Jump to content
Forum Cinema em Cena

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 02/20/20 in all areas

  1. 3 points
  2. 1 point
    Jorge Soto

    Mulher Hulk

    https://mobile.twitter.com/MCU_Direct/status/1232073559440318465 RUMOR: is reportedly searching for an “Alison Brie-type” actress to cast as the MCU's #SheHulk! http://bit.ly/3ceVgB4
  3. 1 point
    SergioB.

    Qual Livro Você Está Lendo?

    Vou seguir a indicação do @Gust84 e ler "Misto-Quente", um romance de formação, no estilo direto e marginal de Bukowski. Ele, um Beat sem turma, eu diria; uma alma mais solitária. "Que tempos penosos foram aqueles anos - ter o desejo e a necessidade de viver, mas não a habilidade"
  4. 1 point
    Um usuário no Reddit garante que uma imagem compartilhada na rede social é de The Batman, próximo filme do icônico herói. A foto traz um assassinato perturbador. Apesar da cena não estar clara, os fãs podem ver uma pessoa morta com um saco plástico na cabeça. O item parece trazer uma mensagem. Por conta disso, os internautas especulam que o assassinato é obra do Charada, que costuma deixar pistas misteriosas nos crimes dele. O vilão está confirmado no filme da DC. O que pode confirmar a imagem como de The Batman é a poltrona em que a pessoa está. Fotos compartilhadas pelo diretor Matt Reeves trazem o móvel. NO MORE LIES ta escrito
  5. 1 point
    Não tem razão técnica nenhuma para ver no cinema. Me arrependi. Podia ter ido ver o filme do Pelé.
  6. 1 point
    Jorge Soto

    Liga da Justiça (2017) #2

    visu descartado do Aquamoa pro filme...mil vezes melhor do que foi pras telas..
  7. 1 point
    Assisti. Achava que seria pior, mas não achei bom, haha. Esse universo DC é muito vazio. Não tem ninguém a não ser eles mesmos, nada importa a não ser eles mesmos.
  8. 1 point
    Questão

    Doutor Sono (Mike Flanagan)

    Eu tive essa impressão inicial também, mas depois da cena em que o Danny encontra o fantasma do Jack no hotel (e achei muito bom fazerem Recast ao invés de lançarem um Deep Fake do Jack Nicholson na cara de um dublê) eu já mudei de ideia. Aquele momento em que o Jack diz que a bebida era o remédio pra escapar das bocas "bocas que comiam tudo. Bocas que comiam dinheiro, bocas que comiam tempo, e tudo mais que ele tinha", já me fez acreditar que o Jack desse filme é o mesmo Jack do Kubrick/Nicholson que se sentia aprisionado pela própria família.
  9. 1 point
    Tensor

    Doutor Sono (Mike Flanagan)

    Fiquei impressionado como ele serve tanto como continuação do filme do Kubrick quanto do livro do King. Ele é respeitoso quanto aos dramas que o King criou e respeitoso quanto ao plot do filme de 80. Claro, ele tenta tratar como se o Jack Torrance do Kubrick fosse um pai amoroso dominado pela bebida, enquanto o filme do Kubrick é muito mais sobre um homem enfadado com sua família. A bebida é uma consequência de viver em uma estrutura familiar tão desagradável e repulsiva (pra ele). Mas ok, dá pra relevar isso porque é tão narrativamente envolvente. Tem momentos de agonia legítima, como esse início que o Questão citou. SPOILER E quando a trilha pulsa ao chegam no Overlook... UOU. Não é de se admirar que sangue vaze daquele elevador. Gostei muito.
  10. 1 point
    Questão

    Brinquedo Assassino (Remake)

    Mas ai você limita o suspense e o terror apenas a questão do embate físico com o boneco (que é onde o Chucky menos funciona, mesmo em seus melhores momentos) além de desconsiderar totalmente a questão da direção, já que uma premissa aparentemente superior pode ser mal executada, e uma premissa aparentemente superior pode ser bem executada, gerando assim um produto inferior. Como a gente vem discutindo ao longo de vários tópicos em um debate de proporções épicas (hahaha) terror é montagem (não estritamente no sentido de montagem de planos, é bom esclarecer), e a premissa é só um elemento dessa montagem. Os embates físicos com o Chucky sempre foram a parte menos funcional da série justamente pelo que você falou (que também tá presente no Chucky robô, pois no fim do dia, o personagem tem que sair na porrada com ele pra sobreviver). Mas o terror em torno do personagem não gira só em torno de si. O personagem, como bem utilizado, parte do suspense hitchcockiano. Usando a metáfora de Hitchcock, ele é uma bomba relógio embaixo da mesa. O publico sabe que aquela bomba tá ali, os personagens ou não sabem, ou não tem certeza. E isso é suspense que funciona pro Chucky independente de ele ser um boneco sobrenatural ou ser um boneco tecnológico. A cena abaixo é um baita exemplo. Acho essa uma puta cena, até o desenlace quando o Chucky efetivamente se revela, ai o negócio já envelheceu mal. Mas a construção da cena até esse momento é ótima. E tirando um ou outro fator, não faz diferença se o Chucky é fruto do sobrenatural ou de tecnologia aqui.
  11. 1 point
    primo

    The Batman (Matt Reeves - 25/06/2021)

    rapaz... o Reeves tá mandando muito bem nas referências. Se a direção der aquele contorno épico que ele tacou na franquia dos Apes... boto fé demais!
  12. 1 point
    Questão

    Obituários (in memoriam)

    Que pena Seus filmes eram de uma ousadia fantástica, e foi responsável por apresentar o terror pra muita gente com o saudoso "Cine Trash". Vá em paz.
  13. 1 point
  14. 1 point
  15. 1 point
    Jailcante

    19 Dias de Horror

    A Filha do Demônio (La Setta/The Sect, Dir.: Michele Soavi, 1991) 2/4 Considero que seja (meio que) um 'gialio' sobrenatural. Tem um tom meio 'A Hora do Pesadelo', que me agrada. Tem referências a Evil Dead (a câmera correndo), Hellraiser e, claro, O Bebê de Rosemary. No geral, funciona, só não me agradou que tem uns simbolismos aqui que nem o diretor deve saber do que se trata, simplesmente pôs lá e fim. Citaria (soft spoilers): o negócio azul que sai da água que não sei o que aquilo acrescentou ou representa ou significa, e a uma cena bizarra com um pássaro gigante (que pelamordedeus, pra quê isso? Enfim) **Curiosidade é que o filme foi roteirizado pelo Dario Argento e a atriz protagonista é irmã da Jamie Lee Curtis. O Médico e a Irmã Monstro (Dr. Jekyll & Sister Hyde, Dir.: Roy Ward Baker, 1974) 3/4 Essa é a primeira vez que vejo uma adaptação dessa história de "O Médico e o Monstro" e logo essa, que tiraram o monstro e colocaram o médico virando uma mulher sedutora e assassina. Mas funcionou porque coloram elementos de "Jack O Estripador" que dá uma ambientação bem boa e soturna da Londres do século XIX (curto essa ambientação). Problema é que a versão 'monstro' acaba não sendo muito diferente da versão 'médico'. No original, não sei como é, mas aqui o médico também é assassino impiedoso, aí quando surge a versão monstro (a mulher) não fica muito diferente do médico (o conflito do médico com a mulher é que ela acaba querendo matar os amigos dele). Enfim, não deixa de ser uma versão meio bizarra da história, mas que até funciona bem (e ainda bem que foi feita nos anos 1970, porque se fosse hoje, seria acusada de "lacração" hehehehe). O Dia da Besta (El Día de la Bestia, Dir.: Álex de la Iglesia, 1995) 3/4 Esse aqui achei bem divertido mesmo. Sobre um padre que descobre o dia do fim do mundo e vai atrás de matar o Anticristo pra evitar isso. Mesmo com o padre cometendo vários absurdos (ele quer ficar mal pra poder se aproximar do diabo), nem em um segundo não se torce por ele. Acaba se juntando a ele, um fã de heavy metal e um ocultista que tem um programa de TV. Todos personagens legais, e situações também bem legais. Só não achei bom a finalização (Spoiler: não é o padre que mata o anticristo, mas um grupo de 'justiceiros' da cidade, ou seja, o padre poderia ter ficado sem fazer nada que daria tudo na mesma), mas ok. O filme é bem divertido.
  16. 1 point
    SergioB.

    Oscar 2020: Previsões

    "Viva o cinema Internacional!" (mas, em verdade, os cineastas brasileiros, em sua maioria, são a favor de aumento das cotas para filmes nacionais):
  17. 1 point
  18. 1 point
    Jorge Soto

    Drácula: Os Filmes

    Quando Dracula encontra Dracula
  19. 0 points
    Jorge Soto

    Obituários (in memoriam)

    Morreu o mestre do terror tupiniquim, Ze do Caixão, aos 83 anos😭 https://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2020/02/19/ze-do-caixao-ator-e-diretor-morre-aos-83-anos.ghtml José Mojica Marins, o Zé do Caixão, morre aos 83 anos Mestre do terror brasileiro dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes. Morte do ator e diretor foi confirmada pela filha de Mojica, a atriz Liz Marins, nesta quarta-feira (19). O ator, diretor e roteirista José Mojica Marins, conhecido pelo personagem Zé do Caixão, morreu aos 83 anos, vítima de uma broncopneumonia. A morte foi confirmada pela filha de Mojica, a atriz Liz Marins, nesta quarta-feira (19). Ele morreu às 15h46, no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo. O cineasta estava internado desde o dia 28 de janeiro para tratar de uma broncopneumonia. O velório deve acontecer no Museu da Imagem e do Som (MIS) na quinta-feira (20), em cerimônia aberta ao público. Mojica deixa sete filhos. Mestre do terror brasileiro Filho dos artistas circenses Antonio André e Carmen Marins, José Mojica Marins nasceu no dia 13 de março de 1936, em São Paulo.Mojica dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes. Seu interesse pelo cinema de terror escatológico começou nos anos 1950, mas foi em 1964, com o filme "À meia-noite levarei sua alma", que ganhou o apelido de Zé do Caixão. Seu personagem mais famoso, o agente funerário sádico com roupas pretas, cartola, capa e unhas longas, ainda aparece em "Esta noite encarnarei no teu cadáver" (1967), "O estranho mundo de Zé do Caixão" (1968) e "Encarnação do demônio" (2008). Mesmo conhecido como o mestre do terror no cinema brasileiro, Mojica trabalhou com outros gêneros, como aventura, faroeste e pornochanchada. Ele também influenciou o movimento do cinema marginal nos anos 1960. Quando tinha 17 anos, fundou a Companhia Cinematográfica Atlas, que produziu filmes amadores. O primeiro longa-metragem foi “A sina do aventureiro”, de 1958.Em 1963, escreveu a história de “Meu destino em tuas mãos” e procurou o cineasta Ozualdo Candeias para fazer o roteiro, mas o colaborador não foi creditado. O personagem Zé do Caixão, conforme Mojica contou em várias entrevistas, surgiu para ele durante um pesadelo, em que um homem de capa preta o arrastava para um túmulo. A primeira aparição do Zé do Caixão no cinema foi em "À meia-noite levarei sua alma", de 1964. Nos Estados Unidos, ele ficou conhecido como “Coffin Joe”. Segundo o site oficial do personagem, Josefel Zanatas era o nome verdadeiro de Zé do Caixão. O coveiro era filho de um casal dono de uma rede de agências funerárias. Por isso, o pequeno Zé do Caixão cresceu como uma criança muito sozinha e discriminada pelos colegas por causa da profissão dos pais. A biografia ainda diz que Zé do Caixão é um “homem sem crenças, não acredita em Deus nem no Diabo, só acredita nele mesmo, acha que é o único que pode fazer justiça”. Com o sucesso, o personagem começou a ser confundido com o seu próprio autor. No anos 1990, o Zé do Caixão apresentou o “Cine Trash”, na Rede Bandeirantes. Ele também comandou um programa de entrevistas no Canal Brasil, "O estranho mundo do Zé do Caixão", que estreou em 2008 e teve sete temporadas. Em 2014, José Mojica sofreu um infarto e passou por uma angioplastia e colocou três stents (bubos de metal para melhorar o fluxo sanguíneo da artéria) no coração. Ele voltou a ser internado no mesmo ano em razão de uma piora nas funções renais. Desde então, ele se manteve mais afastado da mídia.

Announcements

×
×
  • Create New...