Jump to content
Forum Cinema em Cena

Dúvidas Jurídicas


Jorge Soto
 Share

Recommended Posts

Percebe e as vendas casadas... 06

 

Eu moro com meus pais. Utilizo o serviço de internet' date=' assim como eles, só que a conta de telefone vem no nome de um, e a do provedor, no nome de outro (descontada em boleto bancário separado do telefone).


Estamos pensando em contestar isso do provedor por ser venda casada (não é necessário o provedor para utilizar os serviços), inclusive com a restituição em dobro dos valores pagos ao provedor.
[/quote']

 

Hein? Venda casada entre telefone e provedor?

 

Só que quem moveria a ação seria eu' date=' ao invés deles. É possível fazer isso? Falei com um advogado e ele me disse que por meio de uma procuração "ad negotia" (????) seria possível pleitear esses direitos "alheios", é verdade? E teria que ser uma dupla procuração, em face desse artigo do CPC?[/quote']

 

Possível é... mas a outra parte com certeza vai alegar ilegitimidade de parte por não ser você o titular do direito (quem paga são seus pais, a conta tá no nome deles) e falta de interesse processual por ser você o autor da ação e não os seus pais. E - surprise - há chances enormes do juiz adotar a tese da parte contrária e extinguir seu processo antes que vc possa dizer um 'a'...

 

Melhor convencer o pê e a sua ême a entrarem com o processo por eles mesmos...

 

O art. 653 do CC é esse:

Opera-se o mandato quando alguém recebe de outrem poderes para' date=' em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato.
[/quote']

 

Isso aí é em caso de empresa quando o proprietário nomeia um procurador para responder em determinadas esferas sobre assuntos da empresa ou quando, no seu caso, seu pai e sua mãe não podem cumprir um determinado ato judicial, uma audiência, por exemplo... O mandato aí descrito, no seu caso, não te legitima a propor ação em nome de outra pessoa.

 

Outra coisa' date=' a ação seria proposta em Juizado Especial Cível. Tenho conhecimento que nesses fóruns sempre se diz que as ações não podem ser propostas em nome de outra pessoa, mas o próprio artigo 6 do CPC não diz que não é permitido pleitear direito alheio, salvo quando autorizado por lei?
[/quote']

 

Qual é a autorização na lei? O artigo 653 que vc citou acima? Nem tente... a parte contrária pode alegar inclusive litigância de má-fé e se o juiz acolher a alegação, além de vc ter o seu processo extinto, será condenado a pagar os honorários do advogado da outra parte por querer dar uma de 'espertinho'...

 

Ah' date=' uma coisa que eu já ia esquecendo. E o que dizer dos destinatários finais de produtos e serviços? Mesmo que a compra tenha sido feita em nome de outra pessoa (um parente), se você é quem vai utilizar, você não seria parte legítima no processo? Aí eu acho que talvez não precisasse nem de procuração.
[/quote']

 

Essa não cola... se é vc que usa, pq vc não fez a compra em seu nome? Em Direito é tudo muito específico, não comportando gambiarras. Se vc emite um cheque para ajudar o seu amigo a pagar uma dívida e o seu cheque volta, é de VOCÊ que o credor vem atrás e não do seu amigo... Se a compra de um bem foi feita por uma pessoa, ela é a parte legítima para propor qualquer ação judicial referente a esse bem, independentemente do fato de não ser ela a desfrutar do bem...
Link to comment
Share on other sites

Tenho uma dúvida:

tenho dois primos' date=' filhos de uma irmã da minha mãe. O mais velho é filho de pai desconhecido e o mais novo do marido dela. Quando eles se casaram, o cara registrou o outro como filho dele também. Os dois já faleceram e esse cara era casado antes com um mulher que também morreu. Tiveram 2 filhos. Como a vó do meu primo faleceu mês passado, os bens ficaram expostos e agora haverá a abertura do inventário. Gostaria de saber como fica a situação do meu primo não sendo filho legitimo (imagino que isso não faça diferença, masss...) e se há um levantamento de bens para avaliar quanto é pertinente aos filhos do primeiro casamento (patrimonio deixado pela mãe deles) e o que é do meu primo e do irmão dele.

Espero que tenha ficado claro! É meio dificil explicar!06
[/quote']

 

UOW! Isso é o que eu chamo de rocambole. A questão é simples: a partir do momento que o seu tio registrou o filho 'bastardo' como sendo dele, acabou a controvérsia. Juridicamente, é filho dele, logo, tem direito aos bens que ele deixou.

 

Claro que isso não impede que alguém levante algum questionamento do tipo 'ah, mas aquele cara não é filho legítimo do presunto...' Entretanto, caberá à essa pessoa que fez a alegação provar que o 'bastardo' é 'bastardo'... Além do mais, terá que provar que o registro do 'bastardo' foi feito com dolo, culpa ou coação o que é complicado já que o autor da coisa toda está morto. Enfim, pode dar rolo que prolongue a transmissão dos bens, mas no fim vai dar tudo certo.

 

Pois é...aproveitei pra perguntar pq a minha tia procurou uma advogada semana passada e ela falou que ele teria que correr na frente pra abrir o inventário. Só um detalhe: ela queria 500 paus pra fazer isso mais 10% do que ele viesse a ganhar.13Como todos suspeitamos de que a herança do cara é nada além de um terreno de 80.000 com IPTU e mais um bolo de dívidas atrasadas, não creio que valha a pena levar o caso adiante.0906
Link to comment
Share on other sites

A advogada é burra... a lei determina um minimo de 6% sobre o valor da herança e como vc vai cobrar isso de um morto que deixou um terrenão cheio de dívidas?

Sério, dependendo do inventário e da dor de cabeça que ele vai dar, $4.000,00 tá muito bem pago.
Link to comment
Share on other sites

  • 6 months later...
Se eu processo uma empresa' date='o julgamento saí mas a empresa demora muito para pagar.Eu posso fazer alguma coisa quanto a isso ou tenho que ficar esperando eternamente?[/quote']

 

Vc tem que ver pq ela está demorando muito pra pagar. Ela recorreu de alguma sentença? Não conseguem achá-la para intimá-la a pagar o valor ao qual foi condenada?
Link to comment
Share on other sites

Enquanto isso... 06

 

Autos da história

Chegou ao fim em setembro, processo iniciado em 1914

por Aline Pinheiro

Quando

o Processo de número 12 começou a tramitar na comarca de Diamantino, em

Mato Grosso, o estado de Mato Grosso do Sul sequer existia. O mundo

ainda não sabia o que era o nazismo. A Primeira Guerra mundial só

começaria duas semanas depois.

 

O automóvel estava ainda se

popularizando e o Sport Club Corinthians Paulista acabava de ser

fundado e estava longe de ser o que é hoje: o time de futebol que tem

uma das maiores torcidas do Brasil.

Era dia 10 de

novembro de 1914 quando o Processo de número 12 foi distribuído à

Comarca de Diamantino (MT). Lá, ficou até setembro de 2007, quando o

juiz Mirko Vincenzo Giannotte, substituto na então já chamada 2ª Vara

Cível de Diamantino, resolveu dar um fim ao caso. Pelo menos, um fim

judicial.

A demora de 93 anos para que um processo

judicial pudesse chegar ao seu fim retrata que o que está ruim hoje era

pior ainda décadas atrás.

 

São muitas as razões que explicam tanta

demora. No processo, discutia-se um inventário amigável. Fazia-se a

partilha de uma fazenda, tudo sem qualquer tipo de conflito.

 

Estava na

Justiça apenas porque, naquela época, não existia a Lei 11.441/07, que

permite que inventários amigáveis sejam feitos direto no cartório.

Sem

conflito, os interessados resolveram por si mesmo a partilha. Enquanto

isso, o processo continuava na Justiça. Na época, sequer existia o

antigo Código Civil, que surgiu só em 1916. Hoje, este nem vigora mais.

Há cinco anos, o que rege às relações civis é o Código Civil de 2002.

Em

1977, quando o processo completava meio século de vida, foi homologado

o acordo de partilha, mas não pôde ser expedido o formal de matrícula,

documento que transfere a posse.

 

Isso porque o imóvel não tinha

matrícula no cartório. A matrícula de um imóvel é regida pela Lei de

Registros Públicos, que só chegou ao ordenamento jurídico em 1973.

Sem

muito interesse dos herdeiros, que, a essas alturas, já tinham cedido a

herança para os seus herdeiros, ou seja, sem muito interesse dos

herdeiros dos herdeiros, o processo de partilha ficou outros 30 anos

mofando nas prateleiras do Judiciário. Até que, em setembro passado, o

juiz Mirko Vincenzo Giannotte deu fim ao caso. Ou, pelo menos, tirou do

Judiciário o problema já solucionado na prática.

Ele

expediu o formal de partilha e decretou: a função da Justiça acaba aí.

Sem a matrícula do imóvel, o formal expedido não tem efeitos práticos.

No entanto, pelo tempo em que os herdeiros moram na fazenda alvo da

partilha, podem pedir a escritura por meio do usucapião.

 

Ou tentar

outra maneira de obter a escritura. Fica a critério dos advogados. O

que Giannotte fez foi tirar das prateleiras da 2ª Vara Cível de

Diamantino processo que lá dormia há 93 anos.

Descoberta

O

Processo número 12 foi descoberto pelo juiz Giannotte em 8 de agosto

deste ano, quando foi determinada a correição na Vara. Giannotte estava

atuando como juiz substituto e começou a “colocar a casa em ordem”.

 

Nas

pilhas de processos, descobriu o de número 12. “Fiquei tão indignado

que usei um domingo para fazer, no despacho, um relatório do que

aconteceu no mundo nesses 93 anos.”

No seu despacho,

ele contou sobre a Guerra Fria, o acidente do reator nuclear em

Chernobyl, falou do surgimento dos Beatles e do nascimento da

Organização das Nações Unidas.

 

Durante os 93 anos, passaram cerca de

seis advogados pelo processo. A última petição foi feita por um deles

há cinco anos, época desde a qual a 2ª Vara de Diamantino está sem juiz

titular.

Foram 68 juízes que passaram pela comarca

onde estava o processo, embora nem todos tenham sido responsáveis por

ele. Hoje, muitos viraram desembargadores, presidente de tribunais e

outros morreram.

 

“A situação discutida no processo era tão mansa que

ninguém queria mexer com isso. Mesmo assim, o processo não podia ser

cozinhado na prateleira por tanto tempo”, diz Giannotte.

O

juiz acredita que a própria realidade do Judiciário mato-grossense

tenha contribuído para a demora. Na época, eram cinco comarcas para

todo o estado, que incluía Mato Grosso do Sul.

 

O juiz era praticamente

itinerante. Percorrer os quase 3 mil quilômetros de extensão do estado

não era como hoje. Quase um século depois, Giannotte acredita que o

Judiciário mato-grossense conseguiu reverter o quadro. “Em 2005, foi

apontado como o terceiro estado mais célere em prestação

jurisdicional.” Mesmo assim, ele dispara: “Não duvido que existam

outros processos como o de número 12”.

 

Veja o despacho do juiz:

 

http://conjur.estadao.com.br/static/text/60365,1

 

Link to comment
Share on other sites

Se eu processo uma empresa' date='o julgamento saí mas a empresa demora muito para pagar.Eu posso fazer alguma coisa quanto a isso ou tenho que ficar esperando eternamente?[/quote']

 

Vc tem que ver pq ela está demorando muito pra pagar. Ela recorreu de alguma sentença? Não conseguem achá-la para intimá-la a pagar o valor ao qual foi condenada?

Mas se ela não recorreu e conseguiram intimá-la,eu posso fazer algo quanto a demora?

É porque meu pai processou uma empresa em R$5.000,o juiz já decretou que a empresa deve pagar.Mas não sei se a empresa recorreu ou se ela já foi intimada.
Link to comment
Share on other sites

Puxa' date=' uma advocacia na internet e eu nem prestei atenção...

Só pra tirar a dúvida mesmo:

-Numa separação, os filhos devem ficar sob a guarda da mãe, certo? Há alguma excessão para isso? Em que circunstâncias o pai pode ter a guarda de seu filho?[/quote']

 

Oras, o pai fica com a guarda dos filhos quando, através de testemunhas e documentos, consegue provar que ela não é boa mãe, porém esse processo é muito dificil... Adultério, apesar de não ser mais crime, pode ser usado para convencer o juiz, também é escutado a opiniões dos filhos, o interesse deles também influencia na decisão do juiz... acredito que os filhos mais velhos podem escolher, enquanto os mais novos passam por uma processo terapeutico... e se o pai ganhar a guarda e ficar provado que a ex-esposa é uma péssima mãe, o pai pode escolher dia e horário para que ela possa ver os filhos...

Não sei se falei alguma besteira, 0817 acredito que o seu amigo Dr. Calvin06, que é advogado, possa te informar melhor...03
Link to comment
Share on other sites

Mas se ela não recorreu e conseguiram intimá-la' date='eu posso fazer algo quanto a demora?

É porque meu pai processou uma empresa em R$5.000,o juiz já decretou que a empresa deve pagar.Mas não sei se a empresa recorreu ou se ela já foi intimada.
[/quote']

 

Precisa ver isso primeiro. Não tenho como te dar dicas sobre o assunto se não souber como está o processo.
Link to comment
Share on other sites

Puxa' date=' uma advocacia na internet e eu nem prestei atenção...

Só pra tirar a dúvida mesmo:

-Numa separação, os filhos devem ficar sob a guarda da mãe, certo? Há alguma excessão para isso? Em que circunstâncias o pai pode ter a guarda de seu filho?[/quote']

 

Os filhos ficam com a mãe pq virou costume isso. A lei fala que os filhos ficam com aquele genitor que tem condições de dar uma educação melhor e geralmente é a mãe que preenche os requisitos.
Link to comment
Share on other sites

Exato Marko... acabei de confirmar. Porém, enfatizo que esse lance de pagar pensão até os 24 ou se estiver cursando ensino superior são ENTENDIMENTOS JURISPRUDENCIAIS. A lei apenas diz que os pais são obrigados a prover o sustento dos filhos ("alimentos"). Até quando e em quais circunstâncias, são as decisões jurisprudenciais que definem de acordo com cada caso.

 

Existem entendimentos que falam que até os 24 anos se estiver cursando faculdade; outros entendimentos que falam até os 18 e sem choro, independentemente da situação; outros que falam que, havendo necessidade da pessoa, seu ascendente ou descendente devem pagar alimentos.

 

Vai depender do contexto, do caso, da circunstância.
Link to comment
Share on other sites

Mas se ela não recorreu e conseguiram intimá-la' date='eu posso fazer algo quanto a demora?

É porque meu pai processou uma empresa em R$5.000,o juiz já decretou que a empresa deve pagar.Mas não sei se a empresa recorreu ou se ela já foi intimada.
[/quote']

 

Precisa ver isso primeiro. Não tenho como te dar dicas sobre o assunto se não souber como está o processo.

Vou dar uma olhada e te falo.....05

Agente tá processando usando aquele projeto da Estácio de Sá que coloca os estudantes de direito para serem seus advogados....06
Link to comment
Share on other sites

Pergunta : Se sou condenado por um suposto assassinato a 30 anos de reclusão , cumpro minha pena integralmente , e ao sair descubro que a suposta vítima não morreu e sim forjou sua morte para me prejudicar , baseado no princípio que ninguém pode ser condenado duas vezes pelo mesmo crime , posso realmente matá-la e tudo ficaria por isso mesmo ?

Link to comment
Share on other sites

Essa questão dos prazos processuais me deixou com uma dúvida. Por que na lei 9.099/95 (dos Juizados Especiais Cíveis) existe esse prazo de 15 dias, quando todos nós sabemos que é o computador do Juizado que marca, e ele nunca é respeitado?

 

Art. 16. Registrado o pedido, independentemente

de distribuição e autuação, a Secretaria do Juizado designará a sessão de

conciliação, a realizar-se no prazo de quinze dias.

 

Geralmente a primeira audiência de conciliação é marcada pra pouco tempo (a de instrução demora muito mais), mas não há prazo fixo pra tal (imagino que em SP, onde a justiça deva ser mais lenta, esse prazo seja bem maior). Não seria mais coerente remover esse trecho grifado (que informa o prazo)?

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Pergunta : Se sou condenado por um suposto assassinato a 30 anos de reclusão ' date=' cumpro minha pena integralmente , e ao sair descubro que a suposta vítima não morreu e sim forjou sua morte para me prejudicar , baseado no princípio que ninguém pode ser condenado duas vezes pelo mesmo crime , posso realmente matá-la e tudo ficaria por isso mesmo ?[/quote']

 

Eu também já vi esse filme.06
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...