Jump to content
Forum Cinema em Cena

Desenhos Consagrados!


Wesley FM
 Share

Recommended Posts

10/10 Caverna do Dragão

Por Pablo Miyazawa

cavdodrago_01_peq.jpgNa edição #3 da HERÓI 2000, em 1999, publicamos uma matéria exclusiva sobre o verdadeiro final do desenho Caverna do Dragão. O assunto era bastante polêmico porque acabou se tornando uma lenda na Internet (que rola até hoje, aliás), com diversas discussões sobre o que teria acontecido com os jovens heróis da animação. As especulações eram gigantescas: havia quem afirmava que eles tinham morrido e ido para o inferno, que o Vingador era aliado do Diabo, que Uni era um ser maligno e coisas assim. Boa parte dessas dúvidas surgiram porque a série não teve seu final produzido, pois foi cancelada antes.

 


cavdodrago_02_peq.jpgAssim, tivemos a idéia de averiguar melhor o que realmente teria acontecido aos personagens. Assim, Pablo Miyazawa foi a fundo na investigação e conseguiu falar com os próprios roteiristas do desenho que revelaram tudo o que todos queriam saber. O roteiro final, mostrando o encerramento de Caverna do Dragão, foi escrito em 1985, então está completando agora vinte anos. Para comemorar, republicamos agora novamente a reportagem. Acompanhe:


MORTOS NO INFERNO


cavdodrago_03_peq.jpgO ano é 1986. A mania dos RPGs (Role Playing Games) ainda era pouco conhecida no Brasil, mas o nome Dungeons & Dragons - o jogo mais importante do gênero - começava a surgir por aqui, na forma de um desenho animado exibido pela Globo. Batizado de Caverna do Dragão, a animação ganhou fãs e logo tornou-se um dos mais populares da época. Para quem não se lembra, a série mostrava as aventuras de Hank, Bobby, Eric, Presto, Sheila e Diana, seis jovens que foram transportados para um mundo paralelo enquanto brincavam em um parque de diversões. Acompanhadas pelo unicórmio, Uni, e ajudados (nem sempre) pelo misterioso Mestre dos Magos, os heróis tentavam exaustivamente retornar para casa, enfrentando no caminho o maligno Vingador e Tiamat, o dragão de cinco cabeças.


cavdodrago_04_peq.jpgProduzido de 1983 a 86 pela Marvel Films em conjunto com a Dungeons & Dragon Corp., o desenho foi exibido pela CBS dos EUA. Depois de três temporadas e 27 episódios, a série foi encerrada sem uma explicação ou um final conclusivo. Hoje, quase quinze anos depois (esta matéria original é de 1999, lembre-se), alguns boatos começaram a circular pela Internet sobre a existência de um "verdadeiro" episódio final do desenho. Entre as muitas versões da história, a que mais deu o que falar é a que dizia que os seis heróis morreram e foram para o inferno.


MESTRE DOS MAGOS É O DEMO


cavdodrago_05_peq.jpgA história é tão sinistra que é difícil não se surpreender. Segundo o boato, o dragão Tiamat seria na verdade um anjo, enviado para dizer que os garotos nunca conseguiriam retornar ao seu mundo... porque eles estariam mortos. Após um acidente fatal na montanha-russa, Hank e seus amigos teriam morrido e destinados a permanecer para sempre no inferno. Lá eles estariam sendo vítimas das maldades do Demônio, que aparecia ora na forma de Vingador, ora na forma de Mestre dos Magos. Para auxiliar seu trabalho, o Coisa-ruim tinha a ajuda de Uni, que sempre impedia os garotos de retornar para a Terra. Esta trama macabra foi amplamente divulgada na Internet e tão bem contada que muita gente passou a tomá-la como sendo verdadeira. Para acabar com as dúvidas, a HERÓI 2000 conversou com dois roteiristas e o criador do desenho, que concordaram em uma coisa: é tudo papo furado!


cavdodrago_17_peq.jpgGary Gyrax, produtor e criador de Caverna do Dragão, é quem define: "Não há verdade alguma nisso. Nenhum episódio assim foi produzido. Tiamat não é um anjo e nem ajuda de maneira nenhuma". Já Mark Evanier, um dos roteiristas da série, é mais enfático: "Isto é completamente falso! Apesar de vários finais possíveis terem sido discutidos, nenhum último episódio foi realmente produzido". O escritor Michael Reaves, roteirista de oito episódios, completa: "Caverna do Dragão foi um desenho muito sombrio para sua época - tanto quanto é Gárgulas hoje. Nós o levamos o mais longe possível para um programa infantil". Apesar de Caverna ter sido um desenho à frente de seu tempo, Reaves diz que não haveria chance nenhuma de uma história deste tipo ter ido ao ar: "Os garotos não ficaram presos no inferno, nem o Mestre dos Magos é o demônio ou coisa parecida. Essa história toda é absurda", diz. Mas então, qual é a verdade afinal?


O VERDADEIRO FINAL


cavdodrago_06_peq.jpgAo final do terceiro ano da série, a CBS decidiu colocar no ar um episódio que encerrasse a temporada. Michael Reaves escreveu aquele que pode ser considerado o verdadeiro último capítulo da série: "Requiem. "Este episódio foi escrito de forma que tivesse um duplo sentido, ambíguo e triunfante: se o desenho não continuasse, o final seria satisfatório; se continuasse, o episódio serviria de trampolim para uma nova direção".


cavdodrago_07_peq.jpgReaves finalizou o roteiro de "Requiem" em maio de 1985. Para sua surpresa (e a de todos), a série foi encerrada bruscamente e este roteiro acabou nunca saindo do papel. Gary Gyrax explica o fato: "Em 85, a equipe do desenho se reuniu com os executivos da Marvel (uma das produtoras também) e da CBS e foi decidido que a animação continuaria na temporada seguinte. Os seis garotos - mais velhos e experientes - seriam chamados de volta ao mundo da Caverna do Dragão pelo Mestre dos Magos. "Três scripts do desenho foram feitos e eu até aprovei um deles. Mas algumas dificuldades surgiram. A D&D Corp. fechou e a CBS junto com a Marvel decidiu não continuar mais. A nova série acabou cancelada antes mesmo de ser produzida". Caso resolvido e encerrado.


O FINAL QUE NINGUÉM VIU


cavdodrago_08_peq.jpg"Requiem" pode ser considerado o verdadeiro final de Caverna do Dragão. Escrito há quase quinze anos, a história traz algumas revelações surpreendentes e um desfecho que certamente agradaria os fãs. "Eu gostaria que o episódio se chamasse "Redemption" ("Redenção"), mas a emissora achou que este nome dava muito na cara", diz Michael Reaves. Com a série cancelada, o roteiro nem chegou a virar desenho. Veja o resumo da aventura:


cavdodrago_09_peq.jpgO episódio inicia com os seis garotos enfrentando uma hidra. O Mestre dos Magos aparece durante a briga mas se recusa a ajudá-los, o que causa estranhamento geral. Mais tarde, o Vingador surge e apresenta uma maneira para a turma voltar ao seu mundo: encontrar uma chave escondida e arremessá-la em um abismo. A proposta faz o grupo se dividir em dois (Eric, Presto e Sheila de um lado e Hank, Bobby, Diana e Uni do outro). Após quase morrerem em um vulcão, eles se juntam novamente e encontram a tal chave dentro de um sarcófago com a imagem do Vingador. Ao serem atacados por uma ameba gigante, Eric usa a chave em uma fechadura e salva seus amigos da morte certa. Isso faz o Vingador se transformar em sua forma real (um cavaleiro) e se revela filho do Mestre dos Magos. Com o vilão libertado, os garotos ganham a opção de voltar para seus lares. O episódio termina sem o espectador saber se eles retornaram ou não para a Terra, deixando aí o espaço para uma continuação na temporada seguinte.

cavdodrago_10_peq.jpgcavdodrago_11_peq.jpg
cavdodrago_12_peq.jpgcavdodrago_13_peq.jpg
cavdodrago_14_peq.jpgcavdodrago_15_peq.jpg

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 146
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Homem-Aranha, os desenhos animados

 

:: Leia aqui a parte 1 :: Leia aqui a parte 2 ::

Os fãs que me desculpem, mas já deixo clara minha opinião: As duas últimas séries do Aranha foram decepcionantes!

90s_logo.jpg

90s_peter.jpg
Peter Parker mauricinho...

90s_peters.jpg
... e baseado em live action

90s_hidro.jpg
HydroMan

90s_duende.jpg
Duende Verde

90s_lagarto.jpg
Lagarto

90s_gata.jpg
Gata Negra

90s_teia.jpg
Madama Teia

90s_venon.jpg
Venon

90s_beyonder.jpg
Beyonder e 'os aranhas'

90s_guerreiros.jpg
A origem do Cap. América

90s_secret_wars.jpg
Guerras Secretas

90s_justiceiro.jpg
Justiceiro

90s_aranha_stan.jpg
Pai e filho

Antes que me crucifiquem, porém, explicarei por que penso assim. Depois de anos levando chumbo com suas adaptações para TV e cinema , a Marvel, pela primeira vez, acertou a mão com o sucesso do desenho dos X-Men. Essa bola dentro abriu caminho, então, para uma feliz adaptação cinematográfica dos heróis mutantes. Antes, no entanto, em 1992, a DC Comics havia brilhado com a melhor adaptação já feita das aventuras de um certo homem-morcego: Batman - The Animated Series. A iniciativa provou ser possível levar HQs para a telinha com qualidade, requinte e criatividade. E, acima de tudo, respeitando a fonte.

Aí, tornou-se questão de honra: a personagem mais famosa da Marvel tinha que figurar numa série à altura da concorrência. Além disso, era preciso calçar o terreno para a tão sonhada produção cinematográfica do aracnídeo.

E que melhor maneira de se alcançar este objetivo senão seguir o exemplo do sucesso X-Men? A fórmula era simples. Pegam-se os gibis originais, adaptam-se as melhores histórias e assim matam-se dois coelhos (ou aranhas) com uma só cajadada. Conquista-se o respeito dos leitores antigos, graças à fidelidade ao original e cativa-se novo público que, de lambuja, pode assimilar décadas de cronologia sem ter uma indigestão. A estratégia soa perfeita não? Bem, a coisa não saiu exatamente como o esperado...

ANTES DE DESCER O MALHO, OS ASPECTOS POSITIVOS

1. É certo dizer que uma série animada com cinco temporadas (65 episódios produzidos para o canal Fox, entre 1994 e 1998) não pode ser considerada um fiasco. E não foi mesmo. Esta aceitação, sem dúvida, ajudou a manter a popularidade do Aranha nos últimos anos a despeito da qualidade de suas HQ no mesmo período.

2. Os episódios foram produzidos pelo estúdio japonês
Tókio Movie Shinza
. Todos têm animação competente e são bem dirigidos. Citando alguns: “
A noite do Lagarto
” (piloto), “
A roupa alienígena
” (somente a parte 1, as demais são lastimáveis), “
HydroMan
” (essa personagem idiota não merecia, mas ganhou um episódio bem feito) e os capítulos com o
Duende Verde
, em especial o que adapta o clássico “
A morte de Gwen Stacy
”, que foi substituída pela namorada do Aranha,
Mary Jane
. A ruivinha, por sinal, não morre, mas, sim, é lançada em outra dimensão. (?) Infelizmente esse “padrão ISO 9000” de qualidade não se fez presente em boa parte da série. Há episódios onde é vexatória a animação.

3. As personagens deixaram de ser unidimensionais. Houve maior preocupação com a personalidade e psicologia (pelo menos do elenco principal). Esta medida, em geral, não foi muito longe. Quando ia, porém, quase sempre exagerava na dose, com draminhas mexicanos no melhor estilo novelão. Peter Parker, por exemplo, foi retratado como um almofadinha para lá de mauricinho...

PARA QUEM PODE, NÃO PARA QUEM QUER

Se a Marvel almejava o sucesso de crítica e público alcançado pelo desenho do Morcegão, cometeu alguns tropeços imperdoáveis. O primeiro deles foi a escolha das HQs a serem adaptadas e a forma como isso foi feito.

A princípio, tudo indicava que os episódios trariam aventuras soltas em ordem cronológica, narrando fatos relevantes do Aracnídeo. Entretanto, a partir da segunda temporada, optou-se por um escabroso formato mini-série. Foram diversos arcos de aventuras interligadas, que mais faziam lembrar as lambanças da cronologia dos gibis. Se o espectador não assistia a um dos episódios, a meada inteira perdia sentido. Todavia, piores mesmo eram as seqüências nas quais, mesmo perdendo um capítulo, percebíamos que não havíamos perdido nada.

É fato sabido que não se pode adaptar uma história ipsis literis do original ao levá-la a outra mídia. Modificações fazem-se necessárias. Bom senso na dose certa, no entanto, é essencial. O que se viram foram algumas aberrações: o sub-vilão Duende Macabro, descendente do Duende Verde, surgiu antes deste e o insidioso Abutre se “rejuvenesceu” sem mais nem menos. Como se não bastassem tais mudanças descabidas, excessiva atenção receberam bandidecos de quinta categoria como Smythe, Shocker, a ridícula Gata Negra, a infame Madame Teia e ao escrabroso Beyonder. Este último levou a uma mais do que dispensável adaptação da detestável mini-série Guerras Secretas, uma história em quadrinhos que já não parece tão ruim quando comparada à sua versão animada.

Recheada de participações especiais – Nick Fury, Dr. Estranho, X-Men... – até dizer chega, a série desperdiçou episódios valiosos com o já citado Macabro, Carnificina (tão ruim quanto nas HQs), Blade (abrindo caminho para seu filme), o Justiceiro (mais bundão do que nunca), Morbius (antes um cientista atormentado, agora um mauricinho vampiresco) e os Seis Guerreiros Esquecidos. Estes últimos, dispensáveis refugos da Segunda Guerra mundial, marcam ponto apenas para narrar, de maneira hedionda, a origem do Capitão América. Por sinal, tal arco de histórias trata-se do reaproveitamento de um roteiro recusado – graças a Deus – para o filme do Cabeça de Teia. O roteirista dessa “obra” foi John Semper, editor da série animada. Suspeito, não? Ainda, sobre seu crime, ele chegou a comentar: “É muito legal! Eu sempre quis fazer algo como Watchmen”. Pretensioso o menino, não?

HOMENAGENS ATROZES

Esteticamente, a série sofria com um desenho de produção pobre. Todas as personagens masculinas tinham o mesmo corpo exagerado. Veículos e máquinas padeciam de uma falta de criatividade absoluta e as tão festejadas cenas com cenários em 3-D não “casavam” de jeito nenhum com a animação tradicional. A propósito, elas eram repetidas à exaustão, fato imperdoável numa “superprodução”. E o pior, Peter Parker tinha suas feições baseadas no rosto de Nicholas Hammond, o Aranha bobão da série live action dos anos 70!

Para finalizar esta ode às piores atrocidades aracnídeas de todos os tempos, o último ciclo de aventuras foi a famigerada Guerra das aranhas. Neste arco, de nome tão infeliz em português, nosso herói amarga inúmeras viagens dimensionais encontrando toda a sorte de Homens-Aranha que a (falta de) criatividade humana teve a ousadia de conceber. Confira a imagem e escolha o seu favorito. Para piorar, no último episódio ainda há o cafonérrimo encontro do Homem-Aranha com seu criador Stan Lee. Ambos dão uma voltinha de teia e encerram com chave de titica uma série de equívocos desnecessários.

90s_aranhas.jpg

Enfim, o que essa série conseguiu mesmo foi celebrar tudo o que havia de pior nos últimos quinze ou vinte anos de HQs do Aranha. Em suma, um tremendo desperdício não só de celulóide, mas de oportunidade. Afinal, Batman hoje é um clássico. Já esse Aranha... Bem, tem gosto para tudo.

BOBAGEM SEM LIMITES

90s_unlimited2.jpg

90s_unlimited1.jpg
O novo Aranha

90s_unlimited3.jpg
Ameaças do futuro

90s_unlimited4.gif
Uniforme high-tech

Ei. Não pense que o tormento acabou por aí, não.

Em 1999, a Marvel ainda sacou da manga uma nova criação (quase) original com o seu aracnídeo preferido: Homem-Aranha – ação sem limites.

Imagine que, para resgatar o astronauta John Jameson, filho do dono do Clarim Diário, o Aranha viaja a outro planeta, a Contra-Terra, um mundo igualzinho ao nosso, com a diferença de que lá, a raça dominante são os Bestiais. Tratam-se de animais geneticamente alterados por um cientista intitulado o Alto Evolucionário. Adivinhe quem vai salvar o (outro) mundo? Claro, o Amigo da Vizinhança. Só que agora munido de um novo uniforme hi-tech, todo feito de nanomáquinas, cortesia de Reed Richards, o Sr. Fantástico. Fantástico mesmo, porém, é que no tal planeta, nosso amiguinho encontra as contrapartes de vilões conhecidos por estas bandas como o Duende Verde e o Abutre, sem falar em outras besteiras incluídas apenas para vender novos brinquedos. Tenha dó. Mesmo nas HQs, o Alto Evolucionário sempre foi um vilãozinho chumbregra...

De onde teria vindo idéia tão maravilhosa? Bem, talvez você lembre que a personagem clássica, Fantasma, alguns anos antes, havia angariado razoável aceitação com uma série de animação, que se passava em 2040. Pouco tempo depois, a Marvel lançou o já finado gibi do Homem-Aranha 2099. Além disso, a DC recentemente emplacou também o desenho animado Batman do Futuro. Embora todos apostassem no fracasso deste último, foi o único do gênero que realmente viu a cor do sucesso.

Então, é só somar dois mais dois e teremos o Aranha do Futuro, certo? Ledo engano. Até imagino os executivos discutindo: “Vamos mandar o cara pra outro planeta que não fica tão na cara. Aí recauchutamos o Aranha 2099 e...” Bem, deu no que deu. Apenas 13 episódios exibidos no canal Fox Kids e mais um fiasco para manchar a carreira do sobrinho da Tia May.

Hoje, já se fala de um nova série aracnídea, toda feita em 3-D, a sair na cola do longa-metragem, que estréia em maio próximo. Quem viver verá...

Link to comment
Share on other sites

Thundercats, hoooooo !

Por Marcelo Forlani

 

thundercats_t%EDtulo.jpg

thundertank_toy.jpg

Para começo de conversa, os Thundercats não nasceram em Thundera, como você deve imaginar. Nem nos Estados Unidos e nem tampouco no Japão! Ah e não foi em Cidade City também, viu? Os "gatinhos" são, na verdade, cria inglesa, datada do ano de 83 e seus desenhos começaram a ser transmitidos em 85. 90% (ou algo em torno disso) da equipe de criação era composta de nihonjins (japas), o que fez com que os desenhos tivessem uma animação que até hoje deixa a galera embasbacada. Desta mesma época eram os igualmente maravilhosos He-Man e GI Joe, que além do sucesso dos seus desenhos também tiveram as altas vendas dos bonecos, afinal, quem é que não teve pelo menos um brinquedinho que seja de uma destas três series? Se não teve, pelo menos passou vontade (o meu caso).

thundercats_ho.jpg

Os Thundercats, para quem não se lembra (ou nunca teve a oportunidade de assistir) eram meio humanos e meio felinos. Eles tiveram que deixar o seu planeta de origem porque ele estava instável e ia explodir. Antes que você pense bobeiras, o nome deste mundo não era Krypton, mas sim Thundera! A nave usada na fuga da catástrofe foi, no entanto, atacada pelos Mutantes (nada a ver com os humanos que tem aquele "gene X", viu?), mas seu líder, Jaga, conseguiu pilotar a nave, que tinha sido danificada no ataque inimigo, e conseguiu pousá-la no "Terceiro Mundo". Esta foi, porém, a sua última missão como líder dos Thundercats, pois ele não aguentou a viagem e acabou morrendo depois de pousar a nave em segurança. Os outros passageiros da nave estavam dentro de cápsulas criogênicas, que tinham como principal função retardar o envelhecimento dos seus tripulantes durante a viagem. Mas um dos recipientes não funcionou como deveria e seu usuário acabou envelhecendo. O nome do "sortudo" era Lion-O, o herdeiro de Jaga na liderança do grupo. Os outros sobreviventes da tragédia de Thundera, que também estavam na nave eram: Panthro, Cheetara, Tygra, Wily-Kitt, Wili-Katt e Snarf. Juntos, eles são os Thundercats!

Os heróis

Lion-O
Lion-O

Lion-O
Cheetara

Lion-O
Panthro

Lion-O
Tygra

Lion-O
Wily-Kitt e Wily-Katt

Snarf
Snarf

Jaga
Jaga

Lion-O era o líder da equipe. Ele andava sempre com a sua espada mística, mágica, misteriosa e maravilhosa (nossa, tudo com "M"!), ela era chamada de "Espada Justiceira" (Sword of Omens em inglês)! Com ela, o Lion-O podia ter "a visão além do alcance", que o permitia ver coisas que estavam acontecendo do outro lado do mundo. E se ele se metia em perigo, ainda podia chamar os outros através do "thunder-sinalizador" da espada, uma espécie de Batsinal, mas com o olho de thundera no lugar do morcego, claro! Outra arma usada por ele era uma garra, que funcionava principalmente para se defender, mas que também tinha uns apetrechos dignos do cinto de utilidades de um certo morcego.

Cheetara era a gata da equipe. Literalmente. O ponto forte da filhote de guepardo em questão era a sua velocidade. Ela podia correr muito, mas muito rápido mesmo. Mas seus poderes eram passageiros. Ela não conseguia sair correndo na velô o tempo todo, tinha um certo limite. Cheetara tinha ainda um sexto sentido telepático. Sua arma era um bo, aquele bastão do tipo que o Robin Hood usa para derrubar o João Pequeno. Lembrou?

O mais forte da equipe era Panthro. Mas a força não era tudo o que ele tinha. Foi Panthro quem construiu o veículo utilizado pelos Thundercats, o Thunder Tanque! O cara era uma espécie de Fera dos X-Men, com as orelhas do Sr. Spock e suspensórios que tinham pontas de dar inveja a muito punk que há por aí. A arma usada pelo herói era um nunchako que tinha as pontas em forma de garras. Bem louco!

Tygra era o mais bobinho. A arma dele era uma espécie de boleadeira, pensando bem, é difícil definir a arma do cara... bom, mas vamos em frente. O poder dele era o de ficar invisível, que nem a mulher daquele borrachudo fantástico. Aliás, me veio uma questão à mente: será que as roupas que os Thundercats usavam também foram confeccionadas pelo Reed Richards? Pô, uma coisa é o cara ficar invisível, outra é a roupa ficar também, né? Nisso o desenho do Goober era legal. Ele ficava invisível, mas a coleira e o gorrinho continuavam lá! :)

E não acabou ainda. Tinha ainda os dois pirralhos do grupo: Wily-Kitt e Wily-Katt. Na minha opinião eles eram tão importantes para os Thundercats quanto os Super-Gêmeos eram para os Superamigos... Uh, peguei pesado, nessa, hein? :)

Katt tinha um cabelo que lembra muito o do Wolverine e a Kitt tem a mesma mecha da Vampira. Pode ser implicância minha mas eu não estou citando muitos mutantes, não?

E por último, mas não menos importante, nós temos o Snarf. Se fosse para fazer um paralelo com o personagem de outro desenho, sem dúvida seria com o Gorpo dos desenhos do He-Man. O mascote do grupo também só sabia se meter em encrencas e lá ia o Lion-O salvar o bicho... Fala a verdade, lembra ou não lembra?

Seu nome de verdade não era Snarf, mas sim... (e aí, tá curioso??? Desiste? Hein? Hein? Não sabe? Tá bom, eu falo)... Osbert, mas todos o chamavam pelo apelido porque este era o som que ele mais emitia: Snarf, Snarf!

Havia ainda Jaga, que era o antigo "Senhor dos Thundercats". Como eu já disse, ele morreu logo no começo da história, mas não foi isso que o impediu de aparecer nas histórias. Muito pelo contrário, dando uma de Mestre dos Magos, o gato-fantasminha-camarada vivia aparecendo (e sumindo!) e mandando umas frases meio sem sentido para o coitado do Lion-O, que passava o desenho todo para descobrir o que que o véio queria dizer. Definitivamente, vida de herói não é fácil...

Tinha ainda aqueles malas que apareceram umas temporadas mais para frente. Eles também eram sobreviventes de Thundera e seus nomes eram Lynx-O (um bicho de orelha pontuda - igual o Panthro - e cego!), Pumyra e Ben-Gali. Eles eram tão inúteis que a função deles no desenho era ficar de guarda na Toca do Gato (lar dos Thundercats). Uns completos inúteis... E por falar em inútil, eu não poderia deixar de falar no Snarfer. O pentelho em questão era sobrinho do Snarf e ao invés de falar "Snarf" falava "Snarfer" e, o pior, usava um cinto! Meu deus, para quê um cinto, se nem calça ele tinha??? Foi quando surgiram estes personagens que eu comecei a desencanar... era muito para a minha cabeça! Mas isso foi bem mais pra frente. Os primeiros, aqueles lá de cima, me garantiram muitas aventuras bem legais!< name=FrontPage0>>

Os Vilões

 

Lion-O
Mumm-Ra

Lion-O
Escamoso

Lion-O
Abutre

Lion-O
Simiano

Lion-O
Chacal

Antigos Espíritos do Mal, transformem esta forma decadente em Mumm-Ra, o ser eternoooooooo!! Era com esta frase que o principal vilão do Terceiro Mundo, Mumm-Ra, deixava de ser uma velha múmia caquética e se transformava num dos vilões mais nojentos que a história dos desenhos animados já viu. Meu, o cara falava e ficavam aqueles fios de baba na boca dele, de cima a baixo... eca!! (Eu lembro que tinha um gordinho no colégio que também era meio babão e quando ele falava formava os tais "fiozinhos". Adivinha o apelido dele ;^P ). O consumidor de ataduras aí morava numa pirâmide e era poderoso pra caramba! Estes poderes vinham destes tais espíritos do mal, velhas almas que queriam propagar o mal no planeta.

Lembra que no começo do texto eu falei dos Mutantes? Pois é, alguns deles (os com menos QI, creio eu) caíram no mesmo planeta que os Thundercats e Mumm-Ra usou seus poderes para afundar sua nave e torná-los seus lacaios. São eles:

Essssssscamoso - o líder mutante. Ele basicamente tinha duas grandes funções: destruir os Thundercats e brigar com o Abutre pela liderança do grupo. Ah, eu estou levando em consideração que tomar umas bordoadas dos Thundercats era uma consequência da primeira função e não uma terceira, ok? :)

Abutre - o segundo na hierarquia do bando. O carecão aí ao lado era o cara que construía o armamento para tentar destruir os heróis. Até agora não sei se isso conta como virtude ou defeito, pois apesar de demonstrar inteligência para construir tais artefatos, eles sempre falhavam...

Simiano – não tenho muito para falar sobre este... mas se nós humanos realmente somos descendentes dos macacos, espero que não seja da raça deste aí, pois vai ser burro assim lá nao Terceiro Mundo, sô!

Chacal – preciso mesmo falar? Só para você ter uma idéia do intelecto deste aqui ele é o quarto de uma hierarquia de quatro. Citando as palavras que eu li num site sobre esses vilões: "O Chacal deve se dar por contente pelo simples fato de não ter responsabilidade alguma quando as coisas dão errado. O cara é um covarde e grita como uma menininha quando a dor está para ser aplicada em seu corpo". Chega, né? Já foi suficientemente desmoralizado.

Tinham ainda os maletas dos Lunataks, e uma galeria de vilões de fazer inveja a qualquer um. Entre eles estão: Ooze, Tashi, Grune - o Destruidor, Mongor, Trollark e mais um verdadeiro zoológico, com direito a Tubarão, Leão, Sapo, Toupeiras e Dragões.

Curiosidades e episódios supimpas

Toca dos GatosVocê sabia que no episódio onde os Berbils aparecem pela primeira vez Lion-O e Snarf são capturados numa armadilha feita por estes tampinhas? É claro que eles logo se tornam amigos. Mumm-Ra fica puto com isso, pois ele não quer que os Thundercats façam amizades com os ursinhos e ameaça destruir a vila deles. Os homens-gato conseguem deter o vilão e como forma de agradecimento os Berbils constróem a Toca do Gato para eles.

Certa vez, os Thundercats estavam precisando de Thundrillium, para fazer a Toca do Gato e o Thunder Tanque funcionarem (Nota: Thundrillium era uma rocha, que tinha como principal função servir de fonte de energia para a tecnologia thunderiana). Depois de muita procura, Tygra acha uma caverna cheia do tal mineral, porém, ao entrar na caverna ele vai ficando mais e mais velho. Cheetara, com sua supervelocidade consegue entrar na caverna e salvá-lo, mas não antes dele estar bem envelhecido e já quase que batendo as botas (Gato de Botas, sacou? Hã? Hã?). É então que Wylla, a nova aliada deles, conta sobre uma fonte da juventude, para onde Tygra é levado.

O Mumm-Ra, já conseguiu roubar a Espada Justiceira uma vez. Ele usou seus poderes para se disfarçar de thunderiano e entrar na Toca dos Gatos. Mas todo o seu esforço foi em vão, pois a espada não obedece às forças do mal. Lion-O consegue pegar a espada de volta e dar uns cascudos no "Muminho".

ThunderpeladosVocê se lembra do primeiro episódio? Nele os Thundercats aparecem peladinhos! Nus em pêlo (muito pêlo, diga-se de passagem)! Mas antes que você saia correndo para procurar "aquelas coisas" neles, já vou avisando... eles estavam sem calças, mas não aparece nada. É igual o Pato Donald. Ele sai do banho com a toalha enrolada na cintura, mas depois veste só a camisa, pois não tem nada para mostrar embaixo. Vai entender...

E o sucesso dos Thundercats não ficou restrito apenas aos seus episódios na TV. Em 86, ou 87 (não me lembro bem) a Abril Jovem lançou aqui no Brasil uma revista com histórias em quadrinhos dos Thundercats, que era produzida pela Marvel.

Pena que até hoje ninguém tenha tido coragem de pegar estes personagens para fazer um filme... já pensou?

Link to comment
Share on other sites

Super-heróis da Hanna Barbera

 

frankenstein_jr2.gifUma boa parte da infância do pessoal do Omelete foi estrategicamente utilizada na frente de uma televisão. Essas tardes de estudo, tinham o intuito de fornecer material de pesquisa para o nosso site, que iria ao ar 15 anos depois. Claro que nós já imaginávamos que existiria Internet! Se não soubéssemos, teríamos usado esses períodos para atividades escolares, tipo fazer a lição de Estudos Sociais. :-)

Os cartoons produzidos pela Hanna Barbera sempre foram os preferidos da maioria dos cozinheiros. Claro que também sempre adoramos gibis de super-heróis, portanto, nada melhor que assistir desenhos da HB lotados de combatentes do crime! E pode apostar que as tardes eram recheadas deles!

space_ghost.jpgSpace-Ghost

Mais conhecido atualmente como apresentador de um talk show no Cartoon Network, Space Ghost teve seus dias de heroísmo. Quando foi criado, em 1966, por Alex Toth, o herói tinha a digna e árdua tarefa de proteger a galáxia de raças hostis. Um trabalho bem mais interessante que ficar sentado atrás de uma mesa, correto? Isto, até o Jô Soares faz.

zorak.jpgCom seus companheiros Jan, Jace e o macaco Blip, Space Ghost tinha sua base de operações no Planeta Fantasma. Seu meio de transporte, o Cruzador Fantasma, singrava o espaço atrás de vilões interplanetários como Moltar, Brak e Zorak. Os três, via de regra, eram derrotados pelos aparatos do herói, como as pulseiras de força, que eram capazes de disparar raios de todo tipo e torná-lo invisível.

Confira o sensacional INVISIO-SITE criado pelo Cartoon Network para o personagem.

Os Herculóides

herculoides.jpgLançados pela CBS no outono de 1967, Os Herculóides também foram criados por Alex Toth. Zandor, Tara, Dorno, Zokk, Igoo, Tundro, Gloop e Gleep eram os poderosos defensores do planeta Quasar. O grupo, liderado pelo bárbaro Zandor, contava com a ajuda de bizarras criaturas:

Zok, um dragão alado, disparava raios de força de seus olhos e cauda. Igoo, um gorila de pedra gigante, era dono de uma força inacreditável. Tundro, uma mistura de centopéia e rinoceronte (eu avisei que eram bizarros), atira rochas de energia de seu chifre. Gloop e Gleep são uma espécie de criatura-geléia, no estilo dos barbapapas, que podem assumir qualquer forma,

Zandor é marido de Tara e com ela tem um filho, Dorno. Sua única arma é um ridículo estilingue, que dispara as mesmas pedras que Tundro. Os Herculóides estiveram junto de Space Ghost em dois episódios.

galaxy_trio2.jpgGalaxy Trio

Três combatentes do crime intergalático, o Galaxy Trio era formado por Homem Vapor, Mulher Flutuadora e Homem Meteoro. Viajando pelo espaço na nave Condor I, cada personagem tinha poderes de acordo com seu planeta de origem.

A Mulher Flutuadora, vinda de Gravitas, é capaz de fazer flutuar qualquer objeto. Homem Meteoro, nativo de Meteorus, consegue fazer qualquer parte do seu corpo aumentar de massa (que conveniente!). Já o Homem Vapor, do planeta Vaporus, transforma seu corpo em gás e pode utilizá-lo como arma química.

O cartoon foi criado por Alex Toth em 1967 e teve 20 episódios produzidos.

Homem-Pássaro

homem_passaro_vingador.gifOutro super-herói criado por Alex Toth foi o Homem-Pássaro. Sua estréia aconteceu no mesmo dia em que Galaxy Trio foi exibido pela primeira vez.

homem_passaro_raios.gifA base do herói fica em um vulcão abandonado. Sua única conexão com o mundo é o Falcão 7, um agente governamental. Seus poderes, como os do Super-Homem, vêm de sua habilidade de absorver a energia solar. A força captada é utilizada na emissão de raios de luz destrutivos, super-força e geração de um escudo energético. O Homem-Pássaro voa com as asas nas costas (meio óbvio, mas tudo bem) e patrulha os céus na companhia de sua águia, o Vingador.

Foram produzidos 40 episódios do Homeeeeeeeeeeeeeem-Pássarooo (lembra do grito dele?).

Os Impossíveis

os_impossiveis.jpgA febre por desenhos animados de super-heróis em meados dos anos 60, gerou também Os Impossíveis.

O supergrupo formado por Coil o homem-mola, Multi-Homem e Homem-Fluido era, na verdade, uma banda de rock. Eles entravam em ação quando chamados pelo governo. Para enfrentar os vilões, o trio empregava suas habilidades únicas. Coil, baixinho e gorducho, tem os membros na forma de molas e pode saltar e esticá-los à vontade. O Multi-Homem é capaz de multiplicar-se em dezenas de Multi-Homens. O Homem-Fluido transforma seu corpo em água, mantendo sua integridade.

Como todo bom supergrupo, Os Impossíveis possuem um 'Impossimóvel' e tem um grito de guerra: "Vamos nós, e não vamos sós!"

36 episódios de Os Impossíveis foram produzidos.

Os Cavaleiros da Arábia

cavaleiros3.jpgEm 1968, um supergrupo um pouco diferente dos demais surgiu nos estúdios da Hanna Barbera. Os Cavaleiros da Arábia não combatiam o crime como agentes do governo ou vingadores espaciais. Os 6 super-heróis árabes enfrentavam os vilões no oriente médio!

Inicialmente criados para fazer parte do Show do Banana Split (Lembra desse?), os cavaleiros conquistaram o público e ficaram dois anos no ar.

cavaleiros.gifComandados pelo Príncipe Turhan, o grupo era composto por Bez (um mágico capaz de se transformar em qualquer animal), Farik (mago), a Princesa Naida (hábil em disfarces), Raseem (o homem forte do grupo, capaz de levantar dois camelos de uma só vez) e Zazun (um burrinho que se transforma em ciclone quando puxam sua cauda).

Shazzan

shazaan.jpgCriado em 1967, o desenho animado do Shazzan contava histórias sobre as aventuras de dois irmãos gêmeos. Num belo dia, Chuck e Nancy encontram um par de anéis mágicos com umas letras escritas neles. Os dois resolvem fazer a besteira de juntar os dois anéis para ver o que estava escrito... quando fazem isso, os anéis transportam os dois para o passado. Lá, eles conhecem Shazzan, um gigante com poderes mágicos. Ele conta que os gêmeos só conseguirão voltar para casa se conseguirem encontrar o verdadeiro dono do anel. Para ajudá-los, o gênio fornece um camelo voador chamado Kaboopy. O animal vai até eles sempre que é chamado, salvando-os de várias encrencas nas terras das mil e uma noites.

Frankenstein Jr.

frankenstein_jr1.gifEntre dois episódios de Os Impossíveis, vinha uma novidade: Frankenstein Jr..

O desenho era sobre um menino gênio (não era o Dexter, mas quase) chamado Buzz Conroy. Com a ajuda de seu pai, um cientista famoso, ele cria em casa um robô gigante. Frankenstein Jr., um autômato com tamanho de King-Kong e cara de monstro da Universal, tem super-força e pode voar. Tais habilidades, é claro, são usadas para combater o crime. Diversão pura!

Mais tarde, o cartoon foi colocado no meio de dois desenhos do Space Ghost.

Link to comment
Share on other sites

 Eu gostava do He-Man era muito legal esse desenho.Depois tambem foi crida a She-Ra. Abaixo tá a materia do Omelete.

Houve um tempo em que o herói de toda uma geração era um sujeito moreno, musculoso e com um improvável cabelo loiro em corte tigelinha. Não bastasse tal visual, trajava uma nada discreta sunga peluda e uma cruz no peito. Nada melhor do que relembrar como tudo começou.

Pelos Poderes do Merchandisinnnng!!!!!

Na verdade, a série foi uma maneira de promover os bonecos Masters of the Universe que, segundo a lenda, teria sido criada às pressas para substituir uma linha de brinquedos baseada no filme Conan- O Bárbaro. Como o filme não tinha nada de infantil e o prejuízo parecia inevitável, mudou-se a aparência das personagens e a produtora Filmation (responsável pelas animações de Jornada nas estrelas, Tarzan, Flash Gordon, entre outras) foi contratada para criar uma série animada baseada naquela turma.

Coube a alguns roteiristas hoje famosos como Paul Dini (que revolucionou os desenhos do Batman na década passada) e J. M. Straczynski (criador do seriado de ficção científica Babylon V e roteirista das HQs do Homem-Aranha) a ingrata tarefa de criar um universo que justificasse os tipinhos esquisitos que habitavam o planeta Etérnia, um mundo completamente medieval, mas de tecnologia avançadíssima.

Ainda nas manhãs da Globo, os 130 episódios exibidos originalmente entre 1983 e 1985, fizeram da série uma febre entre jovens e crianças. Politicamente correto a ponto das personagens aparecerem ao fim de cada capítulo para explicar a lição de moral do dia, o desenho abusava da rotoscopia (técnica onde se filma um ator, e desenha-se por cima dessa referência), a Filmation garantiu um visual acima da média das animações televisivas da época. Embora os movimentos (reaproveitados à exaustão) do He-man correndo, pulando ou nadando fossem exatamente os mesmos de personagens de outras séries da Filmation, ninguém se incomodava muito. Outro detalhe que não importunava os fãs era o fato de que todo mundo no planeta era marombado. Os cenários caprichados e efeitos visuais deixavam qualquer moleque vidrado.

Quem é Quem em Etérnia?

O herói era o Príncipe Adam que, para o desespero de seu pai, era o ócio em pessoa. Quando não bocejava pelo palácio, estava procurando um motivo para assumir sua identidade secreta. Na verdade, seguindo o esquema clássico da dupla identidade, fingia-se de bobo e desinteressado a fim de esconder que era, na verdade, o grande herói do planeta. E, realmente, ele era muito eficiente, ainda mais se considerarmos que visualmente ele era o He-Man com camisa branca e rosa.

Ao brandir sua espada e gritar: "Eu tenho a Forçaaaaa!", um raio caía sobre Adam e simplesmente o tostava, deixando-o moreno. O físico avantajado e o corte "bom-moço" eram os mesmos antes e depois. Só mudava o modelito e engrossava a voz do meninão. Por sinal, a "voz do He-man" virou uma espécie de marca registrada, marcando eternamente o dublador Garcia Júnior.

Enfim, era uma péssima identidade secreta, pior até do que os óculos que disfarçam Clark Kent, mas vá lá, em Etérnia, ninguém era malicioso mesmo. Só conheciam seu segredo a Feiticeira, guardiã do Castelo de Grayskull (sua fonte do poder); Mentor (Duncan, o chefe da guarda e cientista do rei), Gorpo (o bobo da corte) e Pacato, um tigre verde com listas amarelas, falante na voz de Orlando Drummond (dublador do Scooby Doo). Covarde acima de tudo, transformava-se no macho Gato Guerreiro, fiel companheiro (e meio de transporte) do He-man.

Completava o elenco a valente Teela. Mesmo trajando pouco mais do que um insinuante maiô branco, era a capitã da guarda de Etérnia e filha adotiva do Mentor, que a recebeu da Feiticeira numa história até hoje não muito bem explicada. De temperamento forte, sempre perdia a paciência com a moleza de Adam, que discretamente babava pela guerreira.

Quem também não entendia o príncipe eram seus pais: O rei Randor e a rainha Marlena. Por sinal, a regente de Etérnia é nativa da Terra; uma astronauta que perdeu o rumo e acabou presa no planeta. Salva por Randor, acabou se casando com ele. Que sorte a da moça, hein?

Entretanto, sem um bom vilão para tentar acabar com a alegria do bom povo de Etérnia, o desenho não teria sido o êxito que foi. Aí é que entra o Esqueleto.

Mesmo auxiliado por uma legião de incompetentes, tinha carisma suficiente para encarar o loiro anabolizado num mano-a-mano. Sua "esqulética" risada, cortesia do dublador Isaac Bardavich, fez dele tanto uma figura sinistra quanto cômica, diferente do unidimensional defensor do Castelo de Grayskull.

Por sinal, o tal castelo era objeto de cobiça da caveira de cara amarela. Invariavelmente, tentava adentrar os portões do Castelo a fim de dominar os poderes de Grayskull e conseqüentemente o planeta. Invariavelmente, era atrapalhado por seus estimados lacaios:

Homem-Fera: pouco mais do que um macaco vermelho, peludo e burro. Sempre desafiava He-man no braço, apenas para ser humilhado.

Mandíbula: outra mané, cujo maxilar de metal o permitia comer qualquer coisa. Tá e daí? Como essa não era uma habilidade muito espetacular, possuía uma arma no lugar de um dos braços, a qual podia trocar por outra dependendo da necessidade.

Aquático: um homem-peixe cuja frase mais erudita era: "BLLLLGGGGGG!!!". Precisa dizer mais?

Maligna: a mais eficiente do grupo, era uma espécie de aprendiz de feiticeira do Esqueleto. Sem grandes poderes, mas com ambição suficiente para passar a perna no chefinho algumas vezes.

He-man também não tinha só aliados de primeira linha. Contava também com a ajuda de amigos infames como o Aríete (um anão burro, com pernas de mola, que apenas dava cabeçadas nas coisas), Multi-Faces (que apenas mudava de rosto), Roboto (um robô transparente), entre outros. Todavia, Gorpo era o melhor de todos: uma espécie de duende mágico sem pernas, que usava cachecol. Vindo de outra dimensão, nunca tirava o chapéu, que escondia um rosto extremamente feio. Além disso, suas mágicas não funcionavam direito. Mesmo muito atrapalhando, salvou o príncipe Adam de cair num abismo quando este ainda não era o He-man. Além deste ato de heroísmo, é o protagonista de uma das cenas antológicas do programa quando, ao lado de uma companheira de seu mundo, entoou a canção que impediu a destruição do universo:

"O bem vence o mal,

Espanta o temporal.

O azul, o amarelo,

Tudo é muito belo.

Haaarmonia,

Quero um mundo cheio de aaalegria,

Harmonia e amor!"

O universo pode não ter chegado ao fim. Mas certamente essa melodia, que sintetiza perfeitamente o espírito mais do que politicamente correto da série, dizimou neurônios de toda uma geração que, vingativa, parodiou a canção assim:

"O mal vence o bem,

espanta o He-man!

A Teela é piranha...."

E por aí vai. Outro aspecto negativo da superexposição do personagem foi a sua inevitável degradação. Exemplo disso era que, naquela época, era comum aparecerem marmanjos musculosos fantasiados de He-man em bailes e festas gay. Já a sua irmã, é um ícone adotado pelas Drag Queens até hoje.

Irmã?? He-man tinha uma?

Eu tenho saiasss!!!!

O sucesso do herói de sunga alavancou outro desenho: She-ra, a Princesa do Poder.

Protagonizado pela tal irmã do corpulento, a ação se passava em Etéria, outro planeta. Na verdade, o desenho era uma xerox roxa, rosa e afeminada de tudo o que havia em He-man. Era quase um mundo paralelo, onde tudo seguia uma fórmula consagrada. Não fosse criação da mesma produtora, certamente teria sido processado por plágio, tamanha a falta de originalidade.

Mas por onde andava essa tal irmã de quem nunca se ouvira falar antes? Acontece que a moçoila é a irmã-gêmea de Adam. Raptada ainda bebê pelo maligno Hordack (cópia desbotada do Esqueleto) que a levou para Etéria. Tudo bem que, na série do He-man ninguém jamais citou a tal criança roubada. Não apareceu um disposto a encontrá-la. No entanto, ela existia e, assim como o mano, tinha sua espada mágica e seu grito de guerra: "Pela honra de Grayskull!!!" Com ele, saía de cena a delicada Adora (líder da Rebelião do planeta) e surgia a sexy She-ra, com seus cabelos ondulantes e mini-saia que desafiava a imaginação dos pré-adolescentes, que se perguntavam como é que a roupa de baixo dela nunca aparecia.

Seu cavalo Espírito também se transformava, virava Ventania, um unicórnio alado, com voz de galã e penas multicoloridas. Uma alegria só. Juntos, combatiam Hordack e os soldados da Horda, senhores de Etéria e que pretendiam conquistar o Castelo de Cristal. Alguém já viu algo parecido em algum lugar? Por sinal, Hordack costumava trocar idéias com o bom e velho Esqueleto, que aparecia de vez em quando na série da She-ra. Ambos os vilões até juntaram forças no longa-metragem O Natal de He-man e She-ra, onde os irmãos se reencontram.

Se He-man já tinha uma tropa de seres infames ao seu lado, o que dizer da sua irmã que vivia numa floresta saída de um conto de fadas?

Dentre os vários tipos felizes que faziam parte do bando, vale a pena lembrar do Arqueiro. Galã de segunda, engraçava-se com ambas as identidades da moçoila. Talvez até não ficasse na saudade não fosse seu suspeito bigodinho e coração desenhado no peito. Além do figura, havia Lighthope, Madame e o fofucho Corujito, que sabiam da "vida dupla" da heroína, fora outros seres bizarros.

Entretanto, nada supera em infâmia o absurdo Geninho, que sempre aparecia ao fundo em alguma cena, escondido atrás de uma pedra ou arbusto. Para quê? Simplesmente para aparecer ao fim do episódio e dizer onde estava escondido enquanto todo mundo ralava. Foram 93 episódios com a irritante presença do baixinho ao final de cada um deles. E tome lição de moral!

Novas aventuras de He-Man

Além de She-Ra, em 1989 foi produzida a série As novas aventuras de He-Man, feita por outro estúdio depois do fim da Filmation. Nela, ele vai ao espaço descaracterizado: era mais magro e usava corte rabo-de cavalo e calças.

He-man e Esqueleto são transportados para outro mundo: Primus. Lá, o vilão lidera um novo grupo de asseclas criativamente denominados de "Mutantes" que competia com He-Man e seus novos amigos espaciais no que seria a sua "Batalha Final". Foram 65 insossos episódios. Uma esquecível série que durou mais demais.

J.McClane38645.5033796296
Link to comment
Share on other sites

eu gostava de Caverna do Dragão. jah recebi inclusive um tanto de final diferente... smiley17.gif

Eu gostava de Ursinhos Gammy

E tinha aquele com um tanto de bicho estranho e só apareceia a perna da babá' date=' alguém lembra o nome???

 

[/quote']

Muppet Babies!!! CRÁSSICO tbm...adorava...

E quanto a Caverna do Dragão,simplesmente a melhor série animada de ação já feita.Personagens cativantes,texto excelente e com piadas ótimas e um tema interessantíssimo.Uma pena não ter tido uma conclusão,seria uma saga perfeita.

Link to comment
Share on other sites

muito interessante a materia' date=' agora faltou falar sobre a nova temporada que passou em meados de 1999..onde o vingador tinha até uma irmã...acho q foi uns 10 episodios...não chegou a vingar não...

[/quote']

Vc deve ter fumado o vilarejo dos Smurfs inteiro...Nunca ouvi falar dessa nova temporada de Caverna do Dragão...smiley5.gif

Link to comment
Share on other sites

faltou falar do remake do He-Man e os mestres do universo  e as

vozes são as mesmas do desenho de 1983 com exceção do Pacato e Gato

Guerreiro que não

falam

 

 

 

He-Man e os Mestres do Universo - A nova série

 

 

 

A versão

de He-Man

para o século XXI passou por uma série de reformulações tanto no visual das

personagens quanto na temática, de forma que o desenho agrada tanto a novatos

que nunca ouviram falar do Príncipe Adam e seu séqüito de amigos e inimigos,

quanto aos jovens adultos que se deliciavam com as proezas do herói quase vinte

anos atrás. Podem esquecer o velho final com as personagens explicando a moral

da história por trás daquele episódio e preparem-se para um desenho animado

cheio de ação de aventura.

O episódio

piloto da série, "The beginning" tem 64 minutos de duração e

foi dividido em três partes. A

história começa cerca de dezesseis anos atrás, antes mesmo do nascimento do

Príncipe Adam e mostra toda a origem por trás do herói, principalmente o como

e o porquê de ele ter sido o escolhido para empunhar a Espada do Poder

e herdar o legado dos antigos defensores de Etérnia.

Descobrimos

também a origem do Esqueleto e a primeira transformação de Adam e Pacato

nos maiores defensores de Etérnia, He-Man e Gato Guerreiro. Além

disso, todas o principais coadjuvantes, tanto heróis quanto vilões, estão de

volta, inclusive alguns cuja função era dar suporte cômico à série, como Aríete

e Mandíbula e outros nem sempre presentes, como Multifaces e Triclops.

Todos as

personagens e cenários, de Adam ao Esqueleto, de Grayskull à Montanha da Serpente,

passaram por reformulações visuais bem interessantes. Em sua primeira encarnação,

por exemplo, era muito fácil saber que Adam e o He-Man era a mesma pessoa, uma

vez que o atrapalhado príncipe e o poderoso herói só variavam o bronzeado e

as roupas diferentes; nesta nova versão, não é assim. Adam é um fedelho prepotente,

relaxado e avoado (pelo menos, em um primeiro momento) de dezesseis anos- e

parece mesmo um adolescente - em nada semelhante ao herói no qual se transforma.

As cenas

de batalha - e são muitas ao longo do episódio - estão quase irrepreensíveis

e a animação, no estilo convencional, dispensando os modernos recursos computadorizados

e 3-D, apresenta uma qualidade excepcional. Mas, até aí, nenhuma novidade, visto

que esse sempre foi um dos grandes méritos da série, mesmo em sua primeira encarnação.

 

new_1.jpgnew_esqueleto.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

cinéfilo38650.5079861111

Link to comment
Share on other sites

Nunca vi essa série nova,parece boa.Mas porque o pacato não fala? Ele era hilário...Tudo bem,ficava uma coisa meio trash,mas era divertido...E o gorpo? Faz parte dessa nova versão? O chato dessas versões novas é que são sérias demais.Nossa geração era mais preocupada com a diversão do que com a qualidade (falo da preocupação com a qualidade do roteiro,da abodagem,etc)...E não acho que isso fosse ruim,não se tratando de desenho animado.A maioria dos desenhos de hj em dia é muito chato.

Link to comment
Share on other sites

Poxa, não acredito que ainda não citaram esse:

 

 

 

Título original: The Woodpecker

 

 

 

O picapau é o mais clássico de todos os desenhos animados exibidos no Brasil desde a década de 60. O criador do Picapau foi Walter Lantz e durante sua existência passou por 5 modificações. A primeira versão (1941) era muito mais perversa e psicótica que as posteriores (45/50/60), é a que chamamos habitualmente de Picapau louco. Nos anos 90 foi feita mais uma alteração nos traços do desenho, mas não fez o mesmo sucesso que as versões anteriores.

 

woody-a.gif

 

 

 

As versões posteriores eram mais comportadas, apesar das peripécias malucas do nosso amigo emplumado. Frequentemente haviam outros personagens na trama como Wally Walrus (Leôncio), um elefante marinho com uma das presas quebrada, o corvo (Jubileu) que aparece em 3 episódios diferentes, Andy Panda, Zeca Urubu entre outros.

 

 

 

buzz_buzzard.gif

 

 

 

walrus.gif

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...