Jump to content
Forum Cinema em Cena

Cineclube em Cena

Sign in to follow this  

O seu clube de cinema! Jogos, prêmiações de usuários e muito mais!

44 topics in this forum

  1. Cozinha do Inferno

    • 1,609 replies
    • 106,279 views
  2. Cineclube em Cena

    • 1,875 replies
    • 138,545 views
    • 6 replies
    • 2,525 views
    • 89 replies
    • 9,021 views
    • 363 replies
    • 21,101 views
    • 93 replies
    • 9,237 views
    • 726 replies
    • 32,952 views
    • 107 replies
    • 11,561 views
  3. Filme de terror

    • 1 reply
    • 960 views
    • 59 replies
    • 7,343 views
  4. Blood Festival

    • 173 replies
    • 20,994 views
  5. Top Comédias

    • 14 replies
    • 2,214 views
    • 18 replies
    • 2,242 views
    • 65 replies
    • 9,128 views
    • 125 replies
    • 15,445 views
    • 164 replies
    • 18,465 views
    • 219 replies
    • 21,268 views
    • 257 replies
    • 21,472 views
    • 321 replies
    • 25,661 views
    • 60 replies
    • 6,428 views
  6. Cineclube Light

    • 405 replies
    • 21,585 views
    • 6 replies
    • 8,762 views
    • 459 replies
    • 21,523 views
    • 98 replies
    • 9,879 views
    • 2,496 replies
    • 46,436 views
Sign in to follow this  
  • Posts

    •     120 BATTEMENTS PAR MINUTE  [2017] Filme muito bem realizado, começando uma discussão geral, em torno do movimento ativista ACT UP em prol dos direitos dos soros positivos e pela luta de uma política do governo de prevenção e tratamento da AIDs, e caminhando gradativamente para a particularidade de um personagem em específico, o manifestante soropositivo Sean, vivido muito bem pelo argentino Nahuel Pérez Biscayart. Há cenas em que a câmera sempre parece querer colocar o expectador ao lado dos personagens, seja nas festas ou mesmo em momentos de intensa dor ou prazer. A cumplicidade da câmera com os atores é um grande forte e resulta numa bela imersão do público. O filme peca por ser um pouco longo demais, em seus 140’, podendo ter optado por uma edição um pouco mais enxuta. Mas talvez tenha sido escolha do diretor ir por esse caminho mais longo exatamente pela tentativa de abordar um assunto de forma ao mesmo tempo ampla (em torno do movimento e suas peculiaridades) e também intimista (com o personagem Sean e sua luta contra o HIV). Um drama importante, consciente da força de seu tema.






      YOU WERE NEVER REALLY HERE [2017]

      Belíssmo filme, despretensioso, um belo exercício da diretora Lynne Ramsay em torno do gênero noir. Lembra em muito Taxi Driver, mas guarda particularidade como a relação do personagem de Joaquin Phoenix com sua mãe e o uso (econômico) do humor negro. O roteiro é ágil, caminhando para algumas situações que normalmente se vê em filmes do gênero. O grande acerto é a escolha de Phoenix para o filme, numa interpretação intensa e violenta. E, falando em violência, Ramsay tem méritos por sempre conseguir extrair da violência situações interessantes, como a de um assassino e do detetive deitados ao chão e interagindo ao cantarolarem, juntos, uma música que toca no rádio. Baseado numa novela de Jonathan Ames, o filme tenta fugir dos clichês do gênero, mas também abraça outros. A questão em torno da violência contras as crianças que ronda a trama é algo muito recorrente. Um filme rápido, curto, mas que funciona muito bem.  
    • Quem diria a Netflix iria me ajudar a colmatar uma das minhas maiores e vergonhosas lacunas cinematográficas...
    • Suportada a primeira meia-hora, eu amei. Peguei o espírito do filme, sabem como é? Trilha sonora fundamental para a obra. Pura dor fantasma.
    • A verdadeira voz do Homer Simpson. 
  • Popular Contributors

×