Jump to content
Forum Cinema em Cena

Teste em cobaias animais


Plutão Orco
 Share

Recommended Posts

Abri esse tópico para debater a velha polêmica de “teste com animais”. A invasão recente do Instituto Royal. Especificamente, mas com foco teste de animais, necessidades e falácias por pessoas formadoras de opinião e até jornalistas.

 

Quero deixar claro que ponho em primeiro plano os seres humanos e em segundo os animais por motivos óbvios. Se for necessário teste, crueldade contra animais para o bem estar humano eu apoio sem o menor remorso.

 

Defensores dos animais reflitam melhor: A natureza é cruel, por si mesmo com ou sem seres humanos.  O que importa é a nossa sobrevivência como espécie no planeta o resto que se dane.

 

Não me venha com a falácia de que somos piores que os animais. A espécie humana mata por prazer e blá, blá, blá...Primeiro não vai me comover e segundo: Todos os seres vivos querem continuar vivos. Dito isso, logo nenhum ser vivo é nobre por natureza. Em uma situação extrema coisas vivas não se importam e devoram uns aos outros. Filhotes de aranhas e escorpiões e diversos outros filhotes de animais devoram suas mães. Ratos, cães devoram uns aos outros inclusive seus filhotes por competição de espaço. Acorde da fantasia idealista e olhe o mundo como ele realmente é: o mundo não é um mar de rosas é uma eterna luta por sobrevivência.

 

Aqui tem um ótimo vídeo no youtube, que é bem didático para leigos COMO EU e a esmagadora maioria da população do biólogo Pirulla25:

 

 

 

Depois posto do Yuri que é especialista nessa área de teste em animais em laboratório.

 

Eu quero ver esses ativistas serem coerentes e não terem nenhum animal escravo de estimação. Alias animais de estimação são escravos de estimação. Troque o animal por uma pessoa e vemos como isto é tão ou mais cruel ainda do que cobaias de laboratório. Mas eles não fizeram isto? Ou fizeram? Nem poderiam, pois não são animais silvestres e sim domésticos. Porque não criticam esse sistema de animais domésticos como alguns veganos fazem.  Doaram os bichios para população criar em Cativeiro. Viram? Trocaram um cativeiro por outro. É estúpido em analise realmente crítica da proposta do bem estar animal. O dia que os defensores dos animais forem coerentes com bem estar dos animais em TODOS os sentidos eu vou dar algum crédito. Até lá é uma das causas mais estúpida e sem sentido do mundo para mim. Defender animais sendo que milhões de pessoas têm seus PETS? Ou devo dizer “personal slave”? Eu não tenho há anos mais nenhum animal de estimação, percebi que é cruel mais cruel que ser uma cobaia, comida etc. Alias comidas e cobaias são ou uma necessidade infelizmente e não um luxo como animalzinho de estimação.

Link to comment
Share on other sites

Mas isso de " crueldade contra animais para o bem estar humano " pode as vezes, ser usada como uma boa desculpa p/ continuarem tais práticas, invés  de  tu procurar outros meios que não este.

 

E desculpe a ignorancia ( e deixo aqui a deixa p/ se possivel esclarecer) alguns que  são contra tais crueldades alegam que  anatomicamente/fisiologicamente (sei lá qual o termo correto aqui), nem é tão idêntica p/ justificar tais pesquisas com os cães.

Link to comment
Share on other sites

Você fala de "desculpa" como se eles maltratassem os animais por prazer. Quando fiquei sabendo da notícia fiquei estarrecido com a crueldade. Na verdade nem li a notícia, fiquei sabendo pelo Face. Depois lendo com calma, fiquei sabendo trata-se de um laboratório onde são feito testes para doenças como câncer. Eu não sei qual era a situação do laboratório, se estava tudo dentro da lei e qual é a legislação para este tipo de pesquisa no Brasil. Mas sendo prático e até cruel, pesquisas como essas são um mal necessário. Caso contrário como o homem descobriria curas e tratamentos para doenças que nos afligem? 

Link to comment
Share on other sites

Sei nada de prazer qto a isso.  Acho que a palavrar aí seria  mais fácilidade em justificar a crueldade.

É complicado, pq pode chegar o dia em que se usará seres humanos com a mesma justificativa.

Na verdade já fazem isso, né?

 

By the way,tua pergunta é ótima, se não houvesse a opção de usarem cães: " ... como o homem descobriria curas e tratamentos para doenças que nos afligem ? "

Esse é o único meio ou o mais fácil ?

Link to comment
Share on other sites

Mas acontece que não existe outros meios Jujuba. Os vídeos do Pirulla de Yuri e o material que deixaram e outras coisas que já conheço de antemão. E outras pessoas que conhecem melhor o assunto à própria comunidade científica mesmo disseram com todas as letras não se pode ainda abolir teste em animais.

 

O fim dos testes em animais na indústria dos cosméticos, por exemplo na Europa e outros países é um mito. Realmente não se usam mais na Europa e vários outros países. Mas isto porque já se testou antes, os dados obtidos por simulação computadores não são mais necessários, pois outros laboratórios que levaram má fama testaram antes e repassaram esses dados a todos esses laboratórios que amantes dos animais veneram. Resumindo testou do mesmo jeito. Só que alguns caem nessa ilusão de que não foi testado todo medicamento, produto de limpeza, beleza foi em algum momento testado em animais antes de sair ai no mercado.

 

A propósito eu recomendo e muito ver os vídeos, eles são bem simples e didáticos sobre o assunto. Esses mamíferos escolhidos inclusive os beagles não são aleatórios e sim eles têm alguns aspectos que ajudam e muito na coleta de dados. Quando não se tem teste e dados bem recolhidos como Yuri disse em seus vídeos em mamíferos ditos superiores, que são cães e primatas temos muitos problemas sérios ao bem estar humano. Ele deu ótimo exemplo da Geração da  Talidomida. Só isto para mim é motivo suficiente de ir contra esse fundamentalismo dos defensores dos animais.

 

http://www.youtube.com/watch?v=vWy_hziZYL8

 

http://www.youtube.com/watch?v=e7FeqPOnU08

Link to comment
Share on other sites

Tem esse vídeo aqui que o Pirulla disseca esse assunto de uso em humanos.

 

 

Eles deixam claro que além de ser utópico, pois amostragem ou N de pessoas no caso de criminosos confessos como muitos adoram citar seria pequena de mais e teriam uma porrada de variáveis. Você não sabe a procedência correta das cobaias. Elas não nasceram ali. Não se tem controle. Isto sem contar com o tempo de pesquisa. As cobaias ratos, camundongos e outros animais usados como eu disse não são usados por acaso. Alguns animais têm razões próprias de estarem ali dependendo da pesquisa. As gerações e tempo de vida em ratos e outros animais são um dos vários motivos de serem testados. Imagine só seres humanos testados. Uma pesquisa que poderia levar apenas 5 anos levaria 50 anos.

Link to comment
Share on other sites

O movimento é válido pois insere este tópico na agenda política e abre o tema para o debate. Isso é sempre bom.

 

Mas bom, seria lindo se os animais fossem testados sob a justificativa da cura do câncer. Mas o que vemos também é o teste em animais para a produção de cosméticos, produtos para a vaidade humana.

 

O que está em discussão é esta visão utilitarista que vê a natureza como se ela existisse para servir ao homem.

 

Existem sim outros meios de conduzir a pesquisa, seja em cultura de células ou criação artificial de tecidos orgânicos.

 

Só para constar:

União Européia proibiu completamente o teste e a venda de cosméticos testados em animais.

 

(pergunta: se a UE fez isso, então deve haver outros modos de realizar a pesquisa, ou os europeus ficaram doidos de uma hora para outra?)

 

http://noticias.r7.com/internacional/uniao-europeia-proibiu-completamente-a-venda-de-cosmeticos-testados-em-animais-neste-ano-19102013

 

Vale dar uma lida neste texto, ele coloca as questões de forma mais clara:

 

http://www.pea.org.br/crueldade/testes/

Link to comment
Share on other sites

Você que sempre defendeu um olhar crítico, Plutão, é bom desconfiar deste assunto também.

Alguns dados curiosos:

 

Várias diretrizes da União Européia foram firmadas com o propósito de abolir os testes com animais, dentre eles o terrível DL 50. Trata-se, portanto, de uma tendência mundial, em que a preocupação com o bem-estar dos animais de laboratório provoca discussões éticas no meio acadêmico e científico.

 

Na Europa muitas faculdades de medicina não utilizam mais animais, nem mesmo nas matérias práticas como técnica cirúrgica e cirurgia, oferecendo substitutivos em todos os setores.

 

Na Inglaterra e Alemanha, a utilização de animais na educação médica foi abolida. Sendo que na Grã-Bretanha (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda) é contra a lei estudantes de medicina praticarem cirurgia em animais. Note-se que os médicos britânicos são comprovadamente tão competentes quanto quaisquer outros.

 

A produção de anticorpos monoclonais por meio de animais foi banida na Suíça, Holanda, Alemanha, Inglaterra e Suécia.

 

Na Itália, entre 2000 e 2001 mais de um terço das universidades abandonaram a utilização de animais para fins didáticos. A Província de Sul de Tirol, Itália, proibiu a experimentação em animais ao longo de seu território.

 

Nos EUA, mais de 100 faculdades de Medicina (70%) não utilizam animais vivos nas aulas práticas. As principais instituições de ensino da Medicina, como a Harvard, Stanford e Yale julgam os laboratórios com animais vivos desnecessários para o treinamento médico.

Link to comment
Share on other sites

O movimento é valido questionar, protestar e expor seus pontos por mais que não concorde e não concordo mesmo. Todavia, o que não acho legítimo é sabotar projetos de pesquisas que beneficia a todos inclusive os sabotadores, que hipocritamente fazem uso. Eu duvido e dou minha cara a tapa que sejam coerentes e não fazem uso de nenhum medicamento, produtos de limpeza e mesmos cosméticos que muitas dondocas classistas ali do movimento estavam usando inclusive em reportagens e vídeos.

 

http://www.youtube.com/watch?v=xu1u_PkiMxU

 

http://www.youtube.com/watch?v=dEzTJGUQDz8

 

 

Já disse isso aqui e respondi até Jujuba. Como o Yuri e Pirulla disseram em seus vídeos e outros isso de não uso de teste de animais é mito. Tanto a cultura em células como a criação em tecidos orgânicos despedem indiretamente de pesquisa com animais. Eles só chegaram onde chegaram foi por causa de outras pesquisas de muitos animais já usados. A União Europeia aboliu teste só em cosméticos, pois se têm dados suficientes para evitar uso desnecessário de cobaias vivas. Mas isto não pode e nem deve abranger outros setores de pesquisas em prol de animais. Afinal o animal não fica em primeiro plano por motivos óbvios.

 

Sobre os animais tirando sentimentalismo humano a parte por outras espécies, as pessoa esquecem das próprias leis naturais. Somos animais também competindo por sobrevivência essa é a prioridade natural acima de todas as outras. Temos predação, esclavagismo, parasitismo, canibalismo etc. As pessoas só querem ver o lado harmônico e bonitinho da natureza e se esquecem que é uma luta por sobrevivência.

Link to comment
Share on other sites

Eu esperava uma postura mais coerente sua. Se é para abolir o sentimentalismo, então abole completamente. Tem pessoas passando fome e sendo discriminadas? Azar o delas. Pois antes elas do que eu. É questão de sobrevivência do grupo social mais forte... Quanto aos mais fracos, só lamento... (ironia).

Sério Plutão... Darwin está rindo disso tudo. Testar em cachorro novos componentes de um shampoo é a luta pela sobrevivência??? Menos, né... rs

 

Plutão, não é questão de sentimentalismo. Esta mentalidade vai destruir o planeta (e a nós, obviamente). Se não repensarmos seriamente as bases do nosso estilo de vida, vamos nos auto-destruir.

 

Não estou negando a importância do teste em animais para a história da ciência, não mesmo. Mas a questão não é esta. Com o conhecimento atual é possível passar para uma nova etapa. A tendência nos países cientificamente avançados é substituir o uso de animais por procedimentos alternativos quando possível. A discussão é esta: Não se trata de uma eliminação instantânea, mas a busca de um processo gradual de novos meios de pesquisa.

Link to comment
Share on other sites

Conan:

"Eu esperava uma postura mais coerente sua. Se é para abolir o sentimentalismo, então abole completamente. Tem pessoas passando fome e sendo discriminadas? Azar o delas. Pois antes elas do que eu. É questão de sobrevivência do grupo social mais forte... Quanto aos mais fracos, só lamento... (ironia)".

 

Plutão:

Sentimentalismo eu me refiro para com animal fora da nossa espécie mesmo.  Agora achar que um animal vale mais que um humano? Eu e maioria das pessoas, que convivem em sociedade temos a preferência da NOSSA espécie do que a deles. Isto para mim é ser coerente, racional e lógico .  E uma busca hipotética de grupos isolados por "força" tivemos hominídeos "rivais" nossos extintos dessa maneira. Logo é fail!

 

Conan:

"Sério Plutão... Darwin está rindo disso tudo. Testar em cachorro novos componentes de um shampoo é a luta pela sobrevivência??? Menos, né... RS".

 

Plutão:

Não. Mas estou-me referindo e priorizando medicamentos farmacológicos. São melhorias para salvar vidas, qualidade vida avanços etc. Lá também fazia sim estudo do câncer ou esqueceu?

 

Se quiser rir de algo ri ai da loirinha, que estava carregada de maquiagem “Salvando” beagles.

 

Conan:

"Plutão, não é questão de sentimentalismo. Esta mentalidade vai destruir o planeta (e a nós, obviamente). Se não repensarmos seriamente as bases do nosso estilo de vida, vamos nos auto-destruir".

 

Plutão:

Não me venha dar lição de moralismo ecológico. Claro! “Os Beagles e outras cobaias criadas em laboratório estão ameaçados de serem extintos”. “Assim desequilibrando todo o ecossistema”. Sério? Sou contra desmatamento, poluição e outras coisas que acarretam de fato a destruição do planeta. Tenho plena consciência da simbiose na natureza, o que afeta uma espécie afeta a outra. Mas beagles e uma série de animais domésticos e outros criados em laboratório não se encaixam muito nisso pelo que sei. A propósito qual é o habitat do beagle? Isto não inibe da necessidade primordial e inevitável de precisar de medicamentos, comida e estar aqui digitando no PC com recursos naturais explorados pelo homem. O vale do silício agradece.

 

Conan:

"Não estou negando a importância do teste em animais para a história da ciência, não mesmo. Mas a questão não é esta. Com o conhecimento atual é possível passar para uma nova etapa. A tendência nos países cientificamente avançados é substituir o uso de animais por procedimentos alternativos quando possível. A discussão é esta: Não se trata de uma eliminação instantânea, mas a busca de um processo gradual de novos meios de pesquisa".

 

Plutão:

Claro isto eu apoio. Mas ainda não é aplicado em tudo e ai que mora o perigo, esse é só um passo. Vamos arriscar de testar com déficit de dados? Para assim ter mais uma geração de pessoas deformadas por medicamentos mal testados?

Link to comment
Share on other sites

hahah... conveniente o sentimentalismo para com os "homens", mundo maravilhoso onde todos somos iguais e temos o mesmo direito. Agora me diz onde na natureza existe esta aliança entre os bichos da mesma espécie? Posso muito bem pensar que os africanos são um atraso para a espécie humana, uma forma arcaica que não se adaptou bem às condições em que vivemos, e por isso devem se submeter à expressão mais perfeita da nossa espécie: o homem branco (ironia).

Agora me diga você por que raios eu deva ter algum vínculo com um aborígene ou um coreano? Certamente não é instinto, mas uma concepção de mundo que coloca todos os homens num grupo determinado e com determinadas características que os diferem de todos os animais.

Claro que existem outras culturas que têm uma visão mais nuançada do vínculo do homem com a natureza e concebem outros tipos de relações. Mas isto não vem ao caso...

 

Plutão! Presta atenção no que escrevi. Não disse que os testes em cães vai acarretar num desastre ambiental. Olha a interpretação...Disse que o caso dos testes em animais é um indício de um modo de vida geral. É uma manifestação particular de uma concepção de mundo mais geral, e o problema está aí. E ao que parece, esta concepção é a sua, com este papo de sobrevivência do mais forte e tal... Sério que você acha que os homens correm risco de extinção se abolir os testes para cosméticos?

 

E, por fim, aí não mora o perigo não. Você acha que a UE tomou uma decisão arbitrária sem saber o que está fazendo? De que a ciência na Europa corre um sério risco? Usar este argumento é ingenuidade...

 

Ainda acho que o exemplo europeu é muito claro. E insisto nele: a discussão é sobre o que estamos fazendo para diminuir ao máximo o sofrimento do animal.
Eu concordo plenamente com a questão da cura das doenças. Mas novamente: o ponto é que temos que insistir em novos métodos.

Link to comment
Share on other sites

Para mim a equação é simples:

 

Animais usados em testes para medicamentos e vacinas - perfeitamente válido se não há outros métodos ou sejam extremamente caros ou infactíveis. Fodam-se os ativistas.

Animais usados em testes para produtos supérfluos e/ou que não são indispensáveis - contra MESMO SE não houver outro método

 

Fim da opinião.

Link to comment
Share on other sites

Para mim a equação é simples:

 

Animais usados em testes para medicamentos e vacinas - perfeitamente válido se não há outros métodos ou sejam extremamente caros ou infactíveis. Fodam-se os ativistas.

Animais usados em testes para produtos supérfluos e/ou que não são indispensáveis - contra MESMO SE não houver outro método

 

Fim da opinião.

 

Só para render a discussão...

 

Se existirem outros métodos, mas que sejam mais caros (porém não extremamente custosos!!), eles deveriam ser impostos por uma regulamentação?

Obviamente, as empresas querem o menor gasto e o maior lucro, portanto esta decisão não viria deles. Caberia ao governo impor uma lei do gênero.

Então a questão colocada é: deveríamos apoiar esta regulamentação mais estrita?

Link to comment
Share on other sites

Então Conan seja contra a humanidade não dê a mínima para ela. Acha que vou me importar com essa sua mudança? Não. Sabe quem também não dá mínima para você e os defensores dos animais? São os próprios animais que tanto defende. Acham que eles se importam de forma recíproca? Muitos donos viram até comida quando morrem sozinhos com eles.

 

Onde você viu que estou defendendo estudo em animais para uso em cosméticos e outras futilidades? Estudo inútil com animais é desperdício de tempo, dinheiro, sofrimento e uma série de outras coisas nada positivas para empresas tanto públicas, privadas e acima de tudo a sociedade. Inclusive o Instituto Royal é uma empresa pública privada. Nosso dinheiro de certa forma foi queimado por esses radicais.

 

O que fiz no máximo foi questionar uma ativista bem maquiada salvando cachorros dos SUPOSTOS testes para indústria de cosméticos. E repito ali tinha testes para indústria farmacêutica em ambos os casos eles estavam dentro da lei. Quem não estava na lei foram às ações dos ativistas. Assim como nos protestos sou a favor de punir os vândalos como merecem.

 

Se você e os ativistas não concordam mudam a lei. Foi o conselho do biólogo Pirulla. Pelo que já notei nas argumentações não viu e nem vão ver os vídeos. Uma pena. É melhor ficar na ignorância do próprio mundinho com a opinião já formada aqui. Vence quem tem mais ego como em outros tópicos. Só que não dou mínima para briga de egos.

 

Repito não vejo animais na mesma condição de direitos que seres humanos. Isto para mim é muito mais do que evidente eu vivo com seres humanos. Não é mesma coisa do que eu ter um PET. Não tenho e nunca tive os mesmos sentimentos e afinidades para com os animais da mesma forma como seres humanos. Por isto não sinto toda essa comoção irritante e sem sentido para mim.

 

Sinceramente é uma causa fútil de madames ricas, consumistas e outros riquinhos inúteis que preferem gastar fortunas com animais em pet shop do que adotar uma criança ou ajudar seu semelhante. Muitos deles ali pouco ou nada se importam com a nossa espécie, por isto não me importo com eles e a causa babaca dos caras. Uma troca de indiferença justa a meu ver.

 

Até porque entendo o mundinho dessa gente nojenta. Afinal é mais fácil gostar de um cachorro do que lhe dar com gênio difícil da nossa espécie. Animal não reclama da sua comida, não pede as coisas, não tem opinião e por ai vai.  

 

Esse radicais defensores BURROS dos animais nesses casos, são muito piores que fundamentalistas religiosos. Travam o desenvolvimento e melhorias da saúde por anos com suas frescuras e ignorância do assunto.  Muitos deles não entendem porra nenhuma de biologia, os estudos da área e querem meter o bedelho em metodologias da pesquisa usadas pelo MUNDO TODO. Eu fico PUTO com isto. Para mim beira o “Incêndio na Biblioteca de Alexandria” por um bando de fanáticos bestas, que trouxeram retrocesso nos avanços da humanidade.

 

Eles usavam é para medicamentos mesmo. Muitos mentiram descaradamente, fizeram até fotos descaradamente falsas com maus tratos.  Se tivessem visto vídeo saberiam que beagles e mamíferos maiores como primatas são animais finais para testes em medicamentos. Depois que os estudos forem feitos e testados em outros modelos animais que vão aplicar em seres humanos. Ou querem correr o risco com pessoas? Esse é um modelo de medicamentos e não de cosméticos. Olha que uma ação não pensada leva:

 

Com isso agora vai ter que começar do zero. Perda de informações da linha da pesquisa. Já que foram destruídos documentos e roubado até coisas além dos cães como computadores.

 

Tempo perdido e prolongado talvez anos na pesquisa.

 

Usar mais cobaias.

 

Perda de dinheiro público já que é uma empresa público privada.

 

Claro que nesse tempo outros institutos talvez estrangeiros e só particulares ganhem vantagens por causa desses babacas.

 

Isto sem contar os riscos de contaminação. Não se sabia ao certo o que os animais testados tinham.

 

Por fim leiam as notícias atuais do tema e jungem melhor o fato:

 

Vistoria não encontra irregularidades no instituto Royal, diz Prefeitura de São Roque (SP)

 

Link.: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/10/24/vistoria-nao-encontra-irregularidades-no-instituto-royal-diz-prefeitura-de-sao-roque-sp.htm

Link to comment
Share on other sites

Plutão, só uma coisa:

Seu argumento é muito bacana, cara. Mas aqui, tira este negócio de Darwin, sobrevivência da espécie humana e tal... Além de ser uma discussão cômica, isso não contribui em nada para o seu argumento. Sério. Nem vou responder sobre este negócio de natureza ser cruel que é uma discussão ridícula. Desculpe-me, mas é...

Só digo uma coisa, sua solidariedade para com os homens não é instinto, mas cultura. Logo, não é um valor absoluto que existe na natureza em si. Mas enfim...

 

Além do mais, eu estou falando sobre o assunto "Teste em cobaias animais" (que aliás, é o título do tópico). Não estou discutindo se o instituto Royall é uma empresa criminosa ou se os criminosos são os vândalos. Não estou falando de loirinha que usa cosméticos. Do dinheiro público que foi para o ralo...

Estou falando do assunto genérico. Da temática...

 

E confirmo o que eu disse no início. Os manifestantes são burros? Podem até ser. Mas foram eles que inseriram o assunto na agenda política.

E não acho que seja um assunto fechado, sem mais discussões. No mundo inteiro não é. Então não tem o porque no Brasil seria?

 

Então eu te pergunto: Você acha que é um assunto que não precisa ser discutido? Que não é preciso debater o uso de outros meios quando é possível?

Link to comment
Share on other sites

Só para render a discussão...

 

Se existirem outros métodos, mas que sejam mais caros (porém não extremamente custosos!!), eles deveriam ser impostos por uma regulamentação?

Obviamente, as empresas querem o menor gasto e o maior lucro, portanto esta decisão não viria deles. Caberia ao governo impor uma lei do gênero.

Então a questão colocada é: deveríamos apoiar esta regulamentação mais estrita?

 

Sim. E quem infringisse ser punido severamente.

Link to comment
Share on other sites

Para mim a ética do tema cabe e muito aqui. Agora se não quer discutir isto me ignore Conan.

 

Muito dos defensores equiparam a ética humana e animal em suas alegações fantasiosas e absurdas de equipar seres humanos a animais. Não são e nunca serão iguais a seres humanos nos sentimentos. Por isto dei e expus fatos do mundo natural. Naturalmente animais devoram uns aos outros até seus filhos, animais normalmente não se preocupam com outras espécies, estupro é rotina no acasalamento e por ai vai. Os seres humanos apesar de toda brutalidade histórica e violência não cabem à mesma comparação ética. O próprio conceito de ética para a defesa dos animais é ética humana e não animal e não existente no mundo natural. Na “ética animal” ou na natureza não existe remorso, questionamentos se vou devorar o outro animal ou usar e explorar o outro animal como formigas fazem com pulgões por exemplo.

 

 

Por que exponho isto e trago isto para discussão? Porque está inserido no tema. A razão maior de serem contra os testes em animais é razão de que sofrem e são explorados etc. ISTO é o que? Questionamentos éticos.

 

Assim eles não sofrem como nós, eles não se comovem como nós. Por que fisicamente não é o único ponto de comparação, existem sentimentos agregados para além de fisiologia. O Pirulla no vídeo deu ótimos exemplos do que estou discutindo aqui. Por isto bato na tecla veja o vídeo também. O teste em animai é uma coisa, o teste hipotético em seres humanos é outra completamente diferente. Aqui não cabe somente o sofrimento, físico e psicológico da pessoa. A comoção de seus entes queridos e amigos nesse suposto absurdo são muito maiores e sentidos de fato. Um ratinho nem se quer lembra-se dos seus semelhantes após o tempo de desmamo. Inclusive é super comuns o sexo entre parentes o que no nossa realidade é uma abominação. Já no mundo natural dos ratinhos, cães, coelhos e não existe nenhuma comoção a respeito.  Aproveitando a linha de raciocínio vou postar um texto que achei interessante sobre isso:

 

O fundamentalismo de defensores radicais dos animais é perigoso para a sociedade?

Postado em 25 out 2013
 
animais_libertos-600x400.jpg

 

A invasão do Instituto Royal, laboratório que realiza diversos experimentos de medicamentos, inclusive para a cura do câncer, gerou um forte debate sobre os limites dos experimentos com animais domésticos.

 

Os defensores dos animais insistem na completa proibição dos experimentos com certos animais, sob a genérica alegação de que é possível abdicar dos testes com eles.

 

O que me impressiona nessa questão é o caráter fundamentalistas desse movimento, que se baseia muito mais em slogans (“prefiro bicho a gente”, “os animais não são nossos serviçais”) do que em argumentos. A rigor o que existe é a tentativa de impor um sentimento minoritário e bastante singular em relação a certos animais.

 

Enquanto essa visão se limitava a um comportamento individual, ou seja, enquanto a pessoa se limitava a chamar o cãozinho de “filho”, a colocá-lo para dormir na cama, isso não tinha qualquer importância. O problema é que esses movimentos pretendem subordinar toda a sociedade a essa visão singularíssima dos animais, seja impondo violentamente essa posição, como na invasão ao instituto, seja patrocinando mudanças na legislação.

 

Essa tendência já havia ficado evidente quando foi apresentado o anteprojeto do Código Penal, que foi chamado, não por acaso, por Miguel Reale Jr. de “passeio pelo absurdo”. Dentre as aberrações relacionadas aos animais, chama a atenção a evidente desproporção de certos crimes, que eram equiparados aos crimes contra as pessoas.

 

O abandono de animais no anteprojeto tinha a mesma pena do abandono de incapazes. Para essa visão fundamentalista, abandonar uma criança na rua ou um beagle tem a mesma gravidade. Ainda mais bizarra foi a criação de um crime de omissão de socorro a animais, com pena maior que a omissão de socorro à pessoa. No anteprojeto, quem omite socorro à pessoa teria uma pena de um a seis meses, mas se for omissão de socorro a um animal, a pena seria de um a quatro anos.

 

Além de penas desproporcionais, é gritante o absurdo de impor a todos o dever de socorrer um animal que esteja em perigo. Não existe o menor respeito à diferença, já que nem todos são obrigados a gostar de animais, até porque há quem sinta medo de um cão.

 

O que precisa ser dito é que a diferença entre humanos e animais é evidente. O que diferencia cada um dos animais é a carga sentimental que a cultura humana destina a cada um deles. Por isso, aqui consideramos o cão nosso “melhor amigo”, enquanto que, em algumas regiões da Coreia ou China, eles são alimentos. Do mesmo modo, nos parece chocante comer carne de cavalo, que é algo normal em alguns países europeus.

 

A rigor, não faz sentido em falar em direitos dos animais, exceto por pura retórica. O que se protege, com as leis de proteção dos animais, é a sensibilidade humana, atingida quando certos bichos são maltratados. Como seria possível falar em direito de um porco, que é castrado, engordado e morto, tudo para que possamos fazer aquela bistequinha na chapa? Claro que o porco não possui direitos. Isso não significa que a sociedade não imponha regras para o tratamento dos animais, seja disciplinando métodos de abate, seja criando regras sobre pesquisas.

 

No entanto, é mais do que óbvio que a sensibilidade humana é seletiva, porque é cultural, evidenciando que não se trata de direitos dos animais. Por isso os ativistas levaram beagles e coelhos e deixaram camundongos, e pelos mesmos motivos muitos ativistas choram pelos testes com os cães, mas comem uma picanha.

 

Inventar crimes como omissão de socorro a animais ou proibir pesquisas com animais seria tão bizarro quanto impor que todos sejamos vegetarianos. No fundo é uma tentativa autoritária, típica de movimentos fundamentalistas, de impor a visão moral singular de uma minoria a toda sociedade.

 

Sobre o Autor

José Nabuco Filho é mestre em Direito Penal pela Unimep, professor de Direito Penal da Universidade São Judas Tadeu e quarto-zagueiro clássico. Seu email: [email protected]

 

 

Link.: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-fundamentalismo-de-defensores-radicais-dos-animais-e-danoso-para-a-sociedade/

Link to comment
Share on other sites

Sim. E quem infringisse ser punido severamente.

 

E serão mesmo. A nossa legislação proíbe qualquer medicamento, linha de cosméticos, produtos de limpeza que não tenha sido testado em animais primeiro. Então antes de aplicar outros métodos como na "indústria da beleza", que sou até favorável deve primeiro mudar a lei.  Vale lembrar que o teste de animais em cultura de células, simulação de computador entre outras técnicas é mais barato e eficiente que ter um biotério. Mas eles usam aqui, pois estão obedecendo a lei do país.

 

E nem sempre os cosméticos são vaidade e sim alguns tem importância, para a nossa saúde e incluem protetores solares. Eu acho que isto é importante ou querem receber UV na pele ao sair para o sol? Eu não estou dizendo sair para praia e sim sair ao sol. Têm pessoas que precisam trabalhar ao ar livre as vezes até no sol do meio dia como carteiros, policiais, vendedores de porta em porta, pesquisadores de campo etc. Quantas pessoas importam cosméticos ou os protetores solares para evitar de serem testados em animais? Vamos deixar de ser hipócritas.

 

Eu acho que a já famosidade ou semi famosa Luisa Mell dos vídeos que postei não o fez:

 

thumb-600x363.jpg

 

Site da figura super entusiasta do PETA. http://luisamell.com.br/saiba-a-verdade-sobre-o-instituto-royal-sobre-os-testes-em-animais-e-o-que-vc-pode-fazer-para-nos-ajudar-a-acabar-com-esta-tortura

 

 

Mas:

 

ONG Peta vira alvo de críticas de defensores de direitos dos animais

Por The New York Times |

 

20/07/2013 08:00

 

Eutanásia em abrigos vai na contramão de práticas atuais, dizem críticos da organização

 

cdozxm4zo42bgzav2s8aqg2rx.jpg

 

Getty Images

 

Apresentador da TV americana Dr. Drew Pinsky apoia campanha de castração de animais de rua do Peta em 2012, mas ONG mata animais de seu abrigo

O Peta, considerado por muitos o mais importante grupo defensor de direitos dos animais dos Estados Unidos, mata em média dois mil cachorros e gatos de seu abrigo a cada ano. E o abrigo consegue fazer poucas adoções: 19 animais em 2012, 24 em 2011.

 

Salvos: Ativistas libertam beagles de criadouro na Itália

 

Numa época em que os outros grandes grupos adotaram um modelo sem mortes em seus abrigos, o People for the Ethical Treatment of Animals (em português, Pessoas para o Tratamento Ético dos Animais) continua com a prática, mesmo defendendo que animais não devem ser mortos para se transformarem em comida, casacos de pele ou bolsas de couro.

 

Lista negra:

Peta diz que Janet Jackson é a pessoa menos amigável com animais

“Honestamente, eu não entendo. O Peta faz muito para o bem dos animais, mas nunca poderia apoiá-los nisso”, diz Joan Schaffner, advogada de direito dos animais e professora na universidade George Washington.

 

Até a década passada, era comum os abrigos fazerem a eutanásia para diminuir o número de gatos e cães que não eram adotados. Mas o movimento dos “sem morte” cresceu rapidamente, deixando o Peta para trás. Na cidade de Nova York, foram mortos 8 mil cães e gatos no ano passado, número bem menor que os quase 32 mil de 2003.

 

Funcionários do Peta, cujo único abrigo fica em Norfolk, estado da Virgínia, dizem que os animais que eles resgatam estão em condições tão ruins devido aos maus tratos que é melhor matá-los. “É uma visão idealizada de quem nunca trabalhou em um abrigo achar que cada animal pode ser salvo”, diz Daphna Nachminovitch, vice-presidente do Peta para investigação de crueldade. “Eles não veem as terríveis dores físicas e emocionais que esses pobres cachorros e gatos podem sofrer.”

 

Leia também:

Peta vai lançar site pornô em defesa dos animais

ONG oferece recompensa por captura de "assassinos de elefantes"

Modelo 'peluda' em cartaz de campanha contra uso de peles causa polêmica

Peta pede que encantadores de serpentes usem répteis falsos

 

Em 30 anos, o Peta fez várias campanhas publicitárias contra corporações que em sua visão maltratam animais, como McDonald’s (frangos) e General Motors (testes de impacto em porcos). A campanha anual “Prefiro ir nu que usar casaco de pele”, com modelos pelados, é uma peça lendária de relações públicas.

 

Mas agora quem protestava está sendo alvo de protestos, e o Peta se tornou a entidade mais criticada entre que apoiam os abrigos sem morte.

Não dá dados nacionais sobre o número de animais adotados e mortos nos abrigos americanos – apenas alguns estados mantêm registros, assim como algumas organizações privadas. Das informações existentes, a tendência é clara: as adoções estão em alta, as eutanásias estão caindo.

 

O blog Out the Front Door, que busca registros de abrigos sem morte, lista 161 locais que atualmente conseguem salvar 90% ou mais dos animais; em 2001, só havia um abrigo assim. Uma conferência sobre abrigos sem mortes atraiu 860 pessoas no ano passado; no primeiro encontro, em 2005, apenas uma dúzia participaram.

 

Mais do que qualquer outro grupo, o Maddie’s Fund, uma fundação na área de São Francisco, tem sido o responsável por espalhar o movimento de abrigos sem mortes. Iniciada em 1999 por bilionários da internet, a entidade tem subscrito vários programas nacionais que promovem o movimento. Ela financia programas de tratamento de saúde em 18 das 29 maiores faculdades de veterinária dos EUA. A ideia é que animais saudáveis são mais baratos de manter e mais fáceis de serem adotados.

 

Em uma das iniciativas, o Maddie’s Fund paga a abrigos US$ 500 (cerca de R$ 1.130) por cada gato e cachorro com menos de 7 anos que é adotado, US$ 1 mil (R$ 2.260) por animal com mais de 7 anos, e US$ 2 mil (R$ 4.520) se o bicho tiver mais de 7 e algum problema de saúde. “Isso ensina aos abrigos que os velhos e feios não são descartáveis”, diz Richard Avanzino, diretor da fundação. “Estamos mudando a cultura ao mostrar que não matar pode funcionar.”

 

Avanzino classifica a politica do Peta de matar quase todos os animais de seu abrigo como “ultrapassada” e “absolutamente idiota”.

 

Link.: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/2013-07-20/ong-peta-vira-alvo-de-criticas-de-defensores-de-direitos-dos-animais.html

Link to comment
Share on other sites

O problema não é usar animais para fazer futuros remédios para quem contraiu câncer e tal, queremos cura, o problema é em criar um remédio e não curar e que seja só para controlar ou apenas tratamento porque para as industriais de remedios é melhor, ai eles são piores que animais, são desumanos, ou seja, digamos, muita gente que tem pressão alta, precisa tomar um remedio diariamente durante a vida toda, ao inves de fazer um possível remédio para se tomar a cada mês ou meses, eles nem ligam em fazer remedios para 1 mês pq para eles não é lucro, pra eles é genial que comprem seus remedios num determinado tempo e sempre, não como um remedio da gripe q vc compra e já está curado e não precisa comprar mais, isso pq gripe é uma doença contagiosa q passa para um e pra outro onde pode gerar uma pandemia, só por isso, e é por isso que ouvimos por ai que Cuba e Argentina fizeram um remedio mais eficaz contra o cancer de pulmão recentemente, não é ironico?, porque os outros estão criando remedio para lucrar e lucrar mais e os consumidores tomarem durante muito tempo diariamente, é nisso que essas empresas se concentram, lucro, querem vc consumidor tomar o remedio diariamente com no minimo duas doses para que acabe mais rapido, por tais razões de lucro e que quanto mais o ser está com uma doença mais séria, mais caro o remedio é, que beira as centenas de reais e eu odeio a porra dos FDP que pensam em dinheiro do que o bem estar do ser humano...

 

Quando certas pessoas chegam a uma certa idade, precisam de remédios, dependem dele diariamente, na verdade essa palavra "dependem" não deveria existir com tanta frequencia, a empresa criou tal remedio para que se torne dependencia, para que a pessoa o compre sempre, e quando você está em tal situação doente de dependencia e de gastar dinheiro com remedios caros e que vc se dá conta o quanto mediocre é esse movimento contra os Beagles quando um parente seu pode morrer ou você mesmo está com os dias contados, porque uma loira burra do caralho que acha q um cachorrinho é bonitinhu num mundo em que a cada 3 meses se abate só no Brasil 1,36 bilhões de aves, imagino no mundo todo sem contar os bovinos e tal..., interrompeu os estudos de uma clinica contra o cancer e atrassou tudo, onde a cura contra o cancer no futuro poderia ter demorado menos, então vc que adora fazer isso, e que antes de mais nada, também acho caes e gatos uma fofura, primeiro vire um vegetariano e tambem defenda a matança de outros animais no mundo para ter moral, comece indo para a China que comer cães é bem tradicional por lá..., e que se dane quem achar que estou ou não certo.

 

Filme sobre algo relacionado e recente: O Sistema - The East 2013

Link to comment
Share on other sites

É muito triste que seja preciso leis p/ que humanos não matem cães em favor da vaidade ( e pior que elas nem existem ainda e duvido venha a vingar tão cedo).

Em prol da saúde é uma "descupa"  quaaaase aceitável, mas matar cães p/ se fazer bolsas, p/ comer etc?  Pelo amor, hein?

 

Mas mais triste ainda é saber que entidades voltadas a protegê-los pratiquem eutanásia p/ diminuir o número deles...aff!

 

Se há essa manifestação tão forte assim, que briguem/criem mais ONGs p/ mais abrigos, qquer coisa que minimizem esse holocausto canino, pô !

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Adorei o vídeo do Yuri detonando a entrevista da Luisa Mell. Eu acho que ela procura destaque dos holofotes. Ela deveria ser atriz pornô da PETA na defesa dos animais, já que ONG que ela defende está lançando um site pornô para arrecadar fundos. Aposto o que ela vai posar para alguma revista masculina, para ganhar esse destaque de defensora ou madrinha dos animais fofinhos.

 

Sinceramente eu espero por isso. E sim tarado como sou, eu vou ver a nudez da gostosa burra e até o site pornô da PETA. Lógico! Apesar de não defender, eu e outros milhares de tarados de plantão não perdemos oportunidades como essa. :rolleyes:

 

A notícia do site pornô do PETA:

 

http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/ong-peta-vai-lancar-site-porno-em-defesa-dos-animais/n1597217627654.html

 

O legal que com isso a PETA e seus amigos trocam “especismo” e a marcha contra a exploração de animais, porém por outro lado apoiam seres humanos explorados sexualmente. "Viva o sexismo" (sarcasmo)! Mas isto é outra história. :)

 

http://www.youtube.com/watch?v=c9ipjIrsfSQ

 

E o “argumento” do “especismo” aplicado a muitos ativistas desmiolados, acho que não tem a menor lógica de sustentação. A propósito foram muito bem derrubados pelo Clarion em seu canal no Youtube. O vídeo é Hilário também.

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...