Após ser premiado em alguns dos principais festivais do calendário cinematográfico brasileiro - como de Brasília e Cine Ceará -, estréia nesta sexta-feira (14) o drama Querô. Baseado na obra Uma Reportagem Maldita (Querô), romance publicado em 1976 e escrito por Plínio Marcos, o filme é a estréia de Carlos Cortez na direção de um longa-metragem.

 

 

 

Com formação em psicologia, Cortez direcionou sua carreira ao cinema há dez anos, trabalhando com roteiros. "Primeiramente, fiz documentários em vídeos e alguns curtas-metragens", comenta o diretor em entrevista exclusiva. "Escolhi esta história de Plínio Marcos para estrear num longa-metragem porque sempre vi um olhar delicado e humano nessa obra, achava que estava faltando isso no cinema brasileiro", explica.

 

 

 

A idéia de levar Uma Reportagem Maldita (Querô) às telas do cinema partiu do próprio diretor. "Quando o Plínio estava vivo, eu disse que queria adaptar o ‘Querozinho’, como ele mesmo se referia ao personagem", revela Cortez. "Depois que ele morreu (em 1999), sua família veio me procurar, interessada em saber se ainda pretendia adaptar essa história".

 

 

 

Querô conta a história de um garoto (Maxwell Nascimento), filho de uma prostituta e órfão desde quando era um bebê. Nas ruas e becos da zona portuária santista, em São Paulo, ele vive situações extremas, envolvendo a pobreza e a violência de sua situação miserável. Cortez aproveita seus conhecimentos como psicólogo para conseguir não apenas tirar o melhor de seus atores, mas, principalmente, no tratamento da personalidade dúbia do personagem principal, que alterna momentos de ternura e raiva de uma forma muito sutil. "Essa visão humanista da história extrapola a psicologia, mas essa formação fez com que eu entendesse melhor a alma humana", admite o cineasta.

 

 

 

Uma Reportagem Maldita (Querô) é uma obra extremamente intensa, como todas criadas por Marcos. Para que essa intensidade fosse passada ao longa, foi feito um delicado trabalho junto aos atores escalados ao trabalho. Foram selecionados 1.200 jovens entre as comunidades carentes da Baixada Santista, todos relacionados a oficinas comunitárias de artes dramáticas: "Procurei pelos atores no litoral paulista porque queria o sotaque, o ‘jeitão’ do cais de falar". Destes, 200 participaram de um processo chamado pela produção de Querô de "oficina-teste", onde foram melhor inseridos no processo de criação relacionado ao longa-metragem. O grupo de 1.200 inicial foi reduzido a 40 finalistas, que, durante sete semanas, tiveram aulas de expressão corporal e capoeira; as seis semanas seguintes foram dedicadas à inserção de cada um ao universo da história de Marcos. Este complexo trabalho rendeu um documentário, Eu Fiz Querô, dirigido por Carlos Cortez, Eduardo Bezerra e Samuel de Castro.

 

 

 

Maxwell Nascimento é, sem dúvida, o grande destaque nesse processo todo. Estreante no cinema, o jovem foi premiado como Melhor Ator nos festivais de Brasília e Cine Ceará; sua descoberta se deu na trabalhosa busca por atores, conduzida por Cortez. "Vários meninos fizeram nosso coração balançar", diz o diretor, sobre o processo de busca pelo ator que daria forma a Querô. "O Maxwell tem a docilidade necessária ao papel e ele é capaz de transitar muito facilmente à agressividade", descreve.

 

 

 

No fim de 2006, Querô foi selecionado para exibição no 39º Festival de Brasília; levou boa parte dos troféus, como de Melhor Roteiro, Direção de Arte e Ator (Maxwell Nascimento). "Foi um escândalo, o público aplaudiu durante todos os créditos", lembra Cortez. No Cine Ceará deste ano, o sucesso foi repetido. Mas o sucesso que Cortez mais parece se orgulhar dentro da lista de festivais percorridos pelo filme é o obtido em Cuiabá, que conta com um júri popular: lá, Querô ganhou em seis das oito categorias.

 

 

 

Mas a boa recepção do longa não significou que o filme teria mais facilidade em chegar ao circuito comercial, muito pelo contrário. Mas essa demora parece não incomodar Carlos Cortez: "O filme está sendo tratado com muito respeito e dignidade pelo principal exibidor", revela. "Optamos por uma distribuição com poucas cópias (13 em película e 7 em formato digital) para que pudéssemos cuidar de cada uma lançada".-felipe-2007-10-05 17:36:24

Link to comment
Share on other sites

Muito bom o filme. Acho que há alguns excessos, e uma ou outra cena desnecessária, mas é um ótimo filme. A cena da fuga da cadeia é muito bem dirigida e a cena final é genial, uma pancada linda.

 

Querô segue uma estética pós-Cidade de Deus, mas onde a câmera na mão e as mudanças de foco não incomodam tanto como, por exemplo, no recente Cidade dos Homens - O Filme. É um filme claramente influenciado pelo Pixote, do Babenco, e que inteligentemente retrata a dura realidade que exibe com uma delicadeza ímpar. Carlos Cortez parece saber que essa realidade aliado com esse modo de filmar já não choca ou impressiona tanto o público acostumado com esse tipo de cinema que vem proliferando no cenário nacional.

 

Muito bom mesmo. Vale a pena conferir.

 
Link to comment
Share on other sites

Eu estava interessado em ver o filme' date=' mas em meio

aos inúmeros filmes que estava interessado em ver, acabei deixando este

de lado e provavelmente ficará para o DVD mesmo ... mas pelo soube a

respeito do projeto ... tem potencial ...[/quote']

Como O Vidente, por exemplo?06

 

brincadeirinha

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

 

A produtora e um dos atores deram uma palestra sobre o filme lá na faculdade. Passaram o documentário 'Eu fiz Querô'' date=' que mostra a rotina de aprendizado dos jovens não-atores do filme. Ouvi falar que o documentário é melhor que o filme.. Mas, enfim.. Estou curioso para assistir. 0302[/quote']

Tá tendo um festival de cinema aqui na minha cidade e vai ter uma exibição de Eu fiz Querô. Vc acha que vale a pena Rike?

 

E a propósito, o ator que foi na sua faculdade era o protagonista?

 

Link to comment
Share on other sites

  • 8 months later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...