Jump to content
Forum Cinema em Cena

Nome Próprio, de Murilo Salles


Faéu
 Share

Recommended Posts

Nome Próprio  
Nome Próprio


Direção: Murilo Salles
Roteiro: Murilo Salles
Elenco: Leandra Leal (Camila), Milhem Cortaz, Rosanne Mulholland (Paula), Juliano Cazarré, Munir Kanaan, Reginaldo Faidi, Alex Didier

Sinopse: "Nome Próprio" conta a história de uma jovem mulher que dedica a vida à sua paixão, escrever. Camila é intensa, complexa e corajosa. Para ela, o que interessa é construir uma trajetória como ato de afirmação. Sua vida é sua narrativa. Construir uma existência complexa o suficiente para se escrever sobre ela. "Nome próprio" é um filme sobre a paixão de Camila. De sua busca por redenção. Quer a literatura como ato de revelação. Para tal, cria vínculos. Carente, os destrói. Por excesso. Por apego. Por paixão. "Nome Próprio" é o olhar sobre uma personagem feminina que encara abismos e, disso, retira a força que necessita para existir. Para Camila, a vida floresce das cicatrizes de seu processo de entrega absoluta e vertiginosa.
Link to comment
Share on other sites

Nome Próprio, de Murilo Salles (2008)

A princípio “Nome Próprio” é promissor. O diretor sabe dar ao longa adaptado livremente de livros-coletânea (e posts do próprio) de blog alguma profundidade, algum mérito ou alguma linha que será seguida. Na liberdade de um longa independente, ousar escrever (literalmente) na tela as palavras pensadas para expressar o sentimento da blogueira. Filma claro no que é aquilo: após tempo suficiente, a blogueira Camila já fala como escreve. Bizarro, mas a personagem de (excelente) Leandra Leal é autora que se deixou tomar pela obra; notoriamente é meticulosa, calculista com cada frase que expressa em seu blog, e repete os feito em diálogos carne-e-osso. E durante os primeiros 40 minutos o diretor sabe mostrar bem o caos (ou ordem segundo ela) que cabe à vida da garota, e em uma das melhores cenas, com ótima posse de câmera e perfeito exame de montagem, filma magistralmente a teoria a respeito do adultério da garota.

Mas estranho e que depois de certo ponto o diretor parece abandonar o estilo e assumir uma livre narração de um blog, e segundo ela, “se não gostou: não lê”. Bom, eu não gostei. A vida de Camila é daquela tipicidade de viver loucamente, como quiser, sem interferência do meio: o tipo de pseudo-único, que hoje é comum, típico ridículo.

Mesmo que haja cenas boas, situações interessantes, essa são elementos disfocais, rotineiros, e assim são apresentados. Embora a idéia seja promissora, o resultado não saiu dos melhores.

Bom, há Leandra Leal. Em certo momento, também está uma inspirada Rosanne Mulholland, mas “Nome Próprio” se deve à Leandra Leal, atriz que vem calçando uma carreira genial, em papéis que prepara cada vez melhor. O roteiro do longa é recheado de frases feitas que você encontra na blogosfera, a estilização boca-suja e os verbetes pretensos únicos, a necessidade pedia á atriz dar força a essas pronuncias de um forma difícil: não parecer calculada e parecer calculada. Dar normalidade aos diálogos, mas deixá-los soar forte como uma marca registrada, robótico. E de fato consegue, é possível ver no próprio trailer do filme, um dos melhores “Merdas” já pronunciado. Leandra Leal ainda esculpe bem os tiques da garota e deixa-a parecer em outro plano, como se Camila tivesse saído da rede para visitar o mundo físico com data marcada para voltar. Momento quebrado apenas em um boa cena: “Não quero te conhecer de verdade, você vai estragar a imagem que eu já criei na minha cabeça”.

Ao fim “Nome Próprio” vai se tornando vazio, culmina na cena final com algo á dizer que é óbvio, mas que assim como faz Camila, adquiri profundidade pseudo.

blankstar.gifblankstar.gif'

Link to comment
Share on other sites

interessante, eu pensei em abrir um topico sobre ele tb, assisti ontem. eu gostei do filme. ele sofreu criticas pesadas la em recife, quando estreou. o fato da vida da camila ser uma merda e ela ser pior ainda nao significa um filme ruim,pelo contrario. acho q a qualidade da produçao esta justamente no retrato fiel dessa blogueira futil de maneira boa com a leandra leal, q esta otima. nao é o tipo de obra-prima, mas acho q verei novamente num futuro, é bom e só. mas vale a ida ao cinema, sim!

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Festival de Gramado 2008 - Diretor Murilo Salles diz que "Nome Próprio" fala sobre a intensidade de ser mulher

Equipe e-Pipoca, em Gramado

13708_1.jpg

Durante a coletiva de imprensa com o elenco de "Nome Próprio", o diretor Murilo Salles comentou que sua carreira se confunde com a do Festival, pois cinco de seus seis filmes foram exibidos na competição. Murilo conta que levou seis anos para produzir e rodar "Nome Próprio" em função da dificuldade de se fazer cinema no Brasil. E que ao contrário de seus dois filmes anteriores, que retratavam a temática da violência urbana, preferiu abordar a relação do brasileiro com a internet. "Queria mostrar esta outra cara do Brasil, com um olhar mais urbano, de classe média. Por que temos que fazer só filmes sobre a miséria?", questionou o cineasta.

O primeiro contato do diretor com a escritora Clarah Averbuck, cuja obra inspirou o filme, foi através do jornal. Em seguida, ele passou a ler o blog da autora. "O que me interessou na Clarah, além da ligação dela com a internet, é essa coisa que ela tem com a ficção. Você nunca sabe o que é real ou ficção na obra dela. Como os internautas não podiam comentar no blog, se formavam discussões paralelas", explica. Murilo Salles diz ainda que o longa é uma livre adaptação dos livros de Clarah e que a personagem que criou é diferente da trabalhada pela escritora.

O filme retrata a ligação de muitos jovens com a internet e por isso despertou o interesse de Leandra Leal. A atriz interpreta Camila, uma jovem que expressa suas emoções virtualmente. Leandra diz que tem computador pessoal desde os 13 anos de idade e costuma navegar pela rede com freqüência, inclusive escreve um blog. Para viver a personagem, Leandra morou no apartamento que serviu de cenário, leu livros de escritores que nunca havia lido e passou a sair sozinha na noite de São Paulo. Misturou a Camila de Clarah e a de Murilo. A interpretação lhe rendeu elogios.

Leandra também precisou trabalhar a nudez em diversas cenas. "A nudez foi muito tranqüila, a equipe me deixou à vontade. Fico impressionada como a questão da nudez ainda causa curiosidade. Neste filme estou nua o tempo todo, até quando estava com roupa. Tive várias cenas de roupa que foram difíceis. O nu só foi difícil quando estava frio", revela. Murilo diz que para proteger a atriz optou por uma equipe reduzida. "As cenas eram muito intensas, era a câmera ali com ela o tempo todo, no poro da personagem", comenta.

"Nome Próprio" fala sobre clausura, sobre o isolamento que a internet nos traz, sobre a espera da conexão num tempo em que a rede era discada. Mas, o filme é bem mais do que isso. "Descobri que fiz um filme que fala sobre a mulher, sobre o transbordamento feminino, sobre paixão", conta Murilo.

 

Aqui onde eu moro em Santos nem sinal do possível lançamento do filme04
Link to comment
Share on other sites

interessante' date=' eu pensei em abrir um topico sobre ele tb, assisti ontem. eu gostei do filme. ele sofreu criticas pesadas la em recife, quando estreou. o fato da vida da camila ser uma merda e ela ser pior ainda nao significa um filme ruim,pelo contrario. acho q a qualidade da produçao esta justamente no retrato fiel dessa blogueira futil de maneira boa com a leandra leal, q esta otima. nao é o tipo de obra-prima, mas acho q verei novamente num futuro, é bom e só. mas vale a ida ao cinema, sim![/quote']

 

é como eu disse, à principio realmente interessante, como se distorcesse aquele mundo fechado em imagens, mas depois o diretor vai aceitando tudo, aderindo o mundo da personagem a idéia do filme e se torna aquela coisa pseudo.
Link to comment
Share on other sites

Olha, eu fiquei interessado em ver esse filme pelo trailer ... se comparado aos anos anteriores temos que considerar que vencer o festival de Gramado não quer dizer grande coisa ... se vencer o Oscar não é sinônimo de qualidade, ganhar o Kikito pode ser na verdade um grande Mikito ...

 

De qualquer forma, direção e a Leandra Leal merecem uma conferida, sem dúvida alguma ...03
Link to comment
Share on other sites

Quero ver mas nem sei se vai chegar aos cinemas daqui...

 

Aqui sofre-se do mesmo mal 09.

Só  DVDs com garantia de boa saída tem vez...leia-se pancadarias, comédias escrotas e pornozões... aff!

 

Anyway, é torcer p/ que apareça alguma seeds desse  filme na net
MariaShy2008-08-17 11:29:25
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...