Jump to content
Forum Cinema em Cena

Quando um Remake é Necessário?


Questão
 Share

Recommended Posts

<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Qd? Nunca!

Sou uma herege suspeita, mas a maioria dos remakers estão aí p/ provar que não é boa idéia.... salvo raríssimas exceções,  que vivem sendo citados.

 

Talvez (eu disse talvez) “remakar” filmes antigos de sci-fi não fosse ruim.

Seria uma chance de vê-los com os efeitos especiais com tecno de hoje e não com a tosquice e limitação de antes.

 

Se bem que “O Dia Em Que A Terra Parou” meio que desmente isso... aff!

Anyway, os filmes nunca pararão de serem “remakados”.

Daí tu vai ouvir a tal frase muito ainda.

 

MariaShy2009-01-22 20:10:58
Link to comment
Share on other sites

 O titulo deste tópico esta mal formulado. Titulo é um problema, mas...

 Oq o PERUCATORTA falou é bastante relevante. A origem talvez não seja importante, basta manter o espirito da obra intacto, mas tambem acrescentar sua visão pessoal, se não o remake perde o sentido, vide as refilmagens de PSICOSE e A PROFECIA.

 Corrijam-me se eu estiver errado, mas as opiniões do PERUCATORTA e do LUCAS estão em sintonia.

 ROB GORDON, entretanto, parece manter a opinião de q existem obras intocaveis, das quais não existe a necessidade de um Remake. A questão ROB GORDON, é q vc fugiu da pergunta. Então vc acredita q um remake nunca é necessario?

 FORASTEIRO parece fazer contraponto ao ROB GORDON, defendendo q não existe filme intocavel, e q uma refilmagem não anula o original.

 

 DOOK foi um pouco vago em sua resposta. DR CALVIN, então vc acredita q Remakes nunca são necessarios? Eu queria ter visto algum dos filmes pra falar com propriedade, mas não ví, me parece q a refilmagem q Carpenter fez de O MONSTRO DO ARTICO superou o filme original, bem pouco conhecido. Todo mundo já ouviu falar de O ENIGMA DO OUTRO MUNDO, oq não se repete com o filme original. "Nunca" então não seria um termo meio forte? Hitchcock refilmou O HOMEM QUE SABIA DEMAIS, pois acreditou q ele necessitava de um remake.

 

 Pessoalmente eu concordo com o FORASTEIRO, embora exista filmes q de fato não tem sentido refilmar, como 2001.

 

 A questão é, q basta dar uma olhada em alguns topicos de Remakes, onde os usuarios dizem "mas este remake é desnecessario". Sera q ele nunca é necessario? Um remake nunca é bem vindo?

Valeu16 
Link to comment
Share on other sites

DOOK foi um pouco vago em sua resposta. DR CALVIN' date=' então vc acredita q Remakes nunca são necessarios?[/quote']

 

Sim, acredito que remakes NUNCA são necessários, o que não inclui a idéia de que eles SEMPRE são ruins ou de que NUNCA são bem vindos... Há remakes fantásticos como A Mosca ou A Fantástica Fábrica de Chocolate...

 

E The Thing não é exatamente um remake de O Monstro do Artico. É apenas uma adaptação mais fiel do conto Who Goes There?... Dizer que é remake, é o mesmo que falar que Dracula de Bram Stoker é remake de todos os Dráculas já feitos...

 

E Hitch pode achar o que ele quiser... Apesar de nao ter visto o original e gostar do remake, não vejo no que O Homem que Sabia Demais acresce na filmografia do mestre... Quem sabe quando eu ver o original.
Link to comment
Share on other sites

 Agora entendi seu ponto de vista DR CALVIN.

 Só um adendo, como já falei, não posso opinar com propriedade sobre THE THING, pois não ví nenhum dos filmes.

 

Mas o Dracula de Bram Stocker do Copolla, pode ser considerado um Remake do Dracula do Herzog por exemplo. É a mesmissima historia, com os mesmissimos personagens, os diretores só deram cada um a sua visão.

 O VAMPIRO DA NOITE do Christopher Lee é a mesma coisa. Tambem é de certa forma um remake do filme do Herzog.

 A adaptação do LIVRO de Bram Stocker já teve varias versões, e uma acaba sendo remake da outra.

 Caso semelhante ocorre com BODY SNATCHER, q já virou filme em VAMPIROS DE ALMA, INVASORES DE CORPOS, INVASORES e por ai vai.

Valeu16
Link to comment
Share on other sites

 

 
 ROB GORDON' date=' entretanto, parece manter a opinião de q existem obras intocaveis, das quais não existe a necessidade de um Remake. A questão ROB GORDON, é q vc fugiu da pergunta. Então vc acredita q um remake nunca é necessario?

[/quote']

 

Bom....é...tens razão...me enrolei e fugi da pergunta.

Sou partidário da opinião do Calvin...remakes nunca são necessários.

Digo assim...remakes para mim nada mais é do que uma pura falta de idéias.

"O que faremos agora?" "Ah, vamos refazer A Lista de Schindler, porém agora colorido." Claro que à exemplo do que o Calvin falou, não é regra que todos os remakes sejam ruins, mas se sabe que a chance disso acontecer são enormes principalmente qdo se mexe em filmes como Psicose (ae que eu digo que seriam "intocáveis", dificilmente alguém o faria com a mesma genialidade e o mesmo impacto do original).

Para cada A Mosca temos dúzias de Psicoses coloridos, O Dia em que a Terra Parou....

 

Eu pensei em escrever que remakes seriam necessários qdo o filme fosse ruim...mas e pra quê refilmar um filme ruim? Para dar exemplos...vou pegar e "refazer" Motoqueiro Fantasma mas usando a essência verdadeira da HQ. Isso não seria remake e sim uma nova versão, não? Mais ou menos o que fizeram com Batman. (Idéia boba que precisei explanar aqui.06)

Link to comment
Share on other sites

 Mas o Dracula de Bram Stocker do Copolla' date=' pode ser considerado um Remake do Dracula do Herzog por exemplo. É a mesmissima historia, com os mesmissimos personagens, os diretores só deram cada um a sua visão.

 O VAMPIRO DA NOITE do Christopher Lee é a mesma coisa. Tambem é de certa forma um remake do filme do Herzog.

 A adaptação do LIVRO de Bram Stocker já teve varias versões, e uma acaba sendo remake da outra.

 Caso semelhante ocorre com BODY SNATCHER, q já virou filme em VAMPIROS DE ALMA, INVASORES DE CORPOS, INVASORES e por ai vai.

Valeu16
[/quote']

 

Bom, primeira coisa que o Dracula do Copolla nunca foi vendido como um remake. Até por ser adaptação de livro, fica difícil falar que é remake.

 

E como assim o Vampiro da Noite de Terence Fisher é refilmagem do Dracula de Herzog? Como pode um filme de 1958 ser refilmagem de um filme de 1979?
Link to comment
Share on other sites

 DR CALVIN, o LIVRO "Dracula" deve ser um dos que mais ganhou adaptações para o cinema. Oficialmente, nenhum é refilmagem um do outro. Mas assista o Dracula do Copolla, O VAMPIRO DA NOITE e o Dracula do Herzog, e vera q é a mesma historia. Todos são adaptações do livro.

 E vc tem razão em relação ao filme do Herzog e do Fisher. Q vacilo da minha parte.09

 ROB GORDON, entendi o seu ponto de vista, mas o exemplo q vc deu de fazer remakes de filmes ruins. Adaptação de quadrinhos de series regular, como o MOTOQUEIRO FANTASMA não é o melhor exemplo nesses casos, pois o diretor pode usar varias abordagens para os personagens envolvidos, pois ele tem tipo, 20 anos de historias para dispor de uma abordagem.

  Mas existem os casos de filmes q possuem uma otima ideia, mas q foram mal aproveitadas pelo diretor. Um exemplo é A LIGA EXTRAORDINARIA do Stephen Norrington. O filme é uma droga, mas o conceito é otimo.

 

 Nesse quesito (Õ,Ô)  exemplificou bem no 1º item q citou.

Valeu16

 

 
Link to comment
Share on other sites

Essa questão dos remakes, pelo menos ao meu ver, pode demonstrar várias coisas a respeito da indústria cinematográfica... Mas, antes de tudo, respondendo a pergunta do Questão: O remake, depois de um tempo, se torna necessário. (depois explanarei mais sobre isso)... Voltando, ao meu ver o remake demonstra, de certa forma, uma espécie de "crise" dentro da indústria cinematográfica. Primeiro, uma crise de idade, onde as pessoas envolvidas com a indústria do cinema olham para trás e veem com saudosismo para os filmes do passado e, talvez, numa tentativa de reavivar aqueles sentimentos que o filme havia trago, acaba por impretar um remake e aí lá vai... Um outra fator, que até certa vez comentei em um videocast do Pablo Villaça diz respeito ao que eu, particularmente, acredito: uma crise de criatividade. Essa crise se daria no quão engessada a indústria cinematográfica muitas vezes se mostra... Ela é engessada pelo momento e pela garantia de marketing e de retorno financeiro... Fazem remakes pq: Simplesmente pq fica aquela aurea de "será que vai superar o original" ou então, faz-se o remake por mera falta de idéias novas, e aí se pega o novo e o traz de volta.... Não sei se me fiz entender...

 

Agora, explicando melhor a minha resposta:

 

O remake, depois de um tempo, se torna necessário

 

A explicação é lógico. Um filme, por melhor que ele seja, ele é datado, não há como. E, as vezes, as idéias dele se perdem no tempo... Lógico, isso não invalida a obra original... Mas, faz com que a mensagem da obra original perca seu sentido e impacto... Vide o exemplo de "O dia em que a Terra parou"... No original, a questão era da violência, da corrida militar e por aí vai... Hoje, essa mensagem não tem tanto sentido (a questão da violência continua muito presente), pois os tempos são outros... Pós-Protocolo de Kyoto e, mais importante ainda no cinema, "pós-documentário do Al Gore", a preocupação no cinema tornou-se outra e a preocupação mundial tb, que é a questão ambiental... Aí, pega-se um filme clássico e toma-se a iniciativa de adaptá-lo, de forma a atualizar sua mensagem...

 

Bom, acho que isso tudo pareceu meio confuso...
Link to comment
Share on other sites

 PERUCATORTA esta revoltado com os quadrinhos hoje06. Pena q ele esqueceu d incluir adaptação de desenhos como TRANSFORMERS na lista.06

 

 Mas voltando ao assunto, oq o SUNDER disse tem um certo sentido. Por exemplo, muito da trama de O HOMEM QUE SABIA DEMAIS original gira em torno de impedir q a 2ª guerra mundial exploda. O filme é de 34. Não pude deixar d notar q os personagens correm tanto para impedir uma guerra, sendo q cinco anos depois ela realmente aconteceria. Essa foi uma das razões q Hitchcock alegou para fazer o remake do filme.

 Claro q há outros filmes q não spfrem desse problema, e a maioria dos remakes tem como razão de ser a mera questão lucrativa. Mas oq estou tentando descobrir é se existe algo mais, q justifique a existencia do Remake.

Valeu16

 
Link to comment
Share on other sites

 Olhando por esse angulo' date=' vc tem certa razão. Mas esse pensamento não tiraria o titulo de Remake de A FANTASTICA FABRICA DE CHOCOLATES do Burton?

 O filme do Burton é bem mais fiel ao livro do Dahl, embora obviamente tome algumas liberdades.
[/quote']

 

Pode ser... nesse sentido, A Fabrica de Burton não seria um remake, mas uma nova adaptação do livro de Dahl...
Link to comment
Share on other sites


a chance disso acontecer são enormes principalmente qdo se mexe em filmes como Psicose (ae que eu digo que seriam "intocáveis"' date=' dificilmente alguém o faria com a mesma genialidade e o mesmo impacto do original).
[/quote']

 

Aí que tá, não precisa da MESMA genialidade e do MESMO impacto. Van Sant não entendeu isso (porque é burro), e deu no que etc. De que adianta fazer um remake se você trilhar o mesmo caminho e buscar os mesmos efeitos que buscou o original?
Link to comment
Share on other sites

 

É claro que a versão da obra original pode ser considerada uma Obra Prima ou então foi cultuado por uma geração etc etc, mas isso não importa... Quero apenas apreciar um bom filme, seja com Mel Gibson fazendo um remake de ‘Ben-Hur’ ou Tim Burton com 'O Mágico de OZ'. Se o resultado for bom, fantástico e maravilhoso, então só temos a ganhar! Mas se não for, que pena... Basta esquecer o remake, assim como eu faço com qualquer filme ruim.

 

E em muitos casos um remake pode ser necessário sim, para passar uma versão mais realista da obra com recursos mais avançados de computação ou técnicas cinematográficas, que pode ser considerada uma limitação que uma obra original não tenha conseguido usar. Exemplo: 'Os Dez Mandamentos', 'Ben-Hur', 'King Kong'. Não estou necessariamente criticando a qualidade da obra original, mas considerando que um remake também pode criar versões mais belas, fantásticas e inesquecíveis que a original.

 

 
Link to comment
Share on other sites

Pessoal' date=' Não é uma questão de sim ou não, Remakes tem duas funções: - Concertar a b**** feita no original. - Espremer a laranja até o osso ("dimdim") Dentro de suas funções, todos são necessários. [/quote']

 

 

 

uai, mas como assim bosta?? ele nao é classico intocavel?17

 

 

 

 

 

Não, são dois fatores distintos que em muitos casos são usados conjuntamente, em relação a "OP" entra no fator "Espremer a laranja até o osso".

Link to comment
Share on other sites

Não existe crise de criatividade. O que existe é a estupidez da coletividade' date=' que prestigia filmes baseados em quadrinhos, video-games e não faz questão alguma de ser desafiado. As produtoras apenas aprenderam isso e investem no mais fácil, que é reaproveitar o que já foi sucesso antes.[/quote']

 

Sim sapo, mas crise de criatividade e estupidez coletiva apenas sao fatos q se complementam, um nao vive sem o outro. Ate pq qdo surge algo diferente (criativo), espremem ate o osso... vide o primeiro Jogos Mortais. Na falta dela (bons roteiros), reciclam o obvio.

 
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...