Jump to content
Forum Cinema em Cena

Conduta de Risco


Recommended Posts

Olá pessoas, Pablo, e agregados leitores. Estou doido para ver esse filme. Adoro o gênero, gosto de Clooney, e considero o roteiro que Tony Gilroy escreveu para O Ultimato Bourne sensacional.

E faço duas perguntas: Clooney merece uma indicação ao Oscar? E Tilda Swinton também?
Link to comment
Share on other sites

Bom gostei do filme, não tanto quanto o Pablo (existem coisas que o Pablo adorou, achou "sutil" e eu achei justamente o contrário ... a cena dos cavalos, a sequência dos objetos nas mãos de Clayton, o núcleo familar) ...

 

O elenco do filme é realmente muito bom. Clooney manda muito bem, porém eu me nego a acreditar que não há no mínimo 5 atuações no ano melhores do que a dele. É uma boa atuação, correta, mas nada que justifique uma indicação. Agora, a Tilda Swinton é um caso a se pensar. Ela se destaca mesmo com pouco tempo em cena, é coadjuvante e para esta categoria, a indicação seria bem-vinda, mas mesmo sabendo quais são as outras 4 possíveis candidatas, é atuação apenas para constar, não é pra ganhar.
Link to comment
Share on other sites

Gostei muito justamente porque o modo como ele foi feito o diferencia muito os filmes com tema semelhante.

Entretanto, o "mistério" do roteiro em mostrar os fatos deixou o filme muito monótono nos primeiros 30 minutos. Depois o filme engata e se sai muito bem.

 

Quanto Às atuações. Todas ótimas, mas digo que a atuação do Wilkinson na conversa com o Clooney no bequinho quando ele está segurando o saco de pães... só aquele diálogo mostrou da parte do Wilkinson atuação muito melhor que o Clooney no filme inteiro. Não estou dizendo que o Clooney estava mal, longe disso, estava ótimo. Mas o Wilkinson e Tilda Swinton estavam ainda incrivelmente melhor.

 

Link to comment
Share on other sites

Pablo, apesar de concordar que o final poderia ser mais realista e, por consequencia, mais contundente, não pude deixar de me maravilhar com a sensibilidade da sequencia final, já nos créditos, dando close no rosto de Clooney. Duas questões chamaram-me a atenção: o talento do ator, que demostra claramente os sentimentos que passam pela sua cabeça; e o comportamento do público, aonde a maioria dos presentes (cerca de 80%) retirou-se já no início dos créditos, revelando total falta de sintonia com o filme ou falta de sensibilidade mesmo. Mostra claramente como o público comum não consegue se envolver com estórias bem contadas e que não possuem, necessariamente, um ritmo mais vertiginoso. Senti-me isolado e pus-me a pensar: que tipo de pessoas vão ao cinema hoje em dia? o que elas estão buscando? certamente não estão em busca de boas estórias, mas sim em puro entretenimento, diversão superficial e descompromissada. Não dá para não se incomodar!

Abs, Ricardo Castanheira
Link to comment
Share on other sites

Olá de novo. Finalmente, assisti o filme.

Primeiro agradeço pelos comentários que foram deixados pela minha pergunta.

Segundo, um parabéns especial para o sujeito acima, Ricardo Castanheira; grande reflexão, na sessão que eu fui pelos metade das pessoas ficaram enquanto o rosto de Clooney ainda aparecia.

E em terceiro, sobre as atuações, acho que a maioria concorda comigo, visto que só reforço as opiniões já postadas aqui: Clooney está muito bem, mas Swinton e Wilkinson estão soberbos. Realmente, acho difícil que Clooney seja indicado ao Oscar, mas Swinton merece.
A propósito, não me incomodei com o desfecho do longa. Para mim não ficou irrealista. Dou 4 estrelas.

Ghuyer.
Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

 

Gostei muito justamente porque o modo como ele foi feito o diferencia muito os filmes com tema semelhante.

Entretanto' date=' o "mistério" do roteiro em mostrar os fatos deixou o filme muito monótono nos primeiros 30 minutos. Depois o filme engata e se sai muito bem.

 

Quanto Às atuações. Todas ótimas, mas digo que a atuação do Wilkinson na conversa com o Clooney no bequinho quando ele está segurando o saco de pães... só aquele diálogo mostrou da parte do Wilkinson atuação muito melhor que o Clooney no filme inteiro. Não estou dizendo que o Clooney estava mal, longe disso, estava ótimo. Mas o Wilkinson e Tilda Swinton estavam ainda incrivelmente melhor.

[/quote']

 

Nossa, eu já estava achando que somente eu tinha achado essa cena do beco fantástica. O Wilkinson muda sua expressão em segundos, demonstrando para o Michael Clayton que ele não é muleque, e a frase que ele solta é demais.

Inté!

 

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Mais um filme que tanto falam e eu, particularmente, acho mediano.

 

 

 

É um filme de conversas perspicazes e inteligentes, e por ter conversas inteligentes que o filme "escorrega" na veracidade dos fatos... inteligente de um lado, ignorante de outro!!! Vejamos alguns fatos "estranhos"...

 

 

 

1º) A crise de consciência do Arthur... trabalhou tantos anos na loucura do mundo da advocacia e do nada, ficou doido e tentou fazer a "coisa certa"... ainda se fosse só isso tudo bem

 

 

 

2º) Os profissionais que matam o Arthur... cena bonita que passa a imagem de profissionalismo do assunto, mas de prós não tem nada. O Arthur lê claramente o Memo e os "profissionais" nem pra "limpar" a casa, deixando pistas óbvias para o Michael descobrir...

 

 

 

3º) Os "profissionais", de novo, conseguem se perder do carro do Michael... feião

 

 

 

4º) Michael Clayton "morreu" com a explosão??? Um carro pegando fogo com relógio e crachás é certeza da morte de alguém, cadê o corpo??? Existe a máxima... "sem corpo não a morte"

 

 

 

5º) Em nenhum momento Michael disse que iria entregar a todos, até tinha o cláusula de silencia e tal, e decidiram matar... fácil assim

 

 

 

6º) Uma coisa é matar um doido e parecer suicídio, outra é matar outro advogado num carro bomba, este ainda irmão de polícia, como se ninguém fosse investigar a morte suspeitas de dois advogados de uma mesma firma... matar um advogado ainda beleza, dois é incoerente com a realidade

 

 

 

Por ser um filme, supostamente, baseado em fatos possíveis, os "furos" enfraquecem e muito o filme.

 

 

 

Tony Gilroy acertou muito mais em ADVOGADO DO DIABO, este último puta filmão. George Clooney sim faz o possível para passar a insatisfação do personagem, apesar do filme ser irregular, sua atuação chama bastante atenção.

 

 

 

Me surpreende o Pablo Villaça, sagaz, não chamar atenção para os erros

 

 

 

Nota 6,00 pela boa atuação de Clooney!!!

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...
  • 2 months later...

recentemente estava revendo "o articulador" com pacino e não pude deixar de notar algumas semelhanças na trama, os dois são formados em direito, no entanto ganham a vida, limpando a sujeira ou bancando a babá de pessoas influentes, ambos possuem uma vida pessoal arrasada... clooney e seu vicio no jogo, e pacino com seu vicio em drogas, ambos gostariam e até chegam a planejar um jeito de sair daquela vida, mas fatores alem deles (considerando que seus excessos, leia-se vicios, acabam sendo mais fortes do que eles mesmos) os mantêm naquela situação incomoda, e o mais importante ambos se veem lidando com uma informação que vai mto alem do tipo de sujeira que estão acostumados a lidar, resultando em consequencias desastrosas e tambem o incrivel fato que os portadores iniciais dessa informação am ambos os filmes, tom wilkinson por "conduta" e tea leoni por "articulador", ambos acabam assassinados da mesma forma, com seus algozes simulando uma overdose acidental...Diogo Simões2008-04-12 17:03:26

Link to comment
Share on other sites

Agora' date=' a Tilda Swinton é um caso a se pensar. Ela se destaca mesmo com pouco tempo em cena, é coadjuvante e para esta categoria, a indicação seria bem-vinda, mas mesmo sabendo quais são as outras 4 possíveis candidatas, é atuação apenas para constar, não é pra ganhar.[/quote']

13131313131313131313131313
Diogo Simões2008-04-14 04:58:00
Link to comment
Share on other sites

1º) ele não ficou doido do nada, ele era maníaco-depressivo, esquizofrênico, que desde que estivesse sob sua medicação podia levar uma vida “perfeitamente normal”, incluindo ai o pleno exercício de seu oficio... repare na cena em que o próprio Michael Clayton diz isso ao Arthur, logo apos o mesmo ter dito em tom eloqüente  “EU SOU SHIVA, O DEUS DA MORTE”. O próprio clooney não advogava exatamente ele era uma espécie de babá e pau pra toda obra da firma, enquanto as brilhantes habilidades jurídicas do personagem do Wilkinson, como o filme frisa mais de uma vez, compensavam esse cuidado e risco.<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

2º) os tais profissionais não possuíam conhecimento jurídico necessário para escrutinar TODO o apartamento, e eliminar o que poderia ser evidencia ou não em tempo hábil, isso pq eles não sabiam quanto tempo possuíam mais sem serem incomodados, e seria muita inocência presumir que tal informação estaria guardada SOMENTE (como posteriormente confirmaremos tal afirmação) no apartamento dele, simular um incêndio, seria muito mais suspeito do que uma overdose, e alem do mais casos, como esse acontecem no mundo real a todo o momento, qualquer outro associado da firma que assumisse o caso, simplesmente omitiria tal informação dos autos e prosseguiria com o processo naturalmente, a informação não precisaria necessariamente sumir, desaparecer para todo o sempre, só era preciso que ela não permanecesse nas mãos de um esquizofrênico com peso na consciência.

 

3º) como em qualquer outra coisa na vida, uma perseguição a carro envolve diversas variáveis, que vc não pode controlar, sinais, outros motoristas, no caso também a necessidade de não ser percebido, alem do que pra trama prosseguir era necessário que eles perdessem o Clayton de vista, então reclamar disso é um pouco de preciosismo demais da sua parte

 

4º) Clayton não precisava de um atestado de óbito, ele não queria sumir da face da terra só queria algumas horas para poder ajeitar as coisas e colocar algum plano em ação... acredito que ainda naquele ponto do filme ele não estava mto certo sobre o que fazer com o que tinha nas mãos... deve ser muito tentador ter tal informação nas mãos... e um dialogo que ele mantêm no final com a tilda swinton é bem revelador a respeito do tipo de caráter dele....”EU NÃO SOU O TIPO DO CARA QUE VOCÊ MATA, SOU O TIPO DE CARA QUE VOCÊ COMPRA!!” e ainda hoje acho que esse dialogo resume bem a personalidade do personagem, se o filme fosse mais honesto com o Clayton faria ele aceitar a grana e se odiar depois... podia até sendo perdendo o ultimo vintém numa mesa de poker, uma espécie de auto punição.

 

5 e 6º) ele não disse nada a ng, porem suas atitudes o denunciaram, qd os “profissionais” seguiram ele até uma gráfica e descobriram milhares de impressões do dossiê, (não só os profissionais mas tb o Clayton)... o que vc acha que a swinton pensou ao ser informado sobre isso?..... com certeza não foi algo assim....”ele é só um amigo enxerido que deu de cara com algo alem dele, esse cara é maleável”, obvio que não, prática como ela é deve ter pensado...”ele era amigo pessoal do arthur, ficou encarregado do mesmo, após o ataque esquizofrênico, o Arthur contou algo a ele, ele sabe do nosso problema, vai nos prejudicar de alguma forma, chantagem ou publicamente, não importa, já matamos um não é mesmo? quão mais fundo podemos ir? Não muito mais... bom ele é um jogador crônico, ta endividado com pessoas que não são gentis....uma explosão parece bem coisa de gangster!” pronto ta decidido...

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...