Jump to content
Forum Cinema em Cena

Babel, de Alejandro González


-felipe-
 Share

Recommended Posts

 

 

 

 

innaritualejandrogonzalez.jpgEm 21 Gramas, o cineasta mexicano Alejandro González Iñárritu (à esquerda) trabalhou com Sean Penn, Benicio Del Toro e Naomi Watts.

 

Em Babel, seu mais novo projeto, o diretor terá novamente dois astros de Hollywood e um ator latino no elenco: Brad Pitt (Doze Homens e Outro Segredo), Cate Blanchett (O Aviador) e Gael García Bernal (Diários de Motocicleta).

 

arriagaguillermo.jpgEm 21 Gramas e Amores Brutos (que

revelou Bernal para o mundo), Iñárritu trabalhou com o roteirista

Guillermo Arriaga - à direita - e, em ambos, um trágico acidente forma

o núcleo do filme.

 

Em Babel,

também escrito por Arriaga, uma tragédia atinge um casal em férias e dá

início à entremeação de quatro histórias, cada uma situada em um país:

Marrocos, Tunísia, México e Japão.

 

Parece

que a dupla não gosta de mexer em time que está ganhando. E quem aposta

em mais um sucesso dessa parceria é a Paramount Pictures, que está

quase fechando um acordo para distribuir o longa. De acordo com o The Hollywood Reporter, a produção é da Anonymous Content, co-responsável por Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças.

 

Curiosidade: Para Cate e Pitt, este será um já agendado encontro nas telas, que não se concretizou em The Fountain: ambos estavam escalados para o projeto de Darren Aronofsky, mas abandonaram o barco quando a produção foi cancelada em 2002.

 

pittbrad3.jpg  blanchettcate2.jpg  bernalgaelgarcia.jpg

Brad Pitt, Cate Blanchett e Gael García Bernal

 

 

 

Altas expectativas...smiley4.gif

-felipe-2007-01-20 10:18:38

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 104
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

  • 1 month later...

Sai a seleção oficial de Cannes 2006

Por

Érico Borgo

 

20/4/2006

 

envie_amigo.gif

 

volverp.jpg

 

Volver

marie_antoinette.jpg

 

Maria Antonieta

1p.jpg

 

Pan's Labyrinth

5.jpg

 

Southland Tales

Nomes consagrados se enfileiram novamente na

59a. edição do Festival de Cannes: Pedro

Almodovar, Nanni Moretti, Ken Loach,

Aki Kaurismaki, Richard Linklater e Lucas

Belvaux, entre outros, juntam-se aos novos astros da nona arte Sofia

Coppola, Guillermo Del Toro, Alejandro Gonzalez

Iñarritu e Richard Kelly.

Infelizmente, diferente do ano passado, quando

o Brasil foi muito bem representado pelos filmes Cinema, Aspirina e Urubus

e Cidade Baixa, este ano parece que seremos notícia no

Velho Continente apenas durante a Copa.

O Festival de Cannes, este ano com grande destaque

às produções européias (são 11!), vai de

17 a 28 de maio de 2006. Confira a Seleção oficial:

Em competição

Pedro Almodovar - Volver

 

Nanni Moretti - The Caiman

 

Paolo Sorrentino - L'amico di famiglia

 

Ken Loach - The Wind that Shakes the Barley

 

Nicole Garcia - Charlie Said

 

Bruno Dumont - Flanders

 

Xavier Giannoli - I Did It My Way

 

Rachid Bouchareb - Days of Glory

 

Lucas Belvaux - The Weakest Is Always Right

 

Sofia Coppola - Maria Antonieta

Alejandro Gonzalez Inarritu - Babel

 

Nuri Bilge Ceylan - Iklimler

 

Pedro Costa - Juventude em Marcha

 

Guillermo del Toro - Pan's Labyrinth

 

Aki Kaurismaki - Lights in the Dusk

 

Andrea Arnold - Red Road

 

Richard Kelly - Southland Tales

 

Richard Linklater - Fast Food Nation

 

Lou Ye - Summer Palace

Fora de competição

Abertura: Ron Howard - O Código Da

Vinci

 

Encerramento: Tony Gatlif - Transylvania

Exibições especiais

Brett Ratner - X-Men: O confronto final

 

Tim Johnson, Karey Kirkpatrick - Os Sem-Floresta

 

Paul Greengrass - Vôo 93

Exibições da meia-noite

John Cameron Mitchell - Shortbus

 

Johnnie To - Election 2

 

Su Chao-pin - Guisi

 

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

 

Com o anúncio dos selecionados a Cannes' date=' o estúdio de Babel já começa a melhor divulgar o filme!

Foram liberadas 2 fotos, com Brad Pitt e Cate

Blanchett em momentos-OSCAR. Momentos esses que também adiantam o clima

pesadão do longa!

Realizado pela mesma dupla de Amores Brutos e 21 Gramas (o diretor Alejandro Gonzalez e o roteirista Guilherme Arriaga), Babel é daqueles filmes pelos quais se fica ansioso por vê-lo só em conferir os nomes em sua ficha técnica!

babel2.jpg

* Cate Blanchett e o desolamento num olhar

Babel.jpg

* Brad Pitt e o seu desespero

[/quote']

 

Pra postar as fotos aqui tb.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

mais sobre Babel:

Bullet Time

Alejandro Gonzalez Innaritu's Babel' date=' which will have its debut at the Cannes Film Festival on Tuesday, 5.23, regrettably hasn't been seen by yours truly. But I did read a late '04 version of Guillermo Ariagga's script four or five weeks ago, and the good part was that I didn't get the "all" of it until the morning after I finished it.

That's what finally sold me. Anything that takes a day to kick in, anything that gains upon reflection...

pittbabel2.jpg

Spare and precise, the Babel script tells four stories that take place in three coun- tries -- Tunisia, Mexico and Japan. Clearly an exotic element here, and yet the film uses a plot device (and in fact a thematic strategy) that fans of Inarritu's last two films will immediately find familiar.

The story's about several disparate characters (four of them played by Brad Pitt, Cate Blanchett, Gael Garcia Bernal and a young unknown Japanese actress, Rinko Yakusho) who are linked, in the same way that the characters in Inarritu's Amores Perros and 21 Grams are linked, by a single violent act.


"I can say the film is about incommunication, misunderstanding and loneliness," Inarritu said in an interview we did on 5.5, or about twelve days ago.

 

"But for me, on a personal level, being such a multi-dramatic film, the bottom line DNA of this film is about how fragile and vulnerable we are. How do you say, this is a chain, this is a little piece of the chain? A link? For me when a link is broken then the chain is broken. And that, for me, is what this film is about."

The Tunisian section has two stories -- that of a married American tourist couple (Pitt, Blanchett) and their encounter with a bullet, and a story about how that bullet is haphazardly fired from a long distance away by a pair of youths playing with a newly-purchased rifle, and about the consequences of this.

alejandro53.jpg
Babel director Alejandro Gonzalez Innaritu during interview at CBS Radford -- Wednesday, 5.3.06, 1:10 pm.

The Mexican section is about this couple's nanny (Adriana Barraza) and her taking Pitt and Blanchett's kids (Elle Fanning, Nathan Gamble) across the border into Mexico for a wedding, which leads to bad things all around, particularly for her nephew (Gael Garcia Bernal).

The Japanese portion is about the relationship between a wealthy businessman (Koji Yakusho) and his deaf daughter (Rinko Kikuchi), and the daughter's encoun- ters with various men, among them a visiting police detective.

I wasn't allowed to see Babel as part of my interview deal, but as I waited to speak with Inarritu I saw a bit of footage on the large editing-room screen.

It showed a hyper, frenzied, salt-and-pepper-haired Pitt, playing, as Inarritu described, "a 49 year-old...a guy who's been through some tough times." The footage showed Pitt's character, who is called Richard, helping to carry his wounded bleeding wife (Blanchett) through the streets of a small Tunisian village.

I began our chat with my observation that the script feels good and strong at first, but smallish and concise and a bit less plot-driven than Amores perros and 21 Grams Then it sinks in a bit, and then it really kicks in the next morning.

alejandroeditor.jpg
Inarritu, Babel editor Stephen Mirrione -- Wednesday, 5.3.06, 1:17 pm

"That's a good wine you're describing," said Innaritu. "I agree -- it's a very multi- layered film. I'm still looking to it. Every time, as I am seven months with this, every time I discover more layers, more things...it's true what you are saying."

Babel's similarity to Amores perros and 21 Grams -- all three being about a violent blow shattering many lives -- may suggest that Guillermo Ariagga, the screenwriter of all three as well as author of the Tommy Lee Jones western The Three Burials of Melquiades Estrada, had something to do with shaping Babel's basic plot. But Inarritu says it was pretty much his own.

"Babel was an idea I had when I first arrived in the United States," he recalls. "This film would have been impossible without me being a director in exile, I would say. Because what comes from this is that you have a consciousness...a very strange perspective of your country and of yourself.

"I'm speaking of a complex relationship between a citizen of a Third World country" -- Inarritu was born, raised and launched his career in Mexico -- "and this country, and the traveling that I have done in the last six years, the way you understand things. So I guess that was what [led'] to the necessity of making this film.

"So I started working on this thing with Carlos Cuaron [the brother of Alfonso Cuaron and screenwriter of Y Tu Mama Tambien]. In the beginning. He would be the writer. But we began it as an argument and never took it beyond that, so we decided that he would do another project that we were developing.

rinkobabel.jpg
Babel costar Rinko Kikuchi

"At this point I invited Guillermo to participate in this story, and we obviously...as part of that process, we decided to share a lot of things."

"I think Babel is different from Amores perros and 21 Grams because the range of this film is completely different, style-wise, than the other ones. Because every story has a particular narrative and personality, and I feel that this is a more cinematic piece.

"I tried to combine the realistic aesthetic that normally I have been working in, but qualitating from an imaginary world where the music and the sound is a guiding force. There are a lot of sound elements in Babel. I was really taking the audio seriously. Using it to try and be inside a character.

"I stripped down so many things in the script by myself, and I was constantly adjusting and adapting and rewriting a lot of things based upon the culture and the situation I was in. It was a very difficult and informative process.

"I feel it is a very different film from the other ones -- you will see this soon -- in tone and style. It's more cinematic. I can only put only one line in the script, but in the shooting I can make a ten-minute piece out of a whole interior consciousness [trip] by one of the characters.

deltoro.jpg
Inarritu ally and pally Guillermo del Toro, director of Pan's Labrynth

"I had to make a lot of decisions. In a good way. I added some things, and I also took out some things. I was shaping a lot and learning a lot and learning the limitations of the actors. So in the end I took out like 30% of the script down, in the editing. So there have been a lot of changes."

We spoke of Rinko Kikuchi, a non-hearing-impaired Japanese actress that Inarritu cast as a sexually provocative teenager who has a hang-up about male attention, or a lack of.

"I first went to Japan in December 2004...just by myself, the trip being self-financed like always," Innaritu said. "I was looking for a Lolita kind of star, not quite attractive in an obvious way but one that you can really have some bad thoughts about her, but not quite in that way. It was difficult.

"I saw Rinko once, and then again nine months later when I returned, and I had never prom ised anything but she had studied sign language all by herself and signed as well the other girls. I can tell you she was better than the deaf girls. It was really impressive.

At what point did he sign Pitt, Blanchett and Bernal?

"I approached Brad and Cate in, I think, January or February of '05, and they said yes and we were shooting by May 2nd. It was a very fast process. Brad is playing an older character. I want to give him a kind of gravity so he looks older. No more boyish, and I think he looks great. I told him, I think you will be a very interesting old man.

inarritupitt.jpg
Inarritu, Pitt during filming in Morocco, late May 2005.

"Gael, I always wanted We originally had just two stories...the Moroccan kids story [he used Morocco as a Tunisian substitute] and the Americans who receive the shot, which originally, by the way, was the man who received the shot...we changed it later to the woman...but this was a very, very early stage in the argument I had with Cuaron.

"But we needed two more stories, I said. We need to tell a story about Mexico, about a nanny. The story about Mexico and the border because I am very affected by that. The nanny who works with me at my home is called Julia, and she has told me the saddest stories you've ever heard. So for the border sequence, I always felt that would be best to have Gael. Partly because he is a master of accents and people in the north talk very differently. Always I have him in mind.

"We went into pre-production in Morocco in March '05, and we started shooting May 2nd. All three countries in sequence. The last day of filming was December 1, 2005.

"We shot in Morocco, and then pre-production in Mexico, and then we shot in Mexico, and then over to Japan for pre-production and then we shot there. It was the same as doing four separate films, which was intellectually and emotionally very difficult. To shoot something in Morocco and at the same time think about the likelihood that a scene would cut directly into a scene I know I will shoot in Japan seven or eight months later. It was an exercise.

"And it was such a struggle, about going or not going to Cannes," he added. "But we finally decided that Cannes is a good platform for this kind of film. It's a four-language film, a very personal film, a very complicated film, and this festival exists for that...for this kind of film.

babeldesert.jpg

"Now, I'm not sure exactly who is going to be in Cannes. Perhaps with Brad and his baby coming he will not be there...I'm not sure. But possibly Cate will come. And all the other actors. We are working on getting visas for the little [Moroccan] kids."

I mentioned the cliche about filmmakers facing the inevitable pit of depression after they have finished a long project. To avoid this some directors develop one, two or three films at the same time so they can jump right into the something fresh after one is finished.

"The only way I can conceive films like this is being quiet and being alone," Inarritu replied. "If I go into the machinery, into the factory thing, it's good but I don't know that I have the skills to have three girlfriends. I'm a one-woman man.

"From Amores perros to 21 Grams I needed two years. It is always that. That is the time I need to assimilate, to be working the characters, to know who they are. It's a very conceptual and quiet internal process, and I need that time to develop it."

I mentioned Inarritu's excellent BMW commercial, "Powder Keg," which was made in '01 and co-starred Clive Owen, and then asked if he had been approached to do one of those idiosyncratic American Express commercials that M. Night Shyamalan and Wes Anderson have directed.

alejandro2.jpg
Wednesday, 5.3.06, 1:12 pm

"They offered me to do one, and I reject," Inarritu replied. "I reject because, first of all, for me, to expose myself with a crowd like that...it's like a capitalist statement. I worry about that statement. It's not safe in Mexico to be the American Express guy. That's not a smart thing for me."

Inarritu took part in that recent, very large Latino demonstration in Los Angeles (which also happened in other cities) against a proposed change in U.S. immigration and labor laws that would adversely affect the economy and culture of Latin communities all over.

"I didn't send my kids to the school that day -- I took them with me [to the demonstration]," Inarritu said. "The guys in the editing room were shouting bad things at me. We were facing a deadline, they said. I said, 'Guys, a man is defined not just by work but by what he believes.' They were furious at me.

"The kids and I took a taxi and arrived on Broadway downtown, and we spent four hours there and the kids loved it. It was peaceful, not angriness. You need us, we need you. It was a beautiful experience. An amazing experience."

It seemed to me like the biggest and best organized demonstration by Latinos in this country ever, I said. "Mexico doesn't have that kind of organization," he replied. "If we had that power in Mexico we would throw out the president. This is a human rights thing."

innaritu.jpg

We discussed his director friend Guillermo del Toro, who has advised Inarritu about pruning his films in the editing room, and who has his own film, Pan's Labrynth (Picturehouse), showing at Cannes this year. Inarritu calls it "very sad."

"I helped him finish it," he explained. "He helped me to take out three minutes from my film, and I helped him take out nine minutes from his."

He then switched back to Babel by asking, "Did you like the script?" Very much, I repeated. I guess I hadn't really said that in my initial comments.

"The other ones were more plot driven," Inarritu said. "This one is more character driven. One of the things I liked the most about it is the Japanese section, because there's nothing happening. There is no plot in it. It is the undercurrent thing that, little by little, begins to take you somewhere."

www.hollywood-elsewhere.com

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...
  • 1 month later...
  • 2 months later...
  • 3 weeks later...
  • 2 months later...
  • 3 weeks later...

SPOILERS.

 

Ok, Babel não é um filme só, são quatro histórias (a maior parte das pessoas diz 3, mas whatever).
Vamos por partes:

1- A imigração, a babá e as crianças.

Essa é a menos ruim. Na verdade não tem nada de exatamente muito bom sobre ela, exceto
1) a atriz que faz a babá é decente
2) tem o gael garcia bernal
3) a cena na fronteira é a única decente do filme inteiro, hooray.
No geral essa historinha também não é lá essas coisas, mas pelo menos não chega a ser irritante nem nada do tipo.
58.

2 - Brad Pitt e a esposa agonizante

Essa é provavelmente a que tem os piores diálogos.
"Se eu morrer... Cuide das crianças."
Que tipo de pessoa escreve isso? Sério mesmo.
De qualquer maneira, pelo menos o Brad Pitt não tá ruim e a cena em que o helicóptero vem buscar (OPS, SPOILER) os dois é razoável. E tem uns momentos divertidos com o Pitt maluco e bravo com todo mundo.
44
PS: se a cate blanchett reagisse diferentemente (tipo culpando o Brad Pitt por levá-los pro inferno em vez de dizer "eu te amo mimimimi") essa seria melhor.

3 - O Franco-Atirador Marroquino

As coisas começam a ficar (bem) ruins. Essa não faz muito sentido, é estúpida e mal feita. Sem contar que os atores são ruins . BEM ruins. Eu não consigo pensar em nenhum ponto positivo sobre essa. A direção é ridícula e exagerada, aparentemente o Iñarritu tem mal de parkinson.
30

4 - A Japonesa Maluca

Ok, essa é 100% ruim. WTF. Japonesa surda estúpida que tira a roupa e estupra o dentista. WTF. Pra quê? Eu não consigo pensar em algo mais idiota do que inventar um personagem surdo-mudo em um filme sobre falta de comunicação. É tão estúpido. Iñarritu, por que você é tão estúpido?
E o pior é que a menina japonesa é horrível. Quem contratou essa mulher? Ela é ENGRAÇADA nos momentos pseudo tocantes. Wtf.
11

Namorada do Kain:
como diabos uma japonesa sem roupas tentando estuprar um policial seria "tocante"? u_u'

Resposta:
"Simbolizando o quanto ela está perdida e fora de sintonia com o mundo por não poder se comunicar". É estúpido.

Média: 143/4 =  35,75

Isso ganhou o Globo de Ouro. Hooray.

Kain - etc

Kain2007-01-19 18:32:44
Link to comment
Share on other sites

Honestamente, [por enquanto] tendo assistido Babel ontem à noite,  me arriscarei a afirmar a seguinte coisa:

 

Se a academia não der o Oscar de Melhor Filme à Babel, eu mesma fabricarei uma estatueta e entregarei para Alejandro González. "Toma, não é da Academia, mas é de coração"06

 

 

O filme não é aquilo que passa no trailer...  Na verdade não chega nem perto de ser aquilo. É mais, muito mais.  Se colocar numa balança todos os concorrentes ao Oscar do ano passado, comparando-os à Babel,  este último vence de todos eles juntos.

 

Imagino Paul Haggis assistindo Babel e dizendo: "Er... eh. É mais ou menos isso que eu quis dizer".

Babel é tudo que  Crash queria ter sido e não foi.

 

Por enquanto é só o que eu posso dizer.

[para aumentar a expectativa de quem ainda não viu.

 

ps: *Spoilers* A cena da japonesa surda na boite é a melhor seqüência de 2006.

 

Link to comment
Share on other sites

Eu bem achei Babel uma mistura de Crash e Efeito Borboleta, sendo muito mais abrangente, sério e tocante que esse, e muito menos forçado que aquele. O filme pega um fato(o tiro que a americana toma) e apartir dele conta a história das pessoas envolvidas direta e indiretamente com ele, o que é muito interessante, pois explora temas diferentes- como imigrantes mexicanos, japonesa surda-muda-que-quer-deixar-de-ser-virgem, casal que viaja para um pais distante, crianças que não sabem exatamente oq fazem- que estão ligados ao tal fato.


Existem várias cenas memoraveis. Todo o ocorrido na fronteira México-EUA é espetacular, assim como a cena da discoteca no Japão, principalmente quando o diretor nos faz experimentar ser a jovem surda-muda por alguns instantes.

Sem falar tb nas excelentes atuações, principalmente da Mexicana e do Brad Pitt, ambos merecem no mínimo uma indicação ao Oscar, não que isso seja algo essencial, mas é uma forma de reconhecimento do trabalho bem feito(geralmente).

Não diria que é o melhor filme de 2006, pois além de ter preferido Apocalypto, têm vários que ainda não vi, mas com certeza é um dos melhores.
Link to comment
Share on other sites

**

 

Spoilers

 

humm... não gostei nem desgostei. Tipo, eu me peguei pensando várias vezes o que raios esse filme fala sobre as diferenças? Dificuldade de comunicação, eu não vi; até na história da surda-muda o resultado seria o mesmo se a personagem não possuisse a deficiência (aliás, o que esse ramo do filme propõe parece uma versão piorada de Encontros e Desencontros). O filme se sustenta bem no início, mas eu me perguntava o que o Iñárritu queria dizer, se as barreiras geográficas estavam quase numa boa? Tipo, ele arrisca fazer algo quando fala sobre o atentado a uma vida americana parecer terrorismo; mas fica por isso mesmo. A mesma coisa pra fronteira México-EUA - quantas vezes a gente já não viu aquilo? O pior é que é uma putaria só: o marroquino toma o tiro (numa cena horrível) além do irmão quebrar a arma depois numa referência forçadíssima, depois corta pra ambulância da Cate Blanchett cancelar (e cacete, como as pessoas gemem nesse filme) e o Brad Pitt ficar puto; depois corta pra japonesinha enfrentar mais alguém que não quer comer ela; e aí tem aquele mega clichê das pessoas no México, e dale mais gemidos e chororôs. Forçada toda essa sucessão. E o filme supostamente falaria sobre a globalização e falta de comunicação e eu fiquei no final com uma sensação de "e..." pq não consegui ver crítica nenhuma, já que o filme poderia quase se passar em uma cidade só. E o que restou foram os dramas particulares, esquemáticos e além de forçados. Apesar de filmar bem, o Iñárritu apelou pra um recurso pra emocionar muito escroto, que é cortar o som ambiente na hora de uma tragédia pra aumentar a trilha sonora, que fica muito brega. Fica pra próxima.
rubysun2007-01-25 01:38:35
Link to comment
Share on other sites

Acho que Babel está sofrendo de 'Crash-ite'.

 

 

Comentários intercalados por spoilers:

 

O filme fala sim de muitas diferenças... Diferenças CULTURAIS e LINGUÍSTICAS, não de índole em si. E ao contrário do que fez Crash, que, através da caracterização dos seus personagem, fez uma generalização das etnias... Babel veio "desgeneralizar", mostrando que nem todo americano pensa no bem do próximo [como o caso dos americanos que não esperaram o Brad Pitt], que nem toda bala perdida é fruto de terrorismo [no caso, uma americana pode ser baleada em Marrocos sem nenhuma intensão política], que nem todo árabe é terrorista e deseja a morte aos americanos [importante no contexto histórico atual] e também que nem toda arma se consegue por contrabando.

 

Mostrou também que os orientais podem ser pessoas comuns, que sofrem, têm sentimentos, têm problemas, psicológicos e físicos como qualquer um pode ter... Veio inclusive mostrar como o povo oriental está a frente dos outros no que diz respeito à inclusão dos deficientes na sociedade [mostrando, por exemplo, o celular adaptado da menina surda].

 

Com tudo isso, quebra os tapumes que guiam o olhar das pessoas a lerem tudo de um só ângulo. As pessoas que estavam esperando ver o óbvio, encontrados vários contrapontos. E é com um contraponto que cito uma outra cena, a última, em que o filme nos leva a crer que a japonesa mentiu sobre a morte se sua mãe para o policial porque pensava em se matar dessa forma, e quando o pai dela encontra a porta da varanda aberta, já era "quase certo" que sua filha tinha se suicidado pulando de lá. Então eis que ele brinca como espectador pela última vez e termina o filme acordando as pessoas para o que existe, e não o que se generalizou que existe.

 

Ou seja, o filme não vem mostrar qual povo é bom ou mal, rico ou pobre... veio mostrar as diferenças culturais gerada por cada língua [importante aqui citar a festa de casamento mexicana com as crianças norte-americanas achando estranho no início e se divertindo depois]. Veio tb mostrar que toda cultura é rica e que até mesmo dentro de um mesmo povo, as pessoas pensam diferentes, agem diferentes, tem problemas e alegrias diferentes e que NÃO são todos iguais e portanto NÃO devem ser tratados de forma generalizada como um só.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Acho que Babel está sofrendo de 'Crash-ite'.


Comentários intercalados por spoilers:

O filme fala sim de muitas diferenças... Diferenças CULTURAIS e LINGUÍSTICAS' date=' não de índole em si. E ao contrário do que fez Crash, que, através da caracterização dos seus personagem, fez uma generalização das etnias... Babel veio "desgeneralizar", mostrando que nem todo americano pensa no bem do próximo [como o caso dos americanos que não esperaram o Brad Pitt'], que nem toda bala perdida é fruto de terrorismo [no caso, uma americana pode ser baleada em Marrocos sem nenhuma intensão política], que nem todo árabe é terrorista e deseja a morte aos americanos [importante no contexto histórico atual] e também que nem toda arma se consegue por contrabando.

Mostrou também que os orientais podem ser pessoas comuns, que sofrem, têm sentimentos, têm problemas, psicológicos e físicos como qualquer um pode ter... Veio inclusive mostrar como o povo oriental está a frente dos outros no que diz respeito à inclusão dos deficientes na sociedade [mostrando, por exemplo, o celular adaptado da menina surda].

Com tudo isso, quebra os tapumes que guiam o olhar das pessoas a lerem tudo de um só ângulo. As pessoas que estavam esperando ver o óbvio, encontrados vários contrapontos. E é com um contraponto que cito uma outra cena, a última, em que o filme nos leva a crer que a japonesa mentiu sobre a morte se sua mãe para o policial porque pensava em se matar dessa forma, e quando o pai dela encontra a porta da varanda aberta, já era "quase certo" que sua filha tinha se suicidado pulando de lá. Então eis que ele brinca como espectador pela última vez e termina o filme acordando as pessoas para o que existe, e não o que se generalizou que existe.

Ou seja, o filme não vem mostrar qual povo é bom ou mal, rico ou pobre... veio mostrar as diferenças culturais gerada por cada língua [importante aqui citar a festa de casamento mexicana com as crianças norte-americanas achando estranho no início e se divertindo depois]. Veio tb mostrar que toda cultura é rica e que até mesmo dentro de um mesmo povo, as pessoas pensam diferentes, agem diferentes, tem problemas e alegrias diferentes e que NÃO são todos iguais e portanto NÃO devem ser tratados de forma generalizada como um só.


 

Acha ? 06

 

Essa questão do que o filme mostrou ou não eu acho bem válida sim, a minha reclamação maior foi com aquelas tragédias todas que começaram a acontecer perto do final, me lembrando justamente de Crash... pra mim pelo menos em alguns ambitos soou tudo meio forçado, deslocado.
Link to comment
Share on other sites

Achei fraco. As estórias são mal-costuradas, a música é horrorosa e, ao que parece, o Iñárritu não sabe fazer filmes de outra maneira além dessa, já esgotada. Suas intenções até que são boas, mas o filme é sufocado justamente por elas.

 

A parte que se passa no Japão, porém, é muito bonita. Tem uns planos lindos, a edição de imagens é ótima, a atriz está perfeita e a estória se sustenta muito além da premissa simplória do filme. Sozinho, daria um ótimo média-metragem. Mais gratificante que o filme todo, inclusive.
Link to comment
Share on other sites

Vi ontem. Realmente é um ótimo filme, com direção impecável, a cena na discoteca foi super bem filmada. É interessante vermos uma cena e depois ver o que estava acontecendo com outro personagem no mesmo instante(no mesmo momento da outra cena).

 

A atriz que fez a surda-muda merecia um Oscar, trabalho primoroso.

 

Impressionante a imprudência da mexicana, tem que ser muito irresponsável pra levar as duas crianças que estão sob seu cuidado, num casamento em outro país. E o personagem do Gael é totalmente inconseqüente.

 

Muito interessante ver um filme falado em inglês, espanhol, francês e japonês. Deu uma autencidade incrível principalmente nas cenas em Marrocos e na fronteira.

 

 

 

 

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

7/10 - Bem inferior a Crash e 21 gramas.

 

 

 

1) As referências cruzadas de uma estória na outra resultaram em verdadeiros

"spoilers" enfraquecendo o projeto. Ex:ficamos sabendo que com

antecedência que o morroquininho é responsabilizado pelo atentado.

 

 

 

2) O filme investiu pouco nos personagens e mais no ambiente aos quais estão

expostos, comprometendo a compreensão e à empatia do público em relação aos

dramas vividos pelos personagens. Pois, há relativamente poucos diálogos na

projeção e muitas seqüências mudas que apenas mostram o contraste dos cenários:

as baladas de Tóquio, a festa mexicana, Marrocos.

 

 

 

3) A personagem da Cate Blanchett foi pouco desenvolvida, faltou saber como uma

mulher "fresca" daquela estaria fazendo naquele fim do mundo, além do

genérico tentar salvar o seu casamento. O roteiro falhou ao não focalizar os

riscos que a babá ilegal incorria ao cruzar a fronteira de volta. E a estória

do suicídio da mãe da japonesa remanesce sem explicação.

 

 

 

4) O nome Babel sugere dificuldade de comunicação. Porém, uma menor parte dos

problemas do filme resulta da falta de comunicação. A meu ver, a maior parte

dos dramas do filme foi gerados por situações extremas que acabam levando os

personagens a realizarem decisões arriscadas e irresponsáveis.

 

 

 

5) A necessidade pela sobrevivência da família fez com que o pai marroquino

precisasse dar aos seus filhos uma arma para defender seu o pequeno rebanho da

família do ataque dos chacais, eis que os pais tinham outras tarefas a cumprir

como vender e preparar as peles. A descoberta sexual do marroquininho, vendo a

sua irmã sem roupa foi totalmente dispensável. Também achei excessivamente

melodramática a sua confissão em prol do irmão, uma vez que foi o este que

atirou no ônibus primeiro, embora o tenha errado. Além disso, foi panfletária a

quebra da arma.

 

 

 

6) É compreensível a atitude desesperada do Brad Pitt de brigar com todo mundo

para salvar a esposa. Como também, não consigo condenar a conduta dos demais

turistas ao abandoná-los, visto que a permanência daqueles no meio do deserto

poderia custar-lhes a vida (havia no ônibus idosos e doentes). Outrossim, pouco

poderiam fazer para salvar a vida da Cate.

 

 

 

7) A princípio a atitude da babá de cruzar a fronteira com as crianças foi

barbaramente idiota. Porém, o roteiro não deixou claro o risco do

empreendimento. A babá era ilegal. Porém, eles não tentaram burlar a

fiscalização ou utilizar documentos falsos. Assim, deu a impressão de que

cruzar a fronteira seria algo corriqueiro. E se não se fosse o fato do sobrinho

estar meio bêbado e das crianças serem lourinhas, teriam passado a fronteira

sem problemas. Será que o fato de ser barrada pela fiscalização seria algo tão

imprevisível? Ademais, me pareceu desproporcional a reação do sobrinho ao

arriscar a vida de todo mundo para não ser pego. Teria sido o receio da

deportação somado ao efeito do álcool. O roteiro não deixou claro. Nem sequer

sabemos se o Gabriel era morador ilegal nos USA.

 

 

 

8) A estória da japonesa não se encaixa no resto da trama de

forma alguma. A relação com o resto da estória é periférica e forçada. O pai

dela teria presenteado o vendedor da arma que matou os turistas ao pai

marroquino por ter sido um bom guia. Sua carência emocional provocada pelo

suicídio da mãe a leva a procurar o sexo como uma forma de escapismo. Porém, o

fato de ser surda-muda é apontada pelo roteiro como óbice à realização sexual.

Por ser “bonitinha”, flertar de forma extremamente agressiva e não estar

comprometida com o ideal de relacionamento romântico é de estranhar a falta de

êxito em sua empreitada, enfraquecendo ainda mais a estória. Além disso, o

roteiro insiste em discutir as circunstâncias da morte da mãe, sem jamais

responder as suas causas, deixando um vácuo na trama.

 

 

 

9) Concluindo, o filme peca por não apontar qual a motivação

de muitas das ações chaves da estória, uma vez que os personagens são pouco

investigados. O diretor privilegiou a fotografia, enaltecendo o contraste dos

diferentes cenários, em detrimento dos personagens, que ficaram em segundo

plano. Isso eu considero um erro em um filme que apresenta tantos personagens

principais. Além disso, a dificuldade de comunicação não passa de um mero pretexto

para a película. Os dramas retratados pelo filme não foram causados por

diferenças culturais ou lingüísticas e sim por problemas sociais (pobreza e

luta pela sobrevivência no Marrocos e no México), políticas (questão dos imigrantes

ilegais nos USA e de terroristas no Oriente Médio), pessoais (suicídio da mãe da

japonesa e morte do filhinho do Brad).

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...