UA-130521384-1 Jump to content
Forum Cinema em Cena
Jailcante

Gotham

Recommended Posts

O 10° episódio foi muito bom... O aprofundamento que deram para o Alfred, suas habilidades e sua relação com o "Master Bruce", foi bem orgânico... Outra relação que foi muito bem desenvolvida foi a entre a "Gata" e o "B."... Ela já tinha ganhado contornos no episódio anterior, mas neste começou a ganhar detalhes mais interessantes...

 

O Gordon forçou um pouco a barra no final, com aquelas caras e bocas, mostrando os dentes ao dizer "Kiss my ass"... Poderia ter sido mais natural...

 

Pinguim, Falcone e Fish foram secundários, mas também tiveram um ótimo aprofundamento... A série ta conseguindo ser procedural sem deixar de lado o arco principal...

 

Nygma e Ivy tiveram participações interessante... A Ivy da medo mesmo, rs... 

 

Agora pelo visto, com Gordon indo para o Arkham, começando a inserir novos personagens (Hugo Strange? dentre outros) e sabendo que tem gente dentro das empresas Wayne por trás da morte dos Wayne vai começar a cavar isso, provavelmente com a ajuda do Alfred e do Bruce (e a Morena Baccarin, que vai aparecer como médica e amiga dos pais de Bruce, não?)...

 

Alias, vejo a participação do pequeno Master Bruce cada vez mais como uma necessidade do que uma "muleta", já que é difícil contar a história de Gotham sem levar em conta os personagens que nela cresceram e se formaram, inclusive em icônicos personagens...

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto 1x11

 

 A série voltou do hiato com um episódio bem meia boca. Em "Rogue's Gallery", temos Gordon, agora rebaixado a segurança do Arkham tentando descobrir quem esta lobotomizando os internos usando eletroterapia. Um "Caso da semana" que não conseguiu captar o meu interesse, apesar de ter uma reviravolta bem bolada, e de deixar a sua resolução em aberto para o próximo episódio. Mas achei que as piadinhas e o humor que permearam o episódio não foram muito bem conduzidos, excetuando a cena envolvendo a visita de Bullock ao Arkham. Ainda no núcleo Arkham tivemos a introdução da Dra. Leslie Thompkins, vivida pela belíssima Morena Baccarin. Não deu pra dizer muito da personagem ainda, mas em seu pouco tempo de tela, Leslie já se mostrou uma personagem mais interessante do que a Barbara.

 

  Falando nela, a personagem vem se mostrando bem chatinha. Apesar de ter um subplot que em tese é interessante, ao estar afundando nas drogas, ao ponto de ser largada pela Montoya, não conseguimos realmente nos importar com o que acontece com ela. A presença de Barbara no episódio só valeu pela ligação que ela faz pro apartamento do Jim, onde acaba levando um trote da Ivy, que foi levada para o apartamento do Jim (que esta fora) pela Selina por estar doente. Foi divertido ver a Ivy, aqui uma menininha atarracadadinha que parece saída de um filme do Tim Burton, zoar a Barbara posando como uma "Amiga do Jim", um aceno para o futuro da garota, que se tornara a mulher mais sedutora de Gotham. Mas foi só pra isso mesmo que valeu a participação da Barbara.

 

 Até o núcleo da mafia que geralmente vale a pena ficou apagado. O subplot do Pinguin (que já adota o codinome com orgulho) foi bem bobinha e desnecessária. E a subtrama da Fish, que tentou plantar a dúvida se o capanga da Fish ia trair ela ou não também não convenceu.

 

 No geral, um episódio meia boca. Não foi ruim, mas devia ser melhor para um retorno de hiato.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 2ª temporada garantida.

 

 

Fox renova Gotham, Empire e Brooklyn Nine-Nine para novas temporadas!
0comentários
  • Por Guilherme Haasem 17/01/2015 - 16:41

A Fox acaba de anunciar a renovação de duas de suas séries novatas, além de garantir um terceiro ano para a comédia Brooklyn Nine-Nine.

Gotham e Empire são os grandes sucessos do canal nesta temporada. A primeira, lançada em setembro, se tornou a melhor estreia de um drama na fall season em 14 anos no canal. JáEmpire, que estreou na semana passada nos Estados Unidos, empatou com How to Get Away with Murder como a série novata de maior audiência este ano - com incríveis 4.0 pontos na demo!

content_pic.jpgRenovadas: Brooklyn Nine-Nine, Gotham e Empire retornam com novas temporadas em 2015-2016. Fonte das imagens: Divulgação/Fox

FONTE: MINHA SÉRIE

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x12

 

Em  "What The Little Bird Told Him" temos a continuação do caso da semana passada, com Gordon juntando-se a polícia de Gotham para caçar Jack Grueber, que acaba se revelando a versão da série do Eletrocutor, vilão de 3ª linha das histórias do Batman que ganhou alguma notoriedade recentemente por sua participação no game BATMAN: ARKHAM ORIGINS. Acompanhado de Aaron Helzinger, outro vilão C do bat universo, o Eletrocutor planeja vingar-se de quem o traiu no passado, e Gordon tem vinte quatro horas para recaptura-lo, como uma chance de ter o seu emprego de volta.

 

 Este decimo segundo episódio foi bem melhor do que o da semana passada, mas ainda um pouco irregular. A trama do Eletrocutor não passou o caráter de urgência que deveria passar. E a forma como Gordon e Bullock conseguem chegar no alvo principal do vilão através de uma inicial e um boneco de vodu foi pouquíssimo convincente, com um fim que também me soou como um anticlímax. Esta caso da semana (dividido em duas partes) acaba servindo mais para introduzir a figura do Comissário Loeb na serie, e trazer Jim de volta a polícia de Gotham.

 

  Este episódio trouxe também o desfecho do plano de Fish para derrubar Falcone, que corre paralelamente com o plano de Cobblebot para derrubar a Fish. Confesso que nunca acreditei muito no plano da Fish, e me surpreendeu o fato de Falcone estar caindo nele. Mas esta subtrama sim teve um climax digno com o tenso final na boate da Fish, e com o Pinguim finalmente dando o seu xeque mate e subindo mais um degrau na escada rumo ao comando do submundo de Gotham.

 

  Gostei do espaço um pouco maior que estão dando para o Edward Nygma. Neste ep ele teve uma importância vital para que Jim derrotasse o Eletrocutor, além de termos um leve aceno para o seu futuro com o fascínio que Edward demonstra pela força que um codinome pode ter. A subtrama das tentativas de Nygma de conquistar a arquivista da central parecem uma forma que os produtores encontraram de mostrar o quanto ele é deslocado. Não entendi se isso vai levar a algum lugar ou não.

 

 Quanto as mulheres da vida de Gordon, Barbara parece perdida na série, e parecem que não sabem bem o que fazer com ela. Tivemos apenas uma cena onde ela regressa a casa dos pais, que não parecem curtir muito a ideia. Quanto a Leslie, ainda não sabemos muito sobre a personagem que já se tornou o novo par romântico de Gordon, mas em suas poucas cenas, já me importo muito mais com o que vai acontecer com ela do que com a Barbara em meia temporada, muito graças a beleza e carisma de Morena Baccarin.

 

 No geral, um episódio mediano. Melhor que o anterior, mas ainda bem irregular.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Mas não vÍ o seu comentário sobre o episódio 3 lá no tópico de "Agent Carter", né seu PRIMO? :D

 

 Bom, mais notícias da série, que lembrando, já garantiu sua 2ª temporada

 

 

Gotham | É confirmada a presença de Capuz Vermelho na primeira temporada da série
 
red-hood-capullo.jpg
 

O produtor/roteirista Bruno Heller confirmou ao CBR que o Capuz Vermelho fará uma aparição em Gotham ainda nessa temporada.
O Capuz Vermelho dos quadrinhos já foi diversos personagens, incluindo aquele que mais tarde se tornaria o Coringa e o ex-Robin Jason Todd. De acordo com Heller, o personagem abrirá as portas para os vilões fantasiados da série, ele afirmou também que a produção não está fazendo questão do figurino "ousado e extravagante".
O produtor aproveitou para cortar de vez os boatos de que Morcego-Humano e Cara-de-Barro terão espaço na série: "Não existem superpoderes. Existe superforça, mas apenas em um nível humano. Não em um nível sobrenatural".

 

FONTE: PREMIERELINE

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

GOTHAM | COLM FEORE VAI VIVER O VILÃO CRIADOR DE BONECAS

 

Ator de Thor e Homem-Aranha troca a Marvel pela DC

26/01/2015 - 13:51 - MARCELO HESSEL

colm-feore.jpg

Depois de viver personagens em Thor O Espetacular Homem-Aranha 2 , o ator Colm Feore vai trocar de lado e viver um vilão da DC Comics . Segundo o Deadline , ele viverá o Criador de Bonecas na primeira temporada de Gotham .

O Dr. Francis Dulmacher, o Criador de Bonecas, já foi mencionado no segundo episódio, quando Selina Kyle liga o vilão ao sequestro em massa de crianças de rua de Gotham . Nos quadrinhos, ele cria bonecas a partir da pele e dos membros de suas vítimas.

Embora tenha sido apresentado nos quadrinhos apenas em 2011, o Criador de Bonecas já tem uma certa experiência na televisão. Ele foi vivido pelo ator Michael Eklund na segunda temporada de Arrow .

 

FONTE: OMELETE

 

  Curioso pra conferir a versão "Gotham" do personagem. Gosto muito do Feore desde que o vi no excelente A TEMPESTADE DO SÉCULO, onde ele vive um baita vilão. Espero que repita o feito em GOTHAM.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x13

 

  Desde que retornou do hiato, GOTHAM estava devendo um episódio bom. Felizmente tivemos isso com "Welcome Back, Jim Gordon", ainda teve uma ou outra irregularidade, mas este décimo terceiro episódio nos estregou algo muito melhor do que os dois que compuseram o arco do Eletrocutor.

 

  . Ao investigar o assassinato de um traficante, Jim e Bullock conseguem uma testemunha só pra ter ela assassinada dentro da própria central de polícia. Nygma deduz que o crime foi cometido pelo mesmo assassino, o que leva a Gordon somente a uma conclusão, o assassino é um policial. Ao mesmo tempo, acompanhamos Fish tentando sobreviver á vingança de Falcone e se vingar do Pinguim, enquanto Bruce Wayne retorna a cidade, e começa a procurar por Selina Kyle para que ela possa testemunhar no caso do seus pais.

 

  Foi muito interessante ver Jim mais uma vez batendo de frente com a corrupção policial de Gotham. A série introduziu neste episódio o corrupto Flass, saído de BATMAN: ANO UM, ou pros que não conhecem quadrinhos, o parceiro de Gordon em BATMAN BEGINS. Aqui, Flass é um veterano da narcóticos, que conseguiu certo controle sobre o trafico de drogas da cidade ao longo dos anos. Realmente, não achei que Gordon fosse conseguir resolver este caso neste episódio, já que a cada movimento que fazia, via Flass amparado pelo corrupto sistema de Gotham, embora devo dizer, os roteiristas exageram demais ao por os policiais corruptos forjando a declaração de que a testemunha havia se suicidado (o cara levou um picador de gelo nas costas).

 

  Entretanto, o "Caso da Semana" trouxe consequências bem interessantes. Apesar de não aparecer neste episódio, o Comissário Loeb se mostrou uma sombra constante por trás das ações de Flass, e um inimigo poderoso que Gordon terá que encarar cedo ou tarde. Mais interessante ainda foi a forma como Gordon obtém a sua vitória sobre Flass, que acaba por ser agridoce. Ao pedir a ajuda do Pinguim, Gordon faz um pacto com o diabo, chegando bem perto de se tornar aquilo que mais odeia, resultando na forte cena final.

 

  Na trama paralela de Fish, senti que os produtores perderam uma chance interessante de tornar a personagem uma ameaça real. Sem dizer que absolutamente não há nenhuma explicação sobre como o capanga de Fish escapou da van onde estava preso A cena de tortura teve zero suspense, o que também vale para o seu reencontro com o Pinguim. Aparentemente, Fish saíra de cena pelo menos por alguns episódios. Sua ultima cena dá indícios de um possível relacionamento mais profundo com Bullock, que ainda não sei se seria bom ou ruim para a personagem.

 

  Na subtrama da busca de Bruce por Selina, tivemos uma cena divertida no breve encontro entre Bruce, Alfred e Ivy, mas no final ficou uma subtrama um pouco fora do lugar. Selina meio que dá um fora no garoto perto do fim do episódio, e alega que mentiu quando disse que viu o rosto do homem que matou os seus pais. Mas o publico é deixado na duvida. Ela falou sério? Está só tentando afastar Bruce por ter se ofendido.

 

  Ficou algo confuso e mal armado. Por fim, a outra sub trama, Nygma enfim parece obter algum avanço em suas constantes investidas na arquivista de central, depois de passar por um momento de humilhação, que acaba desembocando em um pedido de desculpas da arquivista, que parece sentir alguma coisa por Nygma. A sub trama não decepciona, mas também não acrescenta muita coisa.

 

 No geral, "Welcome Back, Jim Gordon" foi um bom episódio. Não fica entre os melhores da série, mas é uma melhora significativa em relação ao fraco caso de duas partes do Eletrocutor.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x14

 

  Em "The Fearsome Dr. Crane", Gordon e Bullock investigam uma série de assassinatos onde as vítimas parecem estar sendo mortas de acordo com as suas fobias. Enquanto isso, Maroni é informado por Fish sobre as conexões do Pinguim com Falcone, o que leva o mafioso a testar de forma definitiva a lealdade de Cobblepot a ele.

 

  Mais uma vez, este episódio de GOTHAM achou os seus pontos de maior interesse não em sua trama principal, neste caso, os crimes cometidos pelo Dr.Gerald Crane (Julian Sands em participação especial) e sim em suas subtramas. O que neste caso é uma pena, pois estamos vendo aqui a gênese do Espantalho, um dos inimigos mais cruéis e sádicos do universo do Batman. Jonathan Crane aqui tem apenas uma rápida aparição como um cúmplice relutante do pai, que ao que tudo indica, tem como principal objetivo, desenvolver as substâncias químicas que se transformaram na principal arma de seu filho no futuro.

 

  Curiosamente, neste episódio, quem assume a frente da investigação é Bullock, chegando inclusive a ter um início de romance com uma das frequentadoras de um grupo de auto ajudas em fobias (que inevitavelmente acabara sendo sequestrada pelo Crane pai para um de seus letais experimentos).  E aqui devo elogiar o episódio por conseguir com poucas cenas fazer da moça do grupo de apoio para fobias uma personagem simpática com quem nos importamos e realmente torcemos para que Bullock e Gordon cheguem a tempo de salva-la de sua fobia (no caso, ser afogada em uma piscina).

 

  Mas para um vilão cujos crimes geram essencialmente em torno do medo, devo dizer que senti falta de um pouco mais de tensão e suspense nas cenas com o Dr. Crane. Entretanto, no que parece estar se tornando uma recorrente em GOTHAM, o caso da semana se estendeu por mais um episódio, pois Gordon e Bullock falharam em capturar o maluco. Por isso, espero ver um pouco mais de intensidade no Dr. Crane no próximo episódio, além de algum desenvolvimento na relação com seu filho Jonathan.

 

  Se não vimos tensão nas cenas com Crane, as cenas entre Maroni e o Pinguim nos proporcionaram isso. Houve uma tensão crescente neste plot, desde a ligação de Fish para o Maroni, até o momento em que Oswald se mostra de fato na cena da cabana. Gostei de ver que Maroni não simplesmente engoliu novas mentiras e promessas do Pinguim, decidindo despachar o traíra de vez. Achei interessante e engraçado também o pensamento rápido do Pinguim de sair da apertada situação em que Maroni o colocou. Fiquei curioso agora pra ver qual será o próximo passo do criminoso, já que ele foi arrancado da sua zona de conforto de estar nas boas graças dos dois grandes chefões do crime de Gotham.

 

  Como dito anteriormente, Gordon ficou meio de escanteio no caso da semana, por isso pudemos ver um pouco mais do desenvolvimento de sua relação com a Dra. Thompkins (Morena Baccarin estava deslumbrante na cena do restaurante :wub: ). Já disse antes que a personagem não só é mais interessante que a Barbara, como tem boa química com Gordon também, mas espero que não reduzam a personagem somente a interesse amoroso do Gordon/consultora forense. Nas Hqs, ela foi uma espécie de figura materna pro Bruce. Espero que os personagens venham a se encontrar em algum momento e abordem esta dinâmica entre os personagens.

 

  Falando em Bruce Wayne, ele teve uma unica cena, mas foi bem interessante, pois o garoto despensa Gordon da promessa que ele fez lá no primeiro episódio. Por um lado, eu acho muito bom, não só por mostrar a impaciência e e exigência por comprometimento do futuro Batman, já que verdade seja dita, a investigação da morte dos Wayne não tem sido prioridade do Gordon nos últimos eps (sendo inclusive totalmente esquecida pelos roteiristas). Por outro lado, isso parece não ter afetado Gordon de forma alguma. Alias, o poderoso desfecho do Ep. anterior também não ganha nenhuma espécie de eco neste episódio, o que não deixa de ser uma decepção.

 

 Por fim, Edward Nygma vem crescendo bastante na série. Tá certo que todo as investidas do Nygma na arquivista embora sejam divertidas, começam a irritar por não levar a lugar nenhum. Entretanto, foi muito bom ver Gordon reconhecendo as habilidades de Edward como legista e sua importância nas investigações, já que o legista oficial da DP central de Gotham é mais um corrupto. Depois de se intrometer em mais uma das autópsias, o legista encaminha um pedido de suspensão para Edward, que consegue dar a volta por cima de forma deliciosamente macabra, nos mostrando pela primeira vez na série o lado sombrio de Nygma que o conduzira até o Charada.

 

 No geral, "The Fearsome of Dr. Crane" foi um bom episódio. Menos impactante que o da semana passada, mas bem mais sólido.

 

PS: O cliffhanger final com Fish sendo encurralada no barco enquanto foge de Gotham foi realmente constrangedor, parecendo cliffhanger de anime de luta.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

GOTHAM | MILO VENTIMIGLIA SERÁ VILÃO NA SÉRIE

 

Personagem foi criado para o seriado

04/02/2015 - 23:04 - THIAGO ROMARIZ

Gotham  terá Milo Ventimiglia no elenco, segundo o Deadline. Ele será o vilão Jason Lennon,conhecido também como Ogro.

Ele é um sujeito educado, com classe e cheio de charme, mas que se torna um serial killer que assombra Gotham. O personagem não existe nos quadrinhos do Batman. Ele aparecerá no episódio 19 da série.

No Brasil, Gotham vai ao ar pelo canal Warner. A série já foi renovada para uma segunda temporada.

 

FONTE: OMELETE

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto 0 1x15

 

 Episódio melhor que o da semana passada, mas ainda bastante irregular. GOTHAM ainda mostra muitas boas idéias, o que mantém o meu interesse na série, mas tem as apresentado de maneira muito atrapalhado. O Ep. intitulado "Scarecrow" não podia fazer outra coisa se não mostrar a gênese da loucura de Jonathan Crane, o futuro Espantalho. Vimos aqui de forma mais bem construída os traumas que levaram Gerald Crane e seu filho a se tornarem obcecados pelo medo. Julian Sands teve mais o que fazer neste episódio como o Crane pai, retratando um vilão que é quase digno de pena. Infelizmente, ele é retirado da série a bala cedo demais, acho que podia ter rendido mais.

 

 Gordon e Leslie já ficaram no esquema "comédia romântica", já que com Leslie trabalhando na delegacia, deixa o detetive desconfortável com demonstrações de afeto em publico. Incrível que vendo Ben McCkenzie atuar com Morena Baccarin deixa mais em evidência como o ator é fraco.

 

  No núcleo mafia, temos o Pinguim desesperado pedindo proteção a Falcone depois de escapar da furia de Maroni. Gostei das cenas envolvendo a negociação dos dois mafiosos pela vida do Cobblepot, assim como a tensa e hilária cena da visita de Maroni a boate da Fish, que agora é a boate do Oswald, onde o Pinguim metaforicamente se mija nas calças, através de um interessante plano do vilão derrubando champanhe entre as pernas enquanto Maroni o ameaça.

 

 Falando em Pinguím, tá mais que óbvio que esta versão do personagem é obviamente homossexual, e tem grande atração pelo Gordon :wacko: . A forma caricata com que é tratada as "investidas de amizade" do Pinguím pra cima do detetive estraga um plot bacana pra caramba, que é o conflito moral do Gordon em ter que recorrer a mafia para resolver alguns casos, o que só é rapidamente sugerido pelo Bullock quando a dupla de detetives está tendo dificuldades pra encontrar o Crane.

 

  Quanto a Fish Mooney, ela acorda em uma espécie de masmorra, onde manda quem tem uma faca. Ainda não sabemos onde a mafiosa está, ou quem são seus captores. O plot não rendeu muito, mas confesso estar curioso pra sabem quem são os captores de Fish. Eu gosto da personagem, e apesar de muitas vezes exagerar, acho que a Jada Pinket a interpreta de maneira bastante divertida. É uma personagem que comporta excessos. Torço para que ela dure, já que diferente da grande maioria, ela não esta protegida pelo "cânone".

 

  Por fim, no lado Wayne, tivemos uma sub trama onde Bruce resolve fazer a trilha anual pela propriedade Wayne que fazia com o pai, mas vai sozinho, pois sente não ser certo Alfred acompanha-lo. Foi um subplot simples, mas eficaz. Gostei do desfecho, primeiro com o Alfred deixando Bruce passar trabalho sozinho escalando o barranco, e o fim singelo com os dois observando o nascer do sol. Os dois atores estavam ótimos em seus respectivos papéis, e tem ótima química. Mas senti que o perrengue do Bruce, tendo o tornozelo torcido e "sozinho" na floresta podia ter sido um pouco mais explorado.

 

 No geral "Scarecrow" foi um episodio, com coisas interessantes, alguns bons momentos, mas mais uma vez, bastante irregular. GOTHAM está devendo um episódio realmente bom desde que voltou do hiato. Ainda tenho esperança de que entregue isso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x16

 

  Mesmo bem longe de ter um roteiro redondo, "The Blind Fortune Teller" fez com que eu me divertisse como há muito não me divertia com um episódio de GOTHAM, através da divertida interação entre os personagens, boa química entre os atores e principalmente não se levar a sério demais. O episódio apresenta um dos cenários clássicos do Batverso, o Circo Haly, que é onde ocorre o crime da semana, interrompendo o encontro entre Gordon e Leslie. Gostei da forma como apresentaram os jovens John e Mary Grayson, futuros pais do Robin, e que aqui aparecem como um típico casal de comédia romântica, ou seja, um casal que vive as turras devido a rivalidade de suas famílias, mas que no fundo se gosta. Foi uma forma divertida e inusitada de apresentar aqueles que serão os pais do Menino Prodígio original.

 

  O caso da semana valeu mais pra ver a dinâmica entre Jim e Leslie. O casal tem química, e parece que diferente do ep anterior, Ben McKenzie conseguiu jogar junto com Morena Baccarin na dinâmica de "Gata e Rato" que a série deu pra esses dois, e a forma como a Leslie se mete nas investigações do Gordon, dando a ele o apoio que ele quer, mas não admite. Achei uma dinâmica gostosa de assistir, mesmo que o caso em si tivesse um numero considerável de furos.

 

 O Pinguim ficou meio apagado neste episódio. Vemos que ele não anda administrando muito bem a boate que "herdou" de Fish Mooney, já que bota a mãe pra cantar, o que espanta boa parte da freguesia. Isso faz com que Falcone envie Zsasz até a boate, para entregar a Cobblepot alguém que o ajude a administrar o lugar. Achei meio ridícula a volta do Butch quase como um zumbi lobotomizado pelo Zsasz, sendo o único momento deste episódio que eu acho que erraram a mão no ar "sem compromisso". O Pinguim que geralmente é uma das melhores coisas da série, acabou se tornando um elo fraco aqui.

 

  Tivemos também as tentativas de Fish de descobrir quem é a misteriosa figura que a esta fazendo prisioneira junto com várias outras pessoas. Gostei da forma como Fish manipulou todo aquele bando de gente desesperada para atingir os seus objetivos e conhecer o líder desta quadrilha, que trabalha com tráfico de orgãos. Acredito que este "Líder" deva proporcionar o retorno de Fish a Gotham para ela tentar a sua vingança contra o Pinguim e Falcone.

 

  Bruce Wayne teve uma participação pequena, mas promissora, enfim confrontando o conselho das Empresas Wayne sobre o envolvimento da companhia no desenvolvimento de armas biológicas e ligação com a máfia da cidade, plot que andava esquecido a alguns episódios. O jovem David Mazouz conseguiu passar toda a firmeza do jovem Bruce, que fez todos aqueles executivos suarem frio ao prometer levar suas investigações a conhecimento dos acionistas da empresa, algo que eu espero tenha consequência nos futuros episódios.

 

  Depois de vários episódios ausentes, Barbara voltou (bêbada) para o seu apartamento só pra encontrar Selina e Ivy morando lá. Esta subtrama foi muito mal conduzido (como tudo relacionado a Barbara). Poderia ter funcionado dentro do universo quase nonsense da série Barbara acabar permitindo que duas sem teto ficassem no seu apartamento, mas do jeito que foi mostrado ficou bastante desnecessário, não acrescentando em nada, nem no quesito diversão.

 

  Mas a maior polêmica de "The Blind Fortune Teller" foi mesmo a introdução de mais uma versão jovem de um batvilão, mas desta vez não foi qualquer bat vilão e sim o maior deles, o Coringa. Foi uma introdução interessante de um personagem icônico, que parece mais puxada para as versões de Tim Burton e Animated Series do que a mais aclamada origem de Alan Moore. Segundo os produtores, Jerome, como o personagem se chama esta definitivamente ligado ao futuro do Coringa na série, mas se ele realmente se tornara o Palhaço do Crime ou será apenas alguém que ira influência-lo é um mistério. Mas não me incomodo se ele for mesmo o Coringa, e estou curioso pra ver como o personagem retornará a série.

 

  No geral, mesmo com furos "The Blind Fortune Teller" foi o melhor episódio desta segunda metade da temporada, justamente por perceber que um tom mais despretensioso era necessário. Ainda há esperança pra GOTHAM afinal.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x17

 

  "The Red Hood" como título já deixa claro, traz a primeira aparição do criminoso que tem papel bastante importante na trajetória de dois personagens extremamente importantes do Batverso, Jason Todd, o segundo Robin, e é claro, o Coringa. O episódio mostra Gordon e Bullock investigando a gangue do Capuz Vermelho, que nada mais é do que cinco caras em uma cruzada de vingança contra os bancos que lhe negaram empréstimo. Ao mesmo tempo, Bruce e Alfred recebem na Mansão Wayne um amigo do mordomo de seus tempos nas forças especiais britânicas.

 

 A trama do Capuz Vermelho foi interessante por retratar o poder que os símbolos e a teatralidade possuem diante dos cidadãos de Gotham, algo que sera vital para os futuros heróis e vilões que vão povoar a cidade no futuro. Gostei da forma como o poder transformador quase sobrenatural daquele simples capuz operou sobre aquele grupo de assaltantes pés de chinelo, ao ponto de transformar o "Capuz Vermelho" em uma figura icônica.

 

  A trama paralela mostrando a visita de Reggie, ex companheiro de armas de Alfred a Mansão também foi bastante interessante, dando uma bela desenvolvida no Alfred, ao revelar um pouco sobre o passado sanguento que o mordomo esconde de seu jovem protegido. Tivemos aqui algumas passagens intensas, como o "treinamento alternativo" que Reggie apresenta a Bruce, e o ótimo desfecho que faz conexão com os eventos do episódio anterior.

 

  Agora falando das subtramas, estou impressionado como o arco de Oswald Cobblepot, que por muito tempo foi visto como a parte mais interessante da série, e uma das linhas centrai da temporada tem se tornado desinteressante nos últimos episódios. O Pinguim tem se mostrado bastante ineficaz na condução da boate que Falcone lhe cedeu, e se vê com um problema de estoque de bebida, que para o seu azar é controlado por seu mais recente desafeto Sal Maroni. Oswald acaba recebendo a ajuda de Butch, que não parece mais um zumbi como no episódio anterior, e sim alguém que decidiu jogar "no lado vencedor". Não entendi qual é a do Butch depois de ele ter se mostrado tão leal a Fish em episódios anteriores. Ou os roteiristas estão preparando algo pra ele, ou vacilaram mesmo.

 

  Já no arco de Fish Mooney, finalmente descobrimos quem esta por trás da rede de trafico de orgãos, ninguém menos do que o Dollmaker (que estava por trás dos eventos de um dos primeiros casos lá no início da temporada). Embora o vilão ainda não dê as caras, Fish negocia com o seu gerente (Jeffrey Combs, o eterno Dr. Herbert West de RE-ANIMATOR) resultando em uma cena tão grotesca que beira o camp. Foi uma saída interessante que a Fish encontrou para a situação em que estava, embora não muito saudável. Só nos resta saber se essa atitude da mafiosa caída enfim nos dará a chance de conhecer o misterioso Dollmaker.

 

 Ah, Barbara teve uma cena bastante constrangedora com Selina, em que tentando bancar a irmã mais velha tenta lhe dar algumas dicas sobre "se arrumar mais" e de "como a beleza pode ser usada como uma arma", só pra tomar nos dedos da pequena ladra. Já a coitada da Ivy tá totalmente sem função na série, sequer tentam desenvolver o personagem dela. Deviam devolver a jovem Hera Venenosa pra estufa e traze-la de volta quando realmente quiserem fazer algo útil com ela.

 

 No geral "The Red Hood" foi um bom episódio. Não foi tão divertido quanto o da semana passada, mas é melhor do que aquilo que a série vinha apresentado. Trouxe um caso da semana interessante através da primeira gangue do Capuz Vermelho, deu uma bela desenvolvida no personagem do Alfred e fez a trama da corrupção das Empresas Wayne andar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x18

 

   GOTHAM sempre cresce quando deixa os casos da semana de lado, e mergulha em sua interessante mitologia. Foi o que tivemos neste episódio intitulado "Everyone Has a Cobblepot" que coloca Gordon em rota de colisão direta com o Comissário Loeb depois que Loeb usa a sua influência para inocentar Flass das acusações feitas contra ele alguns episódios atrás.

 

  Foi um bom episodio por mostrar bons conflitos morais enfrentados por Gordon e Bullock, já que como Bullock diz "Todo mundo tem um Cobblepot" em referência a rabos presos, mas diferente do que houve com o Gordon, o Cobblepot da maioria não esta vivo para anular os pecados. Foi um bom episódio para o Bullock ao mostra-lo em uma pequena jornada de redenção, ao mesmo tempo em que é assombrado por erros do passado.

 

  Já Gordon depois de ser mais uma vez impactado pela corrupção da cidade, retoma a sua parceria com Harvey Dent ara encontrar evidências que possam lhe dar alguma vantagem em sua guerra contra o Loeb. E mais uma vez, Gordon descobre que para enfrentar o monstro da corrupção, tem que andar com os corruptos, ao recorrer novamente a ajuda do Pinguim para encontrar o local onde o comissário corrupto manteria arquivos incriminadores de grande parte da força policial da cidade. Isso rende a divertida cena da visita de Gordon, Bullock e Cobblepot a fazenda do Loeb, onde descobrem um dos pontos fracos do Comissário. Apesar da desnecessária cena final do Pinguim com os velhinhos que cuidavam da fazenda, foi um bom plot, que dá inicio aa subida na carreira de Gordon que um dia o levara a ocupar o posto de Comissário, assim como cria a semente de um conflito interessante, pois o detetive agora deve um favor ao Pinguim.

 

 O episódio enfim introduziu a figura do Dollmaker, vivido por Colm Feore. Gostei do novo vilão, depois de muito termos ouvido falar nele. Na série, o Dollmaker nos é apresentado como um refinado cientista louco, diferente dos mafiosos e serial killers que havíamos visto até então na série. Achei bizarro o castigo que ele dá ao seu antigo gerente, ao amputar partes de seu corpo, substituindo-as por membros femininos. Se os produtores souberem explorar a relação dele com a Fish, pode sair coisa boa dai. Detalhe, a "clinica" do Dollmaker se localiza em uma isolada ilha.

 

  Por fim, tivemos uma participação pequena de Bruce e Alfred neste episódio, mostrando a recuperação do mordomo após ter sido esfaqueado no episódio anterior. Foi legal ver o "Código de pistoleiro" de Alfred, que se recusa a denunciar o antigo parceiro, pois quer cuidar dele ele mesmo, ao mesmo tempo em que foi divertido ver a inversão de papéis entre Alfred e Bruce, com o mordomo tentando deixar o leito de hospital para ir atrás de seu agressor enquanto Bruce tenta convence-lo a voltar para cama. Por fim, parece que Selina vai se juntar a Bruce em sua cruzada para descobrir os podres das Empresas Wayne, algo que pode render bastante, já que as cenas entre os dois são sempre legais.

 

 Em resumo, este décimo oitavo episódio não foi um episódio perfeito, mas foi muito bom para os padrões da série, equilibrando bem os seus plots.

Share this post


Link to post
Share on other sites

 Visto o 1x17

 

  "The Red Hood" como título já deixa claro, traz a primeira aparição do criminoso que tem papel bastante importante na trajetória de dois personagens extremamente importantes do Batverso, Jason Todd, o segundo Robin, e é claro, o Coringa. O episódio mostra Gordon e Bullock investigando a gangue do Capuz Vermelho, que nada mais é do que cinco caras em uma cruzada de vingança contra os bancos que lhe negaram empréstimo. Ao mesmo tempo, Bruce e Alfred recebem na Mansão Wayne um amigo do mordomo de seus tempos nas forças especiais britânicas.

 

 A trama do Capuz Vermelho foi interessante por retratar o poder que os símbolos e a teatralidade possuem diante dos cidadãos de Gotham, algo que sera vital para os futuros heróis e vilões que vão povoar a cidade no futuro. Gostei da forma como o poder transformador quase sobrenatural daquele simples capuz operou sobre aquele grupo de assaltantes pés de chinelo, ao ponto de transformar o "Capuz Vermelho" em uma figura icônica.

 

  A trama paralela mostrando a visita de Reggie, ex companheiro de armas de Alfred a Mansão também foi bastante interessante, dando uma bela desenvolvida no Alfred, ao revelar um pouco sobre o passado sanguento que o mordomo esconde de seu jovem protegido. Tivemos aqui algumas passagens intensas, como o "treinamento alternativo" que Reggie apresenta a Bruce, e o ótimo desfecho que faz conexão com os eventos do episódio anterior.

 

  Agora falando das subtramas, estou impressionado como o arco de Oswald Cobblepot, que por muito tempo foi visto como a parte mais interessante da série, e uma das linhas centrai da temporada tem se tornado desinteressante nos últimos episódios. O Pinguim tem se mostrado bastante ineficaz na condução da boate que Falcone lhe cedeu, e se vê com um problema de estoque de bebida, que para o seu azar é controlado por seu mais recente desafeto Sal Maroni. Oswald acaba recebendo a ajuda de Butch, que não parece mais um zumbi como no episódio anterior, e sim alguém que decidiu jogar "no lado vencedor". Não entendi qual é a do Butch depois de ele ter se mostrado tão leal a Fish em episódios anteriores. Ou os roteiristas estão preparando algo pra ele, ou vacilaram mesmo.

 

  Já no arco de Fish Mooney, finalmente descobrimos quem esta por trás da rede de trafico de orgãos, ninguém menos do que o Dollmaker (que estava por trás dos eventos de um dos primeiros casos lá no início da temporada). Embora o vilão ainda não dê as caras, Fish negocia com o seu gerente (Jeffrey Combs, o eterno Dr. Herbert West de RE-ANIMATOR) resultando em uma cena tão grotesca que beira o camp. Foi uma saída interessante que a Fish encontrou para a situação em que estava, embora não muito saudável. Só nos resta saber se essa atitude da mafiosa caída enfim nos dará a chance de conhecer o misterioso Dollmaker.

 

 Ah, Barbara teve uma cena bastante constrangedora com Selina, em que tentando bancar a irmã mais velha tenta lhe dar algumas dicas sobre "se arrumar mais" e de "como a beleza pode ser usada como uma arma", só pra tomar nos dedos da pequena ladra. Já a coitada da Ivy tá totalmente sem função na série, sequer tentam desenvolver o personagem dela. Deviam devolver a jovem Hera Venenosa pra estufa e traze-la de volta quando realmente quiserem fazer algo útil com ela.

 

 No geral "The Red Hood" foi um bom episódio. Não foi tão divertido quanto o da semana passada, mas é melhor do que aquilo que a série vinha apresentado. Trouxe um caso da semana interessante através da primeira gangue do Capuz Vermelho, deu uma bela desenvolvida no personagem do Alfred e fez a trama da corrupção das Empresas Wayne andar.

 

Melhor episódio para mim até agora!

vou ver essa semana o 1x18

Share this post


Link to post
Share on other sites

GOTHAM | ATOR DE 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO SERÁ LUCIUS FOX Chris Chalk também estava no elenco de The Newsroom

07/03/2015 - 11:12 - THIAGO ROMARIZ
timthumb.php_yDncH2C.jpeg

Um importante personagem do universo do Batman vai aparecer na série de TV  Gotham . Segundo o DeadlineChris Chalk ( 12 Anos de Escravidão e The Newsroom ) está escalado para viver Lucius Fox, um dos figurões da Wayne Enterprise.

Ele vai aparecer no episódio 21 da primeira temporada e ainda tem chances de reaparecer no próximo ano do seriado. A descrição do personagem para o projeto o mostra como um dos "pilares morais" na formação do caráter de Bruce Wayne, além de ser um gênio da tecnologia, que mais tarde ajudará Batman na construção de seus aparelhos.

Gotham, que já está renovada, vai ao ar nos EUA às segundas, na Fox. O canal pago Warner fica a cargo da exibição da série no Brasil.

 

FONTE: OMELETE

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Ator fala sobre o retorno do Coringa em ‘Gotham’

Publicado em 16/03/2015 por Diego Almeida

 

 

coringa-650x400.jpg

Cameron Monaghan, o intérprete da versão juvenil do Coringa em ‘Gotham’, falou sobre suas inspirações para o vilão em entrevista ao Comic Book Resources.

“Eu li praticamente todos os quadrinhos que eu consegui, incluindo alguns óbvios como ‘O Cavaleiro das Trevas’ e ‘
 – A Piada Mortal’, e alguns mais antigos como ‘O Caso dos Peixes Sorridentes’. Eu pesquisei todos os escritores que você pode imaginar, desde Grant Morrison a Brian Azzarello. Eu estava tentando entender como o 
 era retratado pela mídia.”

Depois, o ator comentou a cena de introdução do Palhaço do Crime na série.

“Eu adoro a natureza sádica dele. Ele tem a capacidade de se manter frio, calmo e ardiloso. Ele gosta de fazer outras pessoas se contorcerem, desestabilizá-las um pouco, o que eu acho fascinante. Eu tive apenas aquela cena para mostrar isso, então eu quis aproveitá-la o máximo que pude. Eu brinquei um pouco com a inteligência do personagem e tive sorte de ter a cena da reviravolta dele, em que ele revelou ter tramado [a morte da mãe] o tempo todo. Aquele momento foi ótimo. Como qualquer ator, eu estava confiando no roteiro para me conduzir, e acho que funcionou.”

Monaghan ainda foi questionado sobre seu retorno como Jerome/Coringa. Ele prevê que isso não deve acontecer tão cedo.

“Quando eu estava no set, nós discutimos a possibilidade de eu retornar na segunda ou terceira temporada. Nada está definido ainda. Acho que os produtores têm um plano sólido para o que pretendem fazer, mas eu não estava a par disso durante as filmagens. Eu adoraria voltar para fazer mais cenas. Estou muito curioso para ver onde vão levar Jerome. 
 é essencial para a origem do 
, mas ainda não chegamos a esse ponto. Contudo, Jerome é uma pessoa que de certa forma existiu antes disso.”

FONTE: CINEPOP

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Estou com pouco tempo para acompanhar as séries... São poucas que estou conseguindo manter em dia...

 

Gosto de como a relação Alfred / Pequeno Bruce está sendo construída... Aquilo que poderia ser o ponto fraco da série é hj um ponto muito forte...

 

Também gostei muito da inserção do Coringa... O moleque conseguiu transmitir bem o espírito do personagem ainda em formação... Veremos... Só a Barbra que continua naquelas...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×