Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Nacka
 Share

Recommended Posts

 Aplausos
Dramalhão dinamarquês q pode ser definido como um “Coração Louco” europeu onde a atriz principal interpreta outra atriz-cachaceira-em-decadência-e-blábláblá. O mote é batido mas o estilão documental/intimista da narrativa (algo bem europeu) faz a diferença. Contudo, o q pesa mesmo a favor é a interpretação inspirada da veterana atriz dinamarquesa Paprika Steen, q no fundo quer se reaproximar dos filhos, impedidos de chegar  judicialmente próximos do bafo etílico da mãe. Ela faz uma espécie de anti-heroina-trágica q ao ser antipática e agressiva ganha facilmente nossa piedade em sua tentativa singela de ser apenas.. mãe. Seu temperamento bronco e frágil é facilmente perceptível qdo lida com a simpática, delicada e sorridente jovem estagiária q a ajuda no camarim  e a quem dá patadas ( "Diabo veste Prada" ?) até não poder mais rendendo os melhores momentos do filme. 8,5/10

 

Applause%20Paprika%20Steen

Link to comment
Share on other sites

Das Weisse Band

 

Achei que ia ser um dos melhores que vi no ano. Não achei. Gostei muito dos planos de filmagem, acho interessante a imprecisão da resolução dos mistérios, como se o mal estivesse perambulando e fosse demasiado complexo para a compreensão através de uma citação simples de nomes, mas o ritmo cadenciado e o excesso de personagens tornam o filme demasiado longo. Sei lá, achei chatíssimo (o que não faz com que seja ruim), mas não me empolgou.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Das Weisse Band

Achei que ia ser um dos melhores que vi no ano. Não achei. Gostei muito dos planos de filmagem, acho interessante a imprecisão da resolução dos mistérios, como se o mal estivesse perambulando e fosse demasiado complexo para a compreensão através de uma citação simples de nomes, mas o ritmo cadenciado e o excesso de personagens tornam o filme demasiado longo. Sei lá, achei chatíssimo (o que não faz com que seja ruim), mas não me empolgou.

[/quote']

 

pois e, tb nao achei td isso nao... tanto q tive q ver esse ai em dois capitulos pra nao dormir.. Em tempo, dos candidatos a filme estrangeiro deste ano o frances O Profeta, o israelense Ajami e espanhol O Segredo dos Zoio ganham disparado da Fita Branca , q so e superior (ou quase igual em sonolencia) ao peruano A Teta Assustada..
Link to comment
Share on other sites

Easy A (Will Gluck, 2010)

 

Desde quando eu vi a zoiudinha lindinha

com cara de mangá em Superbad estava claro para mim que a Emma Stone

daria certo. Ela á simpática demais e aqui, até boa atriz. O filme não

ajuda muito, já que é muito bunitinho e redondinho, o que tira impacto e

tals, mas ela manda muito bem e vale a divertida hora e meia.

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

pois e' date=' tb nao achei td isso nao... tanto q tive q ver esse ai em dois capitulos pra nao dormir.. 
[/quote']

 

 

Se tu não conseguiu ver tudo de uma vez de tanto tédio então o filme não só não é tudo isso como não é nada, hehe. E se dá sono então o Haneke continua firme e forte com o cinema sonífero dele.

 

Link to comment
Share on other sites

The+American.gif

 

Um Homem Misterioso (Anton Corbijn, 2010)

 

Que maravilha é assistir ao esforço do Clooney em entregar atuações sóbrias e extremamente humanas. Ele já vem fazendo isso desde Syriana - parece reconhecer que não é um grande ator nato, mas se esforça ao máximo para entregar algo decente.

E neste filme, se alia ao Anton Corbijn, fotógrafo que vem fazendo maravilhas no cinema. Aqui ele raramente desperdiça a área do enquadramento, cada sequência parece ter sido meticulosamente estudada, deixando um simples thriller com ares de vanguarda.

Apesar do roteiro apelar para coisas não tão geniais provavelmente vindas do livro (borboleta?!?), o Corbijn entrega um estudo bem visual sobre a solidão. Dos melhores que vi este ano.

 

 
Link to comment
Share on other sites

 

kidsareallright_2.jpg

 

Um lar bem estruturado, perfeito, idílico... e de mães gays.<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

E eis que surge o doador de sêmen, tipo uma serpente sacana p/ detonar com o éden da heterofóbica Nic  e da insegura Jules.

A bagunça é tanta que faz pensar que  as "falhas" ali sempre estiveram e o tal doador maligno só as fizeram vir a tona.

By the way, tão falando de Oscar p/  Benning, (tá, tem a cena dela cantando “Blue”) , mas super acho que quem rouba a cena aqui é a pernapeluda Moore.

 

The Kids Are All Right” – 9,0/10,0

MariaShy2010-11-23 16:03:39
Link to comment
Share on other sites

The Miserables (Sylvester Stallone, 2010)

 

 

 

Não funciona como filme de ação, não tem sinopse, não tem rítmo, não tem clima, tem um monte de brutamontes que não tem destaque nenhum nas cenas, tem os piores diálogos da história do cinema, não é nostálgico, não é divertido, nem sequer é chato. Perdi 1:38 hs da minha vida e mais 2 min pra escrever isso. Nota 0 com força.

Link to comment
Share on other sites

Mais alguns da Mostra:

 

leap_year_03.jpg

 

 

Ano Bissexto (Año Bisiesto, Michael Rowe, 2010)

 

O filme apresenta uma protagonista bem detestável, do tipo que no telefone parece ser alguém super bacana, mas quando está só tira catota do nariz e bate siririca xeretando os vizinhos (isso tudo é mostrado).

A atriz nada inibida passa praticamente o filme inteiro pelada, aparentemente atrás de companhias que durem mais de uma noite. Quando ela finalmente encontra, tudo segue por uma vertente diferente. O que parecia ser um estudo de comportamento torna-se uma experiência sadomasoquista das mais intensas (até golden shower tem), e finalmente tudo se amarra com a justificativa do título. Trabalho de câmera muito muito bom, mas o marcante mesmo são as cenas de tortura que culminam em prazer.

 

E já perdi a conta de quantos filmes latinos já assisti com pelo menos uma cena de alguém mijando. Só na mostra foram 4, que obcessão estranha...09

 

 

caterpillar.jpg

Caterpillar (Kyatapirâ, Kôji Wakamatsu, 2010)

 

Ao voltar da 2ª Guerra Sino-Japonesa, o sujeito retorna pra casa totalmente deformado, mudo, e sem braços e pernas. Mas ele retorna como um herói nacional, e sua mulher agora tem de conviver com um torso, servindo de exemplo para todo o Japão. O filme basicamente explora este drama, criando várias cenas emocionantes, ainda mais considerando que o cara não é exatamente um herói.

 

 

 
Link to comment
Share on other sites

 

Visto:

 

Resident Evil: Afterlife (Paul W.S. Anderson, 2010)

Se os demais

filmes da série queriam demais ser filmes vagabundos, nunca conseguiram

completamente, devido à algumas qualidades aqui e acolá. Já esse é

completamente bem sucedido. É uma bosta completa. E o que será que o

débil do diretor queria com tantas "homenagens" à Matrix. Essas

bizarrices servem para reforçar o quanto Matrix foi foda.

 

Revisto:

 

Eagle Eye (D.J. Caruso, 2008)

 

Eu gosto bem deste daqui, ele

funciona para mim como exemplo de que o cinema não precisa ter obrigação

com a lógica, que pode-se flertar com o absurdo, que personagens podem

tomar atitudes idiotas sem que o filme seja sacrificado. Claro que não é

nada demais, mas me diverte muito bem quando revejo. Além de ter uma de

minhas musas.

 

 

kakoserrano2010-11-25 13:56:53

Link to comment
Share on other sites

Stradivarius, pareceu interessante esse Catterpillar, é fácil de achar? Se quiser escrever mais a respeito, fica à vontade.

 

 

 

Assisti ontem ao Kagemusha. Ainda não decidi se gostei muito ou se apenas gostei. Esperava uma fotografia grandiosa, que não aconteceu. Mas os dramas humanos são mostrados de forma lenta e crescente, até o final rápido e desconcertante, que te deixa a certeza de que, paradoxalmente, mesmo dentro de sua ilimitada variedade o ser humano do Japão do Séc. XVI é o mesmo do Brasil, Estados Unidos ou qualquer outro lugar dos Sécs. XX e XXI.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

CÃES DE ALUGUEL

 

Vocês tão tirando onda com a minha cara, não é? Depois de tanto comentarem, finalmente assisti pela primeira (e absolutamente última) vez esse filme. Fraco, chega a dar um desgosto.

 

Não entendo por que esse filme é tão idolatrado. Será que esse povo acha que diálogos longos e 'descolados', cheio de referências à cultura pop, é o suficiente para se fazer um bom filme? Será que uma história boa não é mais essencial?

 

Tarantino mais uma vez superestimado bem mais do que merece. =p
Link to comment
Share on other sites

 

 

Não entendo por que esse filme é tão idolatrado. Será que esse povo acha que diálogos longos e 'descolados'' date=' cheio de referências à cultura pop, é o suficiente para se fazer um bom filme? Será que uma história boa não é mais essencial?

 

[/quote']

 

Não, não é... Se fosse, Encurralado do Spielberg seria uma porcaria.

 

Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...