Jump to content
Forum Cinema em Cena

O cinema atual está em crise de criatividade?


Plutão Orco
 Share

  

22 members have voted

  1. 1. O cinema atual está em crise de criatividade?



Recommended Posts

Discutindo sobre um novo prequel e um dos muito prequels de filmes em outro tópico resolvi abrir este tema. O cinema atual está em crise ou não de criatividade?

 

Afinal o que não falta ai são projetos de prequels e reamakes. Filmes com mesmo modus operandi e estou criticando mesmo. Inclusive estou até me criticando e meus gostos.

Gosto muito de filmes de HQ, Épicos e até gostei de algumas prequels e remakes. Mas isto tudo não é uma coisa desgastante? Não aparenta claramente uma imensa falta de criatividade? Temos ai algo realmente novo? Não é ambição dos produtores e estúdios que fazem do cinema (e não é de agora) apenas uma máquina de fazer dinheiro? Reflitam.

Link to comment
Share on other sites

Eu votei no sim pelos motivos ditos aí em cima. A quantidade de remakes é absurda, a quantidade de sequências pra filmes que vão até o a sexta, sétima.. Chega ir no cinema tem sido procurar agulha no palheiro pra achar filmes que sejam interessantes ao ponto de pagar pra isso, pelo menos aqui em Manaus.

 

Acaba que os poucos filmes realmente bons, ou a maioria, quase não são destaque em canto algum. Você acha pela internet. Bate um desânimo ler várias notícias e pensar que somente 30% delas são de filmes que poderiam ser relevantes ou interessantes pra maioria das pessoas que quer algo além do blockbuster ou algo pra assistir no cinema no domingo de noite.

Link to comment
Share on other sites

Será mesmo q remake é tão problema assim?

 

Scarface é remake... 7 Homens e 1 Destino é remake... The Thing é remake... Ben Hur, remake... A Mosca, remake... e vários outros... remake não vem a ser problema, eles sempre existiram e existirão... apenas é problema a forma q eles são feitos...

Link to comment
Share on other sites

Votei em "Sim". Ao menos no que tange a Hollywood. São remakes não só de clássicos, mas de fitas medianas recentes. Reboots de séries cujo cadáver mal esfriou. Franquias baseadas em parques temáticos. Fitas musicais 3D de qualquer artista do momento. Adaptações infinitas de HQs.

 

Não que os filmes resultantes disso sejam sempre ruins, mas de originalidade esse caminho tomado não tem nada.

Link to comment
Share on other sites

Para não desvirtuar o outro tópico que iniciou este...

 

Eu achei ótimo o reboot dos macacos, ja que as sequencias foram uma merda ou uma casa da mãe joana, acho que é válido retomar de forma diferente fontes que secaram devido à incompetência daqueles que produziram os filmes e suas sequencias e por aí vai... Acho que muitas vezes isso pode ser precipitado ou sem critérios, mas no geral é válido... E c'mon... o que orienta os estúdios é a grana, se der bilheteria eles vão explorar até o sabugo, se não der as vezes insistem mesmo assim... Lucro à qualquer preço e não estão nem aí para opiniões, estão ligando é para bilheteria...

 

 

Ainda existem espaço para os trocentos "requentados" assim como para os "originais", como Avatar, Drive, Batman e etc... To nem aí se o filme for refilmado 10 vezes... Assistirei as 10 vezes ou tentarei assistir pelo menos, posso até falar bem ou mal antes, mas opinião formada só terei depois que assistir ou pelo menos tentar...

Link to comment
Share on other sites

O que eu acho também é que a crítica no geral, está muito mais chata.

 

Todo mundo vê um filme, e analisa imediatamente como plágio de alguma coisa. Como uma tentativa de ser alguma coisa.

Essa análise obrigatória sempre em termos absolutos está matando qualquer nicho, e não seria diferente no cinema.

 

Qualquer história, ao ser contada, não foge de todos os clichês. Talvez por que o público precise ver isso, talvez por que a história pede.

Me incomoda a utilização desses artifícios exclusivamente pra vender, porém, quando feito de maneira orgânica à narratva, não tenho do que reclamar.

Link to comment
Share on other sites

Não... a crítica simplesmente está enxergando a tonelada de remakes e reboots a que Hollywood tem se entregado sem parcimônia. A questão é que o cidadão lá em cima disse que isso é sintoma de que a crítica está mais chata e isso não é verdade. A crítica sempre foi como foi, acho até que ela tem sido bem condescendente com o cenário ora posto, de maneira geral...

 

Agora, olhando por determinada perspectiva, se o cinema está em crise "como nos anos 60" isso é bom, significa que em breve virá uma geração de diretores que virará isso de cabeça pra baixo e nos brindará com obras inestimáveis como ocorreu nos anos 70.

Link to comment
Share on other sites

Estou dizendo o mesmo é o cinema em geral e com enfoque comercial incluindo o cinema de Hollywood basicamente também.

 

Estou dizendo como disse no tópico do prequel de o iluminado, que não existe mais uma geração de cineastas fantásticos como surgiu no final de 60 e início de 70 como Martim Scorsese (Taxi Driver, Touro Indomável), Farncis Ford Coppola (Apocalypse Now, Trilogia o Poderoso Chefão), Steven Spielberg (Tubarão, Indiana Jones) e George Lucas (Star Wars).

 

Não que não temos diretores fantásticos, mas não uma quantidade como naquela época de crise. E é muito triste ver que são poucas coisas novas que se sobressaem nestas duas ultimas décadas.

Não temos coisas extremante fantásticas ai como tivemos nas décadas de setenta, oitenta até início de 90:

 

O Poderoso Chefão (1972)

 

Barry Lyndon (1975)

 

Um Estranho no Ninho (1975)

 

Taxi Driver (1976)

 

Chinatown (1974)

 

Guerra nas Estrelas (1977)

 

Tubarão (1975)

 

O Poderoso Chefão II (1974)

 

Laranja Mecânica (1971)

 

O Exorcista (1973)

 

Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1977)

 

Apocalypse NoW (1979)

 

Alien O Oitavo Passageiro (1979)

 

Hair (1979)

 

Superman (1978)

 

O Massacre da Serra Elétrica (1974)

 

Inferno na Torre (1974)

 

A Profecia (1976)

 

A Vida de Brian (1979)

 

Mad Max (1979)

 

O Iluminado (1980)

 

Amadeus (1984)

 

Blade Runner (1982)

 

Império do Sol (1987)

 

Os Gritos do Silêncio (1984)

 

A Missão (1986)

 

Gandhi (1982)

 

Star Wars O Império Contra-Ataca (1980)

 

De Volta Para o Futuro (1985)

 

De Volta Para O Futuro Parte II (1989)

 

E.T Extraterrestre (1982)

 

Platoon (1986)

 

Os Caçadores da Arca Perdida (1981)

 

Indiana Jones e Templo da Perdição (1984)

 

Indiana Jones e a Última Cruzada (1989)

 

O Exterminador do Futuro (1984)

 

Poltergeist (1982)

 

Superman II (1980)

 

Coração Satânico (1987)

 

Nascido Para Matar (1987)

 

A Hora do Espanto (1985)

 

Os Fantasmas se Divertem (1988)

 

Os Intocáveis (1987)

 

Arizona Nunca mais (1987)

 

O Ultimo Imperador (1987)

 

Curtindo A Vida Adoidado (1986)

 

Conta Comigo (1986)

 

O Segredo do Abismo (1989)

 

 

A História Sem Fim (1984)

 

Um Lobisomem Americano Em Londres (1981)

 

A Mosca (1986)

 

Batman (1989)

 

Quero Ser Grande (1988)

 

Nascido Em 4 de Julho (1989)

 

Carruagens de Fogo (1981)

 

Scarface (1983)

 

A Cor Púrpura (1985)

 

Ligações Perigosas (1988)

 

Inimigo Meu (1985)

 

Máquina Mortífera (1987)

 

Highlander (1986)

 

Greystoke A Lenda de Trazan O Rei da Selva (1984)

 

O Nome da Rosa (1986)

 

Mississipi Em Chamas (1988)

 

Férias Frustradas (1983)

 

Corra Que Polícia Vem Aí! (1988)

 

O Predador (1987)

 

A Guerra do Fogo (1981)

 

Touro Indomável (1980)

 

Rain Man (1988)

 

Os Fantasmas Contra Atacam (1988)

 

Os Gonnies (1985)

 

Aliens O Resgate (1986)

 

Conan, O Bárbaro (1982)

 

RoboCop (1987)

 

Pulp Fiction (1994)

 

Meu Primeiro amor (1981)

 

Um Dia de Fúria (1993)

 

Ed Wood (1994)

 

Os Bons Companheiros (1990)

 

A Lista de Schindler (1993)

 

O Silêncio dos Inocentes (1991)

 

Dança Com lobos (1990)

 

Uma Linda Mulher (1990)

 

Instinto Selvagem (1990)

 

Tomates Verdes Fritos (1991)

 

JFK Pergunta que Não quer Calar (1991)

 

Thelma & Louise (1991)

 

Tempo de Despertar (1990)

 

Edward Mãos de Tesoura (1990)

 

Batman O Retorno (1992)

 

Chaplin (1992)

 

Orlando A Mulher Imortal (1992)

 

Entrevista Com O Vampiro (1994)

 

O Profissional (1994)

 

O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento Final (1991)

 

Jurassic Park (1993)

 

Drácula de Bran Stoker (1992)

 

Frankenstein de Mary Shelley (1994)

 

Um Sonho de Liberdade (1994)

 

E olha que coloquei os filmes mais famosos e de maiores destaque de sua época e não incluindo os filmes europeus, que influenciaram outros filmes tanto quanto os filmes de língua inglesa.

Agora se for fazer de final de 90 até os dias de hoje vai ser uma lista bem limitada. Eu não consigo fazer uma que consiga passar de duas páginas. Será que isto não quer dizer nada? Olham que esses filmes ai famosos muitos de entretenimento são na sua maioria, bem diferentes da geração de hoje. E se pode contar nos dedos o que realmente temos de criatividade cinematográfica. Não estou dizendo eu o cinema é ruim ou melhor. Mas acho difícil achar ai no mesmo ano filmes como a grandeza de Apocalypese Now, Taxi Driver, Amadeus, Blade Runner e tantos outros por ai. Podem até ser excelentes filmes. Mas será que são tão formidáveis assim como estes clássicos?

 

Eu acho que se Hollywood esta em crise agora, então ela sempre esteve. A Hollywood de hoje não é diferente da de 20, 50 ou 60 anos atrás. Existem ciclos e ciclos de filmes, principalmente se estamos falando de cinema de gênero.

 

Tem até livros sobre a crise de 60 de Hollywood. Olha:

http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2854200/como-a-geracao-sexo-drogas-e-rock%27n%27roll-salvou-hollywood-capa-azul

E só olhar padrões. O histórico de filmes que ai vai perceber que algo de podre está acontecendo na Dinamarca cinematográfica.

Link to comment
Share on other sites

Eu acho que se Hollywood esta em crise agora, então ela sempre esteve. A Hollywood de hoje não é diferente da de 20, 50 ou 60 anos atrás. Existem ciclos e ciclos de filmes, principalmente se estamos falando de cinema de gênero.

 

O "ciclo" pode ser considerado "crise"...

Link to comment
Share on other sites

O "ciclo" pode ser considerado "crise"...

Discordo. Quando eu digo ciclo, me refiro ao comentario ai de cima que diz que nossa epoca esta presa a um mesmo formato. Mas toda epoca teve o seu formato, inclusive os alaredanos anos 70. Então repito, se Hollywood esta em crise agora, então ela sempre esteve.
Link to comment
Share on other sites

Discordo. Quando eu digo ciclo, me refiro ao comentario ai de cima que diz que nossa epoca esta presa a um mesmo formato. Mas toda epoca teve o seu formato, inclusive os alaredanos anos 70. Então repito, se Hollywood esta em crise agora, então ela sempre esteve.

 

Cinema tem o mesmo formato? Tem certeza? Só pegando dos que citei como Martim Scorsese, Francis Ford Coppola e Steven Spielberg. O cinema deles são diferenciados na verdade bem diferenciados.

 

Até Spielberg e James Cameron são diferentes. E olha que ambos são diretores de filmes de entretenimentos e não tem a mesma metodologia cinematográfica de contar estórias.

 

 

PLUTÃO, a crise de 60 foi uma crise financeira. Crise financeira não é sinonimo de crise criativa.

 

A crise era financeira e criativa também inclusive está na sinopse deste livro que postei o link.

 

Olha:

 

Francis Ford Coppola, Martin Scorsese, George Lucas, Steven Spielberg, Robert Altman - eles fazem parte da geração de cineastas que reescreveu o script da Hollywood dos anos 70, com filmes como Bonnie e Clyde, Sem Destino, O Poderoso Chefão, A Última Sessão de Cinema e Taxi Driver, que se tornaram clássicos modernos e revolucionaram a maneira de conceber, produzir e fazer filmes. Em Como a geração sexo-drogas-e-rock'n'roll salvou Hollywood, Peter Biskind recria aquela "década dos diretores", um dos períodos mais excitantes da história do cinema, que tem início com o lançamento de Sem Destino, no final da década de 60, e termina com Touro Indomável e uma Beverly Hills marcada pelo consumo de cocaína, já nos anos 80. Fundamentado em centenas de entrevistas com diretores, produtores, estrelas, agentes, roteiristas, executivos dos estúdios, esposas, ex-esposas e namoradas, esse é o relato mais completo sobre aquele universo comandado por jovens diretores em ascensão. Nunca tantas celebridades falaram com tanta franqueza umas sobre as outras ou sobre drogas, sexo e dinheiro, que levaram muitas ao fundo do poço - de onde jamais voltaram. Construído com a inteligência de um filme de Robert Altman, e escrito com talento, ousadia e uma honestidade impiedosa, Como a geração sexo-drogas-e-rock'n'roll salvou Hollywood revela a história secreta da era mais criativa de Hollywood desde o apogeu dos grandes estúdios. É considerado por críticos de cinema e cinéfilos uma obra fundamental.

 

http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2854200/como-a-geracao-sexo-drogas-e-rock%27n%27roll-salvou-hollywood-capa-azul

Link to comment
Share on other sites

Mas esses dai são lançadores de tendencia e padrão. Eles não seguem o padrão, eles fazem o padrão.

 

Mas esquece que durante este periodo tiveram inumeros filmes que seguiram a mesmissima estética proposta pelos formadores. Alguns filmes bons, outros grandes merdas.

 

E nos dias de hoje, temos sim diretores com metodologia diferente. Dois ingleses que migraram pra Hollywood, por exemplo. Christopher Nolan é totalmente diferente do Guy Ritchie.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
 Share

×
×
  • Create New...