Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Nacka
 Share

Recommended Posts


The Great Alligator (Il fiume del grande caimano' date=' Sergio Martino, 1979)


Rip-off italiano de Jaws que diverte e muito pela vagabundice. É interessante notar que esse martino não é um estúpido completo. Aparentemente ele tem nada de grana e apenas entrega o que dá pra fazer. Vale também pela Barbara Bach.

[/quote']

 

Nem de longe, ele fez mais de uma centena (?!) de filmes - e esse é um produto da da fase "fazendo qualquer merda por um troco". Os giallos da sua fase "clássica" (início dos anos 70), porém, são fodas - principalmente "Your Vice is a Locked Room and only I Have the Key", "All The Colors of the Dark" (esses são OPs) e "Torso", que veio na garupa de "Bay Of Blood" do Mario Bava e é um dos precursores do slasher.
Link to comment
Share on other sites

The Great Alligator (Il fiume del grande caimano' date=' Sergio Martino, 1979)Rip-off italiano de Jaws que diverte e muito pela vagabundice. É interessante notar que esse martino não é um estúpido completo. Aparentemente ele tem nada de grana e apenas entrega o que dá pra fazer. Vale também pela Barbara Bach.[/quote']

 

Nem de longe, ele fez mais de uma centena (?!) de filmes - e esse é um produto da da fase "fazendo qualquer merda por um troco". Os giallos da sua fase "clássica" (início dos anos 70), porém, são fodas - principalmente "Your Vice is a Locked Room and only I Have the Key", "All The Colors of the Dark" (esses são OPs) e "Torso", que veio na garupa de "Bay Of Blood" do Mario Bava e é um dos precursores do slasher.

 

Putz, sempre quis ver esse.

 

 

 

Mas o Martino não é nem um pouco estúpido não. Ele consegue alternar a esperteza e a bagaceirice do exploitation (Torso) com um cinema do mais absoluto refinamento (como em Todas as Cores da Escuridão). Veja esse que o Schon citou, Teu Vício é um Quarto Fechado e só Eu Tenho a Chave (títulos de giallos 16.gif). É uma coisa indefinível de genial, um dos mais surtados de todos os tempos.

Link to comment
Share on other sites

 

O Extermínio (28 Days Later, Juan Carlos Fresnadillo, 2007) - Bom filme, mas infelizmente começa a ficar bobo com os militares. Até ali estava tudo perfeito, o clima apocalíptico da cidade evacuada e das criaturas que de fato criam um bom suspense, como elemento imprevisível e ameaçador (o que faltou em 'Eu sou a Lenda'). Os atores também ajudam. Gostei da direção e da forma que as criaturas aparecem, sem soar gratuito e obrigatório apenas para ter ação.

 


Esse filme é sensacional' date=' mas não acredito que você não tenha gostado pelo menos dos minutos iniciais...a camera passeando ao redor quando ela sai para o quintal da casa....a fuga....

[/quote']

Foi logo no início que achei que o filme seria ruim... É a tradicional câmera mostrando os lugares da casa durante à noite e se aproximando lentamente da porta. Muito comum em vários filmes, assim como a fuga... Nada de mais. Quando ela sai para o quintal, o diretor já havia estragado tudo com aquela empolgação e pressa em querer mostrar algum ataque. Bem fraquinho.
Link to comment
Share on other sites

 

O Extermínio (28 Days Later' date=' Juan Carlos Fresnadillo, 2007) - Bom filme, mas infelizmente começa a ficar bobo com os militares. Até ali estava tudo perfeito, o clima apocalíptico da cidade evacuada e das criaturas que de fato criam um bom suspense, como elemento imprevisível e ameaçador (o que faltou em 'Eu sou a Lenda'). Os atores também ajudam. Gostei da direção e da forma que as criaturas aparecem, sem soar gratuito e obrigatório apenas para ter ação.

 
[/quote']

 

Vc viu qual, afinal?06

 

28 DAYS later (de 2002, do Danny Boyle) ou 28 WEEKS later (esse sim de 2007, do Fresnadillo, continuação do de Boyle)?
Link to comment
Share on other sites

nomeiodomundo_05.jpg 

 

Fui ver este ontem, no Cinesesc. Não teria ido se tivesse lido a sinopse, mas foi bom. Em primeiro lugar, o fato de falarem português não justifica a ausência de legendas, os diálogos são ininteligíveis, é igualzinho conversa de porteiro.

Mas como o filme é muito bom, as imagens falam por si só, enfatizando a falta de perspectivas de uma população marginal, em um cenário nada promissor. É um tema bem explorado do cinema nacional, então o refresco vem da abordagem dos diretores, profunda, fluída e muito bem filmada. E a linha mal-traçada entre documentário e ficção.

 

No Meio do Mundo (Jean-Pierre Duret, Andrea Santana)
Stradivarius2010-06-14 15:08:38
Link to comment
Share on other sites

 

Em primeiro lugar' date=' o fato de falarem português não justifica a ausência de legendas, os diálogos são ininteligíveis, é igualzinho conversa de porteiro. 

 
[/quote']

 

Aconteceu isso comigo na minha sessão de Aquele querido mês de agosto. Sai depois de 20 minutos, não entendia nada.

 

O estranho é que isso não ocorreu em outros filmes, como Singularidades de uma rapariga loura, que o Festival do Rio exibiu com legendas eletrônicas.
Link to comment
Share on other sites

Português de Portugal muitas vezes é complicado de entender mesmo. Ainda mais se for tipo na trilogia de Fontainhas do Pedro Costa, que tem uma galera do Cabo Verde, os caras falam quase em dialeto. É mais fácil entender espanhol por assimilação do que aquela porra, hehe. 

 

Link to comment
Share on other sites

Evil dead 2 (Sam Raimi)

 

Que beleza é esse filme. No humor e no horror, não possui estribeiras e frequentemente alcança em um mesmo momento tanto o medo quanto as risadas (o clímax é maravilhosamente tosco e surtado). Apesar de gostar muito de Um plano simples e Rápida e mortal, eu não me importaria nada se o Raimi passasse o resto de sua carreira dirigindo terrirs.
Link to comment
Share on other sites

 

 

g_filhos%20do%20paraiso.jpg

 

 

Filhos do Paraíso <?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Simples e emocionante. Uma história que podemos ver em qualquer país pobre: o dilema de se possuir apenas um par de sapatos e o que fazer caso o perdesse. Em cima dessa questão gira a saga do menino Ali (Amir Farrokh Hashemian) ao se dar conta que perdeu o único par de sapatos da irmã Zahra (Bahare Seddiqi). Uma questão que poderia ser facilmente compartilhada com os pais para encontrar uma solução é mantida em segredo entre os irmãos em uma cumplicidade linda. A bela relação entre os membros da família e a solidariedade entre os vizinhos em um sistema de reciprocidade encanta. A solução encontrada pelas crianças faz com que o filme ganhe ritmo ao mesmo tempo nos envolve e nos insere na trama. A luta para se conseguir um novo par de sapatos não tira das crianças o prazer pelo lúdico, à beleza da cena em que eles lavam o tênis nos mostra o prazer de ser criança e de por alguns momentos não ter preocupação com nada! O fim é belo, apesar de algumas pessoas acharem que é um desfecho simples, eu prefiro assim, a felicidade vista (sentida) nas entrelinhas de uma cena.

FilmeFilhosDoParaiso.jpg

Link to comment
Share on other sites

 

 

Sex-and-the-City-2-Photo.jpg


Sex and The City 2 (Michael Patrick King, 2010) - 2


Bah... O mais legal do seriado era justamente a amizade das quatro, e nesse aqui isso parece tão distante, tão fraco e superficialmente explorado (poucas vezes realmente focam nisso de forma mais bacaninha, como a cena da foto). O filme praticamente foca em uns dramas pessoais bem bobildos, como o da Charlotte preocupada com a babá gostosona e a Carrie em uma TPM quase que eterna, e isso pq o cara decide relaxar no sofá. A mulher ta um porre, a Miranda não existe nesse, e a Samanta até que tenta salvar o dia, mas não é o suficiente. Incrível como tudo é praticamente bem mais desinteressante do que o apresentado no seriado. E falando em superficial, nossa, deprimente a execução do lance de "mulheres, libertem-se da tirania dos seus machos!" e como fazer isso? se entupindo de Dolce & Gabbana e Armani. Nada contra filmes fúteis, desde que eles não sejam apenas isso.


tudo+pode+dar+certo.jpg


Tudo Pode Dar Certo (Woody Allen, 2009) - 8,5


Baita Allen. Sei lá o que o pessoal tem contra os filmes do cara dessa década, pra mim ainda são ótimos, e esse aqui só confirma. O Allen reconstrói toda sua persona já exaustivamente encarnada e eleva o negativismo, o pessimismo e o rabugentismo pra um nível insuperável. O Larry David aqui é apenas o lado podre do Allen, o vômito dele, o cara colocando pra fora toda a mediocridade que ele enxerga na sociedade, a incoerência emocional, e etc. E o Allen fala pra platéia, apontando o dedo pra cara. Tem como não curtir um personagem assim? Nem tem.


bring-me-the-head-of-alfredo-garcia.jpg


Tragam-me A Cabeça De Alfredo Garcia (Sam Peckinpah, 1974) - 10


Primeira metade o Peckinpah faz um road movie delicioso, do cara e sua garota partindo pela estrada em busca da cabeça que lhe fariam ricos, e a condução disso é sensacional. Ele cria um romance latino apaixonante por aqueles asfaltos, criando um questionamento bem razoável de que se realmente o destino da viagem é tão necessário e válido (daquele tipo se eles já não têm tudo do que precisam e blábláblás). E quando finalmente chegam, e a merda acontece, vira uma carnificina pra macho, um filme de vingança pra ser pego como exemplo. São muitos filmes e axplorarem esses dois sentimentos, amor e vingança, mas dos que assisti, esse é o que consegue ser o mais intenso em ambas as partes.


human-cent.jpg


A Centópeia Humana (Tom Six, 2010) - 7


Pra mim se saiu muito bem, já que conseguiu atingir a proposta: é revoltante e angustiante a maioria do tempo. E o mais legal é a personalidade totalmente surtada do doutor, um psicopa doentio que causa calafrios mesmo.


pagando_bem_que_mal_tem_cena.jpg


Pagando Bem, Que Mal Tem? (Kevin Smith, 2008) - 5,5


Me decepcionou um pouco, principalmente sendo uma comédia de quem é. Começa muito bem, momentos engraçadissímos (star wars), mas depois que o filme descamba pro emocional, que o sentimento é envolvido... bah, cai muito, e fica por aí. Bacaninha, e só.


brilho.jpg


Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (Michel Gondry, 2004) - 8,5


Melhorou ainda mais nessa revisada. É comovente mesmo ver as lembranças sendo destruídas na mesma proporção em que o arrependimento pelo ato vai crescendo, angusitante. E como reflexo disso um dos romances mais bonitos e espirituosos da década passada.


Escape_NY_1981_pdp.jpg


Fuga de Nova York (John Carpenter, 1981) - 9,5


Não lembrava que era tão bom! eu sempre coloquei o L.A. muito na frente desse, mas agora ambos estão quase pau a pau (mas L.A. ainda tem uma pequena vantagem). Putz, a foto disso aqui é monstruosa, o Carpenter transforma aquela Nova York em um bueiro mesmo, e a cena das pessoas saindo do chão é pra soltar gozinhos.


t2-25.jpg


O Exterminador do Futuro 2 (James Cameron, 1991) - 10


Esse eu não vou enjoar nunca. O tio Schwarza cria o fodidão mais cool ever, e o mais legal é que ele pode colocar toda essa fodidozidade contra uma das ameaças mais fodas ever, que é o T1000. Não fica desproporcional, é o confronto de dois gigante detonando tudo pela cidade, é ogro demais isso aqui. E o que faz eu curtir bem mais esse do que o primeiro é uma coisa muito simples: o humor. No primeiro o Terminator é algo bem mais sério, bem mais focado, bem menos espirituoso, já nesse não, o governador sabe que é foda e faz questão de demonstrar isso o tempo todo. E que trilha, pqp.


madrugada.jpg


Madrugada dos Mortos (Zack Snyder, 2004) - 8,5


Só a abertura com o som do Cash já vale o filme, mas ainda tem também uma faceta bem bacana e não tão explorada no filme de 78: a numerosidade dos sobreviventes no shopping faz o cara criar uns draminhas bem bacanas no meio da selvageria. Se no filme do Romero ele concentra toda a carga nos personagens principais, aqui o Znyder prefere brincar com o estereotipo, tratando cada um de forma superficial até, e apostando todas as fichas que o ambiente (mundo atacado por zumbis) é que dite a força aos personagens. São pessoas comum, vivendo suas vidas comuns em um ambiente cercado por mortos-vivos, e a idéia por si só já é divertida, e no filme fica também. Claro que não tem toda a profundidade criada pelo original, esse aqui é bem mais leve e em tom de brincadeira, mas diverte muito também.
Link to comment
Share on other sites

 

die_hard_070626_ms.jpg

Duro de Matar (1988) - 5/5 - dos 4 filmes das série este é o melhor disparado....a invasão do nakatomi plaza por terroristas e o esquema um contra todos já se tornou um clássico do cinema moderno...

 

crazy2010-06-16 14:37:22

Link to comment
Share on other sites

 

O Extermínio 2 - (28 Weeks Later, Juan Carlos Fresnadillo, 2007) - Melhor que o primeiro. Embora tenha mudado de diretor, continua fiel ao primeiro, agora não está pessimista e tem mais cenas de ação. Não uma ação qualquer, mas no contexto trágico da trama. Por isso que achei melhor ainda, o diretor não cria apenas cenas de gritaria e correria para forçar algum impacto, tudo que é mostrado faz sentido na trama e flui naturalmente. Os ataques acontecem naquele estílo de câmera tremida com cortes rápidos, isso costuma atrapalhar em alguns filmes e às vezes deixa a impressão de que está sendo usado para maquiar as deficiências do diretor nesse tipo de cena. Mas aqui isso não acontece, gostei da forma como tudo é mostrado, ótimo filme.
-THX-2010-06-16 15:37:31
Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...