Jump to content
Forum Cinema em Cena

Explotation


Jess Franco
 Share

Recommended Posts

 

 

 Para voces entederem melhor o que é o que foi o explotaiton que eram exibidos nos cinemas Grindhouse. Pego o especial da revista paisa que é super bem explicado pelo Caraça.

Gostam? tem visto algo do genero?

o q acham?

 

Exploitation e Cinema Grindhouse

 

Por Leandro Caraça

 

 

As pessoas costumam usar a palavra grindhouse

para denominar os cinemas americanos que durante as décadas de 60, 70 e

80, tinham sua programação voltada a filmes recheados de violência e

sexo. Na verdade quando falamos a respeito de grindhouse estamos falando sobre o cinema exploitation

em geral. O termo tem sua origem localizada ainda nos anos 20 por causa

da semelhança que os antigos projetores tinham com os moedores de carne

(meat grinder). Filmes de caráter estritamente apelativo existiam desde

o período mudo e isso apenas aumentou com o advento do som. Produções

como Marijuana (1935) e Reefer Madness (1936) afirmavam que uso da cannabis sativa era o primeiro passo para uma vida de degradação moral, e Slaves in Bondage

(1937) sobre inocentes garotas do interior que ao chegar numa grande

metrópole são levadas a prostituição. Ainda nesta década o velho teatro

burlesco se tornaria sinônimo de shows de strip tease e rapidamente chegava aos cinemas. Aqui o grindhouse se associava ao bump and grind

(termo usado para os movimentos sensuais das voluptuosas dançarinas),

podendo denominar tanto os teatros quanto os cinemas que exibiam esse

tipo de atração. Um momento decisivo para os produtores independentes

chegou em 1949 quando o Supremo Tribunal Americano decidiu acabar com o

monopólio exercido pelos grandes estúdios de cinema, impedindo que

continuassem a controlar toda exibição e distribuição de filmes no

país. Uma nova decisão tomada três anos mais tarde liberava qualquer

produtor a ir contra as castradoras regras do Código Hays de 1934.

Assim

nos próximos anos proliferaram produções sobre delinqüentes juvenis

(agora adeptos do rock n' roll) e prostituição feminina, os infames

filmes de higiene sexual e mais anti-drug movies .

Outra modalidade eram os nudie-cuties, que no fundo não passavam de

documentários sobre campos de nudismo com pouca ou nenhuma história e

que na maioria das vezes mostravam pessoas comuns (ou seja, nada

bonitas). Uma exceção foi Naked Venus (1958) do lendário Edgar G. Ulmer, que se não trazia muitas cenas de nudez ao menos tinha um plot e belas mulheres. Um ano depois Russ Meyer faria a sua estréia nas telas com The Immoral Mr. Teas ,

o primeiro filme do gênero a arrecadar mais de um milhão de dólares.

Seu sucesso encorajou pessoas como Doris Wishman e Harry B. Novak a

investir no gênero (chegaram ao cúmulo de misturar sci-fi com gente

pelada), e até um jovem Francis Ford Coppola entrou na dança com Tonight For Sure

(1962). A partir daí a nudez explícita deixou de ser uma exclusividade

desse subgênero. Ainda no começo daquela década, uma dupla de

espertalhões daria início a uma parceria que mudaria para sempre os

rumos do cinema apelação. Após uma série de filmes softcore ,

Herschell Gordon Lewis e o produtor David Friedman decidiram que apenas

nudez não era o bastante para chamar a atenção do público, e

acrecentaram novos temperos à fórmual. Nascia assim Banquete de Sangue

(1963), o primeiro filme gore americano da história. Como se isso são

fosse o bastante, no mesmo ano, com Scum of the Earth, eles criavam o

subgênero dos roughies  - filmes que além de mostrar nudez apresentavam personagens anti-sociais e um coquetel de violência e misoginia.

Nessa

época já era possível perceber um novo tipo de espectador, acostumado

em assistir a filmes cada vez mais ousados e bem familiar com a

decadência de grandes cinemas de outrora e dos velhos teatros

burlescos, onde o cardápio eram produções baratas e de gosto duvidoso.

O termo grindhouse agora designava cinemas fuleiros que

exibiam programas duplos ou triplos, ou até mesmo quádruplos ao preço

de um único ingresso. Todas as grandes cidades americanas das costas

leste e oeste já tinham seus templos da baixaria. O que se convencionou

a chamar de grindhouse estava aqui: salas sujas com cheiro

de mofo e urina, carpetes e poltronas grudentas, pessoas estranhas na

platéia (tarados usando sobretudo, viciados,prostitutas e michês), tela

e projeção com defeitos. As cópias dos filmes não eram muito melhores.

O ciclo de exibição era bastante curto e a maioria não passava de dois

ou três dias. Uma vez encerrada sua passagem naquele cinema ninguém

podia dizer qual seria seu destino. Filmes populares chegavam nessas

casas depois de rodarem a cidade toda, e por isso essas cópias também

eram sofríveis. Cidades menores e do interior que não tinham lugares

assim podiam suprir sua necessidade básica graças aos inúmeros

drive-ins espalhados pelo país.

A

quantidade de produções independentes crescia por toda América. De

todas as cenas existentes nenhuma era tão bizarra quanto aquela surgida

em Nova Iorque – a meca dos cinemas grindhouse - com nomes como Joe

Sarno e o casal Michael e Roberta Findlay que escancaravam a perversão

existente nos subúrbios. Mal comparando seria algo parecido na estética

com o Cinema Marginal e as produções baratas da Boca do Lixo. O

erotismo europeu já começava a influenciar diretores e a cair no gosto

do público. Radley Metzger percebeu isso e em 1966 distribuiu nos EUA o

softcore dinamarquês I, a Woman com grande retorno financeiro. Os espectadores normais começavam a freqüentar as salas grindhouse com mais freqüência e o chefão da Fox, Darryl Zanuck, chegou a pegar uma sessão de Vixen (1968) de Russ Meyer na 42nd Street em Nova Iorque.

As

coisas continuam a acontecer sem nenhum problema até que Matt Cimber

lançou o primeiro documentário longa metragem de sexo hardcore ( Man and Wife ) em 1969, sendo seguido por Alex de Renzy com Pornography em Denmark e A History of Blue Movie (ambos de 1970). Era o início da era dourada da pornografia onde um filme como Garganta Profunda

(1972) era exibido até mesmo em cinemas respeitáveis. No decorrer dos

anos 70 os templos grindhouse seriam tomados por uma infinidade de

filmes dos mais diversos tipos (blaxploitaion, filmes de artes

marciais, euro trash, spaghetti westerns, nazisploitaion, etc). O

início da derrocada viria com a invenção do vídeo-cassete e muitos

engoliram seco quando Roger Corman previu que este seria o futuro.

Drive-ins começavam a desaparecer, pequenas produtoras e distribuidoras

fechavam e veteranos como Russ Meyer e David Friedman não mostravam

mais interesse em continuar com seu ofício. Os níveis de violência em

Nova Iorque atingiam seu ápice na metade da década de 80, o que levou a

uma limpeza nas áreas mais barra-pesada (Harlem, Bronx e a Times Square

incluídos). Cinemas grindhouse começavam a dar espaço a

lugares com a logomarca da Disney. Os cidadãos da Big Apple nunca se

sentiram mais seguros. Quem quisesse assistir a filmes violentos e de

mau gosto deveria passar numa locadora. Mas nada poderia recriar a

experiência de um legítimo e podreira cinema grindhouse .

* Banquete de Sangue (1963) – o pioneiro gore movie de Lewis e Friedman

 

* Faster Pussycat ! Kill ! Kill ! (1965)   - Russ Meyer apresenta Tura

Satana e sua gangue de Go Go Dancers. “Ladies and Gentleman. Welcome to

Violence!”

 

* Love Camp 7 (1969) – o diretor Lee Frost inventa o nazisploitation

 

* O Garanhão Italiano (1970) – a vergonha de Sylvester Stallone

 

* Inga (69) / Maid in Sweden (1971) – o grande sucesso internacional de

Joe Sarno e sua refilmagem estrelada por Christina Lindberg

 

* I Drink Your Blood – o que pode ser pior do que motoqueiros hippies

assassinos ? Motoqueiros hippies assassinos contaminados com raiva !!!

 

* Aniversário Macabro (1972) – This is only a movie. This is only a movie …

 

* Garganta Profunda (1972) / O Diabo na Carne de Miss Jones (1973) –

dois clássicos hardcore de Gerard Damiano

 

* The Adult Version of Jekyll & Hide – uma das melhores produções de David Friedman

 

* Coffy (1973) / Foxy Brown (1974) – dois grandes blaxploitation da dupla Jack Hill e Pam Grier

 

* The Candy Snatchers (1974) – um dos mais revoltantes e excepcionais filmes do grindhouse

 

* Deadly Weapons (1974) – Doris Wishman e os gigantes atributos mamários de Chesty Morgan

 

* The Streetfighter (1974) – Sonny Chiba chutando bundas e esmagando crânios

 

* Thriller – A Cruel Picture (1974) - Christina Lindberg estrela um dos

maiores exploitations movies de todos os tempos.

 

* O Massacre da Serra Elétrica (1974) – Leatherface e sua família não poderiam ficar de fora

 

* Ilsa, She Wolf of SS (1975) – nunca houve uma nazista como Ilsa. Assista e descubra.

 

* Welcome Home Brother Charles (1975) – já viu um homem usar seu pênis para estrangular outro?

 

* The Opening of Misty Beethoven (1975) – possivelmente o melhor pornô

já feito. Cortesia de Henry Paris (a.k.a. Radley Metzger)

 

* Snuff (1976) – o casal Michael e Roberta Findlay fez um filme barato

sobre motoqueiros assassinos rodado na Argentina. Só que o produtor

acrescentou um epílogo dando a entender que houve uma morte real por

trás das câmeras.

 

* Fight for Your Life (1977) – pérola do exploitation setentista e politicamente incorreto até a medula

 

* O Assassino da Furadeira (1979) / Sedução e Vingança (1981) – as origens de Abel Ferrara

 

* Crippled Masters (1979) – dois lutadores de artes marciais. Um não tem as pernas. O outro os braços.

 

*  Cannibal Holocausto (1980) – o controverso e obrigatório filme de Ruggero Deodato

 

* O Exterminador (1980) – o clássico dos cinemas pulgueiros e das locadoras

 

* Maníaco (1980) – a obra-prima de William Lustig e Joe Spinnel

Jess Franco2008-09-08 23:50:48

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 50
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

 

Esse é o tipo de gênero que vc assiste mais por curiosidade do bizarro do que por qualquer outra coisa... já prometi pra mim mesmo que jamais vou assistir Cannibal Holocaust' date=' pra mim esse filme é criminoso e devia dar cadeia.[/quote']

 

Existe muita coisa boa e interessante do genero, e nao acho que seja só para matar curiosidade, vou postar algumas coisas bem interessantes do genero logo mais.

 

As maiores referencias hoje são: Planeta Terror e A Prova de Morte.

 

Quando Cannibal, se viu nao viu como pode falar que é criminoso?

 

Link to comment
Share on other sites

Não falei que o gênero não traz coisas boas, só falei que grande parte do "sucesso" dele se deve a curiosidade de assistir coisas medonhas, literalmente.

 

Não assisti, mas já li sobre ele, sobre coisas que acontecem, e infelizmente já me deparei com uma cena lamentável no YouTube, a da tartaruga. Não deu nem 5 segundos e eu já fechei a janela, seria um dano pscicológico permanente assistir àquilo.07
Link to comment
Share on other sites

 

Vicking, terror extremo realmente não é todo mundo que gosta, ele testa seus limites. Eu mesmo que sou fã, já vi alguns filmes que dá vontade de desligar, ultrapassam todos os limites.09

Adoro Canibal Holocaust, mas tem um padrão de violência incomum (peculiar ao gênero), grande agressão física aos personagens e psicológica ao espectador e personagens. E sim, os animais realmente são torturados, como todo mundo fala.

Mr. Scofield2008-09-09 21:31:56

Link to comment
Share on other sites

O meu problema com esse "filme" é justamente isso... Um bando de animais perdeu a vida para os caprichos do diretor, um imbecil que não merece o ar que respira.icon_rolleyes

E o pior, de forma totalmente brutal. Me assusta saber que existem trogloditas por aí que fazem esse tipo de coisa, e nesse caso o "em nome da arte" não justifica, mas não mesmo. Isso não é arte, isso é gentinha querendo aparecer.

 

 
Link to comment
Share on other sites

Existem muitos filmes que nao tem esse fator realista de morte e tortura nos filmes, concordo que isso nao é uma coisa boa e legal desee fazer com qualquer animal, mas o ser humano esta acostumado a fazer atrocidades com todos os seres vivos ao longo de sua historia. Infelizmente o diretor deve ter algum objetivo para fazer isso mesmo que seja passar a realidade, nao vi o filme ainda mais conhece a obra pq ja li sobre.

 

Nao devemos julgar o genero so por causa desse filme. Nao acho q parte do sucesso seja por causa de coisas medonhas, o sucesso é pelo titulo mesmo explorar, exagero que torna muitas vezes engraçado e divertido voce sabe como é o filme e ele nao vai te enganar. E incomum ver filmes com esse tipo de apelacao e visao.

No caso de Cannibal acho passo do exagero, talvez o diretor realmente tenha se excedido. Tipo aqueles documentarios faces da morte.

 

 

Link to comment
Share on other sites

obras primas do genero ou classicos que ja tem em dvd:

 

Blaxploitation:

 

Rififi no Harlem 

 

(Cotton Comes to Harlem, EUA, 1970, Cor, 96') 

 

De: Ossie Davis 

 

Com: Godfrey Cambridge, Raymond St. Jacques, Calvin Lockhart, Judy Pace, Redd Foxx

 

Sweet Sweetback Baadasssss Song 

 

(Sweet Sweetback's Baadasssss Song, EUA, 1971, Cor, 97') 

 

De: Melvin Van Peebles 

 

Com: Melvin Van Peebles, Simon Chuckster, Hubert Scales, John Dullaghan, West Gale 

 

 

 

 

O Chefão do Gheto 

 

(Black Caesar, EUA/ITA, 1973, Cor, 94') 

 

De: Larry Cohen 

 

Com: Omer Jeffrey, Cecil Alonzo, Margaret Avery, Val Avery, Allen Balley

 

O Retorno de Sweetback

(Baadassss! Eua, 2005, Cor 108´)

 

Direção:

Mario Van Peebles

 

Mas o mais conhecido desses é a grande homenagem que Tarantino fez para a Musa do Cinema negro a Pam Grier.

 

Jackie Brown de 1997 de Tarantino é um Blaxploitation.

 

Ai estao os principais filmes negros feitos em dvd no genero Blaxploitation, depois viram filmes do Spike Lee, porem pelo que eu entendo eles sao dramas comum melodramas ja de uma outra epoca.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Mas eu não sou contra o gênero, não tenho preconceitos com cinema.  Cannibal Holocaust é um caso infeliz de filme que me transmite repulsa (até hoje é o único que decidi nunca assistir). E simplesmente nada pode ser justificado com a morte real de um animal num filme, salvo motivos como caça ou abate (esse último tb é controverso, mas pelo menos o animal não morre em vão).

 

Se quer mostrar morte em vão como aquela tartaruga, use efeitos ou artifícios que o cinema oferece (bonecos, por exemplo). E se vc ler mais sobre o filme, vai descobrir que o próprio diretor se arrependeu do que fez, o que não diminui sua culpa na minha visão, porque pra ter chegado no ponto que ele chegou já é o fundo do poço, não dá pra piorar.

 
Link to comment
Share on other sites

Saquei, alguns filmes no meu ver são feitos para transmitir esse tipo de sentimento, por exemplo pra mim em Irreversivel no comeco eu sinto praticamente mesmo que voce, repulsa, nausea. Me parece que ele faz de proposito, Mas me parece q Cannibal é um filme particular nesse meio certo, infelizmente como eu disse ele erro feio no exagero do filme, mas se ele mesmo disse que se arrependeu ele viu o q ele fez. Mesmo voce nao dizendo q nao gosta do genero, tem q conhecer outras coisas pq o cannibal e um filme um tanto unico. Quando eu assisti a gente discuti mais..rs

 

Link to comment
Share on other sites

 

Ah sim' date=' se eu tivesse acesso a grande maioria desses filmes assistiria sim. Fui dar uma pesquisada e alguns parecem bem interessantes, esteticamente até.[/quote']

 

voce reparo nos q eu coloquei la em cima do cinema negro?

são muito interessantes depois vou por minha opiniao sobre eles aqui, da uma lida sobre eles no site da www.2001video.com.br tem pra alugar e comprar.

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

A 2001 é um paraíso' date=' o problema é o preço...com uma locação de catálogo de lá alugo 4 filmes na locadora que frequento...07 

[/quote']

 

É hoje a locação tanto de lançamento e catalogo estao a 9,50 um absurdo.

mas depende da regiao que voce mora, pelo q eu sei ali no higianopolis e pinheiros tem umas locadoras tao boas quanto a 2001 e baratas.

 

Jess Franco2008-09-10 11:37:07

Link to comment
Share on other sites

Interessados no genero novidades com exibições raras:

 

AS VAMPIRAS VOLTAM A ATACAR!

17 a 21 de setembro de 2008

AS VAMPIRAS VOLTAM A ATACAR! na Cinemateca Brasileira, de 17 a 21 de

setembro, com pérolas dos cinemas de horror e erótico dirigidas por

mestres como Jean Rollin, Jesus Franco e Joe Sarno. Os aficionados pelo

universo do filme de terror e classe B ganham nova chance para conferir

a retrospectiva de 12 filmes de vampiras, todos extremamente raros no

Brasil e legendados em português, organizada por Carlos Reichenbach e

Leopoldo Tauffenbach. A programação é realmente de tirar o sono e foi

um dos principais destaques da edição deste ano da Virada Cultural. Da

Argentina ao Japão, passando pelo México, Espanha, França, Inglaterra e

Alemanha, o mito sensual da mulher vampiro ganhou corpo e se espalhou

pelos quatro cantos graças ao cinema (e também aos quadrinhos).

Aproveitamos esta mostra para homenagear um dos maiores nomes dos

quadrinhos brasileiros, o mestre Eugênio Colonnese, que faleceu em 8 de

agosto último, aos 78 anos. Italiano residente no Brasil desde os anos

60, Colonnese foi criador de MIRZA, A MULHER VAMPIRO. A personagem

nasceu em 1967 e foi a primeira vampira em quadrinhos do mundo, precedendo inclusive a famosa Vampirella, criada pelo americano Forrest J. Ackerman dois anos depois.

CINEMATECA BRASILEIRA

Largo Senador Raul Cardoso, 207

próxima ao Metrô Vila Mariana

Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

www.cinemateca.gov.br

Ingressos:

R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)

Atenção:

Estudantes do Ensino Fundamental e Médio de Escolas

Públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação da

carteirinha.

PROGRAMAÇÃO

17.09

I QUARTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

18h00 A BONECA VAMPIRA

20h00 VAMPIRAS

18.09 I QUINTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

18h00 O ÊXTASE DO VAMPIRO

20h00 O INFERNO DE DRÁCULA

19.09 I SEXTA

SALA CINEMATECA BNDES

18h00 A PROMETIDA DE DRÁCULA

20h00 A ORGIA NOTURNA DOS VAMPIROS

20.09 I SÁBADO

SALA CINEMATECA BNDES

16h00 SANTO CONTRA AS MULHERES VAMPIRO

18h00 ALUCARDA

20h00 LÁBIOS DE SANGUE

21.09 I DOMINGO

SALA CINEMATECA BNDES

16h00 SANGUE DE VIRGENS

18h00 MULHER VAMPIRO

20h00 A LOUCURA DO VAMPIRO

FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES

Alucarda

(Alucarda, la hija de las tinieblas), de Juan López Moctezuma

México, 1978, 35mm, cor, 85’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Claudio Brook, David Silva, Tina Romero, Susana Kamini

Uma garota é enviada a um convento, onde faz amizade com a órfã

Alucarda. O início dessa amizade marca também o surgimento de uma série

de eventos demoníacos no convento. Um clássico do cinema mexicano,

dirigido por Juan López Moctezuma, amigo e colaborador de Alejandro

Jodorowsky.

A boneca vampira

(Chi o suu ningyô), de Michio Yamamoto

Japão, 1970, 35mm, cor, 85’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Jun Hamamura, Yukiko Kobayashi, Kayo Matsuo, Yôko Minakaze

Um jovem vai visitar a noiva e recebe a notícia de que ela falecera.

Dias depois, a irmã do jovem denuncia seu desaparecimento e parte com

seu namorado para tentar descobrir a verdade sobre seu irmão. Mas uma

série de eventos estranhos parece tentar afastar o jovem casal dos

fatos.

O êxtase do vampiro

(Der Fluch der schwarzen Schwestern), de Joseph W. Sarno

Suécia/Suíça/República Federal da Alemanha, 1973, 35mm, cor, 115’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Nadia Henkowa, Anke Syring, Ulrike Butz, Marie Forså

Um grupo de bruxas realiza estranhos rituais para manter aceso o

espírito de sua mestra até o dia em que ela possa retornar ao mundo dos

vivos. A chegada de visitantes inesperados faz surgir a oportunidade

perfeita para seu retorno.

O inferno de Drácula

(Chi o suu bara), de Michio Yamamoto

Japão, 1974, 35mm, cor, 87’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Toshio Kurosawa, Kunie Tanaka, Katsuhiko Sasaki, Shin Kishida

Um professor chega a uma escola que esconde segredos sinistros. Ao

investigá-los, surge uma trilha de sangue que leva às origens do

próprio Drácula.

Lábios de sangue

(Lèvres de sang), de Jean Rollin

França, 1975, 35mm, cor, 88’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Jean-Loup Philippe, Annie Belle, Nathalie Perrey, Martine Grimaud

Desde que seu pai morreu, Frederick tem dificuldades em lembrar-se

de sua infância. Até que a imagem de um castelo desperta estranhas

recordações de um passado obscuro. Considerado um dos filmes mais

líricos de Jean Rollin.

A loucura do vampiro

(Le frisson des vampires), de Jean Rollin

França, 1971, 35mm, cor, 95’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Sandra Julien, Jean-Marie Durand, Jacques Robiolles, Michel Delahaye

Um jovem casal resolve passar a noite em um antigo castelo. Mas, o

local é habitado por uma horda de vampiros ansiosos por carne fresca.

Mulher vampiro

(Female vampire/Les avaleuses), de Jess Franco

França/Bélgica, 1973, 35mm, cor, 82’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Lina Romay, Jack Taylor, Alice Arno, Jesus Franco

A bela e muda Condessa Irina Karlstein padece do mesmo mal que há

séculos consome seus ancestrais: o vampirismo. Mas, diferente dos

vampiros tradicionais, Irina tem o hábito de sugar a energia vital de

suas vítimas através do sexo oral...

A orgia noturna dos vampiros

(La orgía nocturna de los vampiros), de León Klimovsky

Espanha, 1973, 35mm, cor, 80’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Jack Taylor, Dyanik Zurakowska, José Guardiola, Charo Soriano

Um grupo de pessoas viaja de ônibus a caminho de uma cidade na

Espanha. Após a morte do motorista, eles são obrigados a passar a noite

em uma pequena vila – completamente habitada por vampiros.

A prometida de Drácula

(La fiancée de Dracula), de Jean Rollin

França, 2002, 35mm, cor, 91’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Cyrille Iste, Jacques Orth, Thomas Smith, Sandrine Thoquet

Penúltimo filme dirigido por Jean Rollin, mostra a busca de um

professor pelos descendentes de Drácula. Uma pista acaba levando-o a

uma mansão cheia de estranhas freiras, conhecidas como a "Ordem das

Virgens Brancas".

Sangue de virgens

(Sangre de vírgenes), de Emilio Vieyra

Argentina, 1967, 35mm, cor, 72’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Ricardo Bauleo, Susana Beltrán, Gloria Prat, Walter Kliche

Para evitar o casamento de sua amante Ofelia, Gustavo mata seu

futuro marido e a transforma em uma vampira. Agora, um grupo de jovens

se depara com Ofelia sem saber que pode ser sua próxima vítima.

Santo contra as mulheres vampiro

(Santo vs las mujeres vampiro), de Alfonso Corona Blake

México, 1962, 35mm, pb, 89’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Santo, Lorena Velázquez, María Duval, Jaime Fernández

Professor contrata o lutador Santo para proteger sua filha dos

vampiros que planejam sequestar a menina para casá-la com o demônio.

Vampiras

(Vampyres), de José Ramón Larraz

Inglaterra, 1974, 35mm, cor, 87’ I Legendas em português I Exibição em DVD

Marianne Morris, Anulka Dziubinska, Murray Brown, Brian Deacon

Fran e Miriam formam um belo e sedutor casal de vampiras. Seduzindo

casais à beira da estrada, elas conseguem assim saciar sua sede por

sangue. Mas um casal de turistas põe em risco o reinado das belas

vampiras.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Essa mostra das Vampiras foi exibida numa dose só na última virada cultural em São Paulo, 24 horas direto!

Estou louco para rever alguns deles (principalmente os que passaram por último, quando eu já estava em estado de putrefação).

Os dois do Yammamoto são fantásticos! Fazem parte de uma trilogia, da qual estou louco para ver o capitulo que não incluíram aí. O inferno de Drácula tem uma longa cena de perseguição bizarra no final, imperdível!

E também são recomendáveis todos os do Jean Rollin! O cara é o diretor de terror mais poético e lúdico da história! O lado luxuoso de vanguarda do Xploitation!

Link to comment
Share on other sites

 

Essa mostra das Vampiras foi exibida numa dose só na última virada cultural em São Paulo' date=' 24 horas direto!

Estou louco para rever alguns deles (principalmente os que passaram por último, quando eu já estava em estado de putrefação).

Os dois do Yammamoto são fantásticos! Fazem parte de uma trilogia, da qual estou louco para ver o capitulo que não incluíram aí. O inferno de Drácula tem uma longa cena de perseguição bizarra no final, imperdível!

E também são recomendáveis todos os do Jean Rollin! O cara é o diretor de terror mais poético e lúdico da história! O lado luxuoso de vanguarda do Xploitation!

[/quote']

 

Opa Zanatas!

Ate que enfim alguem curte respondeu aos meus posts, ja nao tinha mais esperenca com o pessoal desse forum.

Que legal cara! nao sabia, na virada cultural eu tava numa fase muito sem cultura..haha perdi muuuita coisa.

Eu assisti o inferno de dracula e o outro la que eu esqueci o nome, po o do Yammamoto foi muito mais divertido, muito melhor o outro era um pouco ruim, apesar das atrizes e da tematica mais sensual..haha

domingo eu quero ver o do Jean Rollin pq nao vi nada dele ainda, e mais um do mestre jess franco!

voce conhece bastante o genero amigo?

 

 

Link to comment
Share on other sites

Sempre me decepciono com a programação de cinema da Virada Cultural, nunca tem nenhum filme que realmente me interesse...06 Mas talvez desta vez tenha sido ignorância minha, já que não sou grande conhecedor de filmes sobre Vampiros...

Mas o que eu estou de olho é na próxima Mostra da cinemateca, depois dessa daí.0505 Ladrões de Sonhos no cinema, não perco nem a pau!

 

 

Link to comment
Share on other sites

Essa mostra das Vampiras foi exibida numa dose só na última virada cultural em São Paulo' date=' 24 horas direto!

Estou louco para rever alguns deles (principalmente os que passaram por último, quando eu já estava em estado de putrefação).

Os dois do Yammamoto são fantásticos! Fazem parte de uma trilogia, da qual estou louco para ver o capitulo que não incluíram aí. O inferno de Drácula tem uma longa cena de perseguição bizarra no final, imperdível!

E também são recomendáveis todos os do Jean Rollin! O cara é o diretor de terror mais poético e lúdico da história! O lado luxuoso de vanguarda do Xploitation!

[/quote']

Opa Zanatas!
Ate que enfim alguem curte respondeu aos meus posts, ja nao tinha mais esperenca com o pessoal desse forum.
Que legal cara! nao sabia, na virada cultural eu tava numa fase muito sem cultura..haha perdi muuuita coisa.
Eu assisti o inferno de dracula e o outro la que eu esqueci o nome, po o do Yammamoto foi muito mais divertido, muito melhor o outro era um pouco ruim, apesar das atrizes e da tematica mais sensual..haha
domingo eu quero ver o do Jean Rollin pq nao vi nada dele ainda, e mais um do mestre jess franco!
voce conhece bastante o genero amigo?

 

 

 

 

Mr. Franco!

Realmente este fórum não é o melhor lugar para ver fanáticos por Xploitation, tem alguns bons apreciadores de terror, mas que não descem tanto o nível...

 

Cinema Xploitation pra mim é o ápice do que a sétima arte pode entregar, o máximo da estravazação que era a proposta inicial do cinema. Sou um completo devoto ao gênero, comecei a me especializar em zumbis italianos, wips, Spaghetti Western e, principalmente, Boca do Lixo antes de começar a conhecer o cinema "de verdade"...

 

É bom não estar mais sozinho no fórum! Precisando é só chamar...
Link to comment
Share on other sites

 

Sempre me decepciono com a programação de cinema da Virada Cultural' date=' nunca tem nenhum filme que realmente me interesse...06 Mas talvez desta vez tenha sido ignorância minha, já que não sou grande conhecedor de filmes sobre Vampiros...

Mas o que eu estou de olho é na próxima Mostra da cinemateca, depois dessa daí.0505 Ladrões de Sonhos no cinema, não perco nem a pau!

 

 

[/quote']

 

É meu querido, concordo com voce sobre a programação da virada, mas eu acho q a culpa é nossa...rs..deviamos prestar mais atenção nela.

Como é que eu perdi essa mostra das vampiras!!

Eu tbm nao sou nenhum conhecer de filmes de vampiros e tal, mas como eu gosto e tenho curioidade maxima para conhecer esse genero, eu to indo ver o que acontece..e estou adorando.

As vezes tentar coisas novas acaba valendo muito a pena, se tratando de cinema.

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

Essa mostra das Vampiras foi exibida numa dose só na última virada cultural em São Paulo' date=' 24 horas direto!

Estou louco para rever alguns deles (principalmente os que passaram por último, quando eu já estava em estado de putrefação).

Os dois do Yammamoto são fantásticos! Fazem parte de uma trilogia, da qual estou louco para ver o capitulo que não incluíram aí. O inferno de Drácula tem uma longa cena de perseguição bizarra no final, imperdível!

E também são recomendáveis todos os do Jean Rollin! O cara é o diretor de terror mais poético e lúdico da história! O lado luxuoso de vanguarda do Xploitation!

[/quote']

 

Opa Zanatas!

Ate que enfim alguem curte respondeu aos meus posts, ja nao tinha mais esperenca com o pessoal desse forum.

Que legal cara! nao sabia, na virada cultural eu tava numa fase muito sem cultura..haha perdi muuuita coisa.

Eu assisti o inferno de dracula e o outro la que eu esqueci o nome, po o do Yammamoto foi muito mais divertido, muito melhor o outro era um pouco ruim, apesar das atrizes e da tematica mais sensual..haha

domingo eu quero ver o do Jean Rollin pq nao vi nada dele ainda, e mais um do mestre jess franco!

voce conhece bastante o genero amigo?

 

 

 

 

 

Mr. Franco!

Realmente este fórum não é o melhor lugar para ver fanáticos por Xploitation, tem alguns bons apreciadores de terror, mas que não descem tanto o nível...

 

Cinema Xploitation pra mim é o ápice do que a sétima arte pode entregar, o máximo da estravazação que era a proposta inicial do cinema. Sou um completo devoto ao gênero, comecei a me especializar em zumbis italianos, wips, Spaghetti Western e, principalmente, Boca do Lixo antes de começar a conhecer o cinema "de verdade"...

 

É bom não estar mais sozinho no fórum! Precisando é só chamar...

 

 

Meu caro Zanatas,

Sozinho mas juntos!

Como diria os veteranos do seriado Band Of Brothers...rs

É curioso eu me interessei nesse genero por causa do projeto grindhouse de rodriguez e tarantino que tem tantos fas nesse e em todos forum de cinema, e muitos aqui gostaram do death proof e tal, porem o "genero" nao parece interessar muito as pessoas. será q eles só gostaram pq o tarantino que assino o filme? curioso.

Cinema da Boca é lindo, eu preciso conhecer muito mais nao conheco nada só sua historia e algumas coisas. vc gosta do Carlão Reichenbach?

po voce q manja desses filmes...onde que eu consigo eles pra assistir?

só baixando? esse Xploitation são raridades aqui para nos.

Jess Franco2008-09-21 13:48:47

Link to comment
Share on other sites

O Carlão é ótimo, conheço ele pessoalmente. É dele a curadoria da mostra das Vampiras, o cara manja muito do gênero, e é fanático por Jess Franco. Uma vez por mês ele passa um filme obscuro no Cinesesc numa quarta à noite, passa no blog dele, vira e mexe ele tá filosofando sobre uns "clássicos" http://olhoslivres.zip.net/



Que interessante que seu interesse surgiu com Grind House, curiosamente, o meu nasceu com Kill Bill. Pelo visto o Tarantino continua militando pela causa e criando seguidores 16 bem vindo ao barco.

 

E do Mojica, o q vc acha? Já foi ver Encarnação do Demônio?

 

PS (edit): P/ encontrar pérolas da Boca do Lixo, incluindo faroestes e filmes policiais brasileiros procure o site do putrescine 03 Te recomendo as obras assinadas pelo Tony Vieira e por Francisco Cavalcanti.
Josefel Zanatas2008-09-22 22:09:50
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...