Jump to content
Forum Cinema em Cena
Bruno Carvalho

Por Dentro de LOST

Recommended Posts

 Não há muitas garantia disso tb. Lembre-se de Bruno Campos. Já trabalhou em várias séries e nem ficou tão conhecido assim.

 Tá certo que nenhuma delas tem a fama de Lost, mas se for p/ ele participar de LOST e dizer aquelas frases sobre banheiros... afff! Tem dó!

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Não há muitas garantia disso tb. Lembre-se de Bruno Campos. Já trabalhou em várias séries e nem ficou tão conhecido assim.

 Tá certo que nenhuma delas tem a fama de Lost, mas se for p/ ele participar de LOST e dizer aquelas frases sobre banheiros... afff! Tem dó!
[/quote']

 

06

 

Ah, mas isso foi apenas o começo. O Mr. Eko nem falas tinha. 06 Se os produtores queriam ter ele por três temporadas, eu parto do pré suposto que o personagem traria alguma relevância pra história.

 

E as séries estão ganhando cada vez mais importância no cenário americano. Quem faz séries hoje em dia, transita pelo cinema sem dificuldade alguma, e vice versa. E o Rodrigo Santoro é bem mais ator que o Bruno Campos (que também é bom ator). E como você falou, nenhuma série do Bruno Campos, teve o apelo que Lost tem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Que o Tensor escreveu é sensato' date='mais uma carreira numa série de sucesso,ainda mais do patamar de Lost é uma faca de dois Gumes,ou você pode deslanchar e fazer uma brilhante carreira no Cinema,ou pode ficar marcado pelo Personagem e ter dificuldades em engrenar na carreira,se a decisão dele foi certa ou errada só o futuro dirá,mais eu no lugar dele permaneceria na Série ja que apenas essa temporada não foi suficiente pra mostrar todo seu Potêncial,vamos ver se no filme 300 será uma boa vitrine pra ele.

[/quote']

 

É um risco que vale a pena correr, eu acho.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Eu acho que Santoro ( e seu agente) mais do que ninguém sabe de todos essres riscos.

 Se ele fez essa escolha é pq sabe de algo que a gente não sabe.

 Afinal não faz sentido ele ir p/ os EUA e recusar trabalhos lá.

 

 Será que tem algo a ver (como alguém postou aqui), com ele ter desbancado alguns galãs americanos??17

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ma. Ola! 05.gif

 

 

 

Afff! Oo' date=' detesto dizer mas não concordo ctg (detesto nada!)

 

 

 

Nem só de grana e fama vive o homem, ainda que ele seja ator.

 

 

 

Além disso, que preconceito é esse contra a gente? O cinema brasileiro é bom sim.

 

Tu viu os filmes que ele fez por aqui. Todos bons.

 

 

 

Se for esse mesmo o motivo dele ter saído, admiro ele ainda mais agora, além de bonito, talentoso é inteligente e maduro[/quote']

 

 

 

A é, A é? vai discordar de mim, então eu discordo de vc também... 11.gif06.gif

 

 

 

Eu discordo de vc (vou dormi feliz...06.gif) até em relação ao cinema brasileiro, os filmes brasileiros são extremamente simplórios e ligeiramente ligados a uma estrutura com características da teledramaturgia. O Cinema brasileiro é regular com um potencial criativo enorme, cinemas regulares por muito tempo perdem a graça.

 

 

 

Em relação à escolha dele, ele deveria ter pensando não só no dinheiro, mas na excelente oportunidade que ele tinha de se expandir e dar uma forcinha para o próprio cinema brasileiro, se ele se fixasse lá, abriria as portas para outros astros e estrelas e isso ajudaria a forma um elenco de astros e estrelas brasileiras que no futuro poderiam ajudar o Brasil a ter um cinema top de linha.

 

 

 

É só vc pegar o exemplo do cinema asiático e europeu. 03.gif

 

 

 

T+ e um bjaçooooooooooooooooo x 600000000000 (sem misseria e ridiqueza so, etã!) gordaçoooooooooooooo x 1200000000 e suculentaçooooooooooooooooo extremamente x 240000000000000! 08.gif

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Aff! Pq é que é que vc dizem que o cinema brasileiro não é bom??? Afff!

 

 Minhas irmãs dizem que nos tempos dela só tinha porno. a gente evolui p/ caramba!

 

 Qtas vezes já estivemos perto de ganahr um Oscar ??

 

 Ele não faria uma escolha ruim. Como disse deem um pouco de credito a um cara que beijou Nicole Kidman.

 

 

 Tu é danado! Compensa a discordância com toneladas de bj... afff! 08030602
Maria shy2007-01-12 00:35:03

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Cinema Brasileiro é Mediano' date='O Único fora de série é mesmo "Cidade de Deus",e gosto da comédia "Alto da Compadecida",de resto é Xuxa,Didi,e comédias romanticas mediocres.

[/quote']

 

Por favor cara, veja Casa de Areia, Lavoura Arcaica, Abril Despedaçado, Bicho de Sete Cabeças, Cinema, Aspirinas e Urubus, O Homem Que Copiava, Cidade Baixa e vários outros. Concordo que o cinema brasileiro é mais fraco que o americano, mas sim, nós também temos excelentes filmes, que dão 10 em vários dos states.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Cinema Brasileiro é Mediano' date='O Único fora de série é mesmo "Cidade de Deus",e gosto da comédia "Alto da Compadecida",de resto é Xuxa,Didi,e comédias romanticas mediocres.

[/quote']

 

Por favor cara, veja Casa de Areia, Lavoura Arcaica, Abril Despedaçado, Bicho de Sete Cabeças, Cinema, Aspirinas e Urubus, O Homem Que Copiava, Cidade Baixa e vários outros. Concordo que o cinema brasileiro é mais fraco que o americano, mas sim, nós também temos excelentes filmes, que dão 10 em vários dos states.

 

Realmente,ato falho meu ao esquecer Abril Despedaçado e O Homem que Copiava,o resto eu não vi mesmo,filmes como Cidade de Deus dão de mil em muitos Americanos,mais raramente é produzido algo dessa qualidade,é o Público é muito noveleiro e prefere ver filme com cara de novela,temos ótimos atores de Nível igual ou superior aos Americanos,Ingleses etc,gosto muito de Toni Ramos,Murilo Benicio,Lazaro Ramos,Marco Nanini,Pedro Cardoso,mais acho que poderiam ser melhor aproveitados em filmes de grande porte até internacionais.

 

Tenho um pouco de preconceito ao Cinema,assim como a Séries Nacionais sim,talvez pelo costume com os produtos Americanos,mais temos potêncial,o que falta mesmo é os diretores ousarem mais.

 

É Aqui é lost né?...17,o que vocês acham que é o Lostzila?06,so pra voltar ao assunto060606
Código (F)2007-01-12 16:19:11

Share this post


Link to post
Share on other sites
É O "Auto" da Compadecida' date=' e sou possivelmente o único que o considera uma OP.[/quote']

 

É um filme muito divertido, mas eu não considero OP.

 

Ops, aqui é sobre lost! 06

 

É, sei que não.06 O único pecado está no terceiro ato, na caracterização cafona de Cristo, Maria e Lúcifer. De resto, é perfeito, amo cada quadro, cada palavra, e o texto parece ter sido entregue a Moisés junto com os mandamentos. D-I-V-I-N-O.

 

Também adoro O Homem que Copiava. Jorge Furtado!16

Share this post


Link to post
Share on other sites

(...)

 

 (...)

 

 

(...) 

 

É Aqui é lost né?...17' date='o que vocês acham que é o Lostzila?06,so pra voltar ao assunto060606
[/quote']

 

 Há os que acham que Lostzila e a fumazinha preta não sejam a mesma coisas.

 Sei lá, isso seria admitir que além de ursos polares  a ilha está infestada de geringonças estranhas.

  Não é estranho o som que se ouve, tipo, aprecido com  roldanas...

  alguém aí disse que acha que o  mistério do Lostzila nunca será revelado.

 Eu já penso que srá como o da escotilha, demora mas cedo ou tarde será revelado... melhor trocado por um mistério maior.

Share this post


Link to post
Share on other sites

capasuper5wz.jpg Lost e o fim da TV

Um dos maiores sucessos da televisão vai destruir a própria TV. Entenda como, saiba o que vai mudar e veja por que você será um dos protagonistas desta história.

A televisão tem funcionado do mesmo jeito há décadas: canais com grades de programação definida mais pacotes de anúncios publicitários e assinantes de TV a cabo para sustentar a coisa toda. Ao espectador cabe escolher uma atração que esteja passando em tal horário e aproveitar os intervalos para buscar cerveja na geladeira. Isso vai acabar (calma, a cerveja continua).

É que está chegando a era da "TV 2.0". Nela, você é quem manda. São milhares de opções de programas, para assistir na hora em que der na telha. Além disso, não basta ver o seriado favorito. Você pode participar dele, virar praticamente um co-autor. Ou fazer suas próprias séries, se estiver a fim. Não é devaneio. Parte dessa nova TV está aqui e agora: ironicamente, em um dos maiores sucessos televisivos da história. O festejado Lost tem por trás dele justamente os elementos que vão destruir a televisão como a conhecemos. Quer ver? Então responda rápido:

Quem são os Outros? Qual é o significado dos números que estão na capa desta revista? O que, afinal de contas, está acontecendo naquela ilha?? De todas as respostas que os devotos da série da ABC pedem a Deus, poucas estão na TV. Elas existem (pelo menos em parte), que fora da televisão. Quem quiser entrar de cabeça na história dos sobreviventes do desastre com o vôo 815 da Oceanic Airlines, e que agora estão desaparecidos numa ilha cheia de acontecimentos inexplicáveis, deve mergulhar na internet. Precisa conhecer o universo paralelo que os produtores e fãs da série criaram lá para resolver alguns mistérios da série.

Sim, pois Lost funciona como um jogo, elaborado com uma riqueza de detalhes que não cabe só na televisão. "O espectador assiste à série como quem joga um videogame. Ele ganha mais poder, armas e informações à medida que avança", diz o professor de TV e cinema David Lavery, da Universidade Brunel, em Londres, e autor de Desvendando os Mistérios de Lost, que está sendo lançado no Brasil.

E para se manter afiado nesse jogo não adianta ficar sentado na poltrona, pegar uma cerveja na hora do intervalo e obedecer ao mantra "Continue com a nossa programação" depois que sobem os créditos.

A experiência de acompanhar Lost, afinal, não acaba quando um episódio termina. É nessa hora que o tal universo paralelo na rede começa a ferver. "A internet mudou o jeito como vemos TV. Instantaneamente, milhares de pessoas reagem ao episódio que acabou de ir ao ar. Seria idiota não prestar atenção a isso", declarou o diretor J.J. Abrams, um dos criadores da série. Muitos desses fãs, aliás, "reagem ao episódio" MESES ANTES de ele passar na televisão. O que não falta é gente que se acostumou a ver Lost, e outras séries, sem que haja uma emissora transmitindo a coisa. É baixar num site qualquer de troca de arquivos e pronto. E isso é mais um sinal de que o futuro está aqui. De que a televisão que a gente conhece, aquela em que domingo é dia de Fantástico e que a novela das 8 começa religiosamente às 9, está dando seus últimos suspiros.

Para entender melhor essa revolução, voltemos ao dia 9 de novembro de 2006, logo após a exibição do 6º episódio da 3ª temporada de Lost. Era o penúltimo capítulo antes de uma pausa de 3 meses na série - que volta ao ar nos EUA a partir de 7 de fevereiro. Bom, nessa noite, fóruns de internet e blogs já tinham centenas de comentários sobre a polêmica da vez. Com base em uma única frase dita por um dos personagens, surgiu a tese de que o líder dos Outros, Benjamin Linus, é subordinado a Jacob Vanderfield, diretor da Hanso Foundation, a empresa por trás dos acontecimentos da ilha.

Detalhe: quem apenas assiste à série na TV nunca ouviu falar nesse tal Jacob Vanderfield. Ele só existe no mundo extratelevisivo de Lost - até setembro do ano passado, a Hanso Foundation tinha seu próprio site oficial, com lista de "membros da diretoria". Claro que ele foi descoberto pelos fãs antes de a emissora que criou a série, a ABC, anunciá-lo oficialmente.

Pouco depois da exibição nos EUA, o episódio surgiu na internet. E já começavam a pipocar versões com legendas para várias línguas, feitas na raça por fãs que tinham acabado de baixar o episódio. Pronto: no dia 10 de novembro gente de todo o planeta dava suas contribuições à mais nova teoria sobre o que, afinal de contas, está acontecendo na ilha. Nesse processo todo, o que a TV tradicional fez foi transmitir o sinal de Lost para os EUA. O resto ficou nas mãos de pessoas comuns, como eu e você.

Quebra-cabeça online

Isso de baixar vídeos e discutir o assunto favorito na rede não tem nada de novo. Qualquer moleque de 14 anos acha que isso começou 3 segundos após o big-bang. Mas com Lost é diferente: os produtores, como disse J.J. Abrams, "prestam atenção nisso". E usam a rede para colocar os fãs dentro da história. Desse jeito, o espectador participa efetivamente da série - e não apenas de formas jurássicas, tipo votando por telefone.

O maior exemplo disso são algumas pistas que eles colocam na série. Pistas que passam batido pelo espectador-padrão, o da poltrona e da cerveja, mas que dizem muito para os devotos mais xiitas. A mais importante delas foi um mapa da ilha que apareceu por uma fração de segundo na tela. Ele trazia um monte de inscrições borradas. quem tivesse gravado o episódio, ou baixado da rede, poderia decifrar, que você tinha de pausar a exibição no momento exato em que o mapa surge para tentar ler algo. E foi o que aconteceu. Vários fãs se esfolaram para interpretar a coisa e, em alguns dias, o resultado dessas investigações estava na rede. Sites dedicados a Lost já traziam as 413 palavras (sendo 51 em latim) do mapa, agora escritas de forma legível e com as traduções necessárias.

E surpresa: as inscrições respondiam mistérios cruciais da ilha. Está, por exemplo, que os ursos polares que aparecem o tempo todo na floresta foram levados por cientistas, e que passaram por uma "terapia genética" para sobreviver ao calor. Mais uma peça se encaixava no quebra-cabeça da série.

Esse tipo de novidade se espalha entre os devotos com a rapidez de um vírus. Fóruns, comunidades do orkut e do MySpace, além da monstruosa Lostpedia (a "enciclopédia Lost", mantida por milhares de fanáticos dentro da Wikipedia) repercutem tudo e recebem novas teorias. Assim, as especulações vão ficando cada vez mais complexas. No começo, falava-se que a ilha era o purgatório, e que todos os passageiros tinham morrido na queda. Hoje, com esse turbilhão de informações, os fãs recorrem a conceitos bem mais elaborados. Até Stephen King resolveu entrar na discussão. O mestre das histórias de terror escreveu em um artigo na revista Entertainment Weekly: "Com exceção de Além da Imaginação e Arquivo X, nunca houve um programa com essa capacidade de capturar a imaginação. Lost é o começo da nova TV". Recentemente, ele voltou a discutir o seriado, desta vez apresentando sua própria versão para o final da história. Como a primeira cena da série mostra um olho do personagem Jack se abrindo, ele terminaria voltando ao aeroporto de Sydney, de onde os passageiros saíram, e mostraria que tudo o que aconteceu foi uma alucinação provocada no personagem por um grupo de cientistas malucos. Os fãs acharam a teoria um fiasco. Simplória demais. Stephen King, pelo jeito, está por fora do tal universo paralelo. fica difícil de entrar para valer no jogo.

A grande transposição do programa para a "vida real", aliás, foi mesmo um jogo: o Lost Experience. Entre maio e setembro de 2006, uma combinação de pistas foi espalhada por blogs, mensagens de voz em secretárias eletrônicas, anúncios de jornal e "sites oficiais" da Hanso Foundation, criados pelos produtores. O objetivo era mobilizar fãs do mundo todo para que eles encontrassem os 70 trechos de um vídeo de 6 minutos e meio que, montado, fornece informações cruciais sobre a trama. Agora, quem acompanhou o Lost Experience sabe que os números formam a tenebrosa Equação de Valenzetti e viram o que a Dharma foi fazer na ilha. Tudo isso faz parte do seriado. E nada passou na TV.

"Lost está mudando a forma de fazer seriados. Essa é uma tendência que não tem mais volta. Os programas de TV serão cada vez mais multimídia", diz J.B. de Oliveira, o Boninho, diretor do reality show Big Brother Brasil, da Rede Globo. "Nunca um seriado tinha rompido dessa forma as barreiras do aparelho de televisão", reforça David Lavery.

Pirataria nas ondas da TV

Essa "quebra de barreiras", no entanto, também causa polêmica. Hoje, novidades do entretenimento americano, como as séries Heroes e Jericho, fazem sucesso no Brasil antes mesmo de saírem na TV a cabo. Basta ir a centros de pirataria, como o Stand Center, na avenida Paulista, em São Paulo, para encontrar os últimos episódios de qualquer seriado - e levar os dvds para casa a preço de carne de segunda.

A facilidade para baixar arquivos na rede, mais a farta distribuição de legendas criadas por fãs, ampliou tanto o público das séries "inéditas" que hoje tem até camelô locando dvds piratas. Essa história incomodou a Adepi (Associação de Defesa da Propriedade Intelectual), que ameaçou processar os fã-clubes que colocam legendas na rede. O Lost Brasil, maior site do país dedicado ao seriado, interrompeu essa atividade - o que só aumentou o número de pessoas que divulga suas próprias legendas na rede. O designer Daniel Melo, administrador do Lost Brasil, defende a causa dizendo que os leigos são mais capazes de fazer o trabalho do que as emissoras de TV: "A melhor forma de você assistir a um seriado é com legendas feitas por quem entende dele", diz.

Para segurar a onda, algumas emissoras tentam impor restrições. A ABC, por exemplo, tem feito a experiência de transmitir Lost em tempo real pela web. Mas, para não prejudicar emissoras de outros países que compraram os direitos de exibição do seriado, ela só libera os vídeos para computadores instalados nos EUA. Ah, claro: não adianta nada.

Hoje qualquer brasileiro, senegalês ou groenlandês pode usar o computador para captar, ao vivo, o próprio sinal da ABC. Isso mesmo: ao vivo. Os responsáveis por isso são sites asiáticos, na maioria chineses, que estão pirateando o sinal de emissoras de todo o mundo e transmitindo-os na rede. É o caso do SopCast, do PPLive e do TVUNetworks. este último oferece sozinho, para qualquer lugar do planeta, 40 canais, incluindo ABC, ESPN, Fox, CBS, Cartoon Networks... Para ter tudo isso no micro, é baixar de graça um programa no site.

Claro que isso é ilegal, mas é praticamente impossível de controlar. E, mesmo que esse tipo de pirataria acabe, a invasão da internet aos domínios da TV dificilmente será revertida. Tanto que algumas emissoras se renderam de vez à rede. A MTV brasileira, por exemplo, promete reduzir a praticamente zero a exibição de clipes. A emissora alega que ninguém mais tem paciência de esperar para assistir a um vídeo musical na emissora quando pode encontrá-lo a qualquer momento na web. Agora ela aposta em uma programação com games e programas de entrevistas e de auditório. As músicas vão se concentrar no MTV Overdrive, um site em que dá para assistir a clipes e postar vídeos caseiros.

Outros veículos vão ainda mais longe. Em dezembro de 2006, Yahoo! e Reuters criaram um espaço especial para fotos e vídeos produzidos por pessoas comuns, com suas câmeras e celulares. Os editores avaliam todo o material postado no site You Witness News e escolhem quais deles vão ganhar destaque. Mas nada deu tanta voz a tanta gente quanto o maior fenômeno de mídia do século 21. Ele mesmo: o YouTube.

Posto, logo existo

Se a interatividade de Lost prepara o fim da "TV 1.0", o YouTube é o grande protótipo da "TV 2.0". O site foi criado em fevereiro de 2005 por 3 funcionários da Pay Pal, uma companhia de pagamentos online. Eles só queriam facilitar a troca de vídeos entre amigos, mas a ferramenta ganhou tanta notoriedade que, em pouco mais de um ano, se transformou numa marca conhecida em praticamente todos os cantos do mundo. Isso fez com que o Google comprasse o YouTube por US$ 1,65 bilhão, o equivalente ao que a rede americana Target pagou pelas 257 lojas de departamento da rede Mervyns. Todos os dias, internautas assistem a 100 milhões de vídeos lá, e postam outros 65 mil. "Se você não está postando, você não existe", disse à revista Wired o executivo Rishad Tobaccowala, CEO da consultoria americana Denuo.

E muita gente está começando a existir no mundo do entretenimento. Nesse caso, de um jeito bem mais direto do que os fãs "participativos" de Lost. Com a massificação do YouTube, o espectador se transforma em produtor para valer. Veja o caso de Lonelygirl15. Os vídeos de Bree, a gatinha manhosa de 15 anos que faz confidências para a câmera, comoveram a rede. Descobriu-se depois de algumas semanas que Bree não era real, e que Lonelygirl15 é um seriado - de orçamento quase zero, mas ainda assim um seriado. A protagonista é a atriz neozelandesa Jessica Rose, de 19 anos. Os criadores são o roteirista Ramesh Flinders e o médico residente Miles Beckett. E um quarto que os dois dividem na Califórnia serve de cenário. Até agora, a série levou 94 episódios à internet e teve uma audiência acumulada de 24 milhões de espectadores.

O produtor americano Bill Lawrence é outro que experimentou o "posto, logo existo", e se deu bem. Ele apresentou à Warner um piloto de um seriado cômico que conta bastidores da TV. Nobody's Watching foi descartado. Em junho, Lawrence postou trechos do programa no YouTube e conquistou 600 mil espectadores. Diante desse sucesso, a NBC resolveu comprar 6 episódios para veicular na internet. Se der certo, Nobody's Watching vai estrear na programação. Isso se ainda existir uma programação, diga-se. Continue o texto, que você vai ver.

O fim dos canais

A revolução que o YouTube começou só vingará mesmo quando a TV digital estiver tinindo. É que a televisão de hoje, a analógica, recebe a programação na forma de ondas de rádio. E funciona exatamente como um aparelho de rádio: tudo tem hora certa para passar. Com a TV digital essa limitação deixa de existir. As atrações, em formato digital, virão de uma vez só no aparelho, por banda ultralarga, como se fossem dvds inteiros que chegam voando pela sua janela. Mas e aí? Que vantagem Maria leva?

"A seguinte: em dois anos, você poderá interromper um seriado no meio para baixar um filme extra que conta a vida de algum personagem novo, e depois retomar o episódio do ponto onde parou", diz Walter Duran, diretor de tecnologia da Philips para a América Latina. Quer dizer: você terá como pegar sua cerveja na hora que bem entender, sem perder nada.

Essa nova televisão promete ficar melhor ainda com a chegada da IPTV - sigla em inglês para "TV via internet". Existe uma corrida para criar a televisão que receba o sinal de imagens por meio dos mesmos cabos que conectam o computador à rede. A Microsoft, uma das maiores entusiastas desse modelo, está investindo US$ 400 milhões no projeto. Quando a TV funcionar via web, poderemos assistir a um programa enquanto gravamos vários outros, seremos capazes de pagar contas nos intervalos e de interromper a programação para atender ao telefone. A TV terá uma home page com seus programas favoritos. Quando isso virar realidade, poderemos estar perto da próxima bomba: o fim dos canais de TV.

"O formato atual, com emissoras mantendo seus próprios canais, onde a programação é organizada de acordo com os interesses de poucas pessoas, está em decadência aberta", aposta Andrew Kantor, jornalista americano especializado no mercado de tecnologia. "As redes vão fornecer conteúdos para uma grande biblioteca online. Os programas terão hora certa para serem postados, mas você poderá assisti-los a qualquer hora."

Na prática, isso significa acordar no meio da noite querendo assistir ao 3º episódio da 18ª temporada de Os Simpsons. E ter como fazer isso sem dvd, sem baixar no micro nem nada. É ir até o aparelho e pedir pra começar a exibição. Num mundo sem canais, qualquer projeto caseiro de entretenimento, como Lonelygirl15, teria, a princípio, mais condições de brigar por audiência. E por anunciantes. Foi o que fez o consultor de informática britânico Andy Steward. Inconformado com os péssimos horários em que as provas de iatismo passam na televisão, ele criou a Sail.tv, uma emissora de internet dedicada ao esporte. Não faltaram pequenos anunciantes para sustentar o projeto de Andy. Pode acontecer com você também.

E a grana?

Por falar em anunciantes, e a publicidade graúda, como fica nesse ambiente todo fragmentado? O modelo atual, com megaempresas injetando caminhões de dinheiro em programas de grande audiência, talvez não sobreviva se a tal "grande biblioteca online" destruir os canais de TV. E isso mudaria um bocado de coisas. Em primeiro lugar, o futuro de séries como Lost estaria comprometido. o 1º episódio da série, com uma hora de duração, custou US$ 12 mihões - o equivalente a 125 capítulos de uma novela da Globo. Aliás, custou também o emprego de Lloyd Braun, presidente de entretenimento da ABC, por ele ter permitido um gasto desses.

Seja como for, esse tipo de excentricidade só é possível porque as empresas americanas investem mais de US$ 65 bilhões por ano em publicidade televisiva. que a torneira está fechando, segundo analistas. Se nos anos 50 o seriado I Love Lucy tinha 68% de audiência nos EUA, hoje, o concurso de cantores American Idol, programa mais popular de lá, não passa dos 27%. A "culpa", no caso, é justamente da maior oferta de programas. Como o espectador já tem dezenas de opções, não hesita em mudar de canal quando entram os comerciais. E os anunciantes fogem. O buraco da internet é ainda mais embaixo, porque ninguém imaginou até agora um jeito eficiente de fazer dinheiro com os sites de compartilhamento de vídeo, e muito menos com a troca de arquivos.

Mesmo assim, quem aposte nos pequenos nichos de mercado. "Antigamente, dizia-se que 20% de tudo o que os estúdios, emissoras e editoras lançavam virava hit. Hoje, 99% de tudo o que é produzido pode dar algum tipo de lucro, ainda que pequeno. O segredo está em tirar pouco de muitos produtos culturais", escreve o jornalista americano Chris, editor-chefe da revista Wired, em seu livro A Cauda Longa.

existem sites que ajudam as pequenas emissoras de TV na web a ganhar o pão de cada dia. Além de oferecer um servidor para você deixar seu vídeo, como o YouTube faz, a Revver levanta anúncios publicitários para serem acoplados a cada vídeo. O criador fica com metade da grana. Fritz Grobe e Stephen Voltz, os pais de um filmete em que pastilhas Mentos enfiadas em garrafas de Coca Light formam uma bomba de gás carbônico, conseguiram US$ 35 mil de patrocínio das duas empresas com a brincadeira.

Mas ganhar alguns milhares de dólares com um vídeo caseiro é uma coisa. Investir milhões para buscar bilhões em anúncios é outra. O próprio YouTube, do alto da montanha de dólares que o Google pagou por ele, ainda é um saco sem fundo, que dá prejuízo de US$ 500 mil todo mês.

O futuro da publicidade e o do entretenimento andam de mãos dadas. Se um parar, o outro empaca. E, por enquanto, a solução para problemas como o do YouTube está longe. A TV está mudando, mas o que será dela é um mistério ainda mais difícil do que responder o que, afinal de contas, está acontecendo na ilha. Alguma teoria?

PUBLICITÁRIO POR UM DIA

A linha "faça você mesmo" que dá as cartas em Lost e no YouTube também está na publicidade. A tendência é tão forte que, no intervalo do SuperBowl 2007, a final do campeonato de futebol americano e maior vitrine da publicidade no país, vão passar 3 comerciais feitos por leigos. Isso para uma audiência de 90 milhões de pessoas.

Mas nem sempre os resultados são os que os publicitários esperam. A GM americana fez um concurso de anúncios online no ano passado para promover o Chevy Tahoe, um SUV daqueles que ocupam quase duas faixas de pista. A empresa fornecia um clipe com o carro andando por belas paisagens nevadas, e os internautas inseriam o texto da campanha. A maior parte dos anúncios tecia loas à camionete. que um monte de gente aproveitou a chance para protestar contra os SUVs, que eles bebem muita gasolina e estão entre os maiores emissores de CO2, colaborando com o aquecimento global. tome anúncios do tipo: "Você gosta de neve? Então aproveite logo, porque esse carro imbecil vai mudar o mundo". Outros tiravam uma com a conotação sexual de carros muito grandes, como este aqui: "Você tem inveja do pênis dos outros. Acha que vai arranjar mulher com esse carro..." Tudo isso foi parar no YouTube, claro. Digite "Chevy Tahoe ad" no site e sinta o drama.

Fonte: SUPER Online - UOL

Agradecimentos ao Lost Brasil por divulgar primeiro a matéria.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boatos discutem o destino de Rodrigo Santoro em Lost

Se não quiser saber novidades, pare de ler agora!

23/03/2007

Se você preza surpresas, passe logo para a próxima notícia. Esta está repleta de boatos e informações sobre o que acontecerá no próximo capítulo de Lost nos Estados Unidos, especialmente sobre Paulo, o personagem de Rodrigo Santoro!

Nós avisamos.

"Exposé", episódio que promete revelar um grande segredo da mitologia da série e que terá flashbacks concentrados em Paulo e Nikki (Kiele Sanchez), pode terminar de maneira trágica. O personagem do ator brasileiro deve levar um tiro na cabeça!

Curioso, já que Santoro revelou-nos durante entrevista na semana passada que continua no Havaí, onde o seriado é filmado. De qualquer forma, o ator é inteligente - sabe que se informasse que já não está mais por lá certamente tiraríamos nossas conclusões. A informação também contradiz declarações recentes dos produtores, que garantiram que "tínhamos um plano para introduzir esses dois personagens - e nunca conseguimos colocá-lo em prática. Mas quando ele finalmente acontecer, Nikki e Paulo se tornarão icônicos no show".

Outros boatos, porém, informam que o destino de Paulo - e o de Nikki - será muito pior que uma bala na cabeça. Um encontro com aranhas paralisantes deve colocá-los numa espécie de coma, fazendo com que os outros sobreviventes acreditem que ambos estão mortos - e os enterrem vivos! Confira abaixo um trailer que mostra brevemente as tais aranhas:

< =http://www.youtube.com/watch?v=-fubYAJegrE width=425 height=350 =application/x-shockwave-flash wmode="transparent">>

Respostas, só na próxima semana, quando "Exposé" vai ao ar nos Estados Unidos... participações especiais no episódio incluem William Mapother (Ethan Rom), Ian Somerhalder (Boone), Maggie Grace (Shannon), Daniel Roebuck (Dr. Artz), Billy Dee Williams (Mr. LaShade) e Jacob Witkin (Howard L. Zukerman).

A terceira temporada de Lost seguirá sem interrupções nos EUA até o final da temporada. No Brasil, o terceiro ano começou no AXN.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quarta temporada de Lost deve estrear só em janeiro

ABC e produtores devem mudar esquema de exibição

28/03/2007

Em janeiro, Carlton Cuse, produtor executivo da telessérie Lost, disse que a quarta temporada da série poderia ter um esquema de exibição diferente dos anos anteriores. Em entrevista ao Sci Fi Wire, Naveen Andrews, o Sayid, confirma a intenção.

"Acho que o plano é esse, sim", disse ator. O plano, no caso, é fazer como 24 Horas: começar a temporada só em janeiro e exibir a série a cada semana, sem reprises e sem interrupções, até maio.

Normalmente uma temporada regular começa nos EUA em outubro/novembro. A cada feriado ou dia de jogos importantes por lá, as séries de ficção dão um tempo e voltam depois; os buracos de programação são tapados com reprises. Como a terceira temporada de Lost queria evitar as repetições - para não confundir espectadores, que sempre reclamaram da "descronologia" - a rede ABC exibiu seis episódios inéditos entre outubro/novembro e só voltou ao restante da temporada em fevereiro.

O formato de temporada dividida em duas não agradou, por isso o modelo 24 Horas (normalmente replicado no Brasil pelo AXN e pela Fox) deve ser seguido em 2008. A terceira temporada está sendo exibida no Brasil desde o dia 5 de março. Nos Estados Unidos, foi ao ar ontem o episódio "Exposé", que teve flashback de Paulo, personagem interpretado por Rodrigo Santoro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×