Jump to content
Forum Cinema em Cena

Crimes da Ditadura Militar 1964 a 1985


Plutão Orco
 Share

Recommended Posts

Feito especialmente para quem não tem boa memória ou desconhecem os acontecimentos da época.

 

Sinceramente sinto nojo de quem apoiou isto, para mim não é diferente de um cúmplice de assassinato. E fico sinceramente atônito, por observar que mesmo hoje existe uma significativa parcela desta população ou que “desconhece” ou faz vista grosa para estes crimes e fala que na aquela época era um mar de flores.  Será que tem consciência que ao falar isto esta pessoa perde eu seu próprio direito de opinião? Afinal, se apóia um sistema autoritário que inibe a liberdade de expressão, fatalmente está abolindo seu direito de por em pauta sem problemas do dia a dia como a violência. Você será obrigado agüentar calado e se for possível incapaz de pensar, e achar tudo uma maravilha, pois é assim que funciona qualquer ditadura.

 

Por isto criei este tópico focado em denunciar e relembrar todas as atrocidades daquele tempo.

"Em 1979, em plena ditadura militar, centenas de milhares de brasileiros(as) mobilizaram-se e deram o impulso final para que a sociedade brasileira apagasse essa mancha sangrenta..." (Perseu Abramo)


O dia 28 de agosto de 1999 marca os 20 anos da promulgação da lei da Anistia.
A partir do golpe militar de 1964, houve constantes movimentos de resistência e de denúncia dos crimes da ditadura, desenvolvido principalmente pelos grupos de familiares dos atingidos e pela União Brasileira de Mães, entidade civil cassada em 1969.
A Ditadura Militar - a mais longa da história brasileira - durou de 1964 a 1985. Durante aqueles anos, mulheres e homens que ousavam criticar, opor-se ou integrarem-se aos movimentos de resistência às atrocidades praticadas pelos militares, eram perseguidos, obrigados a viverem na clandestinidade ou no exílio. Quando eram levados presos, eram torturados por agentes militares que não se identificavam, nem sequer faziam a comunicação ao juiz competente.
Estudantes, trabalhadores, sindicalistas, intelectuais e, às vezes, até crianças eram submetidos a interrogatórios sob tortura física, psíquica e moral, sendo que alguns foram mutilados e tiveram sérios comprometimentos da saúde física e mental e outros foram mortos em decorrência dos maus tratos sofridos.
Nos anos 70, no auge da Ditadura Militar, a oposição desencadeou de maneira vigorosa a luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita.
Foi criado o Movimento Feminino pela Anistia, por iniciativa de Teresinha Zerbini, que colocou a questão como necessidade imperiosa para recuperar a democracia e o Estado de Direito.
Representantes das Igrejas conclamavam os grupos e instituições a defenderem a Anistia como passo fundamental em favor dos direitos humanos.
A Anistia Internacional denunciou, por diversas ocasiões, a prisão de advogados de presos políticos no Brasil como "um atentado contra a independência e integridade do sistema jurídico mundial."

O Brasil vivia então sob a égide do famigerado AI-5 (Ato Institucional nº 5) que cassou políticos e suspendeu o direito de habeas corpus. Em 1969 foi editada nova Lei de Segurança Nacional que instituiu a pena de morte para os opositores políticos, engrossando assim a lista de mortos e desaparecidos políticos.

Nos cárceres, os presos políticos lançavam mão da greve de fome como último recurso para preservarem as mínimas condições humanas de sobrevivência e sobretudo a dignidade.

Em 1973, quando foi assassinado o estudante de geologia da USP, Alexandre Vannucchi Leme, o movimento estudantil, que já estava se reorganizando, fez vários protestos no campus. Por iniciativa conjunta dos estudantes e da Igreja, foi realizada missa na Catedral da Sé, oficiada por D.Paulo Evaristo Arns. Apesar do grande cerco policial, a missa contou com a presença maciça de estudantes

A morte do jornalista e diretor da TV Cultura, Wladimir Herzog, assassinado sob tortura nas dependências do DOI-CODI (Oban), em S.Paulo, no dia 25/10/75, trouxe uma comoção social que foi capaz de transformar tanta dor em luta pela Anistia. O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo contestou a versão oficial de que Herzog teria se suicidado, o que desencadeou um movimento de protesto com repercussão internacional.

Cresceram de tal forma os movimentos pela anistia que deram origem à criação do Comitê Brasileiro pela Anistia - os CBAs - com sede em diferentes estados e até mesmo fora do país.

Aos setores que poderiam ser diretamente beneficiados - presos políticos, cassados, exilados, banidos e demais perseguidos políticos - somaram-se outros tantos desejosos de liberdades políticas. A Anistia foi compreendida como parte integrante da luta pela democracia que não poderia florescer com a manutenção das punições às pessoas que lutaram pelos ideais democráticos.

A idéia da Anistia foi concebida como um instrumento para reconhecer o direito dos cidadãos terem opiniões e defendê-las para que a democracia prevaleça.

A luta pela Anistia se pautou pelo compromisso de reconduzir à sociedade brasileira todas as pessoas que, por motivos políticos, foram dela afastadas, compulsoriamente, pelos métodos da tortura e da repressão violenta.

Assim, a Anistia devia trazer de volta tanto o teatrólogo Augusto Boal como o mundialmente famoso educador Paulo Freire, bem como outros intelectuais, cientistas e trabalhadores demitidos por defenderem salários justos, religiosos, líderes camponeses e demais atingidos.

 

 

 

Desaparecidos políticos no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


A Ditadura Militar Brasileira iniciada em 1 de abril de 1964 por meio de um golpe militar foi combatida por diversos grupamentos políticos. Alguns destes, por advogarem uma mudança mais radical, não necessariamente violenta, sofreram intensa repressão política por parte da Ditadura Militar. No início da década de 1970 a Ditadura aumentou o seu método repressivo e passou a adotar meios inteiramente ilegais de repressão, que implicavam em seqüestro, cárcere privado, tortura, assassinato, esquartejamento do corpo das vítimas e ocultação das partes do cadáver. Nesses casos os familiares das vítimas nunca eram informados do paradeiro de seus entes queridos pois a metodologia da Ditadura, por ser completamente ilegal e por usar meios condenados universalmente, como crimes contra a humanidade e, portanto imprescritíveis (por ex., tortura), não assumia publicamente que o prisioneiro estava de fato em seu poder em um de seus cárceres privados ou que havia sido assassinado pelos seus órgãos de repressão (conhecidos pelos seus códigos: DOPS, DPPS, Cinemar, CIE, SNI, etc). O termo desaparecido político passou a ser usado para designar os ativistas políticos que caíram vítimas da repressão brasileira nesta forma.

Durante décadas sucessivos governos brasileiros, sejam eles militares e mesmo os civis que os sucederam, ignoraram o clamor dos familiares dos desaparecidos por alguma informação que esclarecesse o paradeiro de seus entes queridos. Somente no primeiro mandato do governo de Fernando Henrique Cardoso, quando o clamor dos familiares das vítimas não podia mais ser ignorado sequer pela grande imprensa, que o governo federal brasileiro decidiu reconhecer em 1995 a lista de desaparecidos, compilada há mais de duas décadas por diversas organizações de Direitos Humanos, e emitir, por meio de decreto, um atestado de óbito. Pagou-se também uma indenização aos familiares mais próximos das vítimas, embora várias famílias ainda contestem o valor na Justiça Brasileira por considerar o valor pago como sendo muito baixo em função do sofrimento vivido pela vítima e seus familiares como resultado das ações de repressão do governo federal brasileiro.

Apesar desse tardio reconhecimento oficial da morte dos desaparecidos, com a conseqüente culpabilidade implicitamente assumida pelo governo federal brasileiro, o decreto não foi inteiramente cumprido pois passadas mais de três décadas dos desaparecimentos, ocorridos principalmente entre 1971 e 1975, as circunstâncias das mortes dos desaparecidos nas mãos da Ditadura Militar Brasileira (1964-1985) ainda não foram reveladas.

Dentre os grupamentos políticos que geraram os maiores números de desaparecidos políticos no Brasil destacam-se os membros do Comitê Central (cúpula política) do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e vários ativistas do movimento conhecido como a Guerrilha do Araguaia. O auge da repressão por meio de desaparecimentos ocorreu durante a gestão dos generais-presidentes Emílio Médici e Ernesto Geisel, sendo que o primeiro era considerado como particularmente "brutal" pelas organizações de Direitos Humanos. Existem 138 "desaparecidos políticos" na época da Ditadura Militar Brasileira (1964-1985)[1].

O método repressivo de desaparecimento não ficou restrito ao Brasil. Na América do Sul quase todas as Ditaduras Militares utilizaram esse método para eliminar seus críticos políticos, inclusive colaborando entre si na chamada Operação Condor. Países como a Argentina, Chile e Uruguai também tem suas listas de desaparecidos, sendo que nos dois primeiros os números chegaram a dezenas de milhares de pessoas, de ambos os sexos e todas as idades.

 

 
Link to comment
Share on other sites

  • Replies 132
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Lembro que, em alguma discussão desse fórum, alguém havia dito que os mortos na ditadura militar não passavam de 300 e ainda juntou um link de vestibulinho mequetrefe cujas informações eram tão desencontradas (o autor do artigo certamente se esqueceu das ossadas de Perus no início da década de 90) que não dava pra acreditar que tinha gente estudando para o vestibular com aquilo... Depois perguntam porquê somos uma nação de ignorantes...

 

 
Link to comment
Share on other sites

Lista de cassados, exilados, presos, torturados ou mortos pelo Regime Militar de 1964

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Índice

[esconder]

1 Presos

2 Cassados

3 Exilados

4 Mortos

5 Desaparecidos

6 Outros

7 Do lado dos militares

8 Lista dos militares mortos e/ou feridos por militantes durante a ditadura militar de 1964

9 Lista das vítimas civis feridas e/ou mortas durante a ditadura militar de 1964

 

//

if (.showTocToggle) { var tocShowText = "mostrar"; var tocHideText = "esconder"; showTocToggle(); }

//]]>

 

 

Presos

(inclui torturados)

Caetano Veloso

Gilberto Gil

João Amazonas

José Genoíno

Paulo Francis

Luiz Inácio Lula da Silva

Frei Tito

Geraldo Vandré

Vinícius de Morais

Jaguar

Ziraldo

Cassados

(além de presos)

Miguel Arraes

Mário Covas

Celso Furtado

Juscelino Kubitschek

Luís Carlos Prestes

Negrão de Lima

Darcy Ribeiro

Jânio Quadros

Nelson Werneck Sodré

Josué de Castro

Exilados

(além de cassados)

Betinho

Leonel Brizola

Fernando Henrique Cardoso

José Dirceu

Fernando Gabeira

João Goulart

Luís Carlos Prestes

José Serra

Chico Buarque

Nara Leão

Mortos

Maurício Grabois

Vladimir Herzog

Stuart Angel Jones

Carlos Lamarca

Edson Luís de Lima Souto

Carlos Marighella

Rubens Paiva

Santo Dias

Francisco Tenório Júnior

Desaparecidos

Ramires Maranhão do Valle


Outros

Honestino Guimarães

José Porfírio

Josué de Castro

Osvaldo Orlando da Costa, o Osvaldão

Santo Dias

Marcos Ariel

Do lado dos militares

Segundo o jornalista Janer Cristaldo aproximadamente 120 militares foram mortos por militantes de organizações de esquerda durante o Regime Militar.

 Lista dos militares mortos e/ou feridos por militantes durante a ditadura militar de 1964

Charles Chandler

 Lista das vítimas civis feridas e/ou mortas durante a ditadura militar de 1964

Orlando Lovecchio Filho

 

Ato Institucional Número Cinco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Ato Institucional Número Cinco foi decretado pelo Presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968 como resposta a um episódio menor (o discurso do deputado Márcio Moreira Alves pedindo às jovens brasileiras que não namorassem oficiais do Exército) mas que vinha no correr de um rio de ambições, ações, posições e declarações pelas quais a classe política fortaleceu a chamada linha dura do regime instituído pelo Golpe Militar de 1964, o Ato Institucional Número Cinco, ou AI-5, foi um instrumento de poder que deu ao regime poderes absolutos e cuja primeira e maior consequência foi o fechamento por quase um ano do Congresso Nacional.

Índice

1 As ordens mandadas cumprir pelo AI-5

2 As proibições de reunião e manifestações públicas

3 O Poder do Presidente

4 Texto completo do Ato Institucional Número Cinco (AI-5)

5 Ligações externas

 

//

if (.showTocToggle) { var tocShowText = "mostrar"; var tocHideText = "esconder"; showTocToggle(); }

//]]>

 

 

 As ordens mandadas cumprir pelo AI-5

Conforme noticiado pela imprensa, estabelecendo o fechamento do Congresso Nacional, as assembléias legislativas, e as câmaras de vereadores; foi decretada a intervenção nos territórios, estados e municípios; foram cassados os mandatos eletivos e suspensos os direitos políticos por dez anos de todos aqueles que se opunham à ditadura militar, as liberdades individuais de todo o cidadão brasileiro passaram a ser então canceladas, foram mandados vigiar todos os opositores ao regime.

O AI-5:

fechou o Congresso Nacional por prazo indeterminado

cassou mandatos de senadores, deputados, prefeitos e governadores

interveio no Poder Judiciário, inclusive demitindo juízes

tornou legal legislar por decretos

decretou estado de sítio

suspendeu a possibilidade de qualquer reunião

recrudesceu a censura, determinando a censura prévia, que se estendia à música, ao teatro e ao cinema

suspendeu o “habeas corpus” para os chamados crimes políticos

As proibições de reunião e manifestações públicas

Os brasileiros ficaram proibidos de se reunir nas ruas, as conversas de esquinas eram reprimidas com violência, as manifestações de qualquer ordem foram banidas, nas escolas começaram as patrulhas ideológicas, com elas, o confronto e violências entre esquerda e direita.

O Poder do Presidente

O Ato Institucional nº 5 foi o instrumento utilizado pelos militares da linha dura para aumentar os poderes do presidente, o Congresso teve ainda mais reduzidas suas prerrogativas, o Poder Executivo passou a ditar definitivamente as ordens e regras que deveriam ser seguidas pelos poderes Legislativo e Judiciário.

Texto completo do Ato Institucional Número Cinco (AI-5)

Ato Institucional Número Cinco

 Ligações externas

Cronologia da Década de Sessenta

O Ato Instucional Número Cinco

 

Atentado do Riocentro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Atentado do Riocentro foi um ataque a bomba frustrado contra o Pavilhão Riocentro no dia 30 de abril de 1981. Na data realizava-se no edifício um show em homenagem ao Dia do Trabalho.

Por volta das 21h30min, com o evento já em andamento, uma bomba explodiu dentro de um carro no estacionamento. A bomba seria instalada no edifíco mas explodiu antes da hora, matando um dos passageiros do carro e ferindo gravemente o outro.

Na ocasião o governo acusou como culpado pelo atentado os integrantes radicais da esquerda. Essa hipótese já não tinha sustentação na época e atualmente já se comprovou, inclusive por confissão, de que o atentado no Riocentro foi uma tentativa de setores mais radicais dentro da ditadura (principalmente o CIE e o SNI) de fazer crer que era necessária uma nova onda de repressão e paralisar a lenta abertura política que estava em andamento.

Uma segunda explosão ocorreu a alguns quilômetros de distância na miniestação elétrica responsável pelo fornecimento de energia do Riocentro. A bomba foi jogada por cima do muro da miniestação, mas explodiu em seu pátio e a eletricidade do pavilhão não chegou a ser interrompida.

Esse episódio é um dos que marcam a decadência do regime militar no Brasil que daria lugar dali a quatro anos ao restabelecimento da democracia.

Índice

1 Situação política na data

2 Os preparativos

3 O atentado

4 Desdobramentos

5 Referências

6 Ligações externas

 

//

if (.showTocToggle) { var tocShowText = "mostrar"; var tocHideText = "esconder"; showTocToggle(); }

//]]>

 

 

Situação política na data

Em 1978 o general João Baptista Figueiredo sucedeu o general Ernesto Geisel na presidência. Figueiredo se comprometera com o amigo a dar continuidade ao processo de abertura que este havia iniciado. No entanto toda a carreira de Figueiredo estava ligada à comunidade de informações, e essa comunidade (formada pelo CIE, SNI e DOI-Codi) era responsável direta pela repressão à esquerda. Então mesmo disposto a continuar o trabalho do antecessor, o general fez o possível para não entrar em atrito com os serviços de informações.

Os serviços de informações, principalmente o CIE, estavam desgostosos com o rumo que a política estava tomando. Eles haviam sido responsáveis por centenas de casos de tortura e desaparecimento, pelos quais poderiam ser punidos caso o regime se desfizesse. O fim da ditadura poderia representar o fim da comunidade de informações; seus membros temiam ficar desempregados e um possível revanchismo por parte da oposição caso essa assumisse o poder. Por isso para estes orgãos era de interesse que a esquerda se envolvesse com luta armada, para que assim pudessem justificar seus atos de repressão. Mas no fim da década de 1970 a esquerda ja havia abandonado os métodos de guerrilha e o grande núcleo de oposição ao governo era o PCB, que nunca aderira à luta armada. Na falta de um perigo real, as alas radicais da ditadura estavam dispostas a fabricar ameaças para justificar uma volta à repressão mais violenta, como ela era no governo Médici.

Os preparativos

Várias medidas estranhas tomadas no dia em que se realizaria o show indicam que o atentado envolveu a participação estratégica de muitas pessoas, militares e civis, e que vinha sendo planejado detalhadamente.

A poucas horas do início do evento a segurança do pavilhão era parca em relação ao habitual. O tenente César Wachulec, que era o chefe da segurança do Riocentro, recebeu naquele dia uma ordem para controlar exclusivamente o movimento das bilheterias. A coordenação geral dos seguranças foi transferida para um outro funcionário, um mecânico sem qualquer experiência na área. Um mês antes disso o antecessor do tenente Wachulec foi demitido sem justificativas. Seu nome era Dickson Grael e era um coronel experiente nesse tipo de serviço.

A Polícia Militar costumava destacar homens para patrulhar o Riocentro, assim como qualquer outra grande aglomeração de pessoas, mas no dia do atentado o policiamento foi suspenso pouco antes do show. A justificativa foi de que, por ser um evento privado, a responsabilidade pela segurança era exclusiva dos organizadores.

O atentado

O carro que carregava a bomba (um Puma cinza-metálico) foi visto na tarde daquele mesmo dia no restaurante Cabana da Serra, que ficava num ponto isolado da estrada Grajaú-Jacarepaguá. Ele parou no restaurante junto de outros seis carros. Dos carros desceram cerca de quinze homens, que usaram uma mesa do restaurante para examinar um grande mapa. Depois de perceber que vários dos homens carregavam armas na cintura, um dos funcionários resolveu ligar para a polícia. Uma viatura atendeu o chamado mas, dada a superioridade numérica dos homens, se limitou a anotar as placas enquanto pedia reforços. Mas os carros abandonaram o local antes de outros policiais chegarem.

No dia fatídico várias placas de trânsito num trajeto que leva ao Riocentro foram pichadas com a sigla VPR. Provavelmente foram os próprios envolvidos no atentado que as vandalizaram enquanto encaminhavam-se para o pavilhão. A VPR -- Vanguarda Popular Revolucionária -- foi um grupo de guerrilha de esquerda, mas já havia sido desmontado em 1972, quando a maioria dos participantes foi morta. As pichações foram uma tentativa de culpar a oposição pelas explosões.

O Puma levava dois passageiros, o capitão Wilson Luís Alves Machado e o sargento Guilherme Pereira do Rosário. Ambos trabalhavam para o DOI-Codi do estado do Rio de Janeiro e o sargento Rosário tinha treinamento do Exército em montagem de explosivos.

Quando o carro começou a sair da vaga onde estacionara (provavelmente já para plantar a bomba) o artefato explodiu antecipadamente. A explosão inflou o teto do carro e estraçalhou as portas. O sargento Rosário morreu, mas o capitão Machado não. Ele se arrastou para fora do carro e pedia para ser levado a um hospital.

Muitas pessoas se aglomeraram em volta do carro. Alguns dos espectadores, inclusive o tenente Wachulec, viram um homem retirar do interior do carro duas granadas do tipo cilíndrico usado pelo Exército Brasileiro.

A explosão não chamou a atenção das pessoas dentro do Riocentro. Curiosamente, a segunda explosão, que aconteceu na caixa de força da estação elétrica, pôde ser ouvida dentro do pavilhão como um ruído abafado. Os artistas só eram avisados sobre o atentado quando deixavam o palco e de forma discreta. A platéia só foi informada do ocorrido perto do final do show, quando o sanfoneiro e cantor Gonzaguinha subiu ao palco e disse:

"Pessoas contra a democracia jogaram bombas lá fora para nos amedrontar."

Desdobramentos

Logo após o fracasso do atentado, a linha dura do Exército e o SNI iniciaram um esforço conjunto para tentar encobrir o caso.

O DOI do Rio de Janeiro (subordinado ao Exército) divulgou um comunicado dizendo que os passageiros do Puma estavam no local a serviço, colhendo dados sobre uma possível ação subversiva. Homens ligados ao Exército informavam aos jornais que os agentes do DOI tinham sido vítimas da bomba, que teria sido posta entre o banco direito e a porta do carro enquanto o capitão tinha ido urinar e o sargento saíra para "esticar as pernas".

Quando se iniciou um Inquérito Policial Militar sobre o caso, o indicado para presidi-lo foi o coronel Luís Antônio do Prado Ribeiro. Pouco tempo depois ele já estava convencido de que os passageiros do carro eram não vítimas, mas sim autores do atentado. No entanto, Ribeiro renunciou à presidência do inquérito. Foi levado a fazê-lo por membros da comunidade de informação, que descobriram que o coronel tinha um caso extra-conjugal.

O coronel Job Lorena de Sant'Anna assumiu em seu lugar. O coronel havia comparecido no enterro de Rosário, onde leu um discurso que declarava que ele fora vítima de um ato terrorista. Job Sant'Anna corroborou a versão divulgada inicialmente pelo Exército, mesmo havendo várias evidências físicas que a desmentiam. Um deles era o fato da genitália do sargento ter sido destruída, o que não aconteceria se a bomba estivesse do lado do banco. Além disso os homens do DOI carregavam duas granadas; imagens dela apareceram inclusive no Jornal Nacional. (Pressionada pelos militares, a Rede Globo voltou atrás e divulgou que as imagens eram de extintores de incêndio).

Outros fatos foram ignorados pelo inquérito. A caminho do hospital, o capitão Machado pediu que telefonassem para um certo número e relatassem o acidente a Aloísio Reis. Esse era um codinome usado pelo coronel Freddie Perdigão, que na época trabalhava no SNI, mas já fora membro do Grupo Secreto (organização radical de direita famosa por usar bombas). O número era de um telefone do DOI.

O Puma que explodiu tinha documentos no nome do capitão Machado, mas a placa era falsa. Isso contraria a afirmação de que estavam a serviço no local, já que nessas situações se usava um carro oficial.

O fracasso na investigação contra a linha dura do regime levou à renúncia de Golbery do Couto e Silva.

Apesar de todas as evidências o caso foi arquivado. Só foi reaberto em 1999, quando o ex-chefe da agência central do SNI disse que soube do atentado uma hora antes que acontecesse. O general Octávio de Medeiros, ex-ministro-chefe do SNI, veio a declarar posteriormente que Newton Cruz sabia do atentado com um mês de antecedência e havia lhe comunicado.

Com a reabertura do caso descobriu-se que Freddie Perdigão foi o planejador do atentado. Ele morreu em 1997, dois anos antes do caso ser reaberto.

O agora coronel Machado foi indiciado em 1999 pela autoria da explosão. O general Newton Cruz foi indiciado no ano 2000 por falso testemunho e desobediência.

Referências

Ministério do Silêncio, Lucas Figueiredo, editora Record

Dez reportagens que abalaram a ditadura, organizado por Fernando Molica. Ed. Record, 2005. O Caso Riocentro mereceu dois capítulos, com a transcrição, comentada pelos próprios autores, das matérias publicadas pelo jornalista Antero Luiz Cunha no estado de São Paulo e por Fritz Utzeri no Jornal do Brasil.

 Ligações externas

Reportagem de Veja na época

Exército assume culpa pelo atentado o texto também conta que havia outras bombas no local e que foram desarmadas

capitão Machado é indiciado

Newton Cruz é indiciado

Link to comment
Share on other sites

Eu lembro perfeitamente do tópico Aquiles, não existe nada que esqueço aqui. Porém vale lembrar que ali pouco se importava em debater os crimes. Simplesmente se restringia a buscar emitir uma opinião sobre o que foi a ditadura. Ora uma vez pondo em dúvida o acontecimento, matamos a ações claramente abusivas e esquecemos os crimes que ele cometeu. Aqui neste tópico foca exatamente o que foi feito nos porões dos cárceres, nos vários cemitérios políticos clandestinos e tantas outras coisas que um único tópico não pode focar e muito menos debater sem sair de sua pergunta central. Afinal, se é posta em dúvida o real caráter da ação, logo conclui que põe em dúvida os seus crimes.

 

Aproveitando:

 

Grupo Secreto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Grupo Secreto foi uma organização terrorista de direita que atuou durante a ditadura militar no Brasil com o apoio sigiloso do governo. Seu principal método de ação consistia em armar bombas em locais públicos.


Índice

[esconder]

1 História

2 Membros do Grupo Secreto

3 Locais em que o grupo instalou bombas

4 Referências

 

 

//

if (.showTocToggle) { var tocShowText = "mostrar"; var tocHideText = "esconder"; showTocToggle(); }

//]]>

 

História

O Grupo Secreto começou a se constituir antes do golpe de 1964. Em 1961 um grupo de militares de ultra-direita estavam insatisfeitos com a posse de João Goulart, que tinha tendências liberais. Eles estavam decididos a impedir o avanço da esquerda no país, que era toda indiscriminadamente rotulada de comunista independente de suas inspirações ideológicas. Escolheram como método de ação tentar intimidar os assim chamados "subversivos". Com esse intuito, em maio do ano seguinte tentaram explodir uma bomba com carga de dez bananas de dinamite num prédio que abrigava na época a Exposição Soviética, um evento artístico organizado pela embaixada russa. A existência da bomba chegou ao conhecimento da polícia e ela foi desarmada. Alguns membros do grupo chegaram a ser presos mas foram liberados poucos dias depois.

O grupo só se rearticularia em 1967 quando a ditadura (agora nas mãos da linha dura do regime) começava a entrar na sua fase mais repressiva. O antigo líder do Grupo Secreto, o coronel Alberto Fortunato, agora trabalhava numa das inúmeras DSI, repartições menores encarregadas de colher dados para o Centro de Informações do Exército (uma das agências de inteligência do regime). Ele aproveitou seu emprego para fazer contato com oficiais do CIE e rearticular o Grupo Secreto.

Os terroristas voltaram a ativa e passaram a cometer atentados contra qualquer estabelecimento tido como de esquerda, principalmente teatros, universidades e a Representação Comercial da União Soviética. O CIE patrocinava as ações terroristas fornecendo material (geralmente dinamite sólida ou gelatinosa), apoio logístico informação e mesmo mão de obra. (Em mais de um atentado o motorista de fuga era um agente do CIE). Apesar de uma vez ou outra alguns dos membros do grupo ser preso como suspeito acabavam sempre sendo liberados em seguida.

O grupo agiu dessa forma até o ano de 1970. A essa altura as relações entre os terroristas e os serviços secretos da ditadura já era tão amigável que muitos membros do Grupo Secreto foram contratados pelo CIE e pelo SNI (Serviço Nacional de Informações), inclusive seu líder, o coronel Fortunato.

O grupo tornou a aparecer em 1976. Agora sem a maior parte de seus membros originais adotaram métodos mais elaborados e violentos de agir. Enviaram cartas-bomba para instituições públicas e privadas. Além das cinco bombas que explodiram durante essa nova fase da organização, o Grupo Secreto sequestrou o bispo Adriano Hipólito. Ele foi solto em seguida numa estrada, nu e pintado de vermelho. Antes de ser abandonado por seus sequestradores foi espancado.

O Grupo Secreto se desfez por conta própria em 1980, mas pelo menos um de seus ex-integrantes participou do Atentado do Riocentro.

 Membros do Grupo Secreto

Estes são alguns dos homens que fizeram parte da organização:

Coronel Alberto Fortunato

Hilário José Corrales

Luiz Helvécio Leite da Silva

Alexander Murillo Fernandes

Freddie Perdigão


[editar] Locais em que o grupo instalou bombas

Exposição Soviética

Teatro Miguel Lemos

Teatro Gláucio Gill

Representação Comercial da União Soviética, em Laranjeiras

Colégio Brasileiro

Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro

Centro Acadêmico Cândido de Oliveira

Faculdade Nacional de Direito

Teatro João Caetano

Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro

Conselho Federal da OAB

Referências

Ministério do Silêncio, Lucas Figueiredo, editora Record

Plutão Orco2007-06-04 14:05:39
Link to comment
Share on other sites

Sobre o tópico do autor.

 

Amiguinho, você é a a favor da Democracia? Não é possível, você só pode ser político......

 

Na época da ditadura os militares lutaram e lutaram contra os comunistas, mas a praga era grande, e estes voltaram ao poder, e graças a eles, o país está cada dia mais decadente.

 

Inicialmente gostaria de dizer que você não entende sobre tudo o que você disse... pois tocou no ponto "liberdade de expressão". Na verdade, você pensa que é livre pra falar tudo que pensa. Qualquer dia desses experimenta dizer tudo o que pensa na frente de um "Exmo Sr Juiz", um delegado, ou oficial da PM ou até mesmo um soldado da Polícia Militar.... e se aprofundarmos à liberdade de expressão, lembra-se ano passado quando os deputados estavam aumentando os seus próprios salários 91% quando um senhor aposentado se prendeu em um pilar como forma de protesto e este foi preso, se não me lembro a acusação era de "perturbar a paz"... e na mesma época alguns jornalistas foram presos por guardinhas do senado e da Câmara dos Deputados, e acho que levaram umas porradas dos guardinhas também (eu conheço de perto, a atitude a ser tomada, SOU MILITAR). Isso tudo porque eles também acreditaram na "liberdade de imprensa", "liberdade de expressão".... .

Agora, se você quer tocar no ponto onde várias pessoas foram presas, vale lembrar que na época do golpe o país estava à beira de uma Guerra Civil.... você imagina uma Guerra Civil? Teoria é outra coisa amigo, nessas horas o país precisa de liderança, de ordem.

 

Na parte de crimes contra a humanidade, e todo o dinheiro que foi desviado do Governo Federal para o bolso dos corruptos, e crianças ficaram sem seus lanchinhos nas escolas, presidiários amuntuados um em cima do outro e vale a pena lembrar que muitos deles estão presos porque estão desempregados e tinham que se sustentarem, e as pessoas que morreram nas filas dos hospitais, e mais um mar de tragédias a qual este governo que você "acredita" (ou não), vem nos submetendo. Sem contar nas humilhações internacionais que passamos ao longo de diversos anos (se você não sabe delas, eu sei).

 

Você acha um inferno a ditadura militar? Mas dou certeza de que ATUALMENTE, enfrentamos a pior crise institucional na história desse país!

 

Os militares ainda protegeram o país de uma ameaça comunista. HOJE pelo menos, você deveria entender que os militares estavam COBERTOS DE RAZÃO em não deixar a esquerda tomar a liderança do país, pois vemos os ESCÂNDALOS DO PT, que seus integrantes eram na maioria EX GUERRILHEIROS e um bando de bandidos, corruptos. Como dito, os militares correram e correram atrás dos COMUNISTAS CORRUPTOS QUE HOJE ESTÃO NO PODER, mas o povo mais sem educação do mundo, acreditou na tal Democracia.

 

PATRIOTISMO é muito útil nessas horas, e somente com um regime duro e totalirário para LIMPAR esse país de tudo de ruim, NÃO IMPORTANDO OS MÉTODOS A SEREM USADOS. Isso é amor a seu país, é pegar um sem cultura como você e enfiá-lo numa escola e dar-lhe uma lição.

 

Sem contar no nosso amigo José Dirceu, precursor de Bin Laden, atacando um soldado do Exército Brasileiro, matando-o. Hoje estamos no extremo da democracia, onde os esquerdistas SALVADORES DA PÁTRIA estão participando de esquemas de fazer inveja ao ex presidente Collor.

 

Diversos dos democratas de hoje sofrem de LER (LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO), de tanto contar dinheiro... dinheiro roubado. E se você quer falar de desvio de renda, me diga qual General ou Coronel, Sargento, Tenente... um deles, que foi pego com uma conta no exterior??? E quantos Deputados ou Senadores já não o foram só nos últimos 5 anos.... se quiser aprofundar mais anos, melhor ainda. A IMPRENSA ESTÁ LIVRE A MAIS DE 20 ANOS NESTE PAÍS, E TEM FUÇADO E FUÇADO NOS ARQUIVOS DA ARAGUAIA... E NÃO ACHOU OS MILITARES CORRUPTOS. Não foi preciso um esforço muito grande para achar os corruptos democratas.

 

Você conhece as histórias do guerrilheiro JOSÉ GENUÍNO?? Bem, certamente você conhece um político chamado José Genuíno, mas você o conhece como um guerrilheiro?? SIM, ele era um guerrilheiro.

 

E vamos acabar com a história de que esse povo era preso político. Eram sequestradores, estupradores, assaltantes de bancos, terroristas e praticavam a corrupção em LARGA ESCALA.

Esse pessoal democrático não perde uma oportunidade de receber uma indenização milionária, referindo-se na época dos militares no poder, e o soldado do Exército Brasileiro que foi assassinado... bem, este, a família daquele militar recebeu ZERO de indenização, e R$330,00 de pensão. Não deu pra armar para a família dele o que não foi armado pelos deputados que estão no Congresso hoje, recebendo milhões.

Mas você meu amigo, não foi o único bobo enganado pelos políticos, ao visto muita gente foi e continuarão sendo. Este negócio de ditadura militar é uma história muito longa......

 

 

Nosso NORTE É O SUL.

 

Cordialmente,

 

Danilo[[]]'s
Link to comment
Share on other sites

Sobre o tópico do autor.

 

Amiguinho' date=' você é a a favor da Democracia? Não é possível, você só pode ser político......

 

Na época da ditadura os militares lutaram e lutaram contra os comunistas, mas a praga era grande, e estes voltaram ao poder, e graças a eles, o país está cada dia mais decadente.

 

Inicialmente gostaria de dizer que você não entende sobre tudo o que você disse... pois tocou no ponto "liberdade de expressão". Na verdade, você pensa que é livre pra falar tudo que pensa. Qualquer dia desses experimenta dizer tudo o que pensa na frente de um "Exmo Sr Juiz", um delegado, ou oficial da PM ou até mesmo um soldado da Polícia Militar.... e se aprofundarmos à liberdade de expressão, lembra-se ano passado quando os deputados estavam aumentando os seus próprios salários 91% quando um senhor aposentado se prendeu em um pilar como forma de protesto e este foi preso, se não me lembro a acusação era de "perturbar a paz"... e na mesma época alguns jornalistas foram presos por guardinhas do senado e da Câmara dos Deputados, e acho que levaram umas porradas dos guardinhas também (eu conheço de perto, a atitude a ser tomada, SOU MILITAR). Isso tudo porque eles também acreditaram na "liberdade de imprensa", "liberdade de expressão".... .

Agora, se você quer tocar no ponto onde várias pessoas foram presas, vale lembrar que na época do golpe o país estava à beira de uma Guerra Civil.... você imagina uma Guerra Civil? Teoria é outra coisa amigo, nessas horas o país precisa de liderança, de ordem.

 

Na parte de crimes contra a humanidade, e todo o dinheiro que foi desviado do Governo Federal para o bolso dos corruptos, e crianças ficaram sem seus lanchinhos nas escolas, presidiários amuntuados um em cima do outro e vale a pena lembrar que muitos deles estão presos porque estão desempregados e tinham que se sustentarem, e as pessoas que morreram nas filas dos hospitais, e mais um mar de tragédias a qual este governo que você "acredita" (ou não), vem nos submetendo. Sem contar nas humilhações internacionais que passamos ao longo de diversos anos (se você não sabe delas, eu sei).

 

Você acha um inferno a ditadura militar? Mas dou certeza de que ATUALMENTE, enfrentamos a pior crise institucional na história desse país!

 

Os militares ainda protegeram o país de uma ameaça comunista. HOJE pelo menos, você deveria entender que os militares estavam COBERTOS DE RAZÃO em não deixar a esquerda tomar a liderança do país, pois vemos os ESCÂNDALOS DO PT, que seus integrantes eram na maioria EX GUERRILHEIROS e um bando de bandidos, corruptos. Como dito, os militares correram e correram atrás dos COMUNISTAS CORRUPTOS QUE HOJE ESTÃO NO PODER, mas o povo mais sem educação do mundo, acreditou na tal Democracia.

 

PATRIOTISMO é muito útil nessas horas, e somente com um regime duro e totalirário para LIMPAR esse país de tudo de ruim, NÃO IMPORTANDO OS MÉTODOS A SEREM USADOS. Isso é amor a seu país, é pegar um sem cultura como você e enfiá-lo numa escola e dar-lhe uma lição.

 

Sem contar no nosso amigo José Dirceu, precursor de Bin Laden, atacando um soldado do Exército Brasileiro, matando-o. Hoje estamos no extremo da democracia, onde os esquerdistas SALVADORES DA PÁTRIA estão participando de esquemas de fazer inveja ao ex presidente Collor.

 

Diversos dos democratas de hoje sofrem de LER (LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO), de tanto contar dinheiro... dinheiro roubado. E se você quer falar de desvio de renda, me diga qual General ou Coronel, Sargento, Tenente... um deles, que foi pego com uma conta no exterior??? E quantos Deputados ou Senadores já não o foram só nos últimos 5 anos.... se quiser aprofundar mais anos, melhor ainda. A IMPRENSA ESTÁ LIVRE A MAIS DE 20 ANOS NESTE PAÍS, E TEM FUÇADO E FUÇADO NOS ARQUIVOS DA ARAGUAIA... E NÃO ACHOU OS MILITARES CORRUPTOS. Não foi preciso um esforço muito grande para achar os corruptos democratas.

 

Você conhece as histórias do guerrilheiro JOSÉ GENUÍNO?? Bem, certamente você conhece um político chamado José Genuíno, mas você o conhece como um guerrilheiro?? SIM, ele era um guerrilheiro.

 

E vamos acabar com a história de que esse povo era preso político. Eram sequestradores, estupradores, assaltantes de bancos, terroristas e praticavam a corrupção em LARGA ESCALA.

Esse pessoal democrático não perde uma oportunidade de receber uma indenização milionária, referindo-se na época dos militares no poder, e o soldado do Exército Brasileiro que foi assassinado... bem, este, a família daquele militar recebeu ZERO de indenização, e R$330,00 de pensão. Não deu pra armar para a família dele o que não foi armado pelos deputados que estão no Congresso hoje, recebendo milhões.

Mas você meu amigo, não foi o único bobo enganado pelos políticos, ao visto muita gente foi e continuarão sendo. Este negócio de ditadura militar é uma história muito longa......

 

 

Nosso NORTE É O SUL.

 

Cordialmente,

 

Danilo[[']]'s

 

 

Se você é a favor de uma ditadura gênio, por que esta dando opinião? Pensei que elas inibissem a liberdade de expressão? 17

<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Eu não queria debater isto no tópico da Veras, por isto abri este aqui. Parece que o cheiro da carniça atraiu o abutre. Admira-me muito reclamar da violência e incentivar outra forma dela. Qual a diferença entre o criminoso fora da lei e o estado agir fora da lei? 12 Inclusive internacionalmente de forma abusiva. Será que ninguém da sua família foi vitimado por este período de demência? Sim acho que a partir de um momento que qualquer estado nacional não puder resolver seus problemas ideológicos, e perseguir as pessoas é uma mentalidade fanática, para não dizer demente.

 

Comunismo?! Por favor, você esta realmente delirando. É mais fácil o integralismo voltar em voga do que o comunismo, vide vei os grupos neonazistas que existem até aqui.12

 

Realmente a liberdade é bastante limitada nisto, eu concordo. E por isto vamos abrir mão do pouco que já temos? 12 Minha opinião é o seguinte não, acho que um Juiz ou qualquer outra hierarquia absurda dessa nossa nação, feita para poucos, seja necessária ou um estado soberano seja necessário. Acho que o povo tem a capacidade suficiente de se auto-governar, o povo ou as pessoas não precisam de governos ou ditadores e sim de auto confiança em si mesmos. 12

 

Claro que no seu conceito, a melhor defesa era o ataque, atire primeiro pergunte depois o que se poderia esperar de quem usa os músculos ao invés da mente? Genial, ao invés de esperar a guerra civil, preferiram fazer outra guerra.

 

No final das contas as melhores intenções proporcionaram as mais amplas atrocidades como a Noite de São Bartolomeu. Afinal, os católicos esperavam naquela noite que os protestantes atacassem. Então partiu da iniciativa Católica começar o conflito. Aqui é a mesma coisa. Para mim é mais que uma mentalidade primitiva é uma mentalidade burra. 12

 

Esta baderna toda nos anos de chumbo é ordem? Bem... então o inferno deve ser o lugar mais cheio de disciplina de toda a criação. 06

 

E a pergunta que não quer calar qual é o grande mal que a esquerda proporcionaria? Pelo visto, de vários depoimentos e relatos vocês acabaram por tomar o lugar de seus temores. Vocês não diferenciaram em nada de uma ação de um governo totalitário de extrema direita ou esquerda. Em fim seu argumento é sem o menor fundamento logístico. E me admira você reclamar ainda da democracia e do atual governo, embora ele não seja as mil maravilhas ele ao menos te da liberdade de vir aqui e postar a coisa mais besta e absurda que seja sem sofrer represarias.12  Afinal, se este governo é tão maligno e vai de apoio de suas crenças como diz, porque ainda até hoje não foram devidamente julgados os militares pelos crimes e abusos cometidos durante o período?17 No mínimo, esta acobertando, e inclusive seus amados ditadores deveriam ter sido julgados em Genebra no tribunal internacional contra crimes contra humanidade, pois se encaixa perfeitamente no crime de perseguição política e ideológica. Poderia ser considerado um ato de genocídio, genocídio político ideológico.

 

E sua deixa final direcionada a mim é a mais absurda que já li. Se não importa com os meios a serem utilizados, por que se incomodar com o “inimigo” ou o que ele venha a fazer? Duh!12 Tinha que ser mentalidade de militar burro. Perdão aos colegas aqui do fórum, mas aqui já não dá para engolir seco, até hoje não vi um único militar ou cara com a patente que tenha um Q.I superior ao de um chimpanzé treinado em um circo de atrocidades.  O resto é delírio seu, mas se quiser saber Danilo os ditadores, deixaram altos rombos no país após sua saída sim. Não sei o que eles te enfiaram na cabeça. Será que foi o método Ludovico? Não precisa pesquisar muito para saber, das obras faraônicas e absurdas sem propósito algum durante o período.

Plutão Orco2007-06-05 10:36:04
Link to comment
Share on other sites

Perdão aos colegas aqui do fórum' date=' mas aqui já não dá para engolir seco, até hoje não vi um único militar ou cara com a patente que tenha um Q.I superior ao de um chimpanzé treinado em um circo de atrocidades. [/quote']

 

Não se preocupe Plutão... o fórum é a sala de casa, com a Brastemp do lado esquerdo e o cutelo do direito... É aqui que as coisas são resolvidas... e a gente, claro, vai se divertindo...

 

Aguardo a tréplica do nosso amigo fardado... 06
Link to comment
Share on other sites

Nossa mas você está dando um show de conhecimento!!!!!!!!!! Fala merda, fala merda e fala merda, chinga chinga e chinga e me dê mais os fatos. Qualquer um que não conhece nem um pouco a revolução de 1964 e bebe uma garrafa de Vodka fala o que você falou. 

E com certeza você e toda a sua inteligência supera qualquer setor de inteligência do Exército Brasileiro.

Você me diz que EU estou delirando com o comunismo... me pergunto se estamos falando da mesma coisa.

 

O PT não é afeto à educação, o PT não é afeto a aprender nada.

Uma notícia de algum tempo atrás, dizia em 3 linhas do Jornal O Globo "Dirceu e 3 outros ex dirigentes petistas que integravam o núcleo político partidário do esquema são acusados de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, e no que tange à formação de quadrilha não é novidade. Este pessoal antes de 1964, e durante todo o regime militar formaram uma grande quadrilha pra desestabilizar o governo de antes de 1964 e após 1964 quando os militares assumiram o governo.

Eram assaltos, sequestros, roubos, assassinatos, execuções e atos de terrorismo, praticados por muitos deles, que hoje estão no poder. Todo mundo aqui ficou abalado a alguns anos quando o Embaixador Sérgio Vieira de Mello morreu fruto de um carro bomba em Bagdá. Mas poucos sabem da história do soldado Mário, um recruta do Exército Brasileiro, filho do pobre, que foi morto por um carro bomba lançado ladeira abaixo, por estes, que hoje estão no poder, tendo como mentor -> JOSÉ DIRCEU.

 

Poucos esquecem do sequestro, tortura bárbara e execução do Tenente da Força Pública de São Paulo Alberto Mendes Júnior, que por ocasião, inclusive, na sua tortura fizeram com que ele engolisse os próprios orgãos genitais, e isso é obra da esquerda. Mas isso é coisa que o governo quer manter escondido, e eu sei porque..... a mentira do PT não pode vigorar por tantos e tantos anos.

 

Lula fala tanto em comparar o governo dele com governos anteriores, e eu queria que ele comparasse os primeiros quatro anos dele com o governo militar. Comparar com qualquer um governo militar. Lógicamente eu espero que você aponte um GRANDE OBRA deste governo, e teríamos dezenas ou até mesmo centenas pra falar do regime militar.

 

Estes do PT sempre se escudaram no manto de perseguidos políticos para encobrirem os seus assassinatos, roubos e atos terroristas.

Um belíssimo exemplo é Dilma Roussef, uma assaltante de mão armada, e em 1968 juntamente com outros, assaltou a casa de uma senhora no Rio de Janeiro que era tida como amante do então governador, e ela roubou 2milhões e 600mil dólares, e você quer esperar o que de um governo que tem assaltante aí, que tem sequestrador, que tem ladrões de toda ordem, e querem diferente dessa situação??? Querem diferente desse inferno desse governo???

Você tem ouvido falar da lei da anistia? Pra que serve a lei da anistia? Apenas para assaltar o contribuinte e indenizar os bandidos em até 3milhões de reais e conceder-lhes pensões de até 20mil reais mensais.

 

Enquanto você os defende, a quadrilha toma conta do país neste momento.

 

Esses que falam mal da ditadura militar vivem curtindo férias em Cuba e abraçando o maior ditador sangüinário, Fidel Castro, que matou mais de 70 mil.

Você está defendendo marginais, sanguinários, assassinos, covardes, estrupadores da esqurda, esses marginais que chegaram no governo e na presidência em cima do estelionato eleitoral.

 

Como dito por você amigo, sobre esse governo não ser lá mil marravilhas, quem me dera se ele fosse uma maravilha apenas, quem me dera se 500 deputados trabalhassem pelo bem de um país, fazendo apenas o seu trabalho.

 

Sobre a liberdade de expressão garoto, eu conheço isso de perto. Você pode falar, mas você fala e não faz. Eu conheço essas coisas de perto, eu conheços os procedimentos...

Entende que o Brasil não está preparado para a Democracia.

É tanta coisa, é tanta máfia que agente até se perde no meio da mensagem....

 

Amigo, me desculpe mas, eu acho.. veemente que, apenas uma pessoa que foi completamente enganada pelo governo (e foram enganadas sim, isso é fato, basta ver as condições deste país) pode estar do lado deles nessa história de ditadura militar. O pior é saber que enquanto você está do lado deles, de você eles só querem uma coisa..... roubar e manipular.

 

O Exército com a intenção de preparar o país, limpar o país para este tomar bons rumos.... e a esquerda agora assume o poder. Quando é que este país vai pra frente???

 

Cordialmente,

 

 

        Danilo[[]]'s
Link to comment
Share on other sites

Olha, para esclarescer seu primeiro comentário... eu não sou a favor de uma ditadura militar. Mas ainda assim eu prefiro uma desta do que esta Democracia, que de Democracia não tem absolutamente NADA, ... , que o povo não tem voz, não é respeitado, blá blá blá.....

 

E agora tocando ao seu assunto do primeiro parágrafo enviado à mim, eu estou reclamando da vida aqui por causa do ATUAL governo, e não da ditadura militar. Eu nem vivia na ditadura militar pra reclamar daquilo. E eu, reclamar porque o Exército caçava os esquerdistas corruptos, enganadores e exploradores??? JAMAIS!!!! Eu dou mais do que o meu apoio a eles, afinal de contas, o meu futuro, o da minha filha e o de todo o país está nas mãos desse pessoal que só quer uma coisa..... roubar os impostos que pagamos, nos censurar e manipular-nos. Bem, eles podem me roubar, mas me manipular vai ser difícil..... pena eu não poder dizer o mesmo de você amigo brasileiro.

 

Abraços cordiais,

 

Danilo[]'s
Link to comment
Share on other sites

Puta merda' date=' saiu com o nick da minha esposa.

 

Mas essa mensagem foi enviada por Rapson.

 

Não liga não pessoal, é que a minha esposa é a Srta Moore, e eu marido dela o Rapson... novo usuário por aqui.

 

Um forte abraço!!!
[/quote']

 

E sinto informar que se você é o Rapson usando outro usuário para postar, é melhor ver o administrador e rever as regras do fórum. Mas a partir do momento que você se cadastrou esta sujeita a elas. Em suma não é permitido criar cotas duplas e muito menos utilizá-las.

Link to comment
Share on other sites

 

E para fechar a discussão inócua, Danilo não estou discutindo sobre ideologia política como quer e sim os crimes durante aquele governo de 64 até 85. Se você prefere ficar pedante em relação à esquerda deste “país é terrorista” é aquilo e isto..., prove e prove isto em outro tópico. Vale lembrar que a ditadura pouco se contentou em perseguir somente à esquerda, será que vou ter de postar de novo, ela perseguiu e torturou e matou mesmo pessoas que nada tinha ma ver com isto. Isto não é conhecido nem aqui e conhecido no mundo inteiro.

Link to comment
Share on other sites

E agora tocando ao seu assunto do primeiro parágrafo enviado à mim' date=' eu estou reclamando da vida aqui por causa do ATUAL governo, e não da ditadura militar. Eu nem vivia na ditadura militar pra reclamar daquilo. E eu, reclamar porque o Exército caçava os esquerdistas corruptos, enganadores e exploradores??? JAMAIS!!!! Eu dou mais do que o meu apoio a eles, afinal de contas, o meu futuro, o da minha filha e o de todo o país está nas mãos desse pessoal que só quer uma coisa..... roubar os impostos que pagamos, nos censurar e manipular-nos. Bem, eles podem me roubar, mas me manipular vai ser difícil..... pena eu não poder dizer o mesmo de você amigo brasileiro.

 

Abraços cordiais,

 

Danilo[']'s

Ou seja, mais um cidadão descontente com o atual governo e resolve levantar altares para uma época negra da nossa História ao invés de dirigir seu descontentamento contra quem de direito... Impressive, most impressive...

 

Que eu saiba, o tópico para meter o pau no Lula é mais abaixo...

Link to comment
Share on other sites

Algumas considerações:

 

- O usuário Rapson será linchado aqui, pois é consenso geral que pode-se falar mal a vontade das pessoas de direita, mas não ocorre o mesmo com os defensores de esquerda. Não está esquilibrado a censura entre aquele que relativiza a época da ditadura militar e alguém que louva o regime de Fidel em Cuba (engraçado que aqueles que criticam o nazismo fazem vista grossa para os regimes socialistas por aí).

 

-Acho o tema deste tópico bem limitado, sendo que a discussão poderia tomar rumos tão, ou senão mais, interessantes se abrangesse o que está sendo discutivo (afinal, qual a produtividade em simplesmente falar de torturas e pessoas sumidas sem uma análise disso?)

 

-O usuário Rapson, ao meu ver, cometeu um erro básico: tentar explicar o que ocorreu na ditadura militar comparando com hoje. O que acontece hoje não interessa no que ocorreu, isto é, hoje pode estar uma maravilha ou um inferno se comparado a antes, mas não muda a visão crítica da época (o que não invalida de jeito nenhum as críticas de hoje em dia que devem ser feitas). Mas a questão é usar o que acontece hoje como desculpa.
Conan o bárbaro2007-06-05 12:48:42
Link to comment
Share on other sites

Outras considerações:

Talvez o Rapson defenda o seu ponto de vista com muita paixão (o que os outros também fazem), o que gera desentendimento. Mas num ponto ele tem razão (e ao mesmo tempo não): que é muito simples e fácil ficar repetindo lugares-comum ao invés de pensar no assunto. Acho que é perda de tempo ficar tentando achar mocinho e bandido, violência do mau e a violência contra o mau. Se for olhar por um lado, olhe pelo outro também, e assim nós possamos ter uma visão mais abrangente.

Mas ao mesmo tempo, o Rapson repete o mesmo esquema daqueles que ele ataca: que a ditadura veio para salvar o país do bandidos...
Link to comment
Share on other sites

 

E para fechar a discussão inócua' date=' Danilo não estou discutindo sobre ideologia política como quer e sim os crimes durante aquele governo de 64 até 85. Se você prefere ficar pedante em relação à esquerda deste “país é terrorista” é aquilo e isto..., prove e prove isto em outro tópico. Vale lembrar que a ditadura pouco se contentou em perseguir somente à esquerda, será que vou ter de postar de novo, ela perseguiu e torturou e matou mesmo pessoas que nada tinha ma ver com isto. Isto não é conhecido nem aqui e conhecido no mundo inteiro.

[/quote']

 

Como assim? Você abriu o tópico e agora que fechar é? 06 Deixa rolar, uai. Ou quer transformar isso aqui num simples painel de amostras de torturas e gente sumida?
Link to comment
Share on other sites

Outras considerações:

Talvez o Rapson defenda o seu ponto de vista com muita paixão (o que os outros também fazem)' date=' o que gera desentendimento. Mas num ponto ele tem razão (e ao mesmo tempo não): que é muito simples e fácil ficar repetindo lugares-comum ao invés de pensar no assunto. Acho que é perda de tempo ficar tentando achar mocinho e bandido, violência do mau e a violência contra o mau. Se for olhar por um lado, olhe pelo outro também, e assim nós possamos ter uma visão mais abrangente.

Mas ao mesmo tempo, o Rapson repete o mesmo esquema daqueles que ele ataca: que a ditadura veio para salvar o país do bandidos...
[/quote']

 

Sinceramente Conan, não acho que ele fez isso... a todo momento ele fez o OPOSTO: o PT é o vilão, o exército o paladino da moral e dos bons costumes... Não vejo sequer uma tentativa de problematizar o maniqueísmo... ele reforça o maniqueísmo dizendo amém para as atrocidades (que ele mesmo assumiu que não viveu ao contrário de alguns de nós aqui) da ditadura...

 

É aquela velha história: defenda seu ponto de vista com paixão, mas pense antes de falar...
Link to comment
Share on other sites

Outras considerações:

Talvez o Rapson defenda o seu ponto de vista com muita paixão (o que os outros também fazem)' date=' o que gera desentendimento. Mas num ponto ele tem razão (e ao mesmo tempo não): que é muito simples e fácil ficar repetindo lugares-comum ao invés de pensar no assunto. Acho que é perda de tempo ficar tentando achar mocinho e bandido, violência do mau e a violência contra o mau. Se for olhar por um lado, olhe pelo outro também, e assim nós possamos ter uma visão mais abrangente.

Mas ao mesmo tempo, o Rapson repete o mesmo esquema daqueles que ele ataca: que a ditadura veio para salvar o país do bandidos...
[/quote']

 

Sinceramente Conan, não acho que ele fez isso... a todo momento ele fez o OPOSTO: o PT é o vilão, o exército o paladino da moral e dos bons costumes... Não vejo sequer uma tentativa de problematizar o maniqueísmo... ele reforça o maniqueísmo dizendo amém para as atrocidades (que ele mesmo assumiu que não viveu ao contrário de alguns de nós aqui) da ditadura...

 

É aquela velha história: defenda seu ponto de vista com paixão, mas pense antes de falar...

 

Isso mais uma opinião minha mesmo, não do que foi propriamente dito, mas do tema.

Mas se for ver, na última parte do meu texto é justamente isso que você disse, mas só que não fui enfático. O que você escreveu completou o que eu penso.
Conan o bárbaro2007-06-05 13:04:45
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...