Jump to content
Forum Cinema em Cena

Che - A Guerrilha e O Argentino


-felipe-
 Share

Recommended Posts

 

 

 

 

guerrilla_01.jpg

 

Benicio Del Toro aparece caracterizado como Che Guevara na nova imagem do drama Guerrilla. As filmagens aconteceram na Espanha, próximo a cidade de San Pablo de Buceite, selecionada para substituir a Bolívia, segundo o Hollywood Elsewhere.

No momento, as gravações estão sendo realizadas em Porto Rico. Para ver a imagem em seu tamanho original, clique na figura.

 

 

 

 

---

 

Novas fotos dos sets de Guerrilla e The Argentine em

Porto Rico mostram o ator mexicano Demián Bichir caracterizado como

Fidel Castro. O figurino e a maquiagem deixam claro que o foco da

produção é a autenticidade, como já havia sido demonstrado nas fotos em

que Benicio del Toro aparece como Che Guevara. Clique nas imagens abaixo, divulgadas pelo site DemianBichir.net, para ampliá-las:

 

guerrilla_02s.jpg  guerrilla_03s.jpg  guerrilla_04s.jpg

 

 

Parece que os dois filmes se completam, e o lançamento, pelo menos do primeiro, deve acontecer até o fim do ano. No elenco estão Benicio Del Toro, Benjamin Bratt, Franka Potente, Lou Diamond Phillips, Demián Bichir e Catalina Sandino Moreno.

-felipe-2008-05-23 09:30:31

Link to comment
Share on other sites

  • 4 months later...

Benicio Del Toro's "Guerrilla" Clip

05-22-2008 (09:00:32)

 

headline8020.jpgThe

upcoming Benicio Del Toro film about Che Guevara, "Guerrilla," has

premiered at the Cannes Film Festival and today we have the first clip.

The movie is one of two installments about the famous revolutionary.

 

"The Argentine"

begins as Che and a band of Cuban exiles (led by Fidel Castro) reach

the Cuban shore from Mexico in 1956. Within two years, they mobilized

popular support and an army and toppled the US-friendly regime of

dictator Fulgencio Batista.

 

"Guerrilla" revolves around Guevara and his 1964 travels to New York City to address the United Nations.

 

The two pics have a combined budget of around $70 million and are both directed by Steven Soderbergh, who is responsible for such films as "Erin Brockovich," "Traffic" and the three "Ocean's" movies.

 

 

 

Click here to check out the clip

 

Link to comment
Share on other sites

Não sou exatamente fã do Soderbergh mas tenho que admitir que ele competente e tehno um estilo cleam e cool de trabalhar e Benicio Del Toro e muito bom quando bem orquestradado mas o projeto em si e bem grandioso e com certeza vai gerar inúmeras controvérsias já que se trata da biografia de maiores lideres revolucionário do último milênio.Então vai ser difícil sabermos se Soderbergh vai tratar do mito ou do homem e até que ponto isto vai trazer benificio ou agruras para o filme. pois quando se trata do Che parece que todos já tem ponto de vista formado

Link to comment
Share on other sites


Steven Soderbergh comenta sobre duração da cinebiografia

- 23/05/2008 10:23




stevensoderbergh_01.jpgSteven Soderbergh (foto) comentou sobre a duração do épico
Che, longa de quatro horas que
estreou durante o Festival de Cannes. Para o diretor, o ideal seria que a
versão inteira do filme seja exibida durante uma semana e, depois, seja separada
em duas produções.





As distribuidoras deixaram claro o desejo de lançar
os dois filmes separados, como foi feito no terror Grindhouse, exibido como Planeta
Terror
e À Prova de Morte.





Segundo o The
Hollywood Reporter
, o filme teve uma recepção morna pelos compradores, principalmente
porque julgaram Che longo demais. O
diretor explicou que a grande duração foi resultado da necessidade da história.
“Se você for contextualizar os eventos, isso terá o seu tamanho”, explicou.


Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Che, de Steven Soderbergh, já tem previsão de estréia no Brasil

Europa Filmes respeitará divisão em dois longas e planeja o primeiro para fevereiro

18/06/2008

biografia do argentino Ernesto Che Guevara de La Serna, que o cineasta Steven Soderbergh (Doze homens e outro segredo) dirigiu, saiu do Festival de Cannes com um prêmio de melhor ator para Benicio Del Toro (21 gramas, Caçado), mas um contrato de distribuição nos EUA não está assegurado. No Brasil, sim.

O Omelete soube esta semana que a Europa Filmes planeja lançar Che no Brasil em fevereiro, para aproveitar uma eventual indicação de Del Toro ao Oscar. Como o filme tem mais de quatro horas de duração, será dividido em dois (formato que Soderbergh já imaginava para o lançamento comercial). Em Cannes a própria exibição integral já era dividida, como dois capítulos dentro de um mesmo longa separados por um intervalo.

Portanto, é a primeira parte que a Europa prevê lançar por aqui em fevereiro. A segunda não tem data ainda. Os títulos provisórios em português são Che e Che - A Guerrilha.

che_13.jpg

 

Gostei desta foto do Del Toro, o cara tem muita coragem de fazer um papel deste já que vai ser imensamente cobrado por críticos do mundo inteiro.

guerrilla_03.jpg

E estranho ver esta foto de Fidel Catro(Demián Bichir) jovem lutando pela revolução e liberdade, sendo que seu governo foi duradoura ditadura que parece estar chegando o fim. Já que está velho e doente 

 

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...
  • 4 weeks later...

Filme sobre Che Guevara estréia na Espanha

"El argentino" deu a Benicio Del Toro prêmio de melhor ator em Cannes.
"Não tenho interesse em glorificar Che", diz diretor Steven Soderbergh.

Foto

 

O medo que Benicio del Toro sentia diante do desafio de encarnar o mítico Ernesto "Che" Guevara nas telas desapareceu quando o ator compreendeu que interpretar o guerrilheiro argentino seria impossível.

Ganhador do prêmio de melhor ator em Cannes pelo papel de Guevara em "El Argentino", Del Toro apresentou ao mundo nesta terça-feira (2), em Madri, a primeira metade de um filme de quatro horas de duração dedicado à figura de Che Guevara.

"É impossível fazer o personagem Che, ou um filme de Che. Quando soube que era impossível, deixei de ter medo", afirmou Del Toro em entrevista coletiva.

O ator porto-riquenho também protagoniza a segunda metade, "Guerrilla", sobre a experiência de Che Guevara na Bolívia, onde o líder guerrilheiro foi executado em 1967 pelo exército desse país.

 

  Projeto

Quando Del Toro propôs a Steven Soderbergh -- ganhador do Oscar de melhor diretor em 2000 por "Traffic" - dirigir os filmes, o cineasta não hesitou.

"Che Guevara é uma das figuras históricas mais importantes do século 20", disse Soderbergh.

"Ele conseguiu manter sua fúria contra a injustiça por 15 ou 20 anos. Isso não é normal, e é algo que representa grande material para um filme."

Para a elaboração do roteiro, os responsáveis pelo filme tiveram a assessoria do jornalista Jon Lee Anderson, biógrafo de Guevara.

Del Toro embarcou no projeto há anos. O filme demorou muito a ser concretizado devido às dificuldades em obter financiamento, especialmente por ser falado em espanhol, o que gerava dúvidas entre os produtores norte-americanos.

 

  Críticas

Algumas pessoas que já assistiram ao filme o criticam por mostrar o personagem sob uma ótica demasiado positiva. Soderbergh discorda.

"Eu apóio cada um dos personagens do filme. Não me importa que seja apreendido positiva ou negativamente", disse o diretor.

"Ao longo da vida, justificamos nossos atos para nós mesmos, então eu tenho que respeitar o ponto de vista do personagem e sua maneira de ser", explicou.

Outros questionaram por que o filme não menciona os fuzilamentos que se seguiram à revolução em Cuba, mas o diretor também refutou essas críticas.

"O tema é tratado sim, no caso de dois desertores fuzilados e quando Che faz um discurso perante as Nações Unidas. Não tenho interesse algum em glorificar Che Guevara nem em diminuir sua glória. Não sou latino e não tenho uma conexão pessoal com ele, como podem ter outras pessoas", disse Soderbergh.

"Muitas coisas aconteceram em Havana e não estão no filme, porque Havana não está no filme", ressaltou uma das produtoras do filme, Laura Bickford.

Com eu ja havia citado e muito difícil retratar uma biografia de um icone da revolução moderna e ainda ser imparcial mas ainda confio na visão de Soderbergh
Link to comment
Share on other sites

Santoro diz que foi inesquecível interpretar Raúl Castro

Ator brasileiro está nos filmes "El Argentino" e "Guerrilha", de Soderbergh.
Longas estréiam na Espanha, ainda não há previsão para o Brasil

Foto

Santoro passou dois meses fazendo pesquisa em Cuba para viver personagem 

 

O ator Rodrigo Santoro considerou uma experiência inesquecível interpretar Raúl Castro, irmão de Fidel, em "El Argentino" e "Guerrilha", filmes do diretor americano Steven Soderbergh que mostram a vida do revolucionário Ernesto Che Guevara.

"Foi uma honra fazer esse filme e interpretar um personagem dessa importância", disse Santoro em entrevista à Agência Efe na apresentação do filme na Espanha, onde estreará na próxima sexta-feira.

O ator passou dois meses em Cuba fazendo pesquisas sobre a vida do atual presidente cubano para poder interpretá-lo. "Durante esse tempo, conheci Cuba de uma forma especial", comentou

Dois filmes

O filme foi dividido em duas partes, a primeira trata do momento histórico em que Che, Fidel e outros cubanos exilados invadem a ilha caribenha em 1956 e destituem o ditador Fulgêncio Batista. A segunda parte, porém, narra a viagem de Che a Nova York, quando ele discursou na ONU e viu crescer o mito em torno de sua figura.

No Brasil, a primeira parte do longa não tem data certa para estrear, mas, de acordo com a distribuidora Europa Filmes, deve ser nos primeiros meses de 2009.

O ator porto-riquenho Benicio del Toro, intérprete de Che, que assim como Santoro esteve hoje em Madri para promover "El Argentino", elogiou a figura de lutador de seu personagem.

Ele contou sua experiência na hora de dar vida ao revolucionário argentino, cuja figura estudou durante anos para poder interpretá-lo.

"O Che era um homem coerente, como se pode ler no diário que escreveu durante seus anos na Bolívia, mas o que mais me chamou a atenção foi sua energia e sua força", afirmou à imprensa o ator, que ressaltou que não pretendeu "ser" Guevara, mas "Benicio fazendo Che".

"El Argentino" conta os anos que vão desde que Che Guevara conhece Fidel Castro no México, passando pela viagem dos dois a Cuba, a participação na revolução e, finalmente, mostra como eles conseguem tomar o controle de Havana.

Mais adiante, estreará "Guerrilha", filme que, segundo Del Toro, é praticamente baseado "no diário escrito (pelo Che) na Bolívia e que termina nos últimos anos de sua vida".

 
Link to comment
Share on other sites

Soderbergh's 'Che' heats up Venice

 

By NICK VIVARELLIALI JAAFAR

 

 

Play it again, Che.

 

While Steven

Soderbergh’s two-part epic "Che" was regarded by many in Cannes as

overlong and unwieldy, hurting its prospects for a North American

distribution deal, a leaner version of the pic could close a deal

before the end of Venice and ahead of its Toronto fest screening.

Soderbergh and Gallic sales, production and distribution entity Wild Bunch

are in advanced negotiations with three Stateside companies for North

American rights, according to sources close to the production. None of

the major studios are believed to be among the bidders, however.

Soderbergh’s four-hour biopic about Argentinean revolutionary Che Guevara bowed to mixed response from critics in Cannes. While some found it long and unfocused, others praised its bold ambition. Benicio Del Toro won the actor award at Cannes for his portrayal.

The

new version, which receives its North American preem Sept. 9 in

Toronto, will be some 17 minutes shorter than the Cannes version.

Latest cut is reputedly easier to follow, with a new title sequence

that engages auds from the get-go.

Pic’s producers are hoping the U.S. deal will be announced before its Toronto bow.

It

remains to be seen what release strategy the pic will engender

Stateside. Soderbergh is believed to favor releasing the pic as one

long feature after road-showing it in major cities, although the final

decision will be taken in collaboration with the U.S. buyer.

Meanwhile,

the Venice fest has reached its midpoint amid lamentations about the

scarcity of standout pics and hopes that fest topper Marco Mueller has backloaded the selection.

Several buzz titles are still to unspool, including Jonathan Demme’s Anne Hathaway starrer "Rachel Getting Married," Kathryn Bigelow’s "The Hurt Locker" and Darren Aronofsky’s "The Wrestler."

Fest

faves so far include Japanese anime auteur Hayao Miyazaki’s toon fable

"Ponyo on the Cliff by the Sea," Italo-Argentinean helmer Marcho

Bechis’ Amazon-set "Birdwatchers," both in competition, and Uberto

Pasolini’s Sri Lanka-set "Machan," in Horizons.

Gallic auteur Claire Denis’ "35 Shots of Rhum," which was oddly slotted out of competition, has also been warmly received.

While the quality of fest entries has been below par so far, the Venice party scene is in full swing.

Vogue

and Vanity Fair threw a posh bash for Matt Tyrnauer’s docu "Valentino:

The Last Emperor," a tribute to the Italian fashion designer. Screening

was followed by an after-party at the Guggenheim Museum on the Grand Canal with boatloads of celebs, including Diane Kruger, Liz Hurley and Tilda Swinton.

Natalie Portman was feted for her humanitarian work during a ceremonial dinner at the Hotel Des Bains. Thespreceived the Movie for Humanity Award, a new nod for movie stars devoted to humanitarian causes.

A separate S. Pellegrino Hall of Fame nod went to Italo production designer Dante Ferretti.

The Gucci Group held its own cocktail at the Palazzo Grassi for 300 guests, including Isabelle Huppert and Amira Casar.

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Com Rodrigo Santoro, 'Che' abre festival de cinema mexicano

Ator brasileiro interpreta Raúl Castro no longa.
Festival de Morelia acontece de 4 a 12 de outubro.

Foto

O diretor americano Steven Soderbergh e o ator porto-riquenho Benicio del Toro apresentarão o filme "Che - O argentino", que tem Rodrigo Santoro no papel de Raúl Castro, no 6º Festival Internacional de Cinema da cidade mexicana de Morelia, anunciou neste domingo (28) a organização.

O filme biográfico sobre o revolucionário Ernesto Che Guevara abrirá o festival de Morelia, que acontecerá de 4 a 12 de outubro, disse em comunicado a organização.

A atriz britânica Julia Ormond e a produtora americana Laura Bickford também têm presença confirmada.

Soderbergh filmou no estado mexicano de Campeche parte deste filme, do qual participam dois atores mexicanos, Demián Bichir e Enrique Arreola.

Entre outros convidados de honra neste festival se destacam o documentarista francês Nicolas Philibert, o diretor californiano Todd Haynes, e o músico britânico Michael Nyman, responsável pela música de filmes como "O piano" (1993), da produtora neo-zelandesa Jane Campion.

 
Link to comment
Share on other sites

 

Che Release Strategy

 

By Karina Longworth

 

 

Ever since word broke at Toronto that IFC had picked up Steven Soderbergh’s Che

for US distribution, there have been conflicting rumors as to how the

company, known for its day-and-date theatrical and VOD releases, would

handle a film of this length, scope, and potential Oscar cachet. At

yesterday’s NYFF press conference, Soderbergh talked a bit about the “roadshow” concept, through which the entire two-part film will first hit theaters.

He confirmed that in each market the film enters, it’ll screen for

just one week, on one screen, with ticket buyers paying a premium

(probably $25 each, including full-color printed program) for the

experience. “I think that’s the ideal way to see it,” the director

said, although he acknowledged that “it’s a lot to ask of an audience,

to throw away an entire day.”

A source told me last night that IFC is banking that a lot of people are going to want to throw away their days on Che.

After the film completes its initial one-week run at the Zeigfeld

theater in Midtown Manhattan in early December, it will move on to

other cities (and premiere on VOD), but then the roadshow print will

come back to New York in January to take up residence at the IFC Center

downtown. The theater will then screen the full 4-something hour

extravaganza daily, until demand runs out. The person I talked to said

the theater’s operators are confident that there will be enough curious

cinephiles and Che obsessives to keep the movie playing there for “a

loooong time.” Certainly, if Benicio Del Toro gets the expected Best

Actor nomination, you’d think there’d be at least one or two people in

the tri state area who’d want to come out and see the film on a big

screen.

 

-felipe-2008-10-01 10:48:25
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Veja os bons cartazes dos filmes de Che Guevara de Steven Soderbergh

The Argentine e Guerilla formam a biografia em duas partes do revolucionário

cheposter3.jpg

cheposter2.jpg

theargentine_01.jpg

guerrilla_05.jpg

guerrilla_06.jpg

guerrilla_01.jpg

guerrilla_02.jpg

che_12.jpg

che_10.jpg

che_11.jpg

che_08.jpg

che_09.jpg

The Argentine e Guerilla, a biografia em duas partes do argentino Ernesto Che Guevara de La Serna dirigida por Steven Soderbergh (Doze homens e outro segredo) e estrelada por Benicio Del Toro (21 gramas, Caçado), ganhou mais dois cartazes, produzidos para o mercado francês. Fonte: Omelete

 

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Com Rodrigo Santoro, ‘Che’ encerra a Mostra de SP

Os dois filmes sobre o guerrilheiro serão exibidos nesta quinta.
Longa é dirigido por Steven Soderbergh e traz Benicio Del Toro.

%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20Rodrigo%20Santoro interpreta%20Raúl%20Castro no %20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20filme Che%20%28Foto:%20Divulgação%29 %20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20

Continua rendendo boas histórias a vida e a luta de Ernesto Guevara, o Che. O filme da vez leva seu nome, tem uma grande produção internacional por trás e acabou crescendo tanto que virou não um, mas dois longas-metragens: “Che” e “Che – A guerrilha”, ambos em cartaz na próxima quinta-feira (30), no encerramento da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Dirigidos por Steven Soderbergh (de “Traffic”, “Erin Brockovich” e “Onze homens e um segredo”, entre outros), os dois filmes trazem o ator porto-riquenho Benicio Del Toro como o personagem-título. E Rodrigo Santoro, em mais um de seus trabalhos internacionais, também está no longa, interpretando Raúl, irmão de Fidel Castro (Demián Bichir).

Che” tem início no México, em 1955, quando Fidel e Ernesto Guevara se conhecem –o primeiro já planejava a Revolução Cubana, que consistia em derrubar o general Fulgêncio Batista do poder (ação que já havia sido tentada anteriormente, em 1953, mas falhou). No ano seguinte, as duas lideranças do movimento navegam até Cuba com mais 80 rebeldes para dar início à ação, que consistia na mobilização de camponeses e, com um exército cada vez maior, a conquista do poder na ilha.

Durante esse perído, Che e Fidel seguem por caminhos distintos, cada um liderando sua coluna, e as câmeras de Soderbergh acompanham apenas Che, com eventuais encontros entre os dois. O argentino lidera seu grupo com pulso forte, exigindo que todos tenham bom comportamento (condenando à morte os que roubavam ou violentavam mulheres), ajudando na alfabetização de seus homens e dando liberdade para aqueles que quisessem desistir da luta. Médico, ele tratava dos doentes e feridos, e em troca recebia fidelidade e cuidados durante suas fortes crises de asma. 

 

 

Foto:%20Divulgação

Benicio Del Toro beira a perfeição na pele de Ernesto Che Guevara

Ao mesmo tempo em que retrata a caminhada de Guevara pelo interior de Cuba –pela selva e por pequenos povoados–, o filme revela cenas do guerrilheiro em Nova York durante os anos 60, em seu discurso na ONU e durante uma entrevista. Num dos trechos, a jornalista quer saber: “O que é mais importante para ser um guerrilheiro?”. Che não precisa oensar muito para responder: “Amor”. E explica que sem verdadeiro amor à causa pela qual se está lutando, nenhuma revolução pode ser realizada.

Foi assim, com inteligência, sensibilidade e até um pouco de ironia, que Guevara se transformou num dos maiores ícones da Revolução Cubana, adorado pelo povo que o adotou com se ele fosse um dos seus. Mas o sonho de Che era maior: ele queria promover a revolução em toda a América Latina. E é justamente dessa ambição que surge o segundo filme, “Che – A guerrilha”, mostrando as andanças do médico pelo interior da Bolívia, tentando repetir o feito cubano. E, como a história mostrou, não sendo bem-sucedido.

Os dois filmes devem estrear, a princípio, em datas separadas, apenas em 2009. Na Mostra, eles serão exibidos em seqüência.

Link to comment
Share on other sites

Che - Mostra SP 2008

Steven Soderbergh busca o Ernesto de la Serna Guevara por trás do mito

30/10/2008

 

poster.jpg

Ernesto Guevara de La Serna, o "Che": Uma das figuras mais imediatamente reconhecíveis do século 20. Uns o vêem como um exemplo, um ideal, outros como assassino romantizado. Mas, independente de como o guerrilheiro, escritor e médico argentino seja visto, sua importância histórica é inegável. O cineasta Steven Soderbergh também tem sua visão própria do ícone, mas optou por mostrar nas telas a história do homem, não o mito.

Em seu épico de 4 horas e meia, o diretor que mais alterna superproduções e filmes autorais em Hollywood (ele vai de Onze Homens e um Segredo a Bubble, de Traffic a Full Frontal) acompanha Che desde o primeiro encontro com Fidel Castro em 1956 até a morte na Bolívia em 1967.

É uma cinebiografia, sim, mas uma que não faz as infames concessões mercadológicas que costumam arruinar produções do gênero. Não vemos "os amores de Guevara". Não o temos um momento sequer em poses consagradas, como as famosas imagens registradas pelas lentes de Alberto Korda. Não são amenizados os crimes cometidos em nome da liberdade. Não há hiperdramatização. O Che de Soderbergh e do protagonista Benicio Del Toro (Coisas Que Perdemos Pelo Caminho) não é uma idéia, mas um homem movido por uma.

A primeira metade do longa, que será lançado em duas partes pela inviabilidade da duração proposta, cobre, com um belo formato Scope digital e quase sem trilha sonora, os anos da revolução cubana. Batizado Che (The Argentine), o filme tem estrutura não-linear, saltando entre a turnê de Guevara por Nova York em 1964 e seu famoso discurso na ONU (gravados em preto e branco granulado), a viagem do barco Granma (que levou 82 revolucionários à ilha caribenha) e as batalhas para derrubar o regime de Fulgencio Batista. O segundo filme, Che - A Guerrilha (Guerrilla) faz uma breve recapitulação dos seis anos que se passaram desde o primeiro segmento e começa com Che chegando à Bolívia.

Apesar de contarem uma grande história, os dois filmes têm tons distintos. Enquanto o primeiro parece mais otimista e acelerado, o segundo - linear e alternando saturações de cores - é mais sombrio e contemplativo, retratando a seqüência de derrotas físicas e morais de Che e seus comandados na América do Sul. Soderbergh em alguns momentos se parece até com Terrence Malick em Além da Linha Vermelha, parando para observar o vento nas copas da árvores, os campos, as ravinas em que Che encontraria seu fim.

Tecnicamente, o filme é perfeito. O digital em alta definição (que provavelmente viabilizou o custo) funciona perfeitamente bem. Mais que isso, o filme é lindo (infelizmente, porém, a cópia que assisti tinha problemas de foco no canto esquerdo). Soderbergh superou-se não apenas como diretor, mas também como fotógrafo. E o roteiro de Peter Buchman e Benjamin A. van der Veen, inspirado nos diários do próprio Guevara, tem momentos de pura genialidade, como o final do primeiro ato, às portas da capital cubana. Capitaneado pelo inspiradíssimo Del Toro (impossível pensar em alguém melhor para o papel), o elenco eclético conta com Catalina Sandino Moreno, Demián Bichir, Rodrigo Santoro, Julia Ormond, Lou Diamond Phillips, Franka Potente e Benjamin Bratt, entre dezenas de outros. Não há pontos fracos.

Simples e honesto, Che resulta em um trabalho quase documental, contando como viveu e morreu o ícone. Se Guevara foi mesmo o "Guerrilheiro Poeta" romantizado ou um assassino que ajudou a substituir um regime por outro, cabe a cada espectador decidir.

 Excelente crítica do Omelete, ja dá para sentir uma certa expectativa positiva em relação ao filme
Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...