Jump to content
Forum Cinema em Cena

Questão

Members
  • Posts

    18336
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    105

Questão last won the day on October 17

Questão had the most liked content!

About Questão

  • Birthday 06/15/1990

Profile Information

  • Gender
    Male

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

Questão's Achievements

  1. Visto TEM ALGUÉM NA SUA CASA Na trama, a pequena cidade de Osborne vem sendo assombrada por um serial killer que está perseguindo os adolescentes locais, não só matando as vítimas usando mascaras que replicam os seus rostos, mas jogando os segredos mais sombrios delas na internet. Diante dessa onda de crimes, a jovem Makani (Sydney Park) passa a temer por sua vida, já que ela mesma tem um segredo sombrio que esconde mesmo de seus amigos mais próximos. Dirigido por Patrick Brice (da franquia "Creep") a partir de um roteiro de Henry Gayden (de Shazam) que por sua vez adapta o romance de Stephanie Perkins, TEM ALGUÉM NA SUA CASA é um Slasher bastante convencional produzido pela Netflix, que conta uma história básica sem grandes inventividades estéticas ou narrativas, e nem exagerar muito no Gore. Mas o problema não é esse. O problema é que o filme de Brice não consegue nos entregar personagens cativantes, ou mesmo nos fazer crêr na amizade existente entre o grupo protagonista (nesse sentido, os filmes da trilogia "Rua Do Medo" lançada esse ano fizeram um trabalho bem melhor). O lance do assassino expor as vítimas era interessante até, mas o roteiro nunca faz nada com isso. Fica a impressão que TEM ALGUÉM NA SUA CASA nunca se decide se quer ser um filme mais dramático ou mais cômico, e por ficar no meio do caminho, acaba não sendo muita coisa. Dá pra assistir, mas sairam slashers bem melhores só esse ano.
  2. A premissa é simples, mas legal. Seria bom ver o Bay promissor dos primeiros filmes de volta, mas sem muita esperança. Versão legendada https://www.youtube.com/watch?v=qf-YMNXo1oA
  3. Em menos de um mês, a sequência ‘007: Sem Tempo Para Morrer‘, que marca a despedida do astro Daniel Craig como James Bond, ultrapassou impressionantes US$ 500 milhões nas bilheterias mundiais. O longa se tornou a segunda MAIOR bilheteria do ano, para uma produção hollywoodiana, ficando atrás apenas de ”Velozes e Furiosos 9‘ (US$ 716.5M). Nos EUA, o longa arrecadou US$ 120 milhões. No mercado internacional, foram US$ 405.6 milhões. Ao total, a produção já arrecadou impressionantes US$ 525.6 milhões mundialmente. Vale lembrar que ‘Sem Tempo Para Morrer‘ estreou nos EUA com US$ 56 milhões – tornando-se a quarta maior estreia de todos os filmes do James Bond no país, atrás apenas de ‘007 – Operação Skyfall‘ ($88.3M), ‘007 Contra Spectre‘ ($70.4M) e ‘007 – Quantum of Solace‘ ($67.5M). FONTE: CINEPOP
  4. Sonic 2 | Idris Elba diz que voz de Knuckles não será sexy no novo filme Ator afirmou que "não estava mirando" na sensualidade, quando deu vida ao personagem EDUARDO PEREIRA 25.10.2021 23h05 Quando Idris Elba foi anunciado como o ator responsável por dar voz a Knuckles em Sonic 2, muitos fãs do ator celebraram mais uma oportunidade de ouvir sua bela voz. Só que, segundo revelou o próprio Elba em entrevista concedida ao ScreenRant, é bom que essa turma não espere nada muito sensual da performance. “Honestamente, não posso dizer", afirmou o ator sobre maiores detalhes acerca do personagem. "Contratualmente, não posso dizer qualquer coisa que seja. Mas eu não diria que ele é sexy. Eu não estava mirando nisso, isso é certo", concluiu. FONTE: OMELETE
  5. Visto AS PASSAGEIRAS Dirigido por Adam Randall (que tem no currículo o interessante A ESPREITA DO MAL) a partir de um roteiro escrito pelo estreante Brent Dillon, AS PASSAGEIRAS tenta se apresentar como um thriller de ação vampírico horrorífico, misturando referências de clássicos como GAROTOS PERDIDOS e QUANDO CHEGA A ESCURIDÃO, ao mesmo tempo em que coloca a visão de um rapaz simples sobre o submundo da mafia (metaforizados aqui na figura dos sanguesugas). A trama acompanha um jovem motorista que é contratado para levar duas garotas pela noite de Los Angeles sem inicialmente saber que elas são vampiras em uma missão de extermínio da concorrência de outros chefões vampiros e humanos. A historia até lembra conceitualmente o subestimado COLATERAL de Michael Mann em sua premissa, mas fica só por ai mesmo. O filme parece tentar se propor como algo jovem e cool, mas é dirigido e escrito de forma tão burocrática que nunca atinge essas pretensões. Destaca-se apenas a atuação de Lucy Fry como a mais maluca e cruel da dupla de vampiras, mas no geral, é um filme bem esquecível e sem carisma.
  6. Pior que como tem um filme dentro do universo da franquia que reconta os eventos do primeiro filme, dizer que está ligado ao assassino do primeiro filme faz sentido. kkkkk Eu concordo que comercialmente PÂNICO 5 não é nem um pouco chamativo, mas podia pelo menos ter rolado um subtítulo.
  7. Tá estranho isso. Cade as camisas de banDa e os baseados tão comuns nos filmes do Zombie?
  8. Eu gostei do filme, mas não achei a coca toda que falaram. Dos roteiros de terror do Peele (incluindo CORRA e NÓS) achei o mais fraco. Em tempo, acho que o filme teria ganhado muito mais em se assumir de vez como Reboot ao invés de tentar se colocar como sequência do original. Por que a questão é que o filme ressignifica a maldição do Candyman não só como uma maldição originada do racismo, mas como uma espécie de reparação ou reajuste social. Mas não faz muito sentido com o que veio antes. Afinal, se o objetivo é esse, por que o Candyman original no primeiro filme tentou matar um bebê negro (que protagoniza esse novo filme, alias)? Por que a Helen do filme original virou um Candyman (Candywoman?) se ela não só não era negra, mas como a acusação injusta que sofreu não foi sistêmica, mas sim fruto dos esquemas do próprio Candyman? E mesmo quando você deixa de ver o Candyman como um personagem (ou personagens) isolados, e passa a vê-lo apenas como uma figura metafórica do racismo (não do racista, como bem apontou um crítico), essa recolocação temática do vilão como uma figura de reparação e equilíbrio social é problemática. Afinal, ele matou a irmã do cara que queria transformar o protagonista no novo Candyman. Ok, podemos dizer que ela era uma garota sem consciência social da exploração que os negros sofrem, e ao invocar o Candyman não acreditanto nele, negava o racismo. Mas esse claramente não era o caso do protagonista, que é sim uma vítima inocente da maldição, e que embora não acreditasse no Candyman, claramente era um cara consciente do racismo sistêmico da sociedade em que estava inserido. Mas o filme defende que lendas se transformam, e isso poderia ser uma boa justificativa para essa recolocação do monstro, especialmente na cena final. Mas não só o discurso do protagonista agora transformado em ser mítico não bate com essa recolocação "você não é inocente, mas vão dizer que você era, e pra mim, é isso que importa", quanto a própria aparição do Candyman original (que se importava mais em existir do que em saber se sua vítima era branca ou negra, inocente ou racista) também acaba jogando contra o discurso. Enfim, gostei do filme, mas acho que as conexões com o filme original mais atrapalham do que ajudam.
  9. Questão

    Marighella

    Marighella: sem ter sido lançado, filme é alvo de campanha difamatória Com lançamento no Brasil marcado para 4 de novembro, "Marighella" acumula avaliações negativas no IMDb, resultando em uma nota de 3,6/10. A situação não é novidade: em 2019, o filme foi alvo dos mesmos ataques, e a plataforma chegou a remover a página de avaliações 21:38 | Out. 24, 2021 Autor Mateus Brisa Tipo Notícia Seu Jorge (esquerda) interpreta o deputado Carlos Marighella no filme, enquanto Wagner Moura foi responsável pela direção do projeto(foto: Reprodução/Downtown Filmes/Paris Filmes) /reboot/includes/assets/img/icon/facebook.png/reboot/includes/assets/img/icon/twitter.png/reboot/includes/assets/img/icon/linkedin.png/reboot/includes/assets/img/icon/whatsapp.png Ofilme “Marighella” tem estreia nos cinemas brasileiros marcada para 4 de novembro. No site Internet Movie Database (IMDb), conhecido por reunir informações técnicas sobre milhares de filmes e séries do mundo, o filme dirigido por Wagner Moura tem mais de 45 mil avaliações, resultando em uma nota média de 3,6 de um total de 10. Comentários em massa não atacam necessariamente o filme, visto que ele não foi liberado para o grande público em si, mas aspectos ligados ao projeto. O mesmo já aconteceu com “Capitã Marvel” (2019), “Pantera Negra” (2018), “Star Wars: Os Últimos Jedi” (2017) e “Caça-Fantasmas” (2016), no agregador Rotten Tomatoes. A plataforma eventualmente melhorou sua segurança para comprovar a veracidade das avaliações dos usuários. E “Marighella” tem histórico duplo. Em 2019, a página do filme no IMDb teve suas avaliações desativadas; mais de 15 mil avaliações já haviam sido registradas, resultando em uma nota média de 2,8, e o filme também não havia chegado aos cinemas. Na época, as notas negativas foram feitas por robôs coordenados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. FONTE: O POVO
  10. Aranhaverso 2 | Oscar Isaac espera retornar como Homem-Aranha 2099 Por Bruno Gomes, em Filmes, Notícias, há 1 dia Oscar Isaac declarou durante entrevista ao Fandom que está torcendo pelo retorno do Homem-Aranha 2099 na sequência de ‘Homem-Aranha no Aranhaverso‘. Considerando a cena pós-créditos do filme original, é bem provável que aconteça. “Eu adoraria ter a oportunidade de continuar trabalhando com esse personagem, então vamos torcer que sim!” Especula-se que o título do novo filme será ‘Spider-Man: Across the Spider-Verse‘ (Homem-Aranha Através do Aranhaverso, em tradução livre). ‎Phil Lord e Chris Miller serão os roteiristas creditados no projeto, juntamente com David Callaham (‎‎Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis‎‎).‎ Fonte: O VÍCIO
  11. Mas foi exatamente o que eu disse. Existe o Batman, que é um personagem que por diferentes versões em diferentes mídias carregou uma série de características comuns (não possui poderes além de inteligência, habilidade fisica e alta tecnologia, jornada heróica movida por trauma, não desiste por nada), e existe o SEU Batman (ou o meu, ou o de qualquer um) que é uma visão especifica do personagem que por uma série de fatores te agrada mais, e representa o que é o Batman para você. Pra muita gente durante muito tempo, o Batman era um herói mais solar, que ia nas inaugurações de creche, que atendia um telefone vermelho na Batcaverna ao invés de responder um sinal, e tomava batleite com batbiscoitos depois de um dia de combate ao crime. Esse era o Batman também, embora não seja o meu Batman. Mas é um ponto a se levar em conta no momento em que você quer apontar o que caracteriza o personagem ou não. Especialmente se estamos falando de obras que definiram o rumo do personagem e a visão cultural dele por muito tempo. Em absoluto. Foi apenas uma informação complementar. Mas você focou no ponto errado do argumento aqui. O importante aqui é que "enfrentar balas de peito aberto" não torna um personagem igual ao Superman. O Homem De Ferro e o Hulk citados por você fazem isso, e são bem diferentes do Superman. Dependendo da versão, o Justiceiro (que é um personagem bem mais realista e humano que o próprio Batman) faz isso, e é bem diferente do Superman. Ser a prova de balas pra você faz um personagem ser igual ao Superman? Acho meio equivocado, mas ok. Até por que acho que nem o Superman pode ser definido por simplesmente ser "a prova de bala". Você cria toda essa explicação pra justificar por que o personagem não tem medo que atirem na roupa á prova de bala dele? Isso pra mim é pedir "por realismo", e não no sentido positivo. Talvez esse Batman em começo de carreira não seja só impulsivo, mas tenha inconscientemente desejos auto destrutivos (histórias recentes trouxeram essa abordagem). Ou talvez seja só uma escolha estética do diretor, que quer explorar mais o aspecto de artista marcial do personagem. Sim, Batman é humano. Isso é comum a qualquer versão do personagem. Mas dentro dessa fundação, tem um universo infinito de variáveis. Meu Batman usa um traje de pano. Meu Batman usa um uniforme de Kevlar comum. Meu Batman usa um uniforme milionário de Kevlar que nem faca penetra. Meu Batman é um lutador rápido e silencioso que só age nas sombras, e age com força cirurgíca. Meu Batman é um lutador brutal que deixa fratura exposta por onde passa. O meu Batman mata. O meu Batman vislumbra um dia parar de se vestir de morcego e deixar Gotham seguir sozinha. Meu Batman tem tendencias autodestrutivas, etc, etc etc. Váriaveis e suspensão de descrença. Talvez aqui o Batman esteja agindo no "foda-se tudo", sem preocupação nenhuma com a própria segurança, contando só que o traje vai proteger ele. Ou pelo contrário, talvez seja uma atitude consciente (mas irresponsável) onde o Batman simplesmente confiou em seu traje pra criar intimidação a longo prazo (os criminosos vão espalhar por ai que o morcego não morre com tiro, como ocorre no Batman do Burton, por exemplo). "Ah, mas e o instinto de sobrevivência dele", "as balas podiam pegar na boca e nos olhos, que são partes desprotegidas". Ai entra a suspensão de descrença. Isso não é um documentário sobre como um ser humano comum reage diante de uma metralhadora. É um filme de super herói, e o diretor achou a cena estéticamente legal. Tem que ver se ela vai fazer sentido dentro do filme, mas puramente como conceito, não é agressiva ao personagem em geral, mas talvez seja ao "seu Batman", e tudo bem com isso.
  12. ‘The Flash’: Viagem no tempo será marcada por um CONFLITO emocional, revela o diretor Por Allan Torres - 22 de outubro de 2021 Com estreia marcada para o ano que vem, ‘The Flash: Ponto de Ignição promete uma épica aventura de viagem no tempo quando o herói decide voltar ao passado na tenativa de impedir a morte da mãe. E a trama será marcada por um enorme conflito emocional, como revelou o diretor Andy Muschietti durante sua participação da DC FanDome. De acordo com o Comic Book, o cineasta disse que: “Como um filme de super-heróis, ‘The Flash’ é uma grande aventura de ação, mas o que realmente me atraiu para o projeto foi sua carga emocional. O conflito emocional que Barry carrega por conta de sua viagem ao passado foi muito conveniente para mim.” Ele continuou: “Há uma mensagem bem forte por trás disso. Eu amo tramas de viagem no tempo e todos os elementos que vem junto com essa ideia, mas o coração da história é um menino que procura sua mãe, e isso é o que me atraiu, foi o que me deu aquele empurrãozinho emocional.” FONTE: CINEPOP
  13. Questão

    Dexter

    Elenco principal da temporada reunido
  14. Batgirl terá história de origem "loucamente sombria" em filme da HBO Max Quem afirma é a própria intérprete de Barbara Gordon na produção, Leslie Grace EDUARDO PEREIRA 21.10.2021 21h08 A atriz Leslie Grace revelou mais detalhes sobre o filme da Batgirl produzido para a HBO, bem como a abordagem que a produção dará à personagem. Em entrevista concedida à revista Elle, ela afirmou que a trama apresentará uma história de origem "loucamente sombria" para a heroína. "Eu não posso dizer muito sobre o que ela fará, mas a Batgirl se tornará a própria heroína. A história de origem dela é loucamente sombria, como a de muitos outros super-heróis, mas eu gosto que ela se torna a Batgirl porque quer fazer a diferença no mundo", explicou Grace. "Ela se sente subestimada como Barbara Gordon, e eu me identifico com isso. Fou a mais jovem das minhas irmãs e às vezes ainda me sinto pequena por dentro", adicionou. Empolgada, Grace foi além ao traçar mais paralelos que a aproximam da personagem. "Quando eu realmente quero fazer algo, e pessoasl me subestimam, eu fico: 'Tá bem, eu vou fazer isso e não vou contar para ninguém", afirmou. "É aquela energia de estar bem determinado. Você não pode ter medo de ser seu próprio herói, e eu acho que as meninas precisam ver isso. Nós todos precisamos ver personagens que querem ser independentes", encerrou. FONTE: OMELETE Curioso. Não sei por que, mas não tava imaginando esse filme como sombrio não.
×
×
  • Create New...