Jump to content
Forum Cinema em Cena

Dook

Members
  • Posts

    21553
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    4

Reputation Activity

  1. Like
    Dook got a reaction from Plutão Orco in Episódio VII: O Despertar da Força   
    Ah que bobagem... Lá no facebook colocaram assim:
     
     
    Depois reclamam do Lucas... ao que consta ele não fez pesquisa de mercado para fazer os filmes I, II e III. Não há nada pior que filmes cujos defeitos são resultados de escolhas dadas pelo público. Esse tipo de obra tem um nome: novela.
  2. Like
    Dook reacted to Mr. Scofield in Religião (#4)   
    Nossa, que discussão difícil vocês se enveredaram, hein? hahah.
     
    Em geral, concordo plenamente com o Gust quando diz que a moral é relativa à cultura e que eu não mudaria minha moral se estivesse em um contexto diferente por ter vivenciado outra perspectiva, para mim ela seria absoluta mas no contexto referencial da sociedade que lá vive respeitaria o que eles acreditam. Eu tenho verdadeiro pavor de conceitos como "certo" e "errado" impostos.
     
    Mas por outro lado o Dook foi absolutamente brilhante ao questionar se de fato conseguiríamos viver isso quando em uma situação em que fôssemos injetados em outra civilização e fôssemos agredidos de acordo com o outro lado que supomos respeitar. O choque de culturas causaria um paradoxo que realmente não sei como me posicionaria. Provavelmente tentaria me impor radicalmente por ter sido prejudicado do meu ponto de vista.
     
    Não sei se conseguiria formular uma resposta considerando só a racionalidade, mas, embora altamente incoerente, acho que tenderia a ficar entre as duas opções, em algumas situações optando por um lado, em outras pelo outro. E sequer saberia explicar porque. Vocês me deram um nó na cabeça, hahaha.
  3. Like
    Dook reacted to Mr. Scofield in Religião (#4)   
    Bacana demais essa parte. Eu não lido com argumentos desse tipo por ser agnóstico e, obviamente tais argumentos não serem compatíveis com minha lógica pessoal, mas é genial ver alguém lidando com um conceito tão polêmico e de difícil formalização de forma tão concretizada e delimitada, lógica e coerente. Não conseguiria nunca fazer algo assim para esse tema.
  4. Like
    Dook got a reaction from Indiana Jones in Episódio VII: O Despertar da Força   
    Diante de toda a especulação de onde veio a idéia da nova trilogia, creio ser esta a posição oficial da Lucasfilm e a posição é clara: os novos filmes já existiam lá atrás:
     
     
    The Long, Winding, and Shapeshifting Trail to Episodes VII, VIII & IX
     

    J.W. Rinzler | October 30, 2012  
     
    The long conjectured third Star Wars trilogy has kept fans guessing for decades, and may even have a few numerologists working on their mysteries. George Lucas’ shifting feelings about future Star Warstrilogies have consistently clouded the picture. Given the difficulties associated with the birth of Star Wars in 1977, it’s no wonder that Lucas’s ideas kaleidoscoped. When trying to get such a big undertaking up and running and out the door, visions of the future are understandably hazy. But, as of October 30, 2012, Episodes VII, VIII and IX have been announced as real and soon to be tangible — but they’ve existed as gossamer spirits for nearly 40 years.
    On December 29, 1975, in conversation with Alan Dean Foster per the novelization of Star Wars, Lucas mentioned the prequel trilogy along with what would become Episodes V and VI: “I want to have Luke kiss the Princess in the second book. In the third book, I want the story just about the soap opera of the Skywalker family, which ends with the destruction of the Empire. Then someday I want to do the back story of Kenobi as a young man – a story of the Jedi and how the Emperor eventually takes over and turns the whole thing from a Republic into an Empire, and tricks all the Jedi and kills them. The whole battle where Luke’s father gets killed. That would be impossible to do, but it’s great to dream about.”
     
    As Lucas came to terms with Twentieth Century-Fox during the making ofStar Wars, he secured the legal rights to his sequels, though they remained undefined at the time. On location for the first phase of principal photography in Tunisia in March 1976, Lucas began a long tradition of talking with close collaborators, voicing his ideas for these other episodes and trilogies, much as Walt Disney would do of his projects.
    “You know, when I first did this, it was four trilogies,” Mark Hamill recalled in 2004, speaking of their conversation in 1976. “Twelve movies! Out on the desert, any time between setups… lots of free time. And George was talking about this whole thing… ‘Um, how’d you like to be in Episode IX?’ ‘When is that going to be?’ ‘2011.’ […] I said, ‘Well, what do you want me to do?’ He said, ‘You’ll just be like a cameo. You’ll be like Obi-Wan handing the lightsaber down to the next new hope.’”
    In 1978, a Time magazine article reported that the Star Wars Corporation (a subsidiary Lucas had formed for Star Wars) would be producing “Star Wars II [Empire], and then, count them, 10 other planned sequels.” At that time Lucas consistently mentioned 12 films and even created a barebones outline to that effect.


    In it, the original trilogy occupied Episodes VI, VII, and VIII; a Clone Wars trilogy took up Episodes II, III, and IV, while Episode I was a “prelude,” Episodes IX through XI were simply left blank – and Episode XII was the “conclusion.”
    In 1979, however, Lucas said in an interview on the set of Empire, “The first script was one of six original stories I had written in the form of two trilogies. After the success of Star Wars, I added another trilogy. So now there are nine stories. The original two trilogies were conceived of as six films of which the first film was number four.”
    While in postproduction in early 1980, Lucas used to kick back from time to time with ILM manager Jim Bloom and muse about the bigger story. “The first trilogy is about the young Ben Kenobi and the early life of Luke’s father when Luke is a little boy,” Lucas said. “This trilogy takes place some 20 years before the second trilogy, which includes Star Wars andEmpire. About a year or two passes between each story of the trilogy and about 20 years between the trilogies. The entire saga spans about 55 years. I’m still left with three trilogies of nine films. At two hours each, that’s about eighteen hours of film!”
    While Empire was originally part of a 12-film plan, by the time it was released, the number had clearly been reduced to nine. “The prequel stories exist — where Darth Vader came from, the whole story about Darth and Ben Kenobi — and it all takes place before Luke was born,” Lucas explained at the time. “The other one — what happens to Luke afterward — is much more ethereal. I have a tiny notebook full of notes on that. If I’m really ambitious, I could proceed to figure out what would have happened to Luke.”
    Lucas mentioned these notebooks — or one big book — to me, a few years ago. I asked if I could see it, but he declined. My feeling is that this big book or these notebooks are private, though Lucas has occasionally sent me via an assistant miscellaneous handwritten notes from the period 1976-1983 to help in the writing of the making-of books.
    But two years later while filming Jedi, for many reasons, Lucas was burning out, tired of the whole enterprise: “I’m only doing this because I started it and now I have to finish it,” he adds. “The next trilogy will be all someone else’s vision.”
    As of today, Lucas has given his new co-chairman Kathleen Kennedy several ideas and is really going into semi-retirement. Now, in a relatively short time, compared to the decades of speculation, fans will learn the secrets of Episodes VII, VIII and IX. Star Wars has risen again!
  5. Like
    Dook reacted to Lucas in Os,Transformers 4   
    Até meados dos anos 90 Steven Spielberg era um grande diretor e produtor. Hoje é um grande diretor, ponto.
  6. Like
    Dook reacted to Jailcante in Episódio VII: O Despertar da Força   
    1 - Falei isso porque era bem o óbvio. Qualquer um pensaria isso. O pessoal discutindo longamente aqui sobre o próximo diretor e vai lá você abrir um tópico pra falar sobre isso, sabe-se lá pra quê já que a discussão aqui sobre o filme engloba também isso, não chega a ser um "off topic". Mas se o Big falou via MP pra vc (como ia eu saber isso?) que foi apagado sem querer, ok.
     
    2 - O título do tópico diz "Ep. VII" mas o teor das discussões tão refletindo sobre todos eps. que venham no futuro. Você é que tem que aprender a ler melhor as discussões e o que o pessoal posta aqui (nitidamente, vc não faz muito isso).
     
    Mas enfim... Já foi.
  7. Like
    Dook reacted to Indiana Jones in Episódio VII: O Despertar da Força   
    Ainda rezo pelo 1% de chance do Spielba dirigir a bagaça, mas acho quase impossível. Vai cair na mão de algum pau mandado do naipe de Joss Whedon, Zack Snyder ou Matthew Vaughn. Alguém sem muito cérebro e que faça um servicinho para toda a família, no padrão Disney.
  8. Like
    Dook got a reaction from Calvin in 007 - Operação Skyfall   
    A cena gay é uma tentativa do Silva tirar Bond do sério e Bond entrou na onda e cascou com a cara do Silva... Não há nada mais a ser interpretado sobre essa cena.
  9. Like
    Dook reacted to J. de Silentio in Episódio VII: O Despertar da Força   
    Estou com o Dook nessa.
     
    A nova trilogia, "mesmo com problemas, ainda é Star Wars..." Arrisco a dizer que, daqui a algumas décadas, será vista com muito mais respeito do que atualmente.
     
    Torço para estar enganado, mas tomando por base os genéricos da Marvel que a Disney passou a lançar, incluindo o pastel de vento "Os Vingadores" (divertido, sim, mas sem história alguma), não vejo um futuro promissor para a saga.
  10. Like
    Dook got a reaction from ltrhpsm in 007 - Operação Skyfall   
    A cena gay é uma tentativa do Silva tirar Bond do sério e Bond entrou na onda e cascou com a cara do Silva... Não há nada mais a ser interpretado sobre essa cena.
  11. Like
    Dook got a reaction from Indiana Jones in Episódio VII: O Despertar da Força   
    Só tenho uma coisa a dizer: acabou Star Wars... Já era... Ruim com Lucas, pior sem ele. Podem anotar e me dar os créditos em 2015.
  12. Like
    Dook reacted to Indiana Jones in 007 - Operação Skyfall   
    Quando vazou esse spoiler da cena gay do filme eu fiquei puto. No entanto, vendo o filme, a conotação é completamente diferente.
     
    Bond é famoso por sempre tirar sarro da situação, sempre ficar tranquilo e concentrado durante os momentos difíceis, jamais ficando com raiva. Bond está sendo acariciado pelo vilão, que tem o intuito de deixar o personagem desconfortável, isso é claro. Bond tira sarro dizendo que não é sua primeira vez. Bardem fica puto: percebe que Bond é imune a torturas psicológicas. Vi como a única saída possível, apesar de ser uma decisão arriscada dos produtores, sendo que seria óbvio que a maioria veria a cena em seu sentido literal. Vale lembrar que Silva sugere uma tortura iminente, com Bond amarrado à cadeira, de forma que me remeteu imediatamente a Cassino Royale. Achei a conexão tão clara que não vi razão para ficar procurando um subtexto gay na série, já que Bond é e sempre foi estritamente heterosexual.
     
    Caramba, Silva queria que Bond quebrasse psicológicamente com a possibilidade de ser molestado, mas percebe que ele está tirando sarro da situação. É simples demais, e a cena é bem engraçada. Ou vocês acham que esse momento de humor seria usado para revelar o lado gay reprimido de Bond? Please bitch...
     
    Em Moscou Contra 007 Bond ironiza o plano de Grant no trem, perguntando de qual hospício ele foi tirado, e o vilão fica puto. É a mesma coisa aqui, e que foi repetida inúmeras vezes na série. A diferença é que hoje em dia não temos mais tantos pudores quanto à homossexualidade (Pablo é defensor ferrenho dos direitos dos gays, o que parece justificar sua óbvia e rasteira interpretação da cena).
     
    Tem também o tal trauma de infância de Bond, que poderia envolver algum abuso homossexual, mas acho que já seria muita viagem.
  13. Like
    Dook reacted to Saga S. in 007 - Operação Skyfall   
    Criticar um filme iniciando pela tradução do título é um tanto quanto exagerado...
     
    Ainda não vi e sabe-se lá quando conseguirei ver, mas quero ir o mais rápido possível ver no XD...
  14. Like
    Dook got a reaction from Indiana Jones in The Dark Knight Rises (#2)   
    Nossa, que merda isso... o cadáver já está fedendo, parem de mexer nele.
  15. Like
    Dook got a reaction from Nacka in Blu-ray - Aquisições   
    Um amigo meu está nos EUA e vai trazer pra mim... Ansioso desde já!
  16. Like
    Dook got a reaction from Mr. Scofield in Religião (#4)   
    Eu encontro textos como esse em sites de apologética cristã... Esse aí foi no Respostas ao Ateísmo:
     
    http://www.respostasaoateismo.com/
  17. Like
    Dook reacted to Mr. Scofield in Religião (#4)   
    Eu não li os outros posts do tópico, mas tenho que me manifestar sobre esse texto maravilhoso que o Dook postou (não sei como ele acha esses comentários tão enriquecedores...muito bom mesmo). Não sou neo-ateísta (aliás, nem ateu, sou agnóstico, como sabem) mas é mais ou menos por aí que penso sobre os efeitos de qualquer crença radical. Não há o que acrescentar.
  18. Like
    Dook got a reaction from Mr. Scofield in Religião (#4)   
    Por que eu não sou um neo-ateu
     
    Por Renan Felipe
     
    Alguns ficam confusos com a minha posição quanto à religião. Alguns chegam a pensar que sou católico e quando digo que sou ateu se assustam. Isto porque não me engajo em militância ateísta, não me identifico com os “neo-ateus” e acho a antirreligião uma babaquice que vai contra os princípios de liberdade individual ao culto, à associação e à expressão.
    Sou um ateu despreocupado. Não me preocupo se as pessoas adoram Javé, Allah, ou Iansã. Isto não é relevante para mim. Deuses não são relevantes para mim. Eu os desconsidero em toda e qualquer atividade cotidiana da minha vida. Penso que a religião é um hábito, uma tradição da maioria das pessoas, embora hajam aqueles que de fato tenham e vivam a fé.
    Tive minha fase de contestação da religião e de “neo-ateísmo”, mas nunca tive uma oposição forte à “rebeldia” inicial por causa da educação que minha mãe, descrente, me deu. Por isso acho muito infantil o modo como se portam hoje ateus de mais de 20 anos na cara que parecem pré-adolescentes com oxiúros. Por isso listei dez razões para que você, ateu level 1, não seja um neo-ateu por muito tempo.
     
     
    1. Ateísmo não é diploma
     
    Descobriu que é ateu ontem? Ótimo. Não precisa usar as palavras “lógica”, “razão” e “argumento” cinco vezes por frase. O fato de ser ateu não te faz mais inteligente, melhor informado ou maior conhecedor da ciência. Na verdade, grandes gênios da humanidade foram crentes até o final de suas vidas e grandes nomes da ciência hoje continuam sendo crentes. Considere que ateísmo, apesar de não ser recente, é uma filosofia minoritária entre as pessoas. A maioria das pessoas é crente e não deixa de desenvolver habilidades fantásticas por causa disso.

    O grande problema dos neo-ateus é justamente o proselitismo. A maioria está recém se descobrindo como ateu e precisa se afirmar de um jeito ou de outro. O resultado é um púbere falando besteira e ofendendo os outros porque acha que é um iluminado que descobriu a verdade.
     
     
    2. Religião não é doença
     
    O neo-ateu acha que foi milagrosamente curado, e acredita que deve curar os outros “doentes”. Insiste que a religião é um mal no mundo e que ela precisa ser eliminada. Na sua cabeça, a religião é instrumento de poder, de dominação, de enganação, etc.
    Iludido pela novidade, embarca numa verdadeira pregação do Devangelho. É um dever moral fazer o maior número possível de desconversões.

    Não sabe portanto que a religião nunca foi o mal, e sim a repressão religiosa. Repressão religiosa é feita de religião para religião e de ideologias políticas para religiões em geral. Quando sustentamos que a religião é um mal a ser eliminado, estamos perpetuando justamente a repressão religiosa.
     
     
     
    3. Ignorância não é força
     
     
    Caindo na ilusão de que tudo que é contra a religião é “científico”, o neo-ateu pensa que crer em figuras do “ateísmo” é um tipo de ceticismo ou livre pensamento. Repete ipsis literis as besteiras de Sam Harris e Richard Dawkins sem considerar se estas pessoas estão habilitadas para discutir o assunto ou se o que dizem é lógico e faz sentido. Acreditar no que diz Dawkins sobre Teologia é como acreditar no que diz Craig sobre zoologia. Ambos podem emitir opinião sobre o assunto, mas nenhum está qualificado para discuti-lo com propriedade. Dawkins é um excelente zoólogo, e só isso.

     
    Para deixar o estado de credulidade do neo-ateu, é necessário que ele entenda que o ateísmo é uma postura filosófica como as outras, que precisa ser estudada se pretende levá-la à sério. Não se pode discutir religião sem entender religião. E entendê-las não através de esteriótipos desenhados por aqueles que as atacam. Sem conhecer os argumentos do outro lado, jamais se pode ter segurança e convicção da própria posição, mas sim uma opinião escorada na credulidade, como a de um crente fanático sem conhecimento da própria doutrina religiosa.
    É mais fácil ler críticas contundentes à religião em autores que escreveram há séculos como Locke, Paine e Mill, ou até religiosos como Erasmo de Roterdã, do que nos livros de comédia e ficção de nova seita antiteísta.
     
     
    4. Antiteísmo não é ateísmo
     
    Chame como quiser: neo-ateísmo, ateísmo militante, humanismo secular, fundamentalismo ateu, etc. Antiteísmo não é ateísmo. Ateísmo, com prefixo -a-, indica uma ausência: ausência de crença, de religião, de deus ou deuses. Um ateu não acredita que deuses existem (ou acredita que deuses não existem, dá na mesma), e não segue religião teísta alguma. É só isso. Ateísmo acaba aí.
    Hoje em dia pouca gente pensa nisso, mas um ateu poderia acreditar em espíritos, forças sobrenaturais e planos não-materiais. É suficiente para ser ateu que não se acredite em divindades. Nada impede a existência de um espiritismo ateu, por exemplo. De fato, existem até religiões ateístas como o positivismo (religião da humanidade), o humanismo, a cientologia, etc.
    Antiteísmo é oposição às religiões teístas e ao pensamento teísta. Na prática, significa que o antiteísta acredita que a religião e a crença em deuses são um mal a ser eliminado. O antiteísmo é portanto tão intrusivo quanto uma religião expansionista, já que busca a conversão. Ou, neste caso, a “desconversão”.
     
     
    5. Se fosse para pregar, eu seria crente
     
    O antiteísta não se contenta em pregar que a religião é nociva e (des)converter os outros para a sua seita. O neo-ateu também se congrega em igrejas, virtuais ou não. Eles se juntam em congregações como a ATEA, a Liga Humanista Secular, etc.
    Se fosse para pregar, ter liturgia, ir numa congregação e ter discurso oficial, eu seria crente. Qual o sentido de se congregar em torno de uma descrença? É como juntar pessoas num clube de não-torcedores do Flamengo, ou numa associação de não-moradores da Vila Cruzeiro. É óbvio que as associações se dão em razão de características comuns e positivas: torcedores do Flamengo e moradores da Vila Cruzeiro. Anticomunistas se associam, antifascistas se associam, anticapitalistas se associam. No caso dos neo-ateus, são antiteístas e antirreligiosos se associando em prol de uma doutrina política antirreligiosa.

    O que não falta é religião ateísta. Desde as mais respeitáveis e milenares como Budismo, Taoísmo e Confucianismo às mais recentes e cientificistas Religião da Humanidade, Culto da Razão, Cientologia, etc. É inevitável: quanto mais ateus dogmatizam o próprio pensamento para combater religiões e quanto mais incentivam o “ateísmo organizado”, mais os “ateus” entram em esquemas prontos que formatam seu pensamento numa doutrina religiosa. Se religião fosse um problema, antiteísmo não teria virado uma.
     
     
    6. O antiteísmo tem um passado imundo (e um presente também)
     
    Toda perseguição religiosa trouxe efeitos devastadores quando tomou o poder político. Da Guerra Cristera provocada por Plutarco Elías Calles no México aos verdadeiros massacres cometidos na União Soviética, na China, na Albânia e em todo lugar onde o comunismo se instalou ou tentou se instalar, podemos tirar a lição de que o sectarismo ateu não é menos nocivo que o religioso.
    Se neo-ateus acham que podem julgar cristãos por causa das Cruzadas ou da Inquisição, desconhecem que a militância ateísta fez coisa semelhante em lugares onde crentes foram fuzilados e a religião, proibida.

    Palden Choetso, monja budista, suicida-se por auto-imolação em protesto contra a repressão religiosa e a ocupação chinesa no Tibet. Protestos deste tipo são frequentes, mas pouco reportados pela mídia.
    É difícil calcular quantas foram as mortes decorrentes da repressão à religião. Mas podemos citar alguns eventos desagradáveis decorrentes dela:
    A Guerra Cristera provocada por Plutarco Elías Calles, que matou mais de 30 mil cristeros e 50 mil soldados federais.
    O massacre de religiosos pelos republicanos espanhóis durante a Guerra Civil Espanhola que totaliza umas 6,8 mil pessoas.
    Campanhas de “reeducação” e campanhas “anti-reacionárias” do Partido Comunista Chinês durante o governo de Mao Zedong. Um exemplo é a Revolução Cultural que matou cerca de 500 mil pessoas, o que inclui muitos religiosos já que a China era e é um Estado Ateu.
    Os expurgos socialistas na Mongólia para erradicar o Lamaísmo, que custaram entre 30 mil e 35 mil vidas.
    A repressão religiosa do governo de Enver Hoxha na Albânia.
    A repressão comunista no Camboja, que mandou para os campos da morte Chams (cambojanos muçulmanos), cambojanos cristãos e monges budistas.
    As campanhas antirreligiosas da União Soviética de 1917-1921, de 1921-1928, 1928-1941, de 1958-1964, e de 1970-1990, cujo número de vítimas não é conhecido.
    A completa repressão religiosa na Coréia do Norte, que impôs o culto ateísta ao Estado (Juche).
    A repressão religiosa por Estados Ateus como a República Popular da China, o Laos, o Vietnã, e a Coréia do Norte, que resiste até hoje.

    7. O neo-ateísmo desrespeita a liberdade de pensamento
     
    Longe de ser um grupo aberto ao diálogo, os neo-ateus são combativos e desrespeitosos. Não admitem diálogo: para eles a religião é uma enganação, e um mal a ser extirpado.
    Nesta posição, sua reação é o fechamento ao debate. As verdades estão evidentes e as peças estão dispostas no tabuleiro: de um lado os religiosos fanáticos, do outro os iluminados defensores da razão e da ciência. Incapaz de um diálogo interreligioso, ele resume sua linguagem à mera afronta à doutrina religiosa que escarnece. Não dialoga: xinga; não argumenta: faz deboche; não aceita negociação: ou você está do lado da razão ou você é um crente que precisa ser desiludido.

    Não havendo espaço para diálogo, o objetivo dele é um só: calar a boca dos crentes. Ele quer que retirem as cruzes dos tribunais, que retirem a palavra “Deus” da Constituição e das notas de real, que se acabe com o ensino religioso, que se proíba os crentes de manifestar publicamente a fé ou divulgar as suas opiniões e a sua ideologia na mídia. Combatem, assim, não só a liberdade de culto como também a liberdade de expressão.
     
     
    8. Darwin não é deus e ciência não é religião
     
    A mentira mais repetida por e para neo-ateus é que religião é inimiga da ciência. É claro, se você fingir que a comunidade científica ocidental não nasceu dentro da Igreja Católica e que todo o sistema universitário ocidental não é baseado num modelo acadêmico estabelecido pela Igreja.
    Outra idiotice é militar pelo evolucionismo como se fosse a corporificação da ciência e da razão. Uma teoria científica, válida hoje, pode estar refutada amanhã. O que farão se o evolucionismo for posto em cheque? Admitirão que militavam por uma mentira ou vão cair na real, que não existem “fatos científicos”, verdades incontestáveis? Outra é atacar ad nauseam o criacionismo como se todo cristão fizesse interpretação literal do Gênesis, e esquecendo que quem formulou a teoria do Big Bang era um padre. Um indivíduo pode perfeitamente ser crente e lidar com ciências sem problemas.

    Típicos crentes anti-ciência: Pascal, Descartes, Newton, Mendel, Faraday, Lamaître e Schrödinger.
    O pior não é ver alguém militar pelo “evolucionismo”, mas ver que o mesmo sujeito não entende a Teoria da Evolução: diz que “animais passam por mutações” ou que “o homem descende do macaco”. Para piorar, louva este ou aquele cientista e sua teoria como se fossem santos e padroeiros da ciência. Darwin, Newton e Einstein foram importantes, mas fazer desta pessoas e de deturpações de suas teorias uma bandeira de militância é idiota, deturpa a visão das pessoas da ciência, tornando-a cada vez mais impopular entre crentes.
    Por fim, o cientificismo. A idéia idiota de derivar padrões morais da ciência. A ciência, assim como a filosofia e a religião, tem um escopo, um campo limitado de atuação. Ciência serve para descobrirmos coisas novas e acumular conhecimento, e não ditar como devemos empregar o conhecimento. Podemos usar energia nuclear para iluminar cidades inteiras ou para fazer armas de destruição em massa. O que determina o que fazer com os avanços científicos depende de um padrão moral extrínseco à ciência: vem de uma doutrina política, filosófica ou religiosa.
     
     
    9. O ateísmo não propõe coisa alguma
     
    Você propõe alguma coisa? Fale por si. O ateísmo não propõe coisa alguma. Ateísmo é não acreditar em deuses e religiões teístas. Ponto. Qualquer coisa além disso é parte de uma doutrina, ideologia e filosofia pessoal sua. Não existe medida científica para o bem e o mal e não vai ser você quem vai inventar.
    Se você defende a política X ou Y, você fala de um conjunto de idéias políticas suas. Ateísmo é outra coisa.
     
     
    10. O antiteísmo sabota a causa da razão.
     
    Qual o sentido de difamar algo que não existe? Que tipo de pessoa escreve livros, faz vídeos e dá palestras para criticar algo que não existe? Das duas uma: ou esta pessoa quer ganhar dinheiro de trouxas, ou ela está conduzindo uma cruzada contra a lógica. Você conhece alguém que escreve livros ou faz vídeos para contestar a existência de duendes, de fadas do dente, do coelhinho da páscoa ou do papai noel? Então porque seria menos ridículo alguém que escreve para contestar a existência de deuses ou espíritos?

    Dentre os males causados pelo neo-ateísmo, podemos mencionar:
    Emperra o diálogo interreligioso.
    Inculca nos crentes o ódio pela ciência, em vez de estimular a sua apreciação.
    Deturpa as ciências pela propagação de versões caricaturizadas de teorias científicas.
    Cria um tumulto em torno de um ente que não existe, provocando mais militância de ambos os lados.
    Desvia o foco do estudo das ciências de questões mais proveitosas para questões que tem pouca aplicação prática.
    Pseudoceticismo: fomenta a blindagem cerebral ao aceitar credulamente qualquer coisa com o rótulo de “científica” e ao rejeitar qualquer coisa com o rótulo de “religiosa”.
    Dogmafobia. O medo de ter princípios morais e fazer o julgamento da realidade com base em princípios, em vez de fins. O resultado é que o sujeito ataca qualquer coisa “moral” e defenderá qualquer coisa imoral que tenha a pecha de “científica”.
    Tornar-se um pé no saco. O sujeito começa a evitar igrejas, grupos de amigos, foge quando alguém reza antes do almoço, critica até a avó porque ela lê a Bíblia, quer discutir com pastor, etc.

    Conclusão:
     
    Se você ainda está na fase de contestar os dogmas, mitos e tradições religiosas da sua sociedade para afirmar-se, esqueça esta militância. O ateísmo não é um fenômeno novo, não apresenta nenhum tipo de avanço ou progresso da sociedade moderna. É mais provável que ele seja anterior a qualquer religião que tenha existido, e é portanto mais antigo do que qualquer tradição religiosa. Não se preocupe em desconverter as pessoas, preocupe-se em transmitir os valores que tornam a sociedade melhor: a tolerância, o diálogo, a liberdade individual, a liberdade de expressão. As verdades, “científicas” ou não, cedo ou tarde vão sendo descobertas.
     
     
    Fonte: http://direitasja.wo...ou-um-neo-ateu/
  19. Like
    Dook reacted to skellington in 007 - Operação Skyfall   
    Enterrou com glórias todos os nossos pesadelos com a música do último filme... Os meus, pelo menos.
  20. Like
    Dook got a reaction from Renato in The Dark Knight Rises (#2)   
    Lógico... vc editou e ficou normal... hehehe
  21. Like
    Dook got a reaction from Nacka in Prometheus (dir Ridley Scott) 2012   
    É... Aliens O Resgate é mesmo um ABSURDO..... de bom.
  22. Like
    Dook reacted to Nacka in Prometheus (dir Ridley Scott) 2012   
    Se foi com muita sede ao pote é normal a decepção Deadman. Esse trocadilho infame que fizeram com o nome do filme colocou Prometheus em um pedestal como se o filme fosse um oráculo de onde todas as respostas sairiam, não é bem assim.
     
    Interessante você ter elogiado a parte técnica do filme, direção de arte aqui conta muito, como em Alien o 8º Passageiro onde a história era um fiapo mas quando a câmera te arrastava para dentro dos ambientes claustrofóbicos do cargueiro Nostromo acabava toda a esperança. Prometheus se saiu muito bem neste mesmo aspecto. Toda ação que se passa fora da nave resgata isso e mesmo dentro dela temos momentos angustiantes. A história tem buracos porque partiu de uma premissa pretensiosa que de forma equivocada foi elevada ao cubo. Bobagens da produção que em um filme deste porte infelizmente está no pacote.
     
    Eu prefiro ir descobrindo as "respostas" de Prometheus aos poucos, sem grandes expectativas.
  23. Like
    Dook reacted to Nacka in Prometheus (dir Ridley Scott) 2012   
    Maravilhoso. Talvez porque não tivesse qualquer ilusão de que ele traria respostas definitivas (pelo menos não de forma óbvia). Já encomendei o bluray na pré-venda.
  24. Like
    Dook reacted to Jack Ryan in Ted   
    Ele tinha saído da mídia, sentiu saudade dos holofotes e inventou essa aí pra chamar atenção.
  25. Like
    Dook reacted to Sith in Carrie A Estranha (Remake)   
    Mas a Moretz é uma fofa mesmo...
×
×
  • Create New...