Jump to content
Forum Cinema em Cena
joao_spider

Blade Runner 2049

Recommended Posts

52 minutes ago, primo said:

Ótima observação, Gust! É isso.

E faz sentido o q vc disse sobre atuação contida e impacto

Faz sentido sim! Mas acho que seria mais interessante se a trilha fosse mais que apenas algo funcional.  Afinal, como disse o George Lucas, a trilha sonora é o "pó mágico"  que confere emoção aos filmes. Pensa nos grandes filmes sem a trilha sonora (Psicose, ET, Tubarão, Era uma Vez no Oeste, etc.). Tem até aquelas brincadeiras no youtube que pegam uma mesma cena e transforma em uma coisa completamente distinta com uma trilha sonora diferente. Claro que o silêncio pode ser igualmente poderoso! Mas uma boa trilha é fundamental também! Ainda mais este filme que mostra tanto cuidado na parte técnica, uma trilha sonora apenas funcional passa uma certa preguiça.

Ainda mais que, olhando pelo histórico, parece que a elaboração da trilha sonora não foi lá tranquila. Parece que o compositor original, o Jóhannsson, entregou algo que não agradou o Villeneuve, e ele chamou outros dois compositores em cima da hora para consertar o que já tinha (o Zimmer e o Wallfisch). Nestas condições, é compreensível que a trilha não tenha sido mais marcante. Parece que o Villeneuve queria algo mais próximo da trilha original do Vangelis. Ele  pretendia algo mais que apenas um pano de fundo para os outros sons. Ele buscava recriar uma certa atmosfera da trilha original. O Villeneuve disse:

“The thing I will say is that making movies is a laboratory. It’s an artistic process. You cannot plan things. Jóhann Jóhannsson is one of my favorite composers alive today. He’s a very strong artist,”  “But the movie needed something different, and I needed to go back to something closer to Vangelis. Jóhan and I decided that I will need to go in another direction — that’s what I will say. I hope I have the chance to work with him again because I think he’s really a fantastic composer.”

“It’s hard to get to Vangelis’ angle,” Villeneuve explained. “We have Johann’s breathtaking atmospheric sounds, but I needed other things, and Hans helped us.” He also highlighted to Collider the importance of that “very specific sound” from the original; any worthy sequel needed to be “directly inspired by Vangelis’ work.”

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
16 hours ago, Gust84 said:

Assistido.

Sou do time que gostou muito. Mas fui seduzido pelo trabalho de direção, fotografia e edição de som.

Quanto a trilha, acho que ela fez o papel inverso, do que normalmente vemos nos filmes. Neste filme ela é a "manta" para os demais sons, texturas. O que é a chuva? O vento? A neve? As panelas? Os drinks? Os tiros? O silêncio?

É de cair o queixo. A trilha é só um empurrãozinho a mais pra tudo.

Esse Dennis Villeneuve é ridículo! É uma direção contemplativa, orgânica! Nos carrega com uma segurança, sem movimento demais, o 3D fica absolutamente imersivo.

A fotografia também dispensa comentários.

Eu gostei das atuações contidas, e explico. Acho que mostra um contraste com os humanos, quase como os robôs do Matrix, mas que nos estimula a perceber pequenos detalhes de atuação e quando (no caso do Gosling, e da luv, principalmente) estoura, naqueles momentos o impacto é maior!

A duração do filme não me incomodou e adorei todas as discussões e questões trazidas nesse filme que são só apontamentos pra que o debate ocorra, sem tentar problematizar E responder. Apenas trás alguns conceitos ou ideias que valem a reflexão.

Filmaço aço pra mim.

Perfeito.

 

É disso que falei a respeito da atuação mais contida.  O Gosling quando passa a acreditar que é a criança muda e se torna "mais humano" passando a sentir as coisas

Share this post


Link to post
Share on other sites

Assistido.

Esse é tipo de filme para qual se trás muita bagagem do primeiro. Adoro o The Final Cut e poderia dichavar sobre o filme até falar chega. Achei Blade Runner 2049 é um filme muito bom, apesar de alguns problemas. Pretendo ver novamente assim que puder.

Visualmente extraordinário. Destaque à cinematografia de Roger Deakins, o gênio por trás de alguns dos mais belos filmes das últimas décadas, agora nos entrega o seu magnum opus. O enquadramento, o jogo de câmera, iluminação, uso de cores... Tudo é de cair o queixo, então o seu queixo vai desenvolver um queixo e este vai cair também. Se Deakins não ganhar o Oscar esse ano larga a mão.

Os efeitos especiais e sets também são impecáveis. Não dá diferenciar o que era prático e o que era CGI. O mundo de Blade Runner 2049 é um futuro perfeito do original, dá para ver a evolução tecnológica dentro do mundo, mas sem a armadilha de transformar tudo em holograma futurista. Vemos tecnologia que é uma continuação lógica do original, não um novo sci-fi. Lindo.

Contudo, como a bilheteria indica, o filme não vai agradar a todos. Tem um passo mais lento, reservado e é longo. Excessivamente longo. Até eu que costumo preferir filmes com passo mais lentos, me peguei esperando o tempo passar em alguns momentos. Dava para cortar uns minutos desse filme numa boa.

A trilha sonora - salvo por uma - achei medíocre, na melhor das hipóteses.

A melhor atuação do Harrison Ford em anos! Ryan Gosling está bem, assim como o restante do elenco, salvo pelo Jared Leto, este deveria ficar longe de personagens "estranhos", pois é um grande ator em filmes menores mas só caga nesses filmes grandes. Dave Bautista foi quem me surpreendeu, o cara revela grande amplitude com esse papel. É um filme que demanda da audiência e não pode ser visto de forma passiva.

Em termos de história e personagens... É melhor ir ver ser saber de nada. Vários temas e símbolos retornam do original.

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 13/10/2017 at 2:00 AM, Gust84 said:

Quanto a trilha, acho que ela fez o papel inverso, do que normalmente vemos nos filmes. Neste filme ela é a "manta" para os demais sons, texturas. O que é a chuva? O vento? A neve? As panelas? Os drinks? Os tiros? O silêncio?

Hummm...

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

 Não assisti o filme ainda, mas ele teve uma recepção crítica (na época do lançamento) bem melhor que a do original. Já comercialmente, a história se repetiu.

 

Fracasso comercial faz ‘Blade Runner 2049’ ser retirado dos cinemas

Publicado em 22/10/2017 às 18:52 por Renato Marafon
COMPARTILHE!
379

Blade Runner 2049‘ fracassou nas bilheterias norte-americanas e deve dar um grande prejuízo para a Warner Bros.

Segundo o Indiewire, em sua terceira semana em cartaz o filme já foi retirado de cerca de 855 cinemas norte-americanos, devido a baixa procura do público.

Para comparação, ‘It – A Coisa‘ já está em cartaz há quase dois meses e saiu de apenas 616 salas.

Nesse fim de semana, ‘Blade Runner 2049‘ teve uma alta queda de 57% e somou apenas US$ 7 milhões.

 

FONTE: CINEPOP

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma pena. Talvez chamem o James Gunn pro terceiro🤔 

Gostei da atuação do Letto, sem exageros cumpriu bem seu papel. Já o Ford eu gostei também. Mas não consegui enxergar o Deckard ali. Preciso rever. Se ainda tiver alguma sala  passando. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fiquei um pouco assustado com a audiência geral.

A hype era grande, mas, aparentemente por gente que nunca nem viu o primeiro filme. 

Ainda que tenha gente que prefira o primeiro por muito, dificilmente acharia este esse fracasso.

É um filmaço sozinho.

Tecnicamente como linguagem cinematográfica é uma aula.

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 25/10/2017 at 9:46 PM, Gust84 said:

A hype era grande, mas, aparentemente por gente que nunca nem viu o primeiro filme. 

Acho que a questão é que o filme não conseguiu chamar a atenção de gente que não viu o primeiro filme, não conseguiu atrair novo publico.

Blade Runner 2049 fracassa também na bilheteria da China

POR
 YGOR OLIVEIRA
 -
 29/10/2017
 
 
 
  
runner-696x292.jpg Blade Runner 2049
 
Ouça este conteúdo
0:00
 
 
01:22
 
 
 

Talvez investir em US$ 150 milhões em Blade Runner 2049 não tenha sido a melhor ideia da Warner nos últimos anos. Embora o filme tenha recebido ótimas críticas, ele tem amargado bilheterias muito baixas e vai precisar se esforçar para conseguir arrebatar algum lucro para o estúdio.

 

O filme conseguiu “apenas” US$ 190 milhões no mundo todo e agora muitos cinemas norte-americanos pararam de exibi-lo. Segundo o Indie Wire, cerca de 855 cinemas não estão exibindo o filme que estrou há apenas 3 semanas.

E a maior esperança de que esse número pudesse levantar era a bilheteria chinesa, que costuma “salvar” filmes assim. Mas nem mesmo lá o filme conseguiu se consolidar, fazendo apenas US$ 9 milhões em sua estreia. Para comparação, o último Velozes e Furiosos arrecadou quase US$ 200 milhões apenas na China.

 

FONTE: OBSERVATÓRIO DO CINEMA

Share this post


Link to post
Share on other sites

Denis Villeneuve comenta o fracasso comercial de Blade Runner 2049

Publicado em23 de novembro de 2017 às 19h09
v-blade-runner-760x428.jpg

Conversando com o Yahoo!, Denis Villeneuve falou sobre o fracasso comercial de Blade Runner 2049, explicando que acha que as bilheterias não foram boas pela duração do filme e pela não-familiaridade do público com aquele universo:

Ainda estou digerindo. Tive as melhores críticas da minha vida, nunca tive um filme que foi tão elogiado quanto esse. Ao mesmo tempo, a bilheteria foi decepcionante. Esses filmes são caros. Ele ainda vai fazer rios de dinheiro, mas não o suficiente. Eu acho que as pessoas não conheciam bem aquele universo. E ele é longo. Eu não sei, ainda é um mistério para mim.

O longa custou US$ 150 milhões e até o momento arrecadou US$ 252 milhões ao redor do mundo.

 

FONTE: JOVEM NERD

Share this post


Link to post
Share on other sites

Estou lendo o "Androides sonham com ovelhas elétricas?" que deu origem a tudo, e está sendo maravilhoso perceber aqui e ali os elementos constitutivos dos filmes.

Vejo esse Oscar de Fotografia como uma disputa tripla entre "The Shape of Water", "Dunkirk", e "Blade Runner 2049". Vale lembrar que nas cédulas dos votantes da Academia não aparecem os nomes dos fotógrafos, só os filmes, por isso é importante a campanha dos filmes lembrar os votantes qual o sujeito por trás das lentes, e contar sua história: por exemplo, um cara aí tem13 indicações ao Oscar e nunca ganhou.

Estou falando de lembrar, porque depois da enquete que fizeram com a Meryl Streep pedindo pra ela citar quais foram suas indicações e ela não soube responder (inclusive errou qual foi a primeira vez em que foi indicada), não duvido de mais nada. Nem quem vota no Oscar, nem quem é vencedor de Oscar, é Oscarmaníaco.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nem atores são cinefilios. 

Nao sei qual edição do livro 📚 vc está lendo. Na edição que li tinha uma resenha no final do livro que era excelente. Vou ver se descubro 

Share this post


Link to post
Share on other sites
56 minutes ago, Big One said:

Nem atores são cinefilios. 

Nao sei qual edição do livro 📚 vc está lendo. Na edição que li tinha uma resenha no final do livro que era excelente. Vou ver se descubro 

Estou lendo a edição mais recente da Editora Aleph. Tem posfácio da lavra do tradutor, entrevista com o Philip K. Dick, e outras notas sobre o filme.

Share this post


Link to post
Share on other sites
On 13/01/2018 at 8:28 PM, SergioBenatti said:

Estou lendo a edição mais recente da Editora Aleph. Tem posfácio da lavra do tradutor, entrevista com o Philip K. Dick, e outras notas sobre o filme.

Encontrei. Eh a mesma versão que eu li.  Eh o prosfácio do tradutor Ronaldo Bressane onde ela faz parecemos com o livro e o filme.  Muito bom. Segue o link  a quem possa interessar  

 

https://ronaldobressane.com/2017/10/05/falso-e-verdadeiro/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Big One, terminei a leitura. Cara, me surpreendeu. Achei extraordinário! Muito melhor do que pensava!

Passei a admirar mais o Ridley Scott por que ele ele pegou um fiapo da história mas manteve a essência e o clima do livro. Parabéns também ao Villeneuve por inserir tão bem os cavalos de madeira em seu filme.

Philip k. Dick morrer pouco antes da estreia parece ficção científica.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ator do filme clássico diz que sequência foi “desnecessária”

Rutger Hauer como Roy Batty em Blade Runner

Blade Runner 2049, sequência do clássico de ficção científica de Ridley Scott foi lançado em 2017 e, apesar de certa aceitação do público, não foi bem recebido por alguns. Especialmente, para um dos atores do longa original, de 1982. E não é somente qualquer ator, se trata de Rutger Hauer, o “vilão” Roy Batty. Em entrevista para o The Hollywood Reporter, Rutger acredita que a sequência foi desnecessária. “Parece ótimo mas eu tive dificuldades em ver necessidade nesse filme. Eu acho que se algo é bonito, você deve deixá-lo quieto e fazer outro filme”, revelou Hauer. Blade Runner 2049 explorou sobre as consequências da história do primeiro filme, no qual agente K (Ryan Gosling) é designado a procurar por Deckard (Harrison Ford).

 

:rolleyes:

Resultado de imagem para dor de cotovelo meme

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 hours ago, Jorge Soto said:

Rutger Hauer, o “vilão” Roy Batty. (...) “Parece ótimo mas eu tive dificuldades em ver necessidade nesse filme. Eu acho que se algo é bonito, você deve deixá-lo quieto e fazer outro filme”

Fico curioso pra saber a opinião do nobre senhor citado aê no caso do novo 
filme ser top 5 de bilheteria e sucesso absoluto de crítica. :rolleyes:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×