Jump to content
Forum Cinema em Cena

Religião (#3)


Nacka
 Share

Recommended Posts

  • Replies 3.9k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Sou Cristão. Creio em Deus, creio em Jesus, creio na bíblia, mas não creio em pastor!

 

 

 

Amém, Irmãos?! Glória a Deus! 06.gif

 

 

 

-------------------------------------------

 

 

 

Deixa eu aproveitar o tópico e perguntar uma coisinha:

 

 

 

ALGUÉM AQUI SABE QUAIS AS DIFERENÇAS DOUTRINÁRIAS ENTRE SUNITAS E XIITAS????

 

 

 

Sei que os xiitas preferiram seguir Ali, e tem aiatolás ao invés de xeiques. Mas nas práticas e doutrinas, o que muda?

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Texto do século I a.C. pode redefinir os vínculos entre judaísmo e cristianismo

2008/07/07

JERUSALÉM (AFP) — Uma misteriosa tabuleta em pedra que parece datar do século I antes de Cristo pode vir a mudar a percepção sobre as origens do cristianismo e revelar que os judeus, antes mesmo de Jesus Cristo, já acreditavam na chegada de um Messias que morreria e ressuscitaria após três dias.

Isso é o que afirma o pesquisador Israel Knohl, assegurando que sua análise de um texto hebreu escrito nessa lápide 'poderá mudar a visão que temos do personagem histórico de Jesus'.

"Este texto pode constituir o elo perdido entre o judaísmo e o cristianismo à medida que insere na tradição judia a crença cristã na ressurreição de um messias", declarou à AFP este professor de estudos bíblicos da Universidade de Jerusalém.

A peça se encontra em mãos de um colecionador, David Yislsohn, que vive em Zurique, Suíça, e que declarou à AFP tê-la contrado em Londres, de um antiquário jordaniano. A peça procederia da margem jordaniana do Mar Morto.

O texto em hebreu, de natureza apocalíptica, apresenta a "revelação que o arcanjo Gabriel vai despertar o Príncipe dos Príncipes três dias depois de sua morte". O texto está escrito, com tinta sobre a pedra, em 87 linhas e algumas letras ou palavras inteiras foram apagadas pelo tempo.

A análise de Knohl consiste essencialmente em decodificar a linha 80 onde figuram os termos "três dias mais tarde" seguidos por uma palavra meio apagada que, segundo o professor, significa "vive".

A paleontóloga Ada Yardeni é mais prudente no que se refere à palavra "vive".

"A leitura do professor é plausível, apesar de a ortografia utilizada ser raríssima", afirma esta especialista em escrituras antigas, que publicou a primeira descrição da lápide em 2007, na revista de história e arqueologia israelense Cathedra.

Outros pesquisadores também preferem não tirar conclusões tão radicais do texto descoberto e, inclusive, alguns duvidam de sua autenticidade.

Por sua parte, o pesquisador israelense Yuval Goren, especialista em descoberta de falsificações, afirma não ter "detectado nenhum indício de falsificação no texto da tabuleta".

"No entanto, minha análise não se aplicou à tinta", enfatiza o diretor do departamento de arqueologia e culturas antigas da Universidade de Tel Aviv.

Por sua parte, uma arqueóloga que peiu para não ser identificada expressou suas dúvidas sobre a autenticidade desta peça arqueológica.

"É muito estranho que um texto tenha sido escrito com tinta em uma tabuleta de pedra que se tenha conservado até nossos dias. Para ter certeza que não se trata de uma falsificação, seria preciso saber em que circunstâncias e onde exatamente a pedra foi descoberta, o que não é o caso", acrescentou.

O professor Knohl deve apresentar nesta terça-feira sua interpretação em um encontro em Jerusalém por ocasião do 60º aniversário da descoberta dos Manuscritos do Mar Morto.

"Se essa descrição messiânica está realmente lá, isso vai contribuir para desenvolver uma reavaliação da visão popular e da visão acadêmica de Jesus Cristo", comentou o jornal New York Times.

"Isso sugere que a história de Sua morte e ressurreição não era inédita, mas parte de uma reconhecida tradição judia da época".

Links:

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Qual é sua? Em que acredita?

 

 
[/quote']

 

eu "sou" católico, fiz a primeira comunhão (um ano na escola) e não acredito em nada da religião.

 

mas eu acredito que aquele cara, que chamam de Jesus Cristo, já existiu no passado sim.    só que não acredito que o que mostram dele é verdade.

 

Link to comment
Share on other sites

Sou Cristão. Creio em Deus' date=' creio em Jesus, creio na bíblia, mas não creio em pastor!

Amém, Irmãos?! Glória a Deus! 06.gif

-------------------------------------------

Deixa eu aproveitar o tópico e perguntar uma coisinha:

ALGUÉM AQUI SABE QUAIS AS DIFERENÇAS DOUTRINÁRIAS ENTRE SUNITAS E XIITAS????

Sei que os xiitas preferiram seguir Ali, e tem aiatolás ao invés de xeiques. Mas nas práticas e doutrinas, o que muda?[/quote']

 

Os sunitas acreditam  que Maomé não teve sucessores (no sentidode porta-voz divino), portanto nenhuma autoridade religiosa "divinamente iluminada". Eles utilizam as sunas, que são casos exemplares com as atitudes tomadas pelo profeta, e a partir daí são feitas interpretações pelos estudiosos da religião.

Os xiitas, são mais heterodoxos e acreditam mais na figura de um líder religioso que descenderia da linha de Maomé.

Mas vou pesquisar mais sobre o assunto.
Conan o bárbaro2008-07-15 22:45:18
Link to comment
Share on other sites



eu "sou" católico' date=' fiz a primeira comunhão (um ano na escola) e não acredito em nada da religião.

mas eu acredito que aquele cara, que chamam de Jesus Cristo, já existiu no passado sim.    só que não acredito que o que mostram dele é verdade.
[/quote']

 

Caramba... que esforço hein? Além do relato bíblico, temos Filo, Josefo e outros historiadores seculares da época (e posteriores) que atestam a existência de Jesus...
Link to comment
Share on other sites

[quote name=' D]

"É muito estranho que um texto tenha sido escrito com tinta em uma tabuleta de pedra que se tenha conservado até nossos dias. Para ter certeza que não se trata de uma falsificação' date=' seria preciso saber em que circunstâncias e onde exatamente a pedra foi descoberta, o que não é o caso", acrescentou.

"Se essa descrição messiânica está realmente lá, isso vai contribuir para desenvolver uma reavaliação da visão popular e da visão acadêmica de Jesus Cristo", comentou o jornal New York Times.

"Isso sugere que a história de Sua morte e ressurreição não era inédita, mas parte de uma reconhecida tradição judia da época". [/quote']

Desculpa aí a ignorância, mas pq não fazem o tal teste com carbono 14  p/ verificar a idade do artefato?... aff! 17

 
MariaShy2008-07-16 11:36:01
Link to comment
Share on other sites

Desculpa aí a ignorância, mas pq não fazem o tal teste com carbono 14  p/ verificar a idade do artefato?... aff! 17

 
[/quote']

 

O artefato emite carbono 14? Até onde eu saiba só seres vivos mesmo depois de mortos, emitem a substância, mas até aí não sou versado no assunto.

 

E o método do carbono 14 é controverso, não é mais utilizado tanto quanto era antes depois que mostraram que ele não precisa adequadamente a idade do objeto/ser em estudo.
Link to comment
Share on other sites

Poxa, Chucky... Você é católico mas não é e acredita em Jesus Cristo, mas não acha que o que mostram dele é verdade...não se acha um pouco confuso, não? 09 [/quote']

 

<?:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags" />Como assim, “Você é católico mas não é” 06, engraçado isso.<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Eu “sou” católico porque fui batizado na igreja e fiz até a primeira comunhão neste tipo de religião, mas não sigo nada da igreja já faz muito tempo, nem em missa eu vou (já fui faz tempo algumas vezes mas também conto nos dedos as vezes que fui.   Acho simplesmente perda de tempo).   Ultimamente só vou em igreja por causa de casamento.

 

Também não disse que acredito em Jesus, mesmo porque o cara já era faz tempo, não é mesmo 06.   Não teria lógica acreditar em alguém que não tem nem relatos de ossos mais.   Mas acredito que o cara existiu no passado, sim.

 

Agora, o que eu não acredito é o que dizem sobre ele, tipo que vai ressuscitar (mesmo porque ninguém vê o cara 06), a estátua do cara na igreja (quem garante que ele era daquele jeito?).     Enfim, a história dele eu não acredito.
Link to comment
Share on other sites

Texto do século I a.C. pode redefinir os vínculos entre judaísmo e cristianismo

2008/07/07

JERUSALÉM (AFP) — Uma misteriosa tabuleta em pedra que parece datar do século I antes de Cristo pode vir a mudar a percepção sobre as origens do cristianismo e revelar que os judeus' date=' antes mesmo de Jesus Cristo, já acreditavam na chegada de um Messias que morreria e ressuscitaria após três dias.

Isso é o que afirma o pesquisador Israel Knohl, assegurando que sua análise de um texto hebreu escrito nessa lápide 'poderá mudar a visão que temos do personagem histórico de Jesus'.

"Este texto pode constituir o elo perdido entre o judaísmo e o cristianismo à medida que insere na tradição judia a crença cristã na ressurreição de um messias", declarou à AFP este professor de estudos bíblicos da Universidade de Jerusalém.

A peça se encontra em mãos de um colecionador, David Yislsohn, que vive em Zurique, Suíça, e que declarou à AFP tê-la contrado em Londres, de um antiquário jordaniano. A peça procederia da margem jordaniana do Mar Morto.

O texto em hebreu, de natureza apocalíptica, apresenta a "revelação que o arcanjo Gabriel vai despertar o Príncipe dos Príncipes três dias depois de sua morte". O texto está escrito, com tinta sobre a pedra, em 87 linhas e algumas letras ou palavras inteiras foram apagadas pelo tempo.

A análise de Knohl consiste essencialmente em decodificar a linha 80 onde figuram os termos "três dias mais tarde" seguidos por uma palavra meio apagada que, segundo o professor, significa "vive".

A paleontóloga Ada Yardeni é mais prudente no que se refere à palavra "vive".

"A leitura do professor é plausível, apesar de a ortografia utilizada ser raríssima", afirma esta especialista em escrituras antigas, que publicou a primeira descrição da lápide em 2007, na revista de história e arqueologia israelense Cathedra.

Outros pesquisadores também preferem não tirar conclusões tão radicais do texto descoberto e, inclusive, alguns duvidam de sua autenticidade.

Por sua parte, o pesquisador israelense Yuval Goren, especialista em descoberta de falsificações, afirma não ter "detectado nenhum indício de falsificação no texto da tabuleta".

"No entanto, minha análise não se aplicou à tinta", enfatiza o diretor do departamento de arqueologia e culturas antigas da Universidade de Tel Aviv.

Por sua parte, uma arqueóloga que peiu para não ser identificada expressou suas dúvidas sobre a autenticidade desta peça arqueológica.

"É muito estranho que um texto tenha sido escrito com tinta em uma tabuleta de pedra que se tenha conservado até nossos dias. Para ter certeza que não se trata de uma falsificação, seria preciso saber em que circunstâncias e onde exatamente a pedra foi descoberta, o que não é o caso", acrescentou.

O professor Knohl deve apresentar nesta terça-feira sua interpretação em um encontro em Jerusalém por ocasião do 60º aniversário da descoberta dos Manuscritos do Mar Morto.

"Se essa descrição messiânica está realmente lá, isso vai contribuir para desenvolver uma reavaliação da visão popular e da visão acadêmica de Jesus Cristo", comentou o jornal New York Times.

"Isso sugere que a história de Sua morte e ressurreição não era inédita, mas parte de uma reconhecida tradição judia da época".

Links:

 

 

[/quote']

 

Aliás, a religião judaica é a origem de todas as religiões do ocidente.   Através da religião judaica surgiu a cristã.   O islamismo é uma mistura de ambas, portanto, é a mais nova.
Link to comment
Share on other sites

Não sei se emite. Se a tinta usada tiver algo de origem biológica... 

 

 Será que isso fica tão polêmico qto a datação do "Santo Sudário" ?

 

 

 
[/quote']

 

Como o Calvin falou, o Carbono 14 é falho. Há que se lembrar que, no caso do sudário, este passou por 2 incêndios, vários remendos e ficou séculos em contato com os mais diversos tipo de materiais.

 

Ademais, o Sudário foi submetido a mais de 600 testes, e apenas o Carbono 14 deu negativo.

 

O sudário não é pintado. As marcas são "chamuscadas" no pano, e isso lhe confere propriedades tri-dimensionais, o que é impressionante. Além disso existem várias marcas invisíveis, que só são reveladas mediante técnicas que só foram descobertas no século 20.

 

Enfim, diante de tudo isso, eu particularmente creio na autenticidade do mesmo. Se o cara do pano era Jesus ou não, aí já não sei...
Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...