Jump to content
Forum Cinema em Cena
Sign in to follow this  
Verbatim

Mente revolucionária - Humanizar bichos/desumanizar pessoas

Recommended Posts

Topico relacionado:
http://forum.cinemaemcena.com.br/index.php?/topic/5709-teste-em-cobaias-animais/

Bom, pessoal, os posts a seguir são um compilado que gostaria de compartilhar sobre o tema (o link da discussão original não está mais disponível), que salvei e prometi postar aqui. Fora alguns comentários originais eu adicionei outros (OBS: não foram todos feitos ao mesmo tempo) e mais informações, após fazer uma pesquisa por conta própria.
 
Dois filmes que assisti recentemente e que se encaixam no tema do tópico são Jurassic World: http://forum.cinemaemcena.com.br/index.php?/topic/3914-jurassic-park-nova-trilogia/page-12
 
E Greystoke - A Lenda de Tarzan, o Rei da Selva, de 1984, com o Christopher Lambert (por sinal, a melhor atuação dele). Lógico que não são os únicos e de cabeça vocês podem imaginar muitos outros, MAS eu recomendo fortemente que encabecem a relação daqueles que são condizentes com a argumentação exposta.
 
***********
 
Vocês lembram como eu mencionei em outro tópico que a Matrix está em toda parte e que somos produtos de sua influência? Que o único meio de alcançar a liberdade é contestar tudo, todo mundo e nós mesmos, cada segundo de nossas vidas? Há diversos métodos de manipulação, que nos obrigam a fazer parte das agendas dos manipuladores (os "agentes" da Matrix), mesmo involuntariamente fazer ou mesmo ser o que eles querem.
 
Agimos e pensamos precisamente dessa forma porque não ponderamos sobre esses assuntos suficientemente. Por isso é de suma importância identificar o que eles são e o que fazem para envenenar nossas mentes, nos contaminar de todos os meios imagináveis. Ou é algo impossível ou o trabalho de uma vida toda explicar a maioria desses temas.
 
Um me chamou atenção recentemente, quando li uma discussão sobre essa preocupação obsessiva com os direitos dos animais. Estamos tratando os mesmos como se fossem superiores a nós. Isso é fruto da mentalidade revolucionária, sua influência pervasiva nos dias atuais, em que seres humanos são desvalorizados, considerados indignos, enquanto ao mesmo tempo animais são superestimados, como se fossem de alguma forma IGUAIS aos homens.
 
Isso pode ser observado claramente em movimentos veganos, na lida histérica dos ativistas, nas novas leis que determinam punições mais severas contra abusos animais (se compararmos mesmo com crianças), e atos como abortos (não esqueçamos a eutanásia), sendo cada vez mais promovidos, e a vida humana relativizada.
 
Sobre a mentalidade revolucionária, vale ler este artigo:
http://www.olavodecarvalho.org/semana/070813dc.html
 
Se fizermos uma rápida pesquisa, várias notícias serão encontradas na esteira desses temas.
 
Por exemplo, isso aconteceu no Brasil, mas pesquise por conta própria que você encontrará notícias similares pelo mundo:
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/05/projeto-de-lei-preve-enterro-de-animais-em-cemiterios-de-sp.html
 
(Um projeto de lei que prevê o enterro de animais)
 
O enterro de um gato chamando a atenção de vizinhos:
http://g1.globo.com/mg/vales-mg/vc-no-g1-intertvmg/noticia/2013/03/velorio-de-gato-chama-atencao-de-moradores-do-interior-de-minas-gerais.html
 
Americano é preso por ter relações sexuais com burro:
http://noticias.r7.com/internacional/noticias/americano-preso-por-ter-relacoes-sexuais-com-burro-quer-o-animal-de-volta-20120919.html
 
Bordéis de animais:
http://www.anda.jor.br/04/03/2014/bordeis-animais-sao-permitidos-dinamarca
 
Aqui se comenta que é crescente o aumento destes na Alemanha:
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2352779/Bestiality-brothels-spreading-Germany-campaigner-claims-abusers-sex-animals-lifestyle-choice.html
 
Ataques de lobos estão aumentando (por serem protegidos, o que prejudica outras espécies):
 
http://ipco.org.br/ipco/noticias/matilhas-lobos-especie-protegida-devoram-ate-cavalos-franca
 
http://www.rivieratimes.com/index.php/provence-cote-dazur-article/items/wolf-attacks-on-the-rise-8637.html
 
Fonte em francês:
http://www.rtl.fr/actu/alpes-maritimes-la-chasse-au-loup-autorisee-7764535831
 
Já esse:
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/33260/jovem+com+doenca+incuravel+vira+simbolo+da+defesa+de+testes+em+animais+na+italia.shtml
 
Jovem com doença incurável vira símbolo da defesa de testes em animais na Itália. Defensores de animais queriam que ela tivesse morrido, só pra que "animaizinhos" não fossem testados em laboratório.
 
Aqui passam uma lei que proibe que animais não possam ser usados pra trabalho útil:
http://www2.recife.pe.gov.br/recife-ficara-livre-dos-veiculos-de-tracao-animal/
 
Qual é a próxima? Proibir todo mundo de comer carne?
 
Ingrid Newkirk, presidente da maior organização de proteção aos direitos dos animais (PETA) diz que o mundo seria um lugar infinitamente melhor se humanos não existissem:
 
http://www.theguardian.com/lifeandstyle/2003/jun/22/fashion.beauty1
 
E aqui uma matéria ótima da revista SUPER-INTERESSANTE explicando o comportamento de cães:
http://super.abril.com.br/ciencia/cachorroeu-sou-um-canalha
 
Virou algo corriqueiro ouvir absurdos como "eu odeio seres humanos", "quanto mais conheço as pessoas, mais admiro meus animais de estimação", etc. Indústrias estão paparicando até a alma animais ao criar muitos produtos (e serviços) voltados pra eles, também.
 
Eu admito que animais podem ser uma boa companhia, e que violência sem sentido, como envenenar a comida do cachorro do vizinho, é um ato desprezível, MAS esse tipo de pensamento sobre humanos é pior ainda - é totalmente abominável.
 
Mas aí que tá: somente pessoas de mente fraca que acreditam nesses conceitos. Tratam seus bichos de estimação melhor que seus próprios filhos, e, claro, utilizando os recursos financeiros de seus parceiros para mimar essas criaturas com todo esse luxo.
 
Homens que comiam carne foram emasculados (o nível de testosterona caiu muito de décadas pra cá) e se tornaram vegetarianos.
 
E se você acha que esse tipo de atitude é inofensiva, pense duas vezes:
http://www.thehealthyhomeeconomist.com/baby-breastfed-by-vegan-mother-dies/
 
O que a notícia acima relata é que a autópsia de um bebê de 11 meses revelou que a morte foi causada por uma dieta deficiente de vitaminas críticas pro desenvolvimento infantil e ausentes na dieta dos pais (vegetarianos) irresponsáveis, acusados de negligência.
 
Todos idiotas úteis. A mentalidade revolucionária lucra com isso, desumanizando pessoas para torná-las gado.
 
Primeiro esses infelizes criam o conceito de classes sociais, em que indivíduos daquele grupo devem seguir os interesses dele, enquanto seus desejos reais ou são sublimados ou suprimidos completamente, e o "EU" é substituído pelo "NÓS" (a coletividade Borg).
 
(Nota que estou fazendo caso o significado não tenha ficado claro: na psicologia, sublimar seria desviar a energia (do impulso biológico, como o desejo sexual) para algo mais aceitável (ou que o pareça ser) social/moralmente.
 
Além disso nós temos o chamado "politicamente correto", que se destina a aleijar/castrar mentalmente todo mundo, impedindo que interpretemos a realidade de acordo com nossas idiossincrasias, o que derruba a possibilidade de um pensamento livre, e origina uma censura mental, moldando nossas ideias para que sequer sejam cogitadas, tornando o alcance das discussões bem restrito, limitado e ditado por aqueles que se acham no "poder".
 
Tipo um 1984 de Orwell, em que pensamentos individuais dissonantes do coletivo são combatidos, quer dizer, temos apenas verdades coletivas, polidas, bonitinhas, que não podem ofender ninguém (ou melhor dizendo, o(s) grupo(s)). E se pensarmos bem, não existem verdades. Existe a Verdade, no singular. As mentiras é que são infinitas, tipo um recorte que se faz de uma folha de papel, jogado por aí, cabendo a cada um catar cada pedaço e formar algo inteiro, único e real, não falso, não derivado e enganoso em sua aparência.
 
A última moda desses loucos é igualar seres humanos e bichos irracionais, tentando nos convencer que não há nada de especial em ser uma pessoa (por trás dessa ideologia está o desprezo da consciência, de ações racionais e de se pensar sobre os problemas, o que nos diferencia de outros animais), algo mais nefasto ainda porque nega a possibilidade de tirarmos vantagem da natureza de acordo com nossa vontade.
 
Essa última parte é pra mim a mais estúpida. O Universo não se importa conosco minimamente. Como o falecido George Carlin lembrava:

https://www.youtube.com/watch?v=mLEtb9N9oMA

 
*******

I grew up in the 80s on HBO and in 1992 is when I found my voice, and I realized I was a rider who performed his own material and I had things to say. There was a long piece and they are called the planet is fine, the people are fucked. And it was a very good analysis of why it’s not important to save the planet. It’s more important to save yourself and the planet may come, you know, the planet is going to be here. 
 
We’ll go away, we’ll go away, because we’ll fix that up, we’ll arrange that, we’ll self immolate, we’ll be gone, dinosaurs had their chance, there was an age of reptiles, now it’s the age of primates, yeah, who knows maybe it will be the insects next. 
 
It’s not up to us, it’s not a divinely ordain, we’re here on chance and we’re going to go away and the planet will heal, the planet will heal because that’s what it does, it heals itself, it’s a self healing organism, it changes and grows, it will incorporate all of our dead cities into itself and it will become something else, but it will still be going around the sun for at least a few more billion years or whatever. 
 
So this whole thing, we have to save the planet by not putting diapers in the landfill, that’s too short sided, it doesn’t do anything. You have to change yourself and we will never do that, because the dollars now, it’s everybody wants the dollar and a toy, everybody has got a cellphone, it will make pancakes to rub their balls, so they don’t – nobody wants to rock the boat, nobody wants to change, no change anything, and we’re in nice downward glide. 
 
I call it circling the drain, that’s what I’m going to call my next book, Circling The Drain. And the circles get smaller and smaller and faster, and faster if you watch it drain, if you watch a sink empty – it will be gone, and that’s fine, I welcome it, I wish I could live a thousand years to watch it happen from a distance.


*******
 
E:
 
*******

“We’re so self-important. Everybody’s going to save something now. “Save the trees, save the bees, save the whales, save those snails.” And the greatest arrogance of all: save the planet. Save the planet, we don’t even know how to take care of ourselves yet. I’m tired of this shit. I’m tired of f-ing Earth Day. I’m tired of these self-righteous environmentalists, these white, bourgeois liberals who think the only thing wrong with this country is that there aren’t enough bicycle paths. People trying to make the world safe for Volvos. Besides, environmentalists don’t give a fuck about the planet. Not in the abstract they don’t. You know what they’re interested in? A clean place to live. Their own habitat. They’re worried that some day in the future they might be personally inconvenienced. Narrow, unenlightened self-interest doesn’t impress me. 
 
The planet has been through a lot worse than us. Been through earthquakes, volcanoes, plate tectonics, continental drift, solar flares, sun spots, magnetic storms, the magnetic reversal of the poles … hundreds of thousands of years of bombardment by comets and asteroids and meteors, worldwide floods, tidal waves, worldwide fires, erosion, cosmic rays, recurring ice ages … And we think some plastic bags and some aluminum cans are going to make a difference? The planet isn’t going anywhere. WE are! 
 
We’re going away. Pack your shit folks. We’re going away. And we won’t leave much of a trace, either. Maybe a little Styrofoam … The planet’ll be here and we’ll be long gone. Just another failed mutation. Just another closed-end biological mistake. An evolutionary cul-de-sac. The planet’ll shake us off like a bad case of fleas. 
 
The planet will be here for a long, long, LONG time after we’re gone, and it will heal itself, it will cleanse itself, ’cause that’s what it does. It’s a self-correcting system. The air and the water will recover, the earth will be renewed. And if it’s true that plastic is not degradable, well, the planet will simply incorporate plastic into a new paradigm: the earth plus plastic. The earth doesn’t share our prejudice toward plastic. Plastic came out of the earth. The earth probably sees plastic as just another one of its children. Could be the only reason the earth allowed us to be spawned from it in the first place. It wanted plastic for itself. Didn’t know how to make it. Needed us. Could be the answer to our age-old egocentric philosophical question, “Why are we here?” 
 
Plastic… asshole.


*******
 
Pelo amor de Deus, não apenas todo o Universo é hostil à vida e está tentando nos matar o tempo todo, como a própria Terra é inóspita na sua maior parte à vida. É por isso que cedo ou tarde precisaremos encontrar outro lugar pra viver além da Terra.
 
De volta à mentalidade revolucionária: se somos iguais a qualquer animal, então esses últimos no pensamento torpe dessa gente devem ter os mesmos direitos. Já que todos eles trabalham com o conceito de opressores e vítimas (e todos eles não se acham vítimas mesmo após cometer todo tipo de atrocidade?), é evidente que o objetivo primordial é privar seres humanos de direitos. Pois se um lado ganha, o outro precisa perder.
 
Temos dois livros indispensáveis que devem ser lidos por quem quer entender mais esse assunto: 
 
http://en.wikipedia.org/wiki/Animal_Liberation_(book)

http://en.wikipedia.org/wiki/The_Case_for_Animal_Rights
 

E eu só achei esse autor/livro contestando isso tudo:

http://migre.me/qvP79

Não li esse último, mas o número de avaliações negativas (mesmo não sendo muitas) é de chamar atenção:
http://migre.me/qvP7S
 
******

This book may be highly recommended if only on its merits that it upsets the clammoring animal rights cultists so much as it apparently does, as you may witness by the other idiotic "reviews" of those who have not read it, nor ever will. They recoil and shriek in howls of protest and pain, as ghouls at the first light of day. It upsets and pains them to hear a sensible argument against their insensibile propaganda. 
 
Sadly, the AR "org-res" already got to them and ate their brains. It is too late for them, but for you, dear reader, there may still be hope. So, read on... Now, here is the real horror.. A future in which you realize a most dreadful and irreparable mistake made in the past, when in a misguided sentiment to help and defend animals, you relinquished your property rights and civil liberties, and now you have little of your former precious American heritage to bequeath to your children and heirs. 
 
They must fend in a world even devoid of any owned animals, and any rights to own them or benfit from them, bereft of the practical and soulful benefits and comforts which you had come to take for granted. In the world that the AR activists envision, your grandson may be imprisoned for accidentally hitting a stray dog with his car (It was illegal for the "guardian" of this dog to confine him, but he was arrested, too, for negligence!). Your granddaughter may die of what would have been a curable disorder, if only that study had not been stopped when the police raided a research laboratory (an employee complained that they weren't being 'nice' to the rabbits, and all of the animals were seized, impounded, and most died of neglect in a public "shelter"). 
 
Seen enough? 
 
Then consider and choose well, oh human, for you may now stand at a crossroad of destiny. Books like this one are necessary, precisely because of the message that they carry, and the alternative choice that they offer to the insane notions that ARs promote. Kindness to animals is a worthy cause, but only in this generation has it become a debauchery of greed, a Quixotic crusade in search of validation. Real examples of cruelty are hard to come by, but paid AR spooks intrude, invade, and even seek employ in business establishments, from circuses to veterinary offices, recording thousands of hours of video in search of "evidence" by which to shock and anger the public. 
 
They seek to ruin, through prosecution and harrassment, anyone they can, even those who help animals, thus to promote, enrich, and empower their organization and obsession. The AR "org-res" are not just the funny little tofu-pie-tossing fools that they seem to be. 
 
They are forming political action committees (PAC's) and lobbying at all levels to obliterate all parts of our economy and culture which relate to animals. In so doing, they promote violations of your Fourth Ammendment rights.. Your privacy, your property, your person, your pets. This is a good book for the intelligent and considerate reader who wishes to understand the stark realities, depths, and dimensions of "animal rights" issues which are being forced upon society by "non-profit" special interests in a quest for ever more advantage of public support, lucre and power.

 

*******
 
Essa cultura da morte nos considera dispensáveis (quanto a isso, recomendo a pesquisa da palavrinha mágica MISANDRIA no Google), e quer justificar genocídio, com o argumento que tem muita gente vivendo no planeta.
 
É engraçado, eles adotam animais, mas nunca crianças carentes. Deve ser porque é trabalhoso criar uma, sem sugar recursos governamentais ou dos outros, e a história prova que esses sujeitos não são bons nem pra eles mesmos. Então preferem acreditar em qualquer coisa, mesmo que não faça sentido.
 
Sobre a lógica do aborto, vou postar esses trechos comentados pelo Olavo de Carvalho, que pra mim fecham a questão. Ao final deles vou explicar qual o motivo de citá-los aqui:
 
******

Se há 50% de probabilidades de que o feto seja humano e 50% de que não o seja, apostar nesta última hipótese é, literalmente, optar por um ato que tem 50% de probabilidades de ser um homicídio.
 
É uma decisão moral tomada sempre sem qualquer certeza absoluta.
 
Nunca foi provado que o feto não é humano (sem contar que se as mulheres tem o direito de se desfazer do que esteja dentro de seus corpos, os bancos também deveriam ter de queimar o $ que investimos lá, já que sem homem não haveria a gravidez, algo que convenientemente esquecem nessas horas - dito isso, mulheres são SIM de uma forma depósitos que não tem 100% de direito sobre o que abrigam).
 
Os aborteiros procuram enganar as mulheres com lisonjas, assegurando que tudo o que está dentro do corpo delas é delas, e que podem fazer o que bem entendem com o que é delas. Este raciocínio subentende que o feto é um órgão do corpo da mulher, e não um ser humano independente. Mas, mesmo que o feto fosse um órgão, que é um órgão? É, por definição, algo que não pode ser retirado sem dano para o corpo. 
 
Estão como alegar, em apoio do direito de retirar o feto, o argumento de que é um órgão? Se é um órgão, retirá-lo é mutilar o corpo. E, uma vez aceito o direito à automutilação, seria uma odiosa discriminação concedê-lo a quem desejasse cortar o dedão do próprio pé e negá-lo a quem pretendesse algo mais requintado, como cortar a própria cabeça, ou cortar o restante do corpo e sair por aí só com a cabeça flutuando no ar.
 
Não havendo certeza absoluta da inumanidade do feto, extirpá-lo pressupõe uma decisão moral (ou imoral) tomada no escuro. Podemos preservar a vida dessa criatura e descobrir mais tarde que empenhamos em vão nossos altos sentimentos éticos em defesa do que não passava, no fim das contas, de mera coisa. 
 
Mas podemos também decidir extirpar a coisa, correndo o risco de descobrir, tarde demais, que era um ser humano. Entre a precaução e a aposta temerária, cabe escolher? Qual de nós, armado de um revólver, se acreditaria moralmente autorizado a dispará-lo, se soubesse que tem 50% de chances de acertar numa criatura inocente? Dito de outro modo: apostar na inumanidade do feto é jogar na cara ou coroa a sobrevivência ou morte de um possível ser humano.
 
Chegados a esse ponto do raciocínio, todos os argumentos pró-aborto tornaram-se argumentos contra. Pois aí saímos do terreno do indecidível e deparamos com um consenso mundial firmemente estabelecido: nenhuma vantagem defensável ou indefensável, nenhum benefício real ou hipotético para terceiros pode justificar que a vida de um ser humano seja arriscada numa aposta. 
 
Mas, como vimos, a opção pró-aborto é prévia a toda discussão, sendo este o motivo pelo qual o abortista ressente e denuncia como “violência repressiva” toda argumentação contrária. A decisão pró-aborto, sendo a precondição da existência do debate, não poderia buscar no debate senão a legitimação ex post facto de algo que já estava decidido irreversivelmente com ou sem debate. 
 
O abortista não poderia ceder nem mesmo ante provas cabais da humanidade do feto, quanto mais ante meras avaliações de um risco moral. Ele simplesmente deseja correr o risco, mesmo com chances de 0%. Ele quer porque quer. Para ele, a morte dos fetos indesejados é uma questão de honra: trata-se de demonstrar, mediante atos e não mediante argumentos, uma liberdade autofundante que prescinde de razões, um orgulho nietzschiano para o qual a menor objeção é constrangimento intolerável.
 
Creio descobrir, aí, a razão pela qual meu cérebro se recusava obstinadamente a pensar no assunto. Ele pressentia a inocuidade de todo argumento ante a afirmação brutal e irracional da pura vontade de matar. É claro que, em muitos abortistas, esta vontade permanece subconsciente, encoberta por um véu de racionalizações humanitárias, que o apoio da mídia fortalece e a vociferação dos militantes corrobora. Porém, é claro também que não adianta argumentar com pessoas capazes de mentir tão tenazmente para si próprias.


******
 
****

Se esse argumento é evidente por si mesmo, é também manifesto que a quase totalidade dos abortistas opinantes hoje não logra perceber o seu alcance, pela simples razão de que a opção pelo aborto supõe a incapacidade — ou, em certos casos, a má vontade criminosa — de apreender a noção de “espécie”. Espécie é um conjunto de traços comuns, inatos e inseparáveis, cuja presença enquadra um indivíduo, de uma vez para sempre, numa natureza que ele compartilha com outros tantos indivíduos. 
 
Pertencem à mesma espécie, eternamente, até mesmo os seus membros ainda não nascidos, inclusive os não gerados, que, quando gerados e nascidos, vierem a portar os mesmos traços comuns. Não é difícil compreender que os gatos do século XXIII, quando nascerem, serão gatos e não tomates.
 
A opção pelo abortismo exige, como condição prévia, a incapacidade ou recusa de apreender essa noção. Para o abortista, a condição de “ser humano” não é uma qualidade inata definidora dos membros da espécie, mas uma convenção que os já nascidos podem, a seu talante, aplicar ou deixar de aplicar aos que ainda não nasceram. Quem decide se o feto em gestação pertence ou não à humanidade é um consenso social, não a natureza das coisas.
 
O grau de confusão mental necessário para acreditar nessa ideia não é pequeno. Tanto que raramente os abortistas alegam de maneira clara e explícita essa premissa fundante dos seus argumentos. Em geral mantêm-na oculta, entre névoas (até para si próprios), porque pressentem que enunciá-la em voz alta seria desmascará-la, no ato, como presunção antropológica sem qualquer fundamento possível e, aliás, de aplicação catastrófica: se a condição de ser humano é uma convenção social, nada impede que uma convenção posterior a revogue, negando a humanidade de retardados mentais, de aleijados, de homossexuais, de negros, de judeus, de ciganos ou de quem quer que, segundo os caprichos do momento, pareça inconveniente.
 
Com toda a clareza que se poderia exigir, a opção pelo abortismo repousa no apelo irracional à inexistente autoridade de conferir ou negar, a quem bem se entenda, o estatuto de ser humano, de bicho, de coisa ou de pedaço de coisa.
 
Não espanta que pessoas capazes de tamanho barbarismo mental sejam também imunes a outras imposições da consciência moral comum, como por exemplo o dever que um político tem de prestar contas dos compromissos assumidos por ele ou por seu partido. É com insensibilidade moral verdadeiramente sociopática que o sr. Lula da Silva e sua querida dona Dilma, após terem subscrito o programa de um partido que ama e venera o aborto a ponto de expulsar quem se oponha a essa ideia, saem ostentando inocência de qualquer cumplicidade com a proposta abortista.
 
Seria tolice esperar coerência moral de indivíduos que não respeitam nem mesmo o compromisso de reconhecer que as demais pessoas humanas pertencem à mesma espécie deles por natureza e não por uma generosa — e altamente revogável — concessão da sua parte.
 
Também não é de espantar que, na ânsia de impor sua vontade de poder, mintam como demônios. Vejam os números de mulheres supostamente vítimas anuais do aborto ilegal, que eles alegam para enaltecer as virtudes sociais imaginárias do aborto legalizado. Eram milhões, baixaram para milhares, depois viraram algumas centenas. Agora parece que fecharam negócio em 180, quando o próprio SUS já admitiu que não passam de oito ou nove. 
 
É claro: se você não apreende ou não respeita nem mesmo a distinção entre espécies, como não seria também indiferente à exatidão das quantidades? Uma deformidade mental traz a outra embutida. 
 
Aristóteles aconselhava evitar o debate com adversários incapazes de reconhecer ou de obedecer as regras elementares da busca da verdade. Se algum abortista desejasse a verdade, teria de reconhecer que é incapaz de provar a inumanidade dos fetos e admitir que, no fundo, eles serem humanos ou não é coisa que não interfere, no mais mínimo que seja, na sua decisão de matá-los. 
 
Mas confessar isso seria exibir um crachá de sociopata. E sociopatas, por definição e fatalidade intrínseca, vivem de parecer que não o são.


****
 
Bom, pra mim agora não resta mais nenhuma dúvida de onde vem essa valorização dos bichos. Esses vermes (a maioria políticos) já nasceram mentirosos e vão morrer assim. Todos seus atos e emoções são forjados, artificiais mesmo, a capacidade dessa gente de cometer atos criminosos e de mentir é incomensurável. A agenda deles é espalhar suas disfunções.
 
Todos esses valores morais e comportamentos socialmente moldados e impostos diariamente visam apenas e tão somente manipular todo mundo pra espalhar ignorância, espalhar o Mal.
 
Cabe a quem está lendo o tópico duvidar, contestar, não ser mais um idiota que acredita em qualquer coisa.
 
********
RICHARD DAWKINS
********
 
O RD é talvez o melhor exemplo de alguém que personifica tudo que foi dito nesse tópico.
 
Reparem que ele apóia o aborto e os direitos de animais:
 
Uma das declarações dele foi de que "um feto é menos humano que um porco adulto". Em outro ele disse que se a mãe descobrisse que o filho teria síndrome de Down, deveria abortar e "tentar" novamente.
 
Em uma entrevista recente ele diz, ingenuamente, que o feminismo é aquilo que o dicionário define e sequer é capaz de conceber a existência de movimento(s) masculinista(s). Num documentário com o Lawrence Krauss, diz que as pessoas choram no funeral de entes queridos porque sabem que elas não irão mais voltar.
 
A fonte desse último é essa:
http://www.reasonablefaith.org/The-Unbelievers-Movie-Part-two
 
William Lane Craig comenta que essa é uma análise estúpida do sofrimento humano, que o luto não é porque todos os que acreditam (por exemplo) na vida após a morte estão fingindo, como a dupla quis nos convencer, mas porque sentirão falta ou se solidarizam, tem empatia, pela morte.
 
E não apenas isso, eu vi praticamente todas suas aparições e ele também afirmou uma vez desconhecer o DSM, manual usado pelos psicólogos/psiquiatras. As opiniões dele e de outros cientistas sobre temas políticos são pueris, algo simplório e banal de alguém que só absorve o que a mídia alega ser verdade. 
 
Como a Guerra do Iraque, que RD se opõe pela parte das armas de destruição em massa, algo explicado por ex. no livro "Disinformation: 22 Media Myths that Undermine the War on Terror".
 
Mesmo a crusada ateística dele e de outros é cheia de furos lógicos, como quando ele tenta refutar Deus ou mesmo descrevê-lo. Eu não sou "crente" (me definiria como um agnóstico), mas comecei a prestar mais atenção nesses caras, observar o outro lado também.
 
Ainda na entrevista recente (citada lá em cima), Dawkins diz que a filosofia é cheia de afetação pra confundir o leitor, deu a entender que é coisa de vigarista, enquanto cientistas fazem um esforço enorme pra explicar seus campos de estudo, que são bem complexos. 
 
Aí eu pergunto, quando que esses cientistas estudaram ciências humanas/filosofia a sério? Eu duvido, mas duvido MESMO que algum dia tenham feito isso. Podem entender muito de assuntos científicos, já outras áreas são totalmente ignorantes.
 
Pessoalmente eu não dou valor a nenhum deles. No passado tínhamos polímatas, hoje temos bobocas que só estão preocupados com seus tweets e em alavancar suas carreiras, ao invés de adquirir informação mesmo, fazer como diz o Olavo, buscar as fontes primárias, não as interpretações superficiais dos outros e confirmar as suas.
************
 
Eu acho que essa explicação de que uma deformidade mental acompanha outras se encaixa no caso dele. Por aí vemos claramente que não basta ser tido como inteligente, se você não reconhece seus próprios erros e se esforça pra aprimorar seus valores morais, sua noção do que é ter uma consciência.
 
**********
Me assusta que muitos acreditem que cães e outros animais sejam iguais a nós, ou melhores. Esse nível de loucura alcançou proporções astronômicas, talvez um futuro similar ao de PLANETA DOS MACACOS não esteja muito distante.
 
Num passado bem distante animais foram considerados importantes pelos egípicios. Foram criados para prover comida ou pra distrair seus donos. Esse povo admirava todos os animais, assim como a natureza, com uma diferença com relação ao presente - eram valorizados não como se fossem iguais ou melhores que nós, mas pelas suas características e o que poderiam fazer ou gerar que fosse útil.
 
Um cão tem um olfato muito melhor que o dos humanos. Gatos escutam melhor, papagaios tem visão superior. Mas tudo isso empalidece em comparação com a capacidade da mente humana.
 
A impressão que eu tenho é que estamos tão desligados do que significa ser humano que paramos de evoluir, mentalmente falando. Eu acredito que a prevalência do pensamento feminino no mundo explica o porquê a lógica, filosofia, ciência, etc. sejam rejeitados e todo esse lixo preferido no lugar. Então, a razão no passado foi valorizada, enquanto hoje as emoções estão impedindo que se raciocione com clareza (com isso não estou ligando o termo FEMININO às emoções, mas a uma cegueira intelectual, uma predileção pelo mundo MATERIAL ao ABSTRATO, nos tornando escravos dos sentidos).
 
Sendo que "mentalidade feminina" valeria tanto pra homem como mulher. Porém, mesmo fazendo sentido essa tese, é inegável que no final das contas não importa saber a origem de tudo isso, e sim reconhecer que existe, e são defeitos/anomalias presentes em todas as sociedades, inerentes na espécie humana, mesmo que tenham sido adquiridos por ASSIMILAÇÃO. Todos esses rótulos só existem, na verdade, pra confundir.
 
********
Um chimpanzé é quase igual a um homem. Só que a pequena diferença é que faz TODA a diferença. O mais esperto deles pode arrumar umas caixas e subir pra pegar uma banana, e só.
 
Se há uma espécia extraterrestre mais inteligente que nós, talvez ela nos veja ou trate da mesma forma que (devemos) tratar/mos os animais também, ou nos escravizando ou reagindo com indiferença.
 
Talvez já nos visitaram e por serem tão avançados concluíram que aqui não há vida inteligente.
 
Gosto de pensar que pessoas como RD são diferentes de animais, mas não vejo lá muita diferença. Elas pretendem ser seres humanos pensantes, enquanto animais são imediatamente reconhecíveis como inferiores a nós. Dawkins pretende ser esperto enquanto falha em notar quando está fazendo papel de idiota.
 
Apesar de todos os esforços pra fazer essa gente evoluir, se estão anos-luz distante de serem humanos no sentido estrito da palavra, é óbvio que irão acreditar que um cão é uma melhor companhia. E mais ainda que defendam animais ao invés de humanos racionais.
 
Isso até um desses bichos tomar ciência da sua "santidade" e começar a fazer qualquer coisa. Se são apenas paparicados somos nós que estamos sendo domesticados.
 
Pessoalmente eu rejeito a companhia de animais e pessoas assim. Servem pra qualquer coisa, menos isso.
 
Prefiro a minha própria ou a de pessoas que no mínimo procurem entender como estão sendo manipuladas por essas agendas e em desvendar como tudo funciona, adquirindo conhecimento que ajude a entender melhor a realidade.
 
E isso inclui saber que o mundo lá fora não gira em torno delas e de suas vontades.
 
Os animais gostam de comer, beber, dormir e copular. Alguns até nos imitam.
 
Tudo isso não requer grandes esforços.
 
E não implica que devem ter os mesmíssimos direitos ou serem tidos como conscientes.
 
Por que? Simples: suas exigências de vida sempre serão materiais, nunca intelectuais. As capacidades mentais dos bichos já são atrofiadas.
 
E a nossa também ficará assim, se acreditarmos que o mundo material, dos sentidos e necessidades corporais, são as únicas coisas que importam.
 
Por que os animais não são bem mais inteligentes, como os humanos?
 
Porque não precisam. Ser assim não foi essencial pra que sobrevivessem.
 
Nós precisamos dessas habilidades, para evitar que os próximos desastres acabem com toda a vida na Terra. Para evoluir de outras maneiras.
 
Como isso pode ser feito se só nos preocupamos em mimar animais, não comer carne, defender o genocídio e fazer de conta que ser moralmente correto saiu de moda?
**************
 
Esses cientistas na maioria dos casos só querem implementar suas agendas, não estão verdadeiramente interessados em promover seus campos de estudo ou que você aprimore seus poderes de observação, estão prescrevendo dogmas e se você discordar se torna um alvo.
 
Já disse isso antes e repito: é até fácil mergulhar num assunto. Amanhã você pode se tornar tão famoso quanto eles, repleto de diplomas e apoio financeiro de empresas, não importando seu caráter e quanta merd@ você diga.
 
Difícil é sentar o rabo na cadeira e estudar de tudo. Isso leva tempo e demanda muito esforço, e tem muitos obstáculos no caminho.
 
Mas é o que importa no final das contas. Derrotar o condicionamento imposto nesta "Matrix" e ter aspirações de se tornar um "Neo". Do contrário você será apenas mais um entre tantos iguais.
 
*********
Estes filmes não são feitos de maneira inocente, para seu divertimento.
 
Não, todos tem uma engenharia social por trás deles.
 
Os produtores querem que você SEJA igual a eles.
 
Parar de fazer perguntas é o caminho certo para se tornar um idiota completo, de apodrecer seu cérebro.
 
Eu não quero que ninguém concorde comigo, não vivo para ser aceito, levar tapinha nas costas, nada disso.
 
Não importa quantas pessoas acreditam em algo. Se 1 acreditar e 1 trilhão não, ainda assim continuará sendo verdade.
 
O que me importa é descobrir o que é verdadeiro ou falso. Nada mais.
 
E a mídia tem mentido por muito tempo sobre esse e uma infinidade de outros temas. Chega dessa porcaria, já passou da hora de reagir e descrever as coisas como elas são, não como gostaríamos que fossem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aproveitando esse assunto, eu vou recomendar também um livro chamado Eco-Imperialismo (o título original é "Eco-Imperialism: Green Power Black Death", de Paul Driessen), em que o Patrick Moore, cofundador que se desligou do Greenpeace, endorsa o mesmo.

 

Do que se trata? O cara mostra como os grupos ambientalistas atuam na África e ajudam a propagar a fome e miséria nela. São contra transgênicos. Tem um monte de cientista europeu e americano que quer introduzi-los na África pra aumentar a produção, inclusive evitando certas pragas sem ter que usar agrotóxicos, pesticidas que ajudam a matar humanos e o ecossistema.

 

Mas não, na cabeça deles o transgênico faz mal, é comida Frankestein. Cadê a prova? Era pros americanos estarem morrendo, porque consomem alimentos assim há décadas.

 

Aí que tá: se o mundo está uma desgraça e o meio ambiente acabando, por que a expectativa de vida humana só aumenta?

 

Tá certo que o mundo não melhorou muito em alguns aspectos, mas não piorou tudo isso que dizem.

 

Não será a volta às cavernas, ao Paleolítico, que irá melhorar o meio-ambiente, não.

 

É como foi dito sobre os direitos dos animais: cães tem senso de hierarquia. Aí o ser humano começou a domesticar, a mimar, e detonou com tudo.

 

Até mesmo algo simples como não reprimir o cão que mija no lugar errado, é antinatural, ridículo, pois tem que haver quem manda e obedece. Se você colocar um desses pitbulls treinados pra rinha num ambiente natural ele morre, porque os lobos, sabendo que eles irão causar danos à comunidade, vão lá e matam.

 

A natureza não é esse mundo idílico com leões abraçados a ovelhas, com todos pastando juntos, como os ambientalistas pensam. Tem competição, defesa, hierarquia, (auto) regulação.

 

Muito longo. Pode resumir em um parágrafo o que você defende?

O que o tópico menciona é que a perspectiva contemporânea está enviesada com esse negócio de substituir as divindades religiosas pela natureza.

 

Há uma visão de que a natureza é uma entidade utópica e perfeita, que é atrapalhada e perseguida pelos seres humanos, que são, no fim das contas, uns monstros.

 

Você já deve ter visto que na Sessão da Tarde, pelo menos uma vez por semana, contam alguma história de crianças que tentam salvar uma floresta ou algo assim, ajudados sempre por algum urso, lobo ou outro animal (antropomorfizados, claro) contra um engenheiro florestal bandido.

 

O maior de todos os males é essa gente, alguém que quer inaugurar um condomínio, algo assim.

 

A natureza não é uma "entidade" apenas benéfica. Isso tem que ficar bem claro. Um terremoto no fundo do mar pode causar 250 mil mortes humanas. E não é algo raro, durante a história já ocorreram inúmeros outros maremotos.

 

Então, na sua totalidade, a natureza não existe pro nosso bem - e tanto gera agressão como compaixão. Tem coisas boas E ruins. Não há maior criminoso ambiental que a própria natureza.

 

Um recenseamento das espécies que já existiram no planeta revela que 90 e poucos porcento delas foram destruídas pela própria natureza. Seja por alguma catástrofe vulcânica, algum meteoro, terremoto ou algo assim, uma parte enorme da vida existente sempre desaparece automaticamente.

 

Esse romantismo doentio ocorre pela nossa tendência (algo notório especialmente hoje em dia) a não mais nos preocuparmos com a divinização de uma entidade superior como Deus, e sim a natureza, foi para o mundo tangível que transferimos a nossa religiosidade.

 

A natureza é uma espécie de divindade. Bom, na verdade era, deixou de ser, e agora nos encaminhamos para isso novamente, com a diferença que expliquei no trecho sobre os egípcios, acrescentando ainda que fenômenos naturais e corpos celestes eram tidos como deuses, mas aí você pode dar um desconto, porque éramos ignorantes e desprovidos de uma ciência mais evoluída nessas épocas.

 

Dito tudo isso, é compreensível que exista uma lei que determine que um crime contra um pássaro é inafiançável, enquanto que se você estiver por trás de um volante e matar alguém, ou ainda uma babá agredir um recém-nascido, nas duas hipóteses não fica preso ou se muito presta o tal do serviço comunitário e fica tudo certo.

 

Essa sacro-santificação da natureza não está restrita a filmezinhos como Greystoke, Jurassic World ou mesmo à mídia na sua totalidade.

 

Ela é uma das características modernas, do mundo contemporâneo, que ao perder completamente a ideia de apreço ao que significa realmente ser humano e ainda devoção a Deus, transferiu a sua religiosidade pra esfera que todos vivem, para o mundo terreno.

 

É preciso entender que os ambientalistas precisam, assim como aqueles representantes de grupos tidos como oprimidos (mesmo sem ser) de poder político.

 

Como é que se obtém isso? Quando se estabelece uma intermediação obrigatória, gerenciada por eles, sobre todos os assuntos que envolvam a natureza, então, sobre quase tudo.

 

O ambientalista fica poderoso quando é dele a última palavra. Ele quer ditar aquilo que você planta, o que cria, come, fuma, o modo como planeja o esgoto da sua casa, se usa água assim ou assado, ou seja, é a velha ditadura policial humana, aqui controlando as suas relações com a natureza.

 

E não pensem vocês que eles fazem isso escorados em provas cabais de que aquela ação é a mais acertada ou mesmo em valores morais, que pra eles só se prestam a suportar suas benfeitorias.

 

Eu não tenho admiração incontida por religiões e muito menos religiosos, que pra mim são em sua maioria (pra não dizer totalidade) embusteiros, que usam da sua retórica pra cooptar os outros, assim se dando bem de alguma forma, além de nunca contestar suas crenças.

 

Porém, ateus não estão (e não estão NEM DE LONGE), na escala humana, acima de nenhum deles, porque não é algo inesperado você ouvir de um ateu que considerações de ordem moral são desnecessárias, não é surpreendente essa adesão irrevogável deles ao materialismo, a valores espúrios, a terem essa ingenuidade pueril sobre assuntos políticos.

 

Os dois grupos são compostos apenas por idiotas úteis, a meu ver. Quem não é imbecil é o sujeito que observa, à distância, os dois lados, não toma partido de imediato ou se deixa contaminar por nada a princípio, não chegando à uma conclusão sem antes refletir muito a respeito.

 

Utilizar sua capacidade de raciocínio pra determinar o que é mais acertado é algo que ninguém faz, a maioria toma decisões de suma importância depois de serem manipulados pelos outros.

 

O maior erro que alguém pode cometer é achar que não vivemos numa Matrix, que todos são bonzinhos e suas palavras e atos são sinceros, além do caráter dessas pessoas ser ilibado.

 

Esse pensamento é reflexo de uma sociedade ignorante, que está indo pro buraco (intelectualmente falando) cada vez mais.

 

Exatamente por isso você tem essas aberrações citadas no tópico, essa leva de retardados querendo impor suas loucuras a quem (ainda) é normal.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Espera um pouco ai,tudo bem eu concordo que existem pessoas que se aproveitam,mas isso existe em todo lugar,e tudo bem a natureza e os bichos não trazerem apenas algo de bom para nós, mas ai eu te pergunto o que a Humanidade trás de tão bom assim?ficam exaltando o "perfeito" ser humano como se fosse realmente grande coisa quando não o é,apesar de terem sim comportamentos bons ou violentos os bichos não merecem ser comparados a terrível Humanidade.Quem que polui o Planeta Terra todo os dias?,Por culpa de quem é que as calotas polares estão derretendo?,Quem causou o Aquecimento Global?Quem é essa espécie que já extinguiu outras espécies para ter o prazer da caça?Por culpa de quem ocorre derramamento de óleo no Mar?.Bem,acho que não preciso responder né?tudo bem se a Natureza e os Animais não são perfeitos ok concordo,mas ficar exaltando a raça humana como se ela fosse santa e não fosse responsável por tragédias como a Natureza e os Animais também são responsáveis,ai é questão de não querer reconhecer a verdade.A Humanidade não serve de exemplo pra ninguém,pq também faz ações boas e ruins e ultimamente faz mais estragos a Terra do que bem,mas essa é a minha opinião.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Deixa ver se eu entendi... vc é CONTRA a humanização dos animais e a divinização da natureza, é isso?

Mas é exatamente isso. E você já deve ter notado que essa é uma tendência cada vez mais disseminada no mundo materialista em que vivemos. Ou seja, trocamos seis por meia dúzia, se antes todo mundo estava nas trevas por conta da ignorância religiosa (mas ainda assim com algum freio moral, que precisa existir, evidente, desde que seja uma coisa lógica/estudadas suas consequências e origens, não uma aderência cega, sem contestação), hoje a religião está sendo completamente dispensada por malucos que não conseguem pensar de maneira abstrata e apenas concentram seu fanatismo no mundo sensorial.

 

Se é que as religiões já foram além disso, me parece que são em sua essência apenas camuflagens pra justificar esse mesmo apego às coisas materiais, e matança, porque (por exemplo) esse ou aquele ocupa sua "terra sagrada".

 

P0rra, se isso não é um apego idiota a coisas mundanas/terrenas, me digam o que mais é.

 

 

Espera um pouco ai,tudo bem eu concordo que existem pessoas que se aproveitam,mas isso existe em todo lugar,e tudo bem a natureza e os bichos não trazerem apenas algo de bom para nós, mas ai eu te pergunto o que a Humanidade trás de tão bom assim?ficam exaltando o "perfeito" ser humano como se fosse realmente grande coisa quando não o é,apesar de terem sim comportamentos bons ou violentos os bichos não merecem ser comparados a terrível Humanidade.Quem que polui o Planeta Terra todo os dias?,Por culpa de quem é que as calotas polares estão derretendo?,Quem causou o Aquecimento Global?Quem é essa espécie que já extinguiu outras espécies para ter o prazer da caça?Por culpa de quem ocorre derramamento de óleo no Mar?.Bem,acho que não preciso responder né?tudo bem se a Natureza e os Animais não são perfeitos ok concordo,mas ficar exaltando a raça humana como se ela fosse santa e não fosse responsável por tragédias como a Natureza e os Animais também são responsáveis,ai é questão de não querer reconhecer a verdade.A Humanidade não serve de exemplo pra ninguém,pq também faz ações boas e ruins e ultimamente faz mais estragos a Terra do que bem,mas essa é a minha opinião.

Meu filho, considerações morais não podem existir quando você está tratando de bichos e da própria natureza. Ambos não são nem bons nem maus, apenas SÃO.

 

Isso que você não está entendendo.

 

O ser humano tem que estar acima de ambos justamente por ser superior. Então precisamos tirar proveito destes até que apareça alguma forma de vida mais elevada e faça o mesmo conosco.

 

Qualquer restrição do que se deve ou não fazer com bichos e a natureza deve ser baseada nas consequências que isso trará pras pessoas.

 

Não porque a natureza é bela ou o cachorro fofinho.

 

O que não deve ter ficado claro pra você é que a consciência humana PLENA, a capacidade máxima de SER alguma coisa (acima de bicho), é MINADA JUSTAMENTE por aqueles que não conseguem obtê-la. Ou já nascem com alguma deficiência mental, e querem puxar pra baixo quem não tem este empecilho.
 
Esses querem TER, já que são incapazes de SER.

 

Peraí, mas eles querem TER o quê?

 

PODER.
 
Magístico, astral, legalista, o que for.
 
E eu não quero poder algum!
 
Apenas ser livre de todas as mentiras que me contaram pela vida afora.
 
Essa gente precisa das mentiras.
 
Eu as nego.
 
E acho que já passou da hora de mudar. Jogar fora toda essa danação mental e começar a ver a nossa Existência como ela realmente é. 
 
Não como podemos tirar vantagem dela.
 
Como tudo isso é feito, como todas essas agendas são colocadas em prática e ninguém nota, precisa ser estudado, mas não é necessário ir muito longe pra constatar que vivemos numa Matrix, que quer nos limitar ao mundo material e impedir nossa transcendência para o mundo das ideias.
 
O homem precisa se submeter a algo além de si mesmo e esse ALGO não pode ser tangível. As ideias (perfeitas) e fundamentalmente boas, se expressas no ser humano (desde que este consiga acessá-las), fazem com que este supere o mundo material, que é sempre ilusório, já que só pode ser captado pelos sentidos.

 

O mundo intangível não é mentiroso porque só pode ser acessado por meio da sua mente, do seu intelecto.

 
Uma forma bem conhecida de se destruir a consciência humana é a defesa de reivindicações contraditórias.

 

Libera-se o aborto mas reprime-se o assédio sexual (que assim como o estupro, é na maioria dos casos inventado ou exagerado). Cigarros são proibidos e drogas liberadas, defesa da democracia e controle estatal cada vez maior em todos os âmbitos da vida do cidadão.

 
"Anti-racismo" que esconde o desejo de taxar grupos como coitadinhos, de criar uma identidade cultural, mas calcada na opressão dos que não são a bola da vez, na separação de todos (não união), pois é dividindo que se conquista.

 

E o que eu já citei, que é a defesa cada vez mais árdua e irracional de animais e natureza, ao custo de muitas vidas humanas, ou no mínimo a desumanização dos envolvidos.

 

O que dizer do sujeito que acha um absurdo que ratinhos sejam sacrificados pra que pesquisas ajudem na cura de doenças e evitar que pessoas morram?

 

Pra mim quem pensa assim é um psicopata. E esse tipo de gente tem que ser identificada rapidamente e chutada do convívio social.

 

Que vá viver nos esgotos ou na selva, se está se sentindo oprimido com as vantagens da vida na civilização.

 

È muito fácil fazer ativismo sendo financiado por grupos que querem impingir sua imoralidade pra ganhar terreno na implantação de uma nova ordem mundial, desfrutando todas as benesses da humanidade opressora.

 

Assim até eu quero ser ambientalista.

 
O Estado só sabe inventar problemas que não existem, para crescer. Pois se começasse a resolver um a um as pessoas tomariam as rédeas de suas próprias vidas e se tornariam verdadeiramente independentes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Humanidade superior?não sei se fico com vontade de rir ou de chorar com essa sua linha de pensamento claramente hipócrita,ainda mais que defenda o que acontece com o planeta pelas ações humanas,eu espero sinceramente que uma espécie evolua e extingua a humanidade isso sim(a é minha espécie, foda-se!),filho esse seu conceito de superioridade é ultrapassado e equivocado,a humanidade só se torna pior cada vez mais e não merece salvação pois traz mais efeitos negativos ao planeta do que positivos,e vc parece que pensa que a humanidade tem que ser o centro de tudo,o foco tem que girar em torno dos humanos,só a humanidade é a escolhida para evoluir porque é "especial".E vc é claramente o tipo de pessoa de que ninguém pode discordar da opinião,se alguém não concorda com vc tem que ser excluído do convívio social porque nessa sua visão é um "psicopata",é isso mesmo?todo mundo que tem pontos de vista diferentes do seu merece ser excluído socialmente?bem isso prova que vc tem uma visão preconceituosa de quem não concorda com vc,certo?quem te disse que a humanidade é tão digna de algo além do mundo material?,não me parece ser o caso,a humanidade não é tão digna assim pra se desprender dessas amarras.Todo mundo é obrigado a só dar valor as pessoas e gostar de todas elas,ninguém pode pensar diferente de vc nessa sua visão de "mundo perfeito",isso mostra que vc é só mais um dentre várias pessoas que não tem capacidade pra aceitar quem é diferente de vc e pensam que quem discorda de suas opiniões deve ser "excluído" como se fosse uma mensagem e não uma pessoa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esse discurso barato de que os seres humanos são maus e não merecem nada, que todos deveriam morrer, mimimi bububu já encheu o saco.

Sim, eu acho que esse tipo de pessoa tem que ser retirada do convívio social justamente porque são protótipos de gente. Um doente mental (seja quem for, desde o mais inofensivo ao mais perigoso) tem que ser reconhecido e tratado, da mesma forma que uma pessoa doente fisicamente, não se deixar que os dois circulem livremente por aí e espalhem suas mazelas.

Por isso que nunca vou ser a favor desse sistema escroto chamado democracia, porque é uma ditadura camuflada em que inaptos e ineptos tem igual poder de decisão, podendo espalhar seu lixo impunes, enquanto quem quer fazer coisas boas e duradouras tem suas mãos atadas.

Não adianta querer impor padrões mínimos de nada pra quem apela pro vitimismo e auto-sabotagem, querem acreditar nessa lorota de que a humanidade é o flagelo da natureza e que os animaizinhos estão aí pra nos salvar (é, só se for na realidade da franquia O PLANETA DOS MACACOS), acreditem, mas me incluam fora dessa.
 

Só pode haver alguma evolução se houver hierarquia, quem manda e quem obedece, o homem tem que domar a natureza e tudo que faz parte dela, para assim poder se desenvolver, se aprimorar. A partir do momento que malucos aparecem e dizem que não se pode tocar em bichinhos, que não se pode fazer isso e aquilo não porque isso vai prejudicar outros seres humanos, mas porque vai perturbar seus deuses materiais, aí é pra você cortar a conversa na hora e mandar esses lunáticos catar coquinho.

Caixão, meu filho, não tem gaveta, então o que tem que ser cultivado são as ideias que sejam essencialmente boas, essas são eternas e perfeitas, e não te enganam. Tudo que é material é falho e ilusório, hoje existe, amanhã se transformará, ou nunca foi o que você acreditou, ou deixará de existir.

É por meio da aquisição de conhecimento, de uma moral mais elevada, que se chega a algum lugar, e noção de que isso só pode ocorrer na espécie humana.

Mas é aquilo que eu disse, quem não é capaz disso (ou simplesmente não quer) se concentra em TER e em puxar pro seu buraco quem está lá em cima, pra que todos vivam uma existência animal.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ou seja,se vc não concorda com a democracia,e fala que é uma forma de ditadura,então vc é só mais um Anarquista,que acredita nessas coisas de NOM(Nova Ordem Mundial)e teorias da conspiração,mas se existirem eu digo,e daí,já não ia fazer diferença porque eles manipulam o resto da humanidade a séculos,não podem ser derrotados nessa altura do campeonato,mas vc põe esses seus ideias tão "grandiosos" assim em prática,ou só põe a sua revolta em fóruns na internet pra ver se encontra outros que concordem com seus absurdos?.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cumé? Quer dizer que se eu acho a democracia um sistema falho eu defendo o anarquismo?

Eu posso estar enganado, mas isso se chama non sequitur.

E ninguém aqui está falando de teorias de conspiração. Historinha pra boi dormir, conversa mole não é comigo. Tudo que foi exposto nesse tópico é resultado de investigações pessoais e corroborado por evidências e testemunhos, de modo que só sendo muito cego ou burro (ou os dois) pra não perceber as más intenções de quem compartilha da linha de pensamento contrária a que eu defendo.

E mais, são evidências factuais, não anedóticas, basta ler os estudos, as publicações, ver o que está sendo imposto por defensores de animais, ateus, a indústria do entretenimento... enfim, pra tirar suas próprias conclusões basta sentar o rabo na cadeira e ter paciência de filtrar todo esse lixo, e, claro, jogar fora os chavões e começar a pensar fora da caixa, por conta própria.

Se você não quer "ligar os pontos", aí já não é problema meu.

E segue outro vídeo corroborando tudo o que o tópico menciona:


 
Essa massificação é uma coisa muito triste. Eu já tive animal de estimação, mas nem quando era criança achava interessante bicho algum.
 
Hoje não, a coisa chegou a níveis tão alarmantes que uma horda de doentes mentais estão tentando a todo custo impor goela abaixo seus deuses materiais, suas políticas tacanhas.
 
Chega uma hora que qualquer um se torna ADULTO. 
 
E adultos de verdade PENSAM.

E não aceitam nada raso.

Não digo pra trocar coisas materiais pelo beija-mão do padre, ou pra se ajoelhar todo dia pra uma entidade imaginária, mas pelo menos se despreender de coisas irrelevantes e contestar sempre, tanto a valia de tudo como as verdadeiras intenções que se escondem nesses comportamentos humanos.
 
Tentar evoluir, pelo menos, ainda que não seja decoberto o "sentido" da vida ou as respostas pra tudo.
 
Mas ninguém quer isso. Todos se recusam a contestar as coisas que dizem amar.
 
Daí, viram escravos delas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ih, alá: mais uma sandice dessa gente:

 

“Pet à mesa”: educador de animais cria projeto para que cães frequentem restaurantes com seus donos

 

http://virgula.uol.com.br/lifestyle/comportamento/pet-a-mesa-educador-de-animais-cria-projeto-para-que-caes-frequentem-restaurantes-com-seus-donos/#img=1&galleryId=929665

 

O melhor do link são os comentários. Felizmente a massificação não corrompeu todo mundo e algumas pessoas ainda tem noção, se manifestando em posição contrária a essas ideias estapafúrdias.

 

Documento da ANVISA:

 

RESOLUÇÃO-RDC N° 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004

 

4 BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS, MÓVEIS E UTENSÍLIOS 

4.1.7 As áreas internas e externas do estabelecimento devem estar livres de objetos em desuso ou estranhos ao ambiente, não sendo permitida a presença de animais.

 

Simples assim...

É impressionante como os brasileiros são atrasados. Os países desenvolvidos como os da Europa e os EUA aceitam pets em mercados, restaurantes, bares etc. Óbvio que são cachorros educados e que são companheiros muito melhores que muitos seres humanos. No Brasil, isto ainda está num processo muito crú,mas já temos alguns ramos (como alguns hotéis) que aceitam pets e de muito bom grado. Levo a minha onde posso e sempre faço amizade com pessoas que não têm cachorro e se hospedam no mesmo hotel. Mas, diante de tantos comentários atrasados vistos aqui, consigo entender pq o Brasil está onde está, kkkkkk. Aqui não há mais solução. Cada povo tem o que merece...

Países desenvolvidos da Europa como a França, embrulham o pão fresco e o peixe comprado no mercado em jornal usado, e seus cidadãos não são apreciadores de banhos diários. Quanta evolução lá né?

 

O meus cachorros sempre moraram do lado de fora da minha casa, afinal, higiene vem em primeiro lugar.

P.S. E o Olavo comentou alguns pontos desse tópico:

 

https://therealtalk.org/posts/31228

 

https://therealtalk.org/posts/31212

 

https://therealtalk.org/posts/31198

 

https://therealtalk.org/posts/31191

 

https://therealtalk.org/posts/31186

 

https://therealtalk.org/posts/31267

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

×