Jump to content
Forum Cinema em Cena

Liga da Justiça


Recommended Posts

  SLASH, mas poucos personagens tem o mérito de serem "perfeitos" nestas adaptações. Até mesmo na "glorificada" trilogia do Nolan, pra mim, o Batman do Bale nunca foi perfeito. O mesmo vale para o Ras Al Ghul do Neeson e pra Talia da Cotillard. Mas apesar de não serem ´"perfeitos", eram fieis as naturezas dos personagens, e isso bastou. Mesmo o Luthor do Hackman foi sim fiel a natureza do Luthor, pois na época do lançamento do filme, o Lex era exatamente aquilo que o filme do Donner mostra.

 

  Você mesmo citou o Pinguim e a Mulher Gato do Burton como sendo "perfeitos", mas eles foram bem modificados em relação a sua fonte original, com uma Mulher Gato mais insana do que ela jamais foi nas hqs (além do sugerido elemento sobrenatural em sua criação) e um Pinguim mutante e nojento, longe do estiloso cavalheiro do mal das Hqs. Ainda assim, os personagens funcionam perfeitamente e a essência dos dois esta alí.

 

  A questão é, o que você chama de "descaracterizar" personagens é um conceito bastante relativo. Eu mesmo anda não vi indício nenhum de que o Luthor do Eisenberg é uma descaracterização do personagem, já que a idade do personagem esta a anos luz de ser um fator importante dentro de sua composição. Um Lex de trinta anos é perfeitamente aceitável ao meu ver.

 

 

  PRIMO concordo com praticamente todas as suas considerações sobre MK VS DC UNIVERSE.

 

  Como levantamos na página a hipótese de usar a invasão de Apokolips a Terra sem preparações, já em um 1ª sugiro, a análise do arco que trouxe o confronto final entre a Liga da Justiça e seu nemesis, Darkseid. A saga CRISE FINAL escrita por Grant Morrison, e JG Jones

 

 

final_crisis_01.jpg

 

 

 

final%20crisis%20%2302%5B3%5D.jpg?imgmax

 

 

FC03.jpg

 

 

300px-Final_Crisis_4B.jpg

 

 

 

300px-Final_Crisis_5B.jpg

 

 

 

300px-Final_Crisis_6_cover_a.jpg

 

 

300px-Final_Crisis_7_cover_a.jpg

 

 

 

 A história tem início com Metron visitando a Terra durante a pré história. Os homens das cavernas ficam apavorados diante da visão do novo deus, que ao partir, deixa uma chama para trás, e assim nasceu o fogo, o alvorecer da humanidade.

 

 No presente, em Metropolis, o aposentado Dan Turpin investiga uma série de desaparecimentos de crianças. Sua investiçação toma um rumo inesperado, quando ao adentrar o Beco do Suicídio, ele encontra Orion agonizante, com uma grande ferida em seu peito. Orion balbucia que o mal venceu a guerra nos céus, que "eles" estão vivos, e que os terráqueos devem lutar. E assim, Orion morre nos braços de Turpin. Dan aciona os seus antigos contatos na UCE, que por sua vez aciona a .Liga da Justiça. O Lanterna Verde (John Stewart) é o primeiro a responder o chamado.

 

  Naquela noite, Turpin recebe a visita da Questão (Renne Montoya). A Questão sabe que Turpin está investigando sobre o desaparecimento de crianças pelo país, e avisa que não se tratam de crianças comuns, e sim crianças meta humanas. A Questão desconfia do envolvimento da Intergangue, e quando Turpin a aperta por mais informações, a vigilante lhe dá o endereço da provavel sede de operações, o Clube Dark Side, em Bludhaven.

 

 Hal Jordan vai ao encontro de John Stewart no local do crime. Eles entram em contato com Oa, que declaram que a morte de um habitante de Nova Gene (o ultimo dos nova genesianos após a saga "A Morte dos Novos Deuses") deve ser visto como prioridade maxima, e a cena do crime deve ser imediatamente selada. Os guardiões enviam a Alpha Lanterna Kraken (espécie de corregedoria dos Lanternas Verde) para isolar o local do crime, a própria Terra, impedindo que ninguém entre ou saia do planeta.

 

  Mestre Dos Espelhos e o Dr. Luz encontram a poltrona Moebius em um ferro velho de Metropolis, e a entregam ao Libra. Enquanto isso, o vilão Libra assumiu a liderança da Liga da Injustiça.  Sua liderança é questionada por velhos membros, como Lex Luthor e Vandal Savage, mas Libra mostra estar falando sério, ao trazer o cativo Ajax diante deles, e mata-lo com uma lança flamejante., e depois incinerar o corpo do marciano.

 

 Antes de morrer, John envia uma mensagem telepática aos seus colegas da Liga que mais confia, Superman, Batman, Hal Jordan, Cigana e Canário Negro. Cada um tem incutido em suas mentes um pouco da historia marciana para que ela não se perca, o ultimo legado de John Jonzz.

 

  Enquanto isso, Dan Turpin vai ao Clube Dark Side em Bludhaven, e fica conhecendo o dono do lugar, conhecido como chefe Dark Side. Logo, Turpin é subjulgado pelas próprias crianças meta humanas, transformadas em escravas sem mente, devido a sua exposição pela Equação Anti Vifa, que enfim teria sido dominada pelo povo de Apokolips.

 

 Enquanto isso, na aurora da humanidade, o Monitor conhecido como Nix Uotan é banido para a Terra, por ter violado o código dos monitores. Niz acorda como um jovem negro que trabalha em uma cadeia de fast foods, sem lembrança de sua verdadeira vida, a não ser por sonhos recorrentes. Ele é observado de longe por um mendigo, que com o rosto coberto de tinta, alega ser Metron, e diz que Uotan tera papel fundamental na guerra que está por vir. Em Nova York, Asa Noturna encontra o cadáver de John pregado no Empire State.

 

  Em uma boate meta humana em Tóquio, o herói local conhecido como Sonny Sumo é procurado por alguém que alega ser o Sr. Milagre. Milagre diz que realizou a maior das escapadas ao se livrar da morte, mas diferente do que os heróis da Terra pensam, os deuses de Apokolips continuam vivos ,e estão entre nós. O Sr. Milagre tem a ultima das Caixas Maternas, que podem ser de vital importância para que o bem tenha sua revanche contra o mal.

 

 Enquanto isso, a Liga da Justiça (com permissão especial da Tropa, já que teve que sair do planeta) enterra o cadáver de Ajax em solo marciano. Superman discursa sobre o amigo, e de como ele sempre foi a alma da Liga da Justiça. Todos prestam os seus ultimos comprimentos e partem para a Terra.

 

 No Palácio da Justiça, a trindade discute sobre a possibilidade de haver ligação entre os assassinatos de Orion e John Jonzz, embora as circunstancias entre os dois casos difiram. A Lanterna Verde Alpha Kraken desdenha da Liga como "o clube de combate ao crime local", e alegando se tratar de um assunto da Tropa, parte ela mesma para investigar.

 

  Enquanto isso ,John Stewart examina o local do assassinato de Orion, quando encontra uma bala feita de Radion enterrada no muro, embora a bala tenha traços do sangue de Orion, ela parece estar encrustada no muro há cinquenta anos. Logo, o anel de John para de funcionar, e ele é atacado por um lanterna verde misterioso, ficando gravemente ferido.

 

 

 Naquela noite, Hal Jordan é abordado pela Tropa dos Lanternas Verde em seu apartamento, sendo formalmente acusado como suspeito pelo assassinato de Orion, e pela tentativa de assassinato a John Stewart. A Liga protesta pela prisão do amigo, embora ele se mostre incapaz de lembrar onde estava no momento dos dos dois crimes. 

 

 Clark Kent e Diana tem que deixar o Palácio da Justiça, devido seus compromissos em suas identidades civis, deixando Batman e Kraken sozinhos. Batman alega que investigou o a cena do crime onde Stewart foi atacado, e não parecia ter havido um duelo de Lanternas Verde, como se o anel de John tivesse sido desligado, algo que só um Lanterna Alfa poderia fazer. Batman pressiona Kraken, que grita em agonia,dizendo que "ela" esta devorando o seu cérebro. Batman tenta acionar o sistema de segurança do Palácio da Justiça, mas é derrubado por Kraken, que revela estar sendo possuída por ninguém menos do que a Vovó Bondade.

 

  Em Bludhavem. o Chefs Dark Side leva Turpin para outro canto da cidade, um lugar chamado 'Fabrica do Mal". Lá, Turpin testemunha que um novo corpo está sendo montado para Kalibalk, através de um tigre transmutado. Turpin acusa Chefe Darkside de ser o Senhor de Apokolips disfarçado. Chefe Darkside rí, dizendo que gostaria de ter esta honra, mas ele na verdade é o Glorioso Godfrey. O verdadeiro Darkseid se encontra dentro da mente e do espirito do próprio Turpin, e começa a ganhar força. Logo, Dan sente o seu corpo começar a sofrer mutações, para satisfação de Godfrey.

 

 No Planeta diário, Clark escreve com tristeza o obituário de John Jonzz. É quando ele percebe Jimmy Olsen passando por ele, mesmo tendo a certeza de que viu Jimmy sair quando chegou. Este Jimmy se revela o Cara de barro, e antes que Clark possa agir, ele detona uma bomba que arrasa toda a cobertura do Planeta Diário.

 

 Flash (Wally West) e Joel Ciclone encontram o esconderijo da Liga da Injustiça, mas todos se foram.. Os velocistas encontram uma copia da bíblia do crime, que é o código da Intergangue, além de amostras de sangue marciano e da poltrona moebius. Wally monta uma teoria em cima das ultimas informações coletadas pelo anel de John Stewart, e deduz que a bala de radion (material letal para os novos deuses) pode ter sido disparada através do tempo, já que seria a unica forma de pegar o herói de surpresa. Repentinamente, um portal dimensional abre, e ninguém menos do que Barry Allen surge, gritando para que seus antigos colegas "corram" a medida em que a entidade conhecida como o Piloto Preto vem em seu encalço.

 

  Em Bludhaven, a Questão é abordada por agentes do Xeque Mate. Os agentes dizem que foram enviadas pelo Sr. Incrivel e Amanda Waller para leva-la a sede da organização na Suiça; Renee alega ter cometido um erro terrivel ao ter dado a Turpin a localização do Clube Dark Side, mas a agente Midnight diz que não há mais tempo para se lamentar, e leva a Questão com ela.

 

 Em Keytsone City, Joel Ciclone conta a sua esposa, a Iris West e a Linda Park sobre o seu encontro com Barry Allen. O trio de velocistas tentou deter a bala que mataria Orion, mas não obtiveram sucesso. Pra piorar, o Piloto Preto, encarnação da morte da força de aceleração, está no encalço de Barry, e agora no de Wally, já que se juntou a eles. Joel não sabe dizer muito bem o que aconteceu, mas tem certeza de uma coisa, Barry Allen está vivo.

 

 Na sede da Liga da Injustiça, o Libra dá ao Chama humana uma nova armadura que o colocaria no topó. Mas assim que o vilão de 2º escalão o veste, tem a equação anti vida emanada para o seu cérebro, tornando-se um escravo de Darkseid. Luthor chega com a notícia de que o Planeta Diário foi bombardeado, e que Superman não é visto a 18 horas, mesmo com o numero cada vez maior de revoltas que vem ocorrendo. Luthor está convencido de que Libra é perigoso demais para viver, e pretende elimina-lo, mas ao ver que o vilão dominou metade da Liga da Injustiça, recebe um ultimato de Libra, jurar lealdade a bíblia do crime, usando seu intelecto brilhante a favor de Darkseid, ou virar um dos escravos sem mente da Equação anti vida. Sem escolha, Lex vai na primeira opção.

 

 No hospital de Metropolis, Clark não deixou a cama de Lois por nenhum momento nas ultimas 18 horas. O atentado da Liga da Injustiça ao prédio rendeu sete mortos e dezenas de feridos. Jimmy Olsen é o único reporter ativo no momento. A visão de calor de Clark é a unica coisa que mantém o coração de Lois batendo. Subitamente, a Legião dos SUper Heróis aparece, e recruta a ajuda do Superman. Clark diz que não pode deixar a esposa, mas a Legião poromete salva-la, se ele partir com eles agora. Agarrando essa ultima esperança de salvar Lois, Superman vai embora com o resto da Legião.

 

 No Palácio da Justiça, Diana assiste desolada Hal ser levado pela tropa para Oa, onde será julgado. Hal esta confiante em sua inocência, e tranquiliza Diana, já que nada pode entrar na Terra sem a permissão da Tropa, devido ao isolamento. Ainda assim, Diana esta afilta, já que dois poderosos membros da Liga, Orion e Ajax foram mortos, e Batman, Superman e Flash estão desaparecidos. Alan Scott, o ultimo Lanterna Verde ativo no mometo, sugere que eles convoquem todos os reservas, já que ele pode sentir uma crise se aproximar. Oraculo, agora atuando no Palácio da Justiça, faz a convocação geral.

 

 Em Toquio, Sonny Sumo não acredita nos apelos do Sr. Milagre de que uma invasão eminente esta para acontecer. Até que eles são atacados por um pequeno exército formado por pessoas que usam capacetes parecidos com aqueles que o Libra poz na cabeça dp Chama Humana, convencendo o herói japonês da ameaça.

 

 Em Bludhaven, o Clube Dark Side começa a se expandir, tornando-se um gigantesco palácio. A Mulher Maravilha vai investigar apoiada pelo exército americano, mas todos são emboscados por uma controlada Mary Marvel. Diana e Mary se enfrentam, e mesmo Diana levando alguma vantagem ao quebrar um dos braços de Mary, ela revela que em cinco minutos, a equação anti vida se espalhara pelo planeta. Mary diz que Darkseid escolheu Diana para ser o líder de suas Furias, e apunhala Diana, infectando-a com a Equação.

 

 Na sede do Xeque Mate, o Sr. Incrivel percebe que a internet está chegando a uma velocidade nuca vista antes, No Clube Dark Side em Bludhaven, Mokkari prepara-se para liberar a Equação Anti Vida online. No Palácio da Justiça, Oraculo percebe que bilhões de e-mails estão sendo enviados de Bludhaven e se abrindo sozinhos. Trabalhando ferozmente, Barbara lança um vírus na internet, e grita para todos puxarem os plugs.

 

  Os dois Flashs param de correr, e percebem que avançaram um mês no futuro. Eles estão em Central City, e os céus estão vermelhos. Antes que Barry e Wally possam entender o que esta havendo, eles são atacados pelas fúrias lideradas pela Mulher Maravilha., mas conseguem escapar.

 

 1/3 da humanidade caiu sob controle mental de Apokolips. Internet, rádio e televisão são inútil, já que transmitem a equação anti vida vinte quatro horas por dia. Poucos são os focos de resistência que sobraram. Um deles se localiza na Fortaleza da Solidão, onde Lois Lane, Jimmy Olsen, John Stewart, Supergirl (Kara Zor El) e Ray continuam a publicar o Planeta Diário, numa tentativa de manter a resistência firme.

 

 Ray chega ao Palácio da Justiça, outro foco da resistência, encontrando Linda West e seus filhos, Oráculo, a Canário Negro, Arqueiro Verde, e Joan Garrick, esposa do Joel Ciclone, ainda livres da Equação anti vida. Junto com ele, Ray trouxe um antigo vilão conhecido como o Tatuado, que parece imune a Equação Anti Vida. Os heróis não conseguem explicar o por que, assim como ainda se perguntam onde estão Superman e Batman, sem saber se estão mortos ou controlados pela Equação. Enquanto isso, os Justificadores (como foram chamados os soldados de Apokolips controlados pela anti vida) cercam o Palácio da Justiça;

 

 Em Bludhaven, no novo palácio de Darkseid, Turpin luta para que o Senhor de Apokolips não tomo posse do seu corpo de de sua mente, mas a experiência se torna cada vez mais dolorosa, a medida que seu corpo vai assumindo as características do corpo de Darkseid. Enquanto isso, o novo corpo de Kalibak ficou pronto, e ele está prontos pra liderar as tropas do pai na Terra.

 

 Ray, com a ajuda de Oraculo, consegue acessar a Uternet, uma versão alternativa da internet criada pelo Calculador anos antes, e livre da Equação anti vida. Eles entram em contato com a sede do Xeque Mate, que se tornou outro foco de resistência, protegido pelo Lanterna Verde (Alan Scott), Mulher Gavião e Gavião Negro. A Questão também esta na base. O Lanterna consegue lançar uma mensagem a todos os heróis do planeta pra que eles tentem um ultimo e desesperado ataque ao Quartel General de Darkseid dentro de alguns dias. Repentinamente, um controlado Super Choque consegue romper as defesas do Palácio da Justiça, e o campo de força que cerca o prédio cai.

 

 Em Central City, Barry e Wally correm até a casa de Iris West, só pra descobrir que ela também foi infectada pela equação anti vida. No melhor estilo conto de fadas, Barry beija Iris, e o amor verdadeiro (ou melhor a quantidade enorme de força de aceleração no corpo de Barry) consegue despertar Iris do transe.

 

 Os justificadores invadem o Palácio da Justiça. Todos correm para os teleportadores que levaram os heróis para a Torre da Liga no espaço, mas para impedir que fossem seguidos, o Arqueiro fica pra trás, e destrói os controles, para a tristeza da Canário. Oliver é capturado e transformado em um justificador.

 

 Na sede do Xeque Mate na Suíça, Sr. Milagre e Sonny Sumo conseguem furar as defesas, mesmo com o Sr. Milagre sendo baleado no processo. Os dois entregam a caixa materna a Amanda Waller e ao Sr. Incrivel, alegando que isso pode ajudar em seus planos de resistência ou fuga. Em Bludhaven, Dan Turpin enfim para de resistir, e enfim Darkseid renasce em seu corpo.

 

 Em Oa, o julgamento de Hal Jordan começa. Segundo o código dos guardiões, o testemunho de uma Lanterna Verde Alpha é mais do que o suficiente para condena-lo. Mas neste instante, Guy Gardner e Kyle Rayner chegam contando sobre a desgraça que atingiu a Terra, e levantam suspeitas sobre o fato de Kraken estar possuída, já que os Novos Deuses estão envolvidos.  A Vovó Bondade no corpo de Kraken, mata um dos Guardiões, e tenta tomar a bateria central para si, para envia-la para Darkseid. Mas os Guardiões iniciam o protocolo Krona, que esconde a Bateria central em uma dimensão de bolso. Isso anula os poderes dos anéis energéticos temporariamente, e permite que Hal derrote a Vovó Bondade no mano a mano. O anel é tirado dela, e a tropa a prende.

 

 Com a Bateira de volta ao lugar, Hal é inocentado de todas as acusações. Os Guardiões dizem que a manipulação da Equação Anti Vida logo vai começar a afetar o espaço/tempo, e se espalhar pelo universo como um cancêr. O ideal seria destruir a Terra enquanto eles ainda tem chance, mas os Guardiões dão vinte quatro horas terrestres para que Hal salve o seu planeta. Vários Lanternas se oferecem para ajudar Hal nesta tarefa, inclusive Guy e Kyle.

 

 Na sede do Xeque Mate, o Sr. Milagre revela a Amanda Waller e aos outros que a caixa materna lhe revelou que as marcas no rosto de Metron não são aleatórias, mas sim um escudo contra a Equação Anti Vida, que pode proteger o seu livre arbítrio. Simplesmente a Equação da vida.

 

 Em Bludhaven, Supergirl e Lanterna Verde (John Stewart) lideram um ataque contra o palácio de Darkseid, mas devem enfrentar as fúrias femininas lideradas pela Mulher Maravilha. Os heróis recebem a inesperada ajuda de Adão Negro, que se manteve livre da influência da equação. Supergirl enfrenta Mary Marvel, sendo brutalmente espancada por Mary. Adão interfere no conflito, e quase mata Mary, quando é impedido pelo Capitão Marvel JR. Adão entretanto revela que Mary não está sendo simplesmente controlada, pois olhou nos olhos dela, e viu um velho corcunda o encarando de volta (sugerindo que Desaad a está possuindo).

 

  Enquanto isso, o ex monitor Nix Uotan é jogado em um dos campos de concentração de Darkseid pelos justificadores. Lá, ele encontra Metron em sua forma humana, que o ajuda a relembrar se sua herança como um Monitor. Nix recupera os seus poderes, e parte da nossa dimensão. Enquanto isso, Libra descobre que os heróis usaram a Uternet do Calculador para se comuniciar, e decide condenar o vilão a morte. Ele incumbe Luthor desta missão, que apesar de dizer que é uma honra, não parece muito satisfeito.

 

  Descobrimos que na Fabrica do mal, Mokkari vem submetendo o Batman a torturas físicas e psicológicas, a medida em que mantém o herói preso em um inferno virtual. O objetivo de Mokkari é criar vários clones de Bruce Wayne que tenham sua habilidade, inteligencia, estratégia e determinação inabalável, para que eles sirvam a Darkseidm mas todos os clones tem nascido mortos. Wayne se autohipnotiza pra gerar uma descarga emocional que provoca uma pane na maquina, dando-lhe a oportunidade de escapar do inferno virtual e derrotar Mokkari.

 

 Enquanto isso, Darkseid ganha a plenitude de seu poder, e lança uma nova onda da equação anti vida. Agora, somente 1/3 da população da Terra não responde a vontade de Darkseid.

 

 No Sec. 31, Brainiac 5 agradece Superman pela ajuda que ele deu a Legião, mas lhe conta sobre os terríveis eventos que se desenrolam em sua época; Superman censura a legião por te-lo tirado do seu tempo em um momento de Crise, mas Brainiac 5 se defende dizendo que como Darkseid mexeu com a Equação Anti Vida, era impossível saber que isso aconteceria, mesmo do futuro, já que a Equação é capaz de distorcer tempo e espaço. Brainiac 5 mostra a Superman uma maquina conhecida como Maquina dos Milagres, desenvolvida pelos Oanos de seu tempo, que torna a energia esmeralda dos Lanternas Verde obsoleta, já que ela literalmente transforma pensamentos em realidade. Brainiac 5 diz ao Superman para olhar a maquina, decorar cada peça, e saber o momento de usa-la, para destrui-la depois. Antes que Clark possa perguntar mais alguma coisa, é arrastado no tempo.

 

  No presente, a Torre da Liga é atacada por naves espaciais pilotadas pelos Justificadores. Ray sai em combate para defender a Torre. Em Bludhaven, os heróis continuam a combater as forças de Darkseid. Adão Negro é tirado fora de combate por uma fortalecida Mary Marvel, que volta a enfrentar a Supergirl. Capitão Marvel JR voa em direção a sua antiga amiga, e a agarra voando para o alto. Torcendo que isso seja suficiente para exorcizar Dessad, ele grita Shazam. Ambos voltam as suas formas humanas, sendo amparados por Kara antes de caírem no chão. Mas Mary esta em choque, pois se lembra de tudo que fez quando estava possuída. Ela é consolada por Freddy. Enquanto isso, o tigre humanoide Tawki Tawny, que serve a família Marvel, mata Kalibak em combate.

 

 Na sede do Xeque Mate, o local está prestes a ser invadido pelos Justificadores de Darkseid. Enquanto a maioria dos agentes pinta no rosto o simbolo que o Sr. Milagre disse para eles pintarem, que nada mais é do que um caractere de Nova Genese que significa liberdade, Amanda Waller leva a Questão para o plano B, chamado "Projeto Black Gambit". O plano é simples. o Black Gambit nada mais é do que um módulo de viagem interdimensional que permitira a Renee viajar a terras paralelas, para que ela reinicie o Xeque Mate em outro ponto do multiverso, levando o máximo de pessoas que conseguir com ela.

 

 Um grupo de justificadores consegue invadir a Torre da Liga. Um deles tenta colocar um dos capacetes no Tatuado, mas como ele tinha o caractere de Nova Genese tatuado no rosto, foi protegido. A Canário aproveita a vantagem da surpresa, e desliga a gravidade da Torre, conseguindo derrotar os Justificadores, e resgatar Oliver, embora ele ainda esteja sob controle de Darkseid.

 

 No enforcamento do Calculador, o Dr. Silvana confidencia a Luthor que ele odeia o Libra por este te-lo forçado a ver a sua filha se transformar em uma Justificadora. Silvana diz que pode dar uma chance a Luthor, se ele estiver disposto a agir. Ao receber confirmação, Silvana emite um sinal de um aparelho baseado em tecnologia roubada do Chapeleiro Louco, que temporariamente liberta os Justificadores dentro daquele raio. A  distração de Libra é suficiente para que Lex liberte um raio de energia de sua armadura sobre o Libra, que desintegra o vilão. Enquanto libertam o Calculador, Silvana observa que podem ter acabado de declarar guerra a Darkseid, mas Lex responde que Darkseid declarou guerra a toda a vida, e apesar do que dizem, Lex gosta da vida.

 

 Na casa de Iris West, Joel Ciclone responde o chamado de Barry, que pede que ele proteja Iris. Barry diz que os anos em que esteve preso a força de aceleração lhe garantiu certo controle, e é um campo de força em volta da casa que impede que Justificadores ou o Piloto Preto venham atrás deles. Barry diz que a melhor chance deles sobreviverem e salvar a Terra, é dar ao Piloto Preto alguém que ele queira mais, um deus que enganou a morte, Darkseid. Barry avisa Wally que eles terão que correr mais do que nunca. Dizendo que estará com o tio até o fim, Wally se põe em sua marca. Barry baixa a proteção, e logo os dois se vêem perseguidos pelo Piloto Preto.

 

  No palácio de Darkseid, o soberano de Apokolips ordena que alguém saia das sombras. Batman surge, e Darkseid o parabeniza por escapar da Fabrica do Mal. Batman identifica Darkseid como o assassino de Orion, pois segundo a profecia, o filho de Darkseid seria o único que poderia mata-lo. Batman diz que fez um juramento solene sobre nunca tomar uma vida, mas que desta vez, devido as circunstâncias, faria uma exceção. Darkseid zomba de Batman, até que ele mostra uma arma carregando a mesma bala de Radium que matou Orion, bata que Batman encontrou e escondeu após o ataque contra John Stewart. Batman diz que também jurou nunca usar armas de fogo, mas que seria outra exceção que faria esta noite.

 

 Batman saca a arma, e Darkseid dispara seus raios omega. A bala atinge Darkseid direto no peito. Parecendo em paz, Batman diz "te peguei", antes de ser atingido pelos Raios Omega.

 

 Niz Uotan retorna a Terra. A Tropa liderada por Hal se aproxima do caos temporal que começa a circular a Terra, mas mesmo sendo avisado por Guy que as cargas dos anéis podem não aguentar, Hal se recusa a desistir da Terra. Na sede do Xeque Mate, A Questão aceita fazer parte do projeto Black Gambit, mas nos seus termos.

 

 Em Bludhaven, Jimmy e Lois continuam a tentar o relógio sinalizador do Superman, embora o Pantera não pareça ter muita esperança que o Super ainda esteja vivo. Repentinamente, um grito ecoa pelo planeta. Superman voa em velocidade supersônica em direção ao palácio de Darkseid, quebrando vidraças e levantando nuvens de poeira., oque assusta até a Supergirl. Chegando lá, Clark levanta em seus braços o cadáver carbonizado de seu amigo, o Batman.

 

  Enquanto isso, descobrimos que a Questão fez um uso diferente do projeto Black Gambit, ao estar viajando de terra paralela em terra paralela, recrutando Supermans para ajudar a salvar o nosso planeta.

 

 No palácio de Darkseid, o ferido senhor de Apokolips zomba Superman por ele não estar por perto quando seu planeta adotivo mais precisou. Logo, os escravos da Anti-vida, liderados pela Mulher Maravilha, atacam o Superman. Darkseid diz que agora a Terra é Darkseid, e portanto, Superman é inimigo da Terra. Darkseid se prepara para disparar os seus raios omega em Clark, quando Barry  e Wally surgem com o Piloto Preto em seu encalço. Darkseid fica horrorizado ao ver a entidade, que o ataca, e destrói o senhor de Apokolips, ao investir a sua energia no ferimento anteriormente causado por Batman.

 

 As fúrias lideradas pela Mulher Maravilha chegam para vingar o seu mestre morto. Superman e os heróis ainda com a mente livre parecem em desvantagem, mas recebem o reforço da Liga da Injustiça, agora liderada por Luthor, que dá tempo sufuciente para que a Supermoça ataque a Mulher Maravilha e tome o laço da verdade de Diana, amarrando a princesa ao cadáver de Darkseid. Iss causa uma reação em cadeia que liberta todos do controle da equação anti vida, já que como lider das furias, Diana era o "vetor" da doença.

 

 O estrago da equação foi grande demais, e a Terra começa a entrar em colapso. Enquanto os Flashes, uma liberta Diana, Supermoça e Superman começam a construir a maquina dos milagres. Mas a essência discorporea de Darkseid (que continua a morrer, já que o Radium envenenou até o seu espirito) surge e tenta se apossar da maquina. Com o assobio de uma nota só, Superman despedaça o espirito de Darkseid, livrando para sempre o mundo do soberano de Apokolips.

 

 Lois, Jimmy e Iris fazem uma gravação sobre os heróis da Terra, e de como eles lutaram bravamente para deter a Crise Final. Eles então lançam a gravação ao espaço, caso a tentativa da Liga de salvar o mundo não resolva. Depois, usando a tecnologia confiscada de Brainiac, Superman encolhe todos os habitantes da Terra, os colocando em suspensão criogênica, e se prepara para restaurar a Terra. Superman então pega a Poltrona Moebius, confiscada de Darkseid, e se prepara para ativar a maquina.

 

 Mas neste instante surge o Monitor Mandrakk, que observou todas as ações de Darkseid, esperando o momento certo para se apossar da Maquina dos Milagres e reconstituir o universo a sua imagem. Além disso, Mandrakk zomba de Superman que ele não possui o combustível da poltrona., que é o Fogo do Quarto Mundo. Entretanto, Superman lhe lembra que seu próprio corpo é uma bateria solar viva.

 

 Neste instante, o exército de Supermans reunidos pela Questão chega, juntamente com o Monitor Nix Uotan. É revelado que Mandrakk incriminou Nix para ele ser banido dos monitores, pois ele poderia descobrir os seus planos. Enquanto os Supermans cedem a energia de seus corpos para as poltronas, Nix e Mandrakk se enfrentam. Mandrakk tem a vangagem, mas a chegada da Tropa dos Lanternas Verde equilibra o combate, e Mandrakk  acaba empalado por uma lança formada pela energia conjunta dos anéis da Tropa. Superman senta-se na poltrona e ativa a maquina., desejando a Terra como era antes da ascenção de Darkseid.

 

 

  A Terra e seus habitantes voltam ao normal, mas para a tristeza dos membros da Liga, os heróis caídos no combate com Darkseid não voltaram a vida. Clark reflete que embora seja um momento de alegria, pois eles restauraram o planeta tal como era, derrotando o deus do mal de uma vez por todas, além de terem velhos amigos de volta como Barry, eles perderam companheiros valorosos como Orion, John Jonzz, e especialmente o Batman.

 

 No epilogo da história, vemos novamente Metron surgir na pré história, e apavorar os homens das cavernas com a criação do fogo. Mas um homem não parece interessado no fogo, e nem assustado. Esse homem de cabelos negros está ocupado demais, desenhando o simbolo do morcego na parede da caverna.

 

 Ufa!

 

 As questões são: Quais elementos de CRISE FINAL poderiam ser usados no cinema?

 

 

 Bom, como o PRIMO vive dizendo, e eu endosso, um ponto de vista mais humano dentro da história poderia ser interessante. Este ponto de vista poderia ser o Dan Turpin, mesmo que ele não fosse tão importante quanto é nessa história.

 

  Gosto da ideia de isolar o local de um crime que a Tropa dos Lanternas Verde tem, neste caso, isolando nosso próprio planeta, não permitindo que ninguém entre ou saia da Terra. Acho que algo assim poderia ser utilizado no cinema.

 

 Gosto do desdém inicial com que a Tropa dos Lanterna encara a Liga, como um mero "clube de combate ao crime local". Algo assim poderia ser interessante, até para no fim do 1º filme, a Liga ganhar ao respeito da Tropa e consequentemente, respeito universal.

 

 Gosto da ideia de Hal Jordan ser incriminado por um crime que não cometeu, talvez como uma forma de Darkseid e Cia tirarem o Lanterna da jogada, e de quebra, tentar roubar o poder da Bateria Central para si.

 

 Embora muitas vezes sejam referenciados como deuses, a maioria dos autores prefere retratar os habitantes de Nova Genese e Apokolips como "alienígenas comuns". Grant Morrison investiu pesado no caráter divino destes seres, os fazendo renascer através da possessão de corpos mortais e até sobreviver sem a necessidade de um corpo. Acho que algo assim poderia ser utilizado para Darkseid em um 1º filme, para afastar Darkseid ainda mais de Thanos. Talvez em um 1º filme, Darkseid e seus asseclas não sejam capazes de chegar ao nosso planeta fisicamente, só através da possessão de outros seres. Assim, os Novos Deuses que sobreviverem a este 1º confronto com a Liga, poderiam voltar em sequências, já descobrindo uma forma de vir até nós sem a necessidade de um hospedeiro. O que acham?

 

 

  Planeta Diário atacado sempre rende bons momentos.

 

  Gosto da "atitude egoísta" do Super de não sair do lado da amada enquanto ela está entre a vida e a morte. Seria legal uma situação onde ao mesmo tempo em que todos se perguntam onde está o Superman, ele está lá com sua visão de calor, tentando manter Lois viva.

 

  Internet e meios de comunicação sendo usadas como arma de controle por Darkseid para disseminar a Equação Anti Vida é excelente, já que elimina mais da metade dos recursos da população.

 

 Diferente do que ocorre em VINGADORES e MOS, podemos ter uma derrota inicial da Terra, com o planeta sendo sitiado por Apokolips. O hiato de um mês (talvez só uma semana já bastasse) parece uma boa ideia. Nem precisa rolar a viagem no tempo do Flash que causa este salto temporal. Não acho que tal recurso foi utilizado em todo o seu potencial quando houve aquele salto de seis meses em TDKR. Talvez tal recurso pudesse ser utilizado aqui.

 

 Gosto dos focos de resistência que se localizam em locais chaves do UDC, como a Fortaleza da Solidão, o Palácio da Justiça e a Sede do Xeque Mate, com pequenos grupos de resistência isolados em cada um desses lugares. Gosto também de continuarem a publicar o Planeta Diário como ultima voz da imprensa livre do planeta.

 

  Um dos heróis optando pra ficar pra trás, enquanto os outros escapam, como na sequência do sacrifício do Arqueiro Verde no Palácio da Justiça é sempre bem vindo.

 

 A cena de Barry tirando Iris do controle da Equação Anti Vida é clichê pra caralho, mas foda-se, funciona, ainda mais que tem a explicação da força de aceleração. Se usassem algo assim, desde que bem feito, poderia ficar legal.

 

 Guardiões dando um prazo de vinte quatro horas para Hal salvar a Terra antes que ela tenha que ser eliminada pelo bem maior também é uma baita ferramenta dramática.

 

  Xeque Mate tendo um plano pra começar a raça humana em uma Terra Paralela caso a vaca vá pro brejo também poderia ser utilizado.

 

 Batman sendo torturado por agentes de Darkseid (de preferência Desaad ou a Vovó Bondade) só para escapar através de seu intelecto é uma excelente pedida.  Só não sei se os alienígenas se interessariam em tentar clonar Bruce em um 1º filme, já que em primeira instância, não saberiam do que ele é capaz, diferente da CRISE FINAL, onde já tinham um longo histórico com o morcego.

 

  Flash se preparando pra uma corrida decisiva, com direito a se colocar na "marca de partida" e se despedir de Iris tem que ter.

 

 E agora a primeira das grandes polêmicas, poderíamos ter Batman cometendo um assassinato com uma arma de fogo em nome de um bem maior em um 1º filme da Liga? Tendo em vista os eventos, ainda mais se tivermos Batman torturado + um mês de domínio de Apokolips sobre a Terra, eu acho que sim. Ainda mais se tivermos a frase de Batman justificando a "exceção".

 

 Segunda polêmica, Batman poderia "morrer" em um 1º filme da Liga? Ai depende. Desde que não houvessem filmes solo do morcego entre um primeiro e segundo filme da Liga, acho que poderia ser interessante. Até por que a própria CRISE FINAL dá indícios nas ultimas páginas de que Batman sobreviveu ao seu encontro com Darkseid. Assim, o 1º filme teria uma pegada de JORNADA NAS ESTRELAS: A IRA DE KHAN, enquanto o 2º filme teria uma pegada de A PROCURA DE SPOCK, com Batman no lugar do orelhudo vulkano. O que acham?

 

  A chegada enfurecida de Superman ao palácio de Darkseid, ao constatar o que seu inimigo fez com a Terra, e o que acabou de fazer com seu velho amigo.

 

 Superman tendo que enfrentar aqueles que jurou proteger, que agora são controlados por Darkseid, ou como o vilão diz "são o próprio Darkseid".

 

 Luthor chegando com a cavalaria no momento exato.

 

 

 No geral, acho que esse são os elementos mais aproveitáveis. De resto, são umas viagens pseudofisicas do Morrison. Essa foi a ultima história com Darkseid antes do Reboot dos novos 52, portanto é o conflito final da Liga com o vilão. Teria sido melhor que o vilão morresse com aquele balaço do Batman do que o ultimo golpe desferido contra ele fosse um assobio do Superman :(  Mas apesar de escorregar bastante em suas ultimas paginas, CRISE FINAL ainda é uma ótima história.

 

 Então. quais elementos de CRISE FINAL, vocês acham que poderiam ser utilizados no cinema?

Link to post
Share on other sites
  • Replies 4k
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Ele é bem mais alto que o Cavill se não me engano. Será que para um filme da Liga o Super não teria que ser o personagem mais alto?(sei que posso estar falado uma besteira) 

Eu prefiro que o Lanterna do filme seja o Hal Jordan também.     Agora proponho uma análise diferente. É a análise de um velho arco de histórias da Liga datado da década de 70, que apesar de ter as

Eu votaria no Brad Bird, gostei do último MI e acho que ele seguraria a barra de uma equipe, principalmente em explorar o trabalho em grupo com poderes diferente (Os incríveis). Eu não espero um filme

Cara, apesar de ser um dos roteiristas mais talentosos dessa geração, o Morrison, na minha opinião, acaba comprometendo a própria editora com sua postura individualista. Pensa comigo: o cara abusa do poder que tem, pois a editora permite. É egoísta, pois coloca em prática seu tesão nessas viagens e, com isso, gera um samba do crioulo doido que mais prejudica do que ajuda a popularização do universo DC. O lance acaba se tornando uma auto paródia, para ser degustada por poucos.

 

O início da história me empolgou bastante, com Dan Turpin servindo de porta para o público ter acesso ao universo dos Novos Deuses, o encontro no período pré-histórico etc., a enciclopédia telepática do Ajax e toda a subtrama que envolve a Tropa dos Lanternas.

 

Concordo com quase todos os pontos que você destacou, e inclusive votaria para que "Crise final" fosse a base para a história derradeira, no cinema, para o plot com Darkseid. Porém, muita coisa teria que ser enxugada, como o excesso de personagens e subtramas. O roteirista teria que encontrar outras formas da história chegar no mesmo ponto final, com uma quantidade bem menor de elementos.

 

Se essa história convencesse o público de que a arma de fogo era o último recurso para salvar a humanidade, eu seria a favor de seu uso nas mãos do Batman, sim. E, se o Batman conseguisse, em um filme posterior, retornar ao tempo contemporâneo, sou a favor de sua "morte" nessa trama, sim.

 

Sobre a abordagem mais "espiritual" dos Novos Deuses, eu defendo um meio termo. Eles não seriam divindades, mas, sim, criaturas com predisposição a, de tão antigas, evoluírem com o passar do tempo (muito tempo) a certa condição plasmática. Em resumo: eles seriam uma analogia científica a deuses, sem serem propriamente deuses.

Link to post
Share on other sites

Seria melhor uma trilogia ou pelo menos uns 2 filmes pra usar isso.

 

Qual é a explicação pro Darkseid estar no corpo do Turpin? 

 

E na boa? Começo a não gostar dessa preocupação excessiva de querer diferenciar da Marvel. Principalmente pq vão deixar de fazer coisas boas apenas para ficar diferente da concorrência. 

 

Talvez por isso mesmo que eu defenda que em um determinado momento, o universo dos filmes sofra uma mudança drástica e não um rebot propriamente dito. E uma Crise Infinitas Terras ou um Flashpoint Paradox, seriam o mecanismo ideal pra fazer essas mudanças, colocando algumas coisas nos eixos e abrindo possibilidade para outras. Por exemplo, na cena final dessa Crise, a Terra seria apenas restaurada. Porém, nada mais seria como antes, por conta do ocorrido. Mas apenas Metron e os Monitores saberiam que por conta de terem salvo as Terras Paralelas, a principal acabou por sofrer mudanças. Para Superman e os demais personagens, seria como se a Terra alterada tivesse sido assim desde sempre. Eles não teriam consciência de que em uma batalha como essa ai da Crise Final, provocaram mudanças no seu universo.

 

Ou mesmo em Flashpoint, com o Barry ou o Wally consertando alterações na linha temporal, mas que apenas fariam os heróis mortos ou inexistentes e o mundo normal, retornarem. Nem mesmo o Flash que usassem em Flashpoint, teria consciência de que mudou tudo pra sempre(ou até outro evento dessa magnitude).

Link to post
Share on other sites

Pra mim os elementos de Crise Final que poderiam ser usados em um filme da Liga são:

 

.Ponto de vista humano do Dan Turpin que já teria aparecido anteriormente em um filme solo do Superman.

.Atentado no Planeta Diário.

.Novos Deuses e seres de Apokolips usando corpos humanos como hospedeiros temporariamente, até poderem ter acesso a seu corpo real.

.Apokolips dominando a Terra por 1 mes.

.Uso dos Justificadores.

.Focos de resistencia contra Darkseid e suas tropas na Fazenda Kent,Fortaleza da Solidão,Batcaverna etc.

.Desaparecimento do Superman durante estes eventos.

.A "Morte" do Batman pelas mãos do Senhor de Apokolips.

 

Estava pensando aqui será que a "Morte" do Batman no filme da Liga impede que sejam feitos filmes solos do morcego durante esse período?Digo isso porque caso o Batverso seja mais velho com vilões e aliados já estabelecidos, a Warner poderia arriscar e fazer o Asa Noturna se tornar o Batman como nas HQs ,o Asa aparece como coadjuvante no filme da Liga e no final do filme em uma cena pós créditos aparece em Gotham assumindo o manto de seu mentor(não teria uma Batalha Pelo Manto como nas HQs).Tenho até uma ideia pra uma Trilogia com o Dick como Batman:

 

Filme 1:Uma adaptação de O Filho do Batman com a introdução do Damian Wayne e uma subtrama com o Charada,no final do filme Damian se torna o novo Robin e ao contrário do que ocorreu nas HQs Tim Drake entrega o manto de bom grado e se torna Robin Vermelho.

Filme 2:Adaptação de Contra o Capuz Vermelho,com algumas alterações como Asa Noturna estar presente na missão em que Robin(Jason Todd)morreu,mostrando que Dick também carrega culpa pela morte de Jason.

Filme 3:Batman e Robin enfrentam Silencio(Thomas Elliot) e a Corte das Corujas,no clímax do filme Bruce Wayne reaparece vivo e auxilia na batalha e no final Dick reassume o manto de Asa Noturna.

Link to post
Share on other sites

PRIMO  concordo com você em suas considerações sobre o Morrison. Acho ele um baita roteirista com excelentes idéias, mas que acaba se perdendo muitas vezes pelo excesso de paixão pelas próprias idéias, que muitas vezes chegam a não se comunicar uma com a outra. O próprio ultimo ato da Crise Final, envolvendo a Maquina dos Milagres e Superman destruindo Darkseid com um assobio ( :wacko: ) eu acho bem equivocado, para uma história que até então vinha muito bem (apesar de algumas sub tramas desnecessárias, como as que envolvem os Monitores e o Sr. Milagre).

 

 Se essa história convencesse o público de que a arma de fogo era o último recurso para salvar a humanidade, eu seria a favor de seu uso nas mãos do Batman, sim. E, se o Batman conseguisse, em um filme posterior, retornar ao tempo contemporâneo, sou a favor de sua "morte" nessa trama, sim.

 

 PRIMO, supondo que a "morte" de Batman ocorresse já em um primeiro filme, o que você acharia que mesmo com a formação da Liga, alguns heróis ficassem em duvida se o morcego morreu ou não, e no 2º filme, enquanto alguns aceitariam a morte do Batman, outros partiriam para tentar localiza-lo? (Talvez com a introdução do Gladiador Dourado na formação 2 da equipe).

 

 Sobre a abordagem mais "espiritual" dos Novos Deuses, eu defendo um meio termo. Eles não seriam divindades, mas, sim, criaturas com predisposição a, de tão antigas, evoluírem com o passar do tempo (muito tempo) a certa condição plasmática. Em resumo: eles seriam uma analogia científica a deuses, sem serem propriamente deuses.

 

 Concordo em gênero, numero e grau. PRIMO, o que você acha de em um 1º filme, os novos deuses de Apokolips não conseguirem chegar a Terra em seus corpos físicos, tendo que recorrer a possessão. O povo de Apokolips seria derrotado, mas não sem os sacrifícios de Batman e Dan Turpin. Em um 2º filme, a trama não estaria relacionada com Darkseid, embora este arco poderia continuar na franquia solo do Super. Fechando a 1ª trilogia da Liga, Darkseid e seus asseclas encontrariam um jeito de vir a Terra em suas formas físicas, o que os tornaria ainda mais poderosos, o que forçaria a Liga (Já com Batman de volta ao nosso tempo) a recorrer a ajuda do povo de Nova Genese em uma batalha final que se estenderia por Terra, Nova Genese e Apokolips. O que acha, PRIMO?

 

 Qual é a explicação pro Darkseid estar no corpo do Turpin?

 

  SLASH, não chega a ser explicado do por que Darkseid escolheu Turpin para ser o seu hospedeiro. É sugerido que ele foi escolhido por sua proximidade com o Superman, por ter se mostrado um terráqueo forte o bastante para enfrentar Kalibak no passado, e por ele estar presente quando Orion "matou" Darkseid no climax da saga "A Morte dos Novos Deuses". Mas são tudo hipóteses. A escolha pode ter sido simplesmente aleatória.

 

  E na boa? Começo a não gostar dessa preocupação excessiva de querer diferenciar da Marvel. Principalmente pq vão deixar de fazer coisas boas apenas para ficar diferente da concorrência.

 

  Não vi preocupação excessiva aqui, SLASH. Tanto que achamos que Darkseid é bom demais pra ser usado, mas falando por mim, acho que ele pode sim perfeitamente ser introduzido como o vilão principal do 1º filme e ir sendo desenvolvido nas sequências. É um caminho diferente do que a Marvel está fazendo com Thanos (que tem suas semelhanças com Darkseid), mas acho que este caminho que estou sugerindo aqui não é viável por que é diferente do que a Marvel Studios está fazendo. Acho viável por que eu acho que funciona.

 

 

 Talvez por isso mesmo que eu defenda que em um determinado momento, o universo dos filmes sofra uma mudança drástica e não um rebot propriamente dito.

 

 O que você sugere é um reboot, SLASH, mas é o que chamamos de reboot diegético (ou seja, que está incorporado na trama) foi o que Abrams fez com STAR TREK, e mais recentemente Singer fez com X MEN: DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO (embora não tão bem na minha opinião). De boa, eu acho muito cedo, mas muito cedo mesmo pra sequer cogitar isso. Tem muitas historias pra se contar antes que resolvam mudar o tecido espaço/tempo da existência :D 

 

Estava pensando aqui será que a "Morte" do Batman no filme da Liga impede que sejam feitos filmes solos do morcego durante esse período?Digo isso porque caso o Batverso seja mais velho com vilões e aliados já estabelecidos, a Warner poderia arriscar e fazer o Asa Noturna se tornar o Batman como nas HQs ,o Asa aparece como coadjuvante no filme da Liga e no final do filme em uma cena pós créditos aparece em Gotham assumindo o manto de seu mentor(não teria uma Batalha Pelo Manto como nas HQs).Tenho até uma ideia pra uma Trilogia com o Dick como Batman:

 

Filme 1:Uma adaptação de O Filho do Batman com a introdução do Damian Wayne e uma subtrama com o Charada,no final do filme Damian se torna o novo Robin e ao contrário do que ocorreu nas HQs Tim Drake entrega o manto de bom grado e se torna Robin Vermelho.

Filme 2:Adaptação de Contra o Capuz Vermelho,com algumas alterações como Asa Noturna estar presente na missão em que Robin(Jason Todd)morreu,mostrando que Dick também carrega culpa pela morte de Jason.

 

Filme 3:Batman e Robin enfrentam Silencio(Thomas Elliot) e a Corte das Corujas,no clímax do filme Bruce Wayne reaparece vivo e auxilia na batalha e no final Dick reassume o manto de Asa Noturna.

 

  ESPECTRO, primeiramente devo dizer que essa sua ideia para uma trilogia com o Batman (Dick Grayson) me atraiu bastante. Tem muitas boas idéias ai. Mas pessoalmente, não me agrada a ideia de ver um filme do Batman em que não seja Bruce Wayne que esteja atrás da mascara (a não ser que Wayne arrance a mascara a soco do vagabundo que ousou se passar por ele ao final :D )

 

 Mas falando sério, acho que Wayne ficaria "morto" só entre o 1º e o 2º filme da Liga, nem tendo tempo útil para uma trilogia com o Batman do Grayson. Por fim, torço para que em BVS mesmo sendo veterano, Bruce não tenha começado a treinar os seus vigilantes de Gotham. Depois de sua experiência de quase morte, ele pode testemunhar a morte dos Grayson, e adota Dick como seu sucessor. Afinal, se nas Hqs, ele não é tão mais velho quanto Clark, pode também não ter iniciado os Vigilantes de Gotham.

Link to post
Share on other sites

PRIMO, supondo que a "morte" de Batman ocorresse já em um primeiro filme, o que você acharia que mesmo com a formação da Liga, alguns heróis ficassem em duvida se o morcego morreu ou não, e no 2º filme, enquanto alguns aceitariam a morte do Batman, outros partiriam para tentar localiza-lo? (Talvez com a introdução do Gladiador Dourado na formação 2 da equipe).

 

Sou a favor da premissa e da inserção do Gladiador Dourado, desde que a viagem no tempo estivesse, no filme, também relacionada a outros aspectos da trama principal, para não ficar solta e tal. Essa viagem poderia ter também outra função, de desencadear algo voltado ao problema central do filme, por exemplo.

Link to post
Share on other sites

o que você acha de em um 1º filme, os novos deuses de Apokolips não conseguirem chegar a Terra em seus corpos físicos, tendo que recorrer a possessão. O povo de Apokolips seria derrotado, mas não sem os sacrifícios de Batman e Dan Turpin. Em um 2º filme, a trama não estaria relacionada com Darkseid, embora este arco poderia continuar na franquia solo do Super. Fechando a 1ª trilogia da Liga, Darkseid e seus asseclas encontrariam um jeito de vir a Terra em suas formas físicas, o que os tornaria ainda mais poderosos, o que forçaria a Liga (Já com Batman de volta ao nosso tempo) a recorrer a ajuda do povo de Nova Genese em uma batalha final que se estenderia por Terra, Nova Genese e Apokolips. O que acha, PRIMO?

 

Em um primeiro momento, tem algo estranho nisso, e creio que esteja relacionado à tentativa frustrada de Darkseid no primeiro filme. Veio à minha cabeça um toque de Coyote v Road Runner - não estou comparando - que pode jogar contra a imagem do vilão e subvalorizá-lo. Será que não podemos manter essa premissa sem incluir o Darkseid no primeiro? Difícil, neh?

Link to post
Share on other sites

Sou a favor da premissa e da inserção do Gladiador Dourado, desde que a viagem no tempo estivesse, no filme, também relacionada a outros aspectos da trama principal, para não ficar solta e tal. Essa viagem poderia ter também outra função, de desencadear algo voltado ao problema central do filme, por exemplo.

  

  Com certeza, PRIMO. A Liga poderia estar investigando as maquinações de Vandal Savage ou Cronos (vilões que tem um histórico de mexerem com o tempo) e no meio da investigação surgem evidências de que Batman pode estar vivo, mas perdido no tempo. Enquanto alguns membros não acreditariam na evidência, outros acreditariam, e partiriam ao resgate do morcego, por acreditarem que ele seria vital para resolver o problema que a Liga esta enfrentando, e é claro por não aceitarem abandonar o colega.

 

 

Em um primeiro momento, tem algo estranho nisso, e creio que esteja relacionado à tentativa frustrada de Darkseid no primeiro filme. Veio à minha cabeça um toque de Coyote v Road Runner - não estou comparando - que pode jogar contra a imagem do vilão e subvalorizá-lo. Será que não podemos manter essa premissa sem incluir o Darkseid no primeiro? Difícil, neh?

 

  Não vejo assim, PRIMO. Ser derrotado pelos X MEN em um 1º filme e retornar posteriormente não subvalorizou o Magneto, assim como não impedir a destruição da Estrela da Morte não subvalorizou o Darth Vader, ou ser derrotado por Thor, e voltar depois pra encarar os Vingadores não subvalorizou o Loki, e por ai vai. Não vejo por que uma derrota do Darkseid no 1º filme o subvalorizaria. Afinal, ele causaria estrago pra caramba em sua 1ª aparição. Além de sitiar a Terra, e causar estragos tão grandes ou maiores do que aqueles causados pelo Zod, a derrota de Darkseid custaria a vida de Dan Turpin, e aparentemente a do Batman. Não vejo por que excluir Darkseid, quando podemos inclui-lo sem perda alguma. 

Link to post
Share on other sites

Essa sensação pode ter relação com o "quase Darkseid" que seria apresentado no primeiro filme. Seria como se eu esperasse do Darkseid uma aparição mais simbólica, que seria ele em sua forma mais completa. Acho que espero mais do Darkseid, pelo fato dele ser o vilão mais fodão do universo DC, um status que não seria ao caso desses que vc muito bem citou e tal. Algo aí não encaixou. Vou pensar melhor pra tentar achar o motivo central do possível problema!

Link to post
Share on other sites

 PRIMO, mas o Darkseid apareceria nesse primeiro filme. Tal como em CRISE FINAL, o corpo do Turpin sofreria mutações até se tornar o corpo de Darkseid. Então, quando Batman "mata" Darkseid com a bala de radium, ele não só exorciza Darkseid do corpo do Turpin, mas impediria que Darkseid voltasse a Terra em sua forma "etérea" para possuir outros corpos. O envenenamento de radium causado pela bala não mataria Darkseid, mas mataria essa sua capacidade. No fecho da 1ª trilogia, quando Darkseid vem a Terra com seu corpo original, ele seria ainda mais poderoso, estilo New 52, já que o Darkseid New 52 é bem mais poderoso que o Darkseid pré new 52.

 

  Então, o 1º filme teria sim um Darkseid completo, que enfrentaria a Liga e tudo, e não um "quase Darkseid" como você sugeriu.

Link to post
Share on other sites

Darkseid precisaria ser o cara, o chefão de fase. Algumas características fazem com que seu status seja incomparável ao de outros vilões. Exemplo: Loki foi vilão em Thor, mas um vilão em formação, que vinha de um ranço familiar, com motivações ainda incertas, descobrindo-se. Depois ele voltou com um exército para em seguida enfrentar com esse exército uma equipe e sendo um braço para as intenções intermediárias de Thanos. Em suma, ele não precisava ser o cara. Tanto que ele pôde até ser humilhado pelo Hulk em horário nobre, para voltar depois todo pimpão com seu subplot da mágoa familiar e da busca por trono e reconhecimento. Magneto é a contraparte de Xavier, como até já citamos aqui. Ele é tão parte da história, do plot principal, quanto os heróis. É como Luthor para o Superman. Apesar do Darth Vader ser o vilão símbolo, o status dele é também de braço, com uma ligação familiar que faz dele também parte da paisagem, da guerra principal. Ele é essencial até mesmo para a existência da cinessérie. Com o Darkseid, entendo que a presença física precisa ser algo único, precisa ser o momento "fudeu" para público e para os personagens. Ele precisa surgir, gerar o grande evento de encerramento e ser derrotado, e isso, na minha opinião, perderia muita força, diante do status dele, se ele fosse derrotado, mesmo estando com pouca força, para voltar depois. Não vejo ele funcionando da melhor forma possível, com um "Muahahha, eu voltei, e agora ainda mais forte, pois da última vez um humano com uma arma de fogo calou a minha boca". Tô exagerando aqui propositalmente para emular a sensação que isso pode gerar em parte do público. "Ah, é esse aí o seu grande vilão?". Mesmo que tenha argumento para isso, a presença física dele perde força simbólica. Dentro dessa argumentação, ele pode aparecer na tela, sim, mas 1) não na Terra e 2) não necessariamente sendo derrotado fisicamente. A história que estamos analisando é boa, mas, no cinema, não precisa seguir tantos elementos da trajetória do vilão. Com criatividade, podemos fazer alterações para aumentar o efeito "fudeu".

Link to post
Share on other sites

 PRIMO, continuo a discordar disso usando outro exemplo. O Coringa. Nolan pretendia usa-lo no 3º filme, só não o fazendo por que Ledger morreu. A ausência do Coringa não é um problema em TDKR. O Coringa não é "parte fixa" da paisagem da historia. Mas eu pergunto, se Ledger tivesse sobrevivido e reprisasse o seu papel em um 3º filme, o publico questionaria a sua "furiosidade" como vilão por que ele foi derrotado e voltou para um 2º round? Eu acho que não.

 

 Então eu pergunto, pra Darkseid manter a sua "furiosidade", ele teria que enfrentar a Liga diretamente só uma unica vez? Eu não consigo ver assim. Acho perfeitamente plausível que o senhor de Apokolips enfrente a equipe diretamente mais de uma vez, sem com isso perder a sensação de ameaça que ele representa. Não vejo o evento "fudeu" sendo perdido, e não acho que os elementos que você apresentou sobre Darth Vader por exemplo, anulem a analogia que fiz entre ele e Darkseid. Afinal, ser um "braço" do imperador é irrelevante no impacto criado no publico. Cada vez que Vader aparece em cena nos três filmes da série gera o efeito "putz, fudeu!", e eu não vejo por que o mesmo não pode ser feito com Darkseid já em um 1º filme da Liga.

 

 Esse debate também nos leva a uma bola levantada pelo SLASH alguns posts atrás. Segundo ele, é um excesso de preocupação temer "copiar" a Marvel. O que a Marvel tem feito com Thanos, é exatamente o que está sendo sugerido ser feito com Darkseid aqui, não enfrentar os heróis diretamente, não aparecer na Terra, não ser derrotado fisicamente. Eu não acho que seria um problema se não houvesse outra forma de abordar o personagem, mas eu acho que há. Em sua primeira aparição Darkseid causaria um estrago do caramba. O publico ficaria pensando "meu deus, o que esse FDP vai fazer depois?" Ah, e não seria um "humano" a calar a boca de Darkseid com uma arma, seria um humano que é O BATMAN calando a boca de Darkseid com uma arma. E isso quer dizer alguma coisa.

 

  Em resumo, não vejo por que Darkseid perderia o impacto se já enfrentasse a equipe diretamente em um 1º filme. Também não vejo por que ele perderia o impacto se retornasse após uma eventual derrota em um 1º filme.

Link to post
Share on other sites

eu me preocupo com isso.

quantos universos cinematográficos a WARNER vai criar?

 

Corrija-me se eu estiver errado, mas, pelo que eu li até aqui, foi dito apenas que o Shazam não será um integrante da Liga da Justiça.

Até aqui, isso não impede que o personagem seja do mesmo universo que "Batman v Superman", por exemplo.

Link to post
Share on other sites

A questão não é essa, Gilsão! Eu acredito que Dwayne "The Rock" Johnson possa, um dia, interpretar Black Adam no mesmo filme em que Amy Adams esteja interpretando Lois Lane, por exemplo. Para termos essas franquias no mesmo universo, o Shazam não precisa necessariamente fazer parte da Liga, nem hoje e nem no futuro. Para usar como exemplo, temos "Capitão América 2 - o Soldado Invernal", em um clima bem diferente de "Guardiões da Galáxia", mas, ainda assim, eles compartilham o mesmo universo. Em tese, temos informações até agora apenas para dizer que está permitido para o filme do Shazam ter um clima diferente do apresentado em "Batman v Superman".

Link to post
Share on other sites

Ok Primo! 
Para meu gosto e acredito que de tantos outros, (mesmo com essa sua lógica a qual é totalmente verdadeira), me satisfaria apenas com uma citação no filme que indique que isso um dia possa ser possível.

Porque no filme do Capitão não temos Thanos mas sabemos que ele está neste universo em virtude dos eventos dos vingadores e guardiões, bom, todos sabemos que a motivação por trás de toda história foi o azulão.

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

 Depois de um tempo, gostaria de retomar aqui a análise dos arcos de história da Liga, devido as recentes novidades envolvendo o Universo DC Cinematográfico. Gostaria de começar com ORIGENS, primeira história da Liga no Universo New 52.


 


 


 


Justice-League-Origin-Comic-Book-Cover.j


 


 


 


 


  A trama tem início em Gotham City, onde um jornal relata uma série de desaparecimentos provocados por criaturas aladas, implicando a lenda urbana do Batman como possível responsável. Nos telhados da cidade, Batman persegue um parademônio, que vem a ser um dos responsáveis por esses desaparecimentos. Ele recebe a ajuda do Lanterna Verde (Hal Jordan) embora não gosta muito da presença do herói de Coast City em sua cidade. O Lanterna retruca que todo o setor 2814 é sua responsabilidade, e que esta em Gotham pois o anel detectou uma presença alienígena não autorizada.


 


 


 A dupla de heróis persegue o parademônio até o esgoto, que ao se ver encurralado, tenta se matar no melhor estilo homem bomba gritando "Por Darkseid". O Lanterna consegue protege-los com o anel e recuperar uma caixa materna usada pelo parademônio. O anel não reconhece a tecnologia, e a dupla resolve então ir até Metropolis falar com o herói conhecido como Superman, que sendo assumidamente um alienígena, pode ter alguma informação.


 


 Enquanto isso, em um jogo de futebol americano, Vitor Stone esta chateado por mais uma vez seu pai não comparecer. De repente, o publico vai a loucura quando um enorme construto em forma de avião do Lanterna passa pelo local. Um dos colegas de Vitor pergunta se o pai dele estuda super humanos, e desanimadamente, Vitor responde que sim.


 


 Chegando a Metropolis, Batman critica o Lanterna Verde por sua falta de sutileza. Os dois rastreiam o Superman com o anel, mas ao encontra-lo, a postura arrogante de Hal faz com que os dois heróis entrem em conflito com o Homem de Aço.


 


 Em Central City, Barry Allen esta frustrado pela polícia estar mais preocupada nas investigações a respeito das ações do Flash do que em investigar os desaparecimentos. É quando ele recebe um pedido de socorro de um velho aliado, o Lanterna Verde. Logo, o Flash chega a Metropolis, e tenta ajudar Hal em seu confronto com o azulão. Cabe a Batman acalmar os ánimos, e dizer que só estão ali em busca de informações. Superman diz que também houveram desaparecimentos em Metropolis relacionados a alienígenas, mas Lanterna e cia dizem que estão investigando o mesmo caso, e não tem nada a ver com isso. Enquanto Flash e Superman começam a reparar os danos causados pela briga, forças do governo chegam e dão voz de prisão ao quarteto de heróis por desordem publica. Eles fogem para os esgotos.


 


 Em Detroid, Vitor visita seu pai nos Laboratorios STAR cobrando mais atenção. O pai de Vitor zomba dos esforços atléticos do filho, já que em um mundo cada vez mais povoado por meta humanos, tais esforços soam inúteis. Descobrimos que os Laboratórios STAR também se apossaram de uma Caixa Materna, e a estão estudando. Em Metropolis, os cinco heróis se reúnem em uma gráfica abandonada, antigamente pertencente ao Planeta Diário. Subitamente, as Caixas começam a reagir nos dois lugares e explodem, gerando Tubos de Explosão que dão passagem para centenas de parademônios. Em Detroid, Vitor é gravemente ferido pela explosão, tendo parte de seu corpo mutilado.


 


  Em Washington, a Princesa Diana, apelidada pela mídia de Mulher Maravilha faz a sua turnê mundial para promover a paz entre Themiscera e o Patriarcado. Mas muitos a recebem com hostilidade, tanto pelo fato de ela ser um ser superpoderoso, como pelas suas crenças pagãs. Embora consiga angariar a simpatia de uma garotinha, o evento é interrompido pelo surgimento de um tubo de explosão nos céus de Washington, liberando uma horda de parademônios que passam a ser combatidos pela Mulher Maravilha.


 


 Em Detroid, nos Laboratórios STAR, parademônios aterrorizam os funcionários. O Dr. Silas Stone arrasta seu filho moribundo até um quarto do pânico, junto com a Caixa Materna, e imediatamente começa a opera-lo, recusando-se a deixa-lo morrer.


 


  Em Metropolis, o grupo do Superman continua a lutar contra os parademônios. A cidade parece ser o epicentro da invasão, embora Flash diz que ouviu pelo rádio que várias invasões semelhantes estão ocorrendo no mundo todo. Batman percebe que ao invés de atacar as pessoas, os parademônios as estão abduzindo, o que o deixa intrigado. Os monstros gritam por Darkseid.


 


  A Mulher Maravilha chega a Metropolis, reunindo-se ao resto dos heróis. A princesa parece empolgada com a luta, e diz que chegou até lá, pois a imprensa diz que é onde a situação esta pior. Todos ficam impressionados com a força, aptidão de combate e beleza da heroína, especialmente o Superman.


 


 Em Detroid, Vitor entra em parada cardíaca. Seu pai aplica próteses experimentais desenvolvidas para lidar com meta humanos no filho. E em um ato de desespero, tenta acoplar a própria Caixa Materna no corpo de Vitor, que enfim parece reagir.


 


  Em Metrópolis, uma enorme embarcação emerge da água, disparando raios de energia contra os parademônios. Aquaman sai de dentro do submarino lutando contra os parademônios e exige saber dos heróis presentes o que o povo da superfície esta tramando. Os heróis explicam a situação a Aquaman, dizendo que o povo da superfície não tem nada a ver com o que esta havendo. O rei dos mares então une-se a batalha.


 


  Em Detroid, Vitor acorda e fica horrorizado com seu novo corpo de Cyborg, dizendo que preferia ter morrido. Parademônios invadem a sala, mas com suas novas habilidades, Vitor é capaz de derrota-lo. Devido a sua ligação com a Caixa Materna, o herói é acometido por uma série de visões e sussurrando que "Darkseid está chegando" parte para longe, alegando nunca mais querer ver o pai. Cyborg chega a Metropolis e tenta avisar os outros heróis da chegada iminente do senhor de Apokolips. Mas é tarde demais. Um tubo de explosão se abre e Darkseid surge flutuando sobre o Planeta Diário.


 


 Um esquadrão da Força Aérea chega ao local, mas são todos dizimados pelos raios omega de Darkseid. Superman parte para cima do vilão, mas este parece ser bem superior fisicamente, espancando Superman. Darkseid dispara seus raios omega contra o kriptoniano, mas o Flash o resgata. Os raios continuam a perseguir o velocista, que carrega o Superman. Os dois decidem se separar, mas os raios também se separam, passando a perseguir os dois. Flash consegue escapar, vibrando o seu corpo para que o raio o atravesse, atingindo um parademônio em seu lugar. Superman não tem tanta sorte, e é atingido em cheio, perdendo os sentidos, e em seguida sendo levado por um parademônio para dentro de um dos tubos de explosão.


 


  Mulher Maravilha, Aquaman e Lanterna Verde atacam Darkseid, mas também são derrotados. O Lanterna insiste no ataque, e tem o braço quebrado. Ele perde a concentração e começa a cair, mas é resgatado por Batman. O Lanterna quer atacar Darkseid de novo, mas Batman diz que eles precisam se reagrupar e planejar. O Lanterna diz que não tem medo de morrer. Em um ato de confiança, Bruce tira a mascara, e lhe dá um resumão de sua história. Mas ele diz que isso é muito maior do que ele (Bruce) ou Hal, pois se falharem naquele dia, a Terra não vai sobreviver.


 


  Lanterna começa a confiar em Batman, que pede que o Lanterna convença os heróis a trabalharem juntos, para que eles mantenham Darkseid ocupado, mas que se mantenham vivos até ele voltar com o Superman. Sem entender o que o morcego quer dizer, Hal vê Bruce se colocar em uma posição vulnerável e ser levado por um dos parademônios. Lanterna Verde se reune com os outros super heróis, e lhes conta o plano de Batman, frisando que eles devem tentar se manter vivos e evitar confrontos longos com Darkseid (dizendo isso especialmente para Diana). Hal dá a Vitor a chance de ir embora, mas Cyborg sente que é um deles agora.


 


 Enquanto isso, após atravessar o tubo de explosão, Batman nocauteia o parademônio que o capturou, e se vê em uma enorme masmorra a céu aberto, em um ambiente alienígena que acaba por ser Apokolips, planeta natal de Darkseid.


 


 Darkseid esta devastando Metropolis com seus raios omega. Um escritor chamado David tenta proteger a sua família, pedindo a deus por alguma ajuda. É quando suas preces são atendidas ao ver os fogos de artifício gerados pelo Lanterna Verde, que atraem Darkseid para longe de sua casa, direto para onde os membros remanescentes da Liga o esperam.


 


 Em Apokolips, Batman descobre que os parademônios são na verdade membros de várias raças (incluindo os terráqueos sequestrados) alterados genéticamente por Desaad para servirem cegamente a Darkseid. O capturado Superman esta destinado a ser o mais poderoso de todos. Batman consegue gerar uma distração, que deixa Dessad sozinho no laboratório. O morcego então derrota Dessad e liberta o Superman. Os dois então atravessam o tubo de explosão, e voltam para a Terra, juntando-se ao resto da Liga na luta contra Darkseid.


 


  Cyborg consegue controle sobre a caixa materna em seu corpo, e envia um comando que cria um vórtice que suga todos os parademônios de volta a Apokolips. Darkseid no entanto resiste. A Mulher Maravilha grita que o ponto forte pode ser transformado em ponto fraco. O Lanterna Verde então ofusca o vilão com uma rajada de luz. Diana fura um dos olhos de Darkseid com a espada, enquanto Arthur fura o outro com o tridente. Superman então usa toda a sua força para atirar o vilão contra o tubo de explosão. Ele se fecha, e a Terra é salva.


 


 Uma multidão cerca os heróis, que se preparam para receber hostilidades, mas são aplaudidos No dia seguinte, os sete heróis são recebidos na Casa Branca, onde são condecorados pelo Presidente. O Presidente oferece apoio do governo a equipe. O Lanterna sente-se tentado a aceitar, mas Batman o corta, dizendo que eles agirão de forma independente. O presidente pergunta se eles tem um nome, no que Flash para o embaraço dos demais diz "Que tal Super Sete"?


 


 A historia termina com o escritor visto anteriormente lançando um livro que conta em primeira mão a primeira grande aventura da Liga.


 


 As questões são:  Quais elementos de ORIGINS poderiam ser utilizados no cinema?


 


  Devo confessar que não sou fã da primeira aventura da Liga nos Novos 52. Não sei o que aconteceu com o Geoff Johns aqui, que geralmente é um ótimo escritor. Mas embora os desenhos de Jim Lee sejam acachapantes, e eu tenha gostado muito do novo visual de Darkseid e dos parademônios, que se tornaram bem mais ameaçadores, o roteiro de Johns chega a ser ofensivo de tão ruim. ORIGINS é como um filme do Michael Bay, visual bonito e explosões pra lá e pra cá, mas uma história babaca.


 


 Mas falamos do que dá pra aproveitar. Acho que tem que colocar o Darkseid em um primeiro filme sim. Ouvi rumores que estavam pensando em usar Brainiac no primeiro e Darkseid no segundo. Espero que não se confirme. Se é pra usar um vilão alienígena, usem o Darkseid. Ainda mais agora que a Marvel parece ter empurrado a utilização do Thanos mais pra frente. A DC tem que aproveitar isso e apresentar o Senhor de Apokolips em toda a sua glória antes que a Marvel faça isso com o Thanos. Dá inclusive pra se basear no visual dessa história, mas tem que ser o Darkseid das antigas, poderoso, mas estrategista, e não o brutamontes monossilábico apresentado aqui.


 


 Em resumo, se o roteiro for bom, Darkseid não precisa de preparação nenhuma. Bota ele logo como primeiro grande desafio da Liga.


 


 Outro ponto que eu gostei da história foi o fato dos parademônios não serem mais uma raça alienígena de Apokolips, mas sim prisioneiros que foram alterados geneticamente para servirem a Darkseid.


 


 Alguns heróis ficarem surpresos com o fato do Batman ser só "um cara numa fantasia" e não alguém com poderes.


 


  Gostei também da cena em que Batman revela a sua identidade ao Lanterna para mostrar que aquela invasão era muito maior do que suas vidas pessoais. Um ato bem simbólico que merece ser representado no cinema, e uma das boas sacadas da história. Rumores apontam que o Lanterna não vai estar entre os membros fundadores. Espero que não se confirme, pois acho bem legal a rivalidade entre o Bruce e o Hal.


 


 Acidente do Cyborg acontecendo neste filme, e ele tendo a caixa materna implantada no corpo, eu acho um elemento digno de nota também. Só lamento que já tenham confirmado que o Capitão Marvel não fara parte da primeira formação da equipe. Acho que na HQ, o Cyborg ficou um pouco deslocado do resto do grupo por ser um pós adolescente (pra mim da velha guarda o Cyborg sempre vai ser mais um Jovem Titã do que um membro da Liga, mas deixa quieto). A adaptação animada WAR substituiu o Aquaman pelo Capitão Marvel, e acho que funcionou, pois o Cyborg tinha alguém pra fazer dinâmica, pois se tratam de dois heróis jovens. 


 


 No geral, é isso.


 


 Então, quais elementos de ORIGINS vocês acham que poderiam ser utilizados no cinema?


Link to post
Share on other sites

Traminha muito veloz e tals... mas sem base.

Joga na cara do leitor a intenção imediatista caça-níquel. Coisa triste de se ver. Na época, li a primeira edição e desisti de acompanhar.

 

Enfim, vamos às partes aproveitáveis:

 

A cena do Bruce revelando sua identidade ao Lanterna Verde (a que mais me chamou atenção), a relação entre homem bomba e parademônio dá pra usar (porém com muito mais sutileza), o pai do Victor representando quem questiona o valor da humanidade diante dos meta, Diana sendo alvo de preconceito, salvando alguém em seguida, por exemplo, e mostrando sua faceta bélica, a reunião em gráfica abandonada do Planeta Diário (gosto da cidade como personagem, tipo cine noir), Flash e Superman gerando a separação dos dois feixes ômega, e Flash intangível ao vibrar, Batman com um plano paralelo no bom estilo Aragorn.

 

Sobre o Capitão Marvel, sua inclusão pode ser feita no segundo filme da Liga, também como um alento "tardio" ao deslocamento do Cyborg, embora Victor não pareça tão novo assim na versão escolhida para o cinema.

Link to post
Share on other sites

 Acho que o ator que fara o Cyborg no cinema parece ser um pouco mais novo que o Cavill, PRIMO. Acredito que ele será no minimo mais jovem que o Superman.

 

  PRIMO, o que você achou da proposta do Johns para os Parademônios? Deles serem não uma raça de Apokolips, mas sim seres geneticamente alterados por Desaad para servirem a Darkseid. Ou seja, cativos de povos dominados por Darkseid que são submetidos a este procedimento para se tornarem soldados 100% leais ao Darkseid. Pessoalmente, gostei muito desse conceito, e acho que pode ser usado no cinema.

Link to post
Share on other sites

Em um primeiro momento, soa mais cartunesco que a alternativa, mas pode funcionar. Para ajudar, poderíamos ver o biotipo menos padronizado, como se fosse menor a "distância" entre o visual final de cada um e sua versão original. Ficaria inclusive mais assustador, impactante.

Link to post
Share on other sites

 Sim PRIMO. Eles não seriam todos iguais. Cada um teria um visual um pouco diferente, como os Orcs da franquia O SENHOR DOS ANÉIS. inclusive em algum momento, podemos ver uma vítima sofrendo a citada transformação nas mãos de Desaad com uma pegada bem Cronenbergiana. (Ok, não tão visceral quanto, mas quase).

 

 PRIMO, e quanto ao flerte entre Diana e o Superman? Você acha que cola? Pessoalmente, prefiro que o Super continue gamado só na Lois Lane e deixe a princesa para o morcego. Embora eu tenha achado a química entre Cavill e Adams bem fraca.

Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

Announcements


×
×
  • Create New...