Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Cemitério Das Almas Perdidas (Rodrigo Aragão)


Questão
 Share

Recommended Posts

Saíram os primeiros pôsteres de O Cemitério das Almas Perdidas

 

O-Cemit%C3%A9rio-das-Almas-Perdidas-2020

Foram divulgados ontem dois pôsteres de O Cemitério das Almas Perdidas, o próximo filme de Rodrigo Aragão, um projeto que o diretor vem planejando há anos. As imagens vêm antes do lançamento do trailer do longa, que será exibido na CCXP 2019 no próximo sábado, 7 de dezembro, em um painel em que acontece a gravação ao vivo do podcast Transmissão Fantasma.

Sem Aragão, que está representando o filme no Blood Window, na Argentina, o painel contará com a presença de Joel Caetano, que atuou como assistente de direção e coordenador de efeitos visuais em O Cemitério das Almas Malditas. O evento contará ainda com a participação de Takashi Shimizu, diretor de O Grito.

Corrompido pelo poder do livro negro de Cipriano, um jesuíta e seus seguidores iniciam um reinado de terror no Brasil colonial, até serem amaldiçoados a viverem eternamente presos sob os túmulos de um cemitério.

O-Cemit%C3%A9rio-das-Almas-Perdidas-2020
FONTE: BOCA DO INFERNO
Link to comment
Share on other sites

  • 7 months later...

Cinefantasy será online e abrirá com a estreia de O Cemitério das Almas Perdidas

O-Cemit%C3%A9rio-das-Almas-Perdidas-2020

A 10ª edição do Cinefantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico será online! Em parceria com a plataforma Belas Artes À La Carte, o festival acontecerá entre os dias 07 e 20 de setembro, e contará com 37 sessões com 140 filmes de 29 países.

A abertura do Cinefantasy será a première mundial de O Cemitério das Almas Perdidas, o aguardado novo filme de Rodrigo Aragão, realizado com apoio do governo do Espírito Santo através do Funcultura. Os curtas-metragens presentes na programação já foram anunciados, e a programação completa do festival será revelada em agosto.

Como sempre, a mostra competitiva do Cinefantasy contará com diversas categorias, com duas novidades: Pequenos Fantásticos, com curtas para crianças a partir dos três anos, e FantasTeen, dedicado ao público adolescente. O festival ainda vai homenagear a atriz Gilda Nomacce, que esteve em filmes como As Boas Maneiras, Trabalhar Cansa e Quando Eu Era Vivo.

Para mais informações sobre o 10º Cinefantasy, acesse o site oficial do festival e sua página no Facebook.

O-Cemit%C3%A9rio-das-Almas-Perdidas-2020
O-Cemit%C3%A9rio-das-Almas-Perdidas-2020
 
 
FONTE: BOCA DO INFERNO
Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...
  • 1 month later...

CCBB promoverá mostra on-line de horror brasileiro contemporâneo

Evento acontece a partir do dia 28 de outubro e contará com mais de 40 filmes, debates, palestras, cursos e homenagens a Zé do Caixão

23/10/2020 14:13,ATUALIZADO 23/10/2020 22:32

 

jose-mojica-marins-ze-do-caixao-600x400.REPRODUÇÃO/YOUTUBE

Em comemoração ao Halloween, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) promoverá, a partir do dia 28 de outubro, a mostra macaBRo – Horror Brasileiro Contemporâneo, que contará com exibições de filmes, debates, palestras e homenagens a referências do gênero no país, como Zé do Caixão.

Ao todo, serão exibidas 44 produções entre longas e curtas-metragens na plataforma Darkflix. Os longas ficarão disponíveis 24 horas, com limite de visualizações, e durante uma semana, para os curtas.

Entre os destaques estão: Morto Não Fala, de Dennison Ramalho, exibido em mais de 40 festivais no mundo e protagonizado por Daniel de Oliveira, O Animal Cordial, de Gabriela Amaral Almeida, Sem Seu Sangue, de Alice Furtado, que estreou no Festival de Cannes, e o aguardado O Cemitério das Almas Perdidas, de Rodrigo Aragão.

 

FONTE: METROPOLES

 

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

João Mac Dowell lança trilha sonora do filme 'O cemitério das almas perdidas'

Compositor brasiliense João Mac Dowell lançou dois singles; o álbum completo está previsto para 21 de dezembro

Irlam Rocha Lima
postado em 24/11/2020 07:07
 

João Mac Dowell: ''Os temas são um mix de canto gregoriano demoníaco com percussões indígenas, tambores africanos, metais e orquestração contemporânea'' -  (crédito:  Divulgação/Arquivo Pessoal)

João Mac Dowell: ''Os temas são um mix de canto gregoriano demoníaco com percussões indígenas, tambores africanos, metais e orquestração contemporânea'' - (crédito: Divulgação/Arquivo Pessoal)

Músico e compositor brasiliense, que integrou a banda Tonton Macoute, João Mac Dowell, radicado há mais de 15 anos em Nova York, chega às plataformas digitais com um novo trabalho: é o The Cemitery of host souls, trilha sonora do filme do gênero terror O cemitério das almas perdidas, do diretor Rodrigo Aragão.

Em 31 e outubro, foi lançado Nefastus, o primeiro single (coincidindo com o Halloween) e no dia 7 de novembro, o segundo, The Circus. O lançamento do álbum completo está marcado para 21 de dezembro, com 27 temas, todos compostos por Mac Dowell, responsável também pela produção musical e mixagem de som. Entre as faixas estão: All the children, Ayre, Blood, Dream on, Firewell, Subshine, The devil e The hero.

Sobre este novo trabalho, Mac Dowell ressalta: "O cemitério das almas perdidas é um filme de horror primoroso. Fiquei feliz quando fui convidado para compor a trilha sonora. Lancei os primeiros singles e, agora, estou preparando para lançar o álbum. Os temas, criados para o longa metragem são um mix de canto gregoriano demoníaco, com percussões indígenas, tambores africanos, metais e orquestração contemporânea".

 

Na Tonton Macoute, que surgiu em 1986, João MacDowell tinha a companhia da Cláudia Otero. O grupo não teve vida longa, mas deixou como legado músicas que fundiam sons acústicos e experimentais, sugerindo múltiplas possibilidades, gravadas em fita cassete, com o acréscimo de instrumentos convencionais. O único disco do duo foi lançado no primeiro semestre deste ano, pelo IRaridade, projeto de preservação e resgate da música de Brasília, idealizado e materializado pela GRV Media, Música e Entretenimento.

 

FONTE: CORREIO BRAZILIENSE

Link to comment
Share on other sites

  • 6 months later...

 Visto O CEMITÉRIO DAS ALMAS PERDIDAS

 

 O Cemitério das Almas Perdidas - Século Diário

 

  Na trama, um grupo de artistas circenses chega a uma isolada vila, mas logo após o seu primeiro show, eles são capturados pelos aldeões, e presos em um cemitério abandonado. O que os artistas não sabem é que eles estão sendo oferecidos para um grupo de vampiros comandados pelo cruel Cipriano (Renato Chocair), um jesuita espanhol que foi corrompido por um livro de magia, aterrorizando o Brasil juntamente com seus seguidores até ser amaldiçoado a permanecer aprisionado ao cemitério.

  Tenho acompanhado a carreira de Rodrigo Aragão por alguns anos, desde que ele fez a sua estreia com o clássico Trash MANGUE NEGRO, um filme de zumbis feito no formato de guerrilha, onde o diretor acumulava diversas funções na equipe técnica com quase zero recursos. Após a excelente estreia, Aragão foi amadurecendo de filme para filme, ao mesmo tempo em que ia conseguindo mais recursos para a sua produção. O que nos leva a O CEMITÉRIO DAS ALMAS PERDIDAS, sexto longa do diretor, onde se percebe um novo nível de maturidade na forma como ele conduz a sua narrativa, e coloca as suas marcas pessoais.

 O roteiro de Aragão se divide entre duas linhas principais, uma situada no presente, onde acompanhamos a trupe circense ser sequestrada, e oferecida como sacrifício para os vampiros que habitam o cemitério do título, e outra situada no Brasil colonial, que mostra a chegada do culto de Sipriano ao nosso país, e narra como os ex jesuítas transformaram-se em vampiros e foram aprisionados no cemitério.  Mas diferente de todos os filmes anteriores do diretor, O CEMITÉRIO DAS ALMAS PERDIDAS praticamente não possui alívios cômicos. Ao utilizar o culto vampírico satânico como clara metáfora para o extermínio indígena, Aragão entrega uma obra mais comedida, que ainda que não poupe no Gore, apresenta uma violência muito menos farcesca do que a vista em seus outros filmes.

 Os trechos situados no Brasil colónia é onde estão as partes mais interessantes do filme, seja pela forma como conduz a descida a loucura e depravação de Sipriano e seus seguidores, ou como constrói a tragédia da índia Aiyra (Allana Lopes), que é capturada pelo culto a certa altura da projeção, e conta somente com a ajuda de Joaquim (Caio Macedo), único dos jesuitas que permaneceu temente a deus, para escapar. Os trechos no presente, entretanto, acabam sendo negligenciados por tempo demais, e quando o filme enfim dá atenção a eles, precisa fazer de forma corrida, de modo que a construção do jovem Jorge (Diego Garcias) como protagonista soa um pouco forçada, assim como a ligação cósmica que ele teria com Aiyra. Um pouco mais de tempo dedicado a construção do rapaz como protagonista teria tornado o terço final do longa bem melhor e mais natural. Ainda assim, O CEMITÉRIO DAS ALMAS PERDIDAS marca um novo passo na carreira de Rodrigo Aragão, que tenta entregar aqui uma obra um pouco mais madura e com ambições narrativas maiores. Continuarei acompanhando a carreira desse diretor com bastante interesse.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...