Jump to content
Forum Cinema em Cena

Religião (#3)


Nacka
 Share

Recommended Posts

 

Fala sério... o cara querer comparara escravidão de outrora com o mundo atual.

 

Até parece que antigamente um escravo (quando ficasse de saco cheio), simplesmente abandonava a labuta na hora que quisesse, saía caminhando e falava pra um colega: "ah, quer saber? chega disso! Vou aproveitar e vou ali dar uma volta na praia pra pensar um pouco na vida, ver as meninas e dar um mergulho no mar morto..."06

 

Não se trata do que era melhor ou pior ou "menos malvado". Se trata de escolha. Vc tava trab em péssimas condições mas TINHA ESCOLHA. Mudou, poderia ser pra melhor ou pior não importa... mas VC ESCOLHEU. Entende a diferença?

 

O sistema atual é uma merda mesmo, perverso. Mas querer comparar com a escravidão de tempos remotos pra justificar atos corroborados por sua religião?? Para que tá feio... sem noção.

 

Um monte de gente querendo justificar o injustificável.

 

 
Link to comment
Share on other sites

  • Replies 3.9k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

 

 

 

 

Não é questão de aceitar ou não... O texto dos 144.000 simplesmente não fala de pessoas predestinadas ao céu' date=' mas de um grupo específico de judeus com um propósito específico durante a Tribulação.

 

[/quote']

 

É claro que não fala das pessoas que reinarão com Cristo, mas fala da quantidade e isso (que haveriam pessoas que reinariam com Cristo nos céus) realmente foi predestinado conforme foi citado nos textos de Romanos, Efésios e 1 Tessalonicences que você postou. O textos fazem referência a essas pessoas mas os mesmos não dizem quem serão as pessoas.

 

 

O capítulo inteiro...

 

 

Já li o capítulo todo e o mesmo confirma o que foi citado nos textos de Romanos e de Efésios.

 

 

De novo: não estou confundindo nada. Apenas disse que a Bíblia defende ambas as posições: livre escolha e soberania/onisciência/predestinação de Deus. A racionalização em tentar conciliar ambas as teses é toda do seu lado.

 

E se repetir que estou confundindo as duas coisas' date=' vou tomá-lo por analfabeto funcional, pois só isso explica a confusão que VOCÊ está fazendo com o que eu escrevo. 

 

[/quote']

 

É claro que a Bíblia defende ambas as posições, só que você posts atrás disse que Paulo, ao referir-se à predestinação em Romanos e Efésios, estava se referindo à vida de todos os humanos em geral, o que não faz sentido visto que isso entraria diretamente em choque com a Sua principal atribuição: O amor.

 

Discordo completamente desta posição pq ela viola um dos atributos de Deus: a onisciência. Comento mais sobre isso logo abaixo...

 

 

Qual é o principal atributo de Deus?

 

 

Night' date=' você viola uma das regras básicas de hermenêutica bíblica: explicar um texto com outros textos que nada tem a ver com aquele que deve ser explicado. Difícil discutir assim...

 

[/quote']

 

Violo regras? 2 Timóteo 3: 16, 17 diz: “Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para persuadir, para corrigir e formar na justiça. Assim, o homem de Deus se acha provido de tudo e preparado para toda a boa obra.” (Centro Bíblico Católico)

 

 

Errado' date=' olhe o contexto do texto. Do que Jesus está falando em Mateus 24?  

 

Mais uma regra da hermenêutica violada: tirar o texto do seu contexto.

 

[/quote']

 

Respondendo à sua pergunta: Jesus estava falando da terminação do sistema de coisas.

 

Quem fez a pergunta: "Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?" em Mateus 24:3?

 

 

De novo' date=' a mesma violação hermenêutica descrita acima... Apocalipse começa com uma introdução, onde João fala que passará a descrever a revelação que Jesus lhe deu, informa o objetivo do livro, descreve Jesus glorificado e depois passa para as 7 cartas às igrejas da Ásia. O texto que você citou sobre "guardar a coroa" está no contexto de uma das cartas à uma das sete igrejas.

 

Se você tirar um texto do contexto da próxima vez, eu paro o debate aqui. Meu tempo é escasso demais para ser utilizado com gente que não obedece princípios básicos de interpretação de texto.

 

Essas discussões visam troca de idéias sobre as verdades bíblicas, mas elas devem ser pautadas pela SINCERIDADE dos debatedores para com a sua limitação diante do que foi revelado e sua HUMILDADE para com a autoridade do que está efetivamente escrito e não para o que você acha que está escrito.

 

[/quote']

 

Tudo o que está escrito na Bíblia está em harmonia como um todo e por isso ela é chamada de A Palavra de Deus.

 

 

 

Então o seu deus não é onisciente' date=' logo, ele não é deus, é, como o Nostromo falou, um humano medíocre com superpoderes. O Deus que eu sigo, que me salvou e me libertou das trevas da minha própria arrogância e soberba espiritual e intelectual conhece todos os meus dias, todas as palavras que saem da minha boca e já sabia de antemão que eu escreveria todo esse post para você. Dica: leia Salmo 139 no seu devocional de hoje.

 

[/quote']

 

O meu Deus é o seu Deus e ele é onisciente e tem conhecimento de tudo, é todo-sábio. Por isso, ele pode prever tudo o que deseja prever e com exatidão mas ele não usa a sua onisciência para predestinar as pessoas. O motivo? Sua atribuição principal: O amor.

 

Se Deus predestinasse tudo, incluindo todos os acidentes e atos horríveis que já ocorreram, as pessoas poderiam culpá-lo com razão por todo o sofrimento do mundo. Assim, a predestinação não honra a Deus, mas retrata a Deus como cruel, injusto e desamoroso, justamente o oposto do que a Bíblia diz a seu respeito.

 

Deuteronômio 32:4 - "Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos

justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é."

 

1 João 4:8 - "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor."

 

Mateus 22: 36-38 - "Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento."

Nightcrawler2010-07-28 00:47:23

Link to comment
Share on other sites

 

 

Fala sério... o cara querer comparara escravidão de outrora com o mundo atual.

 

Até parece que antigamente um escravo (quando ficasse de saco cheio)' date=' simplesmente abandonava a labuta na hora que quisesse, saía caminhando e falava pra um colega: "ah, quer saber? chega disso! Vou aproveitar e vou ali dar uma volta na praia pra pensar um pouco na vida, ver as meninas e dar um mergulho no mar morto..."06

 

Não se trata do que era melhor ou pior ou "menos malvado". Se trata de escolha. Vc tava trab em péssimas condições mas TINHA ESCOLHA. Mudou, poderia ser pra melhor ou pior não importa... mas VC ESCOLHEU. Entende a diferença?

 

O sistema atual é uma merda mesmo, perverso. Mas querer comparar com a escravidão de tempos remotos pra justificar atos corroborados por sua religião?? Para que tá feio... sem noção.

 

Um monte de gente querendo justificar o injustificável.

 

 
[/quote']

Ter a liberdade não significa necessariamente que você pode se dar ao luxo de reivindica-la.

Se assim fosse,as pessoas não se submeteriam a patrões,como você bem falou,perversos.

Como falei,não acho certo a escravidão de Israel da mesma forma como não acho certo o sistema de empregos de hoje em dia.Na verdade, o sistema atual é apenas uma ilusão,para que as pessoas realmente achem que se livraram da escravidão.

Mas na sociedade humana,sempre haverá pessoas consideradas inferiores e que se submetem àquelas consideradas superiores.

Mas nem todos enxergam isso, você e o Nostromo são exemplos disso.

As pessoas foram ensinadas a aceitar este modelo de relação, na escola somos treinados a obedecer ordens, com pena de sermos punidos se assim não fizermos.

De que adianta ter liberdade?Se você têm contas para pagar,filho para alimentar,como vai simplesmente sair do emprego?

Se a coisa é tão boa assim,porque advogados estão varrendo rua?Porque secretárias aceitam ter relações com gerentes para manter o emprego?Porque existe o "teste do sofá"?Porque existe o assédio moral nas empresas?Porque empregados aceitam trabalhar sem carteira assinada?

Não Sall e Nostromo,o sistema empregatício dos dias atuais não difere muito do modelo escravagista de Israel.Só não percebe isso quem não quer se dar ao trabalho de olhar além,quem já se acomodou,se acostumou com esta situação.Infelizmente o ser humano é assim,se acostuma fácil,em algumas situações isso é bom,em outras é uma verdadeira armadilha.

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

Sobre o dinheiro' date=' se alguém estiver precisando e eu conseguir ver,

ou a ajuda me for solicitada, não vejo problemas em dar o dinheiro. Se

eu fizer isto uma vez, e a pessoa não usar de forma digna (eu eu

conseguir ver esta verdade) com certeza não ajudarei novamente pois ela

não irá estar se ajudando. (E sim, tenho uma vida social normal). A

diferença que noto é não ajudar quando alguém precisa.

Para resumir este ponto, o espiritismo prega que fora da caridade

não existe salvação. Mas não devemos abrir mão das coisas que nos

ajudam, apenas não devemos colocar o material acima da moral, pois é um

passo para o egoísmo (que na visão espírita é o pior defeito humano).

 

Sobre o racismo, talvez seja a forma com que tu vez as teorias

espíritas. O espiritismo prega a perfeição moral e intelectual, e em

ambas o racismo é errado. (todo preconceito é errado). E não é

superstição, se hoje tu não consegues ver, não te critico, apenas te

digo que um dia tua opinião irá mudar.

 

As provas que tu comenta, acontecem no mínimo a mais de 150 anos.

Mas jamais acontecem para massagear o ego de críticos ou de pessoas que

duvidam. Inspiração vem do mundo espiritual, não do mundo terreno.

Porém, não podes ver se não acreditas, e vice versa. Creio que

ficaremos discutindo o ovo ou a galinha para sempre neste ponto hoje,

no futuro não. Lembre-se que a terra já foi o centro do universo, não é

mesmo?

 

O que posso garantir é que irás mudar de opinião algum dia, e isto

é um fato. Lembre-se que ambas devem andar lado a lado, não em lados

opostos.

[/quote']

 

 

 

Eu acho que você não precisa esperar alguem vir lhe pedir. Todos

sabemos que há inúmeras pessoas precisando. E não é difícil saber como

chegar até elas. E não falei em se desfazer de coisas que te ajudam. A menos que você ache que o seu gasto com futilidades é uma "coisa que te ajuda". Como eu disse antes, conveniência...

 

 

 

Quanto ao racismo, você que sabe. Não vou continuar a discutir isso,

pois já expus o que havia de estranho. Se a

explicação racista do espiritismo para a situação mundial lhe agrada,

fazer o que?

 

 

 

Eu já disse isso antes e vou repetir: se só prova para os crentes, não

é prova. O que acontece há 150 anos é muito charlatanismo e

histeria coletiva.

A Terra nunca foi o centro do universo. Acreditava-se que ela era o

centro do universo. Hoje está provado que ela não é. Que os espíritas

façam o mesmo, se quiserem algum crédito como

ciência.

 

 

 

O único motivo de discutirmos "o ovo ou a galinha" é o fato absurdo de

você querer dar valor científico as suas crenças religiosas. Eu sugiro que você vá estudar sobre o que é ciência (metodologia, filosofia...). E compare com o que o espiritismo faz. Não é ciência. E nem toda a sua fé nisso vai conseguir mudar esse fato.

 

 

 

 

 

Não têm como um assassino tratar bem sua vítima.

 

Não têm como um sequestrador tratar bem sua vítima.

 

Não têm como um ladrão tratar bem sua vítima.

 

Esqueceu essa aqui: "Não tem como um escravagista tratar bem seu escravo".

 

Como falei' date='a escravidão dos israelitas não difere muito dos empregados de hoje em dia.Quer saber se acho esta escravidão correta?Não,não acho.Da mesma forma que não acho correto o sistema de empregos de hoje em dia.

 

blá blá blá...[/quote']

 

Você continua falando a mesma bobagem mesmo com a lógica, as leis, a moral, a ética e os direitos humanos contra você...

 

Quanta teimosia...

 

Eu sou a exceção Nostromo.

De que adianta ter liberdade para sair se o sistema praticamente te obriga a continuar?Sim' date='na teoria todos podem sair de seus empregos se assim quiserem,mas na prática,ninguém pode se dar a este luxo.

Eu mesmo,quando saí,passei por muitas dificuldades,inclusive com a reação negativa das pessoas,como se eu fosse doido de largar o emprego.[/quote']

 

Se a pessoa não usufrui de sua liberdade, é problema dela. O importante é que ela possui a liberdade. Assim como você possui e faz uso dela.

 

Culpar "o sistema" (seja lá o que isso for para você) é apenas mais papo furado de quem não quer aceitar que o mundo é mais complexo do que sua mente pode conceber. Na falta de um vilão para a novela da vida real, elege-se "O Sistema" para desempenhar esse papel.

 

Nostromo' date='concordo contigo.Só que,como já falei,a escravidão em israel era semelhante aos empregos que temos hoje em dia.Logo,se você acha certo a condição atual,deve achar certo também a escravidão em israel.

 

Apenas para mencionar,direitos fundamentais da humanidade a bem pouco tempo.Porque antes era normal escravizar,pena que não era nos moldes de israel.[/quote']

 

Rafal, corta essa conversa fiada. Escravidão é escravidão. Trabalho assalariado é trabalho assalariado. Pare com essa comparação ridícula.

 

Como o Moonsorrow já resumiu, seu argumento não faz sentido algum e mesmo que fizesse seria apenas mais falácia tu quote.

 

Link to comment
Share on other sites

Aqui entra uma questão: E os espíritos maus? Sabemos que eles existem' date=' em algumas religiões são os demônios. Se eles existem e podem até perturbar ou entrar em contato com os seres humanos, porque não podem escolher encarnar para fazer coisas erradas também?


É como comentei acima, a influência pode ser até ruim, como no caso dos demônios ou espíritos inferiores. E quando você diz que desencarnados não sofrem interferência, me pergunto como funciona essa escolha para vir reparar o erro... Você já aceita que os espíritos sempre querem evoluir fazendo coisas boas quando encarnados, mas eu vejo um problema nisso principalmente ao considerar os espíritos inferiores e maus no contexto. Mesmo se os espíritos tiverem orientação divina para isso, podem se rebelar.

 

1) Eu acho arriscado dizer "provas". Até mesmo na ciência, uma vez que é muito comum ouvirmos sobre TEORIAS... É teoria do Big Bang, teoria da relatividade, etc. Eu acho que quando falamos em ciência não estamos necessariamente falando em provas, mas principalmente em teorias e hipoteses que podem ser questionadas. Os dados sim, devem ser confiáveis. Até hoje a relatividade é testada, não é por que o modelo funciona que necessariamente esteja tudo certo e provado.

 

2) Então, esse é um caso de senso comum, a própria ciência deve evitar isso. No futuro, muitas coisas na ciência hoje, podem ser consideradas superstições.

 
[/quote']

 

Boas questões, vamos ver se consigo contribuir.

 

Eu vejo da seguinte forma, para um espírito reencarnar, ele deve estar preparado. Espíritos maus (ou aqueles que ainda não se desligaram completamente da questão material da(s) vida(s) passada(s)) não estão "aptos" para reencarnar. A esolha de vir para este plano não implica diretamente em ter a permissão para vir.

Não acredito que algum espírito sem o mínimo de preparo possa reencarnar. Porém, por mais que esteja preparado, existem escalas de espíritos (quanto a intelectualidade e moralidade) e devido a isto, sofrem com a influência do mundo "invisível".

Quanto a rebeldia, com certeza podem, enquanto encarnados, se retirarem do caminho correto. Porém, quando estiverem plenamente conscientes, irão ter que percorrer o caminho árduo da recuperação e reparação de suas falhas.

 

Quando me refiro a provas, digo pois os espíritas não contestam mais estas questões. Partindo do princípio (que é verdadeiro) que todo ser humano possui mediunidade, divergentes apenas no estilo e na sensibilidade (digo isto pois mediunidade não tem nada a ver com fé, religião, etc, é uma questão humana, podemos dizer que é uma capacidade pois muitas pessoas tem contato com espíritos mesmo sem acreditar em Deus, em demônios (espíritos maus), etc) vou te dar meu exemplo. Minha mediunidade é a de receber e de cura em passes, não posso utilizar estes fatos em meu dia a dia como uma teoria, por isto usei como provas. Entretanto, para aqueles que ainda não tiveram suas "provas", cabe muito bem a expressão teoria, sem problemas! 

 

Espero ter contribuído.
Link to comment
Share on other sites

Perguntei isto porque você falou que o ser escolhe tudo que fará com sua nova vida antes dela começar' date='por isso perguntei se ele escolhe deliberadamente cometer erros.Ok então,ele apenas escolhe os erros que quer corrigir.
Se Jesus já era um ser totalmente evoluído,porque ele passou pela terra?A terra não é o local aonde o ser conserta seus erros?
[/quote']

 

Sim, escolhe os reparos e os caminhos para evoluir. Porém somos seres livres em arbítrio. E Jesus veio a Terra (primeira e única vez por enquanto) para mostrar o modelo a ser seguido.
Link to comment
Share on other sites


Eu acho que você não precisa esperar alguem vir lhe pedir. Todos sabemos que há inúmeras pessoas precisando. E não é difícil saber como chegar até elas. E não falei em se desfazer de coisas que te ajudam. A menos que você ache que o seu gasto com futilidades é uma "coisa que te ajuda". Como eu disse antes' date=' conveniência...

Quanto ao racismo, você que sabe. Não vou continuar a discutir isso, pois já expus o que havia de estranho. Se a explicação racista do espiritismo para a situação mundial lhe agrada, fazer o que?

Eu já disse isso antes e vou repetir: se só prova para os crentes, não é prova. O que acontece há 150 anos é muito charlatanismo e histeria coletiva. A Terra nunca foi o centro do universo. Acreditava-se que ela era o centro do universo. Hoje está provado que ela não é. Que os espíritas façam o mesmo, se quiserem algum crédito como ciência.

O único motivo de discutirmos "o ovo ou a galinha" é o fato absurdo de você querer dar valor científico as suas crenças religiosas. Eu sugiro que você vá estudar sobre o que é ciência (metodologia, filosofia...). E compare com o que o espiritismo faz. Não é ciência. E nem toda a sua fé nisso vai conseguir mudar esse fato.

[/quote']

 

Só digo o seguinte, não comentei em momento algum o que faço com meu dinheiro, se ajudo ou não, apenas falei em exemplos. Se ir obter conhecimento e saúde mental (cinema) é dinheiro gasto de forma fútil em sua opinião, ok, mas não passa disto OPINIÃO.

Explicação racista, novamente opinião. Cada um tem a sua. O mesmo se aplica a charlatanisse e histeria coletiva.

Mediunidade e espíritos, não tem nada a ver com religião, pois são inerentes ao organismo como um todo. Inúmeras pessoas (inclusive eu) obtem contato com o mundo invisível mesmo antes de acreditar ou ter fé.

Creio que meus estudos (acadêmicos e pós acadêmicos) contemplam o conceito de ciência, mas muito obrigado pela dica.
Link to comment
Share on other sites



É claro que não fala das pessoas que reinarão com Cristo' date=' mas fala da quantidade e isso (que haveriam pessoas que reinariam com Cristo nos céus) realmente foi predestinado conforme foi citado nos textos de Romanos, Efésios e 1 Tessalonicences que você postou. O textos fazem referência a essas pessoas mas os mesmos não dizem quem serão as pessoas. [/quote']

 

O texto fala de JUDEUS que tinham um propósito ESPECÍFICO na tribulação. Não dá margem para concluir que aquele número é de pessoas que reinarão no céu com Cristo.

Já li o capítulo todo e o mesmo confirma o que foi citado nos textos de Romanos e de Efésios.

 

Argumento fail... 1 Tessalonicenses 4 não fala de predestinação...

 

Começo a suspeitar que falta sinceridade nas suas colocações.


É claro que a Bíblia defende ambas as posições' date=' só que você posts atrás disse que Paulo, ao referir-se à predestinação em Romanos e Efésios, estava se referindo à vida de todos os humanos em geral, o que não faz sentido visto que isso entraria diretamente em choque com a Sua principal atribuição: O amor.[/quote']

 

Não faz sentido na sua cabecinha... E Deus não tem um atributo principal. Todos os seus atributos são absolutos e coexistem em perfeita harmonia.

Qual é o principal atributo de Deus?

 

Veja a resposta acima. Deus não tem um atributo principal' date=' mas vários atributos e todos eles absolutos. Deus não é mais amor do que é justiça ou santidade...


Violo regras? 2 Timóteo 3: 16, 17 diz: “Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para persuadir, para corrigir e formar na justiça. Assim, o homem de Deus se acha provido de tudo e preparado para toda a boa obra.” (Centro Bíblico Católico)

 

Está violando de novo... Vou parar por aqui. 07

Tudo o que está escrito na Bíblia está em harmonia como um todo e por isso ela é chamada de A Palavra de Deus.

 

Concordo plenamente... é o entendimento equivocado de vocês que transforma o todo harmonioso em uma bagunça tremenda. 


O meu Deus é o seu Deus e ele é onisciente e tem conhecimento de tudo' date=' é todo-sábio. Por isso, ele pode prever tudo o que deseja prever e com exatidão mas ele não usa a sua onisciência para predestinar as pessoas. O motivo? Sua atribuição principal: O amor.

Se Deus predestinasse tudo, incluindo todos os acidentes e atos horríveis que já ocorreram, as pessoas poderiam culpá-lo com razão por todo o sofrimento do mundo. Assim, a predestinação não honra a Deus, mas retrata a Deus como cruel, injusto e desamoroso, justamente o oposto do que a Bíblia diz a seu respeito.

Deuteronômio 32:4 - "Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é."

1 João 4:8 - "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor."

Mateus 22: 36-38 - "Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento."
[/quote']

 

Ok... vc não sabe o que é onisciência em sua plenitude e o que ela implica... I rest my case.
Link to comment
Share on other sites

Dook,

Só uma pergunta:Você acredita que Deus escolhe qual será o destino da pessoa ou ele apenas sabe o que ela fará?

 

 

Rafal' date=' mesmo se o seu argumento fizesse sentido ele ainda seria uma falácia tu quoque.

[/quote']

Não vejo como isso tira o mérito do meu argumento.

Como falei,não estou defendendo a escravidão em israel.

Apenas estou falando que na pratica,a coisa não mudou hoje em dia.

Ou alguém aqui pode se dar ao luxo de sair do emprego?

O ser humano com o passar dos tempos foi criando novos sistemas comerciais,sistemas que vinham para resolver o problema do anterior e nada mais.

Antes tínhamos o escambo,mas ele esbarrava no problema de troca de grandes produtos,então criamos o dinheiro.

Antes tínhamos a escravidão,mas ele esbarrava no problema da falta de liberdade e da dificuldade de conseguir bons escravos,então se criou os empregos.

Mas o emprego veio apenas para resolver o problema da falta de liberdade e da incapacidade de conseguir o escravo de outra pessoa.

Porém,a relação de superioridade e a submissão do empregado continuam e é isso que estou falando.

Basta comparar o índice de pessoas insatisfeitas com seu trabalho e o índice de pessoas que pedem demissão.

 

Esqueceu essa aqui: "Não tem como um escravagista tratar bem seu escravo".

Sim' date='têm.

Basta ele dar casa,comida e trabalho para o escravo.

Para você ver como o tratamento era bem feitos,a lei mosaica estipulava regras para quando o escravo queria CONTINUAR servindo o amo após o término do tempo de serviço.

 

Você continua falando a mesma bobagem mesmo com a lógica, as leis, a moral, a ética e os direitos humanos contra você...

Estamos aqui tratando de uma situação que ocorria séculos atrás,como você quer julgar sob a lógica,a lei, a moral,a ética e os direitos humanos dos dias atuais?

Como falei,não acho correto a escravidão,mas sou capaz de admitir que é o único sistema empregatício que os humanos daquela época podiam conceber.

 

Se a pessoa não usufrui de sua liberdade' date=' é problema dela.[/quote']

Que coisa linda....é exatamente disto que estou falando,criamos uma falsa liberdade e jogamos o problema para as costas dos "inferiores" apenas para que estes aceitem e continuem sendo escravizados.

 

Rafal' date=' corta essa conversa fiada. Escravidão é escravidão. Trabalho assalariado é trabalho assalariado. Pare com essa comparação ridícula.

[/quote']

A comparação parece ridícula apenas porque o modelo de empregos que criamos é ridículo.

Estude o modelo prussiano,que é o modelo usado nas escolas, e veja qual a finalidade dele e então me diga se estamos tão distantes assim da escravidão.

Não sei se é necessário mencionar,mas na escravidão em Israel não existia chicote,nem era feita por raça e muito menos existia senzala.

Lá o escravo recebia salário e tinha uma casa própria.

A unica igualdade era que o escravo não podia largar o emprego.

 

Sim' date=' escolhe os reparos e os caminhos para evoluir. Porém somos seres livres em arbítrio. E Jesus veio a Terra (primeira e única vez por enquanto) para mostrar o modelo a ser seguido.

[/quote']

Entendo.

Qual o papel de Deus nisto tudo?

Então um ser evoluído pode continuar vindo à Terra?

Sobre Jesus,ele teve vidas passadas?Se ele voltar à Terra,ele voltará em outro corpo ou no mesmo corpo?

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

O texto fala de JUDEUS que tinham um propósito ESPECÍFICO na tribulação. Não dá margem para concluir que aquele número é de pessoas que reinarão no céu com Cristo.

 

 

Tudo bem' date=' você não é obrigado a acreditar em Apocalipse 14: 1 - 4.

 

 

Argumento fail... 1 Tessalonicenses 4 não fala de predestinação...

 

Começo a suspeitar que falta sinceridade nas suas colocações.

 

 

Fiz referência à chamada celestial e a mesma foi predestinada por Deus. Os 144.000.

 

 

Não faz sentido na sua cabecinha... E Deus não tem um atributo principal. Todos os seus atributos são absolutos e coexistem em perfeita harmonia.

 

 

Leia 1 João 4:8.

 

Veja a resposta acima. Deus não tem um atributo principal' date=' mas vários atributos e todos eles absolutos. Deus não é mais amor do que é justiça ou santidade...

 

[/quote']

 

Deus possui muitas qualidades como a onisciência, mas as suas principais qualidades são: Amor, Justiça, Sabedoria e Poder. Como eu lhe disse anteriormente, a Sua onisciência é baseada no amor que ele tem para com as suas criaturas.

 

 

Está violando de novo... Vou parar por aqui. 07

 

 

Sem comentários 14

 

Concordo plenamente... é o entendimento equivocado de vocês que transforma o todo harmonioso em uma bagunça tremenda. 

 

 

Não não' date=' você não pode dizer que nosso entendimento é equivocado, assim como eu também não posso dizer que o seu entendimento é equivocado. Se eu alguma vez lhe disse diretamente (ou indiretamente) que o seu entendimento é equivocado, peço desculpas.

 

 

Ok... vc não sabe o que é onisciência em sua plenitude e o que ela implica... I rest my case.

 

 

Se você quer acreditar que o seu Deus é cruel, injusto, desamoroso e que predestina as pessoas eu respeito isso. Porém, eu acharei que o meu Deus é amoroso, justo e leal.

 

Link to comment
Share on other sites

Dook' date='
Só uma pergunta:Você acredita que Deus escolhe qual será o destino da pessoa ou ele apenas sabe o que ela fará?[/quote']

 

Hein? Como é que se "escolhe qual será o destino"? 06

 

Rafalzito, Deus sabe tudo o que você vai fazer, desde antes de você nascer... ele sabe se você vai peidar daqui a 5 segundos; sabe se daqui a 10 anos você vai trair a sua esposa e mentir para ela dizendo é fiel; sabe se você realmente é salvo e se você irá reinar no céu com Cristo (?) ou se irá morar no paraíso terrestre no milênio...

 

Enfim, Deus sabe de todas as coisas de antemão, inclusive TODAS as escolhas que você vai fazer durante toda a sua vida...
Link to comment
Share on other sites

Tudo bem' date=' você não é obrigado a acreditar em Apocalipse 14: 1 - 4.[/quote']

 

06

 

Mas eu acredito em Apocalipse 14:1-4... Eu não acredito é na leitura equivocada que os TJs fazem deste texto ignorando o que diz Apocalipse 7:4-8.

Fiz referência à chamada celestial e a mesma foi predestinada por Deus. Os 144.000.

 

1 Tessalonicenses 4 não fala da chamada celestial' date=' não a que vocês crêem...

Leia 1 João 4:8.

 

1 João 4:8 não diz que o único e/ou principal atributo de Deus é o amor... Apenas afirma que Deus é amor...

Deus possui muitas qualidades como a onisciência' date=' mas as suas principais qualidades são: Amor, Justiça, Sabedoria e Poder. Como eu lhe disse anteriormente, a Sua onisciência é baseada no amor que ele tem para com as suas criaturas.[/quote']

 

Não tem essa de que a onisciência é baseada no amor... Atributos divinos não derivam de outros atributos divinos, eles são absolutos em si mesmos e todos eles tem o mesmo peso. Sério, Night, sugiro que você estude um pouco sobre teologia. Seu conhecimento de Deus será ampliado consideravelmente e você vai perceber que muito do que vc fala não tem base bíblica concreta e contextualizada, só achismo...


Não não' date=' você não pode dizer que nosso entendimento é equivocado, assim como eu também não posso dizer que o seu entendimento é equivocado. Se eu alguma vez lhe disse diretamente (ou indiretamente) que o seu entendimento é equivocado, peço desculpas.[/quote']

 

Não há do que se desculpar... vc nunca disse que meu entendimento é equivocado. Eu não tenho meu entendimento sobre o assunto dos 144.000, estou expondo o entendimento bíblico... É só ler Apocalipse 7:4-8... Lá está dizendo expressamente que são judeus das 12 tribos de Israel. Você vai querer discutir o quê agora? Vai dizer que tem dois grupos de 144.000?
Link to comment
Share on other sites

Não há do que se desculpar... vc nunca disse que meu entendimento é equivocado. Eu não tenho meu entendimento sobre o assunto dos 144.000, estou expondo o entendimento bíblico... É só ler Apocalipse 7:4-8... Lá está dizendo expressamente que são judeus das 12 tribos de Israel. Você vai querer discutir o quê agora? Vai dizer que tem dois grupos de 144.000?

Então vamos lá, Apocalipse 7: 4 - 8 diz: "E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel. Da tribo de Judá, havia doze mil assinalados; da tribo de Rúben, doze mil assinalados; da tribo de Gade, doze mil assinalados; Da tribo de Aser, doze mil assinalados; da tribo de Naftali, doze mil assinalados; da tribo de Manassés, doze mil assinalados; Da tribo de Simeão, doze mil assinalados; da tribo de Levi, doze mil assinalados; da tribo de Issacar, doze mil assinalados; Da tribo de Zebulom, doze mil assinalados; da tribo de José, doze mil assinalados; da tribo de Benjamim, doze mil assinalados."

 

Como você mesmo disse, são 12 tribos dos filhos de Israel com 12 mil assinalados cada tribo.

 

12.000 assinalados x 12 tribos de Israel: 144.000 assinalados como mostra o versículo 4.

 

Portanto, os textos de Apocalipse 7: 4 - 8 e 14: 1 - 4 estão em harmonia.

Nightcrawler2010-07-28 18:19:40

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

06

 

Mas eu acredito em Apocalipse 14:1-4... Eu não acredito é na leitura equivocada que os TJs fazem deste texto ignorando o que diz Apocalipse 7:4-8.

 

 

Os dois textos estão em harmonia um com o outro.

 

 

1 Tessalonicenses 4 não fala da chamada celestial' date=' não a que vocês crêem...

 

[/quote']

 

Leu, por exemplo, o versículo 16?

 

 
Não tem essa de que a onisciência é baseada no amor... Atributos divinos não derivam de outros atributos divinos' date=' eles são absolutos em si mesmos e todos eles tem o mesmo peso. Sério, Night, sugiro que você estude um pouco sobre teologia. Seu conhecimento de Deus será ampliado consideravelmente e você vai perceber que muito do que vc fala não tem base bíblica concreta e contextualizada, só achismo...

 

[/quote']

 

Como você mesmo disse: "Atributos divinos não derivam de outros atributos divinos, eles são absolutos em si mesmos e todos eles tem o mesmo peso."

 

E eu concordo com tudo isso, porém o texto diz que Deus é amor não diz que tem amor, ter alguma coisa não é o mesmo que ser alguma coisa. Isso mostra que o amor é a parte fundamental de Deus como pessoa. E embora ele tenha muitos atributos que são todos absolutos em si mesmo, como a empatia, a lealdade, a fraternidade, porém ele usa todas estas junto com o amor que é a sua principal qualidade.

 

Qual é o primeiro mandamento que Jesus nos ensinou?

Nightcrawler2010-07-30 15:37:14

Link to comment
Share on other sites

Hein? Como é que se "escolhe qual será o destino"? 06

 

Rafalzito' date=' Deus sabe tudo o que você vai fazer, desde antes de você

nascer... ele sabe se você vai peidar daqui a 5 segundos; sabe se daqui

a 10 anos você vai trair a sua esposa e mentir para ela dizendo é fiel;

sabe se você realmente é salvo e se você irá reinar no céu com Cristo

(?) ou se irá morar no paraíso terrestre no milênio...

 

Enfim, Deus sabe de todas as coisas de antemão, inclusive TODAS as escolhas que você vai fazer durante toda a sua vida...

[/quote']

Ok.

Então você têm o mesmo pensamento que eu:Deus não escolhe qual será seu destino,ele simplesmente sabe as coisas que você fará.

Porque,como o Nightcrawler falou,se Deus escolhesse qual será o destino da pessoa,ele não estaria sendo amoroso,já que algumas pessoas sofrem bastante na vida.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

Fato. E existe uma forma bem simples de fantasiar em conjunto: histeria

coletiva. Acontece frequentemente. Principalmente em rituais

religiosos' date=' mas também fora deles. Hipnose é outra forma. Usar alucinógenos é outra forma.

 

 

 

E eu volto a dizer que religião é religião, ciência é ciência. O

cientista pode ser o que quiser fora do laboratório. Católico, hindu,

muçulmano, espírita, umbandista... Isso é uma escolha pessoal dele.

Desde que não se misture com o trabalho, nenhum problema.

 

[/quote']

 

 

concordo, um bom cientísta nem entra em questões religiosas, a religião é uma crensa da pessoa como pessoa, não da pessoa como um cientísta, como crença científica 03

 

É claro que as coisas sempre se misturarão, mas executar uma busca e um saber científico o mais separado possível da crença religiosa é fundamental para se fazer ciência. A ciência tem que ser mais constatação do que crença, a balança tem que pender mais pra primeira do que pra segunda 03

 

 

Ora' date=' ainda tenho que explicar a diferença? Se você mesmo disse que decidiu sair, eu ainda tenho que explicar?!

 

Você e seus antigos colegas de trabalho pelo menos tem a liberdade de sair quando quiserem. Você saiu. Os outros não. Você e eles tem N motivos para suas atitudes. Mas o importante é que tem liberdade para tomarem essas atitudes.[/quote']

 

Ai é que tá, existe a escravidão velada, pois se as necessidades da vida passam pra um sacrifício de sua integridade, uma destruição do seu ser HOMEM, isto É fundamentalmente escravidão, pois você ficará a mercê das vontades de um patrão sobre sua pessoa e suas necessidades, com pena de, em caso de desacato, sofrer demissão e ser entregue ao submundo da "indignidade".

 

Dizer que um escravo não tem escolha é, fundamentalmente, um desconhecimento da natureza humana, pois todos os cidadãos humanos TEM escolha, e as N revoltas escravas que permeiam a história da humanidade, os quilombos, os hebreus,... mostram que a decisão existe por si mesma, independente o que seu chefe, ou dono, ou o que for, faça para impedir.

 

A escravidão em si é, fundamentalmente falando, a desapropriação do homem de si mesmo, a partir do momento que você não pode agir conforme suas necessidades básicas, e não pode colher seus anseios para atender um outro, apartir do momento que sua identidade é a utilidade que exerce por ordem à alguém, isto se faz escravidão em princípios. Todo o ser humano é uma razão em si mesmo, apartir do momento que esse ser humano passa a ser obrigado, seja por lei de posse ou  por uma questão de necessidade, a submeter essas razões às razões de outro, ou outros, já se tem a escravidão em princípios.

 

O salário não é simplesmente uma retribuição pelos trabalhos, mas sim o reconhecimento do trabalhador como pessoa que teve parte de sua vida em função do trabalho, assim como a lei é o reconhecimento da moral e ética da sociedade em escritas normativas, o salário é o reconhecimento do valor do trabalhador em valor monetário. Destituir o trabalhador da pessoa que ele é, é uma agressão escravista em fundamento.

 

P.S: já estou esperando nego confundir e dizer que até uma relação de pai e filho, ou um simples empregado, por mais que seja bem remunerado e bem tratado, é um escavo 07

 

Para começar, não é a quantia de retornos que um homem ganha que o faz escravo ou não, houve escravos no passado que ganhavam muito mais do que ganham N trabalhadores hoje que não considero como escravos, e mesmo assim, eram escravos.... Um empregado bem remunerado, mesmo em termos de milhões de reais, ainda sim pode ser um escravo em fundamento. Ao mesmo tempo que um funcionário que tem uma remuneração comoda ao trabalho que exerce pode não ser um excravo em princípio. Se o emprego prove liberdade de expressão, diálogo e esclarecimentos, se o o empregador tratar o empregado tal qual trata um ser humano qualquer, dotado de razão e com a necessidade de esclarecimentos as necessidades do emprego e da empresa. Se os empregados tem a liberdade de exercer sua integridade, sua identidade e ter seus direitos básicos, como comida, local de descanço,... e ai vai...

 

Um salário digno é claro que é fundamental, pois como já disse, o salário é o reconhecimento do valor do trabalhador como pessoa, e se há uma boa remuneração, há um bom reconhecimento, mas achar que o reconhecimento do trabalhador como pessoa é somente um bom salário, isto é um extremo equivoco, e mais trata-se de "domesticação" do que de uma relação coonvergente.

Gustavo Adler2010-07-29 13:21:07

Link to comment
Share on other sites

 

 

1 - Só digo o seguinte' date=' não comentei em momento algum

o que faço com meu dinheiro, se ajudo ou não, apenas falei em exemplos.

Se ir obter conhecimento e saúde mental (cinema) é dinheiro gasto de

forma fútil em sua opinião, ok, mas não passa disto OPINIÃO.

 

 

 

2 - Explicação racista, novamente opinião. Cada um tem a sua. O mesmo se aplica a charlatanisse e histeria coletiva.

 

 

 

3 - Mediunidade e espíritos, não tem nada a ver com religião, pois são

inerentes ao organismo como um todo. Inúmeras pessoas (inclusive eu)

obtem contato com o mundo invisível mesmo antes de acreditar ou ter fé.

 

 

 

4 - Creio que meus estudos (acadêmicos e pós acadêmicos) contemplam o conceito de ciência, mas muito obrigado pela dica.

 

[/quote']

 

 

 

1 - Também só falei em hipóteses e exemplos, já que não sei (e nem

quero saber) no que você gasta seu dinheiro. E gasto com cinema é fútil

frente a alimentar quem passa fome, por exemplo. Fato. Você pode inventar mil justificativas para aliviar sua consciência. Como essa da "saúde mental". Mas não vai mudar o fato de que gasto com cinema é uma futilidade frente a coisas mais urgentes.

 

 

 

2 - Claro que é minha opinião. Se sou eu que estou escrevendo, de quem mais poderia ser? Quanto a charlatanisse, é fato. Vários casos, inclusive envolvendo o tão adorado Chico Xavier, estão documentados. Histeria coletiva é fato também. Vários casos estão devidamente documentados. Até agora um caso real de fenômeno causado por espíritos, nada...

 

 

 

3 - Errado. Não há qualquer estudo CIENTÍFICO atribuindo mediunidade

aos organismos. "Inúmeras pessoas (incluindo você)" precisam de ajuda

de um psiquiatra, precisam parar de mentir ou precisam provar o que afirmam.

 

 

 

4 - Duvido muito. O simples fato de você achar que existe "um lado estudo científico" no espiritismo já mostra que você não sabe o que é um estudo científico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 - Não vejo como isso tira o mérito do meu argumento.

 

 

 

 

 

2 - Sim' date='têm.

 

Basta ele dar casa,comida e trabalho para o escravo.

 

Para

você ver como o tratamento era bem feitos,a lei mosaica estipulava

regras para quando o escravo queria CONTINUAR servindo o amo após o

término do tempo de serviço.

 

 

 

 

 

3 - Estamos aqui tratando de uma situação que ocorria séculos atrás,como

você quer julgar sob a lógica,a lei, a moral,a ética e os direitos

humanos dos dias atuais?

 

Como falei,não acho correto a

escravidão,mas sou capaz de admitir que é o único sistema empregatício

que os humanos daquela época podiam conceber.[/quote']

 

 

 

1 - Se é uma falácia, não serve como argumento... É dose ter que explicar o básico de lógica...

 

 

 

2 - Que piada... 06

 

 

 

O sequestrador também pode dar "casa, comida e trabalho" para o

sequestrado. E daí? O estuprador também pode fazer isso por sua vítima.

E daí? 06

 

 

 

Impressionante como você não enxerga o quanto seus argumentos são ridículos. Só rindo mesmo... 06

 

 

 

 

3 - Como eu já disse antes: A época era outra, mas o deus é

supostamente o mesmo. Inclusive esse mesmo deus, segundo a bíblia, estava frequentemente entrando em contato. Não há desculpa para ele deixar a escravidão acontecer para um povo. E escravidão não era a única forma de trabalho

concebida pelos humanos daquela época. Novamente você se afunda em

falácias e desconhecimento da história mundial.

 

 

 

 

 

Ai é que tá' date=' existe a escravidão velada, pois se as necessidades da vida passam pra um sacrifício de sua integridade, uma destruição do seu ser HOMEM, isto É fundamentalmente escravidão, pois você ficará a mercê das vontades de um patrão sobre sua pessoa e suas necessidades, com pena de, em caso de desacato, sofrer demissão e ser entregue ao submundo da "indignidade".

 

Dizer que um escravo não tem escolha é, fundamentalmente, um desconhecimento da natureza humana, pois todos os cidadãos humanos TEM escolha, e as N revoltas escravas que permeiam a história da humanidade, os quilombos, os hebreus,... mostram que a decisão existe por si mesma, independente o que seu chefe, ou dono, ou o que for, faça para impedir.

 

A escravidão em si é, fundamentalmente falando, a desapropriação do homem de si mesmo, a partir do momento que você não pode agir conforme suas necessidades básicas, e não pode colher seus anseios para atender um outro, apartir do momento que sua identidade é a utilidade que exerce por ordem à alguém, isto se faz escravidão em princípios. Todo o ser humano é uma razão em si mesmo, apartir do momento que esse ser humano passa a ser obrigado, seja por lei de posse ou  por uma questão de necessidade, a submeter essas razões às razões de outro, ou outros, já se tem a escravidão em princípios.

 

O salário não é simplesmente uma retribuição pelos trabalhos, mas sim o reconhecimento do trabalhador como pessoa que teve parte de sua vida em função do trabalho, assim como a lei é o reconhecimento da moral e ética da sociedade em escritas normativas, o salário é o reconhecimento do valor do trabalhador em valor monetário. Destituir o trabalhador da pessoa que ele é, é uma agressão escravista em fundamento.

 

P.S: já estou esperando nego confundir e dizer que até uma relação de pai e filho, ou um simples empregado, por mais que seja bem remunerado e bem tratado, é um escavo 07

 

Para começar, não é a quantia de retornos que um homem ganha que o faz escravo ou não, houve escravos no passado que ganhavam muito mais do que ganham N trabalhadores hoje que não considero como escravos, e mesmo assim, eram escravos.... Um empregado bem remunerado, mesmo em termos de milhões de reais, ainda sim pode ser um escravo em fundamento. Ao mesmo tempo que um funcionário que tem uma remuneração comoda ao trabalho que exerce pode não ser um excravo em princípio. Se o emprego prove liberdade de expressão, diálogo e esclarecimentos, se o o empregador tratar o empregado tal qual trata um ser humano qualquer, dotado de razão e com a necessidade de esclarecimentos as necessidades do emprego e da empresa. Se os empregados tem a liberdade de exercer sua integridade, sua identidade e ter seus direitos básicos, como comida, local de descanço,... e ai vai...

 

Um salário digno é claro que é fundamental, pois como já disse, o salário é o reconhecimento do valor do trabalhador como pessoa, e se há uma boa remuneração, há um bom reconhecimento, mas achar que o reconhecimento do trabalhador como pessoa é somente um bom salário, isto é um extremo equivoco, e mais trata-se de "domesticação" do que de uma relação coonvergente.

[/quote']

 

A pessoa pode ficar a mercê de seu patrão por diversos motivos. Nunca por falta de liberdade. Se ela não tem estudo, não tem qualificação, precisa sustentar uma família de 12 pessoas... Se por N motivos ela não pode largar o emprego ruim, é outra questão. A pessoa continua tendo sua liberdade. Apenas não a utiliza.

 

As condições de trabalho e condições socioeconomicas já são uma questão totalmente separada da questão tratada aqui que é a liberdade. A liberdade é o princípio de tudo. Sem ela não há nem a chance de se conseguir educação. Sem ela você nem tem a quem recorrer quando alguem lhe explorar.

 

Sim o escravo pode se revoltar. Mas aí é que está o problema. Se ele quiser liberdade, precisa se revoltar. Precisa matar e morrer por isso. Quando isso devia lhe ser garantido. Ele não tem o direito de escolha. Se tivesse, não precisaria uma revolta.

 

Um trabalhador assalariado não é um escravo. Sob nenhum ponto de vista. Isso é uma contradição. Tem tanto sentido quanto dizer que uma porta que está aberta também está fechada ou que a fogueira acesa também está apagada.

 

Discordo quanto ao salário. Ele não é o reconhecimento da pessoa, mas sim do trabalho da pessoa. Você ganha o quanto seu trabalho vale. Até porque é impossível mensurar quanto vale uma pessoa. Se salário fosse reconhecimento do valor da pessoa, provavelmente todos (ou quase) ganhariam a mesma quantia.

Nostromo2010-07-29 15:24:25

Link to comment
Share on other sites

1 - Se é uma falácia, não serve como argumento... É dose ter que explicar o básico de lógica...

 

 

2 - Que piada... 06

 

O sequestrador também pode dar "casa, comida e trabalho" para o sequestrado. E daí? O estuprador também pode fazer isso por sua vítima. E daí? 06

 

Impressionante como você não enxerga o quanto seus argumentos são ridículos. Só rindo mesmo... 06

 

 

3 - Como eu já disse antes: A época era outra, mas o deus é supostamente o mesmo. Inclusive esse mesmo deus, segundo a bíblia, estava frequentemente entrando em contato. Não há desculpa para ele deixar a escravidão acontecer para um povo. E escravidão não era a única forma de trabalho concebida pelos humanos daquela época. Novamente você se afunda em falácias e desconhecimento da história mundial.

1 - Quem definiur como falácia foi o Moon,não eu.

 

2- Sim,pode.Mas no exato momento em que ele estuprar/tirar dinheiro dos famíliares da vítima,acabou o bom tratamento.

 

 

3 - Como falei Nostromo,Deus nos deixou tomar conta de nós mesmo. Com isso,ele não interviu para evitar que as pessoas não sejam escravos,da mesma forma que não intervem para ajudar este povo sofrido que é obrigado a aceitar um emprego que oprime ele.

Escravidão não era a única forma?Qual outra forma você conhece que era usada?

 

A pessoa pode ficar a mercê de seu patrão por diversos motivos. Nunca por falta de liberdade. Se ela não tem estudo, não tem qualificação, precisa sustentar uma família de 12 pessoas... Se por N motivos ela não pode largar o emprego ruim, é outra questão. A pessoa continua tendo sua liberdade. Apenas não a utiliza.

 

As condições de trabalho e condições socioeconomicas já são uma questão totalmente separada da questão tratada aqui que é a liberdade. A liberdade é o princípio de tudo. Sem ela não há nem a chance de se conseguir educação. Sem ela você nem tem a quem recorrer quando alguem lhe explorar.

 

Sim o escravo pode se revoltar. Mas aí é que está o problema. Se ele quiser liberdade, precisa se revoltar. Precisa matar e morrer por isso. Quando isso devia lhe ser garantido. Ele não tem o direito de escolha. Se tivesse, não precisaria uma revolta.

 

Um trabalhador assalariado não é um escravo. Sob nenhum ponto de vista. Isso é uma contradição. Tem tanto sentido quanto dizer que uma porta que está aberta também está fechada ou que a fogueira acesa também está apagada.

 

Discordo quanto ao salário. Ele não é o reconhecimento da pessoa, mas sim do trabalho da pessoa. Você ganha o quanto seu trabalho vale. Até porque é impossível mensurar quanto vale uma pessoa. Se salário fosse reconhecimento do valor da pessoa, provavelmente todos (ou quase) ganhariam a mesma quantia.

 

 

Ter liberdade sem ter condições de usa-la é o mesmo que não ter.

 

Quanto bla bla bla...

 

Acho que os caras precisam rever/estudar a definição da palavra escravo no dicionário. Cada equiparação esdrúxula...

 

escravo

s. m.

1. Cativo, o que vive em absoluta sujeição a outrem.

2. Súbdito de um tirano.

3. Fig. Dependente; dominado por um sentimento, uma ideia.

4. Enamorado.

5. Trás-os-M. Maltratado, mal alimentado.

A definição 3 pode ser usada para os empregados de hoje em dia.

Ele são dependentes de seus empregos e dominados pelo medo de ficarem desempregados.

 

Como falei,ter liberdade é diferente de poder usar tal liberdade.

Eu sou livre para ir e vir,mas tenho medo de subir numa favela controlada pelo tráfico,de quê adianta essa liberdade?

 

Link to comment
Share on other sites

 

E quem disse que o cara não pode usar a liberdade? Ora, cada ato tem uma consequência: alguem pode sair de um emprego miserável e conseguir um outro e crescer na vida. Do mesmo jeito que pode sair e a coisa só piorar. Se ele vai se dar bem ou não isso é consequencia da vida, tudo pode acontecer... mas ele NÃO PERTENCE a nada e nem ninguem. Pode sair aí pelo mundo a hora em que bem entende. Um escravo naquela época poderia fazer isso sem ser sumariamente abatido como gado?? Desnecessário responder...

 

E vc me vem falar que as duas situações são as mesmas e com o mesmo nível de ESCOLHA??? haha piadista. Ora, naquela época nem escolha havia.

 

Vc ainda quer comparar?? Cara, só rindo mesmo... 06

 

Quando se fala em ESCRAVO, fala-se em propriedade. Uma relação onde a propriedade PERTENCE ao seu DONO.

 

Se eu quiser matar MEU gado pra fazer um mega churras, matarei.

Se eu quiser dar MEU cachorro pra alguém eu darei.

Se eu quiser jogar MEU PC no lixo ou quebrá-lo, nada me impede de fazer. Enfim, sou o dono...

 

Só te faço uma pergunta: seu patrão pode fazer o mesmo com vc? Ou vai me dizer que ele era seu dono também?

 

 
Sall2010-07-29 19:22:11
Link to comment
Share on other sites

 

 

 

 

A pessoa pode ficar a mercê de seu patrão por diversos motivos. Nunca por falta de liberdade. Se ela não tem estudo' date=' não tem qualificação, precisa sustentar uma família de 12 pessoas... Se por N motivos ela não pode largar o emprego ruim, é outra questão. A pessoa continua tendo sua liberdade. Apenas não a utiliza.

 

As condições de trabalho e condições socioeconomicas já são uma questão totalmente separada da questão tratada aqui que é a liberdade. A liberdade é o princípio de tudo. Sem ela não há nem a chance de se conseguir educação. Sem ela você nem tem a quem recorrer quando alguem lhe explorar.

 

Sim o escravo pode se revoltar. Mas aí é que está o problema. Se ele quiser liberdade, precisa se revoltar. Precisa matar e morrer por isso. Quando isso devia lhe ser garantido. Ele não tem o direito de escolha. Se tivesse, não precisaria uma revolta.

 

Um trabalhador assalariado não é um escravo. Sob nenhum ponto de vista. Isso é uma contradição. Tem tanto sentido quanto dizer que uma porta que está aberta também está fechada ou que a fogueira acesa também está apagada.

 

Discordo quanto ao salário. Ele não é o reconhecimento da pessoa, mas sim do trabalho da pessoa. Você ganha o quanto seu trabalho vale. Até porque é impossível mensurar quanto vale uma pessoa. Se salário fosse reconhecimento do valor da pessoa, provavelmente todos (ou quase) ganhariam a mesma quantia.

[/quote']

 

Bem, primeiro, acho um equivoco separar a situação socioeconomica do meio de utilização da mão de obra, pois uma coisa está diretamente relacionado a outra. Do que adianta se ter o direito da liberdade se não pode utiliza-la? e não tem meios para tal? A educação seria a ferramenta que daria ao homem poder de romper com os muros e encontrar novos caminhos, mas muitas vezes a educação da forma que vemos hoje só contribuem com a aceitação desses muros.

 

E ora, nós sabemos muito bem que as circunstâncias de trabalho está integralmente envolvida com a vulnerabilidade ou não dos empregados, em empregos com grande concorrencia as relações empregado empregador tendem a ser cada vez mais claustrofóbicas. Se uma pessoa tem uma situação socioeconomica precária isto não o faz perder a liberdade, assim como um negro escravo não perdeu a liberdade, mas faz o ser não enchergar a liberdade ou não ter disposição para atravessar a grande barreira que o impede de seguir o caminho que anseia. A dependência do homem o deixa a mercê dos desmandos dos outros, o problema é quando os outros utilizam-se dessa oportunidade para atropelar tudo o que envolve o outro a fim de interesses próprios.

 

Estava conversando com um amigo mesmo sobre esse assunto, ele trabalha como cozinheiro, e fez um trabalho por 6 meses em uma churrascaria conceituada aqui de Fortaleza, segundo ele o tratamento é dos piores, como bichos, e tinha um cozinheiro que chegou a esse amigo e disse que esse não era o lugar dele, que ele era branco e muito mais inteligente, ele nasceu para cozinhar, enquanto ele, o negro, não tinha nada alem de sua necessidade de sobreviver. Aqui o homem já se torna escravo antes mesmo de o ser, sua crença em valores distorcidos de superioridade e qualidades o levam a ser refém de uma oportunidade inumana. E mais anti-ético são aqueles que se utilizam dessas pessoas desprovido de auto-nomia do ego e da integridade para manter uma relação extremamente vantajosa.

 

E esse homem, como outros milhares, mesmos os homens providos de educação que nosso cotidiano social exige, não tem liberdade pelo simples fato de as oportunidades se reduzirem a esse escopo, é um ciclo vicioso. Para romper com essa relação escravista velada é preciso sim um movimento, um levante de voz, diante essa situação oportunista em que o empregador utiliza a situação de dependencia do empregado. Caso contrário, muitos e muitos  continuaram a migrar de cargos e mais cargos como cavalos a marchar de carruagem para carruagem.

 

E muito se engana que as liberdades dos escravos se resumia a lutas e conflitos, a maioria sim, mas muitos casos não houveram conflitos. Muitos dos quilombos foram de escravos fugitivos cujo os seus "donos" se quer o procuravam, alguns poucos escravos, desproviam de liberdade de ir e vir devido ao reconhecimento que tinha dos seus "donos", até tendo a carta de alforria.

 

Agora, é só olhar para as empegadas domésticas que vagam pelas residências, sempre tendo que ouvir e concentir caladas e submissas aos pitis de madames empacotadas. Mas não que as madames a vejam como bichos ou coisas, mas não deixa de ser uma relação exploratória e que afronta a liberdade e a integridade, pois para a madame a empregada não passa de uma empregada, que vive em função da madame, só que ninguém deveria viver em função de ninguém, a não ser que fosse de razão própria 03

 

E o ultimo parágrafo você disse exatamente o que eu disse, o salário é o reconhecimento do trabalho que a PESSOA PRESTA. É uma convergência, eu te dou x pois o trabalho que ofereceu a mim me valeu esse X.

 

Outro caso a se colocar é o trabalho voluntário, ele é um trabalho escravo? ora, o voluntarioso não ganha nada com isso...

 

Aqui é um caso perfeito de que não é a remuneração que faz uma pessoa ser escrava ou não, um trabalhador voluntário NÃO é um escravo, a própria descrição do tipo de trabalho já diz tudo, o empregado escolhe o aquele tipo de trabalho ou porque ama, ou porque quer ganhar experiência, é o empregado que toma as rédias da relação, é ele quem vai dizer que quer e quando poderá ofertar esse trabalho, é um trabalho voluntarioso. Mas é claro que isto também não pode virar um rótulo, uma verdade absoluta, existem N instituições e organizações que se aproveitam desse tipo de trabalho e acabam abusando e extrapolando para uma relação servil, escravista.

 

Se uma pessoa quer sair correndo atrás de macacos para estuda-los, ela tem todo o direito de ir atrá de uma instituição que oriente-a e que crie oportunidades, isto não é uma relação carcereira.

 

 

E quem disse que o cara não pode usar a

liberdade? Ora' date=' cada ato tem uma consequência: alguem pode sair de um

emprego miserável e conseguir um outro e crescer na vida. Do mesmo jeito

que pode sair e a coisa só piorar. Se ele vai se dar bem ou não isso é

consequencia da vida, tudo pode acontecer... mas ele NÃO

PERTENCE a nada e nem ninguem. Pode sair aí pelo mundo a hora em que bem

entende. Um escravo naquela época poderia fazer isso sem ser

sumariamente abatido como gado?? Desnecessário responder...

 

 

 
[/quote']

 

Bem, respondendo a sua pergunta, SIM, podia, tanto podia que ocorria AOS MONTES. 03

 

Há diversas comunidades quilombolas que fora esquecidas pelos seus "proprietários". Agora, um cidadão desprovido da consciência de ser cidadão pode sair de um emprego exploração e seguir outro? ou fugir? bem poder pode, mas ou passa fome, ou encontra uma nova razão de viver, se revolta, ou então arranja outro emprego tão explorador quanto, aqui o estado de posse não existe mas a relação de possuido existe, o homem não pertence a si mesmo a nao ser a sua necessidade de aceitar tudo o que lhe é mandado.

 

E em relação ao grau, do que é pior ou melhor, basta lembrarmos-nos que os primeiros pensamentos históricos do Brasil diziam que os escravos no Brasil eram melhores tratados que os americanos, por muito tempo acreditou-se que no Brasil não houve resistencia escrava, e que a relação entre o escravo e seu dono era, se não amigável, tolerável. Com o avanço das pesquisas, novas descobertas, e estudos mais sérios e menos especulativo, viu-se que era totalmente o contrário, muito se houve resistência, e muito se houve de brutalidade na relação dono-escravo, seja aqui no Brasil seja nos EUA. Ora, o que é uma escravidão pior ou melhor? a relação de posse é pior do que a relação de trabalhador remunerado? em princípio sim, mas será que isto é uma caixa que impede um de beber do outro?

 

Sinceramente, essa masturbação moral de graduar as explorações eu estou fora 03

Gustavo Adler2010-07-29 19:54:50

Link to comment
Share on other sites

E quem disse que o cara não pode usar a

liberdade? Ora' date=' cada ato tem uma consequência: alguem pode sair de um

emprego miserável e conseguir um outro e crescer na vida. Do mesmo jeito

que pode sair e a coisa só piorar. Se ele vai se dar bem ou não isso é

consequencia da vida, tudo pode acontecer... mas ele NÃO

PERTENCE a nada e nem ninguem. Pode sair aí pelo mundo a hora em que bem

entende. Um escravo naquela época poderia fazer isso sem ser

sumariamente abatido como gado?? Desnecessário responder...

 

E vc me vem falar que as duas situações são

as mesmas e com o mesmo nível de ESCOLHA??? haha piadista. Ora, naquela

época nem escolha havia.

 

Vc ainda quer comparar?? Cara, só rindo mesmo... 06

 

Quando se fala em ESCRAVO, fala-se em propriedade. Uma relação onde a propriedade PERTENCE ao seu DONO.

 

Se eu quiser matar MEU gado pra fazer um mega churras, matarei.

Se eu quiser dar MEU cachorro pra alguém eu darei.

Se eu quiser jogar MEU PC no lixo ou quebrá-lo, nada me impede de fazer. Enfim, sou o dono...

 

Só te faço uma pergunta: seu patrão pode fazer o mesmo com vc? Ou vai me dizer que ele era seu dono também?

 [/quote']

Meu caro,acho que você está confundindo as coisas.

A esravidão em Israel não era a mesma que você existiu aqui no Brasil.

 

Além do mais,te mostrei à luz do dicionário,coisa que você pediu que fosse feito,que os empregados atuais , por definição, podem ser escravos.

 

Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

Announcements


×
×
  • Create New...