Jump to content
Forum Cinema em Cena

Pontos Corridos x Mata Mata


Bronson
 Share

Qual a melhor opção de disputa?  

32 members have voted

  1. 1. Qual a melhor opção de disputa?

    • Pontos Corridos
      17
    • Mata Mata
      11
    • As Duas Opções no Mesmo Campeonato
      5
    • Outra
      0


Recommended Posts

putz concordo d+ c vc em relação ao corinthians 2005. Eu n achei injusto o Santos ter ganho em 2002, achei injusto o São Paulo ter saído nas oitavas de final c uma campanha massa daquelas. O Kaká tava no time po, jogando horrores ç.ç

 

"interessante para o futebol no brasil que se faça os pontos corridos

simplesmente como um incentivo para os clubes organizarem a bagaça"

 

concordo c isso 03

 

 

Link to comment
Share on other sites

  • 7 months later...
  • Replies 130
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Somos todos os dias bombardeados com a "pseudo-verdade" de que os

Pontos-Corridos são a fórmula mais bem-sucedida do mundo dos esportes,

e de que os clubes Europeus são fortes porque atuam em Ligas

organizadas em Pontos Corridos.

 

 

 

Agora, vem a verdade arrasadora. Qual ou quais as ligas mais bem sucedidas do Mundo dos Esportes?

 

 

 

A Espanhola? A Inglesa? Talvez a Italiana? Poderão responder os mais incautos.

 

 

 

Não, não são... As mais bem sucedidas ligas esportivas do mundo são as

Ligas Norte-Americanas de Basquete, Baseball e Futebol Americano, e em

segundo plano, Hóquei.

 

 

 

Agora, o que em comum guardam estas ligas?

 

 

 

Os Play-Offs!!!

 

 

 

É o argumento definitivo contra a Europeização do Futebol Brasileiro,

contra o Eurocentrismo nojento e descarado, contra a apologia ao

Neocolonialismo das Bananas Republik...

 

 

 

E o que em comum tem as Ligas Nacionais Européias?

 

 

 

Em todas elas, apenas um pequeno grupo de 2 à 4 equipes se revezando na

conquista do título nacional, relegando às outras equipes um "título"

de "melhor dos piores".

 

 

 

Pontos-Corridos significam a IMBECILIZAÇÃO do futebol, a HOMOGENEIZAÇÃO

do futebol, e a submissão completa e total do futebol ao dinheiro e aos

interesses mesquinhos e escusos dos clubes de maior poder político.

 

 

 

Além disto, postulo mais uma questão: tanto maior é a "justiça" de um

campeonato quando um clube precisa mostrar força para vencer nos pontos

corridos (classificação) e nos play-offs (mata-mata). Mostrando-se

superior nas duas formas, ele mostra ser o verdadeiro e legítimo

campeão!

 

 

 

A TV responsável pelos direitos de transmissão é a maior interessada na

fórmula do campeonato! A Globo já esboçou intenção de retomar o

mata-mata, porém isso vai contra o interesse de alguns dos clubes do

eixo, que conforme crescimento dos investimentos no futebol da região e

os resultados favoráveis a estes, têm nos pontos corridos a fórmula

perfeita para a monopolização do futebol.

 

 

 

Se não mudarem algo AGORA, a tendência é de os clubes do eixo se

engrandecerem cada vez mais, e clubes tradicionais como os de MG e RS

se tornarem meros coadjuvantes e postulantes apenas às copas!

 

 

 

O que você prefere?

 

16

 

 

ou

 

07

 

 

 

O bocejo venceu a adrenalina

 

 

 

Os pontos corridos mataram o que há de mais eletrizante no futebol – as finais, que distinguem os homens dos meninos supersimbava0.gif

 

 

 

Paulo Nogueira

 

 

 

Foi um retrocesso, em vez de um avanço. O sistema de pontos corridos no

Campeonato Brasileiro tirou o que havia de mais eletrizante nele: as

finais. A excitação provocada pelos jogos de vida ou morte, e antes

disso pelas expectativas de saber até o último momento quem se

habilitaria a eles, foi substituída pelos bocejos nascidos de uma série

infindável de partidas irrelevantes. Sou corintiano roxo, e não sei

quem o Corinthians enfrentará na semana que vem. Meus filhos Emir e

Pedro, tão corintianos como eu, também não.

 

 

 

A batalha dos mata-matas foi perdida no terreno da persuasão. A tese

simplificadora da “justiça” dos pontos corridos não encontrou

concorrência, e foi abraçada com fé cega por muita gente que hoje

boceja como eu. Alguém falou aí em unanimidade burra? O melhor dos

campeonatos nos Estados Unidos, do basquete ao beisebol, do hóquei ao

futebol americano, está nas finais.

 

 

 

Ninguém contesta a “justiça” de quem leva o título. O Chicago Bulls,

sete vezes campeão de basquete na era Michael Jordan, nem sempre chegou

em primeiro na “temporada regular” – a que antecede o mata-mata. Na

hora da decisão, o Bulls prevaleceu. Injustiça?

 

 

 

Não. Há um fator que foi ignorado ou amplamente subestimado na

discussão sobre o sistema a seguir no campeonato brasileiro: o impacto

de jogar sob pressão. Homens distinguem-se de meninos nesse momento.

Michael Jordan foi o que foi porque, nas finais, seu desempenho

melhorava substancialmente, a começar pela média de pontos por partida.

 

 

 

 

A possibilidade de eliminação num único jogo transformava Jordan num

jogador ainda mais soberbo do que ele era rotineiramente. O real teste

do grande jogador é a partida que pode ser o adeus.

 

 

 

O Santos de Robinho, em 2002, provou ser forte quando era necessário.

Bateu nas quartas-de-final o time que fizera a melhor campanha, o São

Paulo. A partida decisiva foi jogada no Morumbi. Na final, o Santos

derrotou o Corinthians.

 

 

 

Quem há de esquecer as pedaladas de Robinho contra um jogador que não

soube o que fazer senão andar pra trás e depois derrubar o então

desconhecido atacante do Santos dentro da área.

 

 

 

O time do São Paulo, “campeão moral”, foi para o lixo do futebol. Seus

jogadores fizeram o oposto de Michael Jordan: diminuíram sob pressão. O

do Santos de Robinho entrou pra História. Com justiça.

 

 

 

Os campeonatos europeus também foram invocados na defesa dos pontos

corridos. Ora, a Europa foi, nas últimas décadas, vítima do que se

chamou de “euroesclerose” – uma dificuldade monumental de mudar e se

reinventar. Não fosse a Margaret Tatcher, com sua obstinada cruzada

pela modernização na Inglaterra nos anos 80, e a euroesclerose teria

transformado a Europa num enferrujado museu.

 

 

 

Tatcher inspirou, no continente, líderes que desafiaram a poeira em

outros países, como o espanhol Felipe González e, mais recentemente, a

alemã Angela Merkel e o francês Nicolas Sarkozy. Imitar os europeus por

quê? Mesmo lá, as partidas mais eletrizantes são, hoje, disputadas em

torneios mata-mata, como a Copa dos Campeões.

 

 

Não foi no terreno da lógica que se perdeu o pedaço melhor do

Campeonato Brasileiro: as finais. Foi, repito, no terreno da persuasão.

E a única chance de recuperá-lo é ali mesmo: na persuasão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Futebol não é esporte!

 

David Coimbra

 

 

 

Bobby Fischer morreu e explodiu a discussão aqui na editoria: xadrez é

esporte ou não? João Saldanha dizia que, no dia em que xadrez fosse

esporte, São Jorge ia sair na coluna de turfe.

 

 

 

Tinha razão, o Saldanha. Xadrez não é esporte.

 

 

 

Nem futebol.

 

 

 

Futebol, como o xadrez, é um jogo. Eventualmente praticado por atletas,

mas um jogo. No esporte não existe o logro ao adversário, não existe o

virtuosismo, não existe a burla psicológica. No esporte, o imponderável

é execrado. O esporte é rendimento, técnica, precisão, o esporte são

milímetros e milésimos.

 

 

 

O jogo, não. O jogo é cheio de nuanças implausíveis. O jogo é muito

mais cérebro e espírito do que corpo; o esporte é quase só corpo e

concentração e quase nada de cérebro. O jogo é mais divertido do que o

esporte, porque é mais próximo da vida, que é torta e crespa. O esporte

é próximo do ideal, que é reto e liso.

 

 

 

No futebol, um time pode jogar muito melhor do que o outro, pode

dominar a partida inteira, pode se comportar com mais correção e

"esportividade", e ainda assim ser derrotado. Isso é o antiesporte. O

gol é o antiesporte. No esporte, quem tem mais condições é quem tem de

vencer. No jogo, pode vencer até quem tem mais sorte. No jogo, as

vitórias não se merecem, se conquistam. No esporte, vitória sem

merecimento é derrota.

 

 

 

Se o futebol fosse esporte, a vitória não seria dada apenas ao time que

marca mais gols. O rendimento teria de ser avaliado por inteiro:

pontuação para escanteio, para bola na trave, para passes certos.

Campeonatos por pontos corridos, sem decisão. Em resumo, uma chatice. 07

 

 

 

Portanto, viva o gol, o craque, o gênio, a decisão, o jogo; abaixo a

preparação física, a disciplina, os pontos corridos. Abaixo o esporte! 10

Link to comment
Share on other sites

Somos todos os dias bombardeados com a "pseudo-verdade" de que os Pontos-Corridos são a fórmula mais bem-sucedida do mundo dos esportes' date=' e de que os clubes Europeus são fortes porque atuam em Ligas organizadas em Pontos Corridos.

Agora, vem a verdade arrasadora. Qual ou quais as ligas mais bem sucedidas do Mundo dos Esportes?

A Espanhola? A Inglesa? Talvez a Italiana? Poderão responder os mais incautos.

Não, não são... As mais bem sucedidas ligas esportivas do mundo são as Ligas Norte-Americanas de Basquete, Baseball e Futebol Americano, e em segundo plano, Hóquei.

Agora, o que em comum guardam estas ligas?

Os Play-Offs!!!

É o argumento definitivo contra a Europeização do Futebol Brasileiro, contra o Eurocentrismo nojento e descarado, contra a apologia ao Neocolonialismo das Bananas Republik...

E o que em comum tem as Ligas Nacionais Européias?

Em todas elas, apenas um pequeno grupo de 2 à 4 equipes se revezando na conquista do título nacional, relegando às outras equipes um "título" de "melhor dos piores".

Pontos-Corridos significam a IMBECILIZAÇÃO do futebol, a HOMOGENEIZAÇÃO do futebol, e a submissão completa e total do futebol ao dinheiro e aos interesses mesquinhos e escusos dos clubes de maior poder político.

Além disto, postulo mais uma questão: tanto maior é a "justiça" de um campeonato quando um clube precisa mostrar força para vencer nos pontos corridos (classificação) e nos play-offs (mata-mata). Mostrando-se superior nas duas formas, ele mostra ser o verdadeiro e legítimo campeão!

A TV responsável pelos direitos de transmissão é a maior interessada na fórmula do campeonato! A Globo já esboçou intenção de retomar o mata-mata, porém isso vai contra o interesse de alguns dos clubes do eixo, que conforme crescimento dos investimentos no futebol da região e os resultados favoráveis a estes, têm nos pontos corridos a fórmula perfeita para a monopolização do futebol.

Se não mudarem algo AGORA, a tendência é de os clubes do eixo se engrandecerem cada vez mais, e clubes tradicionais como os de MG e RS se tornarem meros coadjuvantes e postulantes apenas às copas!

O que você prefere?

16



ou

07




O bocejo venceu a adrenalina

Os pontos corridos mataram o que há de mais eletrizante no futebol – as finais, que distinguem os homens dos meninos
supersimbava0.gif

Paulo Nogueira

Foi um retrocesso, em vez de um avanço. O sistema de pontos corridos no Campeonato Brasileiro tirou o que havia de mais eletrizante nele: as finais. A excitação provocada pelos jogos de vida ou morte, e antes disso pelas expectativas de saber até o último momento quem se habilitaria a eles, foi substituída pelos bocejos nascidos de uma série infindável de partidas irrelevantes. Sou corintiano roxo, e não sei quem o Corinthians enfrentará na semana que vem. Meus filhos Emir e Pedro, tão corintianos como eu, também não.

A batalha dos mata-matas foi perdida no terreno da persuasão. A tese simplificadora da “justiça” dos pontos corridos não encontrou concorrência, e foi abraçada com fé cega por muita gente que hoje boceja como eu. Alguém falou aí em unanimidade burra? O melhor dos campeonatos nos Estados Unidos, do basquete ao beisebol, do hóquei ao futebol americano, está nas finais.

Ninguém contesta a “justiça” de quem leva o título. O Chicago Bulls, sete vezes campeão de basquete na era Michael Jordan, nem sempre chegou em primeiro na “temporada regular” – a que antecede o mata-mata. Na hora da decisão, o Bulls prevaleceu. Injustiça?

Não. Há um fator que foi ignorado ou amplamente subestimado na discussão sobre o sistema a seguir no campeonato brasileiro: o impacto de jogar sob pressão. Homens distinguem-se de meninos nesse momento. Michael Jordan foi o que foi porque, nas finais, seu desempenho melhorava substancialmente, a começar pela média de pontos por partida.

A possibilidade de eliminação num único jogo transformava Jordan num jogador ainda mais soberbo do que ele era rotineiramente. O real teste do grande jogador é a partida que pode ser o adeus.

O Santos de Robinho, em 2002, provou ser forte quando era necessário. Bateu nas quartas-de-final o time que fizera a melhor campanha, o São Paulo. A partida decisiva foi jogada no Morumbi. Na final, o Santos derrotou o Corinthians.

Quem há de esquecer as pedaladas de Robinho contra um jogador que não soube o que fazer senão andar pra trás e depois derrubar o então desconhecido atacante do Santos dentro da área.

O time do São Paulo, “campeão moral”, foi para o lixo do futebol. Seus jogadores fizeram o oposto de Michael Jordan: diminuíram sob pressão. O do Santos de Robinho entrou pra História. Com justiça.

Os campeonatos europeus também foram invocados na defesa dos pontos corridos. Ora, a Europa foi, nas últimas décadas, vítima do que se chamou de “euroesclerose” – uma dificuldade monumental de mudar e se reinventar. Não fosse a Margaret Tatcher, com sua obstinada cruzada pela modernização na Inglaterra nos anos 80, e a euroesclerose teria transformado a Europa num enferrujado museu.

Tatcher inspirou, no continente, líderes que desafiaram a poeira em outros países, como o espanhol Felipe González e, mais recentemente, a alemã Angela Merkel e o francês Nicolas Sarkozy. Imitar os europeus por quê? Mesmo lá, as partidas mais eletrizantes são, hoje, disputadas em torneios mata-mata, como a Copa dos Campeões.

Não foi no terreno da lógica que se perdeu o pedaço melhor do Campeonato Brasileiro: as finais. Foi, repito, no terreno da persuasão. E a única chance de recuperá-lo é ali mesmo: na persuasão.


Futebol não é esporte!
David Coimbra

Bobby Fischer morreu e explodiu a discussão aqui na editoria: xadrez é esporte ou não? João Saldanha dizia que, no dia em que xadrez fosse esporte, São Jorge ia sair na coluna de turfe.

Tinha razão, o Saldanha. Xadrez não é esporte.

Nem futebol.

Futebol, como o xadrez, é um jogo. Eventualmente praticado por atletas, mas um jogo. No esporte não existe o logro ao adversário, não existe o virtuosismo, não existe a burla psicológica. No esporte, o imponderável é execrado. O esporte é rendimento, técnica, precisão, o esporte são milímetros e milésimos.

O jogo, não. O jogo é cheio de nuanças implausíveis. O jogo é muito mais cérebro e espírito do que corpo; o esporte é quase só corpo e concentração e quase nada de cérebro. O jogo é mais divertido do que o esporte, porque é mais próximo da vida, que é torta e crespa. O esporte é próximo do ideal, que é reto e liso.

No futebol, um time pode jogar muito melhor do que o outro, pode dominar a partida inteira, pode se comportar com mais correção e "esportividade", e ainda assim ser derrotado. Isso é o antiesporte. O gol é o antiesporte. No esporte, quem tem mais condições é quem tem de vencer. No jogo, pode vencer até quem tem mais sorte. No jogo, as vitórias não se merecem, se conquistam. No esporte, vitória sem merecimento é derrota.

Se o futebol fosse esporte, a vitória não seria dada apenas ao time que marca mais gols. O rendimento teria de ser avaliado por inteiro: pontuação para escanteio, para bola na trave, para passes certos. Campeonatos por pontos corridos, sem decisão. Em resumo, uma chatice. 07

Portanto, viva o gol, o craque, o gênio, a decisão, o jogo; abaixo a preparação física, a disciplina, os pontos corridos. Abaixo o esporte! 10
[/quote']

 

VAI COM CALMA, SOU + NBA!!!!!161616
Link to comment
Share on other sites

 

 

O melhor seria um misto de pontos corridos com

mata-mata. Como era há alguns anos atrás. O melhor colocado da primeira

fase cozinhava nas eliminatórias. Podia jogar pelo empate, ou decidir

em casa. E pra ser eliminado, teria que perder dois jogos, ou perder no

saldo de gols. No campeonato de 99, era até mais complicado - se um

time vencesse um jogo, e o outro vencesse o seguinte, haveria terceira

partida.

 

 

O SPFC foi eliminado pro Santos (acho que 2002) mesmo tendo feito

mais pontos porque perdeu 2 jogos. Simples assim. Mas os pontos

continuavam a somar na fase final.

 

 

Não tenham dúvidas que um meio-termo entre as duas fórmulas seria o ideal. Como a CBF chupa as bolas da UEFA, é claro que não vai querer voltar atrás. O que se pode esperar de um parasita como o Ricardo Teixeira? 07

 

Rayden2008-07-22 20:38:36

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Mata-mata é muito mais emocionante. E falar que tem CdB, Libertadores, Sulamericana, etc nao adianta, pq na CdB ja nao disputam 4/5 times que jogam a Libertadores etc. Anos como 99 onde disputamos dois mata-mata com o Plameiras, ou em 2002 onde foram 2 contra o SP nao tem mais, infelizmente.

 

E o Corinthians ja mostrou que o time pode ser regular e papar o título, como 99 onde liderou de ponta a ponta todas as rodadas e no mata mata levou. Deu esse rebu todos pq ficaram revoltados em 2002 onde o SP levou com folga os corridos e na hora do vamove abriu as pernas pro Santos. E olha que o time do SP era um time de respeito, Luis Fabiano, Reinaldo, Kaka, Ricardinho, Simplicio, Batista....

 

 
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...
  • 2 years later...

A discussão voltou com força total devido aos "entregas" do brasileirão desse ano. Invadiu outros tópicos, mas o lugar certo pra debater o tema creio que seja esse aqui.

E parece que chegou ao limite do suportável, olha que notícia surreal...

 

 

Palmeiras é informado de mala branca rival e teme vitória

Diretoria faz reunião e se preocupa com consequência de ajuda ao Corinthians. Cruzeiro também teria oferecido mala

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Indique para seu amigo

< method="post" ="#" ="bb-mail-send-entity-">

Seu Nome*

 

< ="bb-field bb-field_" name="fromName" maxlength="64" value="" ="text">

 

Seu e-mail*

 

< ="bb-field bb-field_" name="fromEmail" maxlength="64" value="" ="text">

 

Nome do seu amigo*

 

< ="bb-field bb-field_" name="toname" maxlength="64" value="" ="text">

 

E-mail do seu amigo*

 

< ="bb-field bb-field_" name="toEmail" maxlength="64" value="" ="text">

 

Preencha corretamente todos os campos para enviar a notícia

 

 

Digite as letras:

 

< ="bb-field bb-field_" name="__captcha__" maxlength="64" value="" ="text">

Mensagem (opcional)

< ="bb-field bb-field_" name="comment" cols="30" rows="12">>

>

 

 

 

 

 

 

 

 

  •  

     

  •  

     

 

 

 

 

 

 

 

Montagem%20Torcida%20do%20Palmeiras%20x%20Belluzzo%20e%20dirigentes%202

Torcida do Palmeiras está pressionando contra o próprio time (Montagem de Marianna Esteves)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Thiago Salata

 

Publicada em 26/11/2010 às 19:37

 

 

 

São Paulo

 

 

 

 

Você já imaginou uma diretoria com medo de sua própria equipe

ganhar? Pois é esta situação que vive a cúpula palmeirense, que se

reuniu em clima de tensão, nesta sexta à tarde, na Academia de Futebol.

A

diretoria recebeu uma informação de que Corinthians e Cruzeiro, por

meio de jogadores, ofereceram uma mala branca alta aos atletas

palmeirenses, em caso de um empate do time, neste domingo, contra o

Fluminense, em Barueri.

– É um dinheiro alto, de balançar qualquer um – disse um diretor alviverde, que pediu anonimato.

A

mala branca é tratada de jogador para jogador, por meio de

intermediários. A diretoria ficou revoltada por saber que há atletas

dispostos a receber dinheiro de um rival, mas não sabe quem são os

envolvidos. Felipão deve escalar uma equipe mista na Arena.

Até mesmo publicamente, a direção deixou claro que a derrota é bem vista contra os cariocas.

Por mim, daria W.O. Mas não pode e não faremos isso. A decisão é do

Felipão – disse Wlademir Pescarmona na quarta, ratificando a postura,

quinta, à ESPN Brasil.

Porém, nenhum diretor dará ordens ao próprio time para perder. Luiz Felipe Scolari, muito menos.

A

questão é que torcedores organizados já ligaram para diretores,

ameaçando jogadores que compliquem a vida do Fluminense e deixem o

título na mão do Corinthians.

Os próprios atletas foram ameaçados logo na saída do Pacaembu.

Só faltava essa! Quando é para ajudar o Corinthians, vão ganhar? –

afirmou André Guerra, presidente da Mancha Alviverde, na quinta.

Na

reunião da diretoria, com todo Conselho Gestor e com Luiz Gonzaga

Belluzzo, que reassumiu a presidência, o temor do futuro político em

caso de ajuda ao maior rival também foi colocado em debate.

– Estaremos politicamente mortos – contou um diretor, ao LANCENET!.

Um membro do Conselho chegou até a convocar a torcida do Fluminense a ir a Barueri para o que pode ser o "jogo do título".

Parte do grupo já irá ganhar férias na próxima semana. A diretoria está tensa com o que pode acontecer neste domingo à tarde.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Revoltante, patético, tosco. E ainda me falam do "caos urbano" no Rio de Janeiro, pff. Isso que é profissionalismo no futebol, cobram R$ 60 por um ingresso para no fim das contas o campeonato se resumir a uma disputa de quem comprou arbitragem, quem comprou rivais dos concorrentes, quem foi facilitado por concorrentes etc etc. Eu não acompanho mais esse campeonato, já tinha começado a parar ano passado, mesmo com o Fla campeão, e esse ano devo ter visto de 10 a 15 jogos no máximo. Para quem acompanhava TODAS as rodadas por completo, sabendo tabela, classificação e probabilidades de cor, é uma tremenda redução de entusiasmo. Colando o que escrevi no tópico do FluminenC sobre minha preferência IRREVOGÁVEL pelo mata-mata:

 

 

 

Eu sempre preferi o mata-mata. Vocês podem até argumentar que antes já existia isso de entregar, mas pensem comigo: a única hipótese que podia ocorrer era com três/quatro times a duas rodadas do fim, pois com 8 classificados e 19 rodadas, uns 12 ficam na briga por um bom tempo. Claro que os líderes também estariam de bobeira, mas havia a vantagem de decidir em casa pro "campeão da fase de turno único", depois quem tinha vantagem era o segundo e tal.

 

 

 

Além disso, a "entrega" não determinava o CAMPEÃO: no máximo ajudava a eliminar um eventual oitavo colocado. E, como dito, estava resumida a pouquíssimas rodadas e menos times ainda. Como lembrou o Tensor, com os pontos corridos, todo ano isso acontece e deverá acontecer, virou palhaçada. A diversão do futebol tem de ser o jogo e torcer pelo seu time, há uma lógica muito torta em se divertir pela derrocada alheia com a derrota de seu time.

 

 

 

Quanto ao que o Scofa falou, a proposta da Copa do Brasil é COMPLETAMENTE DIFERENTE do Brasileiro. Não é porque já tem um torneio de PURO mata-mata em que não pode ter mata-mata no outro, pelo contrário. O Brasileiro tinha uma fase de turno único e 8 avançavam para o mata-mata. Se acham muito, poderiam ser 4, isso seria outra discussão. De todo modo, a proposta do Brasileiro é encontrar o melhor dentre os 20 daquele ano, definir os 4 piores e também dar vaga a outros 4 times para a Libertadores, enquanto que o perdedor da Copa do Brasil nada leva.

 

 

 

Outro aspecto positivo: só num mata-mata o Goiás pode chegar a uma final. Patético ter uma final de time pequeno? Podem chamar assim, mas o futebol fica bem mais legal assim. Ou vocês gostam da "emoção" do campeonato espanhol??? Ou mesmo da primeira fase dos estaduais??? Além disso, tem a questão da adrenalina e o acaso do futebol levado até o último segundo (ok, pode acontecer nos pontos corridos, mas, novamente, depende dos outros e não do seu time - imaginem-se no lugar de um profissional do futebol: depender do adversário deve ser terrível).

 

 

 

Para mim, o certo seria fazer algo assim:

 

 

 

COPA DO BRASIL - Campeão vai para a Libertadores; vice para a Sul-Americana;

 

 

 

SÉRIE B - Campeão vai para a Sul-Americana (acho mais justo do que dar para um time que lutou para não cair e no finzinho pegou a vaga. Também motiva os times da Série B a disputarem o título e não só subirem);

 

 

 

BRASILEIRÃO - 2 fases, com 4 vagas para a Libertadores e 6 para a Sul-Americana:

 

 

 

*Primeira fase - o campeão da primeira fase estaria na Libertadores, e o vice na Pré-Libertadores. Os quatro últimos seriam rebaixados. O nono e o décimo teriam vagas na Sul-Americana (mesmo que tivessem vencido a Copa do Brasil ou a Libertadores daquele ano). Assim, os times colocados na zona da marola (11o-16o não ganhariam nada, sendo que do 14o ao 16o, todos teoricamente lutariam para não cair até o fim. E do 11o ao 13 temos times lutando pelo G-10).

 

 

 

*Segunda fase - O campeão e o vice iriam para a Libertadores. Se um deles fosse campeão/vice da fase anterior, o vice da fase anterior pegaria a vaga na Libertadores e o 3o do mata-mata (haveria disputa de 3o conforme a combinação) pegaria a vaga na Pré-Libertadores. Se os dois finalistas fossem exatamente o primeiro o segundo da primeira fase, os dois estariam na Libertadores, assim como o 3o no mata-mata. O 3o na fase de grupos pegaria a Pré-Libertadores. As outras quatro equipes pegariam as vagas para a Sul-Americana (mesmo que dentre elas houvesse a campeã da Copa do Brasil e/ou da Libertadores do mesmo ano). Ocorrendo novas coincidências em virtude de possíveis já classificados com as primeiras posições, as vagas seriam passadas dessa forma (melhor abaixo no mata-mata, melhor abaixo na primeira fase).ltrhpsm2010-11-26 20:55:16

Link to comment
Share on other sites

Não sabia que tinha tópico pra isso. Já falei a respeito em outros lugares, mas resumindo o que eu acho:

 

 

 

1. Em mata-mata os adversários diretos se enfrentam diretamente.

 

2. Em mata-mata ninguém disputa vagas em segundos e terceiros campeonatos; todos disputam o título.

 

3. Em mata-mata não fica metade dos times cumprindo tabela no final do campeonato. Quem não tem mais o que fazer é eliminado do campeonato.

 

4. Pontos corridos não tem uma final, tem uma média entre derrotas, empates e vitórias.

 

5. Pontos corridos raramente tem jogos históricos, jamais oferece o pânico de o campeonato terminar nos próximos 5 minutos se você não fizer um gol. Tudo fica menos fatídico, arrebatador, menos a ver com futebol.

Link to comment
Share on other sites

Eu sou a favor dos pontos corridos, já falei aqui anteriormente, mas acho que uma coisa poderia ser feita...pontos corridos como estão, turno e returno, e com uma decisão entre os dois campeões dos turnos...e caso um mesmo clube vença os dois turnos, aí sim seria campeão direto...ultimamente nem isso tem acontecido...em 2008 tivemos Grêmio (1ºT) e São Paulo (2ºT), em 2009, tivemos Internacional (1ºT) e Flamengo (2ºT) e este ano, Fluminense (1ºT) e Grêmio ou Cruzeiro (2ºT).

 

Imaginem que decisões seriam essas...

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

Gosto bem mais de mata mata' date=' bem mais emocionante, e vc avança ou não, por merito ( excluindo o fator juiz), diferente dos pontos corridos, onde um time pode afrouxar pra prejudicar o outro.

Por exemplo, pro America, o campeonato acabou faltando umas 10 rodadas, eles poderiam abandonar, desmontar tudo, ....

 
[/quote']

 

Eu avisei que essa palhaçada ia acontecer!06

Falam tanto que isso é mais justo, mais justo porcaria nenhuma. Se fosse por justiça, que mudem todas as regras e ponham um juiz robô, que parem todos os lances duvidosos pra ser analisados pelas cameras, etc.

Que justiça doida é essa que na reta final o Flu ganha 6 pontos de adversarios que entram pra perder? Que Cruzeiro, e muito provavelmente Corinthians, ganham 3 pontos pq o rival do Flu pegou e pegara os dois?

 

Mata-mata é muito mais emocionante, e nao tem tanta entrega direta. Pode ter entrega pra tirar ou por alguem em 8º, mas isso por si só nao dá o titulo, o cara ia ter que passar por mais 3 adversarios nas 4º, semis e final, adversarios que nao entregariam, e sim tentarima ganhar.

 

Lendo os posts, o Sopa ja tinha colocado o que escrevi:

 

 

 

 

 

 

Além disso' date=' a "entrega" não determinava o CAMPEÃO: no máximo ajudava

a eliminar um eventual oitavo colocado. E, como dito, estava resumida a

pouquíssimas rodadas e menos times ainda.

 

 

[/quote']

 

J.McClane2010-11-28 09:34:10

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

Gosto bem mais de mata mata' date=' bem mais emocionante, e vc avança ou não, por merito ( excluindo o fator juiz), diferente dos pontos corridos, onde um time pode afrouxar pra prejudicar o outro.

Por exemplo, pro America, o campeonato acabou faltando umas 10 rodadas, eles poderiam abandonar, desmontar tudo, ....

 
[/quote']

 

Eu avisei que essa palhaçada ia acontecer!06

Falam tanto que isso é mais justo, mais justo porcaria nenhuma. Se fosse por justiça, que mudem todas as regras e ponham um juiz robô, que parem todos os lances duvidosos pra ser analisados pelas cameras, etc.

Que justiça doida é essa que na reta final o Flu ganha 6 pontos de adversarios que entram pra perder? Que Cruzeiro, e muito provavelmente Corinthians, ganham 3 pontos pq o rival do Flu pegou e pegara os dois?

 

Mata-mata é muito mais emocionante, e nao tem tanta entrega direta. Pode ter entrega pra tirar ou por alguem em 8º, mas isso por si só nao dá o titulo, o cara ia ter que passar por mais 3 adversarios nas 4º, semis e final, adversarios que nao entregariam, e sim tentarima ganhar.

 

Vamos com calma: ser emocionante não é ser mais justo. Ser mais justo não é ser perfeito. Dado isso, é claro, óbvio e evidente que pontos corridos é mais justo. 

Em primeiro lugar: não havia como prever quem seriam os primeiros colocados no final.

Em segundo lugar: Justiça então é ter 8 times disputando vagas e o campeão poder ser aquele que não marcou o maior número de pontos? Jogar toda a primeira fase pela janela e começar outro campeonato com chance de ter um oitavo lugar ganhando? Um Inter com 11 pontos a menos hoje no campeonato podendo ser campeão?

Todos os campeonatos nacionais importantes pelo mundo inteiro são de pontos corridos. Já temos a Copa do Brasil como torneio Mata-Mata. Está justíssimo como está.

Vale dizer que o Corínthians está todo mimimi porque pode perder o campeonato (por falta de competência, diga-se) e pelas coincidências da tabela.

Sem contar que poderia perder do mesmo jeito mesmo com os times com forças totais já que o Fluminense é um bom time (assim como o Cruzeiro). Já estou até vendo o pessoal arrumando desculpa para o chororô ao não ganharem. 1606

Mr. Scofield2010-11-28 09:50:12

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...