Jump to content
Forum Cinema em Cena

30 Dias de Noite


Lucy in the Sky
 Share

Recommended Posts

30 dias de noite: Novo vídeo e comentários de Josh Hartnett

Por Érico Borgo
11/9/2006

envie_amigo.gif

30dias.jpgMais um vídeo de bastidores de 30 dias de noite - o quinto até aqui - está no site oficial do filme, uma adaptação dos quadrinhos de Steve Niles e Ben Templesmith.

A novidade mostra a equipe de dublês treinando seus dotes vampíricos... saltando e se alimentando freneticamente dos humanos. Assista ao vídeo.

David Slade (Menina má.com) dirige o filme na Nova Zelândia. Nos papéis principais estão Josh Hartnett (Falcão negro em perigo) e Melissa George (Alias, Horror em Amityville).

Hartnett recentemente comentou a produção durante uma coletiva de imprensa para divulgação de Dália Negra.

"Não é tanto um filme de terror. Você viu Alien, certo? É naquela linha. Meio sobrenatural, mas com um pouco de western. É sobre estar numa situação limite, nas fronteiras da sociedade. Ter que estruturar sua sociedade com um elemento externo causando pânico e medo. Na maior parte do filme nem mostraremos os vampiros", informou o ator.

O filme estréia em 19 de outubro de 2007.

 

30 dia de noite já tem vampiro chefe

Por Érico Borgo
12/9/2006

envie_amigo.gif

danny_huston.jpgDanny Huston (O jardineiro fiel, O Aviador) viverá o líder da horda de vampiros que atacará a pacata cidade de Barrow em 30 dias de noite, versão para as telas dos quadrinhos de Steve Niles e Ben Templesmith.

O ataque dos sanguessugas acontece durante os trinta dias em que a cidade mergulha na escuridão, graças à sua posição geográfica - no distante e gelado Alasca.

David Slade (Menina má.com) dirige o filme na Nova Zelândia. Nos papéis principais - xerife e esposa que tentam defender a cidade - estão Josh Hartnett (Falcão negro em perigo) e Melissa George (Alias, Horror em Amityville).

O filme estréia em 19 de outubro de 2007.

 

Steve Niles comenta filme de 30 dias de noite

Por Érico Borgo
9/10/2006

envie_amigo.gif

Pela primeira vez, o diário em vídeo de 30 dias de noite, versão para as telas dos quadrinhos homônimos, traz o roteirista da obra original, o prolífico Steve Niles, comentando a adaptação.

O escritor fala pouco, mas se diz empolgado com o filme, que ele acredita que será fantástico e que todos vão gostar.

Confira

David Slade (Menina má.com) dirige o filme na Nova Zelândia. Nos papéis principais - xerife e esposa que tentam defender a cidade - estão Josh Hartnett (Falcão negro em perigo) e Melissa George (Alias, Horror em Amityville). Danny Huston (O jardineiro fiel, O Aviador) viverá o líder da horda de vampiros.

O filme estréia em 19 de outubro de 2007.

Leia mais sobre 30 dias de noite

[/quote'] 
Lucy in the Sky2007-06-11 10:26:03
Link to comment
Share on other sites

  • 7 months later...

Retiro qualquer elogio q eu tenha feito a essa HQ. No começo estava bom, mas depois aquele excesso de mortes começou a ficar sem graça, e não tinha nada q pudesse manter meu interesse (como personagens extremanente carismáticos, por exemplo). Mas eu posso estar sendo injusta, pq nem terminei de ler. Vou terminar antes de assistir o filme, q tem tudo pra ser um típico produto hollywoodiano. Gostaria q fosse melhor do q a HQ, e acho q até poderia ser, dependendo da direção. Mas não conto com isso. O trailer não é nada demais, e eu não tenho grandes expectativas.

 

 
Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Josh Hartnett comenta 30 dias de escuridão

Ator diz que adora filme de vampiros, mas este tem drama de qualidade

Ao site ShockTillYouDrop, o ator Josh Hartnett (Falcão negro em perigo) falou um pouco sobre a adaptação ao cinema de 30 dias de noite, HQ de Steve Niles e Ben Templesmith, que ele estrela ao lado de Melissa George (Alias, Horror em Amityville).

Hartnett explicou por que aceitou estrelar a produção. "Bem, foi por este ser um filme sobre vampiros, e eu simplesmente acho os filmes com vampiros incríveis... Sempre fui fascinado, e li os quadrinhos e adorei", comentou.

"O filme não é apenas aquele corre-corre e muita gritaria à toa. Meu personagem é complexo, que busca uma saída de uma situação em que ele pode ser sacrificado ou causar o sacrifício de alguém que ele ama. Trata-se de um drama de qualidade... Gostei muito, foi uma experiência muito prazerosa", completou.

David Slade (Menina má.com) dirige o filme. Na história, a sonolenta e reclusa cidade de Barrow, no Alasca, está vendo chegar a época do ano em que ficará um mês sem sol. A escuridão é tudo o que deseja a faminta horda de vampiros que invade Barrow. Resta aos moradores do lugar se proteger como puderem.

O filme estréia em 19 de outubro nos EUA. No Brasil, com o título 30 Dias de Escuridão, em 30 de novembro.

Link to comment
Share on other sites

Site oficial de 30 Dias de Escuridão é inaugurado com trailer para maiores

Página ainda oferece jogo de tiro e novos papéis-de-parede

A Sony Pictures colocou no ar o site oficial da adaptação ao cinema de 30 dias de noite, HQ de Steve Niles e Ben Templesmith.

A página apresenta informações sobre o filme e sobre a HQ, novos papéis-de-parede e um divertido jogo de tiro ambientado no cenário do filme. No mesmo site, se você clicar na seção para maiores de 18 anos, poderá conferir o trailer adulto e mais algumas cenas do filme, que já haviam sido exibidas no sábado na Comic-Con. Visite.

Na história, a sonolenta e reclusa cidade de Barrow, no Alasca, está vendo chegar a época do ano em que ficará um mês sem sol. A escuridão é tudo o que deseja a faminta horda de vampiros que invade Barrow. Resta aos moradores do lugar se proteger como puderem.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...
  • 2 weeks later...
  • 1 month later...

Pena.04 Normalmente o Rodrigo acerta nas suas considerações. 

 

 Tive a sorte de ler a HQ. É sinistra e tem uma história simples muito bem contada. Mas, pelo visto, o filme... 07

 

Vejamos os comentários da galera... Por enquanto vou deixar pra DVD. E olhe lá!

 

------------------------------------------------- 

 

 

"30 Dias de Noite"
por Rodrigo Carreiro

cr-30daysofnight-i.jpgO que os vampiros mais temem? Errou quem pensou em alho, crucifixos ou estacas de madeira. É só lembrar da maioria dos filmes povoados pelos seres das trevas para perceber que esses objetos podem causar desconforto nos dentuços, mas o modo mais eficaz de matá-los é a luz do sol. Agora, imagine onde seria o paraíso para os seres das trevas? A resposta óbvia: a cidade de Barrow, no extremo norte do Alaska (EUA), onde a proximidade do Pólo Norte faz o sol sumir por 67 dias ininterruptos. A história de “30 Dias de Noite” (30 Days of Night, EUA, 2007) parte desse raciocínio para narrar uma invasão vampiresca à cidadezinha onde Judas perdeu as meias (as botas ele já tinha perdido um pouco antes).

O conceito, bolado pelo roteirista de quadrinhos Steve Niles, é tão simples e engenhoso que surpreende: como é que ninguém havia tido esta idéia antes? Por propósitos dramáticos, Niles modificou a realidade, reduzindo a população de Barrow, dos quatro mil habitantes que existem de fato para pouco menos de 600. Também comprimiu o número de dias de noite sem fim, de 67 para 30 dias redondos. Então, criou uma variação dos filmes sobre cercos de bandidos a vítimas inocentes (a exemplo de “Onde Começa a Inferno”, de Howard Hawks) e escreveu o gibi, publicado em 2002. Com pequenas alterações, é esta a trama do longa-metragem dirigido por David Slade, do bom thriller de suspense “Meninamá.com” (2005).

Infelizmente, apesar da boa sacada do conceito, o longa-metragem se resume à manipulação burocrática dos clichês narrativos de filmes de horror, sem trazer qualquer elemento novo. Slade não vai além de narrar as dificuldades enfrentadas pelo pequeno grupo de habitantes que consegue sobreviver ao ataque inicial dos vampiros. Trata-se de um filme de personagens em que eles, os personagens, não passam de uma coleção unidimensional de estereótipos. Há o herói sempre disposto a se sacrificar pelos demais (Josh Hartnett), o esquisitão que se revela um altruísta (Mark Boone Jr), a heroína (Melissa George) que tem dúvidas a respeito do amor que sente pelo protagonista, o malvadão insensível (Danny Huston), o maluco amigo dos vilões (Ben Foster), o jovem aprendiz que segue os passos do herói (Mark Rendall), e por aí adiante.

Há muito pouco em “30 Dias de Noite” que não tenhamos visto antes. O melhor momento da produção está no primeiro ato, em que David Slade consegue criar certa tensão ao evitar mostrar diretamente os monstros. Em uma série de cenas curtas, todas passadas no último dia de sol (quando boa parte dos cidadãos cai fora de Barrow para passar “férias” num lugar normal), o diretor opta por exibir a preparação do ataque dos seres das trevas, que destroem todos os telefones celulares e também o único helicóptero da cidade, para evitar que os moradores possam fugir ou pedir ajuda. A partir do ataque propriamente dito, enfatizado por uma longa e criativa tomada aérea que mostra o tamanho do estrago deixado pelos vampiros, o filme cai de vez no lugar-comum. E dele não consegue sair mais.

O roteiro, escrito por Stuart Beattie em colaboração com o autor do gibi original, recicla um punhado de histórias parecidas. As referências ao romance “Drácula” são óbvias (o humano que precede a chegada dos vampiros é um maluco que come insetos e vai parar na cadeia, como Renfield do livro de Bram Stocker), mas a trama bebe de outras fontes. O herói, Eben, é o jovem xerife da cidade. Ele está em processo de divórcio da esposa, e o entrevero com os dentuços dos infernos acaba contribuindo para que eles ganhem uma nova chance. Não lembra de onde viu isso antes? Que tal “O Segredo do Abismo” (1989)? Há dezenas de exemplos do mesmo tipo. Quando o cerco dos vampiros aperta, por exemplo, um dos habitantes de Barrow decide tentar escapar atabalhoadamente e pode pôr tudo a perder. Tudo clichê. Você já viu isso antes, muitas vezes.

A decepção com “30 Dias de Noite” é maior porque David Slade havia se mostrado um cineasta promissor em “Meninamá.com”. No filme de 2005, ele havia conseguido criar grande quantidade de tensão usando o mínimo de elementos – dois atores jovens fechados em um par de locações simples. Aqui, porém, ele entrega uma direção preguiçosa, recorrendo a artifícios narrativos batidos, que poucas vezes deixam antever criatividade. Para dar sustos na platéia, por exemplo, Slade põe vultos para cruzar a câmera. Nas seqüências mais agitadas, quando os vampiros atacam, ele usa montagem fragmentada com pequenos jump cuts (rasgões na continuidade temporal). Nada muito radical – apenas o suficiente para criar uma breve sensação de desorientação.

O defeito mais grave de “30 Dias de Noite” é o desenvolvimento inexistente de personagens. Os coadjuvantes humanos, por exemplo, não têm qualquer dimensão emocional. Apenas preenchem necessidades narrativas. Pode pegar qualquer um deles como exemplo. Há no grupo um homem oriental de meia idade que permanece calado o tempo inteiro, abrindo a boca praticamente uma única vez – e então criando um monólogo interessante, que poderia gerar um momento emocional forte. Não funciona, porque o silêncio anterior não deixou a platéia criar uma empatia com ele. Os dois únicos que têm um background ligeiramente mais aprofundado são o casal de protagonistas – e mesmo assim não ficamos sabemos sequer as razões dos desentendimentos anteriores deles. Slade perde todas as chances de criar drama genuíno, a partir da dura situação os sobreviventes. Nunca os vemos enfrentando dificuldades cotidianas, como ir ao banheiro. Essas coisas contribuiriam para dar mais senso de verossimilhança ao filme, mas são deixadas de lado.

Quanto aos vampiros, são apenas máquinas de matar com movimentação e aparência semelhantes a “Extermínio” (2002). Esta característica, é obvio, depõe contra “30 Dias de Noite”. Em todos os bons filmes de vampiros, os seres das trevas funcionam como metáfora para o tema principal que o diretor deseja abordar. O Drácula de Coppola era um homem apaixonado, e o filme falava de amor eterno. Nos filmes da Universal (anos 1930) e da produtora inglesa Hammer (1960), o conde romeno era um sedutor – os longas versavam sobre sexo. Murnau, em “Nosferatu” (1922), criou a figura asquerosa de um rato gigante, uma força da natureza, que mata por sobrevivência (e com grande senso prático). David Slade não criou nada. Seus vampiros são assassinos que matam por vontade de matar. Eles têm os olhos negros e sem vida. Como o filme.

- 30 Dias de Noite (30 Days of Night, EUA, 2007)
Direção: David Slade
Elenco: Josh Hartnett, Melissa George, Danny Huston, Ben Foster
Duração: 113 minutos

Link to comment
Share on other sites

Detalhe básico que o David Slade nunca me pareceu o 'gênio' que seu filme anterior mediano parecia anunciar... Um cara que resume um jogo psicológico tenso entre a garota e o cara num corre-corre desenfreado no final merece o desprezo. Parece que a sua (in)capacidade restou latente neste novo filme... Veremos...

Link to comment
Share on other sites

  • 5 weeks later...

30dias_p_002.jpg

30 Dias de Noite (30 Days of Night; David Slade; 2007)

O Slade já havia mostrado sua predileção por uma montagem cheia de cortes em MeninaMá.com, mas aqui se embaraça por completo no terceiro ato ao retratar um embate entre vampiros. Bom, o coitado também não tinha muita chance, né? Para fazer algo digno de nota com uma história tão estúpida (apesar da boa premissa) só mesmo alguém realmente TALENTOSO e infelizmente Slade não foi uma boa escolha. O filme permeia-se pela frieza e em nenhum momento senti que determinado personagem não mereceu morrer. Gostei do Hartnett, mas infelizmente seu personagem é limitado, impossibilitando um trabalho melhor do ator. O pior mesmo são os vampiros. Meu Deus, não tenho o que falar de bom deles fora a excelente maquiagem (que os transforma em ratazanas repulsivas). Mas fora isso, o que temos são diálogos risíveis e um Danny Huston horroroso (e um Ben Foster espumante hahaha).

Mesmo com um ou outro momento mais tenso, alguns enquadramentos muito bons (gostei principalmente do plano aéreo a invasão inicial dos vampiros), muito gore e uma fotografia muito caprichada, 30 Dias de Noite é uma vergonha sem inteligência. Um filme que mostra uma explosão e o cara voando praticamente inteiro pra fora do prédio é sem dúvida de um QI negativo. 1,75/5

P.S.: Eu li a HQ e é bem podre tbm.

Link to comment
Share on other sites

  • 4 months later...

30 DIAS DE NOITE - 3,5/10 - A premissa era interessantíssima, mas apenas a fotografia e a caracterização dos vampiros fazem jus. É apenas uma vez por ano que a região do Alasca retratada no filme fica trinta dias sem receber a luz do sol, mas o resultado de “30 Dias de Noite” diante do seu fiasco em criar um suspense com o mínimo de tensão revela que a competência do diretor David Slade em “Meninamá.com” deve ter sido sorte de iniciante. O que me recorda de um outro fenômeno natural, o de que um raio nunca acerta o mesmo lugar duas vezes. Depois deste aqui é melhor não esperar pelo seu próximo filme.<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" /><?:NAMESPACE PREFIX = O />

 

PS: O filme não funciona como um suspense no estilo "pós-Pânico", não funciona como "gore", não funciona como terror ... definitivamente não funciona.07
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

Announcements

×
×
  • Create New...