Jump to content
Forum Cinema em Cena

A Visita (The Visit) Dir.: M. Night Shyamalan


skellington
 Share

Recommended Posts

 

 

Sinopse: Um garoto (Ed Oxenbould) e sua irmã (Olivia DeJonge) são mandados pela mãe (Kathryn Hahn) para visitar seus avós que moram em uma remota fazenda. Não demora muito até que os irmãos descubram que os idosos estão envolvidos com coisas profundamente pertubadoras que colocam a vida dos netos em perigo.

 

 

Não achei tópico...

 

Mas achei isso interessante: "Admito que estava cética", disse Alexa Hernandez, que viu "A Visita" em julho como participante da Comic-Con International na Califórnia. "Mas foi um dos melhores filmes de terror que já vi. E é engraçado." William Bibbiani, crítico de CraveOnline, escreveu no Twitter: "O melhor filme de Shyamalan em muito, muito, MUITO tempo".

 

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/08/1674545-apos-tropecos-m-night-shyamalan-acerta-em-a-visita.shtml

Link to comment
Share on other sites

Parece que ele voltou!!!!!! 68% no RT!

 

"Breaking news: M Night Shyamalan has made a film that's not rubbish."

"
While the production values are simple, the script is sneakily complex. Like the best horror merchants, Shyamalan exploits our secret fears - in this case, of old age, ill health and dementia."

 

"An unoriginal faux-doc horror picture that actually works like a demonic charm."

 

"M. Night Shyamalan's latest film may well have been his last chance at redemption. Fortunately, he rises to the challenge and makes The Visit good, scary fun."

 

"While The Visit doesn't always work, there's enough success in Shyamalan's bare-bones horror-dark comedy do-over to suggest he's learned hard lessons and taken these failures to heart."

Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...

A Visita | Crítica
M. Night Shyamalan adere ao found footage sem abrir mão de seu olhar
26/11/2015 - 16:56 MARCELO HESSEL.

Está muito claro o que A Visita (The Visit) pode fazer pela carreira de M. Night Shyamalan, cineasta que nunca deixou de imprimir seu traço nos filmes que dirige, mas já não desfruta do sucesso de seus primeiros suspenses. Ao se unir com o produtor de Atividade Paranormal, Jason Blum, e aderir aos terrores de found footage e baixo orçamento, Shyamalan pode fazer as pazes com o público num subgênero de apelo fácil e regras bem definidas.

A questão mais interessante é a oposta: o que Shyamalan pode fazer pelo found footage?

A trama faz uma releitura de João e Maria em tom de farsa. Dois irmãos decidem passar uns dias numa fazenda na Pensilvânia com os avós que eles nunca conheceram, para dar à sua mãe divorciada um tempo sozinha com o novo namorado. Enquanto viajam, a irmã mais velha, com aspirações a cineasta, convence o caçula a participar de um documentário sobre a família - parte do seu plano para reconciliar a mãe com os avós.

Na teoria, Shyamalan parece incompatível com o found footage: sua câmera no suspense sempre está interessada no extracampo, na sugestão do terror, nos sustos que aparecem pelas bordas do enquadramento, enquanto a estética amadora das filmagens encontradas raramente se dá ao luxo dessa mise-en-scéne sofisticada: o found footage se interessa pelo que se manifesta à sua frente, pelo point-and-shoot, e não necessariamente pelo mistério. Cada vez mais, os filmes de vigilância constante que vieram depois de Atividade Paranormal, como Amizade Desfeita, prescindem do ponto de vista do observador, e para Shyamalan esse ponto de vista sempre foi essencial.

O que ele faz em A Visita, então, é de fato tornar a câmera um personagem. Porque o found footage é um subgênero de apelo fácil, sim, mas já esgotado pelo uso constante e sem critério do estilo documental, em que os personagens justificam a presença da câmera de início, mas logo parecem esquecer de que estão diante dela. Já os dois protagonistas de A Visita - que aliás foram muito bem escolhidos e entendem bem o teor cômico que Shyamalan impõe a esse seu "terrir" - nunca se esquecem da presença da câmera. Nunca deixam de atuar.

O resultado é menos um terror feito para preencher a cota de Halloween entre as estreias hollywoodianas e mais um experimento de metalinguagem. Se A Visita toma a forma de uma farsa, é porque não parece haver outra maneira de fazer um filme "sério" (o documentário da menina, cheio de planos rebuscados, ensaiados) dentro de um filme "não-sério" (o terror que brinca com nossos sadismos) sem lidar com a comicidade dessa situação.

Acaba que Shyamalan faz um dos seus filmes mais descompromissados e divertidos, na medida para um público de multiplex, ao mesmo tempo em que seus apologistas encontrarão, com certa razão, muitas formas de interpretar A Visita como um filme-ensaio sobre o olhar no cinema contemporâneo. Faz tempo que o diretor não atendia a essas duas expectativas de forma tão satisfatória.

 

Ta  agradando os críticos não mas não unanimidade coletiva em cartaz nos cinemas, já nos cinemas 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...