Jump to content
Forum Cinema em Cena

Diamante de Sangue


-felipe-
 Share

Recommended Posts

Novo filme de Edward Zwick, com Leonardo DiCaprio, Djimon Hounsou e Jennifer Connelly, que já estreiou nos EUA.

 

Movie Reviews: 'Blood Diamond'

 

 

10s.jpg

 

Critics are greeting Blood Diamond,

a film that tells how the diamond trade supported brutal civil wars in

Africa during the late '90s, with an unexpected backlash. Manohla

Dargis in the New York Times, for example, writes: "If films

were judged solely by their good intentions, this one would be best in

show. Instead, gilded in money and dripping with sanctimony, confused

and mindlessly contradictory, the film is a textbook example of how

easily commercialism can trump do-goodism, particularly in Hollywood."

Kyle Smith, who at times flaunts his conservative leanings in his

reviews, goes all-out with his appraisal of Blood Diamond,

calling it "Lefty voodoo: the belief that anytime anyone in the world

is hurting, America must be sticking a pin in a doll." Likewise Eleanor

Ringel Gillespie in the Atlanta Journal-Constitution comments

that the movie "often does itself in with its own bleeding-heart

liberalism." Still, the movie does find much favor among some critics

who apparently share the filmmakers' viewpoint that "conflict diamonds"

have been responsible for untold misery in Africa. Ann Hornaday in the Washington Post

describes it as "an extraordinary achievement in American cinema, one

that combines visceral thrills, high production values and morally

serious ideas." (She does find fault with its ending.) Claudia Puig in USA Today calls the film simply "a gem" and says that Leonardo DiCaprio's performance as a South African mercenary "is his finest role in an impressive career." And Amy Biancolli in the Houston Chronicle writes that it is "powerful, well-acted and undeniably persuasive."

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 64
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Diamante de Sangue?' date='o filme não vai chegar no Brasil com o Título de "Caçador de Diamante"?[/quote']

Sempre soube que seria Diamante de Sangue...

Caçador de diamante seria para nos atormentar,pelas tantas furadas que a Warner deu esse ano por aqui...

 

O Segredo de Berlim para The Good German e A Conquista da Honra para Flags of our Fathers foram fodas de ruim!14
Link to comment
Share on other sites

Exclusivo: Assista a um clipe de Diamante de sangue

 

blood_diamond.jpgAssista agora no Omelete, com exclusividade, a um clipe de Diamante de sangue (The blood diamond), thriller dramático do diretor Ed Zwick (O último samurai) que será o primeiro lançamento da Warner Bros. brasileira em 2007.

O vídeo mostra o primeiro encontro de Danny Archer (Leonardo DiCaprio, de O aviador) e Maddy Bowen (Jennifer Connelly, de Água negra), no qual ele sintetiza a confusão pela qual passa o continente africano: "gente das forças de paz só ficam por aqui tempo suficiente para perceberem que não estão ajudando ninguém, governos querem ficar no poder só até que roubem o suficiente para se exilarem em outro canto e os rebeldes, esses não querem assumir de verdade, pois se conseguirem terão que governar essa bagunça". O título do clipe, "T.I.A.", refere-se a "this is Africa", ou "isso é a África".

A história se ambienta durante a guerra civil serra-leonesa de 1999. Archer é um traficante de "diamantes de sangue" - pedras preciosas empregadas no financiamento de rebeliões e terroristas. Porém, quando ele encontra um fazendeiro (Djimon Hounsou, de A ilha, Constantine) cujo filho pequeno foi levado pelo exército para servir como soldado, o destino dos dois homens subitamente é unido. Com a ajuda da jornalista estadunidense Maddy, a dupla embarca numa missão através do território dos rebeldes para tentar salvar a família de Solomon e dar a Archer a segunda chance que ele nunca achou que teria.

O filme foi rodado em Port Edward, Cidade do Cabo e Maputo, capital do Moçambique. Zwick reescreveu o roteiro ao lado de Marshall Herskovitz.

Link to comment
Share on other sites

diamond32t.jpg

 

Interview: Leonardo DiCaprio & Ed Zwick

 

"Blood Diamond"

Posted:   Thursday, December 7th 2006 2:54AM

Author:   Garth Franklin

Location: Los Angeles, CA

Leonardo DiCaprio has made a bit of a comeback this season. Winning

great acclaim in October for his work as an undercover cop in Martin

Scorsese's "The Departed", he follows that up playing an African

smuggler in "Blood Diamond", the latest film from "Last Samurai" and "Glory" director

Ed Zwick. The pair recently sat down in New York to talk to the press

about the film which has already been labelled a contender for Oscar

glory:

 

Question: Did you anticipate the ferocity of the response of the international diamond industry to this film?

 

 

 

Zwick: Well, we knew that there were things

that had happened in the past that people would have rather forgotten,

but their job is the image of their product and the notion that they

have devoted many, many millions of dollars to that image is not

surprising.

 

 

DiCaprio: I didn't anticipate it no, but when

you approach situations like this, these are things that are based on

real events and we are depicting a time in recent history where

diamonds resulted in a lot of civil unrest in these countries. I had

never anticipated, no, that that it would be this intense by any means.

 

 

Question: What was your knowledge of the situation before doing this movie and how much did you learn before?

 

 

 

DiCaprio: I think I was like anybody else; I

had heard whispers of it, but until I got there and until I started to

do the research I didn't really quite understand the immense impact,

certainly on Sierra Leone and other places in Africa. I had heard,

certainly, the Kanye West song for example and bits of it in

conversation, but it wasn't until I really got to Africa where I heard

the firsthand accounts and started to read the books and learn about

it, that I really learned what was really going on, what really had

happened.

 

 

Zwick: I think one of the privileges of being

a filmmaker is the opportunity to remain a kind of perpetual student.

And I had known a bit of what had happened there, but the access that

one gains from experts, to people who have devoted their lives and put

their lives at risk to learn these things, is such a remarkable

opportunity and it became an odyssey to me. I immersed myself in this

field. I went, met victims and victimizers, smugglers, mercenaries,

traders and politicians. And it was just the most incredible

opportunity to delve deeply into a place and what one hopes is that you

honor that. You honor those people. That you do well by those who know

much more than you. I was very, very lucky that I encountered a man

named Sorious Samura who is a journalist from Sierra Leone who had made

the documentary, "Cry Freetown", which was the award-winning

documentary; in fact, he became British journalist of the year and won

a Peabody prize for it. He and I connected through the most wonderful

serendipity and he became my consultant on the film. So, I was helped

by so many people throughout the process and that was one of the treats

of it.

 

 

Question: Leo, what was your motivation to do this movie?

 

 

 

DiCaprio: First off on the script, it was such a powerful character; it was such a powerful storyline and that's what you look for first. I wasn't personally going out seeking films

with a social and political message just to do it for the sake of doing

it. Y'know it has to have an entertainment value. It has to be a good

movie and it has to convey a message without the audience feeling they

are being preached too and I really felt this script accomplished that.

And to me it was very representative of a huge sort of issue in the

world today of corporate responsibility and what these corporations do

and certainly Africa has been a prime target for it - all the way to

gold and rubber and all kinds of other natural resources. And here was

this character that was exploiting others that were less fortunate than

him, dealing in the black market and not really being conscious of the

world he lives in. I just felt it was a really powerful character; I

felt the dynamic between Djimon Honsou's character and my character was

- it was based on an earlier script and it was really Ed Zwick and

Marshall (Herskovitz) who learned about the diamond trade specifically

and brought the political aspects into this story, but in a way that I

didn't feel was preachy. In a way that I felt was authentic. So, of

course, it's always great to do a movie that you find is entertaining,

but also can give some sort of political or social message and I felt

this movie did that.

 

 

Question: Do you feel you have grown up since being in this business?

 

 

 

DiCaprio: I have to be honest, I never thought

about that ever throughout the entire course of my career about

choosing a specific role because it would make me seem more man-like.

Even with roles like "Catch Me If You Can", I was 8 years or 10 years

older than the character I played. It was an interesting character and

I knew that as well that to be playing a character like that may be one

of the last times I could be playing a character like that. I never - I

think these things are really something are intangible, that you can

never really control. You do these movies,

you give it out to the world and you really have no idea how people are

going to react to you, the subject matter. I've been in plenty of

situations where I thought the film would turn out one way or my

performance would be looked at one way and it was an entirely different

situation. Once you make these movies you give it out to the world and

you guys get to pick it apart.

 

 

Question: How did you go about getting your accent?

 

 

 

DiCaprio: Spending a lot of time with the

locals, drinking beers with them, hearing their stories - a lot of guys

from the South African military. I got to hang out with this guy named

Tom Delfuse, really a sort of military expert and just listening to

them talk. And of course, I had an accent coach and he was there

guiding me through it. But we had conversations with these people,

listening to their stories; I made them say sentences over and over

again, that's just the kind of thing you do. I wanted to definitely go

to Africa early, because that whole area was completely alien to me. I

had never really spent any time in Africa, let alone a white South

African man and their stories and accents. It was completely alien when

I first heard of the film. It was about going there.

 

 

Zwick: I would add only one thing about what

he did, he's modest; he was capturing these voices and able to immerse

himself so completely so as not to just give it the right ear, but to

act within it and even to improvise within it so he could inhabit the

character and a lot of the things you seen that film are things Leo

himself came up with or suggested based on what he learned about the

dialect and all these little bits of nomenclature and the little things

that come into it were also from him.

 

 

Question: Have either of you been back to Africa since wrapping?

 

 

 

DiCaprio: We just got back!

 

 

Zwick: Sorious and I, I think formed something

very important. I have not had occasion to go back yet, I had been

there before. There were some remarkable people, more than I have the

opportunity to mention. We were in Mozambique as well as South Africa

and also went to Sierra Leone, so it was just this huge, huge

opportunity.

 

 

Question: Leo, being in contact with Africa

and the poverty, how has all that changed your own life. What did you

learn from this whole experience?

 

 

DiCaprio: Certainly paying a character like

this who was taking advantage of the poverty around him and taking

advantage of the continent, it posed for a lot - it was uncomfortable

as an actor to portray this man in front of an African crew in

locations like Mozambique where there was a tremendous amount of

poverty. Mozambique is a country that is having an economic resurgence,

but four out of 10 people supposedly have HIV or AIDS. It's an

astounding - what I was left with after spending time with Africa, and

this is not at all to sound trivial, but it really was the power of the

human spirit there. The fact that these people have been through so

much, they have been in a civil war for 30 years, the poverty rate, but

literally, people were still dancing in the streets. The joy, the

energy, the happiness they exuded to everyone was unbelievable and it

made me come back home and sort of not want to listen to anyone's

problems. I don't want to hear what we as Americans have to deal with.

When you are immersed in a place like that for six months and you see

the extreme levels of what people have to deal with there. Yet they are

able to keep a positive attitude. You just don't want to hear people's

problems out here anymore.

 

 

Question: What also impressed you the most about being there and shooting this film?

 

 

 

DiCaprio: There was a lot of military training

and we had a great stunt team; we did a lot of faux military activities

of hunting in the bush and tracking in the bush, what it was like to

track in the bush - hanging out with a lot of guys in the South African

army. And really, that was really the tough stuff - getting that

military background, because they are some of the best trained guys in

the entire world as far as tracking is concerned and living in the

bush. I didn't go out and live in the bush for them a week or even a

day, but it was a matter of doing these exercises with them. A lot of

spending time and hanging out with them and hearing their stories -

there is a certain amount you can get from books; you need to speak

with the real people and ask specific questions that affect your

character. Questions you have about your character otherwise you'd be

skimming through hundreds of books trying to get that specific answer.

What I was really overwhelmed with by Africa was its tremendous natural

beauty; I got to go to some pretty amazing places. Every other weekend

we got a day or two off and go on a safari or the natural wonders of

Africa and if anyone gets the opportunity to go there, it's something

you have to do in your lifetime.

 

 

Question: Ed, can you talk about the casting process that brought you to Djimon? And Leo what was it like to act with this guy?

 

 

 

Zwick: Well, to me, Djimon is no longer any

kind of a secret having done such extraordinary movies, but they were

always parts that were always shining in brief doses. And I think the

opportunity for me and for him was to explore a nuanced performance

that goes overtime, that allows him to demonstrate a lot of other

colors and I think there is no substitute for someone who understands

in some almost cellular level, what a part is about. He is a west

African man and he could at times hear music that I could only dream

of. He was a times he was in some sort of rapture about what was

happening there. And he, as much as taking direction from me, I think

he also taught me things that I was able to use in the movie. And as a

collaborator, I know Leo will say something quite similar.

 

 

DiCaprio: His character is really is the

heart and soul of the movie - the story of a man trying to find his

son. And he embodied this character and the word is electrifying, the

intensity that he gives in his performance. What can I say? He and I

were kind of alone on set and it was me and him and there is no other

actor who could have given this performance. He is astounding in this

movie and the energy and the intensity that you get off him as an

actor, you get to play off each other every day. He is quite a

brilliant actor.

 

 

Zwick: They also went through great physical

trials together; they were in the mud, they were doing these stunts

every day just because Leo had, somehow in the middle of the shoot,

contrived there were going to be four days off and as we were in some

swamp or some horrible place.

 

 

DiCaprio: Djimon and I would sit there and

talk about the different kinds of hot chocolates you can get in Paris

and croissants and chocolates and dream like two weird women on

pastries.

 

Zwick: I think while you were away, you left

a phone message when Djimon and I were still in the muck and you left a

message where you were imitating Edith Pilaf.

 

 

Question: Did you get injured on set?

 

 

 

DiCaprio: Yeah, Djimon got banged up, I hurt

my knee; there are some of the sequences in this movie that Ed set up -

a full week of squibs and diving behind cars. I don't know, you talk

about that, because I've never been in an action sequence that was that

well choreographed.

 

 

Zwick: Well they both played with pain; they

played hurt and that's the really the best thing you can say about

someone who gives themselves utterly and they both did. You can only do

that if somebody commits completely. And had it been two other actors,

many of whose names I could think of and so could you, who were doing

those parts, we might still be in African shooting.

 

 

Question: You are playing with pain as they would say in football; why would you do that?

 

 

 

DiCaprio: I'll tell you, quite honestly, it

comes from being a fan of this art form of film, it really is; I think

this is the great modern art form in my opinion. There have been 100

years of cinema, but there is so much still to be done. And I am a fan

of movies and there is something about watching film that is burned

into celluloid for all time that is now a piece of history. You go

watch, being a fan of classic films and my children and their children

are going to be watching these movies. To make a great movie is such a

combination of different things that need to come into play to actually

make a memorable film and not have a film to fall by the wayside, to

have something live on during the years, and one of those elements is

the commitment the actors have to their performance. It doesn't always

come into play, there have been a lot of great performances in the past

in films that weren't great, but if you are lucky enough to get that

combination together and be in a memorable movie, that to me is like

being a part of a piece of art that is going to last forever.

 

 

Question: Do you feel you're competing against yourself in this role and your role in "The Departed" for a Best Actor nomination?

 

 

DiCaprio: Once again, that goes into the hands to all you people to pick this all apart of compliment it or insult it

 

 

Link to comment
Share on other sites

Comentário de Filipe Furtado , crítico da Contracampo , no seu blog www.anotacoescinefilo.blogger.com.br :

 

Diamante de Sangue (Edward Zwick,06)

Dentro do subgenero filme de expiação de culpa do homem branco sobre a Africa, Diamante de Sangue está fácil entre os melhores exemplares (ok, isto quer dizer muito pouco). Zwick faz mais ou menos o que se espera dele: fotografia cartão postal (cortesia do Eduardo Serra), explosões de violência para mostrar a selvageria das guerras civis da região, um tom indignado e auto-importante e o inevitável toque hollywoodiano para deixar o filme mais palatável (a antipatia do personagem do Leonardo DiCaprio aumenta e diminui de acordo com a tolerancia do espectador). Ironicamente, as limitações de Zwick contribuem para o apelo do filme e sua impressão de pertencer a uma outra era do cinemão americano. Diamante de Sangue tem a seu favor um roteiro muito bom, especialmente no distanciamento que retira das maiores armadilhas do seu subgenero. Principalmente, o filme se aproveita de uma excelente atuação de DiCaprio no papel central, desde que ele esteja na tela, as deficiencias de Diamante de Sangue permanecem pouco signficativas.
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Filmaço. Eu me surpreendi. Mesmo porque não sabia o que esperar dele. O xará DiCaprio e o Djimon estão demais. E vá lá, a Jennifer Connely também (não sou fã da criatura). O filme pega a realidade e mistura com uma boa dose de Hollywood. O resultado é um ótimo filme de ação com emoção, embora esteja cheio de clichês, obviamente. Afinal, o filme tem que vender.

 

O mais chocante no filme são as "child soldiers". Eles parecem robozinhos munidos de ak-47 programados para matar tudo pelo caminho.

 

O filme lembra um pouco de O Senhor das Armas quando o personagem do Nicolas Cage viajava para a Africa para vender armas para as milicias africanas em troca de diamantes.

 

Achei interessante e revelador quando, no filme, um senhor diz: "Só espero que não encontrem petróleo aqui, porque senão teremos sérios problemas". É a diferença de visão.

 

Eu adoro esse tipo de filme que nos faz querer aderir a uma nova causa. Mas é sempre a mesma coisa. A gente vê o filme, fica revoltado com aquilo tudo e no outro dia já esqueçe, porque é uma realidade muito distante da nossa. Aí a gente pensa: "Bah, deixem com a Unicef e a ONU!" Como se fosse o suficiente. Mas é bem mais cômodo.
LeonardoBastos2007-01-04 13:28:10
Link to comment
Share on other sites

Diamante de sangue

 

Por

Marcelo Forlani

 

4/1/2007

 

 

poster.jpg

trailersp.jpg

 

Trailer

 

Clipe

Diamante

de Sangue

 

Blood Diamond

 

EUA, 2006, 138 min

 

Suspense/Drama

Direção:

Edward Zwick

 

Roteiro: Charles Leavitt, C. Gaby Mitchell

 

 

 

Elenco: Leonardo DiCaprio, Djimon Hounsou, Jennifer

Connelly, Kagiso Kuypers, Arnold Vosloo, Antony Coleman, Benu Mabhena,

Anointing Lukola, David Harewood, Basil Wallace, Jimi Mistry, Michael

Sheen, Marius Weyers, Stephen Collins, Ntare Mwine

01.jpg

02.jpg

03.jpg

08.jpg

Durante a entrevista com os produtores Paula

Weinstein e Marshall Herskovitz (leia

aqui), eu disse a eles que tinha achado Diamante de Sangue

(Bloody Diamond, 2006) um filme de verão - cheio de explosões e correrias

-, mas com um pano de fundo político. Eles não ficaram muito contentes com a

minha teoria e começaram a se defender. Opa, calma lá! Não há mal algum em fazer

um filmão pipoca, que tem como interesse principal divertir as pessoas. E o

melhor é que o roteirista Charles Leavitt e o diretor Ed Zwick conseguiram

chegar a um equilíbrio perfeito entre ficção e realidade, expondo atrocidades

que aconteceram (e continuam acontecendo) no continente africano e ainda colocando

na tela atores que ao mesmo tempo são bons e chamam o público para os cinemas.

Antes de falar do filme, uma contextualização

histórica. Em 1996, Ahmad Tejan Kabbah foi eleito o primeiro presidente civil

de Serra Leoa, depois de décadas de governos militares. Em maio do ano seguinte

ele foi deposto por um grupo oposicionista

de militares, que logo chamaram

a força revolucionária RUF para ajudá-los a governar o país. Após 10 meses,

tropas nigerianas retomaram o poder, reinstaurando a presidência de Kabbah.

Porém, em janeiro de 1999, a RUF voltou a atacar a capital Freetown, contra-atacados

pelos nigerianos. Em julho daquele ano, Kabbah negociou para ter o líder da

RUF, Sankoh, como seu vice-presidente. A paz durou até abril de 2000, quando

o exército da Nigéria saiu do país e a RUF voltou a atacar, usando até mesmo

os capacetes azuis da ONU como reféns, o que levou à prisão de Sankoh e outros

membros da RUF que faziam parte do governo e aumentou o caos. A situação só

começou a melhorar em maio, quando forças britânicas chegaram país para estabelecer

a ordem, o que só aconteceu em 2002, quando Kabbah declarou oficialmente o fim

da guerra civil.

Para conseguir resistir tanto tempo, a RUF contrabandeava

diamantes para pagar por armamento e drogas. Nesta época, a vizinha Libéria

foi uma das maiores exportadoras de diamantes, sem ter minas. Para conseguir

novos "soldados", eles invadiam vilas, matavam pais e mães e levavam os filhos,

que eram drogados e forçados a dar continuidade a este ciclo de barbáries. Assim,

além de perder as vidas de milhares de civis e milhões em diamantes, o país

tem hoje crianças que até pouco tempo faziam parte de um exército sem limites.

Misturando verdade e ficção

Ambientado em Serra Leoa (leste africano), o

filme conta a história de um pescador, Solomon Vandy (Djimon Hounsou),

que vê sua vila atacada por rebeldes. Ele consegue salvar sua esposa e filhas,

mas vê seu filho sendo levado para se tornar um soldado. Forçado a ir trabalhar

em uma mina de extração de diamantes, ele consegue achar uma enorme pedra. Enquanto

tentava escondê-la, o exército local chega e leva todos para a cadeia. É lá

que um traficante de diamantes, Danny Archer (Leonardo DiCaprio), fica

sabendo da tal pedra e resolve ajudá-lo a salvar seu filho, desde que em troca

ele fique com o raro mineral.

Entre as correrias, tiros e explosões que se

seguem, eles se aliam a uma jornalista estadunidense (Jennifer Connelly),

que também tem o seu objetivo: reunir o máximo de informações sobre os diamantes

de conflito que são contrabandeados para os países ocidentais.

Com este pano de fundo sócio-político, Ed Zwick

(O último samurai) constrói uma emocionante viagem de três seres humanos,

seus objetivos e os meios que utilizam para alcançá-los. Além de correr e pular,

DiCaprio e Hounsou têm ótimas atuações, que justificam os elogios que vêm recolhendo.

Espertos com o estrago que Super Size Me

causou à indústria de fast foods e em especial ao McDonald's, as empresas que

manufaturam e vendem diamantes se adiantaram à estréia do filme e vem exibindo

os brilhantes certificados de que suas pedras não são diamantes de conflito.

Investir na África e tentar melhorar as condições de vida no continente negro,

ninguém quer, né?

 

Link to comment
Share on other sites

 Resumo sobre o filme (trecho retirado da crítica encontrada no site Cinereporter):

 

"“Diamante de Sangue” é um thriller político convencional, com um pequeno desdobramento paralelo romântico. Esta última parte, implausível e excessivamente melodramática, responde pelos trechos mais fracos do filme – é realmente difícil acreditar que duas pessoas tão diferentes quanto Danny e Maddy possam se apaixonar, mas afinal de contas o envolvimento amoroso do herói é inevitável nos grandes filmes de Hollywood. Infelizmente, o trabalho de Edward Zwick não empolga em nenhuma frente: tem cenas de ação apenas competentes, mas que nunca impressionam, e usa personagens estereotipados (o mercenário amoral redimido pelo amor, a jornalista cheia de idealismo, o homem local para quem a família é tudo o que importa)."

 

 Hummm... Mais um lançamento que acho verei apenas em DVD. 
Link to comment
Share on other sites

Vi o filme hoje.

Nada demais, nada de novo.

 

Há uma mistura de realidade com uma ficção muito clichê, previsível e demasiadamente longa, assim como as cenas de ação do filme.

 

DiCaprio atua bem, assim como Jennifer Connely (que eu nem considero bonita assim. Aquela sobrancelha dela me dá medo.).

 

Mas a dura realidade africana mostrada no filme vale o ingresso
Link to comment
Share on other sites

Acho que vale a pena postar aqui a crítica do Kléber Mendonça Filho, do www.cinemascopio.com.br , que está hilária. Ele odiou o filme.

 

 

 

CARNE HUMANA VENDIDA BARATO

Por
Kleber Mendonça Filho

Um dos temas que mais me interessa no cinema é a tradução do olhar de uma cultura em relação a outra. No caso do cinema, Hollywood é a principal central de olhares para o mundo, e isso gera uma série de problemas que me parecem seriíssimos, pois eles terminam ganhando pelo excesso, pelo poder. Sobre esse filme Diamante de Sangue (Blood Diamond, EUA, 2006), eu nunca fui na África, infelizmente, adoraria ter o conhecimento de causa para apresentar um ponto de vista, uma "idéia africana" na sua essência. Por outro lado, eu conheço esse cinema hollywoodiano e seus tiques nervosos, ou talvez seus distúrbios de comportamento que são usados para fazer essa coisa sempre muito dúbia e de gosto questionável que é o "entretenimento para as massas".

A primeira coisa que vemos em Diamante de Sangue é um mapa mundi com um "você está aqui" num pontinho em Serra Leoa, costa oeste da África. Filmes como Diamante de Sangue precisam situar seu público alvo no mapa do planeta Terra, depois explorar os temas e as locações (aqui, africanas) com câmeras que chacoalham suja e artificialmente, deixando claro que estamos diante de um produto hollywoodiano que parece comentar ingenuamente culturas estrangeiras. Este filme com Leonardo Di Caprio investiga os conflitos fraticidas da África tendo como eixo o contrabando de diamantes.

O filme sugere uma atualização no olhar de cima para baixo que produtos da indústria cultural do primeiro mundo têm em relação a culturas alienígenas. É sempre curioso observar como Hollywood parte para investigar locações tão distantes, e, nesse sentido, estamos no aguardo para ver o já tão comentado filme de horror Turistas, filmado no Brasil.

Em relação à África, Hollywood filmava o continente desde o início com uma série espetacular de clichês que, de tão absurdos, passavam ao largo do insulto rumo ao surrealismo. Africanos fazendo "uga-uga!" ou temerosos de dinossauros, canibais selvagens que morriam pelo quilo mais barato da raça humana, ainda mais barato, talvez, do que soldados nazistas em filmes de guerra.

O que mudou? Filmes modernos continuam fazendo da África e dos africanos algo de vulgar. Em O Senhor da Guerra (Lord of War, 2005), um cínico lucra com os horrores humanitários do continente, ou Falcão Negro em Perigo (Black Hawk Down, 2000), onde Ridley Scott atualizou o racismo mítico de Zulu (1964) encenando as mortes de 900 somalis que combateram e mataram 19 soldados americanos (e são os 19 americanos os homenageados nominalmente na tela).

A utilização da África com enfoque turístico permanece (Entre Dois Amores, o atual Cassino Royale), mas já percebe-se também o olhar exótico marcado por um tom caridoso como em Hotel Ruanda (2005). Esse tipo de caridade é sublinhada na cena final espetacularmente constrangedora de Diamante de Sangue, espécie de ovação para o bom selvagem, o negro pobre africano filmado de ângulo baixo para salientar ainda mais a sua cabeça erguida.

Di Caprio interpreta Danny Archer, um ex-mercenário da Rodésia (hoje Zimbabue) que ganhou a vida encharcando o continente de sangue em guerras patrocinadas por interesses maiores. É um contrabandista de diamantes e o espectador logo irá perceber que Danny não é um cara legal, pois ele é fumante. Na Hollywood do ano 2000, ver um astro como Di Caprio fumando em cena só é possível se ele interpretar homens do passado ou estrangeiros (russos, árabes, latinos, africanos) de dúbia qualidade moral, como Archer.

A caracterização de Di Caprio (ao que parece, falando com três cebolas enfiadas na boca em sotaque estilo afrikaner) perde ainda para a de Solomon Vandy (Djimon Hounsou, também digno e nobre em Amistad), pescador humilde de Serra Leoa que separa-se da família durante um ataque brutal de guerrilheiros à sua vila. Aqui, é inserido com enorme peso o fator família que tanto agrada platéias nos EUA, já que o astro branco é solteiro, escroto e fumante.

Solomon acaba escravizado como garimpeiro de diamantes pelos guerrilheiros sanguinários, que fazem lavagem cerebral no seu filho Dia (Kagiso Kuypers), comentário válido do filme sobre os exércitos de crianças que matam na África. Homem bom, pai de família, ele encontra um diamante cor de rosa gigantesco que irá movimentar a trama e uni-lo ao escorregadio Archer.

Entra o interesse romântico, a jornalista Maddy Bowen (Jennifer Connely, que parece ter sido instruída para atuar como uma modelo perdida na África), que tenta fazer reportagem sobre os diamantes sujos de sangue que alimentam joalherias da Europa e EUA, usando Archer como fonte, e Archer usa Solomon como guia para chegar até a pedra que todos querem.

Archer também chega a uma inacreditável mudança de caráter que faz do anti-herói branco um santo convertido, enquanto o sempre humilde herói negro permanece o coadjuvante resignado que conhece o seu lugar na Hollywood do filme. Numa obra mais interessante, Solomon seria o grande herói e ponto de interesse da narrativa. Aqui, parece o empregado de Di Caprio, o que não deixa de ser típico.

Ao longo do processo, Diamante de Sangue tenta vender-se como um filme de ação que nos seus piores momentos evoca o espírito de Rambo 2 ou Comando Para Matar. Alguém aguenta ainda ver cenas de combate filmadas com a ajuda de um manual hollywoodiano para cenas do tipo (câmera balança, falsos zooms, explosões.)? Ainda pior é um encontro ameaçador dos três principais com guerilheiros numa mata, tensão resolvida com a americana conquistando os selvagens com o velho truque colonialista de oferecer um proverbial espelho. O diretor é Edward Zwick, de Tempo de Glória (Glory, 1989) e O Último Samurai (The Last Samurai, 2003), um medíocre com ilusões de grandeza.

Vale a pena sugerir que, em termos de África, o brasileiro Fernando Meireles (Cidade de Deus) saiu-se relativamente bem em 2005, fazendo de O Jardineiro Fiel (The Constant Gardener) um filme digno para com o cenário africano retratado, e dotado de coração, qualidades que não parecem existir em Diamante de Sangue.

Link to comment
Share on other sites

Esse Tal Christopher parece ter chupado limão antes de escrever sua crítica, é daqueles que se acham, mas na verdade  estão perdidos.11

 

Realmente o filme não é um espetáculo mas tem a função de mostrar as massas esse tipo de coisa, filmes feitos da forma que esses críticos querem não vendem, não chamam à atenção, somente uns poucos intelectuais pagam para vê-los.

 

E como disse muito bem o Leonardo Bastos, assistimos,  ficamos indignados e, agradecemos a Deus por estamos muito distante dessa triste realidade.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Esse Tal Christopher parece ter chupado limão antes de escrever sua crítica' date=' é daqueles que se acham, mas na verdade  estão perdidos.11

Realmente o filme não é um espetáculo mas tem a função de mostrar as massas esse tipo de coisa, filmes feitos da forma que esses críticos querem não vendem, não chamam à atenção, somente uns poucos intelectuais pagam para vê-los.

[/quote']

 

A crítica é do Kléber Mendonça Filho ( www.cinemascopio.com.br ), e não minha. Eu nem vi o filme ainda e nem pretendo ver (até porque não estreou aqui ainda)

 

E O Jardineiro Fiel vendeu bem, e chamou muita atenção. :)
Link to comment
Share on other sites

Sucks. 30 de 100.

 

A direção dele é pior do que a que eu acho que a minha avó faria se ela estivesse cheirando cocaína pela primeira vez (e em doses cavalares). Eu acho que teve 1 (um) take interessante, e ele durou uns 5 segundos. É aquele em que um dos revolucionários malucos anda por um corredor e vem na direção do Dia.

A história também não salva. Mais batida do que chantilly e completamente sem sal. Filme expiação de culpa denúncia me irrita o saco. Já basta O Jardineiro Fiel. Ah, e tem uns diálogos ridículos, tipo: "Se o povo americano souber como esses diamantes são obtidos, eu sei que eles não vão mais querer comprá-los." 06

 

O que mais ou menos contribui pra ele quase ser assistível é que
a) o Leonardo é bom. ele tá abaixo da média dele nesse filme, mas anyways.

B) o Djimon tá legal. decente.

c) Jennifer rules. meu deus que mulher linda.

 

Anyways, fujam. É um saco.
Link to comment
Share on other sites


Realmente o filme não é um espetáculo mas tem a função de mostrar as massas esse tipo de coisa' date=' filmes feitos da forma que esses críticos querem não vendem, não chamam à atenção, somente uns poucos intelectuais pagam para vê-los.

E como disse muito bem o Leonardo Bastos, assistimos,  ficamos indignados e, agradecemos a Deus por estamos muito distante dessa triste realidade.
[/quote']

 

Mas então, pensando bem esse assunto pode gerar uma discussão interessantíssima, não acham?

 

Quer dizer então que é válido fazer filmes como esse, um filme norte-americano com uma visão claramente deturpada de outro continente, só para "mostar as massas esse tipo de coisa"?

 

Um filme sério, com uma visão realista e sem fru-frus hollywoodianos, como O Jardineiro Fiel, ou aquele famigerado filme que Orson Welles não terminou no Brasil, não devem existir pois não chamam a atenção das massas e não vendem?

 

Já há tempos que o cinema americano de Hollywood, mostra visões caricatas e estereotipadas de outros continentes, especialmente América do Sol, a Ásia, e a África. Sempre com uma valorização dos valores americanos, e com uma certa tentativa de "conscientização" no fundo, que dificilmente acaba por se sobrepor nas obras.

 

Tivemos esse ano lançado o documentário Olhar estrangeiro, sobre como filmes de outros países mostram o Brasil. Esse ano mesmo será lançado por aqui o Turistas, tão falado. E recentemente filmes como Lágrimas do Sol e Memórias de uma Gueixa, também mostraram uma visão estereotipada, o primeiro da África e o segundo da Ásia.

 

Não estou falando aqui exatamente de Diamante de Sangue, que nem vi ainda, mas sim generalizando o cinema americano, que tenta se passar de bonzinho, mostrando as "dificuldades" de se vivier em outro lugar, quando a maioria desses filmes não passam de apenas mais um entretenimento para "vender".

 

fica aí a questão..  01
Link to comment
Share on other sites

Sorry Christopher!

 

O cinema americano não é bonzinho e jamais será, digo que filmes como esse são produzidos para serem consumidos, mesmo sob o pretexto de abraçar uma boa causa. Infelizmente O Jardineiro Fiel,  que considero um grande filme, morreu na praia; vi críticas ridículas sobre ele. Enfim é uma questão de opinião.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...