Jump to content
Forum Cinema em Cena

O Que Você Anda Vendo e Comentando?


Nacka
 Share

Recommended Posts

 

Nossa' date=' que história maluca, fiquei interessado. Achou ele fácil na locadora? 06.gif[/quote']

 

 

 

Eu vi esse fim de semana. É bem interessante mesmo. Se quiser manda mp que te passo o link.

 

Então limpa tua caixa de entrada e manda pra mim. 03

 

Link to comment
Share on other sites

4859512718_13bfee84a3_o.png

 

Violência e Paixão (Gruppo di famiglia in un interno, Luchino Visconti, 1974)

 

 

 

 

 

Assitir um filme do Visconti por enquanto não significa uma experiência eletrizante ou fluída. A genialidade do cara está no modo como ambienta seus enredos. Cenas isoladas causam sim fortes sentimentos, mas é no todo que está o golpe de mestre. Nos créditos finais, o filme já se tornou parte de sua vida, para sempre (ao menos foi o que ocorreu com O Leopardo, Morte em Veneza, e agora este aqui).

 

 

 

Violência e Paixão, aliás, parece uma refilmagem de O Leopardo, na tormenta dos anos 70, onde uma intelectualidade moral dá espaço para a burguesia vivaz. A decadência é inclusive personificada pelo mesmo Burt Lancaster.

 

 

 

E o Pasqualino de Santis dá mais um show de foto que tive o privilégio de assistir numa cópia fresquinha no cinema.

 

 

 

 

 

Edit para consertar: Google Chrome (...)Stradivarius2011-02-16 13:03:55

Link to comment
Share on other sites

Lavoura Arcaica de Luis Fernando Carvalho (2001)

 

 

2

 

Não pensei que fosse possivel existir um épico brasileiro' date=' e que este e de fato e um obra prima em imagens e poesia, mas se tratando do diretor Carvalho não seria diferente ele um verdadeiro autor em sensibilidade, A historia e sobre André (Selto Mello excelente) filho do meio de uma familia de camponeses descendentes de Linbanêses que vive isolado em uma pensão e recebe a visita do irmão mais velho Pedro(Leonardo Medeiros) que tem a difícil missão de traze-lo de volta a familia.

Mas encontra Andre amargurado e desulidido com os ensinamentos do pai (Raul Cortez) pratiarca que valoriza a verdade,a terra, a familia e as virtudes cristãs, e sua paixão obsessiva pela irmã Ana (Simone Spladore)

 

Entre idas e vidas no tempo vemos o cotidiano simples da familia na fazenda  e o amor incondicional da Mãe (Juliana Carneiro da Cunha) que cerca André desde da infância de carinho e compreensão ao oposto do pai autoritario repressor, e o difícil relacionamento com a irmã Ana que como os outros irmãos segue os costumes e as tradições.

Como a festa que todos dançam e cantam felizes bastante unidos no campo e André olhando tudo sentado a distância com sua alma angustiada e sua sexualidade reprimida ao ver beleza dos gestos de Ana que exibe sua alegria e sensualidade.

 

 

E os desdobramentos tristes que se seguem com a permanência de André

que vive entre a paixão e  desespero e sua condição de anti-heroi e ovelha negra cujo o amor dentro dele só destroi e corroi de forma desvatadora os laços de familia e as lembranças felizes que este um dia teve.

 

Entretando o grande sofrimento da Mãe que sente a falta e ausência de Andre o convencem a retornar, para um ajuste defintivo de contas com o Pai Patriarca e seus ensinamentos, revelando magoas e decepções e o culminando em trágedia.

 

Selton Mello dá um shom de interpretação e em varias fazes da histora criando um personagem único e complexo e o elenco com o saudoso Raul Cortez são ótimos, e direção forte e criativa de Carvalho faz Laouva Arcaica um clássico nacional, excessivamente longo porém lindo e triste tá mais do que recomendado2thumbs

 

 

3

 

 
[/quote']

Tb p/ mim esse é o melhor filme nacional já feito!

É poesia pura ! 

É tremendamente arrebatador nas imagens e nas falas, do personagem de Ana e de Selton Melo principalmente, sei lá se pela performance deste, a angustia de André atravessa a tela e tu se sente em agonia feito ele...aff!
MariaShy2011-02-16 15:26:27
Link to comment
Share on other sites

XXY

Curiosa, arrojada e sensivel producao argentina q trata do despertar sexual de uma adolescente, assim como o direito ao livre arbitrio. O diferencial seria q aqui a teen em questao é hermafrodita (tem bilau e perikita, pra quem nao sabe), o q complica mais sua situacao, uma vez q qdo seus hormonios afloram gerando uma incerteza relativa qto a propria identidade. Seria ela homem ou mulher? Hetero ou homo? Isso num contexto q nao poderia ser mais conservador e machista como a fronteira Argentina e Uruguaia. A jovem atriz carrega o filme nas costas, mais ate q o gde Ricardo Darin, q faz o pai dela. 9-10

 

%5bxxy-poster01.jpg%5d 
Link to comment
Share on other sites

Super adoro esse filme...aff!

Sei lá se é qp adoro o cinema argentino, é um sopro de ar fresco em meio a tantas variações da mesma fórmula que existem/surgem.

 

E nem acho que ela esteja melhor que Darin [fanzoidemodeon]. Ele passa bem isso de estar perdido, não saber lidar com o problema e achar que isolar p/ proteger da curiosidade cruel alheia.

 


 
Link to comment
Share on other sites

Leon.The.Professional.1994<?:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Sublime!  Com uma trilha Sonora mais envolvente o filme seria perfeito.A Natalie Portman nessa época já dava um show...cena da risada infinita não tinha como ser mais natural.O filme é muito agradável e tudo funciona passa muito rápido quase como se escoasse nas mãos.Gastronomia de alto nível. Elenco muito bem selecionado Oldman, Reno, e Portman caem como uma luva.

 xm28ih.jpg

The clearing 2004

“Puta falta de sacanagem”. Decepcionante. Desperdidio de Willem Dafoe e Redford nesse filme medíocre (elogio).

 View%20Full%20Size%20Image

Colors 1988

Fraco .Faltou objetividade,Historia por demais emsimesmada nos protagonistas e extremamente distante da situação alvo que pretende retratar.Nem sequer se aprofunda na divisão policial crash nem nas gangues.Nosso Tropa de elite “esturpra” esse aqui fácil. Ponto alto do filme é a trilha sonora que é bem a calhar.

 

     View%20Full%20Size%20Image
Calvin2011-02-17 10:56:44
Link to comment
Share on other sites

X-Men de Brain Singer de 2000

 

Jovens mutantes liderados pelo Prof. Xavier(Patrick Stweart) denominados X-Men enfrentam a Irmandade Mutante de Magneto(Ian McKellen) entre surge o misterioso e violento Wolverine(Hugh Jackman) que está atrás de respostas do seu passado, confesso que adoro este filme pois ele deu a origem a série e mostou as boas perfomaces de Jackman, McKellen e Stweart. Ação e bom humor em dose certa pena que seje curto.

 

250px-X-Men_Filme.jpg

 

 

2012 de Roland Emerich

 

O cientista dr. Adrian Helmsley(Chiwete Ejiofor) descobre que o núcleo da terra esta comprometido e fim da civilização está próximo, junto com as autoridades mundiais se preparam para a castatrofe. um maluco ambientalista Charlie Frost(Woody Harrelson) e o chofer escritor Jackson Curtis(Jonh Cusack) descobrem a verdade, fazendo Curtis se aproxima da ex-mulher e filhos. Aventura cheia de furos e efeitos especiais exagerado até ossos. mas uma sessão pontos turisticos internacionais sendo destruidos

 

250px-2012_Poster.jpg
Link to comment
Share on other sites

Super adoro esse filme...aff!

Sei lá se é qp adoro o cinema argentino, é um sopro de ar fresco em meio a tantas variações da mesma fórmula que existem/surgem.

 

E nem acho que ela esteja melhor que Darin [fanzoidemodeon']. Ele passa bem isso de estar perdido, não saber lidar com o problema e achar que isolar p/ proteger da curiosidade cruel alheia.

 


 

ele fazia pior.. alem de proteger criava como se fosse sua pricezinha, sendo q  os hormonios afloravam o lado masculino e a terceira perna da mocinha..06
Link to comment
Share on other sites

Megamind (Tom McGrath, 2010)

Qual é o problema de hollywood? Acho

que existem espiões por lá. Qual a probabilidade de no mesmo ano duas

animações cujo personagem principal é um supervilão serem lançadas no

mesmo ano? Nenhum dos dois filmes é grande coisa, com leve vantagem para

Despicable Me sobre esse aqui. lé tem o Carrel que eu gosto, aqui tem o

Farrell que eu detesto.

 

Link to comment
Share on other sites

TRIÂNGULO DO MEDO

 

Conseguir gostar mais do que o Sall desse filme. Muito mérito da edição e roteiro que faz o filme ser complexo sem ser confuso. Um dos melhores usos de tensão da década ( Alguém se lembrou de O Iluminado nas cenas do corredor?.)Melissa George em uma ótima atuação onde você se sente tão triste como ela a cada passo. E o final é de colocar um sorriso bobo na casa e deixar os olhos arreganhados. Um dos melhores filmes de terror da década.

 

 

 

NOTA: 10/10

Link to comment
Share on other sites

127 Hours (Danny Boyle, 2010)

 

O Boyle sempre foi chegado a uns

faniquitos com sua câmera, coisa que normalmente considero dispensável.

Mas aqui ele tinha que injetar adrenalina de alguma forma, sob risco de

transformar a hora e meia do filme nas 127 horas do título. Funciona

muito bem na maior parte do tempo, mas não deixa de irritar um pouco

eventualmente. É o tipo de filme que visa de certa forma inspirar, coisa

que não gosto, mas até que ele sai ileso das "lições de vida". E o

Franco está realmente bem.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

TRIÂNGULO DO MEDO

 

Conseguir gostar mais do que o Sall desse filme. Muito mérito da edição e roteiro que faz o filme ser complexo sem ser confuso. Um dos melhores usos de tensão da década ( Alguém se lembrou de O Iluminado nas cenas do corredor?.)Melissa George em uma ótima atuação onde você se sente tão triste como ela a cada passo. E o final é de colocar um sorriso bobo na casa e deixar os olhos arreganhados. Um dos melhores filmes de terror da década.

 

 

 

NOTA: 10/10

Acho que gosto mais do que os dois, para mim o melhor filme dos últimos 6 anos no mínimo. Espetacular. 06

 

E LavourArcaica me recuso a comentar. Obra prima absoluta. Melhor filme nacional a anos luz do segundo colocado.

 

Link to comment
Share on other sites

O BESOURO VERDE - 7.5/10 - Trata-se de um filme de super-heróis que literalmente não deve ser levado a sério, afinal a dupla central é formada por dois personagens que decidem ingressar no combate ao crime de maneira despretenciosa, quase que procurando por diversão. É uma comédia de super-herói e funciona relativamente bem desta forma. Michel Gondry que já havia chamado tanta a atenção com filmes autorais e "artesanais" parece uma escolha um tanto quanto deslocada para este filme e, realmente, há pouca coisa com a sua "cara". Ainda assim deve-se elogiar o bom uso que faz dos efeitos especiais, especialmente nas sequências de luta envolvendo Kato, há um certo frescor na maneira com que ele coreografa e mostra os golpes em função da visão privilegiada do personagem, já que nas sequências de ação o trabalho fica bem próximo do burocrático (e confesso que no começo, em menos de 10 mnutos, metade do tempo foi gasto com o desgastante uso da câmera lenta, praticamente). Seth Rogen é outra escolha arriscada já que o mesmo funciona bem como personagem cômico, mas nunca convence como uma figura capaz de vestir uma máscara e se mostrar útil no combate ao crime, o perfil do personagem também não ajuda para estabelecer essa motivação (Rogen funciona melhor na comédia). O grande destaque e surpresa fica por conta de Jay Chou, um ator bastante carismático e que faz de Kato o maior atrativo desta produção. Christopher Waltz acaba oferecendo uma participação bastante decepcionante já que assume uma postura extremamente canastrona, numa espécie de variação do personagem visto em "Bastardos Inglórios", mas que não tem um pingo de charme ou criatividade (o texto também não ajuda). Curiosamente James Franco surge na pele de um personagem muito mais atraente ao desafiá-lo, mas acaba tendo pouco tempo de cena. Cameron Diaz está na pele da personagem que funciona como a mente que ajuda a dupla de amigos atrapalhados e não compromete. Não é um filme ruim, mas tb não é especialmente marcante. Funciona muito mais como uma comédia do que propriamente ação, especialmente pela dinâmica de cena entre "O Besouro Verdade" e seu fiel assistente. 

Thiago Lucio2011-02-17 21:19:53
Link to comment
Share on other sites

 

True Grit' date=' Coens (4/4)

 

nostálgico pra caramba. os bro´s fizeram a coisa toda com muita paixão e reverência, mas sempre com a identidade habitual permeando a trajetória de sues protagonistas. Jeff Bridges, te amo, véio.

 

[/quote']

 

Prefiro amar a Hailee que está uma graça no papel (sendo ela mesma uma gracinha)... 08

 

Link to comment
Share on other sites

TRIÂNGULO DO MEDO
Conseguir gostar mais do que o Sall desse filme. Muito mérito da edição e roteiro que faz o filme ser complexo sem ser confuso. Um dos melhores usos de tensão da década ( Alguém se lembrou de O Iluminado nas cenas do corredor?.)Melissa George em uma ótima atuação onde você se sente tão triste como ela a cada passo. E o final é de colocar um sorriso bobo na casa e deixar os olhos arreganhados. Um dos melhores filmes de terror da década.

NOTA: 10/10

Acho que gosto mais do que os dois, para mim o melhor filme dos últimos 6 anos no mínimo. Espetacular. 06

E LavourArcaica me recuso a comentar. Obra prima absoluta. Melhor filme nacional a anos luz do segundo colocado.

[/quote']

 

Nunca ia imaginar que o Pdiogo gostaria tanto de um filme do tipo de Triangle. Mais um para o clube16. Então, trate de ir lá no tópico Top 2010 e colocar o filme no topo, 10 de 10.06 Quem gostar muito dele, ainda gosta menos que eu...

 

 

 
Sall2011-02-17 21:54:10
Link to comment
Share on other sites

 

Brilho de Uma Paixão (Bright Star), 2009 - Jane Campion - 5/10

 

Novelão embalado sob forma de poema e contado quase que episodicamente, quebrando a fluidez da história. Sem ritmo, sem a emoção que um filme desse precisava ter, bem perto do enfadonho...

 

 
Link to comment
Share on other sites

winters_bone_sangueetripas.jpg%20

 

 

 

 

 

Simplesmente sensacional a direção de Debra Granik.

 

 

 

Somos inseridos nessa sociedade em Missouri e pouco a pouco vamos descobrindo o porque dessa estética azul e pesada adotada pela direções de fotografia e arte.

 

Atuações excelentes, inclusive da Jennifer Lawrence (que já virou musa pra mim) e de John Hawkes, sempre imprevisível.

 

 

 

Uma pena não ter o marketing que merecia no Brasil.ricardo.bh2011-02-18 14:35:18

Link to comment
Share on other sites

Revisto:

 

Daylight (Rob Cohen, 1996)

 

Olha, eu sempre fui um dos defensores

do Stallone. O cara é limitado mas já entregou algumas atuações muito

boas, além de uma espetacular em Rambo. Mas cara, aqui o bichinho está

b-a-d! O filme já não ajuda muito, mas ele parece que erra de propósito o

tom de todas as frases que vomita. É alarmante.

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

×
×
  • Create New...