Jump to content
Forum Cinema em Cena

Você Gosta de Filmes "Ruins"? Por quê?


Perucatorta
 Share

Recommended Posts

Esse tópico tem origem devido a uma discussão na CMJ sobre ser ou não possível gostar de um filme ruim.

 

A discussão se originou porque eu escrevi talvez o maior texto que eu já postei aqui sobre um slasher recente chamado Sorority Row.

 

Claramente não é um filme para ganhar prêmios, mas eu me diverti bastante com suas bizarrices e coleção de coisas estúpidas. E aí chegamos no ponto:

 

Quando você se diverte bastante com o que você mesmo considera defeitos de um filme, você o considera um filme ruim ou bom?

 

Lá tivemos alguns inputs, mas gostaria de aumentar a discussão.

 

Como alternativa, acho que seria interessante tentar discutir porque algumas pessoas só conseguem escrever sobre filmes que consideram OP´s ou muito bons e outras (como eu) preferem escrever sobre tosquices que consideram divertidas.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 158
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

 

Não lembro de ter me divertido bastante com coisas estúpidas que eu encontrei em um filme, exceto numa ocasião: Ratattoing. Filme feito pela Vídeo Brinquedo (a mesma que lança os da GoodTimes). Ele é ridículo, mas acho que no geral eu me diverti mais do que me aborreci, achando engraçadas aquelas bobagens. Tem uma cena de dança ridícula e desnecessária, que me fez perder as forças de tanto rir.

 

Os filmes de animação da GoodTimes, que são mal feitos em todos os sentidos, me aborrecem e eu tenho dificuldade pra terminar de ver, mas eu continuei comprando. Não sei ao certo o que me leva a eles. Acho que  tenho um interesse bizarro em ver a porcaria que é a animação ruim. Mas parece haver algo mais, que eu não consigo descobrir.

 

Apenas quatro deles eu gostei de assistir, mesmo sendo de uma pobreza horrível, e em parte por serem. Não posso dizer que me diverti muito, mas apenas que me diverti. Alguma coisa que conquistou ali, e eu não sei o que foi. 

Lucy in the Sky2010-01-14 10:44:03

Link to comment
Share on other sites

Sim, gosto muito, filmes ruins são muito melhores do que filmes bons06

 

Mas falando sério, não sei se é pela idade ou sei lá o quê, mas eu já não tenho mais tanta paciência para absorver filmes "bons" com tinha antes, então tenho me visto com cada vez mais freqüencia procurando filmes toscos, querendo só diversão mesmo. Pra falar a verdade, nos últimos meses as minhas melhores experiências com filmes foram com B-movies tipo Slither, May, Deadgirl, Sexdrive, etc. Na verdade eu quase nem comento mais filmes aqui no fórum pq praticamente só vejo tosquices que quase mais ninguém vê...

 

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

filme que diverte = filme bom. pelo menos pra mim.

 

 

 

não interessa quantos defeitos tenha' date=' se ele consegue o principal, que é me emocionar ou me divertir, é o maior mérito que pode alcançar.

 

 

 

e se esses "defeitos" me divertem, então na boa, não consigo considera-los defeito.
[/quote']

 

 

 

Compartilho exatamente da mesma opinião. Se o filme me diverte (mesmo que seja pelas "tosquisses"), ele é bom. Simples assim.

Link to comment
Share on other sites

Bahh.. de novo essa discussão do "se eu me diverti, logo o filme é bom".

Só para esclarecer eu não discordo disso, inclusive defendi essa tese naquele tópico do Rike (?),  por isso usei o "bom" entre aspas lá em cima.

 

Essa noção de bom/ruim que eu usei aqui é uma referência àquela que existe no senso comum tipo, Poderoso Chefão = filme bom, Alien Ressurreição = filme ruim, e não à minha própria noção de bom/ruim.

 
Link to comment
Share on other sites

Claro que o tópico não é só pra falar sobre isso. O objetivo do tópico é discutir se é possível identificar muitas "falhas" grosseiras em um filme e se divertir mesmo assim ou talvez até por essas falhas. E feito isso, como qualificar este filme?

 

O filme é bom? Mas porra, o roteiro é ruim, o diretor não existe, os atores e seus diálogos tacanhos, enfim, tudo nele é precário e consigo identificar essa precariedade, mas mesmo assim me diverti pra caralho. E agora? O filme é bom ou o efeito do filme sobre mim foi bom? Existe essa diferenciação? Filmes tem valor próprio? Não? Mas então, como eu consigo idenficar que tudo nele é ruim?

 

Exemplo: No filme de ontem tem uma hora que o assassino, que usava exclusivamente uma chave de rodas, resolve construir e jogar um coquetel molotov em suas vítimas. WTF? Isso, além de estúpido, contraria tudo que havia sido feito antes, a cena é mal filmada e pessimamente desenvolvida, mas achei muito foda. Eu tenho certeza que o diretor queria que a cena fosse ameaçadora, mas foi muuuito engraçada, justamente por ser tão "errada". E aí, uma cena nascida de uma cagada, um erro, é boa?

 

 

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

sei lá se eu entendi, deixa eu pegar esse caso do peruca. Isso que ele falou, do cara que mata com uma chave de rodas, e do nada usa um coquetel molotov.. é wtf isso, eu pelo menos gosto de coisas wtf. se a intenção do diretor foi fazer um negócio foda e sério, só que saiu um negócio foda e engraçado, eu não vou achar defeito, pq funcionou comigo, saca? pode chamar de humor involuntário, pode chamar de sorte, o que for... mas eu acho que um filme é o que eu vejo, não a intenção do diretor. a imagem pra mim ganha vida própria. Depois que aquela imagem é posta na minha frente, ela ganha o significado que eu der pra ela. Se ela me fizer rir, e o sentido era de me deixar tenso, aquela imagem me fez rir e pronto, o mérito dela pra mim vai ser esse, o mérito do filme vai ser esse, não vou conseguir encarar como defeito.

 

não consigo ver um defeito e gostar. se eu gostei, não o considero mais defeito (independente da intenção). e também entendo tu ver um filme recheado de elementos ruins, e tu gostar mesmo assim por que certa coisa ali foi mais forte pra ti que todo o resto. E nesses casos não os considero filmes ruins não.
Tensor2010-01-14 13:42:41
Link to comment
Share on other sites

é que tem gente que confunde bizarrice, estupidez, humor involuntário com ruindade, não necessariamente o é. contexto é fundamental nesses casos. agora, se o filme me diverte, entretem bla bla bla eu considero bom, mesmo que ele seja claramente defeituoso, e acho que é aí que reside a tal magia do cinema, que passa por cima até de algumas de suas convicções pra te entregar algo que te faz passar o tempo agradavelmente. mas como eu disse na já citada discussão na CMJ, não consigo dizer que gosto de um filme ruim porque seria o mesmo que dizer que existem filmes objetivamente ruins, coisa que não é verdade. se eu disser que gostei de um filme ruim, é afirmar que ele é ruim baseado num conceito de terceiros, já que eu gostei, se gostei, não pode ser ruim (fiquei confuso), enfim, acho que é mais ou menos isso.

 

Link to comment
Share on other sites

Hehe, é bom isso.

 

 

 

Como não tenho pretensão muito menos obrigação alguma de servir de referência pra alguém (tipo um dever jornalístico de crítico de cinema, acho que seria o único caso em que algo assim se aplicaria), eu mensuro os filmes sempre a partir de mim mesmo. Não é correto? Pra maioria não, mas e daí. Desde que exista esse discernimento (de reconhecer que o objetivo do diretor não foi alcançado, mas o resultado funcionou contigo mesmo assim), tá tudo ótimo. Os filmes que eu considero "bons" são os que funcionaram comigo. Se for pra considerar qualidade com base em critérios terceiros, é outra história, mas não estamos num curso de cinema certo?

Link to comment
Share on other sites

O ponto de vital de uma discussão como essa é parecida com a que eu e uns amigos conversamos sentados numa mesa de bar, outro dia.

 

 

 

Eu assisto a filmes com o cérebro e com o coração. A razão do primeiro vai de encontro a algo mais artístico, sobre o que acho inteligente ver numa sala de cinema. Pegue algo como um movimento de câmera tipicamente depalmiano e você tem um exemplo. Mas é um aspecto sempre à mercê da minha emoção, que é o carro-chefe de minhas experiências. Ou seja, por mais que no âmbito mais pessoal possível eu considere uma cena ou um detalhe como sendo de gosto duvidoso, ela me ganha caso me emocione de alguma maneira. Não é um processo tão mecânico como parece, mas acho que vocês já entenderam.

 

 

 

Mas, no fim das contas, o exemplo que deu origem ao tópico me fez lembrar de uns casos particulares que eu já vi aos montes por aí e que várias outras pessoas compartilham: filmes muito ruins podem ser divertidos. Eu mesmo nunca me diverti com um filme que eu considere muito ruim. Coisas como de-tão-ruim-fica-engraçado eu até entendo, mas sinceramente não me lembro de um episódio em que esse tipo de sensação tenha sido boa pra mim.

Link to comment
Share on other sites

é, essa de tão ruim que fica bom, eu discordo tbm, acho que foi o Luizz que disse que O Apanhador de Sonhos de tão ruim fica bom, eu discordo totalmente, nesse caso específico, esse filme, pra meu gosto, é tão ruim, mais tão ruim que, ele é extremamente ruim.

 

é aí que entra aquela coisa que falei de confundir estupidez, tosquice etc com ruindade, tem vezes que a tosquice dá o tom camp pra obra, ou que a estupidez dá o tom do filme, as vezes é só estúpido e as vezes é engraçadamente estúpido, aí que entra o contexto que eu falei.

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Mas' date=' no fim das contas, o exemplo que deu origem ao tópico me fez lembrar de uns casos particulares que eu já vi aos montes por aí e que várias outras pessoas compartilham: filmes muito ruins podem ser divertidos. Eu mesmo nunca me diverti com um filme que eu considere muito ruim. Coisas como de-tão-ruim-fica-engraçado eu até entendo, mas sinceramente não me lembro de um episódio em que esse tipo de sensação tenha sido boa pra mim.[/quote']

 

Você não tem nenhum "guilty pleasure"? Algum filme que é um apanhado de elementos que tu não considera da melhor qualidade individualmente mas que, por algum acaso, funcionam quando agrupados, intencionalmente ou não? Eu tenho vários assim. Não consigo estabeler alguma regra para o que vai me agradar, às vezes sou pego de surpresa.

 

Link to comment
Share on other sites

Novo exemplo: A Reconquista. Eu lembro pouco dele, mas eu e meu amigo nos divertimos muito quando o vimos. É cagada atrás de cagada, mas funcionou de uma maneira louca. Agora, porque eu me diverti naquele momento eu considero ofilme bom? Ele funcionou ali. Pode não funcionar depois. É diferente de um Casablanca, que funciona sempre.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Acho que não vou acrescentar nada agora, mas enfim, minha opinião:

 

 

 

Também gosto desses chamados "filmes ruins", adoro um bom trash, um humor involuntário, etc. E para mim, eles são bons, justamente pela ruindade e pelo humor involuntário, que me diverte muito! Achar bom não é subjetivo? Pois eu acho que são bons justamente por subverterem aquilo que, em outro filme ou outro contexto, seria considerado ruim.

 

 

 

Mas tenho discernimento de, na hora de conversar sobre esses filmes com alguém, saber que a outra pessoa pode não compartilhar (e não compreender) esse gosto "peculiar".

 

 

 

Agora, pq algumas pessoas só conseguem debater filmes OP, falar que gostaram de obras primas, etc? A maioria das pessoas não gostam (ou negam gostar) de filmes "ruins" porque se levam a sério demais.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...