Jump to content
Forum Cinema em Cena
Sign in to follow this  
Highlander

Terra em Transe

Recommended Posts

 

 

Depois de muito ouvir falar de

Glauber Rocha e de seus filmes, estava ansioso pra finalmente assistir algum.

Sim, me desprezem; este pretenso amante do cinema nunca tinha visto nada do

aclamado Glauber até duas horas atrás...De todo modo, há muito que tinha

curiosidade; e ela aumentou muito a partir da leitura que fiz do excelente

livro “Glauber Rocha , Esse Vulcão”, biografia do cineasta escrita por João

Carlos Teixeira Gomes, jornalista conterrâneo, contemporâneo e amigo pessoal de

Glauber Rocha, que o escreveu a partir de sua própria vivência e convivência

com o cineasta e também baseado em extensa pesquisa e entrevistas. Resolvi

fazer minha primeira incursão na obra de Glauber pelo seu filme mais famoso e

polêmico, Terra em Transe.

 

            Terra em

Transe se passa num país fictício chamado Eldorado, mas precisamente na

província de Alecrim, onde forças políticas populares e conservadoras se opõem

ferozmente diante de uma massa cega,ignorante e facilmente manobrável, que

ameaça se opor ao golpe iminente. Em meio à turbulência e dividido entre

sentimentos de amizade para com um senador conservador que quer tomar o poder e

suas próprias convicções políticas está o poeta e jornalista idealista Paulo

Martins. Como acabo de ler o  biografia

do diretor, me pergunto se Paulo Martins não seria uma espécie de  alter ego de Glauber. Um poeta genial,

instável, cheio de dúvidas e mergulhado na sua confusa genialidade. Será?

Definitivamente, Terra em Transe não é um filme de fácil digestão; é quase um

poema filmado. Os diálogos são mesmo riquíssimos em poesia. Em determinados

momentos, o filme sugere um certo improviso, mas conhecendo a biografia do

diretor é fácil acreditar num improviso premeditado, numa imperfeição

proposital. Não é preciso mais do que 5 minutos de filme, pra ficar evidente

que Eldorado é o Brasil. Corrupção, golpe, luta de classes em meio á um

ambiente carnavalesco. Um povo atirado à miséria e a elite distanciada em palácios

nababescos. Mais estarrecedor é perceber o quanto o filme é atual. Uma esquerda

que conquistou o poder com o apoio do povo mas não cumpriu o que prometera. Uma

direita canalha e mentirosa que tem horror ao povo no poder. Tudo isso recheado

de metáforas. O filme foi feito em 1967, mas poderia tranqüilamente ser filmado

em 2006. Mais uma prova de que o Glauber era mesmo um cara à frente do seu

tempo.

 

            A proposta

do Cinema Novo, movimento do qual Glauber foi um dos fundadores, e que praticamente

“inaugurou” com Terra em Transe, pregava entre outras coisas um rompimento com

o cinema “bonitinho”, hollywoodiano. E esse rompimento é evidente em Terra em

Transe;  apresentado em uma linguagem

diferente do que estamos habituados. Em alguns momentos o filme me remeteu a

Antonioni e filmes como Blow Up e Profissão:Repórter; linguagem pouco usual, e

passagens que demoram a fazer sentido, que requerem reflexão; e mesmo algumas

que não consegui compreender.

 

            Como

entretenimento puro e simples não é uma boa opção. Às vezes o filme se arrasta,

e a verborragia incomoda um pouco. Mas é inegável o caráter genial e inovador

do filme. Aliás, Glauber costumava citar Brecht, segundo o qual as coisas novas

ruins são melhores que as velhas boas. Por essa razão Glauber incitava os

artistas do seu tempo a ousarem, perderem o medo de mudar; de fazer

diferente.  E ele próprio fazia

diferente, reinventava, e segundo ele mesmo, sabia que corria o risco da

incompreensão. Essa característica, na minha opinião, fica evidente em Terra em

Transe. A montagem é fragmentada, a narrativa é totalmente não usual, por vezes

confusa, e algumas passagens são, como Glauber sabia que corria o risco,  incompreensíveis. De todo modo, quem quer saber

um pouquinho sobre cinema, como eu quero saber um dia, não pode morrer ser

assistir Terra em Transe.

 

Quem viu, o q achou??

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cara! também ouvi falar muito do filme

Logo vou ver DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL.
E era um cineasta diferente pois andava contra mídia.(O que hoje em dia é muito difícil de se fazer).

Tentei muito achar o filme mais não achei.04.

Share this post


Link to post
Share on other sites

É sobre o ser, sobre a humanidade, não apenas sobre um sistema político, ou contra um sistema político. Vai além disto e portanto sempre será algo novo. Acho que política e poesia não podem coexistir, a poesia tem a política. Não importa o que você faça, isso é político. Penso que os jovens de hoje poderiam se beneficiar ao verem esses filmes. É óbvio no caso de 'Terra em Transe', porque o filme é sobre política. Mas é o contrário de 'All the Kings Men' ('A Grande Ilusão'), que é sobre os políticos.

O livro de Robert Penn Warren, que inspirou o filme --tem inclusive uma nova versão saindo-- é uma coisa bem distinta. Na ocasião que assisti 'Terra em Transe', eu nunca tinha visto uma reação a um filme como aquela. Havia aquele último plano do homem disparando a arma, em tela ampla (1:85), em que a cena ocupa o canto do quadro. Depois que a sessão terminou, algumas pessoas permaneceram aplaudindo, aplaudindo e aplaudindo por uns vinte minutos.

Foi comovente e aterrador! Aquela imagem é por demais eloqüente de um cinema que sempre expressará um sentido de resistência, de uma forma ou de outra. Isto ocorre porque o personagem permanece na tela e você ouve aqueles tiros. É uma imagem incendiária. Eu presenciei a reação do público, é uma cena poderosa. É poesia, mas podemos dizer também que é política. Mas a poesia vem primeiro e então talvez Glauber esteja certo ao afirmar que 'a poesia e a política são demais para um só homem'.

 

 

recomendo o EXCELENTE "O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro" e, é claro, Deus e o Diabo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

esse eu também pretendo corrigir, pelo menos esse ano. saiu agora em DVD. eu vi "Deus e o Diabo" e achei FODA. "O Dragão" é um dos favoritos do Scorsese, mas eu nunca encontrei em nenhum lugar por ai...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Maior OP do cinema brasileiro, sem dúvidas. Glauber Rocha era um gênio.

 

Não dá para discutir cinema hoje em dia sem usá-lo como referência, e nem estou falando só do Brasil não, Glauber Rocha e seu Terra em Transe influencia até hoje muitos cineastas no mundo todo, por exemplo, Martin Scorsese, um dos grandes diretores dos EUA a fazer cinema de diagnóstico (estou ficando viciada nesta expressão), assim como os irmãos Coen também.

 

Mas voltando ao filme, adoro como o filme vai desmoronando tudo até seu desfecho trágico. O protagonista, Paulo, segue numa agonia contruída de forma complexa num plano imagético ao longo do flashback, até retornar ao tempo zero, que é o momento do golpe. Tudo de forma conceitual, com atuações teatrais e alegorias.

 

Amo esta fala:

 

Sara: "- O que prova sua morte?"

Paulo: "- O triunfo da beleza e da justiça!"

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Nunca consegui ver todo.

 

A verdade é que, apesar do enredo extremamente complexo e original, o filme é demais em tudo: poético demais, teatral demais, complexo demais, metafórico demais o que poderia ser até interessante, mas no final deixa tudo chato demais (aliás, também é longo demais). Este para mim ultrapassa o limite do entretenimento e adentra o domínio do pretensioso e pouco acessível em plenitude. Para mim a linguagem falada dificilmente se adapta a complexidade poética de tal categoria - muitas vezes a reflexão exigida nos diálogos caberia melhor em um livro, cujo tempo de leitura não é delimitado em decorrência da duração da fita.

 

Só terminaria de ver se eu tivesse uma necessidade extrema de parecer ishperto (o que não tenho) ou então observar partes técnicas.

PS: até as críticas são chatas. Parece que os críticos querem escrever textos à suposta altura do filme e para isso torna-se precípuo o uso de adjetivos refinados.

 

Mr. Scofield2011-02-06 10:53:42

Share this post


Link to post
Share on other sites
Nunca consegui ver todo.

[/quote']

 

Isso aí mata tua fala Scofildis. Se não viu todo a experiência não foi completa. Se o comentário foi apenas sobre o que viu, idem.

 

Vi no cinema, acompanhado de saboroso debate após o filme, então não poderia discordar mais...

 

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Nunca consegui ver todo.

 

[/quote']

 

Isso aí mata tua fala Scofildis. Se não viu todo a experiência não foi completa. Se o comentário foi apenas sobre o que viu, idem.

 

Vi no cinema, acompanhado de saboroso debate após o filme, então não poderia discordar mais...

 

 

 

 

 

Se eu não consegui ver todo é porque achei um saco e não vou continuar vendo só para agradar a quem acha que eu deveria ter visto.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Nunca consegui ver todo.

[/quote']

 

Isso aí mata tua fala Scofildis. Se não viu todo a experiência não foi completa. Se o comentário foi apenas sobre o que viu, idem.

 

Vi no cinema, acompanhado de saboroso debate após o filme, então não poderia discordar mais...

 


Se eu não consegui ver todo é porque achei um saco e não vou continuar vendo só para agradar a quem acha que eu deveria ter visto.

 

Ué mas você viu o filme para agradar alguém? Não parta do pressuposto que Terra em Transe é um filme de intelectual feito para intelectual. Terra em Transe é cinema da melhor qualidade, no entanto, como você muitos não gostaram, normal. O que eu quis dizer é que não ver um filme inteiro é experiência pela metade (isso se muito).  

 

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

Nunca consegui ver todo.

 

[/quote']

 

Isso aí mata tua fala Scofildis. Se não viu todo a experiência não foi completa. Se o comentário foi apenas sobre o que viu, idem.

 

Vi no cinema, acompanhado de saboroso debate após o filme, então não poderia discordar mais...

 

 

Se eu não consegui ver todo é porque achei um saco e não vou continuar vendo só para agradar a quem acha que eu deveria ter visto.

 

Ué mas você viu o filme para agradar alguém? Não parta do pressuposto que Terra em Transe é um filme de intelectual feito para intelectual. Terra em Transe é cinema da melhor qualidade, no entanto, como você muitos não gostaram, normal. O que eu quis dizer é que não ver um filme inteiro é experiência pela metade (isso se muito).  

 

 

 

 

Eu não parti de pressuposto, eu vi com meus próprios olhos. Eu não acho que o filme seja bom, algo que não me entretém não é bom.

E eu não me importo de ter experiências de coisas que eu não gosto pela metade. É questão de auto-preservação. 06

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...